Um português chamado António Vieira: O “Milagre” de Vieira; de aluno medíocre a génio

Ao contrário do que se poderia supor, e devido a António Vieira se ter tornado num tão excelso artista da língua portuguesa, esperaríamos que o Jesuíta no Seminário da Baía tivesse sido desde sempre um excelente aluno. Contudo,  tendo aprendido as primeiras letras com a mãe, padeira dos frades de São Francisco, em Lisboa, Vieira nos primeiros tempos do seminário da Baia revelara-se um aluno medíocre em todas as disciplinas, ainda que extremamente devoto. Descontente consigo próprio, passava longas horas orando à Virgem das Maravilhas, suplicando-lhe um melhor desempenho no Seminário. Então, subitamente, terá sentido “estalar” algo no cérebro, e imediatamente sentido uma dor intensa, quase mortal. A partir desse episódio, narrado na biografia de Lúcio de Azevedo, a memória do futuro jesuíta seria extensa e robusta, as suas capacidades de compreensão das matérias leccionadas multiplicar-se-íam e as suas energias oratórias cresceram e Vieira transformou-se, do dia para a noite (de acordo com a lenda) no melhor aluno do Seminário. Este episódio chegou-nos por via da obra do Padre André de Barros, “A Vida de António Vieira”, que teria escutado este relato de alguém que o teria ouvido da boca do próprio jesuíta.

Além deste espectacular desenvolvimento das capacidades mentais de Vieira, existe um outro episódio “fantástico” na vida de Vieira. Após ter terminado com o citado brilhantismo os estudo preparatórios no Seminário, Vieira foi enviado para a aldeia do Espírito Santo onde os jesuítas tinham agrupado um grupo de indígenas e, certo dia, perdeu-se no caminho entre o Seminário e a aldeia. Pela frente, encontrou o rio Joanes e ameaçado já pela escuridão hesitou sobre se continuaria à busca do caminho para a aldeia ou se voltaria para trás, para a cidade. Então, assustado, o jovem Vieira encomendou-se ao Anjo da Guarda e eis que, de novo, a providência acorre em seu socorro: surje um menino envolvido envolto por luz, o próprio Anjo da Guarda que caminhando silenciosamente à frente de Vieira até à aldeia, desaparecendo assim que foi cumprida a sua missão.

A época de Vieira é uma época de reacção contra a expansão do Protestantismo na Europa, uma batalha onde os Jesuítas se encontravam na linha de frente e onde o recurso a milagres eram useiro para reforçar junto da população mais hesitante a vantagem do catolicismo contra o protestantismo. Para além de um clima que propiciava à aparição de milagres e à promoção de futuros santos, a época era também uma época mentalmente muito diversa da nossa onde existia uma compreensão ainda muito limitada da Natureza e dos fenómenos naturais (Vieira sente-se compelido a designar um novo “imperador do futuro” depois de ver um cometa no Brasil), onde o misticismo e o maravilhoso permeavam toda a visão do mundo e a presença do Homem no mesmo. Estes episódios, aqui narrados, podem ter tido origem na tentativa póstuma de reabilitar a imagem maculada pela Inquisição de Vieira ou terem brotado do mesmo substrato mítico de onde surgiram tantas hagiografias no século XVII. De uma forma ou de outra, estas histórias ou mitos contribuiram para forjar uma aura mística e fantástica em torno de António Vieira que perdura até hoje.

Publicado também em:

Nova Águia

Anúncios
Categories: Brasil, História, Padre António Vieira, Portugal | Deixe um comentário

Navegação de artigos

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

Create a free website or blog at WordPress.com.

Eleitores de Portugal (Associação Cívica)

Associação dedicada à divulgação e promoção da participação eleitoral e política dos cidadãos

Vizinhos em Lisboa

A Vizinhos em Lisboa tem em vista a representação e defesa dos interesses dos moradores residentes nas áreas, freguesias, bairros do concelho de Lisboa nas áreas de planeamento, urbanismo, valorização do património edificado, mobilidade, equipamentos, bem-estar, educação, defesa do património, ambiente e qualidade de vida.

Vizinhos do Areeiro

Núcleo do Areeiro da associação Vizinhos em Lisboa: Movimento de Vizinhos de causas locais e cidadania activa

Vizinhos do Bairro de São Miguel

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos

TRAVÃO ao Alojamento Local

O Alojamento Local, o Uniplaces e a Gentrificação de Lisboa e Porto estão a destruir as cidades

Não aos Serviços de Valor Acrescentado nas Facturas de Comunicações !

Movimento informal de cidadãos contra os abusos dos SVA em facturas de operadores de comunicações

Vizinhos de Alvalade

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos de Alvalade

anExplica

aprender e aprendendo

Subscrição Pública

Plataforma independente de participação cívica

Rede Vida

Just another WordPress.com weblog

Vizinhos do Areeiro

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos do Areeiro

MDP: Movimento pela Democratização dos Partidos Políticos

Movimento apartidário e transpartidário de reforma da democracia interna nos partidos políticos portugueses

Operadores Marítimo-Turísticos de Cascais

Actividade dos Operadores Marítimo Turísticos de Cascais

MaisLisboa

Núcleo MaisDemocracia.org na Área Metropolitana de Lisboa

THE UNIVERSAL LANGUAGE UNITES AND CREATES EQUALITY

A new world with universal laws to own and to govern all with a universal language, a common civilsation and e-democratic culture.

looking beyond borders

foreign policy and global economy

O Futuro é a Liberdade

Discussões sobre Software Livre e Sociedade

%d bloggers like this: