Notícia do “O Primeiro de Janeiro” sobre a Petição “EM PROL DE UMA MAIS RÁPIDA IMPLEMENTAÇÃO DO ACORDO ORTOGRÁFICO”

Petição on-line
Nem todos os portugueses estão contra o Acordo Ortográfico, facto provado pela petição que se encontra na Internet para que o diploma seja posto em prática o mais rapidamente possível. O Movimento Internacional Lusófono conta com mais de 500 membros, entre eles Adriano Moreira, Baptista Bastos, Carlos Magno, Guilherme de Oliveira Martins e Mário Cláudio, e defende a convergência e o reforço dos laços dos países lusófonos. Renato Epifânio, porta-voz do MIL e responsável pela petição, defendeu, em declarações a O PRIMEIRO DE JANEIRO, uma união entre Portugal e Brasil para que o acordo seja aprovado, algo que fará a língua portuguesa mais acessível nos quadros internacionais. “Em organismos internacionais como a ONU, a situação chega a ser aberrante porque os documentos têm de ser traduzidos em dois idiomas: o português e o brasileiro”.
A petição on-line é uma forma de fazer com que o acordo não caia no esquecimento, algo que, segundo Epifânio, o governo português tentou fazer. “A primeira moratória de 10 anos foi um modo de fazer esquecer o acordo”. O filósofo não concorda com o período de transição de seis anos proposto pelo Governo, mas admite que não haverá outra alternativa. “O Brasil tem estado sempre um passo à frente neste tema. O ideal é que houvesse sintonia com o Brasil e que os dois países avançassem ao mesmo tempo mas, do mal, o menos, o que interessa é que o acordo se implemente”. Renato Epifânio afirmou que Portugal deve perder o orgulho e o medo da língua se tornar abrasileirada, em nome de um bem maior. “O fantasma do abastardamento da língua não existe. Portugal tem de ter noção que já não é o dono da língua portuguesa. O Brasil é o país mais preponderante na lusofonia e o futuro da língua passa por lá”.”

Primeiro de Janeiro

Mais um eco na imprensa escrita DESTA petição que patrocinámos no âmbito dos projectos do

MIL: Movimento Internacional Lusófono

Categories: Brasil, Educação, Movimento Internacional Lusófono, Nova Águia, Política Nacional, Portugal, Sociedade Portuguesa | Etiquetas: | 8 comentários

Navegação de artigos

8 thoughts on “Notícia do “O Primeiro de Janeiro” sobre a Petição “EM PROL DE UMA MAIS RÁPIDA IMPLEMENTAÇÃO DO ACORDO ORTOGRÁFICO”

  1. M4Jor

    “defende a convergência e o reforço dos laços dos países lusófonos”
    Até me espanta, sinceramente sr clav is, o prof adriano moreira assinar esta petição, mas n é isto q me leva a comentar. o q me leva a comentar são os tiros nos pés para quem queira ver não só o acordo aprovado como assimilado pela população, q é o mais importante e fundamental nesta questão toda e q parece estar em 2º plano; por exemplo aqui nem aparece uma vez, e o q aparece é “escondido” por ” reforço dos laços dos países lusófonos”. Este reforço, antes demais tem de passar pela economia; n é um bater o pé num acordo ortografico q vem reforçar o q quer q seja, antes pelo contrário, se brasil, como diz-se, vai à frente e n olha pa trás, q vá, pois nota-se os esforços para “reforço dos laços dos países lusófonos”.

    Este argumento ” Em organismos internacionais como a ONU, a situação chega a ser aberrante porque os documentos têm de ser traduzidos em dois idiomas: o português e o brasileiro” então sr clavis, na minha opinião é uma rajada de metralhadora no dedo mindinho; Desde quando foi diferente? E os ingleses com americanos, nigerianos e sul africanos? Franceses com ex-colonias? Que ” raio” de argumento é este?

    Por fim “O fantasma do abastardamento da língua não existe. Portugal tem de ter noção que já não é o dono da língua portuguesa. O Brasil é o país mais preponderante na lusofonia e o futuro da língua passa por lá”. Pois, o paradigma n é esse. Portugal será sempre dono da lingua; Lingua é a nossa pátria e será por aqui e não por outro lado q n haverá retorno.

    Bom, por aqui me fico nesta questão….Boa sorte na ” luta” mas ao menos q peçam opinião ao sr clavis antes de abrirem a boca pq assim torna-se ainda mais dificil…

  2. certo…
    estamos mesmo em desacordo nesta questão.
    é natural que assim seja e salutar, até.
    a minha maior defesa do Acordo tem a ver com o facto de acreditar que o futuro de Portugal está na Lusofonia, e nesta, numa forma de integração política com o Brasil. Assim, o Acordo é um passo ou uma ferramente nesse sentido. Este Acordo não é perfeito e tem algumas lacunas, que poderão ser corrigidas mais tarde, mas sem ele, não poderá haver acertos posteriores, por isso temos que o aceitar, se queremos esses aperfeiçoamentos…

  3. Mário Ride

    Mas a minha afirmação/ questão é: Mesmo sem o acordo, este acordo, essa integração e projecto lusófono continua a ser possível. Temos o exemplio da commonwealth q até bancos têem..

    De qq forma apenas sou passivo. Se o acordo for para a frente é porque a maioria assim o quis, e em demos o poder está maioria.

  4. é claro que sim. se por hipótese absurda, o Acordo não vingar, a integração poderá prosseguir. Simplesmente o Acordo cria mais condições para o bom sucesso desta integração.

  5. Graxaim

    Clavis,
    Acabei de ler isto em:
    http://www.correiodopovo.com.br/edicaododia.asp

    <<>>

    Bela notícia e grande vitória para os prós e para os contra. Afinal, acreditamos que a UL será para o bem de todos.
    Alegres saudações

  6. Bem, é uma área só para assinantes, mas penso que te referias a isto:
    http://novaaguia.blogspot.com/2008/05/acordo-ortogrfico-foi-aprovado-no.html

  7. Graxaim

    Copiei e colei a notícia no blogue… mas não chegou…
    deveria ter feito de outra forma… Mas é sobre isso sim. A aprovação do acordo ortográfico… As vezes os graxains são desajeitados. 😉
    Saudações

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

Create a free website or blog at WordPress.com.

Eleitores de Portugal (Associação Cívica)

Associação dedicada à divulgação e promoção da participação eleitoral e política dos cidadãos

Vizinhos em Lisboa

A Vizinhos em Lisboa tem em vista a representação e defesa dos interesses dos moradores residentes nas áreas, freguesias, bairros do concelho de Lisboa nas áreas de planeamento, urbanismo, valorização do património edificado, mobilidade, equipamentos, bem-estar, educação, defesa do património, ambiente e qualidade de vida.

Vizinhos do Areeiro

Núcleo do Areeiro da associação Vizinhos em Lisboa: Movimento de Vizinhos de causas locais e cidadania activa

Vizinhos do Bairro de São Miguel

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos

TRAVÃO ao Alojamento Local

O Alojamento Local, o Uniplaces e a Gentrificação de Lisboa e Porto estão a destruir as cidades

Não aos Serviços de Valor Acrescentado nas Facturas de Comunicações !

Movimento informal de cidadãos contra os abusos dos SVA em facturas de operadores de comunicações

Vizinhos de Alvalade

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos de Alvalade

anExplica

PEDAÇOS DE SABER

Subscrição Pública

Plataforma independente de participação cívica

Rede Vida

Just another WordPress.com weblog

Vizinhos do Areeiro

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos do Areeiro

MDP: Movimento pela Democratização dos Partidos Políticos

Movimento apartidário e transpartidário de reforma da democracia interna nos partidos políticos portugueses

Operadores Marítimo-Turísticos de Cascais

Actividade dos Operadores Marítimo Turísticos de Cascais

MaisLisboa

Núcleo MaisDemocracia.org na Área Metropolitana de Lisboa

THE UNIVERSAL LANGUAGE UNITES AND CREATES EQUALITY

A new world with universal laws to own and to govern all with a universal language, a common civilsation and e-democratic culture.

looking beyond borders

foreign policy and global economy

<span>%d</span> bloggers like this: