Do mau andamento da guerra no Afeganistão e dos erros do Ocidente nesta “guerra esquecida”

(Soldados britânicos em patrulha, em Helmand, no Sul do Afeganistão in http://www.abc.net.au)

“Os Estados Unidos não entregaram 5000 milhões de dólares em ajuda que tinham prometido para ajudar a reconstruir o Afeganistão e outros doadores também ficaram muito aquém daquilo que tinham oferecido”

(…)

“As perspectivas de paz no Afeganistão estão assim a ser prejudicadas porque os países ocidentais não cumprem o que prometem”

(…)

“Segundo as autoridades de Cabul, entre 2002 e 2008 os Estados Unidos apenas entregaram metade do que tinham prometido”

(…)

“Além disso, para agravar ainda mais a situação, cerca de 40% de todo o dinheiro entregue tem regressado aos países ricos, designadamente aos Estados Unidos, por meio de lucros das empresas, salários de consultores e outras rubricas.”

(…)

“Enquanto isto, um relatório publicado pelo Jane’s Information Group, com base no Reino Unido, sublinhou que o Iraque é hoje em dia um país mais estável do que o Afeganistão”

Jorge Heitor, Público, 26 de Março de 2008

Já abordei anteriormente, aqui no Quintus, a questão de que as potencias ocidentais não estão a dedicar a atenção devida ao que se está a passar no Afeganistão. A intensidade da presença norte-americana no Iraque implica que o essencial do seu esforço de guerra está aqui alocado e, em consequência, os talibãs têm conseguido obter ganhos territoriais e de influência significativos no Afeganistão. Os Estados Unidos mantêm aqui apenas pequenos destacamentos de forças especiais, e o grosso do esforço de guerra tem cabido essencialmente às forças britânicas que, aqui, têm sofrido mais baixas relativas aos meios humanos presentes do que em qualquer outra guerra, com excepção da Segunda Grande Guerra. As forças alemãs, permanecem no norte do país, e recusam-se a descer até sul, onde ocorre o essencial da actividade talibã. Os demais países da NATO, organização que coordena a presença militar estrangeira no Afeganistão, têm inclusivamente retirado forças do terreno e nem sequer estão a fornecer apoio aéreo e logístico adequados às forças que operam no terreno. Simultaneamente, a mudança de governo no Paquistão está a colocar em risco a política de enfrentamento activo (mas incompetente) dos redutos talibãs na fronteira paquistanesa e se o nível de agressividade do exército paquistanês diminuir, será de esperar ver o aumento dos redutos talibãs no Paquistão assim como o número e a frequência das infiltrações destes no sul do Afeganistão.

Este agravamento constante da situação no Afeganistão tem conduzido a níveis recorde de produção de ópio, que inunda de heroína os países ocidentais e que assim se reflecte directamente nada vida de todos nós e desmente o mito de que esta é mais uma “guerra distante”. Mas não só o mau andamento desta guerra pode fazer aumentar os níveis de crime, droga e violência no Ocidente, como a própria derrota do Ocidente no Afeganistão daria uma mensagem a todos os islamitas radicais no mundo: a possibilidade da restauração do “Emirado” fundamentalista de Cabul, daria ao fundamentalismo islâmico num novo reduto que, inevitavelmente o Ocidente teria que abater, novamente, mas a um custo muito maior do que de 2001, em vidas, meios, e prestígio perdido…

Categories: DefenseNewsPt, Política Internacional, Sociedade | Etiquetas: | 10 comentários

Navegação de artigos

10 thoughts on “Do mau andamento da guerra no Afeganistão e dos erros do Ocidente nesta “guerra esquecida”

  1. Nito

    Só iam entregar se tivessem acesso aos recursos naturais e sobretudo às “papoilinhas” …

  2. e têm!… de onde achas que vem a maioria da heroína que é consumida nos EUA?…
    De certo forma eles estão a entregar essa verba em falta… só que a entregam em cuidados de saúde, clinicas de recuperação, custos de saúde, custos sociais vindos da criminalidade, etc, etc.

  3. É vai ter + viciados nas terras ianks, heroína…é lamentável.

  4. thales alair

    nao adianta o mundo esta errado quem se importa

  5. todos… se o Afeganistão tombar nas mãos dos islamitas radicais, logo depois cai o Paquistão e este tem a Bomba… Cujos efeitos não conhecem fronteiras, como nos lembra o caso de Chernobyl.

  6. aqui temos outro guerra esquecida em um cenário não tão distinto

    http://herdeirodeaecio.blogspot.com/2007/06/guerras-esquecidas-2-guerra-civil.html

  7. Então tá, mantenham os ianks no afeganistão por + 20 anos…se ñ melhorar o IDH dos mesmos..vai durar até mt +…neste ínterim , morrem crianças e mulheres Palestinas de doenças fome e sede , vítimas do sionistas( vide relatório da ONU ).Temos de ajuda-los tbm.

  8. quem os afegãos?
    mas eles querem ser ajudados?
    não me parece…
    nos últimos séculos o país nunca conheceu um ano de paz
    e se os estrangeiros sairam, entram logo os paqustaneses radicais (talibãs) para usarem o seu território para nos atacarem, como fizeram no passado, usando os nossos civis como algo. Mulheres e crianças, sem eito nem jeito,

  9. falando de guerras esquecidas, aqui vai uma muinto interessante, que tem sido extremamente negligenciada e que muito me interessa

    http://en.wikipedia.org/wiki/Sino-French_War

  10. ora bem… não conhecia não…

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

Create a free website or blog at WordPress.com.

Eleitores de Portugal (Associação Cívica)

Associação dedicada à divulgação e promoção da participação eleitoral e política dos cidadãos

Vizinhos em Lisboa

A Vizinhos em Lisboa tem em vista a representação e defesa dos interesses dos moradores residentes nas áreas, freguesias, bairros do concelho de Lisboa nas áreas de planeamento, urbanismo, valorização do património edificado, mobilidade, equipamentos, bem-estar, educação, defesa do património, ambiente e qualidade de vida.

Vizinhos do Areeiro

Núcleo do Areeiro da associação Vizinhos em Lisboa: Movimento de Vizinhos de causas locais e cidadania activa

Vizinhos do Bairro de São Miguel

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos

TRAVÃO ao Alojamento Local

O Alojamento Local, o Uniplaces e a Gentrificação de Lisboa e Porto estão a destruir as cidades

Não aos Serviços de Valor Acrescentado nas Facturas de Comunicações !

Movimento informal de cidadãos contra os abusos dos SVA em facturas de operadores de comunicações

Vizinhos de Alvalade

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos de Alvalade

anExplica

aprender e aprendendo

Subscrição Pública

Plataforma independente de participação cívica

Rede Vida

Just another WordPress.com weblog

Vizinhos do Areeiro

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos do Areeiro

MDP: Movimento pela Democratização dos Partidos Políticos

Movimento apartidário e transpartidário de reforma da democracia interna nos partidos políticos portugueses

Operadores Marítimo-Turísticos de Cascais

Actividade dos Operadores Marítimo Turísticos de Cascais

MaisLisboa

Núcleo MaisDemocracia.org na Área Metropolitana de Lisboa

THE UNIVERSAL LANGUAGE UNITES AND CREATES EQUALITY

A new world with universal laws to own and to govern all with a universal language, a common civilsation and e-democratic culture.

looking beyond borders

foreign policy and global economy

O Futuro é a Liberdade

Discussões sobre Software Livre e Sociedade

%d bloggers like this: