Um português chamado António Vieira: Vieira e o Mau Andamento da Guerra Holandesa no Pernambuco

Embora fosse um homem da sua época, formatado pelos padrões de normalidade e conceitos da sua época, Vieira não tinha a mesma concepção de “império” que a maioria dos seus contemporâneos defendia e aplicava. A dado ponto escreve o jesuíta: “Perde-se o Brasil, Senhor (digamo-lo em boa palavra) porque alguns ministros de Sua Majestade não vêm cá buscar o nosso bem, vêm buscar os nossos bens”. Acrescentado depois: “Muito deu em seu tempo Pernambuco, muito deu e dá hoje a Baía, e nada se logra, porque o que se tira do Brasil tira-se do Brasil; o Brasil o dá, Portugal o leva.”

Desde logo, é curioso como neste lamento pela “perda do Brasil”; Vieira assume-se em primeiro lugar como “brasileiro”, (“nossos bens”), como um “outro” a quem o Reino europeu procura perder na ânsia daqueles que lhe envia para o governar de rápidamente enriquecerem… Vieira dá neste ponto mostras do primeiro momento da erupção do sentimento nacionalista brasileiro, com este desabafo perante a atitude predatória destes ministros do Reino perante a colónia brasílica e também exprime a sua desilusão perante a persistência do Pernambuco nas mãos holandesas e perante a transformação do Brasil em mero ponto de partido de riquezas para sustentar as élites dirigentes do Império, em Lisboa. Estas expressões, e muitas outras proferidas por Vieira a favor dos direitos dos índios e dos escravos negros haveriam de granjear-lhe uma viva animosidade por parte dos colonos portugueses no Brasil.

Ao descrever a novo governador do Brasil, Dom Jorge Mascarenhas, marquês de Montalvão, a situação da guerra com os holandeses no Pernambuco, Vieira diz sobre os quatro generais que comandaram a campanha antes da chegada do marquês que “nenhum governou a guerra que a não entregasse ao seu sucessor em pior estado do que a recebera”, e a propósito daqueles militares que regressavam a Portugal e pediam benesses em nome dos seus feitos no Brasil: “Se foram verdadeiras todas as certidões dos soldados do Brasil, se aquelas rimas de façanhas em papel foram conformes a seu originais, que mais queríamos nós? Já não houvera Holanda, nem França, nem Turquia, todo o mundo fora nosso.” De novo, neste ponto, Vieira exprime a desilusão daqueles que além-Atlântico se começavam a sentir mais brasileiros que portugueses e que sentiam uma grande e crescente revolta perante a fraca qualidade dos generais que de Lisboa lhes íam enviando e que se revelavam incapazes de recuperar aos Países Baixos o terreno perdido em campanhas anteriores, e sobretudo, o rico e próspero Pernambuco.

De qualquer modo, é irónico que depois de ter consumido tanta energia e tempo a motivar os seus conterrâneos brasílicos animando-os na difícil “guerra holandesa” quando é forçado a abandonar o Brasil, pressionado pelo poderosos colonos que se reviram no famoso “Sermão de Santo António aos Peixes” (1654) e embarca num navio com destino a Lisboa quando este naufraga é recolhido precisamente por… um navio corsário holandês, que o salva e leva a bom porto, até à Graciosa, nos Açores. Ironias do destino, às quais nem Vieira estava imune…

Categories: Brasil, História, Nova Águia, Padre António Vieira, Portugal | 6 comentários

Navegação de artigos

6 thoughts on “Um português chamado António Vieira: Vieira e o Mau Andamento da Guerra Holandesa no Pernambuco

  1. Fred

    Vieria é fantastico, desde a defesa dos homens de nação em portugal (que causou sua perseguição pela inquisição) e a idéia da companhia mercantilista aos moldes da companhia das india ocidentais, apesar de só conseguir a criação da companhia para o Brasil ela sozinha inviabilizou os lucros da propria WIC, e com altos custos ocasionado pelas constantes batalhas e poucos rendimentos do açucar causados pela companhia portuguesa tornou inviavel a manutenção do Brasil holandês.

    Holanda que foi finalmente derrotada por um exercito de Indios , de brasileiros e de portugueses no monte dos guararapes.

  2. Muito interessante! Especialmente pela crítica aos portugueses, pelo próprio contraponto que a ocupação holandesa representava.

  3. Fred: Vieira era o melhor de todos nós e tanto brasileiro como português, no coração e no intelecto. E sim, a sua “Companhia” será ainda tema de próximo artigo, a publicar simultaneamente aqui e na Nova Águia… Adivinhaste!

    Catatau: critica que infelizmente não encontrou eco em Lisboa! felizmente que os brasileiros (de várias raças) encontraram energias para se libertarem do jugo nórdico, já que Lisboa tudo fazia para negociar a paz com a Holanda em troca do abandono do Pernambuco…

  4. Fred

    Sim um ótimo tema, publiquei sobre a defesa de Vieira dos homens de nação e judeus para patrocinar a companhia. Obviamente que foi essa a causa de sua perseguição pela inquisição. Tirava os doces das bocas dos dominicanos. 🙂

    Não sei se já leste, segue o link, desculpe os erros ainda estou aprendendo e quando postei esse ai era mais verde ainda 🙂

    http://piratininga.wordpress.com/2008/02/07/sobre-padre-antonio-vieira-e-sua-defesa-do-reino-portugues-e-consequente-defesa-dos-judeus-e-homens-da-nacao/

  5. é claro que li e que me lembrava, Fred.
    os erros de formatação html perseguem-nos a todos, claro…
    Vieira teve muitas turras com a Inquisição, alguma delas muito perigosas e das quais só se safou devido às suas ligações na Corte…

  6. MORO NO RECIFE A 5 ANOS, E SOU NORDESTINO DE NASCIMENTO “PARAIBA MINHA TERRA” E TENHO LIDO E APREEDIDO DESDE CRIANÇAS SOBRE A GUERRA E CONQUISTA DOS HOLANDESES, E VERIFIQUE COMFORME A HISTORIA E OS LIVROS, SOBRE A HISTORIA QUE OS HOLANDESES E PORTUGUESES E FRANCESES NEGOCIAVAM COM OS INDIGENAS NA EPÓCA DO DESCOBRIMENTO,E VIVIAM EM UMA SITUAÇÃO PACIFICA,POR SECULOS COMFORME ACHADOS NA REGIÃO DA PARAIBA, E RIO GRANDE DO NORTE, E PERNAMBUCO, E VERIFIQUE QUE OS
    HOLANDESES NÃO TERIA DECRETADO A GUERRA CONTRA NORDESTE DO BRASIL SE O GOVERNO PORTUGUES ESTIVESSE MANTIDO COMPOSTURA DE INDEPENDENCIA COM A ESPANHA, SEGUNDO A HISTORIA E OS FATOS OS HOLANDESES E FRANCESES,VIVIAM EM PAZ COM O POVO BRASILEIRO E QUERIA TRANSFORMA A REGIÃO NORDESTE EM LOCAL DE BOM CONVIVÍO,PARCIMONIOSO,O QUE TENHO OBSERVADO QUE NOS BRASILEIRO FIZEMOS A ESCOLHA ERRADA, FICANDO AO LADO DOS “PORTUGUESES” UM BANDO DE EGOISTA E PERDEDORES
    VEMOS ISSO HOJÉ AQUIR NO BRASIL FICO DECEPCIONADO COM A CONDIÇÃO QUE O BRASIL,VIVEU E VIVE NA REGIÃO DO NORDESTE. APESAR DE MINHA FAMILIA OS (LUCENAS) TER APOIADO O GOVERNO PORTUGUES. UM GOVERNO LUSO-MEDIÓCRE.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

Create a free website or blog at WordPress.com.

Eleitores de Portugal (Associação Cívica)

Associação dedicada à divulgação e promoção da participação eleitoral e política dos cidadãos

Vizinhos em Lisboa

A Vizinhos em Lisboa tem em vista a representação e defesa dos interesses dos moradores residentes nas áreas, freguesias, bairros do concelho de Lisboa nas áreas de planeamento, urbanismo, valorização do património edificado, mobilidade, equipamentos, bem-estar, educação, defesa do património, ambiente e qualidade de vida.

Vizinhos do Areeiro

Núcleo do Areeiro da associação Vizinhos em Lisboa: Movimento de Vizinhos de causas locais e cidadania activa

Vizinhos do Bairro de São Miguel

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos

TRAVÃO ao Alojamento Local

O Alojamento Local, o Uniplaces e a Gentrificação de Lisboa e Porto estão a destruir as cidades

Não aos Serviços de Valor Acrescentado nas Facturas de Comunicações !

Movimento informal de cidadãos contra os abusos dos SVA em facturas de operadores de comunicações

Vizinhos de Alvalade

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos de Alvalade

anExplica

PEDAÇOS DE SABER

Subscrição Pública

Plataforma independente de participação cívica

Rede Vida

Just another WordPress.com weblog

Vizinhos do Areeiro

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos do Areeiro

MDP: Movimento pela Democratização dos Partidos Políticos

Movimento apartidário e transpartidário de reforma da democracia interna nos partidos políticos portugueses

Operadores Marítimo-Turísticos de Cascais

Actividade dos Operadores Marítimo Turísticos de Cascais

MaisLisboa

Núcleo MaisDemocracia.org na Área Metropolitana de Lisboa

THE UNIVERSAL LANGUAGE UNITES AND CREATES EQUALITY

A new world with universal laws to own and to govern all with a universal language, a common civilsation and e-democratic culture.

looking beyond borders

foreign policy and global economy

<span>%d</span> bloggers like this: