Daily Archives: 2008/06/03

Segundo a Justiça colombiana, a Chiquita teria financiado grupos paramilitares de Extrema Direita

(Paramilitar colombiano in http://tordesilhas.net)

A Colombia está a tentar extraditar oito executivos da multinacional norte-americana Chiquita, depois desta ter admitido publicamente ter pago mais 1,7 milhões de dólares a “Esquadrões da Morte” colombianos, financiando a sua cega campanha de morte e servindo assim de financiador de centenas de vítimas civis destes Esquadrões. A multinacional alega que realizou estes pagamentos coagida como extorsão e de forma a proteger os seus trabalhadores na Colômbia. Contudo, esse não é o entendimento do Procurador-geral colombiano, Mario Iguaran que sublinhou que as ligações entre a Chiquita e os paramilitares de extrema-direita não pareciam de “uma relação entre um extorsionista-vítima de extorsão”. A Justiça colombiana procura agora extraditar vários altos responsáveis da multinacional e isso poderá acontecer até porque existe um tratado de extradição válido entre os EUA e a Colômbia. Para além de dinheiro, a Chiquita poderá também ter fornecido armas diretamente aos paramilitares, como sugerem vários indícios que em 2001 dão conta de um desembarque de armamento ligeiro num porto das Caraíbas por uma subsidiária local da multinacional, de nome Banadex.

A relação turva entre a Chiquita e as milícias paramilitares vieram a lume no seio de uma investigação de maior escala que decorre na Colômbia e que já expôs várias ligações entre algumas das maiores famílias do pais, outras multinacionais do ramo alimentar e os grupos de extrema-direita.

Os grupos paramilitares que a Chiquita teria financiado estiveram muito ativos na década de 90, assassinando centenas de civis suspeitos de simpatias e de apoios mais ou menos diretos à guerrilha de Esquerda. No total a Chiquita terá feito centenas de pagamentos isolados, mesmo depois do Departamento de Estado dos EUA os ter declarado “grupos terroristas”, entregando nas suas mãos mais de 800 mil dólares em “despesas de Segurança” (assim aparecem na contabilidade da multinacional) e, segundo o Procurador-Geral sempre em consciência de que estes financiamentos iriam contribuir para a execução de diversos assassinatos e abusos vários.

Eis porque tenho reservas a empresas de escala global… Quando uma empresa assume uma escala tamanha, que se torna capaz de competir com os próprios Estados e as suas forças de Segurança, quando se arroga o direito de “defender” os seus interesses locais, sobrepondo assim qualquer ética ou respeito pelas leis locais, então, é porque estamos perante empresas demasiado cínicas e/ou demasiado grandes para poderem ser geridas de forma humana. Como se pode compreender que uma Empresa tivesse dado maior prioridade aos seus lucros, e à permanência num local onde lhe era exigido um financiamento a atividades criminosas, do que é defesa ou pelo menos à abstenção da provocação de danos a vidas humanas? O Lucro bruto está acima da Vida? E isto supondo, que o compadrio entre a multinacional e estes paramilitares não ía ainda mais longe, com entregas de armamento e rumores de que os teria utilizado para contratar o assassinato de líderes sindicais mais contestatários. Não duvidemos que esta e muitas outras multinacionais da mesma escala fariam o mesmo noutros países do mundo, se encontrassem as mesmas condições de fraqueza do Estado e da Lei que encontraram na Colômbia. E atualmente, com a crescente potencia financeira destas megaempresas, com a dependência perigosa dos partidos políticos dos seus financiamentos, da imensa de lobbistas eficientes e “generosos”, caminhamos para esse tenebroso local em todo o Ocidente…

Fonte:
http://www.washingtonpost.com/wp-dyn/content/article/2007/03/20/AR2007032001698.html

Categories: Economia, Política Internacional | Etiquetas: | 15 comentários

Quids S12-20: Que modelo de autocarro era este?

Dificuldade: 3

Regras:

1. Cada Quid valerá entre 1 a 3 pontos.
2. Cada pista fornecida deduzirá um ponto aos pontos correntes ao Quid, parando esta descida em 1 ponto.
3. Não serão dadas pistas no próprio dia do lançamento do mesmo, mas apenas no período seguinte (12:30-14:30 do dia seguinte, juntamente com o lançamento do Quid seguinte). Contudo, nesse período do dia seguinte podem ser dadas várias pistas, se pedidas.
4. Os Quids terminam quando um concorrente chegar aos 50 pontos.

Categories: Quids S12 | 4 comentários

Lost S04E13 e E14: “There’s no place like home” [Spoilers]

O episódio “There’s no place like home”, é o final da 4ªa temporada de Lost e vai inaugurar uma fórmula que de acordo com os produtores será repetida nas duas próximas (e últimas) temporadas da série: grupos de 17 episódios, cada um dos quais com finais duplas de duas horas cada, em que cada final é antecida por uma primeira parte, de uma hora, mas com o mesmo título e tema do final.

1. Pouco antes do ataque dos Outros ao grupo de Keamy, junto ao helicóptero, ouve-se um dos fenómenos que na Ilha estão associados à morte e ao Monstro: os múrmurios… E de facto, pouco depois, vários mercenários perdem a vida. Estes murmúrios serão daqueles que já faleceram na Ilha, nomeadamente dos antigos membros da Dharma Initiative? A presença e as capacidades reveladas por Miles indicam que a vida depois da morte tem um papel no enredo de Lost (maior do que eu gostaria, talvez…) e aqui encontramos mais uma prova da correção desta interpretação.

2. Durante o ataque aos mercenários, um é posto fora de combate com um Taser… Ora sendo esta uma arma não-letal e não surgindo indicações posteriores da morte deste soldado profissional, isso quer dizer que ele vai regressar no começo da 5ª temporada?

3. Charlotte diz a Daniel que não vai deixar a Ilha porque passou “toda a sua vida a tentar regressar” e diz que “foi aqui que nasceu”. Tendo em conta a sua idade, terá assim nascido aqui, de uma família que trabalhava na Dharma, como o pai de Ben, e partido antes do massacre dos Outros? Assim parece, e assim se explica como apareceu no primeiro episódio desta temporada escavando (é antropóloga) ursos polares com o logotipo da Dharma, no deserto da Tunísia…

4. No vídeo de “orientação” da Estação Orquídea, o Dr. Edgar Hallifax, ou seja, o mesmo oriental que já surgira noutros vídeos de orienteção de outra estações, mas sob outros nomes, aparece e esclarece que a Orquídea foi construída para estudar as “propriedades únicas” da Ilha, as quais criavam um certo “Efeito Casimir“. Este não é uma invenção, mas uma força física conhecida que surge num campo quântico e observado quando duas placas metálicas não carregadas no vácuo, a algums micrometros de distância uma da outra, geram, por efeito quântico, um campo de atração ou de repulsão, consoante a inclinação das placas. A experiência que detectou esta força foi da autoria dos físicos Dirk Polder e Hendrik… Casimir, daí o nome deste campo. Em “Lost”, este Efeito está relacionado diretamente com as capacidades para alterar a estrutura do Espaço-Tempo, enviando coelhos ou outros seres vivos para o Futuro e será gerado por um gerador “Casimir” situado perto da câmara temporal, um efeito secundário de “uma bolsa de matéria exótica negativamente carregada” situada no subsolo, a alguma distância. Ou seja… De dois dois buracos negros eletricamente carregados, girando em órbita um em torno do outro, de forma a criar este Efeito Casimir, mais as perturbações e deslocações espácio-temporais que alguns físicos acreditam ocorrer nas proximidades destes objectos em órbita múltipla? (ver AQUI).

5. Ben avisa Locke que a pessoa que mover a Ilha, não pode regressar a ela… Pouco depois atravessa o buraco que abriu no “Cofre” e penetra num túnel grosseiramente escavado na rocha. Compreende-se pouco depois porque vestira uma parka quando desce a uma sala gelada e cuja entrada é antececidade por duas estelas verticais com hieroglifos idênticos ao do contador da Estação Cisne e dos hieroglifos da porta da sala de controlo do Monstro. A sala onde se encontra a roda de oito hastes (que parece ser de madeira, o que contrasta com os outros testemunho arqueológicos da Ilha, sempre de pedra, mas que se explica pela baixa temperatura da sala). Esta roda está ligada a um mecanismo que é acionado por esta e que emie luz e tem no seu seio a dita “matéria exótica” que interpretamos como sendo dois buracos negros orbitando um em torno de outros, tendo a Roda a missão de alterar esta órbita e, logo, de mover a Ilha. É impossível reconhecer sinais claros nos hierpglifos das duas colunas desta sala, embora signo egípcio para “água” seja evidente. Porque está uma sala subterrânea numa Ilha tropical congelada? Ou o mecanismo dos “Antigos” só funciona em condições de um frio extremo ou… Ben ao percorrer o túnel atravessou uma túnel de wormhole gerado pelos buracos negros (muito ao estilo de “Stargate” (outra série cheia de alusões a civilizações perdidas, pseudo-egípcias) e em poucos metros, percorreu quilómetros e chegou a uma sala que de facto, se encontra… no Pólo Sul, o que explicaria o frio… Recordemo-nos que a Antárdita nem sempre foi o continente gelado que é hoje e que poderia bem ser ao centro desse império perdido que deixou as ruínas na Ilha (ver AQUI), mais exactamente há 250 mil anos atrás… a época desta civilização? Ao girar a roda, Ben faz com que a Ilha e o mar e o ar que a circundam sejam transferidos para outro local (mas na mesma timeframe, aparentemente), quebrando assim o túnel pelo wormhole até ao Pólo Sul e deixando-o numa das extremidades deste em pleno Saara e em Outubro de 2005 (no futuro, para o tempo da Ilha), como sucedia aos coelhos da Dharma. E se Daniel Faraday estava num zodiac a alguns metros da praia… aposto como vai regressar na Temporada 5, já que viajou juntamente com a Ilha. O que é uma boa notícia, já que é um dos personagens mais interessantes introduzidos por esta temporada.

6. No cargueiro e antes, na Orquidea descobre-se que o meu anterior palpite que Keamy levava uma câmara ligada a Widmore não era correcto… Na verdade, trata-se de um monitor cardíaco e o detonador dos C4s que ficaram no cargueiro e que ultimamente levarão à sua destruição… Aqui falhei no palpite…

7. Quando Sun aborda Charles Widmore em Londres, diz que Widmore os Seis não foram os únicos a deixar a Ilha, aludindo implicitamente a Ben e reconhecendo também que o próprio Widmore já esteve na Ilha e que a quer guardar para si, regressando… Assim, seria Widmore um dos fundadores da Dharma Initiative, tendo abandonado esta antes do massacre dos Outros? Assim se explicaria a animosidade entre Ben (o líder dos Outros) e Widmore.

8. O personagem desconhecido “Jeremy Bentham” é exposto na cena final como sendo… Locke. Bentham é um dos primeiros filósofos Utilitaristas, uma corrente de pensamento muito próxima do Budismo e logo… da Dharma (ver AQUI), uma “coincidência” muito curiosa… Não fazendo ele parte do grupo dos Seis, como chegou ao mundo exterior? E sendo o líder atual dos Outros e tão devotado à Ilha, como a deixou? Perguntas que a temporada 5 irá certamente esclarecer… Juntamente com o regresso do grupo à Ilha, como vivamente apela Ben.

E pronto! Espero que o M4jor leia estes comentários (que procurou ontem…), assim como todos aqueles que se vão deliciando com esta tão original, inteligente e fascinante série que é “Lost” (Perdidos) e… até à Temporada 5!

(no entretanto ainda vou publicar mais um ou dois comentários aos primeiros episódios desta temporada)

Categories: LOST (Perdidos) | Etiquetas: | 20 comentários

Site no WordPress.com.

Eleitores de Portugal (Associação Cívica)

Associação dedicada à divulgação e promoção da participação eleitoral e política dos cidadãos

Vizinhos em Lisboa

A Vizinhos em Lisboa tem em vista a representação e defesa dos interesses dos moradores residentes nas áreas, freguesias, bairros do concelho de Lisboa nas áreas de planeamento, urbanismo, valorização do património edificado, mobilidade, equipamentos, bem-estar, educação, defesa do património, ambiente e qualidade de vida.

Vizinhos do Areeiro

Núcleo do Areeiro da associação Vizinhos em Lisboa: Movimento de Vizinhos de causas locais e cidadania activa

Vizinhos do Bairro de São Miguel

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos

TRAVÃO ao Alojamento Local

O Alojamento Local, o Uniplaces e a Gentrificação de Lisboa e Porto estão a destruir as cidades

Não aos Serviços de Valor Acrescentado nas Facturas de Comunicações !

Movimento informal de cidadãos contra os abusos dos SVA em facturas de operadores de comunicações

Vizinhos de Alvalade

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos de Alvalade

anExplica

aprender e aprendendo

Subscrição Pública

Plataforma independente de participação cívica

Rede Vida

Just another WordPress.com weblog

Vizinhos do Areeiro

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos do Areeiro

MDP: Movimento pela Democratização dos Partidos Políticos

Movimento apartidário e transpartidário de reforma da democracia interna nos partidos políticos portugueses

Operadores Marítimo-Turísticos de Cascais

Actividade dos Operadores Marítimo Turísticos de Cascais

MaisLisboa

Núcleo MaisDemocracia.org na Área Metropolitana de Lisboa

THE UNIVERSAL LANGUAGE UNITES AND CREATES EQUALITY

A new world with universal laws to own and to govern all with a universal language, a common civilsation and e-democratic culture.

looking beyond borders

foreign policy and global economy

O Futuro é a Liberdade

Discussões sobre Software Livre e Sociedade