O Brasil vai entrar no projecto russo-indiano PAK-FA (T-50) e do cancelamento do FX-2…

Várias possíveis representações artísticas do PAK-FA:

(http://www.hitechweb.szm.sk)

*PAK-FA

(http://www.abovetopsecret.com)

(http://paralay.com)

O projecto PAK FA é a tentativa russa de construir um caça de Quinta Geração que está a envolver as três maiores construtoras russas: Mikoyan, Yakovlev e Sukhoi. “PAK” significa “Perspektivnyi Aviatsionnyi Kompleks Frontovoi Aviatsyi“, ou seja “Futuro Complexo Aéreo para as Forças Aéreas Tácticas” e aos quais se irão agora reunir fábricas aeronáuticas indianas e brasileiras.

O PAK FA deverá substituir os aparelhos MiG-29 e Su-27 ainda em serviço em grandes números na Força Aérea Russa e deveria ter o seu primeiro vôo em finais de 2007, entrando em serviço algures entre 2012 e 2015, mas o projecto sofreu alguns atrasos e hesitações de desenho, pelo que a data de entrada em funcionamento do primeiro protótipo foi adiada para 2009/2010.

O projecto começou nos finais da década de 80, ainda durante a existência da União Soviética e ao desafio do Governo responderam as fábricas Sukhoi com o Su-47 e a Mikoyan com o Project 1.44. Só em 2002, é que, contudo houve alguma decisão, sendo a Sukhoi seleccionada para dirigir a concepção do aparelho, mas foi decidido que este deveria incluir tecnologia das duas propostas, fundindo-as numa única, ainda que sob a direcção da Sukhoi. No conjunto, a Sukhoi espera desenvolver um aparelho equivalente ou mesmo superior ao F-22 Raptor americano, considerado unanimenente como o melhor caça de sempre. E também como o mais caro, do alto dos seus 225 milhões de dólares por unidade. No ano passado, um estudo da DERA (“Defence Evaluation and Research Agency”) britânica dava uma boa imagem da vantagem do F-22 sobre todos os outros aparelhos existentes na actualidade. O estudo comparava cada aparelho com o melhor caça russo da actualidade, o Sukhoi Su-35 e baseava-se no recurso a pilotos de combate voando em simuladores:

Lockheed Martin/Boeing F-22 Raptor 10.1:1
Eurofighter Typhoon 4.5:1
Sukhoi Su-35 ‘Flanker’ 1.0:1
Dassault Rafale C 1.0:1
McDonnell Douglas F-15C Eagle 0.8:1
Boeing F/A-18E/F 0.4:1
McDonnell Douglas F/A-18C 0.3:1
General Dynamics F-16C 0.3:1

A vantagem do F-22 era esmagadora… Por cada aparelho perdido, 10,1 aparelhos russos eram perdidos. E até o Typhoon conseguia uma vantagem de 4,5 para 1. O Rafale era-lhe equivalente e os mais antigos F-15C, F-18 e F-16 saiam como claros perdedores… Será que a Sukhoi consegue no PAK-FA ultrapassar esta desvantagem de 10 para 1, como prometem os russos e a uma fracção do seu preço unitário?… E mesmo que em 2010, o PAK-FA seja equivalente ao F-22… Será equivalente ao F-22 de hoje. É que os EUA não vão deixar de continuar a investir no aparelho e há pelo menos cinco versões previstas para o caça, as quais deverão assegurar pelo menos durante mais 15 anos o mesmo nível de vantagem sobre toda a concorrência… E assegurar a superioridade aérea dos EUA em qualquer conflito futuro.

Sabe-se muito pouco do projecto PAK FA… Mas é quase certo que deverá incluir tecnologia furtiva, ser muito rápido, capaz de operar os mísseis ar-ar, ar-terra e ar-mar mais sofisticados, assim como incluir um radar AESA. A propulsão estará a cargo de um motor AL-41F ou de uma sua variante mais avançada.

Já se sabia que a Índia tinha assinado um protocolo de entendimento com a Rússia para o desenvolvimento conjunto do PAK-FA (T-50) e esse aliás foi uma das razões para a entrada em funcionamento do primeiro protótipo, já que os dois países não se estariam a entender quando às características básicas do novo aparelho. Mas, segundo uma noticia muito recente do http://www.defesanet.com.br o Brasil teria assinado um acordo que garantiria a participação do país no desenvolvimento do projecto PAK-FA. O acordo russo-brasileiro é contudo ainda mais amplo… No seu âmbito também se inclui a construção de um novo lançador de satélites assim como de satélites de comunicação e de observação. Esta parte do acordo será concretizada na base aeroespacial brasileira de Alcântara na forma de uma nova empresa russo-brasileira.

O projecto PAK-FA é um projecto multinacional, idêntico neste respeito ao ao Typhoon europeu (Espanha-Reino Unido-Itália-Alemanha), já que é o resultado de uma parceria Rússia-Índia-Brasil, mas diferente na medida em que vai produzir um caça stealth de 5ª geração, não um aparelho 4,5 geração como o Typhoon ou o Rafale.

O custo de desenvolvimento do PAK-FA será relativamente baixo para um aparelho desta categoria, de 20 biliões de dólares, já que muito trabalho está na feito na Rússia, e será dividido entre os três parceiros do programa. Cada caça PAK-FA não deverá exceder os 80 milhões de dólares, um preço de apenas um terço do F-22 Raptor e menos 55 milhões de dólares que a versão “barata” deste, o F-35 Lightning II… Assim se manterá a tradição russa de fazer bons aparelhos a preços relativamente baixos.

Já antes, o Brasil tinha dado sinais de que não estaria interessado em ser um simples comprador de equipamento. O programa FX-2 era aliás já um exemplo disso mesmo, com aparelhos como F-35 descartado porque não contemplava a transferência de tecnologia. Aliás, a notícia do acordo com a Rússia e a Índia implica que o próprio programa FX-2 será novamente (já o tinha sido em 2005) cancelado… Em finais de 2007 foi publico que a Rússia fizera ao Brasil uma proposta formal para que este integrasse o programa PAK-FA, algo que agora parece ter sido aceite pelo governo Lula da Silva… Com o cancelamento do programa FX-2 a FAB ficará pelo menos 10 anos aguardando pelos sucessores dos Mirage IIIBR… E dependente dos Mirage 2000-5 comprados recentemente à França e de actualizações dos seus vetustos, mas ainda competentes F-5… Mas a espera vai compensar… A partir da entrega dos primeiros PAK-FA terá a melhor força aérea de toda a América do Sul e uma das melhores do mundo, dominando parcial ou totalmente a concepção e o fabrico de um dos aviões mais complexos e sofisticados do mundo, podendo usar esse know-how assim adquirido para outros projectos civis ou militares. Uma aposta antecipadamente ganha, portanto…

Se a Sukhoi assume o projecto do lado russo, e a HAL do lado indiano, espera-se que do lado brasileiro a liderança caiba à Embraer que poderá aproveitar a transferência de tecnologia para consolidar a sua liderança mundial na área dos jactos comerciais de médio porte e começar a entrar noutras gamas de mercado.

A opção de integrar o PAK-FA já era desejada por muitos há algum tempo… E pareceu totalmente descartada quando foram dadas como certas as notícias que davam como certa a aquisição e fabricação local de caças franceses Rafale e é, de certa forma, uma “punição” indirecta por na Europa não se estar a trabalhar em nenhum projecto de caça de 5ª geração, ao contrário do que sucede hoje na China e no Japão… Se a França estivesse num tal projecto e dada a longa tradição de colaboração aeronáutica entre os dois países seria de esperar que o Brasil aderisse a esse projecto… Mas a Europa, e nela a França, parece mais focada em desenvolver UCAVs do que aparelhos de 5ª geração, e agora está a pagar o preço por esse (in)decisão…

Fontes:

Wikipedia

http://www.deagel.com/Strike-and-Fighter-Aircraft/PAK-FA_a000333001.aspx

http://www.defesanet.com.br/md1/pac_12.htm

http://piratininga.wordpress.com

Anúncios
Categories: Brasil, DefenseNewsPt | 728 comentários

Navegação de artigos

728 thoughts on “O Brasil vai entrar no projecto russo-indiano PAK-FA (T-50) e do cancelamento do FX-2…

  1. cravo

    O estudo da DERA tem cerca de 15 anos!!!! Não é do ano passado, é da idade da pedra, foi feito com base em especulação, dado que a maior parte da informação é confidencial e mantida em segredo, e na época a maioria dos aparelhos ainda eram apenas protótipos. Pior que isso, é tendenciosa em relação ao Typhoon por ser de origem britânica. Ainda que fosse um estudo sóbrio e fiável, não tem qualquer significado passado década e meia. O F-22 é muito melhor do que se especulava na altura, o Su-35 também, e sobretudo o novo Su-35-1 é muito superior ao anterior. Além disso o artigo refere a relação 0.4:1 para o F/A-18E, o que não é verdade. O F/A-18E nem foi tido em conta neste estudo, e sim uma versão melhorada do F/A-18C. Além disso o estudo só comparava os vários aparelhos em combate BVR um contra um, um cenário altamente irrealista. Este estudo não tem qualquer significado nos dias de hoje.
    Em relação a parcerias, a parceria Russo-Indiana não tem nada a ver com o PAK-FA, mas sim com um aparelho menor, talvez equivalente do JSF a ser desenvolvido com base na tecnologia do PAK-FA e que surgirá alguns anos mais tarde. Se o Brasil foi convidado a integrar algum projecto, o mais certo é que seja esse. O PAK-FA é um projecto totalmente russo (e nãqo um projecto multinacional como referido) e o desenvolvimento já está muito adiantado. Neste momento já há prototipos a serem construidos que se espera que voem no próximo ano.
    A referência ao JSF como uma “versão barata” do F-22 é como dizer que um martelo é uma versão barata de uma chave de parafusos, tal é a diferença entre um e outro.
    Infelizmente para nós as fontes em língua portuguesa são muito pouco fiáveis.

  2. Cravo:
    Tens fontes dessa informação que refere a parceria rússia-índia como distinta do projecto pak-fa?
    é que não isso que dizem fontes indianas:
    http://www.hindu.com/2007/02/08/stories/2007020806230500.htm
    http://timesofindia.indiatimes.com/World/Europe/Indo-Russian_5th_generation_fighter_to_take-off_by_2012/articleshow/2503005.cms

    O estudo da DERA ainda consta da página oficial do Typhoon:
    http://www.eurofighter-typhoon.co.uk/Eurofighter/tech.php
    Sem referência a datas…

    O JSF é muito inferior ao F-22. A sua tecnologia é inferior – propositamente – para conter custos e minimizar as possibilidades de transferência de tecnologia para algum cliente externo. São diferentes, claro. Mas nos próprios EUA é assim que os dois aparelhos são vistos: o JSF como um caça de “massas”, a construir em grandes números e exportável, o F-22 como um aparelho de “luxo”, raro e caro, a operar apenas pela USAF. Uma espécie de F-117 do século XXI, sinfim.

  3. cravo

    As noticias que apontam para a parceria Russia-India no PAK-FA não têm por base qualquer declaração por parte de autoridades politicas ou militares, é uma especulação que se criou e propagou pelos media não especializados em forma de bola de neve, mas as notícias mais credíveis adiantam pouco ou nada em relação ao projecto, restringem-se às declarações oficiais e aos factos. Eis alguns exemplos:
    http://www.bharat-rakshak.com/NEWS/newsrf.php?newsid=4380
    http://timesofindia.indiatimes.com/World/Europe/Indo-Russian_5th_generation_fighter_to_take-off_by_2012/articleshow/2503005.cms

    O facto de o estudo da DERA ainda constar do site oficial do Typhoon é mera publicidade baseada em algo que não é mentira mas também já não tem qualquer significado(mas isso não são obrigados a dizê-lo). O próprio site oficial da DERA há muitos anos que não tem mais vestígios desse estudo. O consórcio Eurofighter GmbH é que vai tentando tirar partido de algo que já não tem qualquer valor mas que à custa de muita desinformação talvez ainda ajude um pouquinho que seja a um qualquer negócio potencial.

    Quanto ao JSF, ele não é inferior e mais barato com o proposito de minimizar transferências de tecnologia nas exportações, porque ele não foi pensado como um aparelho para exportação, mas sim como uma resposta aos requisitos das forças armadas americanas, tanto em termos de capacidade como em número de unidades produzidas. Para minizar a transferência de tecnologia, as versões de exportação serão degradadas em relação às versões para consumo interno. Ou seja, uma versão barata do F-35 é o que os clientes estrangeiros terão, e não um F-35 “mini F-22” ou “versão barata do F-22”. Os requisitos operacionais e capacidades de ambos são diferentes ao extremo. O conceito do F-22 é geralmente bem entendido mas o doF-35 não. O melhor artigo que li até hoje é este, e realmente é excepcional para quem tiver paciencia e interesse:
    http://www.ausairpower.net/APA-JSF-Analysis.html

  4. PAK-FA: Certo. Veremos então desenvolvimentos futuros destas notícias…
    Dera: Sim, pode ser uma manobra propagandística. Mas o Typhoon continua a ser um dos 4 melhores (o 2º? o 3ª) melhor caça da actualidade…
    F-35: Falo em termos de tecnologia e custo disponibilizados no F-35. Em ambas o aparelho poderia ser melhor e mais caro. Mas assim os EUA perderiam o mercado dos F-16 e arriscavam-se a sofrer espionagem industrial…

  5. cravo

    Em relação ao Typhoon, sem dúvida que é um excelente caça. É pouco versátil mas em determinados cenários é praticamente imbatível. Como caça de defesa aérea e interceptor de reacção rápida é bem provável que tenha a melhor relação eficiência/custo de todos. Aceleração, velocidade ascencional, velocidade de cruzeiro e desempenho supersónico praticamente sem rival, armamento pesado e sensores potentes. É mais forte exactamente nos pontos em que o F-35 é mais fraco e vice-versa. Há a tendência para comparar aviões com propósitos totalmente diferentes, sendo que nenhum é melhor que o outro em todo e qualquer cenário. Dependendo da situação, um aparelho pode ser o melhor de todos ou uma lástima. Imagine-se o Typhoon como um feroz cáo de guarda e o F-35 como uma raposa. Nem o cão de guarda é bom para roubar galinhas nem a raposa é boa para guardar o galinheiro.

  6. é pena é ser um aparelho tão caro e ser incapaz de operar a partir de porta-aviões… uma e outra característica fa-lo-íam mais interessante no mercado de exportação… mas também se fosse uma coisa e outra, seria… o rafale, certo? 😉

    e esse misto f-35 e typhoon não é o que terá a raf daqui a uns anos?

  7. cravo

    Se fosse construído a pensar numa versão embarcada teria necessáriamente algumas limitações e deixaria de ser o caça (quase) puro que é. Teria de ter uma asa diferente, com um bordo de ataque menos pronunciado (como o Rafale) para ser mais controlável a baixas velocidades e perderia por isso a tremenda performance supersónica que tem. E como dizem os pilotos “speed is life”. Teria de ter mais resistência de combustível e por isso motores menos sedentos(como o Rafale). E mais uma vez perderia alguma da tremenda aceleração e velocidade de cruzeiro. Teria de ser mais multifuncional, porque o propósito dos porta-aviões é permitir ataques aéreos em locais remotos (um porta-aviões só com aviões defensivos só serve para se proteger a ele proprio e às gaivotas, e por isso torna-se inútil) e por isso teria de trocar alguma performance por capacidade de carga e combustível extra (como o Rafale). Na prática sim, seria um Rafale. Além de que as versões navais precisam de peso extra na forma de uma célula e trem de aterragem reforçados para aguentarem o esforço extra das descolagens e pousos, e precisam também de protecção contra a corrosão do sal entre outras mil coisas.
    E também é verdade que a RAF optou exactamente por um misto de aparelhos defensivos (Typhoon) e ofensivos (F-35) por oposição à França que optou por um único modelo multifuncional.
    O Reino Unido tem uma filosofia bem mais parecida com a americana e realmente mais cedo ou mais tarde precisam do F-35 para ir bombardear alguém do outro lado do mundo.

  8. cravo

    Já que falei qui na configuração das asas e sua implicação aproveito para apostar o meu testículo esquerdo em como as asas do PAK-FA não serão como se vê no primeiro desenho no topo da página. Essas asas fazem lembrar as do F-35, e são optimizadas para operações a baixa velocidade(CAS/BAI,operações navais) e para cruzeiro subsónico a baixa altitude. O PAK-FA pretende ser muito, mas muito mais rápido do que essa asa alguma vez permitiria. Terá de ser bem mais parecida com a do F-22,Typhoon,F-15 ou Su-27

  9. 1. eu continuo a gostar do rafale… a comparação da DERA não provavelmente justa também para ele, e o seu preço inferior e a capacidade de operar em PA dá-lhe tb a possibilidade de ser construído/comprado em números superiores aos de um Typhoon…

    2. sim, claro… estes desenhos são muito especulativos, especialmente na forma das asas. Repara p.ex. como estas são diferentes em todas as fontes!

  10. cravo

    Em relação ao Rafale, é dos aviões mais versáteis que há mas dificilmente vai vingar num mercado de exportação que vai ser dominado pelo F-35. O Typhoon, apesar de mais caro, está num segmento um tanto diferente do F-35 e não sofre tanto com a concorrência deste ultimo, porque o F-35 não pode oferecer o que o Typhoon oferece como caça de defesa aérea. O Japão, por exemplo, considera o Typhoon como a única alternativa caso os EUA não desbloqueiem a venda do F-22.
    O Rafale peca por não oferecer nenhuma das duas características mais importantes da nova geração, que são a furtividade e o cruzeiro supersónico.

  11. Não tenho assim tanta certeza quanto ao sucesso comercial do F-35… Comparado com o Rafale e o Su-35 não leva grande vantagem, e a imagem de que os EUA não querem ceder a sua tecnologia está a afastar os clientes mais potenciais e com maior poder aquisitivo, como o Japão.
    E não é provável que o Japão compre agora algo aos EUA… O orgulho nacional ficou demasiado ferido com a sua nega em vender o F-22 ao seu mais fiel aliado no Pacífico (e com razão)

  12. Brazuka

    Amigos portugueses

    O Brasil realmente entrou no PAK-FA…a FAB já confirmou em seu sítio

    http://www.fab.mil.br/imprensa/enotimp/enotimp_capa.htm

    Agora, esperamos que além desse PAK-FA, venha alguns SU-35BM para complementar a FAB durante os anos de espera até receber os T-50 stealth.

  13. Anónimo

    O assessoramento do brigadeiro Saito e a viagem aos EUA abriram os olhos do ministro Jobim para o futuro STEALTH. Graças aos céus PARECE que nos livramos do péssimo negócio RAFALE.

  14. Brazuka: Sim, o facto de se ter escolhido um avião nvo, tem esse problema: no entretanto a FAB terá que confiar nos F-5 e nos 2000. Contudo, se o projecto não sofrer atrasos significativos, não é grave. Ambos os aparelhos, se actualizados podem perfietamente cumprir o “gap” até à chegada dos PAK-FA. Não é ideal, mas compra Su-35 pode não ser financeiramente razoável neste momento (mais vale poupar o dinhieor para depois construir mais PAK-FAs)

    Anónimo: Sim… O Rafale não tem características steatlh e por isso (sobretudo) não é de 5ª geração. O PAK-FA terá. É um grande ponto de diferença… O custo unitário será outro, também. Mas a transferência de tecnologia vai acabar por compensar, a prazo. Espero é que neste projecto aconteçam duas coisas:
    1. Que a Avibras receba parte do projecto, de forma a estabilizar
    2. Que as lusas OGMA (que a Embraer detém em parte) participem na construção do PAK-FA… Mas aqui sonho, eu sei. É que os F-16 MLU estão a revelar-se bem mais perigosos do que o previsto e terão que ser substituídos nos próximos 10 anos…

  15. Anónimo

    […O custo unitário será outro, também. Mas a transferência de tecnologia vai acabar por compensar, a prazo…]

    Como assim? Nada indica que o aparelho russo seja mais caro, pelo contrario

  16. Fred

    Como está animado isto aqui! 🙂

    O aparelho realmente será mais barato que o similar F 22, mas fora o custo da aeronave também existe o custo de desenvolvimento do projeto.
    A parte do Brasil? num chute diria uns 4 Bilhões de dolares para desenvolvimento e mais uns 2 ou 3 bilhões para compra de uns 40 caças e a capacitação tecnológica necessária.
    Claro que com a pesquisa também tem o retorno financeiro com exportação, treinamento etc e tal.

    Não sei de onde virá esse dinheiro! Será que era o reservado para o FX2, e não vão comprar mais Mirages 2000 pra tampar o buraco?

    E sobre o salário dos militares ninguém falou nada! E convenhamos, o salário deles já está ridiculo!

  17. Anónimo: “custo unitário” comparado entre o PAK-FA e o Rafale. O PAK custará
    “exports sales of the new warplane must reach 500 to 600 fighters at a price of $35 to $40 million each to make production of the new aircraft profitable.”
    “http://www.globalsecurity.org/military/world/russia/pak-fa.htm

    O Rafale:
    “The unit flyaway price as of 2006 is €51.8 million for the Air Force version, and €56.6 million for the Navy version.”
    http://en.wikipedia.org/wiki/Dassault_Rafale#Costs

    mas francamente, acho esta estimativa optimista… sendo certa que supõe a fabricação de 500-600 aparelhos, o que não acontecerá tão cedo… Por isso o preço deve ser superior ao do Rafale, especialmente trantando-se de um caça puro de 5ª geração. Os russos são conhecidos por exagerar números e características…

    o que aqui é aliás confirmado:
    “The PAK-FA, once billed as Russia’s next-generation fighter, had consumed $13.9-billion. The estimated cost of each aircraft had soared to $87.2-million from an original target of $30-million. ”
    http://forum.keypublishing.co.uk/showthread.php?p=1238724
    o que já é mais razóável…

    Fred:
    Bem a ìndia vai investir 8 biliões… o Brasil não poderá estar muito longe deste valor se quer manter uma relação paritária com ela nesta parceria!
    E uma forma de obter este dinheiro é não comprar nenhum avião agora, manter os 2000 e os F-5 em bom uso e esperar com eles até às entregas dos primeiros PAK-FA… Era o que eu faria.

  18. Anónimo

    o rafale está a ser oferecido para exportação em torno de 60 milhoes de euros cada, o que dá quase 100 milhoes de dolares, mais do o que se espera que custe o caça russo

  19. Anónimo

    se haverá PAK FA T-50 ou outro 5ª geração, não há certeza.

  20. Tem que ser o PAK-FA. Seria estúpido não aproveitar já todo o trabalho desenvolvido nele e retardar o novo caça russo-indo-brasileiro por mais 10 ou 15 anos…
    Agora que pode ser uma versão “reduzida” ou de exportação sim… isso pode ser. Os russos venderam durante anos versões reduzidas dos MiG-23 e 25, por exemplo… Mas a Índia (e o Brasil) aceitariam pagar um produto de segunda categoria? Especialmente se vão ser financeiramente parceiros paritários, como parece?…
    Não creio…

  21. Fred

    O Acordo é muito mais que o PAK FA, segundo a imprensa

    “Na lista de projetos que a Rússia estaria disposta a conversar destacam-se a construção do submarino de propulsão nuclear, um caça de quinta geração, o veículo lançador de satélites, um sistema de posicionamento global, complementar ao GPS, aperfeiçoamento de blindados sobre rodas, entre outros.”

    O PAK FA é apenas um deles, mas a conversa está meio estranha! Agora o acordo virou conversa com os russos.
    Começo a ficar desconfiado.

    delega cartago est.

  22. mas o submarino (o casco) não estava já apalavrado com os franceses?
    e sim…
    conversar é diferente de assinar acordo… mas pode ser o prenúncio.
    o caça é o pak-fa; o lançador o tal da empresa russo-brasileira de Alcântara, o gps, o glonass (estações de terra e lançamentos a partir do Brasil) e os blindados… não houve recentemente uma noticia sobre a instalação no brasil de uma fábrica de blindados russa?

  23. Brazuka

    Não, fabrica de blindados não…houve o acordo da IVECO em desenvolver o URUTU III, mas pelo jeito não vingou nada o projeto.

    E o acordo do Brasil é cooperação tecnologica, vejam essa noticia abaixo:

    Brasil e Rússia assinam acordo tecnológico

    Segundo notícias publicadas na imprensa russa, O Brasil e a Rússia, assinaram um protocolo de cooperação tecnológica de âmbito muito alargado, que poderá chegar ao desenvolvimento conjunto de sistemas na área da defesa.

    A notícia da cooperação militar terá tido origem no ministro brasileiro dos assuntos estratégicos Mangabeira Unger.
    Segundo as mesmas fontes, o ministro brasileiro terá afirmado que a cooperação do Brasil com a Rússia se estenderá à tecnologia de ponta no capo aeroespacial, devendo Brasil e Rússia cooperar no desenvolvimento do veículo brasileiro de lançamento de satélites, especialmente nos sistemas de lançamentos (foguetes).

    A divulgação deste acordo de cooperação estratégica, tem sido relacionada com a actual necessidade brasileira de reequipar as suas forças armadas, mas não foi por enquanto efectuada qualquer clarificação nesse campo.

    O convénio também prevê a possibilidade de o Brasil vir a cooperar com a Rússia no co-financiamento e desenvolvimento tecnológico em campos que vão da cibernética ao desenvolvimento de sistemas de navegação por satélite.

    A Rússia tem planos para desenvolver uma aeronave de quinta geração, conhecida como PAK-FA, capaz de competir com aeronaves norte-americanas como o F-22 ou o F-35 (o primeiro dos quais já está operacional nos Estados Unidos, tendo voado pela primeira vez há dez anos atrás).
    O desenvolvimento da aeronave russa tem enfrentado vários problemas e a sua implementação já foi posta várias vezes em causa.
    Além da Rússia, também a Índia estará interessada no desenvolvimento de uma aeronave de quinta-geração.

    Os planos do ministro Mangabeira Unger, no sentido de criar no Brasil industrias de tecnologia avançada que podem ter aplicações no campo militar, constituem uma aposta estratégica do Brasil, para a primeira metade do século.

    A participação em projectos de alta tecnologia foi apontada pelo próprio ministro Mangabeira como uma necessidade estratégica do Brasil, mas em declarações relacionadas, o próprio ministro afirmou que o objectivo brasileiro era o de obter independência tecnológica que lhe permitisse desenvolver os seus próprios sistemas.

    É no entanto importante frisar que nenhuma informação sobre qualquer escolha de aeronave foi revelada ou sequer sugerida por nenhuma entidade ligada ao ministério brasileiro da defesa ou à Força Aérea Brasileira, o que pode levar a crer que a notícia não está directamente ligada a qualquer decisão político-militar a curto ou médio prazo quanto a futuros sistemas de armamentos a incorporar pelas forças armadas brasileiras.

    A divulgação das notícias por parte de um ministro não relacionado com a área militar, leva a considerar que o que estará no futuro em causa, é a possibilidade de o Brasil participar no desenvolvimento de tecnologias que serão aplicadas aos futuros caças russos, como o PAK-FA, mas que o interesse brasileiro estará nas tecnologias e não nas aeronaves russas propriamente ditas.

    Esta possibilidade é condizente com os objectivos estratégicos divulgados pelo próprio ministro brasileiro.

    fonte: http://www.areamilitar.net/noticias/noticias.aspx?nrnot=543

  24. havia qq coisa, havia:
    http://www.intelog.net/site/default.asp?TroncoID=907492&SecaoID=508074&SubsecaoID=538090&Template=../artigosnoticias/user_exibir.asp&ID=831173&Titulo=Jobim%20articula%20f%E1brica%20de%20blindados%20no%20Estado
    “A negociação de um acordo com a estatal russa Rosoboronexport para a implantação de uma fábrica de blindados no Rio Grande do Sul é um dos objetivos do ministro da Defesa, Nelson Jobim, em sua viagem à França e à Rússia, iniciada na sexta-feira passada.”
    mas nunca mais vi falar disto…

    quanto ao PAK-FA… parece tudo meio indefinido… A lógica dita que deve ser um acordo para o seu desenvolvimento (meio encalhado na Russia, sobretudo por causa do novo motor), mas é possível que seja uma versão “reduzida” do mesmo… isso explicaria o preço inferior de apenas 20 milhões de USDs por caça.

  25. Fred

    O Governo do Rio Grande do Sul está sim muito interessado na proposta russa da fábrica ou montadora de blindados!

    http://www.defesanet.com.br/afv1/agrale_1.htm

    Sobre o PAK FA, após minha euforia inicial, percebo algumas incoscistências, será que foi um grande lobby russo? Espero estar enganado! Ainda mais agora com os russos sendo finalistas na licitação de Helicopteros de ataque da FAB!

  26. Fred

    E também não sei porque a FAB quer helicopteros de ataque? Não deviam ser do batalhão de aviação do exército?

  27. Fred: Bem… pode ser tudo ainda um rumor. Esperemos por confirmações. Mas que é tudo muito plausível e razoável, é.
    Sim… Portugal não tem (nunca teve, ao que sei) helicópteros dedicados de ataque. Duvido aliás que sejam úteis para o Brasil… Seria preferível um aparelho multifunções, talvez. Mas a haver, o local certo para estarem é no Exército. Sem dúvida. É essa a doutrina seguida pela maioria dos países do mundo.

  28. Fred

    Úteis, eu até acho que são! Mas não com a FAB!

    No centro oeste e no sul existe uma quantidade razoavel de carros de combate que no caso de uma intervenção agradeceriam um apoio aéreo!

  29. sim, é verdade.
    num clássico confronto entre MBTs, um helicóptero de ataque pode fazer toda a diferença… embora não sejam tão invulneráveis como se pensava.
    mas continuo a acreditar que um heli multi-funcional pode ser mais útil em muitos outros cenários e ainda assim poder ser usado num tal cenário…
    especialmente quando o país que o usa não está envolvido em “guerras pesadas”, mas sim em eventuais missões de paz e um muito pouco provável conflito regional, como é o caso de Portugal e do Brasil.
    Ou seja… não sou grande crente nos helis puros de ataque…

  30. gaitero

    AAAALELUIA.

    Todo esse processo conduzido por Rússia, Índia e Brasil deverá custar algo como US$ 20 bilhões. Caso o Brasil participe com 20 % do programa, terá de dispor de um valor próximo a US$ 4 bilhões, mais o custo da aquisição das aeronaves. O preço unitário deverá ser de US$ 80 milhões, aproximadamente.

    É pelo que eu havia visto, seria de 3.6 bilhoes de dolares o gasto para o novo caça, eles pensaram melhor acrescentaram aquele 1 bilhaozinho que estava previsto, e investiram na produção de um caça. Até 2015 já teremos com certeza grana para comprar pelo menos, 72 caças, para substituir os F-5 e os Mirrages 2000.
    Que maravilha, nossa que maravilha, eu estava aqui na trocida a tempos. Acho que alguem la de dentro leu minhas rezas.

  31. Só gostava era de ter noticias mais palpáveis sobre este acordo…
    só para o caso de não passar tudo de um rumor sem fundamento e depois darmos todos de chofre no desapontamento coletivo…

  32. Ricardo Teixeira

    Bem dessa. Espero que não seja so conversa e que realizemos sim algo descente, pelo menos 1 vez.

  33. gaitero

    Bom estas informações tanto do Pak-Fa quanto do cancelamento dos SNA E C-390 Estão muito confusas, não esta nada claro, e ninguem esplica, apenas surgem mais duvidas, vou aguardar um tempo para me pronunciar formalmente sobre estas 3 informações e tentar buscar mais noticias a respeito destas.

  34. Śem dúvida.
    Mas o problema é que o governo brasileiro está a deixar espaço para que o rumor e a especulação cresçam…
    imagino as acções da embraer na bolsa…

  35. Segundo DEFESANET http://www.defesanet.com.br/md1/pac_12.htm

    O Brasil vai participar do programa de desenvolvimento de um avançado avião de combate, o PAK-FA T-50, que será fabricado pela empresa russa Sukhoi. O aparelho, invisível ao radar, promete desempenho igual ou superior ao caça F-22 Raptor, fabricado pelos Estados Unidos (o mais caro do mundo, ao custo unitário de US$ 225 milhões), e deve fazer seu primeiro vôo em, no máximo, dois anos.

    A construção da nova aeronave é apenas parte de um amplo memorando de entendimento, negociado em Moscou em fevereiro e assinado ontem pelo ministro de Assuntos Estratégicos, Mangabeira Unger, e pelo secretário do Conselho de Segurança da Federação Russa, Valentin Alekseevitch. O acordo-quadro lança uma ampla cooperação entre os dois países, inclusive de tecnologias consideradas sensíveis. Na área espacial, estão previstas a construção de um novo veículo lançador e de satélites de comunicação e sensoriamento remoto. O uso da Base Aeroespacial de Alcântara por uma nova empresa binacional também será contemplado pelo tratado.

    Ao falar do PAK-FA, Mangabeira destacou que “será um caça de quinta geração”. O custo total previsto é de cerca de US$ 20 bilhões, a ser dividido em cotas entre Rússia, Brasil e Índia, que também participa do programa. O preço unitário, mais baixo que o dos caças europeus de quarta geração, ficará emUS$ 80 milhões, aproximadamente.

    Os aviões de combate de quinta geração, além de invisíveis ao radar, também são capazes de atingir velocidade supersônica usando meia potência do motor, o que reduz o gasto de combustível, amplia o raio de ação e diminui o tempo de engajamento do inimigo. Atualmente, apenas os norte-americanos possuem aparelhos com essas características em operação, os F-22 Raptor. Um modelo mais barato, o F-35 Lightning, que custa US$ 135 milhões, está em fase de certificação. O ministro da Defesa, Nelson Jobim, chegou a ver uma demonstração do caça em sua visita aos EUA, mas o aparelho foi descartado por não oferecer transferência de tecnologia.

    “Não estamos interessados em comprar bens acabados, mas em parcerias que possam fortalecer a capacidade tecnológica de ambos”, destacou o ministro. Além da Rússia, China e Japão também trabalham em aviões de quinta geração, mas o projeto PAK-FA, que começou há 10 anos, é o que se encontra em estágio mais avançado.

    VLS

    A Rússia já colabora com o Brasil na área espacial. Um grupo de especialistas encontra-se em São José dos Campos, onde assessora o programa do Veículo Lançador de Satélites (VLS). Os russos participam do projeto de um novo primeiro estágio, a combustível líquido em lugar de sólido, para o foguete, que coleciona uma série de fracassos desde a primeira tentativa de disparo, em 1997. O país mantém ainda programas de transferência tecnológica com a Ucrânia, para a produção de foguetes, e com a França, que pretende fabricar helicópteros médios em Minas Gerais e submarinos no Rio de Janeiro.

    Na verdade o FX já tinha ido pro saco e ninguém sabia!!!

    Já houve rumores sobre esse documento que o Mangabeira havia assinado, e muito foi especulado sobre o seu teor, muitos acreditavam no parceria de lançamentos de foguetes e satélites, mas no PAK FA, tenho que admitir, pegou-me de surpresa!!!

    Espero, torço, e penso positivo que seja uma grata surpresa!

  36. Isto se for mesmo o PAK-FA e não um seu derivado… algo que ainda não foi clarificado cabalmente, note-se…

  37. Fred

    Engraçado, esse que o júnior transcreve parece muito com algo que escrevi lá na aurora

    🙂

  38. bem que me parecia conhecer o texto!

    tens mais admiradores (e leitores) do que pensas, Fred…

  39. Fred

    verdade, kkkkkk

  40. Fred

    Hoje vou postar obre o aumento dos militares, ontem não tive tempo! 35% para os oficiais generais em 2 anos e ainda falta descontar a inflação.

  41. bem, era questão pendente por aí já há muito tempo, não era?

  42. Fred

    Sim, acabei de postar, quase uma decada sem aumento, só correções! uma vergonha!

  43. cravo

    um à parte, a razão porque os russos não querem mais parcerias com chineses:
    http://english.pravda.ru/russia/economics/22-04-2008/104975-russia_china-0

  44. cravo

    possivel primeira exportação do novo su-35:
    http://www.russia-ic.com/news/show/6216/

  45. gaitero

    J10 = f16
    J11 = SU-27

    Massa em, que moral que os chineses tem não acha???
    Daqui a poco sai um J12, qual será o proximo na mira da china????

    os SU-35 são otimos caças, mas agora a onda e 5 geração.
    Ai se o Pak-Fa sair do papel. hehe

  46. cravo:
    Sim… estive mesmo para escrever sobre isso.
    E só descobriram agora! Idiotas… sempre quero ver quantos Sukhoi venderão à CHina daqui a 10 anos (zero?)

    ” It is expected that Libya will in particularly purchase 12 multi-role Su 35 fighters, 48 T 90S tanks, several surface-to-air missile systems S 125 Pechora, S-300PMU Favorit and Top M2E, as weel as Kilo class diesel-electric submarines (636 Type). Besides, Russia will supply spares and promises to fulfil works on maintainance, repair and back fitting of earlier acquired military equipment.”

    Até T-90s… (aquela tanque sofrível…) S-300… o melhor míssil AA da sua classe no mundo (os EUA devem estar com os cabelos arrepiados na nuca…) 636s… e Su-35. Ena pá… compensa bem sair do “eixo do mal” e… ter petrodólares, estou a ver!

    O PAK-FA tem que sair do papel… a Índia está a pressionar muito nesse sentido…

  47. cravo

    O S-300PMU nem sequer é o S-300 “standard”, é uma versão muito desenvolvida e também denominado S-400, cujas caracteristicas estão no limiar do permitido pelo tratado de limitação de misseis antibalisticos(abandonado unilateralmente pelos eua). Medo 🙂

  48. cravo

    Quer dizer, o S-400 é o S-300PMU-3. Não está claro se é o S-400 ou não…

  49. teoricamente, estes mísseis são muito bons, mesmo… é claro que duvido muito que sejam operados por líbios… aposto que serão “técnicos russos” a operar estes engenhos…
    sabes se os S-300/400 já foram usados em combate real alguma vez?

  50. cravo

    Não, nunca foram usados em combate. E não é o S-400, descobri agora que ainda não está disponivel para exportação(por alguns anos)
    http://br.youtube.com/watch?v=WXieFUZKk04&feature=related

  51. Pois. Era como eu pensava…
    Ou seja: teoricamente não é impossível que usados num cenário real se revelem uma desilusão, como o foram os MiG-29 na Sérvia ou no Iraque…

  52. cravo

    Não acredito nisso. Além disso os mig-29 iraquianos e sérvios eram versões de exportação degradadas, com pilotos mal treinados e num cenário de combate assimétrico contra um inimigo muito mais bem equipado e treinado. por comparação os mig-29 russos, por exemplo, so com o equipamento de ECM que transportam chega para degradar muito a probabilidade de sucesso dos misseis ar-ar inimigos.

  53. não acredito que os sérvios estivessem mal treinados… o seu exército (terrestre) tem fama de ser dos melhores da Europa… e não deram mal conta de si, apesar de tudo, no Kosovo.

    “The air force acquired one squadron of new Soviet MiG-29 interceptors in 1989, as an initial step toward modernizing its interceptor squadrons. By 1995 a total of 10-15 MiG-29A and 2 MiG-29U/B aircraft were reportedly on hand, uncertainty over the exact number in part reflecting uncertainty concerning losses during the war with Croatia, which reportedly included at least four MiG-29s. Although some reports claim that Serbia owns more than 40 MiG-29 Fulcrum fighters, it is generally estimated that the air force only has about a dozen at most.”
    http://www.globalsecurity.org/military/world/serbia/airforce.htm

    e sim, são tipos muito obsoletos…

    Eram desta versão:
    “MiG-29B-12 “Fulcrum-A” (Product 9.12A)
    Downgraded export version for non-Warsaw Pact nations. Lacked a nuclear weapon delivery system and possessed downgraded radar, ECM and IFF. ”
    http://en.wikipedia.org/wiki/Mikoyan_MiG-29

    Mas os indianos (MiG-29S Fulcrum-C)
    não deram mal conta de si contra F-16s paquistaneses:
    “MiG-29S Fulcrum-C”
    Kargil conflict

    Indian MiG-29s saw action during the Kargil War in Kashmir in 1999. The IAF used the MiG-29s extensively for providing fighter escort for Mirage 2000s which were used for firing laser-guided bombs on enemy targets. During the Kargil War, a pair of MiG-29s from IAF’s 47 (Black Archers) Squadron successfully locked onto two Pakistani Air Force (PAF)’s F-16s which were inside Pakistani Airspace. Since India and Pakistan were not officially at war during the time, the MiGs were ordered by the IAF command to give up the chase.[11] After this incident, the PAF ordered its aircraft to stay well-within the Pakistani air-space. The MiG-29s thus played a major role in maintaining Indian air superiority during the conflict.
    http://en.wikipedia.org/wiki/Mikoyan_MiG-29#Kargil_conflict

    O que diz muito da excelência do aparelho… ainda hoje e da inutilidade destas versões de exportação, como dizes…

  54. cravo

    Um avião de caça isolado, por melhor que seja, pode ser completamente inútil contra um inimigo com todos os meios à disposição. É preciso ter em conta que em conflitos como no iraque, os aparelhos iraquianos voavam por sua conta e risco, sem qualquer apoio. Os aviões americanos voavam apoiados por AWACS que através de um datalink permitiam aos F-15 manterem o radar em silencio e ainda assim terem nas suas telas um mapa táctico de tudo o que se passava à sua volta, incluindo posições de amigos, inimigos, etc. Eram apoiados também por EF-111 e EA-6B que empastelavam os radares e comunicações inimigos, tinham sempre reforços prontos a responder rapidamente em caso de necessidade, satélites que podiam alertar para a descolagem de aviões iraquianos, muito melhor treino, etc etc. Numa situação dessas até poderiam voar em aparelhos obsoletos contra iraquianos equipados com tecnologia de ponta e venceriam fácilmente na mesma.
    No combate aéreo, muito mais importante que a superioridade técnica é que se costuma chamar de “consciência da situação”. E isso consegue-se à custa de toda uma rede de apoio, permitindo que o avião voe, não isolado, mas sim integrado numa verdadeira rede de dados. Se for possível recorrer a guerra electrónica que retire ao inimigo a sua consciência da situação, está ganho. Dessa maneira o piloto só entra em combate no momento em que tem garantia de estar em vantagem táctica e fazendo uso do elemento surpresa. Mais que tudo o resto, é a guerra da informação que decide o resultado do conflito.
    Quando um dos lados tem a capacidade de manter a consciência da situação e negá-la ao inimigo, falamos de um conflito assimétrico. Num conflito assimétrico a superioridade técnica dos armamentos é muito pouco importante. Ela só se torna importante num conflito em que a guerra da informação não tende claramente para nenhum dos lados, como se acredita que aconteceria por exemplo, num conflito entre os eua e a china no extremo oriente nos dias de hoje, ou entre a NATO e o pacto de varsovia há 20 anos.
    Um conflito entre a índia e o paquistão também seria assimétrico, desta vez com vantagem da índia. e numa situação dessas até os velhos MiG-21 indianos seriam mortíferos contra os F-16 paquistaneses, tal como foram contra os F-15 americanos em exercícios.
    Um miúdo com um canivete suíço consegue matar um pugilista surdo e cego com um machado nas mãos. Um tem consciência da situação, o outro não.

  55. sim, aliás, já no conflito indo-paquistanês de 1971, os AWACs soviéticos, cobrindo os caças da IAF foram decisivos a devolver-lhe a superioridade dos ares…

  56. gaitero

    Achei uma entrevista vai ser grande mas vai valer a pena:

    A aeronave de combate de 5ª geração, deverá ser desenvolvida pelas empresas Sukhoi, Hindustan Aeronautics Limited e Combaer(Companias Brasileiras de Aeronáutica), Embraer e a Avibras que seriam as empresas brasileiras que montariam aqui os super caças.
    Unger e Sobolev garantem que com esse acordo, assim que assinarem o contrato, já será possivel começar as conversas entre as empresas para chegar a um parecer em comum, para se dar o primeiro passo na construção do protótipo.

    Enquanto T-50 não vem, compraremos quem?

    Sem dúvidas nenhuma, essa é a pergunta que não se quer calar, uma das cogitações de o Brasil comprar antes do Pak-fa é o SU-30MKI, que na verdade a Rússia se dispos a fazer uma versão exclusiva chamada de SU-36 que seria o SU-30 com expuxo vetorado e com os atributos eletrônicos do SU-35BM, porém não sabemos a procedência dessa noticia que tem circulado fórums internacionais, o que não seria de se espantar já que o Mig-35 foi desenvolvido para a India a partir do MIG-29S.

    Também se especula em a Embraer vender 3 aviões radares de alta tecnologia para a India, serião 3 aeronaves do modelo 145 de controle e comando aereo-tatico, e que a FAB modernizaria os caças Tejas para que pudessem ser integrados aos novos aviões de controle, nos quais os misseis seriam guiados ao alvo depois de disparados pelos aviões de controle, o que aumentaria as chances de acertar o caça inimigo.

    Você teria um comentario final para fazer a respeito do PaK-Fa?

    Com o Brasil no Pak-fa, significa um avanço enorme para quem até hoje de manhã estava vendo apenas Mirages 2000, e a possibilidade de um novo avião ser o Rafale, finalmente estamos vendo um fim do monopólio Franco-americano na nossa Força Aérea, e diferente do que aconteceu no A-1 AMX, a Rússia tem contratos antecipados de venda para alguns paises como a Alemanha que mostrou interesse no Pak-fa, e que já havia comprado muitos Mig-29, então os lucros de futuras vendas serão repartidos de acordo com a participação do pais no projeto, depois do SuperJet russo que será auxiliado pela Embraer, a Sukhoi irá desenvolver o Solstice, um avião executivo de porte médio em parceria ativa com a Embraer, e o que esse novo jato executivo irá diferir dos demais será quanto a sua aerodinamica que lembrará a de um caça, e sua potência na velocidade que poderá ser igual a um Concord em tamanho reduzido.

    FIM

  57. Gaitero:
    Muito interessante, essa entrevista:
    “A aeronave de combate de 5ª geração, deverá ser desenvolvida pelas empresas Sukhoi, Hindustan Aeronautics Limited e Combaer(Companias Brasileiras de Aeronáutica), Embraer e a Avibras que seriam as empresas brasileiras que montariam aqui os super caças.
    Enquanto T-50 não vem, compraremos quem?”
    -> Então seria mesmo o PAK-FA e não um derivado (limitado) deste projeto…

    “Sem dúvidas nenhuma, essa é a pergunta que não se quer calar, uma das cogitações de o Brasil comprar antes do Pak-fa é o SU-30MKI, que na verdade a Rússia se dispos a fazer uma versão exclusiva chamada de SU-36 que seria o SU-30 com expuxo vetorado e com os atributos eletrônicos do SU-35BM, porém não sabemos a procedência dessa noticia que tem circulado fórums internacionais, o que não seria de se espantar já que o Mig-35 foi desenvolvido para a India a partir do MIG-29S.”
    -> Estou menos otimista… muito mesmo.
    -> Depois dos recuos do passado e com o pesado investimento que será o PAK-FA… muita sorte será se optarem pelo Rafale ou Su-30, simples e em pequenos números. E não ficaria varado pelo pasmo se simplesmente nada se fizesse, esperando os novos caças e mantendo os F-5 e os 2000 a voar por mais 10-15 anos… é possível… ainda que pagando um preço de grande desiquilibro regional de forças.

    “Também se especula em a Embraer vender 3 aviões radares de alta tecnologia para a India, serião 3 aeronaves do modelo 145 de controle e”
    -> Isso parece já certo.

    ” comando aereo-tatico, e que a FAB modernizaria os caças Tejas para que pudessem ser integrados aos novos aviões de controle, nos quais os misseis seriam guiados ao alvo depois de disparados pelos aviões de controle, o que aumentaria as chances de acertar o caça inimigo.”
    -> E bem precisam… os Tejas são mesmo um nadomorto…

    “Você teria um comentario final para fazer a respeito do PaK-Fa?”
    -> Sim, voltarei ao tema brevemente!

    “Com o Brasil no Pak-fa, significa um avanço enorme para quem até hoje de manhã estava vendo apenas Mirages 2000, e a possibilidade de um novo avião ser o Rafale, finalmente estamos vendo um fim do monopólio Franco-americano na nossa Força Aérea, e diferente do que aconteceu no A-1 AMX, a Rússia tem contratos antecipados de venda para alguns paises como a Alemanha que mostrou interesse no Pak-fa, e que já havia comprado muitos Mig-29, então os lucros de futuras vendas serão repartidos de acordo com a participação do pais no projeto, depois do SuperJet russo que será auxiliado pela Embraer, a Sukhoi irá desenvolver o Solstice, um avião executivo de porte médio em parceria ativa com a Embraer, e o que esse novo jato executivo irá diferir dos demais será quanto a sua aerodinamica que lembrará a de um caça, e sua potência na velocidade que poderá ser igual a um Concord em tamanho reduzido.”
    -> Sim, comercialmente o projeto tem muito futuro e poderá até representar um investimento seguro e de retorno garantido… basta ver como se têm vendido os Sukhoi pelo mundo fora…

  58. gaitero

    Eu creio que virá o SU30-MK mesmo, más se realmente pensar em um esquema de parceria, de acordo, porque não um SU-36, afinal este poderia sair da fabrica a um preço bem mais acessivel caso seja um acordo amigavel, talvez seja vendido sem lucro, a preço de custo, porque não.
    Ai não seria apenas uma venda mas sim uma parceria.

  59. Moscou aposta na negócio para exportar mais tecnologia
    Humberto Saccomandi

    A estatal Rosoboronexport é uma espécie de empresa de representação de todos os fabricantes russos de equipamento militar. Só ela pode exportar e importar equipamentos de defesa para o país, além de alguns outros produtos e serviços ligados a tecnologia. A empresa foi criada em 2000, a partir da fusão de duas outras agências, e faz parte da estratégia do governo russo de criar grandes conglomerados industriais.

    O Valor apurou que o governo russo tem grande expectativa de vencer a licitação. Moscou espera há anos uma compra importante de armamentos russos pelo Brasil, desde o início do projeto FX de reaparelhamento da Força Aérea Brasileira.

    Os russos acreditam que seu tipo de equipamento militar, menos sofisticado que similares europeus e americanos em termos de eletrônica, mas mais resistentes, com performance similar e mais baratos, pode ter grande aceitação em países em desenvolvimento.

    A Rússia vê no setor bélico um modo de reduzir o superávit comercial brasileiro com o país, que superou US$ 2 bilhões em 2007. Além disso, é prioridade reduzir a dependência das exportações de petróleo, gás e outros produtos primários e ganhar espaço em produtos de alta tecnologia.

    Este mês, Brasil e Rússia assinaram acordo que pode levar à participação brasileira na construção de um caça de quinta geração, junto com Rússia e Índia. O acordo prevê cooperação russa no setor aeroespacial, no desenvolvimento do veículo lançador de foguetes brasileiro.

  60. Junior:
    “Os russos acreditam que seu tipo de equipamento militar, menos sofisticado que similares europeus e americanos em termos de eletrônica, mas mais resistentes, com performance similar e mais baratos, pode ter grande aceitação em países em desenvolvimento.”
    -> Tudo verdade… especialmente nos climas tropicais, mais exigentes para o equipamento mais delicado.

    “A Rússia vê no setor bélico um modo de reduzir o superávit comercial brasileiro com o país, que superou US$ 2 bilhões em 2007. Além disso, é ”
    -> Porque são grandes importadores de alimentos… e porque o Brasil não é um grande importador de gás ou de petróleo (é quase autosuficiente nesses domínios)

    “Este mês, Brasil e Rússia assinaram acordo que pode levar à participação brasileira na construção de um caça de quinta geração, junto com Rússia e Índia. O acordo prevê cooperação russa no setor aeroespacial, no desenvolvimento do veículo lançador de foguetes brasileiro.”
    -> Este mês? Isso sim, é uma novidade…
    -> Estaremos atentos!

  61. gaitero

    que nada esse acordo e o mesmo do dia 15 de abril.

  62. pena… bem que estranhei o mutismo dos media…
    e…
    quem diria que a Georgia tinha UAVs?

    Portugal, tem disto?… Não que eu saiba
    (mas não sei tudo e o Google não dá resultados 😉 )

  63. laio

    Esse ciranda do projeto FX vem se arrastando desde 98 e as autoridades encarregadas nunca cumprem as datas pré-definidas. O projeto original incluia:

    Dassault Mirage-2000 BR
    Mikoyan Gurevich MiG-29
    General Dynamics F-16
    Saab Jas 39 Gripen
    Sukhoi Su 35

    O projeto FX foi cancelado e reestruturado em 2005, com a desclassificação dos Mig29 e F16s, a entrada dos caças:

    Dassault Rafale
    Eurofighter Typhoon II

    Segunda a FAB, a missão dos novos caças seria defesa aérea.

    Levando em consideração as atuais características geográficas brasileiras, orçamento de no máximo 2 bilhões para o FX (sem descontar a compra dos 100 Embraer A29 Super Tucano e upgrade dos f5 Tiger2 para f5 Tiger3) e as condições da Força Aéreas da América Latina.
    Acho que as principais características do caça a serem analisadas são : agilidade, autonomia, versatilidade e preço. EU descartartia o Eurofighter e o Gripen, pois são muito caros.
    Para mim o Su35 é a melhor opção e a mais barata também. O Rafale é uma segunda opção. É mais versátil, porém mais caro e com menos autonomia.

    Quanto ao projeto Sukhoi T-50 PAK FA : Apesar da aliança realmente ter sido aprovada, acho improvável que o Brasil sustente o contrato. 6 Bilhões (Pesquisa + montagem) em um caça de 5º geração extremamente avançado, para a defesa do Brasil? Com um governo que gasta menos de 3% das riquesas com a manutenção das forças armadas?
    O Governo Brasileiro não pensa desse jeito. Provavelmente estão pensando:
    “Um novo F22 Raptor russo para combater oquê ? Su 30 venezuelanos? ou F16s chilenos ? Matar formiga com bomba? Como se diz no truco. ”
    Na verdade, o único aspecto verdadeiramente positivo seria a INCERTA emancipação tecnológico-aeronáutica e a possibilidade de exportação dos aparelhos.

    Acho que deveríamos SIM, apostar no PAK FA e torço pra que de tudo certo. Porém, acho improvável.

  64. laio:
    “Para mim o Su35 é a melhor opção e a mais barata também. O Rafale é uma segunda opção. É mais versátil, porém mais caro e com menos autonomia.
    Quanto ao projeto Sukhoi T-50 PAK FA : Apesar da aliança realmente ter sido aprovada, acho improvável que o Brasil sustente o contrato. 6 Bilhões (Pesquisa + montagem) em um caça de 5º geração extremamente avançado, para a defesa do Brasil? Com um governo que gasta menos de 3% das riquesas com a manutenção das forças armadas?”

    e porque não esquecer para já o FX2 e concentra todos os recursos e tempo no PAKFA?
    Como diz, não há ameaças iminentes e a concentração de esforços poderia trazer um elevado retorno tecnológico…

  65. gaitero

    Exatamente neste ponto que queremos chegar, se eles pretendem investir 3,6 bilhoes em caças para o Brasil.
    Porque não concentrar estes recursos para o pak-fa, desta forma daqui a 5 anos já teremos recursos para comprar varias unidades deste caça, sem alterar muito a verba das FA.

  66. gaitero:
    é isso. chute-se qualquer aparelho de 4ª ou 4,5ª geração e força na aposta no pak-fa. É uma solução de futuro e que mais garante o retorno do investimento e até a maior duração do mesmo.
    E aproveitar que por enquanto não existem (ainda) ameaças militares na fronteira brasileira…

  67. gaitero

    Tenho contato com amigos na Venezuela, e fontes seguras disseram, que se comenta por lá, que o Brasil vai comprar 18 Su-30MkI e tambem os 12 helicópteros de ataque da Russia, esta compra permitirá à Fab se adaptar aos equipamentos Russos, e manter uma força boa até a chegada do Pak-Fa.

    Como todos aqui sabem o ministro da defeza esteve na venezuela recentemente, pode ter passado esta informação aos militares da defeza venezuelana, talvez seja essa mesmo a atitude da Fab.

    50% de chances.

  68. Fred

    Gaitero, acho difícil, 18 Su 30 só se for um tapa buraco para o desenvolvimento do pak fa mesmo.

    Seria mais economico comprar os mirages 2000 para isso.

    Bem aqui é Brasil, vai que isso mesmo. 🙂

  69. gaitero: sim, tb vi esse rumor em fóruns… mas não poderão ser Su-30MKI já que o “I” vale pela variante Su-30 fabricada na ìndia… Seriam, assim Su-30MKB???
    Já o número é bem plausível… 18 foram os Su-30MKM que a Malásia comprou em 2006, e é uma espécie de “número minimo de venda” para este aparelho.
    e já aqui defendi a necessidade de comprar algum aparelho interino até chegarem os primeiros PAK-FA.
    mais mirage 2000C, Fred? espero que não…
    se fosse por uma solução datada como essa, Su-27 modernizados ficariam muito mais baratos e seriam mais eficientes:

    http://www.defesanet.com.br/fx/mirage2000_camara_contestacao.htm

  70. Fred

    Você esquece da logistica, que convenhamos não é um forte russo.

    O Mirage 2000 completaria a frota necessária a um custo de hora voada muito menor, disparado.

    O Cobertor curto lembra? E melhor ter mais e voar mais, com treino e horas de vôo.

    Não digo que é o certo, o certo seria comprar o F35 ou o Rafale ate a chegada do pak fa.

    Mas e o melhor custo benefício até 2015

  71. Fred

    Não esqueça os xavantes/impalas como exemplo do cobertor curto.

  72. sim, é um factor a considerar, naturalmente.
    mas se os PAK-FA terão fundamentalmente peças e tecnologia russas, não facilitaria a transição operar alguns aparelhos desta origem?
    E sendo os Su-27 em 2ª mão, não seriam muito mais baratos? Isto é, falamos de aviões para voar apenas 10-15 anos, e o dobro do preço dos Mirage 2000 teria que ser considerado… já que não haveria o tempo normal de amortização e de dedução do custo horas-voo.

  73. Fred

    é Sentar e fazer contas, não esqueca que já temos os mirage 2000, 12 se não me falha a memória, seria só complemento e não duas linhas logisticas completamente diferentes. Lnhas essas (as duas) que muito possivelmente nada ou pouca coisa terão de comunicabilidade com a do futuro PAK FA.

  74. Fred

    Só um complemento, não gosto do mirage, muito melhor o Rafale ou os SU 27,30,33,34 etc e tal.

  75. Fred: sim, o facto de comprar mais aparelhos do mesmo modelo teria um impacto significativo nos custos operacionais (e peças de substituição, já agora). É um bom argumento…
    Mas olha que suspeito que haverão componentes ainda comuns (ou intercambiáveis) entre os Su-27 e os PAk-FA…
    Um dos argumentos para a aquisição dos 2000 não foi o uso anterior dos IIIBR?
    Já para não falar do mais fácil salto de aprendizagem de manutenção entre os dois aparelhos…
    Eu sei… Na comparação os 2000C perdem em toda a linha. Até para o 2000-5… (se fosse este, talvez estivesse mais entusiasmado…)

  76. Fred

    o larjan é tudo! 🙂

  77. gaitero

    Não sei bem falaram em MKI, poderia não, afinal, seria um mix entre Russia India e Brasil, os mesmos que estão a desenvolver o novo caça.

    Tambem penso que comprar caças novos não é muito vantagioso, deveriamos comprar ou alugar Su-27
    para que nossos pilotos sentem em alguma coisa Russa, antes de ultilizar o Pak-Fa, agora estes mirrages, não concordo em mante-los, o quanto antes anunciarmos que queremos vender, mais compradores interessados existirão.

  78. Fred

    o problema russo Gaiteiro é a manutenção, historicamente eles deixam os compradores na mão no pós venda.

    E os caças russo tem horas voadas x horas em terra muito maior que os “ocidentais”.

    Obviamente que um badoque (estilingue) com borracha de soro é melhor que os mirage, C, 5, qualquer um. Mas estamos falando do que? ainda treinamos nos xavantes!

  79. gaitero: sim, essa é a minha posição.
    fred: ainda que compreendo a questão dos custos e a vantagem de haver já 2000C em operação na FAB… duvido é que os prazos de amortização destes justifiquem a aquisição…

  80. Fred

    Rui, quanto custa um mirage 2000C, uns 5, 6 contos de Euro?

    10 vezes menos do que qualquer outra opção? É Fazer contas e ver o melhor custo benefício.

  81. gaitero

    O melhor custo beneficio é ter um FA forte e com capacidade de proteger o Brasil, não estamos falando de um carro ou uma geladeira, estamos falando de soberania nacional, de patria e nisso, não se deve medir custos.

  82. Fred: cada 2000C custa dois Su-27 em 2ª mão…
    Por isso pelo mesmo preço ou ficam com 24 Su-27 (melhores) ou por 12 2000C (piores).
    Hum… A minha decisão estaria aqui tomada, independentemente dos custos operacionais, já que estes aviões não deverão voar mais de 12 anos…

  83. Fred

    é Rui, você me convenceu!

    Gaiteiro: Estou apenas sendo realista, dos nossos 700 e tantos aviões, nem metade voa! Os treinos são parcos e mais que contidos, pilotos que realmente dispararam um míssel e estão na ativa voando são minoria.

    A marinha está muito pior, desativou 22 navios e ativou apenas 12. O monitor Paraba está na ativa desde 1936, são 72 navegando, sabe quem batizou o casco? A esposa do presidente vargas. E o governo até hoje nao liberou os royaltes do petróleo para a marinha. (não estou falando deste governo, os anteriores também não liberaram)

    Oxalá nossa classe governante fosse tão sensata quanto você. Também concordo com a necessidade de soberania e da capacidade de proteger o Brasil serem coisas fundamentais e que não devem ser adiadas.

  84. Fred:
    Certo!… Estamos então ambos “sukolizados”!
    EUA e RU anunciaram reduções (60 e 30% respectivamente) das horas de voo dos seus pilotos, pelo que a praga é comum, parece…
    Quanto ao estado da vossa Marinha… tendo em conta a extensão da costa, do mar e dos seus recursos é verdadeiramente deplorável!

    entre estes meios:
    https://www.mar.mil.br/menu_h/navios/menu_navios_mb.htm

    ficando – como nota comparativa – os nossos:
    http://www.marinha.pt/Marinha/PT/Menu/DescobrirMarinha/MeiosOperacionais/Superficie/

    nota-se de facto uma inexistência de meios adeduados às necessidades, mas onde está esse “Paraba”?

  85. Fred

    O monitor Paraiba foi reformado de novo, novamente outra vez, recebeu um novo deck para permitir o pouso de helicopteros.

    Sua base da marinha oficial é a base de ladário no MS. posso te mandar as coordenadas do google earth, ia acabar com todo mundo no quids, kkkkk.

    vou procurar uma foto e o link do GE, naum é um navio feio, só é antigo.

  86. Fred

    aqui está e escrevi errado é monitor parnaiba, desculpe 🙂 erra é humano, culpar os outros é divino! 😉

    http://www.alide.com.br/artigos/parnaiba/index.htm

    Mandei uma foto do GE pro seu endereço eletrônico.

    Forte Abraço

  87. SIm, o U-17 da lista da Marinha:
    outro artigo: http://www.revistanaval.kit.net/parnaiba.htm
    sim… 1936… notável longevidade!

  88. Fred

    ajudou muito passar 60 anos na agua doce, mas sim é de uma longevidade espetacular.

  89. gaitero

    Idade, não significa nada, ele é de agua doce, não sofre corrosão, foi modernizado, e pode ser mantido em serviço, se bem cuidado.

  90. sim, mas… outro navio poderia ser mais rápido e cumprir mais eficazmente (menor custo operacional) as suas missões…

  91. Fred

    Gaitero, infelizmente idade significa sim, ele não foi projetado para água doce, foi construido para o mar, e foi diversas vezes reformado, inclusive para poder receber helicopteros.

    E só está na ativa porque a marinha não tem o que por em seu lugar, por ter outras prioridades em seu curto orçamento.

    Não tem eletrônica de ponta, é lento, bebedor, tem um sinal expressivo de radar e passa mais horas docado do que navegando, porém como teve um bom projeto e boa manutenção, aceitou bem as adaptações e está ai, servindo a nação por 72 anos, e 60 deles no rio paraguai.

  92. bem… eu fiquei convencido…
    e a esses argumentos, há que somar ainda mais um:
    será um navio tão antigo capaz de representar condignamente a bandeira brasileiras numa fronteira tão permeável (e por onde passa tanto contrabando) como essa?

  93. Fred

    A prioridade da marinha agora são as novas escoltas de 6000 ton. e estão mantendo em segredo os detalhes, já ouvi de tudo desde FREMM a destroiers,

    O que sempre se repete e que serão construidas aqui no Brasil e terão por volta de 6 000 ton de deslocamento.

  94. gaitero

    Eu esperava a fragata alemã, mas estou convencido de que a Formidable francesa, mesmo esta tendo apenas 3.200 t, será a escolhida, formidable é derivada da La-Fayete que tem 3.500t, mas de qualquer forma será uma grande compra.

  95. gaitero

    Se bem que a FREMM esta bem mais proximo do que a marinha deseja, mas como custa 1 bilhao de euros…… é acho que não vai ser esta.

  96. Fred

    Gaiteiro, não vão comprar as FREEM, vão comprar os projetos, e a EMGEPROM deve adaptar os projetos para as necessidades da MB, igual como fizeram com os projetos dos classe vigilantes que também compraram dos franceses.

    A diferença é que os classe vigilante estão sendo construidos no CE e essas novas escoltas devem ser construidas em algum outro lugar do pais, provavelmente no RJ ou sendo mais preciso, parte em varios locais do país e montadas no RJ.
    E devem custar por volta de dois bilhões de reais cada que viriam dos benditos royaltes do petróleo que o governo insiste em não liberar. 🙂 (Já deve ter uns US $ 3 Bi aguardando a liberação)

  97. Fred

    Corrigindo 1 bilhão de reis já com os armamentos e sistemas.

  98. Fred

    E pagando o projeto para a França

  99. Gaitero e Fred:
    As FREMM são dos melhores navios da atualidade, na sua classe. Não sei é como é que Marrocos arranjou 2 biliões para pagar as suas:

    (vale a pena ver este video)
    esse fundos não estão a ser reservados para demasiadas coisas?… tipo o SNA, as fragatas, o FX, etc?

  100. Fred

    Clavis, na verdade as FREMMs custam na ordem de 300 a 400 contos de Euros, e de passagem, vale cada centavo, é um projeto moderno e atualissímo!

    Dai minha tola preferência pela FREMM 🙂

    Mas sendo aqui o Brasil, tudo é especulação já que a marinha mantém um certo segredo. A única coisa liberada para o público é que serão construidas no localmente. com os patrulhas classe vigilantes.

  101. Fred

    Os fundos irão sim para os demais reaparelhamentos já que o desembolso não é imediato e sim escalonado pelas entregas, e o fundo deve crescer com o crescimento das explorações do petróleo. Portanto tem dinheiro para as FREMM ou SNA, ou o que quiser mais e sem passar perto do bolso do Brasileiro.

  102. Fred

    Isha alá! 🙂

  103. As FREMM seriam também a minah primeira opção para reforço das nossas escassas Meko… Mas falta o dinheiro…
    Sim, estou a ver. O investimento terá é que ser distribuído e não concentrado em poucos anos.

  104. Fred

    Exatamente, pois como vem de royaltes, ele entra paulatinamente e deve assim sair também.

    O montante atual de 3 bilhoes de reis é resultado do represamento do numerário efetuado pelo ministério da fazenda que fica fazendo caixa com o dinheiro dos marujos 🙂

    Ano passado só liberou uns 800 contos de reis e a marinha ainda teve que dividir com o ministério da ciência e tecnologia!

    Sabe aquela piada do filho que chega para o pai sovina e pede 50 reis para sair com a namorada?
    Pedido este que o pai responde com cara de espanto:
    $ 40 reis
    Para que meu filho quer 30 reis?
    tome aqui 10 e destes 10, dê 5 para seu irmão!

    🙂

  105. 😉
    bem… pelo menos há distribuição de mesada!

  106. Fred

    é, divide sim! o coitado só não consegue ir para o cinema e nem sair com a namorada!
    🙂

    Olha só
    De janeiro a abril deste ano foram arrecadados com os royalties 3,1 bilhoes de réis, sendo distribuido por volta de 1 Bi rateado para os municipios, 900 contos também rateados para os estados produtores e 880 contos rateados para a marinha e para o ministério da ciência e tecnologia . O Resto foi para o ministério da fazenda para fazer saldo médio junto com o retido nos anos anteriores. (um fundo especial que o MF mantém)

  107. Fred

    Um Complemento, a marinha acaba de comprar 4 SEAHAWK, uma bela compra creio eu.

  108. já li que o orçamento da federação brasileira atual, tinha supervit, é assim?
    sim, são excelentes aparelhos na sua classe:
    mas só encontrei noticias antigas… não será um eco da compra de 2007?

  109. Fred

    Olha lá no aurora, publiquei hoje!

    Sim, estamos com superavit, o governo até criou um fundo soberano em reais, a partir de 0,5% do pib.

    http://www.agenciabrasil.gov.br/noticias/2008/06/02/materia.2008-06-02.8345315921/view

  110. Fred

    Li a carta da agencia americana, a solicitação original era de 6 aeronaves, o Brasil fechou com 4, e no pacote vem a mordenização dos sonares dos seaking.

    Acredito que serão operadas a partir do A12 e substiuirão os seaking.

  111. do São Paulo?
    mas ele já navega de novo?
    e isto quererá dizer que ele se vai tornar num porta-helicópteros?

  112. Fred

    Sim, do próprio, navegar é preciso! com dois eixos não é preciso! o outro ainda está na retifica! e precisavam liberar o dique seco!

    Mas quando os ditos chegarem ele já vai estar com os dois eixos e navegando.

    Não vai não, os seahawk substiuirão apenas os sea king embarcados nele. São só 4 Clavis, cabe um monte deles no A12!

  113. caber cabe… ficarão é meio sozinhos… sem aviação embarcada…

  114. Fred

    rs, 🙂 calma, calma! o futuro a deus pertence!

    Logo os falcões vão voltar a voar, acho que até antes do Sampa voltar a navegar com os dois eixos!

  115. gaitero

    Creio que seus calculos quanto ao preço das FREMM estão um pouco errados, 500 milhões de euros, e o preço que eu encontro em todos os sites.

    500 x 2.60 = 1bi e 300 mi de reais. 3 unidades 3 bi e 900 mi.

    É um pouco alto para a MB não acha.
    Quanto aos 4 seahalks que ridiculo teria de vir os 6, 6 é o mínimo que deveriamos ter, até numa compra mínima dessa temo que reduzir gastos.

  116. Fred

    Esse é o preço estimado das FREMM que a itália quer construir e também não tem dinheiro 🙂

    Como elas serão construidas aqui e com as modificações e adaptações é essa a previsão do MD. Não que depois não vire os 1 bi e 300, hehehe.

    Quanto aos Seahawk, eles estão pagando quase 50 milhões de dólares por aeronave e mais 13 motores, esta quase o preço do FX2, lembre se do cobertor curto.

    Sabe quanto custou a Barroso? em 14 anos de construção?

  117. Fred

    Outra coisa interessante, o Nérso, falou no congresso ontem que a marinha vai acrescentar 50 novos patrulhas oceânicos! Claro que em médio a longo prazo!

    Vou esperar sentado! 🙂

  118. certo!
    fica então estabelecido que as FREMM são excelentes, mas caras como o raio.
    agora sempre gostava de saber onde foi o reino hachemita buscar as verbas para pagar duas delas… aos lucros do hax?
    50?…
    hehehehe.
    ver para crer…

  119. Fred

    é daqui a pouco vão querer criar uma guarda costeira! 🙂

    Já as FREMM nas barbas da madeira, mas eu lembro que li em algum lugar que seria 1 FREMM para nau capitânea e 3 sigmas. Agora são duas FREMM?

  120. Sim, eu também só encontro notícias de 1 FREMM… mas iria jurar ter lido algures que eram 2…
    Até já escrevi sobre isto:
    http://movv.org/2007/11/19/sobre-o-reequipamento-naval-e-aereo-marroquino-e-do-atraso-portugues-nesse-campo-e-dos-perigos-daqui-decorrentes/
    onde digo que seriam entre 1 e 3… mas iria jurar que…
    tinha lido que era duas…

  121. Fred

    são as sigmas, acho que você confundiu as memórias! 🙂

  122. Graxaim

    “Fred, em Abril 23rd, 2008 às Disse:
    Engraçado, esse que o júnior transcreve parece muito com algo que escrevi lá na aurora

    Clavis Prophetarum, em Abril 23rd, 2008 às Disse:
    bem que me parecia conhecer o texto!

    tens mais admiradores (e leitores) do que pensas, Fred…´´
    Senti um clima… (de concordância, claro!)

  123. fred: não… acho que confundi a possibilidade (1 a 3) com a compra efetiva (1)…

    graxaim: copy-paste!

  124. Fred

    Graxaim, se gostou e quiser participar, fique a vontade. Quanto mais melhor (do aurora, é claro)

    Clavis, é confuso mesmo, eles iam comprar de 1 a 3 FREMM e 3 Sigmas

    Vai saber!

  125. pois.
    devem ter visto a carteira, e vira que lá só… havia guita para uma FREMM.

    ainda bem para todos os seus vizinhos, Portugal inclusivé!
    sim, porque Marrocos pode cair nas mãos dos fundamentalistas muito facilmente…

  126. Fred

    Bem não posso opinar por desconhecimento!

    Voltando a vaca fria, soube que no dia 7 de setembro, quando o governo anunciar o pacatão da defesa deve sair o anuncio das escoltar de 6 mil ton, veremos então se serão mesmo as FREMM. 🙂

  127. Fred

    escoltas

  128. gaitero

    é isso é

  129. gaitero

    más, com relação as 60 patrulhas, tive uma informação que ai estão inclusos lanchas rápidas, ou seja bem baratas, devem ser ai umas 20 então não sairá tão caro.

    A grande pauta, está nas 3 escoltas, em aviões para o são paulo e em quantos e quais serão os novos submarinos, acho que se isto for esclarecido dia 7 de setembro já estarei contente com a Marinha.

  130. Fred

    são 50 gaitero, essas 20 seriam os classe vigilante que estã construindo em fortaleza?

  131. gaitero

    FAB adquire dois EMBRAER-190
    para aviação de transporte

    destinadas ao transporte de passageiros e autoridades. Os novos aviões serão operados pelo Grupo de Transporte Especial (GTE), sediado em Brasília, em substituição aos dois modelos Boeing 737-200 que servem ao país há mais de três décadas.

  132. gaitero

    Ai é que ta, serão as lanchas rápidas marlin que tambem estãos endo contruidos em fortaleza,

    http://www.naval.com.br/NGB/M/M078/M078-f01.htm o nome esta errado não é a P-41 é a LP-01

  133. Fred

    As lanchas? eu pensei que fosse os vigilantes

    http://www.defesanet.com.br/zz/mb_inace.htm

    Vinte desses sim, seria uma guarda costeira razoavel, se bem que pequena perto das nossas extensões de praias, uns 8 000 km.

  134. A Vigilante 400 CL54 da CMN parece interessante… e completar às lanchas, sem umas e outras vitais na vigilância “por rede” da costa e das praias e essenciais no combate ao contrabando e narco-tráfico.
    mas serão suficientes tendo em conta a espantosa extensão da vossa costa?

  135. gaitero

    É por isso que eu te digo, se são 50 novos, devem ser 10 a 12 vigilante, e o resto tudo lancha, so que como não foi divulgado nada, absolutamente nada, ficamos so em suposição, lembrando que temos 12 guarujá.
    Caso as 2 vigilantes sejam aprovadas em testes e realmete comprem além das 20 mais 18 lanchas, é tudo suposição.
    A unica coisa certa é que 8 lanchas e 2 vigilantes serão incorporados até 2009 para testes.

    os guaruja são de 200T os vigilantes 500T.

    sería uma força costeira razuável.

    Com relação aos M-2000 chegou ao brasil o 9 caça, agora so faltam 3.

  136. gaitero

    http://www.defesanet.com.br/fab1/emb_190.htm

    agora está notícia é boa, pode ser até um incentivo à conclusão do progeto C-390

  137. gaitero:
    altos responsáveis da FAB já exprimiram publicamente o seu apoio e interesse pelo C-390 e este seria ainda mais importante e vital para o arranque desse programa… é que o 190 já voa, e o C-390, não… e os recurso são no Brasil, como em todo o lado, limitados…

  138. gaitero

    Pelo que eu pude acompanhar, não haverá muita diferença de comprimento, apenas a largura srá alterada, já existe o motor ideal, os avionicos ideais, não tem muito que inventar, tanto é que não haverá um custo alto para produção e compra.

  139. e contudo não encontrei de novo o link para este apoio da FAB… Será que a notícia foi retirada?
    quanto ao C-390… que me dera que Portugal enveredasse também por ele, em substituição dos C.-130H… por falta de lobby meu é que não tem sido!

  140. Fred

    Na verdade não é apoio, a fab ainda deve as caracteristicas e premissas para a Embraer, o Brigadeiro Juniti Saito informou a imprensa que “logo” a FAB enviará as necessidades e premissas para o complemento do projeto.

    Vamos aguardar o 7 de setembro, dia do esperado pacote da defesa!

  141. há muita decisão pendente por aí… o fx2. o pak-fa, o nae sp, o c-390!
    quando estourarem, vão todos!
    assim esperamos!

    achas que tudo isso será anunciado a 7 de Setembro?

  142. Fred

    Sim o famigerado pacote da defesa, para a marinha, exército e aeronáutica, e de quebra a industria de defesa nacional.

  143. muita gente deve andar bem nervosa na indústria brasileira de defesa…. algumas dependem mesmo desse pacote para sobreviber como a Avibrás, não é?

  144. Fred

    Que nada, gato escaldado tem medo de água fria!

    Isso é mais um evento politico que de ajuda real para a defesa.

  145. Fred

    Parece agora, que a EADS vai divulgar no dia 30 se vem com a fábrica dos EC 725 para o Brasil ou não.
    E tudo indica que vem e junto mesmo com a Helibrás.
    Contra todas as minhas espectativas, vão reorganizar as participações acionárias da Helibrás e a dita virá para Minas!

  146. vamos torcer…

  147. gaitero

    Esse mes né.
    Me parece que será criada, novas linhas de produção para outros helicópteros, e tambem haverá uma redução no preço dos EC 725, já existe países latino americanos intereçados nos novos helicópteros brasileiros, o chile é um deles.

  148. Fred

    Novas linhas eu não ouvi nada, só a tansferência da f’ábrica de SCougars. Já que a do Puma foi para a China.
    A Hleibrás já monta o Esquilo/fennec e o Colibri em itajuba, talvez esses passem a ter um grau maior de nacionalização dos componentes?

    Vai saber, né!

  149. gaitero

    Além de suprir a demanda brasileira, a fábrica deverá atender a países vizinhos. Chile e Venezuela já mostraram interesse pelo modelo. Segundo Viana, a mão-de-obra especializada em mecânica e a demanda assegurada foram os fatores determinantes para que o projeto ganhasse corpo. E a EADS, dona da Eurocopter, também vem buscando, nos últimos anos, transferir suas linhas de produção para fora da Europa, para escapar do “custo euro”. A Eurocopter cogitou a instalação da fábrica após o governo brasileiro ter lançado, em meados do ano passado, consulta de aquisição de helicópteros para modernizar as Forças Armadas.

    O centro de engenharia do projeto ficará em Minas Gerais. No Rio de Janeiro deve ser instalado o primeiro simulador de vôo de helicópteros para treinamento de pilotos. Hoje, esse equipamento só está disponível na Europa e nos Estados Unidos.

    “Já estamos negociando tranferências tecnológicas para produção local de peças”, afirmou Viana. As negociações já estão avançadas com alguns fornecedores, principalmente de Minas Gerais, São Paulo e Rio de Janeiro. A gaúcha Aeroeletrônica é cotada para produzir aviônicos (sistema de navegação da aeronave), enquanto a Inbra, de Mauá (SP) poderá fornecer materiais compostos. A francesa Turbomeca (turbinas) e a italiana Finmeccanica também mantêm conversas.

    Acho que essa deve ser a idéia, os componentes dos outros helicópteros também possam ser produzidos aqui, em maior escala do que a que se faz hoje em dia.

  150. Fred

    Gaiteiro, que eu saiba hoje só o suporte de espelhos retrovisores do modelo Esquilo, o conduto de distribuição de fluxo de ar condicionado para a cabine do Colibri e as carenagens blindadas em materiais compostos e instalações de armamentos axiais para versões militares do Esquilo e Dauphin sã fabricados localmente (no Brasil). O resto vem da Eurocopter!

    Eu pessoalmente tinha dúvidas se a Helibrás conseguiria ganhar essa batalha de englobar a fábrica dos scougars. Afinal a Eurocopter não é dona nem da metade da montadora Helibrás e uma injeção de capital deste porte muda completamente a participação acionária! Tanto é que nessa reportagem que você transcreveu eles informam que possivelmente a Bueninvest, do empresário Edmond Safdié vai sair do negócio, (ele hoje detém 30% das ações).

    De qualquer modo uma excelente oportunidade para o Brasil.

  151. gaitero

    Exatamente, e uma das citações que eu n trancrevi e bem clara quando diz que ” deve-se ter uma mudança das participações acionárias”, não dizia exatamente oque seria, mas agora você ja me explicou.

    É oque eu penso, afinal o proximo passo quando já concretizada as instalações dos 725 será possivelmente a contrução nacional dos NH90 tão sonhados.

    De qualquer forma estamos no caminho certo.
    Pode demorar mais, más com certeza é muito mais importante para uma nação ter industrias militares, do que armamentos propriamente ditos.

  152. Fred

    com toda certeza gaitero!

    Você é fan do NH90? Mas não creio que o contruam aqui não!

    E para ASW e ASuW a marinha optou pelos Seahawk

  153. Fred

    dificilmente eles virão para o Brasil, mesmo pensando em substituir o super linxs, acho difícil a escolha do NH90.

  154. bem, é aquela coisa… por norma, prefiro aparelhos fabricados na Europa ou na Lusofonia, desta feita, a coisa parece cruzar-se e, ainda bem.
    Os NH90 são demasiado caros… excelentes, mas caros.

  155. Fred

    Exato, e se efetivamente os SuperCougars passarem a ser fabricados no Brasil tanto o custo de aquisição como o custo de manutenção irão cair!
    Já imaginou um custo de hora de voo menor que 5000 dolares?

  156. gaitero

    NH-90 é OOOOOOOO helicóptero naval.
    a capacidade deles e fantastica o estilo inovador com linhas simples, é um helicópero que se encaixaria perfeitamente no lugar dos linx.

  157. gaitero

    com relação aos caças, estou cada vez mais convincente de que serão SUs, ou 30 ou 35, de 18 a 36 unidades.

    Em um site militar que não sei bem qual é, o general da FAB disse que os xavantes não estão sendo ultilizados para treinamento e sim para combate devido ao baixo numeros de f-5 e o alto custo de operação dos amx, ele disse que com a chegada das 9 unidades adquiridas em 2006 que devem entrar no programa em breve. serão 55 f-5 podendo então passar ao menos 12 xavantes para base de natal onde executarão treinamentos de pilotos.

  158. nós (Portugal) temos Lynxs embarcados nas Vasco da Gama:
    http://www.defesanet.com.br/noticia/lynx/pt.htm
    onde têm servido muito bem.

    Su-30/35?…
    é a minha aposta, também…

  159. Fred

    Westland AH-11A Super Linx são 12 na marinha do Brasil e operam nas Fragatas Classe Greenhalgh, Contra-torpedeiros Classe Pará e nas Corvetas da Classe Inhaúma

    http://paginas.terra.com.br/educacao/aeronaval/ha1.htm

  160. Fred

    Sim os impalas foram adquiridos, mas seu surpreendente estado (muito pouco uso, cerca de 1000 e poucas horas de voo) levou a fab a utilizá-los operacionalmente!
    Segundo soube, os xavantes estavam no RS para auxilaiar no treinamento para o RED FLAG!

    Não soube nada de novas compras de f5 fora os 11 da jordania de 2007!
    http://www.defesanet.com.br/fab1/f5_jor.htm


  161. e ei-los em ação…

    e os f-5…

    sendo qur a jordania oa vendeu para…
    http://www.areamilitar.net/noticias/noticias.aspx?nrnot=113
    comprar f-16

  162. gaitero

    Como eu queria que fosse 120 SU-35
    heheheheheh, que sonho.

    Os Super linx aqui no Brasil, em 12 unidades tambem servem muito bem, más os NH-90 podem ser os substitutos em um futuro proximo.

    Tambem me espantei com esses novos xavantes, ou impalas como queram chamar, já ouvi sobre estes 11 f-5 más não tem nada muito certo, se realmente foi comprado os 20 f-5 ou apenas os 9 de 2006 ou se a compra de 2006 foi cancelada e foram comprados apenas os 11 da jordania. Cada site coloca essa compra de uma forma diferente. Na minha opinião foram estes 11 da jordânia então temos 57 F-5.

  163. gaitero

    Com relação aos F-5 M já foi comprovado que sua capacidade de combate é tão eficiente quanto às dos f-16 block 30, se somarmos aos F-5M + R-99 + R-darter eles tem a capacidade de destruir um f-16 block 50/60.

  164. Fred

    Sim Gaiteiro, com os Derby ( mísseis com enlace de dados ) em conjunto com os R99 dão um senhora eficiência de combate aos velhos tigres!

  165. jordania?
    mas não eram sauditas?
    http://www.defesanet.com.br/fab/f5_replace_1.htm
    espera…
    já percebi:
    http://www.forum.clickgratis.com.br/clubedof5/t-106.html
    são jordanos e sauditas… fazendo um total de 11 aparelhos.

    sendo que os 11 saudiras foram cancelados por:
    “compra de 11 aviões da Arábia Saudita não foi efetivada. Aparentemente três fatos contribuíram:
    1 – Condição de uso das aeronaves;
    2 – Dificuldade de obtenção de documentação de “end-user” (usuário final), essencial para a transferência de equipamentos militares;
    3 – Possibilidade destes aviões constarem do pacote de compra dos Eurofighter, compra anunciada em 2005, e efetivada em 17 Setembro 2007.”

  166. Fred

    Tem até um video no you tube com um f5m e o python iii
    http://br.youtube.com/watch?v=g4FcbbUmprk&feature=related

  167. está tudo no youtube…
    até…
    isto:

    🙂

  168. Que venham aviôes que vierem, tanques que vierem e etc… Mas que venham rápido, que nós brasileiros precisamos.

  169. Fred

    Novidades, ouvi ontem que a Embraer irá modernizar os A4 da marinha com o mesmo padrão dos F5M, com enlace de dados com os R99, radares e pacote de eletrônica dos F5 e , possibilidade de utilização dos SKY Shield da Rafel e lançamentos de misseis contra navios. Vamos ver se esse boato se confirma!

  170. gaitero

    Quantas unidades seriam, vc n tem esta informação??
    Esta noticia para mim e pessima, tinha esperança de ver os AMX -N.
    Dos males o menor, pelo menos teremos caças de verdade na MB.

  171. interessante… mas as células dos A4 estariam ainda capazes de fazer render essa atualização?
    comprados em 98 ao Kuwait (logo tendo levado com umas belas temperaturas e desgaste opercional)…

  172. Fred

    Aparentemente são 12 e estão com poucas horas de voo!

    “Apesar de serem veteranos da primeira Guerra do Golfo, quando foram comprados pelo Brasil os A-4KU tinham apenas 1.600 horas de vôo, e ainda encontram-se em excelente estado, segundo uma vistoria técnica recente. Levando-se em conta esse fatores, a MB planeja usar os aviões até 2020/25, que é também o limite da vida útil projetada do NAe São Paulo”

    http://www.naval.com.br/opiniao/Falcoes/falcoes10anos.html

    Nessa reportagem ai de cima, tem um belo histórico e prognosticos sobre os falcões, vale a pena ler!

  173. sim, já tinha também lido isso…
    mas continuam a ser células muito velhas…
    lembras-te do problema que recentemente colocou no chão toda a frota de F-15 da USAF?

  174. Fred

    É mas os F15 foram usados até virar bagaço, ai tiveram que parar de usar! nos falcões tem célula com menos de 3000 horas de vôo hoje! Estão realmente novos.
    A marinha criou um involocro em plástico que está preservando varis unidades do lote. Das 23, eu chuto praticamente metade, umas 12 células, estão preservadas. ( Por serem 12 unidades modernizadas imagino que deve ser o número das preservadas)
    Há algum tempo atrás a Embraer fez uma vistoria nas aeronaves!

  175. está bem…
    fico menos convicto de que seja um erro…

  176. Fred

    E aparentemente foi pensado, pois o ex foch foi comprado para essas aeronaves e não vice versa como seria o natural e ainda criaram o tal invólocro plástico para as aeronaves!

  177. sim senhor!
    a coisa foi mesmo planeada!
    encerro por mim esta questão…
    aparentemente, pensaram mesmo em tudo!
    até nos…
    “preservativos”… 😉

  178. Fred

    é

  179. cá optamos por…
    encaixotar F-16:
    http://ultimahora.publico.clix.pt/noticia.aspx?id=1259116&idCanal=12
    sempre é mais fino do que “presservar” A-4s…

    tristeza…

  180. Fred

    Seriam cômicos se não fossem trágicos!

  181. sem dúvida…
    e ainda os vão vender depois de montarem o MLU e tudo…
    serão certamente um bom negócio, para quem os comprar
    e uma compra de interesse (por Portugal) muuuito duvidoso…

  182. gaitero

    Chile deve tar de olho aberto nessa besteira portuguesa..

  183. Sim… se forem espertos!
    Tanto mais porque não constam que se tenham manifestado quaisqueres interessados até agora…

  184. Fred

    Vão anunciar a fábrica da Eurocopter!

    essa semana sai a confirmação!

  185. gaitero

    O Chile ta de olho em todos os possiveis F-16 MLU que possam ser colocados a venda, atualmete eles dispoem de apenas 28 F-16 esse numero deve chegar a no mínimo 40

    Com relação a eurocopoter, estamos de olho.

  186. Fred

    rs
    🙂

  187. Fred

    deve ser confirmado amanhã, com a visita do ministro francês da defesa a helibrás! junto com O excelentissimo molusco e o Nersô! A imprensa da França já fala em 60 Cougars, acho muito! 🙂

  188. gaitero:
    sim… então devem andar mesmo a rondas os nossos MLUs…
    amanhã é já hoje… foi confirmado?

  189. gaitero

    Ora, 58 que seria o ideal, afinal 40 devem ser somente para FAB, que tera de substituir seus já velhinhos Bell 1 H-1e os cougars. Os outros 20, para MB que tambem terá de substituir seus 7 cougars e EB que se somariam aos seus semi novos cougars e Bh’s, tambem temos que lembrar do governo federal, chutaria 8 para cada força, e sobrariam ainda 2 para o governo.

  190. gaitero

    Já pensou

    40 S cougars 6 Bh’s 12 Mi-35 28 esquilo para FAB

    16 cougar e S cougar 4 Bh’s 34 Panther 20 Fennic para EB

    4 Sh’s 3 SH-3B 8 S cougars 12 super linx 26 esquilo para MB

  191. gaitero

    Nossa;
    Chaves afirmou em reunião do mercosul que virão mais Su’s para se juntar aos 24 recem comprados, e disse que o Brasil tem submarinos nucleares escondidos por ai……

  192. gaitero

    Diversas fuentes insisten en que Chávez compraría una flota de aviones caza Sukhoi-35, una versión más reciente del Su-30 del cual ya compró dos docenas.
    En tanto, Rusia ofrece a Brasil construir es su territorio un centro para mantenimiento de aviones Sukhoi, pensando en Venezuela como cliente. Lula lo está pensando…

    Ou seja, alguma dúvida de que viram Su’s no FX-2?????
    Eu não tenho mais.

  193. FRED

    Sim, foi confirmado, o que soube foi o seguinte:

    Fábrica da turbomeca no Estado do Rio de Janeiro provavelmente próximo a divisa com SP.
    A Imbra (e talvez a Embraer) fabricando os materiais compostos e fibra de carbono.
    Para os avionicos estão sendo discutidas.
    1. A vinda da fabricante original dos equipamentos aviônicos, SAGEM, ao Brasil.
    2.Estão em conversações adiantadas os entendimentos com o fabricante Aeroeletronica (ELBIT).

    Só não saiu a definição de quantas aeronaves serão adquiridas! Fala-se em 50, mas não houve o pedido real.

  194. Gaitero:
    Ou seja, há boas hipóteses que os Su-35 sejam fabricados no Brasil! Dadas as boas relações e a grande possibilidade que este aparelho vença o FX2… Isto se ele ainda existir e se não foi “re-congelado” a favor do PAK-FA, claro…

    Fred:
    Excelentes notícias!
    Mais umas a juntar a outras que têm vindo daí!

  195. gaitero

    Fontes da fab afrimam que uma coisa não tem nada haver com outra, será desenvolvido um novo caça de 5 geração, que provavelmente será o PaK-Fa, e uma compra de emergência de 24 a 36 caças de 4 geração, é ai que entra o Su-35, o ralafe o eurofighter e o F-35, com preferência para o Su e rafale.

    Força Aérea Brasileira seleciona cinco fabricantes para novo Programa F-X

    Defesa Brasil 20 de Junho de 2008

    O Brasil está reabrindo com grande atraso a procura de uma aeronave de caça de próxima geração para funções de multi-emprego, e no início de junho publicou um “request for information” para cinco fornecedores para sua nova concorrência denominada F-X2. Estes requisitos iniciais referem-se a compra de um lote de 36 caças, entretanto o total máximo para o programa estabelece 120 unidades para serem entregues a partir de 2014 até 2020.

  196. gaitero:
    é a opção (dupla) mais razoável… é que até o pak entrar em produção… ainda vão uns belos anos!
    120 unidades?
    eui sei que é um máximo… mas 120 Su-35 (ou equivalente) são mesmo muitos caças…

    ricardo:
    uma área onde o Brasil poderia aproveitar muito da troca de conhecimentos… a industriaa da AFS é das mais desenvolvidas de África, por causa do bloqueio, e têm projetos bem interessantes como o Roivaak…

  197. Luís Fernando

    Ministério da Defesa
    Comando da Aeronáutica
    CENTRO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL DA AERONÁUTICA

    NOTA PROJETO F- X2

    O Comando da Aeronáutica, atento às necessidades operacionais para as próximas décadas e obedecendo ao cronograma de desativação de aeronaves de combate da Força Aérea Brasileira, instituiu, no dia 15 de maio de 2008, a Comissão Gerencial do Projeto F- X2, com o objetivo de conduzir os processos de aquisição de aeronaves de caça a serem incorporadas ao acervo da Força.

    O intuito deste trabalho é dotar a FAB de uma frota padronizada de aeronaves de caça de múltiplo emprego, com o início das operações no Brasil previsto para o ano de 2015 e para serem utilizadas por aproximadamente 30 anos. O planejamento prevê a substituição gradual das frotas de Mirage-2000, F-5M e A-1M.

    Para tanto, seis empresas foram pré-selecionadas e receberam solicitação para apresentarem informações (request for information – RFI):
    1 – as norte-americanas Boeing (F/A-18 E/F Super Hornet) e Lockheed Martin (F-35 Lightning II);
    2 – a francesa Dassault (Rafale);
    3 – a russa Rosoboronexport (Sukhoi SU-35);
    4 – a sueca Saab (Gripen), e,
    5 – e o consórcio europeu Eurofighter (Typhoon).

    O processo de escolha da aeronave vencedora levará em conta, principalmente, o atendimento aos requisitos operacionais estipulados pela FAB. Outros critérios a serem utilizados na avaliação dizem respeito à logística, aos custos, às condições das ofertas de compensação comercial e o grau de transferência de tecnologia para a indústria aeronáutica brasileira.

  198. Fred

    Se chegar a 50 eles substituem os F5M

  199. gaitero

    ^^
    Tomara que substituam mesmo.
    Acho que 60 seria uma bela compra.

    Luís Fernando
    Esta sua noticia e um pouco antiga ^^
    A minha e de 20 de junho de 2008
    Repare que não está mais entre 6 empresas pois o F-35 já foi descartado.

    Com relação aos helicópteros de ataque, laguma informação era para ter saido semana passada, nenhuma notícia sobre o atrazo??

  200. Fred

    Não Gaiteiro, o F35 voltou, a informação do Luiz Fernando está correta!

    Sobre os HA, nada, Silencio um profundo Silencio!

  201. gaitero

    Creio que é so para não perdermos o foco a fab colocou essa notícia para manter os ouvintes atentos e mostrar que estão afzendo alguma coisa, está notícia ai e velha, so foi recolocada.

  202. gaitero

    Essas notas da fab, mais atrapalham do que ajudam

  203. Fred

    Houve uma reclamação da Lockheed Martin e a FAB reconsiderou.

    Pode ver na nota da FAB sobre a emissão da solicitação de informações. É de julho essa nota!

    http://www.fab.mil.br/portal/capa/index.php?mostra=499

  204. Anónimo

    Atentar para o principal : ATENDER OS REQUESITOS OPERACIONAIS DA FAB NOS PRÓXIMOS 30 ANOS (20015/2045)! Logo, o hornet está eliminado.
    gripen: não atende,pois seu alcançe e pequeno.
    flanker: dá pra confiar na logística russa?
    rafale e typhonn: custos de aquisição e operação (bi-turbinado) exorbitantes.
    Ninguém transfere tecnologia de ponta. Quem tem uma estratégia mundial, enunciada pelo seu próprio presidente, para se firmar, junto com o Brasil, no nascente mercado de ETANOL? Só motivos ideológicos afastará a preferência do Brigadeiro SAITO. A opção é o F-35.

  205. Fred

    Não sei não, tanto a Russia quer construir aqui, logo o problema de logistica está tecnicamente resolvido, como a França está desesperada para empurrar o Rafale! O F35 é mais caro que os dois mesmo no padrão A.

    Eu sei que a Russia assusta muita gente depois do fiasco com o pós venda peruano. Mas com fábricação no Brasil de boa parte da aeronave esse problema de logistica fica minorado.

  206. Luís Fernando

    De fato, Gaitero, conforme o Fred explicitou, a notícia foi veiculada tanto no Defesanet quanto oficialmente no próprio sítio da FAB.
    O que tem feito muita gente séria pensar, principalmente quanto às frases de efeito do Jobim, é o quanto as mesmas significavam às vezes um despiste de interesse, ou interesse velado, ou o encaminhamento para um mais sério estudo do que se pode propor ao Brasil, por parte das empresas exportadoras no mercado mundial de armamentos e o quanto de tecnologia os governos podem permitir de repasse X o quanto o Brasil diz ser realmente necessário para qualquer negociação a sério.

  207. gaitero

    Reafirmo, esta notícia mesmo sendo publicada em julho já foi publicada em março de 2008, em novembro de 2007, é esta a mesma notícia, sempre a mesma noticia, até quando receberemos as mesmas notícias vindas da FAB, será que des do ano passado nada mudou? Será que nada foi feito, nada foi estudado, só sabem apresentar essa nota pifea que nada explica, me revolta tal documento ser novamente exposto pela FAB.

    Anonimo, essa sua posição me preocupa, os primeiros caças que eu eliminaria, e creio que eu não sou o unico, são de fabricação norte americana.

    Voce disse que
    rafale e typhonn: custos de aquisição e operação (bi-turbinado) exorbitantes.

    # E quanto custa um F-35, com 0% de transferência, quanto custa a manutenção deste equipamento, e pior será que poderemos realiza-la no Brasil, quantos misseis serão cedidos ao Brasil, será que estas duvidas não são suficientes para descarta-lo?

    flanker: dá pra confiar na logística russa?

    # E porque não, este tal fiasco pos venda peruano, nunca foi confirmado, pois até hoje a sukhoi diz que essa crise pós venda só se deu graças a crise econômica peruana, e pela falta de logística criada pela mesma. Para quem produz um caça completo, qual a dificuldade de se fazer uma logística apropriada?

    Quem tem uma estratégia mundial, enunciada pelo seu próprio presidente, para se firmar, junto com o Brasil, no nascente mercado de ETANOL?

    # Quem?, a proposta Norte americana de se extrair alcool do milho? Até eu que sou a favor de se ultilizar Etanol como combustivel sou contra a postura norte americana de se ultilizar o milho como fonte.

    Espero não ser irritante em retrucar suas posições, cada membro deste debate detem de pontos de vista distintos e temos que respeitar todos.

  208. Fred

    Infelizmente Gaiteiro, o que está valendo é a última, o F35 está participando, praticamente sem chance, mas está. Não se preocupe, para vender para o Brasil as empresas americanas vendem primeiro para o Governo dos EUA que por sua vez revendem para o Brasil. (com tranferência de tecnologia? não vejo como) 🙂

    Foi confirmado sim, os russos deixaram os peruanos falando sozinho, cobraram um valor exorbitante para voltar a fornecer.

    Sim, também prefiro o Flanker, mas para que arriscar, vamos providenciar a logistica aqui mesmo, não é!

  209. Anónimo

    Para gaitiero:
    longe disso, fico muito honrado que vc , com seu conhecimento, além de comentar o “POST” , até se disponha a retrucar minha amadora opinião.
    Obrigado.

  210. gaitero

    Acho que aqui niguem tem opiniões amadoras, se for para se pensar em termos, o F-35 sería a opção mais gloriosa, más a questão esta além disto.

    Até mesmo se esta fosse a melhor opção, com melhores benefícios, como ficaria a cara do Brasil frente a esse movimento que surgue na fervorosa america latina, Uma compra de equipamentos tão poderosos, frete a caças como F-16, Mirrage, até mesmo o SU-30 da venezuela, seria meio complicado realizar o conselho de segurança, sugerido pelo nosso molusco, sem a presença norte americana, esta escolha envolve muita política, até mesmo os 12 helicópteros de ataque, a russia já disse, se não comprarem os MI não compraremos mais carne brasileira, e fato.

    Pois é fred, remamos para traz novamente, seria um sonho ver o sukhoi no Brasil.

  211. gaitero

    Só faltou as cores da FAB
    http://videolog.uol.com.br/video.php?id=181270

  212. gaitero

    Esté site é muito intereçante, notícias diárias sobre aviação no mundo, fica ai minha sugestão desastresaereosnews.blogspot.com/

  213. gaitero

    com o http ele não tava enviando mas e este ai o site ¨¨

  214. Mas:
    “Segundo foi noticiado pela imprensa brasileira, o ministro da defesa brasileiro Nelson Jobim, descartou a possibilidade de o Brasil vir a adquirir aeronaves de origem norte-americana, para substituir as aeronaves presentemente ao serviço na Força Aérea Brasileira.

    Segundo as mesmas fontes, os Estados Unidos terão proposto ao Brasil a discussão da eventual venda de caças do tipo F-35 para a Força Aérea Brasileira.
    Jogou contra qualquer entendimento com os norte-americanos, a tradicional restrição à exportação de tecnologias que os Estados Unidos consideram estratégicas, bem como a impossibilidade de as industrias brasileiras terem acesso aos sistemas electrónicos e software da aeronave.

    O preço apontado pelo ministro, em torno da 60 milhões de dólares, é o preço que presentemente é apontado como custo unitário da aeronave por parte dos fuzileiros navais dos Estados Unidos, mas a preços de 2002, o que quer dizer que o valor mais baixo previsto para a aeronave estará em volta dos 72 milhões de dólares. MAS vários estudos recentes, apontam para um descarrilamento dos custos do F-35 por várias razões, entre as quais a dependência da moeda europeia, onde são fabricados parte dos componentes e onde a uma parte considerável da aeronave é desenhada.

    O Brasil tem planos para incrementar as capacidades de defesa do país, recorrendo a parcerias que impliquem a transferência de tecnologia para empresas brasileiras, que assim beneficiariam da transferência tecnológica para poder desenvolver a partir daí os seus próprios sistemas ou plataformas, conforme o Brasil fez nos anos 70, com a adaptação de vários sistemas do tempo da II guerra mundial.

    Problemas

    Os objectivos brasileiros no que respeita à política de defesa, apresentados por Nelson Jobim, têm no entanto esbarrado em vários obstáculos, entre os quais está o facto de o Brasil estar interessado em tecnologias e sistemas, que ninguém quer transferir completamente.

    Mesmo o país mais liberal nesse campo, a Rússia, que durante muito tempo efectuou transferências de tecnologia sem problemas e restrições, encontra-se neste momento com o problema de ter que enfrentar a industria chinesa que se encontra em claro processo de modernização, utilizando a transferência de tecnologia russa como trampolim, apresentando produtos no mercado internacional em situação de concorrência. Também segundo fontes russas, aquele país europeu recusou recentemente colaborar no eventual desenvolvimento do projecto brasileiro de submarino nuclear, tendo encontrado as mesmas reticências por parte da França.

    O Brasil já parece ter dominado a construção do sistema propulsor, mas está muito longe de conseguir de facto desenhar um submarino de raiz sem o auxílio de países que já dominem todo o processo de construção.

    O ministro brasileiro esteve a bordo de um submarino nuclear dos Estados Unidos, que foi considerado demasiado grande para os objectivos brasileiros, embora a aquisição de tais sistemas aos Estados Unidos nunca tenha sido cogitada.

    Já na área da construção de aeronaves, os objectivos brasileiros parecem passar por tentar adquirir aeronaves que possam permitir ao Brasil o desenvolvimento autónomo dos seus sistemas.

    Ocorre que presentemente, os segredos mais bem guardados dos novos equipamentos são não só os sistemas de hardware, como acima de tudo o software. No caso dos Estados Unidos, a principal recusa do país, está na venda de sistemas com acesso «aberto» ao software e aos vários módulos que estabelecem a ligação entre os processadores centrais e os restantes sistemas da aeronave, especialmente os radares e os sistemas que permitem comunicações e transferência de dados entre a aeronave e os centros de comando, os mísseis depois de lançados e as outras aeronaves do mesmo tipo que estiverem a cumprir uma missão.

    Ministro brasileiro da defesa: Opções complicadas

    Outras possibilidades ?

    Curiosamente, a rejeição por parte do ministro brasileiro da aquisição das aeronaves mais sofisticadas dos Estados Unidos, não parece pelo menos em principio ter descartado a possibilidade de pensar em outras opções, inclusive dentro dos próprios Estados Unidos, onde um país como a Índia está a analisar a possibilidade de adquirir aeronaves F-16 de modelos avançados, embora as restrições norte-americanas também sejam um problema.

    Neste aspecto, o posicionamento estratégico do Brasil, como país daquilo que se convencionou chamar como mundo ocidental, torna completamente desaconselhável opções por sistemas de origem russa ou chinesa, que não são do agrado da Força Aérea Brasileira, deixando como opções ou os Estados Unidos ou os fabricantes europeus, onde a França aparece à cabeça.

    Mas o acesso às últimas tecnologias, sejam elas europeias ou norte-americanas é pelo menos para já difícil, pois esse acesso implica o pagamento de uma quota-parte do caríssimo desenvolvimento dos sistemas, preço que o governo brasileiro não parece estar disposto a pagar.

    Considerando os últimos dados conhecidos, o governo do Brasil tem um dilema cuja resolução se apresenta difícil.

    Ou aceita algum tipo de controlo ou exclusão de uso de tecnologias por parte dos fabricantes, ou então terá que se restringir à operação ou fabrico de aeronaves de segunda linha, quando alguns dos seus vizinhos se armam com equipamentos mais sofisticados.

    A afirmação por parte do ministro brasileiro de que o F-35 era demasiado sofisticado para as necessidades do Brasil, pode ser vista como uma declaração que confirma esta última possibilidade.

    Fonte: areamilitar”

    Isto em Março do corrente ano…
    O que mudou?
    O ministro?
    Francamente, espero que não embarquem por aí…
    pessoalmente continuo oscilando entre o Su-35 e o Rafale…

  215. Fred

    Clavis nada mudou, tudo continua confuso! 🙂

    A FAB anunciou que vai comprar aeronaves, e quer que pelo menos boa parte seja feita no Brasil, e vai investir no desenvolvimento de um caça de V geração para substituir esses que irá comprar, ou seja.
    Até 2015 fica os F5M e o A1M + 12 M2000C, que irão sendo substituidos pelos novos vetores adquiridos;
    A partir de 2015-20 fica o tal vetor de IV geração a ser adquirido;
    lá para 2030-40 começa o novo caça (PAK FA?) construido no Brasil.
    (2040? já vai ser de VI) 😉

    Por isso acho realmente difícil que venha equipamento americano.

  216. sim, não estou a ver os EUA deixarem cumprir esse requisito que é o fabricação local com os F-35…

  217. Fred

    Veja a EADS via Eurocopter vai investir 400 milhões de dólares na fábrica da Helibrás.

    Os franceses ensaiam essa vinda desde 2004. Muito fácil ser o Rafale.

    Por outro lado os russos estão babando para entrar no Brasil, principalmente no Rio Grande do Sul com uma possível montadora de blindados e tem essa notícia:
    http://www.defesanet.com.br/al1/eco_29jun08.htm

    Chávez compraría más aviones rusos pero Rusia prefiere montar en Brasil el taller para mantenimiento

    Vladimir Putin se quejaba el pasado jueves porque la “cooperación” entre Venezuela y Rusia habría recaído y se mostraba confiado que la próxima visita de Hugo Chávez a Moscú sirva para invertir esa tendencia. Según la propia prensa rusa, el Presidente venezolano viajará a Moscú en julio para cerrar nuevas compras de armamento. Diversas fuentes insisten en que Chávez compraría una flota de aviones caza Sukhoi-35, una versión más reciente del Su-30 del cual ya compró dos docenas.

    En tanto, Rusia ofrece a Brasil construir es su territorio un centro para mantenimiento de aviones Sukhoi, pensando en Venezuela como cliente. Lula lo está pensando…

    Ou seja tudo continua muito confuso 🙂

  218. no balanço final…
    pende mais para o lado russo…
    blindados
    construção local
    manutenção dos aparelhos venezuelano
    acordo espacial…

  219. Fred

    e tem os tais helicoptéros de ataque também! Que até hoje ninguém sabe quem ganhou! 🙂

    quem viver, verá!

  220. Os Mi-35, claro!
    e vai mais um peso para a banda da Rússia…

  221. Fred

    sim, eles estão realmente interessados!

    Sobre o Sub. acho que vão anunciar algo de bom (no 7 de setembro) uma parceria com a França para o casco.

    outra vez, esperar para ver!

  222. e lá voltam mais uns pontos para a tese rafale…
    quando se pensa que um lado tem mais vantagem…

  223. Fred

    Sem falar do projeto das escoltas (seriam FREMM?)

  224. Anónimo

    tudo se subordina à jogada principal, a de maior valor, escala mundial, vender carne de porco (??) é irrisório, o EIXO ETANOL com os EUA ,o “SCHWERPUNKT “está nesta união (declarações conjuntas de 09 MAR e 31 MAR 07), não é à toa que o ataque daqueles que não estão interessados seja justamente aí e o (des)governo Brasileiro vem caindo neste engodo (criticar o etanol americano). Aliás, sabem o que o B do acrônimo BRIC quer dizer? BOI DE PIRANHA…

  225. gaitero

    Na realidade, esta notícia de quais serão as possiveis aquisições militares brasileiras, não pode ser considerada uma coisa ruim, seria ruim se estivessemos discutindo qual equipamento seria retirado de serviço.

    Oque vier e lucro, agora precisamos descobrir qual será nosso melhor lucro, eu ainda voto para subs e fragatas francesas, e avioes e helis russos.

  226. Ricardo Teixeira

    Lembro que não é so o Brasil o interessado em tecnologia para contrução de sub, pois o reator brasileiro é diferente de todos, mais avançado e todos estão interessados, pode ser feita uma parceria Brasil-França para produção de subs entre ambos, casco e estrutura francesa, reator brasileiro.

  227. gaitero:
    de acordo pleno… excepto (talvez) quando ao aviões, onde hesito entre o rafale e o Su-35. Por razões bem diversas, claro.

    ricardo:
    interessante e lógico. porque nunca ouvi isso antes?

  228. Fred

    Sem falar na tal sistema propulsor magnético para o sub!

  229. nada tão radical como este rumor que corria sobre os Typhoon…
    http://web.ukonline.co.uk/aj.cashmore/russia/russia-ssbn.html

  230. gaitero

    MB vai comprar o Sir Bedivere
    Ele é igual ao garcia, recem comprado, más e mais velho, so que informações dizem que ele foi submetido a uma modificação intensiva em meados dos anos 90.

    o Sir Bedivere, adquirido pelo Brasil, viu a sua superestrutura completamente revista, passando a ser de aço e não mais de alumínio.

    As aquisições levadas a cabo pela Marinha do Brasil reforçam a capacidade anfíbia da força, que passa a contar com cinco navios principais:

    – Mattoso Maia – navio de desembarque da Classe Newport, norte-americana;
    – Ceará e Rio de Janeiro – navios de desembarque com doca da Tipo Thomaston;
    – Garcia D`Ávila e Sir Bedivere – navios de desembarque da Tipo Sir Lancelot.

    A Marinha brasileira poderá estar interessada na aquisição de outros meios anfíbios, dentre os quais se destacam alguns dos remanescentes LPD da Classe Austin.

    O aumento da capacidade anfíbia da Marinha brasileira poderá implicar alguma intenção de dar à Força maior capacidade de projeção, nomeadamente com o apoio e transporte de forças para missões de paz.

  231. essa é exatamente a questão:
    que tipo de doutrina estratégica está por detrás destes importantes investimentos?
    Espero que finalmente o Brasil “saia da casca” e comece a aparecer – ao lado de outras nações ocidentais – nos mais importantes cenários de conflito e nas missões de paz que por este mundo fora se vão cumprindo.
    a ausência do Brasil destas missões de Paz (com a honrosa excepção do Haiti, que prova a capacidade das suas FA) tem sido notada por muitos, especialmente em contraste com outros países…
    uma ausência que talvez, talvez, esteja prestes a ser mudada…

  232. Fred

    Os Austin eu acho dificil!

    Curiosiadade ! Alguem sabe o futuro nome do Sir bedivere?

  233. é um Quid?
    😉

    a sério… na Net só encontro referências a que “a MB ainda não divulgou o nome do novo navio”.
    (colocar itálico forte em “novo”…)

  234. Fred

    Vou de Duque de Caxias! vale um ponto 🙂

  235. gaitero

    Esta como “sem nome”
    Tomara que não seja algo como tupiapora, ou cariporâ, tomara que seja o nome de um ex-comandante.

  236. Fred

    NDD Saci Pererê 🙂

  237. cariporá soa bem…
    e que tal
    “NDD Lula da Silva” 😉

    nós por cá reutilizamos nomes em navios de guerra, pelo que a tese não é tão absurda como parece… aí não fazem o mesmo?

  238. Fred

    Sim, seria o substituto do G26, o G 32 NDCC Duque de Caxias! Bem vamos ver!

    Ou então NDCC – G 32 Caipora 🙂

  239. Caipora soa melhor…
    ou G32 Caipirinha.
    Tb fica fixe.

  240. gaitero

    fixe, haha aqui não falamos esse troço, quando estava ai, não aguentava mais escutar meus amigos falando isso, era um tal de fixe, nossa isso é fixe, fica fixe, ^^

    Estou votando para que seja o duque de caxias, nome bonito, de peso.

    Temos G28 G29 G30 G31 agora o G32

    Será que virá um G33?????
    Poderia vir um 2 matoso, ai seriam 2 de cada classe, ficaria “fixe”.

  241. Fred

    Escolhe outro Gaiteiro, o Duque de Caxias eu já escolhi! 🙂

  242. gaitero

    Pois então vc ganho meu ponto, otima escolha.

  243. gaitero

    MB compra o Sir Bedivere, que será renomado como Duque de Caxias

    http://www.fuerzasmilitares.org/foro/viewtopic.php?p=12947&sid=7c37a1ad3b26437f3b97b6c81ae49a8a

    só não sei se essa fonte e segura.
    esse forum tambem diz :

    Sobre las Fragatas serán construidas 6 unidades de 6000t a partir de 2011.

    NÃO ME COMPROMETO COM ESSAS INFORMAÇÕES.

  244. gaitero:
    a sério?
    então o palpite do Fred estava mesmo certo?
    Inside job?…

    e eu que achava mais fixe ( 😉 ) o “Caipirinha”… 😦

  245. que fragatas? FREMM?

  246. Fred

    NDCC G32 Caipora era mais legal! mas O Bom Duque já está bom! hehehe! Afinal foi o único Duque do Brasil que não era da familia Real. Além de patrono do exército! 🙂 Não foi trabalho interno não! foi chute mesmo, 🙂 , o ultimo a ser aposentado foi ele, logo…..

  247. não há por aí uma lotaria para “nomes de navios”?
    azar…

  248. Fred

    É não há! infelizmente!

    Essa informação do Gaiteiro muito me interessou, se virar realidade vai ser uma ótimo acontecemento!

  249. gaitero

    O problema que esta notícia está em um site venezuelano.
    Por isso não botei muita fé nas notícias, seria ”fixe” se isto for verdade.

  250. gaitero

    “fixe” mesmo é esta notícia, esta sim de fonte segura.

    O Exército poderá ser beneficiado com royalties de 0,25% sobre o valor da energia produzida por usinas hidrelétricas. A medida consta do Projeto de Lei (PLS) 62/08, de autoria do senador Fernando Collor (PTB-AL), que recebeu nesta quinta-feira (3) parecer favorável da Comissão de Relações Exteriores e Defesa Nacional (CRE). O projeto será ainda examinado pela Comissão de Assuntos Econômicos (CAE), antes de ser submetido ao Plenário.

    A proposta, que teve como relator o senador Romeu Tuma (PTB-SP), eleva de 6,75% para 7% sobre o valor da energia elétrica produzida o montante a ser pago como royalties. A lei atual destina 6,75% aos estados, ao Distrito Federal e aos municípios em cujo território se localizem as instalações das usinas ou que tenham suas áreas invadidas pelas águas dos respectivos reservatórios. Os 0,25% excedentes seriam encaminhados ao Fundo do Exército, para modernização dos equipamentos militares.

  251. gaitero

    senador Fernando Collor (PTB-AL)

    Só no Brasil mesmo um presidente que teve seu mandato caçado pelo povo, agora é SENADOR.

  252. collor?
    o próprio?
    ainda tem a lata para se manter na vida politica ativa?
    espantoso…

  253. Fred

    e para ser eleito novamente!

  254. gaitero

    eleito pelo proprio povo que o condenou. esta e a pior parte

  255. Pjms

    Bom dia.

    Uma pergunta para vocês. Tenho visto no site do youtube, varios acidentes com a família Sukoi. Este acidentes em feiras de aviação, não atrasou a possivel compra de diversas forças aéreas de outros países?

  256. gaitero

    Bom

    http://desastresaereosnews.blogspot.com/

    Entre neste site, semana passada cairam 8 avioes, inclusive 1 f-5, 1 boeing 747, 1 McDonnell Douglas DC-9-15F, 1 Antonov AN-2. Quer dizer, caem muitos avioes todos os anos, mas e claro, as notícias focam no que é mais importante, por exemplo :

    http://airway.uol.com.br/site/noticia/not1580_69.asp

    25/02/2008 10:51 – Defesa
    Bombardeiro B-2 caí após decolagem na Ilha de Guam

    voce sabia disto???
    Se voce não esta ligado diariamente em notícias, voce não fazia idéia de que isto ocorreu.

    É fato, cai um teco teco na russia todos ficam sabendo cai um b-2 nos EUA e ele nem é noticiado.

  257. gaitero

    Eu fico com a 2 resposta.
    ^^ ela e mais “fixe”

    Cara adorei isso, ta tudo “fixe” hje.
    fica “fixe” que estas quedas de nada alteram o atrazo nas compras, até por que estes aviões tem uma fama muito grande sobre seus ombros.

  258. Pjms

    Obrigado Gaitero.Eu sou leitor diário deste blog, e também estou torcendo que a nossa FAB tenha uma caça de 1º linha ou 5º geração. Estou tb torcendo que tenhamos uma força aérea forte, com os Rafale ou os SU 35, ao meu ver este seria o melhor, se tb conseguimos fabricação no Brasil.

  259. gaitero:
    se colocares mais do que url num comentário, o wordpress “desconfia” de spam e coloca o dito para minha aprovação manual. O comentário acaba sempre por sair pq eu aprovo-o, mas se meteres apenas um url é publicado imediatamente.

    e quanto aos filmes de quedas de sukhois eles provam a espantosa capacidade de resistência e sobrevivência do piloto já que o assente de ejeção é acionado automático naquilo que julgo ser uma inovação russa.

    pjms:
    bem… os franceses estão desesperados em exportar pelo menos um rafale que provavelmente também aceitariam um tipo qualquer de fabricação ou montagem local…

  260. gaitero

    Obrigado, eu estava mesmo pensando nesta hipótese.
    Estou cada vez mais torcendo para que seja o Rafale, mas com uma condição, será que estes podem ser vendidos com misseis meteoro??????

    Caso sim, mudarei meu voto.

  261. gaitero

    Esclarecimento sobre a compra do navio

    Aquisição do navio Royal Fleet Auxiliary (RFA) “Sir Bedivere“, treinamento de operações e manutenção, fornecimento de suprimentos e sobressalentes e serviços relacionados ao gerenciamento da reativação do navio, preparação e entrega à MB; Valor: R$ 31.536.800,00;

    http://www.naval.com.br/blog/?p=360

    Esta notícia esclarece bem oque a marinha petende no futuro.

  262. Fred

    por falar em marinha, alguém tem alguma informação sobre a operação combinada “Atlântico”? Não estou conseguindo encontrar nada.

  263. http://publique.rdc.puc-rio.br/clipping/cgi/cgilua.exe/sys/start.htm?infoid=18118&sid=86
    e
    https://www.cgcfn.mar.mil.br/menu_h/noticias/operacao_atlantico/planejamento_op_atlantico.htm

    “Entre os dias 15 e 26 de setembro, Marinha, Exército e Força Aérea participarão da Operação Combinada Atlântico”
    é esta?

  264. Fred

    Sim é esta, mas não encontro nenhuma informacão, os meios participamentes, a quantidade de homens, atuação de cada força, etc.

  265. Fred

    Outra dúvida, alguem sabe oque o Mangabeira foi fazer na Suécia?

  266. uhn…
    não me digas que é o FX-2 e que o “Gripen Demo”
    http://www.defense-update.com/products/g/gripen.htm
    com o seu maior raio de alcance, tem hipóteses de vencer?!
    essa sim, seria uma grande reviravolta…

  267. Fred

    Vai saber!!! 🙂

    Pode ser os dois, o desenvolvimento de um novo Gripen, do FX2, ou um e ou o outro separado!

    Só sei que temos que comprar algo russo, ou nossa venda de carne para lá vai para o cosmos! 🙂

    Será que vão trocar o PAK FA por um novo gripen? Afinal o Mangabeira é ministro de assuntos estrategico, vai saber!

    http://economia.uol.com.br/ultnot/2008/07/10/ult1767u123892.jhtm

  268. a suécia no pak-fa?
    Isso sim, seria a bomba do ano!
    se trocarem o pak-fa pelo grippen demo será um erro… a suécia faz um bom avião, mas nada comparável aquilo que o pak-fa promete vir a ser…

  269. Fred

    Não, Clavis, eu entendi que seria um novo caça a ser projetado, provavelmente compartilhado, assim como o PAK FA está sendo.

    Acho praticamente impossível a Suécia entrar no Pak Fa.

  270. gaitero

    Oxi, será que o gripen demo tem alguma chance de vencer o fx-2??

    Se bem que ele venceu o fx-1 e não levo, vai saber.

  271. gaitero

    Se for para substituir os f-5, faz sentido.
    São caças leves, ambos se equivalem em termos de dimenção.
    não duvidaria nada se os gripensa demo subtituissem os f-5 e os rafales os mirrages.

    60 de um 24 do otro, fexo todo mundo feliz, EUA feliz, França feliz, todo mundo feliz.

  272. Fred

    Gaitero, você está falando do Gripen NG? O Demo é o demonstrador para teste desta nova versão.

    E nela existe a expectativa de um grande aumento de autonomia

  273. isso seria igualmente espantoso…
    abandono do pak-fa russo-indiano e desenvolvimento conjunto de caça de nova geração sueco-brasileiro
    penso que esta opção é muito provável…

    agora a de o gripen “demo” ganhar o fx-2…
    é uma história completamente plausível…

  274. Fred

    sim, se o JAS 39 Gripen E/F sair realmente em 2012, seria o último projeto de vetor na geração 4,5 (ou seria 4 e 3/4? 🙂 ) com boa autonomia, possibilidade de uso de uma grande variedade de armamentos, pods, sistemas, enlace de dados, e novo radar. é Mole ou quer mais? e com hora de voo barata e de tempo entre manutenções extendidas. Só falta ser barato. 🙂

  275. O BRASIL está precisando mt , p/ ontem de armar suas Forças armadas…o perigo mora ao norte e …

  276. Temos de encar com seriedade está parceria com os Russo/Indianos..Precisamos revitalizar nossas industria de Armas, IMBEL, e o Russos estão dispostos..precisamos de misseis, torperdos (schval ? pode ser ),foguetes, …enfim tudo. Eu só ñ acredito nos karas q estão nocomando do país. Q Deus nos ajude.

  277. Fred:
    mas seria uma boa opção pensar num projeto 4,5 para 2012?
    Quanto ao preço, o gripen é provavelmente o caça da sua geração baratato om 24 milhões de USDs de preço unitário…
    http://forum.keypublishing.co.uk/archive/index.php?t-43572.html
    ignoro o preço da versão melhorada, mas deve continuar a ser muito competitivo…

    carlos:
    torpedos schval… como o que o rão demonstrou ontem e que desenvolve desde 2006:
    http://www.strategypage.com/htmw/htsub/articles/20060404.aspx

  278. gaitero

    Calma, não estamos entrando em guerra, temos de dar um passo de cada vez, a prioridade é dar a FAB caças de 4 a 5 geração até 2015, à marinha mais submarinos, fragatas e navios patrulha, sem falar no desenvolvimento dos novos super cougar, no C-390 da Embraer e no submarino nuclear esta é sem duvida a primeira parte de uma modernização que não se faz no Brasil dês de 1970.

  279. gaitero

    Sempre gostei do Gripen, esse novo NG é sem dúvida o caça que supriria tranquilamente a subtituição dos F-5, sem problema de logística, de manutenção, pois os equipamentos na maioria são de origem made-in-EUA, seu tamanho é parecido com o F-5 e seu desempenho é equivalente a qualquer caça de 4 geração.
    Precisamos de um caça com capacidade de voô maior que o Gripen apenas para substituir os mirrage, ai sim poderia entrar o SU-35 ou o Rafale.

    O problema, é que não sei se a SAAB está disposta a transferir tecnologia, e a Russia ou França, não farão por tão poucas unidades.

    O embraer C-390 tem que sair, este será um grande trunfo da nossa FA, avião de transporte made-in-Brasil.
    O sub nuclear ta encaminhado, falta definir qual será as novas 3 fragatas a serem contruidas, e os novos subs, e realmente contruir, o cougar, até 2010 já estarão sendo produzidos, e em julho será aberta licitação para contrução de 6 navios patrulha de 500T, acho que com essas atitudes, estamos no caminho certo para ser uma FA com capacidade de defender nosso território e impor a qualquer país o RESPEITO que nós merecemos.

  280. como dizes, não vejo sinais de que a Saab esteja disposta a fazer transferências significativas de tecnologia…
    em termos de longo prazo, contando com o PAK-FA, o vencedor deste FX2, devia ser um avião russo de tecnologia semelhante, um Su-27/30/35. Isto facilitaria a transição (componentes comuns com o Su-30/35?), quer dos meios, quer do pessoal voador e de terra…
    e sim, esse é o problema. Desde 1970 que não se fizeram modernizações significativas, e agora o caminho a percorrer é demasiado longo e caro….
    mas tem que ser percorrido. necessariamente, que o mundo não perdoa aos fracos…

  281. Fred

    Com toda certeza! A modernização do F5 para o padrão BR, provou isso, a FAB é uma das poucas forças aéreas do mundo que utilizam ambientes BVR com enlace de dados, prova disto foi o cruzex 2006 onde os caças franceses foram abatidos pelos F5M sem detectarem nenhum deles no radar, muito menos o R99A que os guiava.

    Vamos ver agora como a fab vai se sair no Red Flag, segundo falaram, o convite se deu por conta desta atuação dos F5M no cruzex 2006.

  282. onde encontrarão Su-30 indianos:
    http://www.silobreaker.com/DocumentReader.aspx?Item=5_878599684

    numa antevisão do sucessor destes F5?…

  283. Fred

    pena que os SU 30 participarão do 8.4 e o Brasil do 8.3, não vão se enfrentar. Realmente uma pena. 🙂

  284. Fred

    Ia esquecendo, gosto da idéia destes torpedos supercavitantes, só precisam descobrir um jeito de manobrá-los, ai seriam perfeitos.

  285. sim, são essas as reservas deste site…
    http://www.strategypage.com/htmw/htsub/articles/20060404.aspx
    podem ser muito rápidos, mas convenhamos… não são a coisa mais discreta do mundo…

  286. Fred

    é tem razão, mas ainda assim é uma idéia simples que funciona, altera completamente o escoamento ao redor do torpedo e acresce uma senhora carga cinética ao impacto. e ainda por cima barato. o problema ainda é torná-lo direcionável sem perder a bolha de supercavitação.
    Outro problema é que os sensores de direcionamento não podem estar nele, já que ele não toca na água, fica difícil ele “sentir” alguma coisa, vai ter que ser por fibra mesmo.

  287. é uma ideia genial e simples, bem ao estilo da criatividade russa.
    mas depende da proximidade entre o lançador e o alvo, o que torna o sistema muito frágil…
    penso que apesar de toda a sua espectacularidade, não é o “torpedo do futuro”… os próprios russos parecem ter esfriado o seu entusiasmo neste sistema.

  288. Fred

    Mas os iranianos não pensam assim, né!

  289. Anónimo

    POTENTIAL EXPORTS
    Brazilian Air Force recently has added the F-35 Joint Strike Fighter to the list of aircratt under consideration for its new figther called FX 2…

  290. não… porque o usam como arma de propaganda…
    repara como mostram o lançamento, mas… nenhum hit
    e como essas imagens foram propagadas vezes sem conta nos media internacionais e até existem em várias versões no youtube.

  291. Sim, já está na Wikipedia e tudo…
    http://en.wikipedia.org/wiki/F-35_Lightning_II

    “Potential exports

    The F-35 is also a potential offer to the Indian Air Force as of July 2007. This has been interpreted as part of a tactic to sell the F-16 as a multi-role fighter to the IAF, as part of its competition to acquire 126 new fighters.[58] Lockheed Martin formally expressed its interest to sell F-35 to India.[59]

    Brazilian Air Force recently has added the F-35 Joint Strike Fighter to the list of aircraft under consideration for its relaunched new fighter procurement, called F-X2. The F-35 replaces the F-16, which was in contention for the previous F-X BR program, shelved in 2003 and finally abandoned in 2006.[60][61]”

    continuo a esperar que não seja o F-35 a vencer…
    desde logo porque não haveria transferência de tecnologia.
    e depois, porque não é a melhor opção, em custo e tecnologia…

  292. Fred

    É bem difícil o F 35 vencer, para ser exportados, o governo americano os compra e depois os revende ao governo do pais comprador, logo adeus transferência de tecnologia! Ele está fora tanto quanto o super hornet está.
    Quem estão realmente competindo são: Gripen NG, Rafale e sukhoi 35 BM, não necessáriamente nesta ordem 🙂

    O gripen é realmente um bom vetor, barato, de custo operacional barato e atende as exigências da FAB

    O Rafale, não é tão barato, mas a França está desesperada para vender algum, e o custo operacional é parecido com o do mirage, porém um pouco mais caro.

    O S35 BM, é barato para comprar, atende todos os requisitos da FAB, mas o custo operacional e as horas entre manutenções são menores que os outros concorrentes.

  293. gaitero

    Des de 2002 eu queria que fosse o Gripen, por mais que eu tenha mudado de opinião por este não ser um caça apropriado para um país de dimensões continentais. Não que seja muito diferente dos atuais F-5.
    Acredito no potencial deste vetor, acho que é muito mais conveniente para o Brasil, caças de pequenas dimensões ageis e com capacidade operacional semelhante a todos os outros. Veja, o gripen foi desenvolvido para voar muito, com pouca manutenção, ele pode aterrisar e decolar de qualquer via com mais de 400 por 9 metros, é revisado e esta pronto para voar em poucas horas.

    “Esta nova proposta melhora ainda mais a oferta já muito competitiva entregue no ano passado. Acreditamos que esta proposta da Gripen oferece ao Brasil o mais avançado caça, as melhores condições de transferência de tecnologia e condições superiores de cooperação industrial. Temos certeza de que a oferta da Gripen é a solução com a melhor relação custo benefício para o Brasil”, diz Erik Hjelm, diretor da Gripen International no Brasil.

  294. gaitero

    Encontrei uma entrevista muito interessante:
    Entrevista com Bengt Janér, diretor da Gripen Brasil

    http://www.tecnodefesa.com.br/materias3.html

  295. interessante, de facto…
    “- O governo brasileiro recentemente firmou acordos na área de Defesa com a França e a Rússia, o que tenderia a fortalecer os fabricantes de caças desses países em relação a eventuais aquisições ou parcerias junto à Força Aérea Brasileira (FAB). Qual é a posição da Gripen em relação a isso?

    Bengt – A Saab está pronta para atender todos os requisitos e expectativas da FAB e discutir projetos no prazo estipulado. O caça Gripen, por ter uma plataforma comprovada nas versões C e D, está num processo de atualização de novos radares, terá maior alcance e ainda poderá transportar mais armamento. Também estamos abertos para colaborar com o Brasil no desenvolvimento de um caça de nova geração na forma que o governo quiser. ”

    ou seja, estão dispostos mesmo a transferir tecnologia e a substituir o PAK-FA!
    Têm as bases tecnológicas… são mais económicos que qualquer (excepto a Rússia) concorrente… são mais fiáveis…
    e estão dispostos a tranferir tecnologia…

    sim, isto vem baralhar as águas ainda mais…

  296. FRED

    que venham os suécos 🙂

  297. gaitero

    Muito interessante essa reportagem, tanto e que eu optei em passa-la ao todo, para que nada fosse perdido

  298. Fred

    Sim, interessante e me deixa ainda mais confuso!

  299. Fred

    a Russia está “nos cascos” para melhorar a balança comercial, se não comprarmos algo e logo, eles vão voltar a embargar a compra da carne e do frango.

    A França ‘babando”para exportar o Rafale, creio que o FX é sua cartada mais importante!

    A Saab vem com um excelente produto e atendimento as exigencias da FAB.

    os outros são caros de mais para a brincadeira!

    tudo nublado!

  300. bem, seria uma reviravolta interessante ver a Saab aparecer afinal no lugar da Sukhoi… que previria esse desenlace ainda há um ano?

  301. Fred

    eu mesmo nem sonhava! 🙂

  302. Do que sei, o Brasil é mesmo a única oportunidade aberta que resta aos franceses!
    A Saab tem exportado os seus aparelhos bastante bem… ainda ontem se falava de testes bem sucedidos de lançamento de mísseis com os novos Gripen da FA húngara…

  303. gaitero

    Pelo que eu intendi, a saab depende de muita tecnologia que eles ainda não dominam, acho que o interesse da saab em uma parceria com industrias brasileiras, como a embraer, avibras, mectron se resume a isto, eles querem desenvolver seus próprios equipamentos e precisam de investimentos.
    O próprio gripen NG, tem que ter investimentos maiores que os 20 milhoes suecos.

    Com os Russos, acho que os investimentos brasileiros serão mesmo nos helicópteros de ataque, blindados sobre rodas e em sistemas de defesa anti aérea.

    Na frança além do super cougar, o scorpone é candidato fortíssimo a ser o novo submarino da mb, e as fragatas FREEM ou derivadas dela Tambem estão na mira da mb.

    Estava aqui pensando, acho que é um sonho distante, más e se o Brasil comprasse gripens NG, e em troca a SAAB ajudasse a embraer no desenvolvimento do C-390, não seria uma boa para ambas as empresas? afinal saab e a embraer passariam a produzir aviões de transporte e caças.

  304. Fred

    sim, Gaitero e é um sonho bem plausivel! 🙂

  305. gaitero

    Sinal verde para o gripen
    Muitos fóruns tão postando sobre suas características e capacidades

    http:/noticiasmilitares.blogspot.com/2008/07/o-caa-gripen.html

  306. Fred

    muito em demasia e demais da conta para meu gosto, ‘vindo do velho Mangabeira, já começo a desconfiar!

  307. moises

    SAAB OFERECE GRIPEN STEALTH PARA A COREIA DO SUL

    http://taiwanbbs.org/cgi/index.pl?b=mil,m=1215792907

  308. Anónimo

    o GRIPEN é tão anglo-americano quanto o LIGHTNING… a SUÉCIA teria tanta “facilidade” em repassar tecnologia quanto no caso do torpedo BOFORS 2000 que fora pretendido pela MB antes dos MK 48.

  309. sim, é verdade. muita da tecnologia gripen é de facto, made in usa… e isso poderia dar os mesmos problemas que deram as exportações dos super tucano para a venezuela ou dos aparelhos da casa espanhola para o mesmo país: bloqueadas por questões de licenciamento…
    um factor a pesar e a ter em conta (contra) a opção gripen ng…

  310. Aqui , no sul maravilha, se pensa mt e se faz pouco, é mt falta de previdência, esses equipamentos ja esram p/ estarem aki , plo menos a metade, uns 36 Su-35 , uns 5 subs amur, torpedos Shkval, m,isseis M/Thor e 40 lanchas rápidas de ataque, p/ patrulhamento e fragats armadas e c/misseis russos , ..td. A IV frota está presente nos nossos mares , p/ quê? Com pelo menos a metade disso ,se pensaria três a cinco vezes antes de uma “errata”..ñ confio nos ianks..

  311. gaitero

    Este é sim o maior problema, via de fato, este acontecimento venezuelano, seria diferente que o brasileiro, porque lá ele foi proibido pelos EUA, pois estes são contra a postura venezuelana, o que não ocorre no Brasil.
    Até porque, os EUA sempre apoiaram a nossa indústria, os aviões da Embraer, por exemplo, tem muita tecnologia dos EUA, o que em minha opinião seria um problema a ser solucionado com muita conversa.

    A questão é mais política que econômica este é o maior problema, quem oferecer mais leva, não importa o preço a se pagar. Por isto acho que o Su-35 e o Rafale têm mais chances, ainda que torcesse pelo gripen, pela sua economia e designer.

  312. os EUA o que temem é a exportação de know-how e a evaporação da vantagem tecnológica nestes campos que ainda têm e que lhes permite (p.ex.) terem ainda um avião imbatível, que é o F.22…

  313. Ricardo Teixeira

    Brasil e Reino Unido anunciam cooperação espacial

    O Amazônia-1, com lançamento previsto para 2010, será o primeiro satélite de recursos terrestres totalmente desenvolvido pelo Brasil e utilizará a Plataforma Multimissão-PMM de médio porte, também desenvolvida pelo Inpe e por indústrias brasileiras, no contexto do Programa Nacional de Atividades Espaciais (PNAE), coordenado pela Agência Espacial Brasileira (AEB). O Amazônia-1 carregará, igualmente, um instrumento óptico com resolução espacial de 40 m e capacidade de imageamento de uma faixa de 780 quilômetros.

    Segundo o Ministério da Ciência e Tecnologia, a câmera RALCam-3 produzirá imagens com resolução da superfície terrestre de cerca de 12 metros e com 110 quilômetros de campo de visada. A tecnologia que será utilizada é inédita em satélites brasileiros e permitirá a geração de imagens com maior definição, aptas, por exemplo, a monitorar o meio ambiente e prover a gestão de recursos naturais.

    Tais imagens poderão ser utilizadas em todo o mundo, pois o Brasil, por intermédio do Inpe, adota a política de dados livres, considerados bens públicos e disponibilizados gratuitamente pela internet.

  314. gaitero

    Boa notícia.

    Agora isto aqui é uma piada….

    Chávez se oferece para emprestar satélite “Simón Bolívar” aos EUA

    http:/desastresaereosnews.blogspot.com/2008/07/chvez-se-oferece-para-emprestar-satlite.html

  315. gaitero

    Brasília receberá no dia 22 de dezembro de 2008 a visita do presidente da França Nicolas Sarkozy. Vem assinar acordos que trarão grandes novidades para a nossa Marinha. Como em sociedade tudo se sabe, principalmente envolvendo submarinos nucleares.

  316. acordos é plural…
    o sna já não é surpresa (o casco)
    mas sendo “acordos”…
    será que…
    o Rafale?
    pelo menos para o SP?

  317. Fred

    Acho que são as FREMM :), quem dera!

    A maioria são de intercâmbio militar nas fronteiras entre o Brasil e a França, acesso de aeronaves nos respectivos países sem prévio aviso (existes regiões de território francês que necessita do sobrevoo do Brasil e vice versa), a compra de subs convencionais, (de 3 a 4) ,o acompanhamento de técnicos brasileiros durante a construção de um Barracuda, na França, etc e tal.
    Pelo menos foi isso que ouvi!

  318. gaitero

    Estes 3 submarinos, eu já ouvi em algum lugar, e é a prioridade numero 1 da marinha.

    Se vierem 3 FREEM e 3 subs seria uma ótima noticia.
    Melhor só se for anunciada a compra de 120 rafales, e os 48 AMX-M se tornarem 48 AMX-M NAVALIZADOS, e que o NAE São Paulo receba um sistema de defesa antiaérea igual o das fragatas FREEM, e as fragatas TYPE-22 sejam modernizadas para o padrão das niterói.

    Será que é pedir de mais??

    Ai sim, com 120 Rafales e 12 mirrages, com 12 fragatas modernas, 1 NAE com capacidade de defesa antiaérea e com caças modernos e com 8 submarinos, além dos 5 navios de transporte de tropa e carro de combate já existentes, o Brasil seria novamente uma potência militar.

  319. Pjms

    Boa tarde. Gaitero, eu não considero estes 120 Rafale, como sendo um caça coerente ao que se tem falado do acordo Brasil/Russia a respeito dos Pak-50! Não teriamos que mudar aos poucos para a filosofia, ou que seja para padrão de caças Russos?

    Paulo

  320. Pjms

    Estou enviando abaixo um video muito bom do Rafale.

    http://redteam.awardspace.biz/RafaleProject.wmv

    Paulo

  321. gaitero:
    “Será que é pedir de mais??”
    hum… sim… basicamente sim! é pedir demais!
    tanto como pedir que a FAP comprasse Rafale ou Typhoon para substituir os F-16C/D ou para FREMM para completar as 3 Meko…

    Pjms:
    O Rafale (que também defendo, daqui de tão longe) é uma solução para o FX2, não para um programa de longo prazo como o PAK-FA. O Rafale oferece vantagens sobre a concorrência em muitos parâmetros (preço, fiabilidade, tecnologia ocidental, navalizado, etc), mas não pode ser visto como uma solução de longo prazo, de 5ª geração. Para isso só mesmo a adesão ao PAK-FA ou a adesão ao desenvolvimento de um novo caça de 5ª com a Suécia, como se tem falado recentemente por aqui.

  322. um vídeo notável do Rafale:

  323. gaitero

    Clavis, nada que 14 bilhoes de dolares não resolvam.
    Será que o brasil que lucra 500 bilhoes de reais de imposto todo ano, não tem 14 bilhoes de dólares, será que se parcelarmos em 7 vezes de 2 bilhoes de dolares, não teriamos esta quantia? ou será que falta vontade dos politicos, pois modernização das FAs não da voto.

  324. não dá… o que é pena pq modernizar com incorporação de industria nacional, mas a aquisição do devido know-how, a muito curto prazo haveria de dar aumento de emprego, qualificação do mesmo e melhoria do nível de vida, por via das novas indústria e da expansão das já existem que daí adviriam…

  325. Anónimo

    fala sério…alguém acha que a FAB vai ter 120 SU 35 em seu inventário? caça pesado, bi turbinado, produto da RUSSIA (que não o utilizará)sem tradição alguma na FAB?? 120 do RABADA françês…talvez nem a frança tenha este número?? caça derrotado em todas as concorrências que participou?? PAK FT 50, onde? pra quando? com que dinheiro? chega dessa balela…transferência de conhecimento sensível, nessa nem o Manuel cai…

  326. gaitero

    O amigão, a França pretende ter 200 rafales só na força aérea, sem contar os caças da marinha.
    O rafale F1, F2 não se comparam ao F3 com novo radar AESA e novos aviônicos modernos.
    Em varias comparações os Sus chegaram a 1 perda para cada 1 rafale, ou seja, não existe tanta vantagem do Su sobre o Rafale, muito pelo contrário, por ser mais facil de manter e pelo seu menor tamanho ele, quando está em terra, oferece uma vantagem esmagadora sobre os Sus, seja em espaço, tempo de manutenção ou até mesmo na quantidade de caças nas bases aéreas.

    Eu não acredito muito neste Pak-Fa, mas com relação ao dinheiro?
    O Brasil é dono da 8 maior economia do mundo, é o 5 em numero de habitantes e o 6 em tamanho. Você acha que não temos dinheiro para investir?
    Esta muito enganado, o problema é a falta de vontade dos nossos políticos.

  327. gaitero

    So a marinha tem a receber 3 bilhoes em royalty do petróleo.
    Este ano mesmo com o fim da cpmf que vai voltar. O Brasil Nos primeiros cinco meses do ano teve superávit nominal de 3,916 bilhões de reais, o equivalente a 0,34 por cento do Produto Interno Bruto.
    Dinheiro que sobrou nos cofres do governo.
    Se fizemos uma matemática, levando em consideração que a cpmf dava 20 bilhoes ao Brasil, nós pagamos esta diferença e ainda sobrou 3.9. Ou seja se a cpmf tivesse continuado, o Brasil teria um superavit de 23 bilhoes de reais.

  328. Anónimo

    pretendia “queridão”…
    o fracasso do Rabada (de vento…) é tão grande que baixou para120 o número pretendido, além de estourar os custos previsto …se contar o desenvolvimento (os franceses seriam tão bonzinhos a ponto de não incluí-lo na venda “com tecnologia” ?) o preço é algo em torno de 90 milhões de EUROS por avião.

  329. gaitero

    90 milhoes de euros? o preco do F-18 é US$56 milhões preço este do modelo mais avançado, utilizado pela marinha americana.
    O Rafale entra na briga com grandes chances por uma razão simples: a queda no preço. Na licitação original, a Dassault preferiu oferecer o testado mas menos moderno Mirage 2000-5 porque o preço previsto do Rafale era muito alto – em torno de US$ 100 milhões a unidade. Mas o quadro mudou. A Dassault fechou um contrato de venda de 100 Rafale para a Força Aérea Francesa, o que barateia o custo de produção de novas unidades. Mas não é só o preço que coloca o Rafale na frente.

    Já vi até se diser que chegará a 50 milhoes de DÓLARES mas atualmente esta proximo dos 80

  330. gaitero

    MILHOES DE DÓLARES

  331. Srs., o projeto PAK FA T-50 tem aviões de pouso e decolagem vertical? (V/STOL ) . No progeto Iank tem, o F-35 , e p/ a amazonia seria ideal , como o herrier , inglês,sem ´pista camuflados..e prontos p/ a n defesa..Mt vantajoso. Pistas curtas.Só espero q n/ politicos ñ nos tirem dessa chance única..e cumpram os acordos com os Alemães . Eu ñ confio nos ianks e tenho medo dos Francese fazerem o mesmo c/ a gente , como fizeram c/ os argentinos.. Os ianks ñ cupriram o TIAR em 1982 , na guerra das Malvinas.Ñ dá pra confiar neles..

  332. gaitero

    O Pak-Fa é um acordo entre Russia-Brasil-India

    Bom, vamos passo a passo.
    Não, não existe no progeto original nada a respeito de decolagem vertical, não que esta não possa ser desenvolvida em uma outra versão digamos de porte médio.
    O F-35 é um caça desenvolvido por varios países, não apenas os ingleses, até porque a maioria dos equipamentos são Norte Americanos. E vem deste o maior impecilio à transferência de tecnologia.

    acordos com os Alemães .
    De qual você está se referindo, do submarino ilk-214?

    Com relação a não cumprimento de tratados, ninguem cumpre tudo oque diz, até por que um tratado dura muito mais que as eleições, então deve ser renovado a cada mudança de poder, é nesta mudança que ocorrem as alterações, e as vezes o não cuprimento.

  333. Fred

    Bem, para aumentar a fervura!

    O Gripen NG é mais barato que os dois, só deve chegar perto do custo do Sukhoi, e o custo de manutenção do Sueco é bem melhor! de longe!

    Eu prefiro o suéco!

  334. Ronaldo

    Senhores,
    Escrevo do sul do Brasil e venho acompanhando, no entanto, com o intuito de colaborar para a discussão, já que acompanho assuntos militares há muito tempo.
    Não há, de modo oficial, um preço de venda do caça Rafale ofertado para clientes. Seu preço estimado, segundo tem vazado da concorrência na Grécia, para a versão F3, é de EUR 70 milhões(Us$ 108 milhões) flay away. Já o Eurofighter versão T3 à EUR 85 milhões (Us$ 131 milhões) e o Gripen versão NG à EUR 51 milhões (Us$ 80 milhões). O çaça multifunção americano F35 (versão ??) custa em dólares de 2002 mais de Us$ 70 milhões flay away ( hoje estima-se 50% mais caro).
    Para o Brasil, o F-35 está fora de caso. Os USA jamais transfeririam seus códigos fonte, integração livre de armas, etc e o mais importante : não liberariam as armas necessárias. O Chile tem seus F-16D mas ainda não o míssil BVR AMRAAM AIM-120-C5, armazenados ainda nos depósitos dos EUA e vejam que já não é mais o top de linha, tendo já uma versão mais moderna à serviço da Us Air Force.
    Um abraço à todos e obrigado.

  335. Fred

    Viu, o Gripen ainda é mais barato! 🙂

  336. Bom dia para todos.

    Para quem quiser notícias da Fab na Red Flag, segue abaixo site da Fab/Red Flag.

    http://www.redflag.aer.mil.br/

    Paulo

  337. Pjms

    Segue abaixo, video da Fab na Red Flag sobre a familiarização na pista de Nellis:

    http://www.redflag.aer.mil.br/videos/Comecam_voos_familiarizacao.wmv

  338. gaitero

    Ronaldo muito obrigado pelas informações havia pedido isto a muito tempo e poucos detem destas informações, muito obrigado, esta será de grande ajuda para o interesse nosso e brasileiro de conseguir algo que seja , bom, barato e que transfira tecnologia.

    O gripen NG não apenas por questão pessoal más pela sua semelhança com os nossos velhinhos F-5 tem muita vantagem sim, muito mais que os caças 100% americanos.
    Mas convenhamos o Su-35 além de ser o mais barato é tambem o melhor, ou um dos melhores. Pena apenas sua manutenção.

  339. gaitero

    Bom se os gripens se derem bem na red flag, os brasileiros estarão bem perto dos bixanos, e dai + a viagem do ministro da defesa a suecia, não sei não em…..

  340. gaitero

    A Colômbia participará como parceira de um projeto militar do Brasil de construção de um avião de “transporte pesado”, segundo acordo de cooperação em defesa assinado neste sábado em Bogotá pelos presidentes Alvaro Uribe e Luiz Inacio Lula da Silva.
    http:/desastresaereosnews.blogspot.com/2008/07/colombia-faz-parceria-com-o-brasil-para.html

  341. Fred

    Pesado? deve ser confusão da mídia, deve ser o C390

  342. Anónimo

    os bilhões a gastar com caças, seriam mais producentes para a defesa do Brasil se o F-35 fosse escolhido. Apenas 24 destes aviões poderiam aposentar todos os F-5 e AMX da FAB, talvez até os Mirage 2000, cumprindo melhor as suas missões. Com certeza seriam superiores aos SU-30 do CHAVEZ … também às BATERIAS TOR (!!)

  343. Ronaldo

    Sr. Gaitero,
    Obrigado. Estou as ordens para o que necessitar !!
    Sds.

  344. marcelo

    para a alegria da galera vai a noticia.

    http://www.claudiohumberto.com.br/principal/index.php

    22/07/2008 | 00:00
    Sukhoi no Brasil

    Dois caças russos Sukhoi já estão em Campinas (SP), para um possível test-drive das autoridades brasileiras. São o sonho de consumo dos pilotos de caça (o avião freia no ar!), mas têm problema de manutenção, por isso o Brasil tenta forçar um acordo do fabricante com a Embraer.

  345. Fred

    Será que a Rosoboron export vai permitir isso?

    A Embraer fabricando peças e dando manutenção de equipamentos russos?

    E mais fácil a Russia abrir uma montadora e/ou parque manutenção aqui, sinceramente é muito mais fácil e lucrativo para eles!

    Já tem a frota dos Hermanos venezuelanos para completar a carteira!

  346. Fred

    olha o que achei para complementar o exposto acima!

    http://www.jornalnoroeste.com.br/index.php?pgID=4852

  347. Fred

    o Gaz tiger está chegando!

  348. gaitero

    Pelo menos esta noticia ja era ´previsivel, so falta dizer que serão 18 Su-30 ai esta confirmado as informações que estão la para cima,
    Esta aqui

    gaitero, em Maio 27th, 2008 às Disse:

    Tenho contato com amigos na Venezuela, e fontes seguras disseram, que se comenta por lá, que o Brasil vai comprar 18 Su-30Mkk

    bom não é de duvidar.

    Se o paK-Fa sari, a unica empresa que poderá entrar no progeto é a embraer, então pode ser que a Rosoboron de um sinal verde para esta proposta brasileira. E tambem a propria embraer ja ajuda em alguns aviões vip a propria
    Rosoboron, pode ser uma proposta interessante.

  349. gaitero

    Com relação ao gaz tiger, já notaram a semelhança de sua frente com o gaucha, produzido entre brasil e argentina?

  350. gaitero

    Anonimo oque o Brasil fara com 24 f-35 se os EUA resolverem nos atacar?

    Esta é a chave do negócio, estamos nos modernizando para evitar os EUA, se tivermos equipamentos com misseis nos depósitos dos EUA como o chile, de que adianta os caças.
    Outro problema, eles tem pouca autonomia, como estes 24 seriam distribuidos no nosso brasilsão 1 em cada estado?
    Se for para comprar este 24, melhor comprar mais 24 F-5 e fka com nossos bons e velhos caças.

    Ou é Su ou é gripen, até já exclui o Rafale, pois 100 milhoes de dólares, é muito pelo bixaninho.

    E com relação aos AMX depois de modernizados eles vão voar mais uns 15 a 20 anos. E tambem não tem poruqe substituilos já que serão os melhores caças de ataque leve tatico do mundo.

    Com 80 novos caças nosso problema estaria resolvido, sendo eles Su-30, Su-35 ou Gripen NG ainda que se for para ser Su que venha o 35.

  351. Pjms

    Estou com vc gaitero. Não podemos ficar a mercê dos EUA ou quem quer que seja.Temos que ter autonomia nas nossas decisões, sem que tenhamos que pedir autorizações papa fazer isto ou aquilo!!!!

  352. Anónimo

    A Russia já está “freiando” também as vendas ao CHAVEZ, inclusive colocando empecilhos até nas armas já vendidas ao proto-ditador…alguém vai arriscar?? 24 a 36 F-35 seriam a compra inicial,conforme o próprio cmdo da FAB anunciou. EUA atacar o Brasil?? tão provável quanto atacar os açores (?).

  353. gaitero

    Esta frenagem contra chaves tem apenas uma resposta Brasil.
    Acha você que a Russia esta interessada em vender mais 12 unidades do Su-30 à venezuela, se esta prejudicar uma possivel venda de 120 Su-35 ao Brasil?

    Acha você que eles vão manter relações com a venezuela se este for um impecilio a uma parceria muito mais ampla e crescente com nosso país?

    Muita politica esta envolvida, e até que não saia qual o vencedor do Fx2, muitas aguas vão rolar para ca e para lá.

    Sou a favor do gripen, principalmente por este motivo, a daniel, principal fornecedora de misseis para o caça, vide a-darter e r-darter além de uma participação no meteoro, tem como principal país amigo o Brasil, de lá tenho certeza nunca faltarão misseis para nossa nação.
    Além do caça ser moderno, agil, rapido, barato e de facil manutenção.

  354. gaitero

    Anonimo

    A Russia já está “freiando” também as vendas ao CHAVEZ, inclusive colocando empecilhos até nas armas já vendidas ao proto-ditador

    – Coisa que os EUA fazem com todos antes mesmo de fornecer, vide chile, que ultiliza phyton 5, e derby em seus F-16.
    E pior, se pintar um problema em um F-35, este será embarcado aos EUA para manutenção, pois devido a complexidade do caça, dificilmente teremos no brasil capacidade de reformar qualquer tipo de aparelho do Dito.

  355. pjms

    Realmente, a escolha do caça FX 2 será feita, baseando-se em poder fabricar (de preferênçia na Embraer/Avibrás) no Brasil um caça com manutenção simples, e preço de custo baixo.Hoje conforme estamos presenciano nas notícias, os caças mais próximos do Brasil, seriam o Gripem e o Flanker, sendo o primeiro, um caça mais adequado para as nossas bases devido ao seu tamanho, mas o que temos contra ele seria o seu alto preço e sua autonomia. Acredito que será o Flanker o vencedor, mesmo com uma manutenção mais complicada, mais beneficiando-se por sua grande autonomia sem reabastecimento.

  356. gaitero

    Um gripen ng sai por 80 milhoes de dolares, um Su-35 esta proximo a isto, não deve custar menos de 60 milhoes, esta diferença rapidamente desaparece pelo auto custo de manutenção.

  357. oinc

    “Um gripen ng sai por 80 milhoes de dolares, um Su-35 esta proximo a isto, não deve custar menos de 60 milhoes, esta diferença rapidamente desaparece pelo auto custo de manutenção.”

    Comparam aviões de combate como se fossem carros desportivos. Um Su-35 é incomparávelmente mais capaz que o Gripen. Não são necessários 20 Su-35 para fazer o trabalho de 20 Gripen. Provavelmente 10 chegam para defender uma área equivalente, graças ao alcance ultralongo, grande autonomia de voo, o longo alcance do radar, o alcance das armas e o número de armas a bordo. E ainda permitem poupar em aviões de reabastecimento em vôo e outros meios auxiliares, quer no ar quer em terra.

  358. gaitero

    Mas não estou contrariando nenhuma de suas afirmações, apenas faltou você dizer, que nenhum país no mundo já testou o Su-35 para saber se ele realmente é tão capaz, e muito menos, saber quanto custa a manutenção dele e se está, será complicada ou não, se vale a pena ter aviões tão dificeis de se manter como o Su-30, coisa completamente contrária aos gripens por exemplo.

  359. oinc

    Apesar de ser apenas um protótipo, é por razões óbvias superior ao mais avançado Su-30 (MKI / MKM / MKA), que por si já são muito superiores ao Gripen na maioria das caracteristicas. A capacidade do aparelho é quase impossível de ser contestada. A manutenção é outra história, mas o que eu queria dizer é que não podem ser comparados em custo de manutenção numa relação de 1 para 1. Seria mais lógico compara o custo operacional de 2 Gripen contra o de um Su-35. Que um Su-35 é muito mais caro de manter que um Gripen não há duvidas. O que ninguém sabe ainda é o que fica mais caro manter: Um grupo de combate equipado com Su-35 suficientes para defender o país ou um grupo de combate equipado com Gripen suficientes para defender o país. A partir daqui qualquer discussão é puramente hipotética

  360. Fred

    Senhores o Gripen NG só irá voar em 2012!

    Impossivel comparar aviões que ainda não estão voando dessa maneira.

    O Gripen C/D de hoje tem essas caracteristicas

    O Su 30 indem, eles são ótimos aviões em suas respectivas funções e provavelmente suas deficiencias devem, em boa parte ser resolvidas nas novas versões.

    O gripen terá avionicos similar ao utilizado no F 35 e sua turbina será uma versão da utilizada no F35 e sua autonomia e carga útil serão ampliandos sensivelmente.

    A disponibilidade (Horas de voo X manutenção) de uso do SU 35 deve (tem que) ser bem maior que do SU30 além da melhoria nos avionicos e radares, O problema da logistica (fornecimento de suprimentos e custo da manutenção) é que nao sei se será resolvido no SU 35.

  361. oinc

    aviões que ainda não estão voando? look again, dude:

  362. gaitero

    É obvio que estamos lidando com hipoteses, até mesmo a compra dos caças pelo Brasil é uma hipótese.
    O maior problema é que com todos os Sus 27,29,30,32,34 que estão em vôo, a Russia ainda não possui um fornecimento capaz, é incontestável que falta a Russia esta capacidade pós venda.
    Se o Brasil optar pela compra dos Sus-35 nós seremos a cobaia da vez, seremos os únicos à ultilizarem deste equipamento, que como todos sabem é completamente diferente do caça atual, na realidade só a aparencia é a mesma.
    Será que arristar é correto, em um momento de tanta mudança.

    Os navios da MB por exemplo.

    Seram desativados em em 2010 o contratorpedo pará, 2014, os 3 type-22 e as 4 corvetas iahuma,
    precisamos urgente de no mínimo 6 fragatas, 2 contratorpedos e pelo menos mais 1 corveta barroso além de no mínimo 3 submarinos convencionais.

    Ariscar é impossivel, se for fazer temd e fazer com conciência, espero que as nossas dúvidas seja no governo rapidamente esclarecidas para que a melhor opção seja apresentada rapidamente.
    Seja Su-35 seja gripen NG, em ambos os casos estaremos bem protegidos.

  363. Fred

    Se o protótipo contar como vôo, entao o gripen Demo também já decolou!

    Estamos falando de aviões produzidos em série.

    Concordo com o Gaitero, é muito desaconselhavel ser o primeiro a testar uma tecnologia nova. Seja ela qual for!

    E esse é um ponto negativo para os dois!

  364. gaitero

    Exatamente, para os 2.

  365. gaitero

    Não quero falar mal de um caça ou do outro, pois o Gripen NG e o Su-35 para mim são os 2 que de formas diferentes, de angulos diferentes, com qualidades diferentes, são os que melhores se encaixam nos nossos critérios e em nossa FAB.

    Tanto o Su-35 quanto o gripen NG tem o meu apoio.
    Só que a decisão terá de ser pensada olhando para o futuro. se o Su-35 for um passo para o PaK-Fa, será uma vantagem.
    Se o Gripen NG for um passo para um futuro caça Made-in-Brasil então este terá uma vantagem.
    É muito complicado, no ambito político definir a melhor escolha, vai depender muito do acordo e do pacote que acompanhará o caça.

  366. Fred

    Dizem as más líguas que o acordo já está definido, que será o Sukhoi, mas não acredito! acho mesmo que eles ainda não sabem!

  367. gaitero

    Pois, eu tambem acho que eles não sabem.

    Tem acompanhado o Red??
    me parece que jájá, estaram voando em combate.

  368. Fred

    Já estão sim, vou postar algumas fotos, já tem algumas bem legais no site a FAB.

  369. gaitero

    Eles estão voando bem perto do gripen vai da para ter uma melhor visão sobre o caça, mesmo este não sendo o NG. E o nosso ministro da defesa vai visitar a base esta semana em um tur de 7 dias pelo EUA, que será que ele pretende por lá?

  370. O caso é comprar um 50 Su-35 MK ,e uns 03 Subs Amur l800 e sitema de misseis thor M..e o cumprimento da compra de IKL 214 c AIP tds..com os alemães, tão chiando.É jamais comprar o tal rafaele… os Su 35 ,são bem e mt superiores ao Franceses só querem vender ,tranferir ,nada…e como sempre a IV frota tá aí..o perigo mora ao norte.

  371. Fred

    Já foi, Ele e o Saito’foram lá esse fim de semana. O jobim vôo de F16 tudo!
    Aparentemente estamos muito bem por lá. Ainda não divilgaram nada até agora, mas aparentemente não fomos abatidos no primeiro dia 🙂 , 😉

  372. gaitero

    Oba.
    Pelo menos nossos F-5 se safaram da primeira investida.

  373. Ronaldo

    Senhores,
    Para acompanhar o que fizeram o Saito e o Jobim neste final de semana, acesse :
    http://www.redflag.aer.mil.br/videos/md_cmta_visita_redflag.wmv

    Agora o mais importante :
    Segundo entrevista do Ministro Mangabeira neste final de semana em importante jornal brasileiro, tudo leva à crer que o Brasil NÃO mais participará do projeto Russo/Indiano conhecido como PAK-FA T-50 para um caça de 5ª geração.
    Lamentávelmente…..
    Sds.

  374. gaitero

    era visto.
    Estes 4 bilhões de dólares, podem permitir por exemplo que o Brasil compre 80 unidades do Su-35.
    É uma pena, más com a carência de recursos para nossa FA, temos de optar entre os meios para tentar nos recuperar militarmente.

    Acho que o governo, com este sinal vermelho para o PaK-Fa, deu sinal verde para o Fx-2 e para o Embraer C-390.

    Bom pelo que eu li neste site, ele ficou bastante imprecionado com os UAVs.

  375. Fred

    Foi no Valor, eu li a entrevista, mas ele não falou em cancelar o PAK FA, falou apenas que o plano inicial evoluiu para duas alternativas:

    A premissa das duas é comprar um caça avançado de 4 ++ (geração 4 quase 5 🙂 ) em desenvolvimento ou de projeto já pronto.

    1 . ” O Brasil se colocará como candidato a parceiro para desenvolver em conjunto tecnologias que faltem no futuro avião escolhido pelo plano brasileiro. Por exemplo, aumentar o raio de ação do caça ou aperfeiçoar sua capacidade “stealth” (de confundir os radares inimigos).

    2. O Brasil compra um número “limitado” de aeronaves,exigindo transferência de tecnologia, com a abertura do código-fonte.

    Todas as duas alternativas, de um modo mais fácil ou mais dificil, permitiria à indústria nacional (leia-se Embraer), desenvolver seu próprio supersônico.

    Então O PAK FA não está de todo descartado, muito menos o Gripen E/F

  376. Ronaldo

    Caro Fred,
    Vejo, em parte, assim :
    No item 1) ….aumentar o raio de ação do caça …..
    Aqui da para, nas entrelinhas, dizer que ele está falando do Rafale, cujo raio de ação é menor que o Su-35.
    Ainda no item 1) …..aperfeiçoar sua capacidade “stealth” é de não ser visto no radar inimigo e que se referir ao Su-35 , cujo RCS é muito maior do que o Rafale.
    Eu, modestamente, descartaria o Gripen.
    O caça da Saab/BAe é um reprojeto de um caça já existente, cujas modificações já estão fechadas.
    O que o Governo Brasileiro quer entrar num programa de caça de 4++ geração que esteja em andamento, não esteja ainda concluído, já esteja operacional no país produtor, e sua célula seja tal que possa incorporar uma série de inovações e adaptações, sem que implique em um reprojeto total. E que sejamos parceiros do programa junto ao país produtor. A versão Gripen NG é de exportação, os suécos não a usarão.
    Sds.

  377. Fred

    Não sei se não utilizarão , Ronaldo, a Gripen SAAB está desenvolvendo o Gripen NG, que passará a ser denominado Gripen E/F.

    Sei que eles dependem da noruega e da finlandia para viabilizar o novo caça, mas nada impede que o Brasil faça parte do grupo.

    Bem, eu gosto do gripen, acho o custo/benefício dele superior ao do Rafale e uma disponibilidade maior que o do Su 35.

    E está em desenvolvimento, portanto pode ser modificado para atender as solicitações da FAB. 🙂

    Você acha que será o SU 35? Muitos já estão dizendo que o FX será dos Russos mesmo.

    Um ponto a favor dos Russos é o Yak 130, a FAB também está procurando um treinador a reação. Que sabe não vem o pacote todo, não é!

    7 de setembro está ai, vamos ver oque vão anunciar!

  378. gaitero

    Pois é já está chegando

  379. Ronaldo

    Caro Fred,
    Particularmente torço pelo Su-35 como caça tampão, mas somente com nossa participação no PAK-FA atrelada. Desenvolver um sistema como este sozinhos é total delírio.
    Aqui, nos fóruns que participo na A.Latina, o pessoal já está considernado duas coisas, embora uma seja muito difícil : O rafale seria o principal candidato e teria algo no ar e secreto correndo com os americanos, dividindo-se as opiniões (alguns bastante contra) a opção F-16I e mais remotamente F-35 para além de 2015/ 2020.
    Quase todos que lí nas últimas 24 hs consideram o PAK-FA morto para o Brasil, e por seguinte as chances do Su-35 diminuem muito.
    O certo é que a FAB não admitirá nada sem trasferência de tecnologia sensível e abertura total e irrestrita dos cod. fonte. Então a briga nos bastidores está ferrenha.
    Sds.

  380. Ronaldo

    Fred,
    Sobre o treinador que substituiria os EMB Xavante, fonte ligada a FAB nega os estudos, mas existem conversas que, se à venda dos Super Tucanos ao Chile se concretizar, a ENAER chilena poderia ser parceira da Embraer na construção de um número indefinido do Alenia 346 para as duas forças aéreas. Acho esta hipótese muito distante.
    Sds.

  381. Fred

    Sim, Ronaldo, eu também acho dificil vir o YAK o Sukhoi e o PAK FA, porém não impossível! Mas e o problema da balança comercial com os Russos? Alguma coisa vão ter que comprar deles!!! Nem que seja os 12 Hinds.

    Eu pessoalmente prefiro o Futuro Gripen, 🙂

    Você leu o texto do Nelson Jobin na Interesse Nacional?

    http://interessenacional.com/2008/06/10/a-defesa-na-agenda-nacional-o-plano-estrategico-de-defesa/

  382. gaitero

    Pelo menos nossa dívida passou de 42.7 % do Pib para 40.4%.
    Ou seja 2% do PIB a mais para investimentos.

  383. Fred

    ou para pagar mais dívidas 😉

  384. marcelo

    Certa está a Força Aérea Chilena. Segundo comentários, adquiriu o F-16 como “tampão” até a chegada dos F-35 multi-missão, e agora, apertada por uma possível aquisição de Flankers pelos Peruanos, está correndo ao TYPHOON de superioridade aérea. A mesma dobradinha da RAF.

  385. Ronaldo

    Fred,
    Sim, já li (sobre texto do Jobin) no dia que saiu. Texto longo e técnico. Não acrescenta nada em termos de novidade.

    Marcelo,
    Os chilenos compraram mal, subestimaram os outros países, que claro, não vão ficar para tráz.
    Agora dizem ser o F-16 “tampão”. Antes disto tudo ter acontecido na AL, não diziam assim. Diziam ser de superioridade aérea, extraoficialmente. Oficialmente eram só reposição e atualização de material.
    Sds.

  386. Fred

    é o mesmo discurso do Mangabeira!

    Pelo menos estão falando a mesma coisa! 🙂

  387. nosle

    Gripen qualquer que seja a versão não é adequado para o Brasil, um monomotor para um país continental exigiria muitos aviões, saíria tão caro quanto comprar poucos bimotores com uma maior capacidade. Não se esqueçam que o gripen tem muitas peças norte americanas, esbarraríamos na transferência de tecnologia do mesmo jeito.
    Só existem duas opções para o Brasil, ou o su-35 ou o rafale, são os únicos q proporcionam alguma transferência e autonomia.

  388. gaitero

    Fred;

    Se for para pagar mais dívida, ano que vem esta cairá 3.5% ao invéz de 2, e se assim continuar em 15 a 20 anos não teremos mais dividas. Neste ponto o governo lula esta correto. Eu sei disto pois vi uma palestra com o ministro do desenvolvimento, que disse, e que o comprovou através de calculos e gráficos, segundo constava, em 2010 o planejamento é que a divida seja de apenas 34% do PIB.

    Bom, o Chile tem apenas 10 F-16 block 50.
    Se estes fossem um tampão para a chegada do F-35, eles não estariam correndo atraz de F-16 MLU usados.

    SIM Ser monomotor é a maior desvantagem do Gripen.

    Más se por exemplo optarem por adquerir no mínimo 84 unidades do NG, estas podem bem divididas em norte, sul, nordeste, sudeste e centro-oeste, suprir a demanda de caças e as necessidades do Brasil.
    Agora se o Brasil optar pela compra de apenas 24 a 36 unidades, estes se localizariam apenas em Brasilia, ai realmente teriam de ser ou rafale ou Su-35.

  389. nosle

    gaitero,
    A sua ideia é boa e coerente mas o problema é o contexto, um gripen monomotor para um conflito com um su-30 seria muito perigoso, mesmo com treinamento superior do Brasil e o datalink do gripen. Eu não arriscaria, por isso acho que o melhor é o su-35 com o Pak-Fa ou rafales, mas sempre pensando em serem distribuídos por todo o país, nas bases de Canoas, Santa Cruz, Anapólis, Fortaleza e Manaus.

  390. gaitero

    Infelizmente este é o problema.

    O Su-35 tem um custo de manutenção muito alto, ou seja, dificilmente com a verba disponivel para a FAB, teremos capacidade de manter em operação um numero de 84 caças, sem comprometer outros setores da Força aérea.

    Coisa que já não ocorreria com o Rafale, mesmo este tendo um custo de manutenção elevado, ou pelo menos mais elevado que o Gripen, já seria possivel com um pequeno aumento, manter 100% dos rafales em funcionamento, outra vantagem é que os misseis ultilizados nos rafales, como por exemplo o MICA, Magic, já são ultilizados pela FAB o que facilita a logistica, e futuramente o novo A-darter tambem será compativel com os sistemas do caça.

    Coisa que já não ocorre com o Su-35.

  391. gaitero

    Vai acabar dando Rafale, se duvidar ainda virá um segundo lote de 12 mirrages 2000, assim o numero de caças para chegar no mínimo ideal que seria de 84, seria de somente mais 60 rafales.

    Este numero ideal, é fruto de lógica, tanto analizando o numero atual que é de 67 f-5 e mirrages, além do desejo Brasileiro em comprar mais unidades do F-5, quanto pelo fato destes terem de ser distribuidos pelas 5 bases citadas acima, oque daria 24 caças para 2 bases, e 12 para as 3 outras. Sugeria 24 para anápolis e canoas e 12 para as demais. Além de 48 AMX-M.

  392. gaitero

    F-15D americano caiu no redflag.

    Funcionários da Nellis informaram que o jato F-15D Eagle caiu por volta das 11:30 (hora local), a cerca de 50 milhas a leste de Goldfield, Nevada.

    O jato era parte do 65o Esquadrão de Combate e participava dos exercícios de treinamento da Red Flag quando ele caiu.

  393. Pjms

    É realmente a primeira baixa, e assim espero seja a única. Infelizmente a Fab não está deixando vazar nenhuma notícia sobre os acontecimentos do Red Flag. Porém, temos uns videos para vcs, no qual aparecem os F15, F5m e Gripens:

    http://64.233.179.104/translate_c?hl=pt-BR&sl=en&u=http://nellisspotters.com/VIDEOS.html&prev=/search%3Fq%3Dred%2Bflag%2Bnews%2Bfab%26hl%3Dpt-BR%26sa%3DG&usg=ALkJrhgfMS2BrKkIh4JkwdFylB_iDVRspw

  394. nosle

    gaitero,
    Mas é nesse ponto que deveria ser diferente, não estou pensando em o Brasil adquirir 84 su-35, seria realmente muito caro opera-los, seriam apenas 20 caças para operar em Anápolis e esperar os PaK-FA T-50, um caça totalmente novo que já deve ser desenhado para um custo operacional baixo. Então em 2020 a 2025 só teríamos caças pak-fa t-50 e esses su-35 BM.
    A aquisição do Su-35 tem que vir casada com o programa Pak-Fa, se não fosse assim, a melhor opção seria o Rafale.

  395. gaitero

    O problema nosle, é que este PaK-FA não tem nada concreto, é apenas um sonho para os brasileiros, tanto é que já rondam indicios de que o Brasil havia o abandonado.

    Pense um F-22 custa proximo dos 220 milhoes de dólares, você acha ser possivel contruir um caça com características proximas do F-22 por apenas 30 milhoes como foi sugestionado? É praticamente impossivel se fazer com um preço menor que o Su-35 que esta proximo dos 60 milhoes de dólares, e pouco provável pela demora e pelos problemas que serão encontrados faze-lo por menos de 100 milhoes, além disso as peças serão praticamente todas evoluções do PaK-Fa ou seja muito comumente este caça terá uma manutenção tão cara quanto os atuais Sus

    Aém do mais deve-se investir por parte do Brasil pelo menos 4 bilhoes de dólares para o inicio do projeto.
    4 bilhoes de dólares é o preço hoje, que pode ser possivel comprar 72 Su-35 BM. Isto sem contar o preço que custará cada unidade, ou seja vai passar facilmente de 10 bilhoes de dólares.

    Este dinheiro poderia vir a faltar por exemplo na marinha, ou pior gerar um conflito dentro das FA, pois se o Brasil investir 10 bi na FAB a marinha vai querer 10 bi e o exercito tambem, atualmente desenvolver um novo caça, POR MAIS QUE ESSA SEJA A OPÇÃO MAIS CORRETA.

    É econômicamente INVIÁVEL.

  396. gaitero

    Infelismente

  397. nosle

    Pois é, seguindo esta linha de pensamento então o melhor era o Brasil fazer um mix, como fazem a Índia, Russia e EUA, Su-35BM para Anápolis e Manaus que precisam de um autonomia maior e Gripen para Canoas, Santa Cruz e Fortaleza que defendem regioões menores e mais compactas.

  398. nosle

    Ou Gripen ou Rafale, com vantagem para o Gripen por ser monomotor e ter menor custo operacional, mas estando garantido o real poder de dissuasão com os Su-35BM.

  399. gaitero

    Eu também penso que a melhor opção é um mix.

    O gripen, é muito bom caça, econômico, e com a nova versão NG terá mais autonômia, e possui aviõnicos dos EUA, o mesmo que ocorre atualmente, se analizarmos os Super tucanos, os F-5, tem muita coisa americana neles, se não praticamente tudo.

    Além do mais temos apenas 12 mirrages, caças médios e 55 F-5, caças leves.

    Penso que 24 rafales para anapolis, 12 rafales e 12 mirrages para manaus e 60 gripen NG para as demais bases seria uma boa opção.

  400. e será a opção mais económica?
    Em termos de custos de manutenção, peças, operação e até de aquisição? Isto é, não haverá mais poder negocial numa compra maior, do que numa menor? São estas as razões pelas quais sou – geralmente – contra compras mix…

  401. gaitero

    Pois, esta é apenas uma das milhares de opções.

    ficaria fiche, mas é claro que padronizar a frota traz inumeras vantagens, entre elas até mesmo na hora da compra, da negociação de tecnologias sensíveis, mas infelismente, pelo que eu li por sites de notícias, so vira mesmo umas 24 novas unidades, e ficaremos mais uns 8 anos de F-5M, AMX-M e este novo vetor.

  402. hehehe
    nós por cá usamos mais a grafia… “fixe”
    de resto, sim… a limitação vai levar a essa coexistência, mas a ideia será substituir os F-5 e AMX nos próximos 10-15 anos, certo? E como não me parece que haja PAK-FA por essa data, seria mais do que razoável, adoptar o mesmo avião escolhido neste batch inicial…

  403. gaitero

    Segundo uma fonte, parece que o navio RFA Sir Bedivere adquirido pela MB vai se chamar Almirante Saboia (ministro da Marinha de 1985 a 1990). E o novo navio polar ganhará o nome de Almirante Maximiano (ministro de 1979 a 1984).

    pois era esta mesmo que eu queria imitar, fixe ^^

    De vagar estou a mudar de opinião e achando que estes F-5 deveriam sim ficar mais um pouco na nossa FAB, na verdade o F-5 esta previsto para sair antes, o praso máximo é de 10 anos mas de qualquer forma, temos que contruir logo seus descendentes, ou então em 2018 ainda não teremos um vetor para substituir os F-5

    O amx sim vai voar até 2025.

    Creio que se fossem comprados 48 rafales F3, já estariamos bem servidos.

    Com relação a marinha, ai sim temos que pensar em substituir rapidamente as 3 fragatas type 22 e as 4 corvetas iahuma, já foi sugerido que a marinha construa mais 3 corvetas barroso, e compre 4 fragatas, estas podem ser novas ou usadas, não sei quanto custa uma la-fayete, mas acho que 4 la-fayete com misseis aster 15 anti aéreos, seria um avanço enorme. Ou na pior das ipóteses, 4 fragatas type 22 bath 3, mas ai deve-se fazer uma modernização intensa, melhor que a modfrag.

  404. gaitero

    Eu particularmente tenho várias possibilidades de compra para os novos aviões, cada dia penso em uma possibilidade diferente.

    Já passei de possibilidades como a ultilização de F-18 e gripen NG juntos, talvez 48 à 60 de cada.
    Ou então comprar mais 36 mirrages 2000 modernizar os 48 e comprar mais 48 à 60 rafales f3.

    Ou até mesmo a ultilização de Su-35 e gripen
    Essa a se destacar, 48 su-35 48 gripen ng e 24 amx.
    e ainda sobraria 24 amx para navalizar e ultilizar no nae são paulo.
    è uma opção das mais baratas, afinal os 2 caças são os mais baratos atualmente, não fugiria muito das características da FAB, o gripen é um caça semelhante ao F-5, so o Su-35 que passaria a ser nossa arma principal e poderiam desempenhar missões em todo brasil e o amx faria o papel que atualmente é dos xavantes.

  405. Bem, as La Fayette seriam uma excelente aquisição… sendo um dos melhores navios do mundo na sua classe…
    http://en.wikipedia.org/wiki/La_Fayette_class_frigate
    mas poderá ser sonhar demasiado alto…
    é que o seu preço unitário…
    “The cost of all this is monumental. By the time the six frigates are finally paid for, their price has rocketed to Ffr16bn (2.44bn euros)”
    http://news.bbc.co.uk/2/hi/europe/3244148.stm

    já a aposta em mais Barroso me parece imensamente plausível (e até incontornável, acho eu)

    e estou a ver que te converteste mesmo ao Gripen NG!
    eu também fiquei impressionado com a promessa desta nova versão…
    http://movv.org/2008/05/17/o-gripen-demo-uma-nova-versao-do-caca-sueco-saab-gripen/

    e acho-a uma boa alternativa (a prazo) para o rafale…

  406. gaitero

    Acho que no mar temos de investir mais em submarinos.
    Como dizia um amigo meu, so existem 2 tipos de navios, os alvos e os submarinos.

    Creio que se o brasil optar em adquerir 4 fragatas usadas, possivelmente as type 22 block 3, não será uma má aquisição se esta for feita juntamente com 3 a 5 submarinos.

  407. pessoalmente, não grande crente na arma submarina… reconeço o valor da sua capacidade de interdição (veja-se o caso dos subs britânicos nas Malvinas) e como plataforma de lançamento de mísseis de cruzeiro e estratégicos, mas devido ao avanço dos sistemas de detecção e de luta antisubmarina, o seu valor já não é hoje o mesmo que era no fim da Guerra Fria… acredito que os países devem mantê-la. mas a prioridade deve residir em meios de superfície, médios, multifuncionais e abundantes…

  408. guaresi

    Os submarinos são a arma mais mortal já criada.
    Uma marinha composta só de submarinos, é muito mais letal que os 10 Nae nucleares norte americanos e toda sua esquadra.

    É uma pena termos apenas 5 ILk-1400.
    Como andas os submarinos marlin oferecidos ao brasil, será esta a proposta mais viável? e o ILK-214 nenhuma noticia se o pedido foi cancelado?

    Com relação aos caças e fragatas escolta

    A melhor opção é a que melhor se encaixe no perfil da FAB
    1- Tranferir tecnologia, somente os caças dos EUA não passam deste perfil.
    2- alta capacidade, preço baixo, facil manutenção.
    Podemos excluir o Su-35 o Rafale e o eurofither.

    O gripen C/D venceu o Fx-1, mas não levou pois antes de anunciar o vencedor ele foi cancelado.
    O NG é um exelente caça, mesmo sendo monoplace, ele dispoem de uma alta gama de aviônicos e armamentos compatíveis com os atuais sistemas brasileiros, eles não teriam problema algum com o datalink do F-5 do amx e dos aviões radar.
    Além de terem características muito proximas dos F-5.

    A quantidade, será outro problema. Quantos caças o brasil esta disposto a comprar, e quantos teram de ser comprados para que haja uma boa transferencia de tecnologia, atualmente fala-se em 24 a 36 unidades, mas sabemos que para atender aos vendedores e a necessidade da FAB, este numero terá de ser no mínimo 2 vezes maior.

    As fragatas, como clavis já citou as La Fayette seriam uma excelente aquisição, se você calcular, são 6 por 2.44bn euros, dividindo e passando para o real da aprox = 1.016 bilhões de reais a unidade.
    É pouco se analizarmos que a marinha deveria ganhar algo em torno de R$ 1,4 bilhão de “Royalties” por ano.

    Mas não é de se jogar fora, caso seja este o obstáculo, comprar 4 fragatas usadas, não seria vergonha nenhuma. Contruir mais barroso, acho que não é uma boa, este navio é muito antigo projeto de 1970, deveria se pensar em uma nova corveta para o Brasil.
    E investir mais nos submarinos, seja com aip seja sem aip seja nuclear.

  409. J. guaresi

    Segundo divulgado pelo site Jane’s, um possível acordo entre Brasil e França incluiria a construção de dois submarinos Marlin no Brasil. Porém, o site cita a integração de sistemas da Lockheed Systems no projeto Marlin, os mesmos que serão instalados na modernização dos submarinos da classe Tupi.

    Caso esta opção realmente se confirme, ficará evidente que o Brasil não pretende “dar as costas para os EUA”

  410. nosle

    gaitero
    Também penso em várias possibilidades para os caças, agora esta ultima que vc postou é exatamente a que eu acho mais correta.
    48 Su-35 (Anápolis,Manaus e Fortaleza) entre 2011 a 2015, 52 gripen(Canoas e Santa Cruz) entre 2018 a 2022, 24 amx-t para treinamento avançado.
    Não é uma força aérea grande, mas teria poder de dissuasão.
    Os mirages 2000,F-5M e AMX-M seriam desativados entre 2015 a 2025 gradualmente conforme fossem chegando os novos caças.

  411. gaitero

    Segundo uma fonte, parece que o navio RFA Sir Bedivere adquirido pela MB vai se chamar Almirante Saboia (ministro da Marinha de 1985 a 1990). E o novo navio polar ganhará o nome de Almirante Maximiano (ministro de 1979 a 1984).

  412. gaitero

    guaresi
    Segundo divulgado pelo site Jane’s, um possível acordo entre Brasil e França incluiria a construção de dois submarinos Marlin no Brasil. Porém, o site cita a integração de sistemas da Lockheed Systems no projeto Marlin, os mesmos que serão instalados na modernização dos submarinos da classe Tupi.

    Se esta compra realmente acontecer, será brilhante, manter uma frota de 7 sub conevencionais, e com sistemas integrados seria uma boa escolha, além do mais com a entrada do marlin, abriria a capacidade para construção do nuclear, em um casco semelhante.

  413. E é curioso que:
    “a altura, a opção divulgada pela imprensa brasileira e confirmada por autoridades da Marinha do Brasil foi no sentido de adquirir o submarino sem o sistema de propulsão independente do ar AIP”

    e também não sabia que estes Marlin eram uma variante francesa dos Scorpene (os quais estiveram perto de ganhar o concurso aqui em Portugal):
    “o Marlin é o resultado da quase rotura de relações entre a empresa espanhola Navantia e a própria DCN, após os espanhóis terem optado por criar a sua própria versão do submarino Scorpéne, sem a inclusão de sistemas de combate franceses.”

    “http://www.areamilitar.net/noticias/noticias.aspx?NrNot=490

  414. Srs. o negocio e BRASIL reequipar suas FAs…estamos cercados de problemas..é uma questão de tempo p explodir.O gripen tem participação iank, o rafaele e péssimo, o escopene,,e melhor uns amur l850 e uns Su 37 Terminator , p/ ontem… E entrar c seriedade no PakFa T-50 ,formando o “BIR”. O faz a IV frota dos ianks em nossos mares?

  415. Sim e q seja rápido..uns 15 subs amur 1850 e Sus 35/37 , acima de 50, sistema de baterias antiaereas , aquelas que os iranianos compraram ..e misseis , e refazaer a IMBEL , ecoisa p ontem…e nossa soberania q está sendo questionada.Srs o q faz a IV frota em n mares ? Sentar e conversar com os russos sobre oa Pak Fa T-50 .O perigo srs., mora ao norte.

  416. 15 amur… duvido muito que o governo lula vá por essa quantidade ou até modelo.
    e os sukhoi cada vez parecem menos prováveis… suspeito que o fx-2 vai mesmo falar francês… é cá um palpite…

  417. gaitero

    Rafale é tão capaz quanto o Su-35.
    Com desvantagem pela autonomia e vantagem pela manutenção e principalmente por ser compativel com os misseis da fab, seus fornecedores e pelo fato de o Brasil já ser cliente da dassault.

    O rafale F3 + missel meteoro + R99 = FAB 100% capaz de combater qualquer força.

    15 subs????
    Acho que viram 2….. no maximo 3, a melhor opção com certeza fica entre marlim e o projeto russo com vantagem para o marlim que já foi testado.

    Fragatas serão de 4 a 8, já votei na FREMM.

    O Nae São Paulo com um sistema anti aéreo e capacidade para operar rafales será tambem uma arma letal é interessante pensar em uma modernização deste.

  418. mas o meteor será exportável?… se seguirem a contenção de exportações que seguem os russos e os EUA… por isso é que estabelecer parcerias alargadas (q incluam os mísseis) é aqui tão importante.
    eu também votaria FREMM… pelo preço e características são do melhor que se faz atualmente no seu tipo, no mundo
    o SP pode embarcar Rafales sem uma extensão da pista? Não teria que ser alterado desta forma?

  419. Fred

    Carissimos, o meteor não interessa tanto assim para a FAB, e sim o futuro míssel em conjunto com a África do Sul.

    Como os dois não estão voando não dá pra dizer quem seria o melhor ou mais mortifero dos dois!
    🙂

  420. gaitero

    o futuro míssel em conjunto com a África do Sul. É de curto alcance, é de 5 geração mas não compete com o meteor.

  421. gaitero

    Seria interessante sim o meteor na FAB, seria meteor para combate brv e a-darter para combate de curto alcance.

  422. “Brasil e África do Sul testam míssil em 2009
    O A-Darter será oferecido ao mercado internacional

    O míssil A-Darter, desenvolvido pelo Brasil e pela África do Sul, entrará na fase de testes em 2009, dois anos antes da previsão original. A arma, do tipo ar-ar, será oferecida no mercado internacional.

    As primeiras unidades totalmente operacionais serão recebidas em 2015 pelas forças aéreas dos dois países. O Comando da Aeronáutica pretende fazer desse míssil o padrão da frota de combate na próxima década.

    O Brasil investirá cerca de US$ 100 milhões no programa. A primeira parcela (US$ 52 milhões) está formalizada na dotação orçamentária da Aeronáutica.

    O contrato foi assinado há um ano pela empresa sul-africana Denel Aerospace e pelo Departamento de Pesquisa e Desenvolvimento (Deped), do Centro Tecnológico da Aeronáutica (CTA) em São José dos Campos.

    Segundo o porta-voz Joseph Makhafola, trabalham no projeto “cerca de 200 técnicos e engenheiros da corporação e, com esse grupo, os primeiros dez especialistas brasileiros designados para o empreendimento”.

    Essa equipe está trabalhando prioritariamente com novas áreas de conhecimento, como a da detecção de alvos por meios múltiplos. Makhafola disse que, a curto prazo, empresas brasileiras serão envolvidas no programa. A Mectron, que produz o míssil de terceira geração Piranha AA-1, e a Avibrás Aeroespacial, responsável pelo desenvolvimento da tecnologia de mísseis antitanque, bombas inteligentes e que já ensaiou um míssil de cruzeiro com raio de ação na faixa de 300 km, vão participar do processo.

    O A-Darter é uma arma moderna, de quinta geração de interceptadores de médio alcance. Compacto (2,93m x 0,49m; 90 quilos), pode ser direcionado pelo radar de bordo do avião lançador – um bombardeiro leve AMX, por exemplo – ou pelo visor digital do capacete do piloto. Dispõe de sensores próprios de busca e é atraído pelo calor emitido pela aeronave visada.

    Segundo o engenheiro Patricio Umango, da Denel, o desempenho aerodinâmico do A-Darter “permite a realização de manobras de grande exigência dinâmica, anulando os esforços de fuga de um provável adversário”. O caça orgânico do novo míssil será o F-5M, modernizado pela Embraer. A previsão é de que a arma seja utilizada ainda no subsônico AMX e pelo turboélice Super Tucano.

    Roberto Godoy”

    FONTE: O Estado de S.Paulo
    http://www.abin.gov.br/modules/articles/article.php?id=774

    e será de média.longo alcance, como os aamram ou os r-77 russos?
    parece curta-média distancia…

  423. gaitero

    Foi oque eu disse ele é de curta distância…

    A Embraer anunciou nesta sexta-feira ter fechado um contrato para fornecer 12 aeronaves militares Super Tucano à Força Aérea Chilena (FACH). Os aviões foram selecionados em concorrência e serão utilizados para treinamento tático de pilotos. O primeiro aparelho deve ser entregue já no segundo semestre de 2009, afirmou a fabricante.

  424. Ricardo Teixeira

    Boeing Apresenta Proposta do Super Hornet para o FX-2

    http://www.defesanet.com.br/fx2/f-18.htm

    A Boeing recebeu um Request for Information (RFI) do governo brasileiro no dia 12 de Junho. O requisito inicial é para 36 aviões, com um potencial para até 120 aviões.

  425. gaitero

    Su-35BM

    As entregas dos novos aviões para clientes estrangeiros terá início em 2011, disse o director executivo da Sukhoi na segunda-feira.

    “Temos um grande número de encomendas para esta aeronave. Serão feitas entregas tanto para a Força Aérea da Rússia como para clientes estrangeiros …Vamos começar estas entregas em 2011”, disse Mikhail Pogosyan.

    O fabricante afirmou anteriormente que o Su-35 iria entrar ao serviço da Força Aérea Russa em dois a três anos.

    Alexander Zelin, comandante da Força Aérea, disse que alguns regimentos podem vir a receber a nova aeronave.

    “Nós pretendemos formar dois a três regimentos equipados com Su-35”, disse Zelin.

  426. gaitero

    Novas imagens e notícias sobre o T-50
    http:/aircombatcb.blogspot.com/2008/06/sukhoy-pak-fa-t-50-o-futuro-da-aviao-de.html

  427. ricardo:
    ai se eu votasse nesta seleção… dava-lhes o f-18, isso sim… transferência de tecnologia: zero; modelo obsoleto: sim. Pode ser ainda um bom avião, admito, mas estará ao nível do rafale, gripen ng e su-30?

    gaitero:
    sim! imagens novas, finalmente…
    esta aqui é especialmente interessante:

  428. Fred

    Sem querer por água na fervura, acho que a FAB vai continuar com o Derby para o BVR.

    Ou quem sabe optará por um desenvolvimento do substituto do R DARTER ao meteor.

    Alguem quer apostar?

  429. magnífico míssil este meteor…

    “The affordability of the Meteor missile is boosted further when a broader spectrum of costs rather than price alone is considered. The Meteor ramjet-powered missile that fully meets the RAF’s requirement, will not need an expensive motor upgrade to achieve the desired performance as will be the case if a non-ramjet solution is chosen. Consequently, development of Meteor will be a one-off cost to be borne within a contractually specified time-frame.

    The Meteor missile will give the RAF the air superiority it seeks in future combat resulting in fewer anticipated Eurofighter losses through air-to-air combat than could be expected if a less well- specified missile were used. Therefore the cost in terms of aircraft and crew should be considered when balancing the cost of the Meteor and alternative solutions.

    The higher specification Meteor will, as an effectiveness and investment appraisal study has shown, require fewer missiles to engage the threat than a less well-specified solution. Such a solution also would necessitate the purchase of a number of missiles to match the combat capability of one Meteor missile.”

    http://www.global-defence.com/2000/pages/meteor.html

  430. Fred

    isso é um sim?

  431. gaitero

    Se for Su-35 BM, sinto muito mas nem o derby e nem o novo a-darter serão utilizados, a não ser que se compatibilize o caça, no caso do a-darter até seria viável, mas não com o derby.

  432. gaitero

    F-22A x Su-35 x EF-2000 x RAFALE C

    1. Normal take-off:
    * F-22A: 27,200 kg
    * Su-35: 25,300 kg
    * EF-2K: 17,000 kg
    * Rafale: 15,000 kg

    2. MTOW:
    * F-22A: 28,120 kg
    * Su-35: 34,500 kg
    * EF-2K: 23,500 kg
    * Rafale: 24,500 kg

    3. Internal Fuel:
    * F-22A: 9,330 kg
    * Su-35: 11,500 kg
    * EF-2K: 5,000 kg
    * Rafale: 4,750 kg

    4. Maximal Payload:
    * F-22A: unknown
    * Su-35: 8,000 kg
    * EF-2K: 7,500 kg+
    * Rafale: 9,500 kg

    5. Maximal Speed, 11,000 m:
    * F-22A: 2.00 Mach+ (2.25 ~ 2.42 Mach)
    * Su-35: 2.25 Mach
    * EF-2K: 2.00 Mach+ (2.25 Mach)
    * Rafale: 1.80 Mach+ (2.00 Mach)

    6. Maximal speed, 200 m:
    * F-22A: 800 kts
    * Su-35: 1,400 km/hr
    * EF-2K: 1.14 Mach
    * Rafale: 750 kts

    7. Climb rate:
    * F-22A: 350 m/sec, sea-level
    * Su-35: 280 m/sec+, 1,000 m
    * EF-2K: 315 m/sec+, sea-level
    * Rafale: 305 m/sec+, sea-level

    8. Operational Altitude:
    * F-22A: 70,000 fts
    * Su-35: 59,000 fts
    * EF-2K: 65,000 fts
    * Rafale: 55,000 fts

    9. Ferry range:
    * F-22A: 3,500 km (Internal Fuel)
    * Su-35: 4,500 km (Internal Fuel + 2000 L tanks*2)
    * EF-2K: 2,600 km (Internal Fuel)
    * Rafale: > 2,100 km (Internal Fuel)

    10. Normal upper G-limit:
    * F-22A: +9.5G
    * Su-35: +9.0G
    * EF-2K: +9.0G
    * Rafale: +9.0G

    11. Radar’s range:

    * F-22A: Tracking target of RCS = 1 m2 at the range of 200 km away –> Detecting target of RCS = 3m2 at the range of 375 to 440 km away theoretically –> 329 ~ 386.

    * Su-35: Detecting target of RCS = 3m2 at the range of 350 to 400 km away –> 307 ~ 351.

    * EF-2K: Tracking target of RCS = 5 m2 at the range of 160 ~ 185 km away –> Detecting target of RCS = 3m2 at the range of 200 to 272 km away theoretically –> 175 ~ 239.

    * Rafale: Detecting target of RCS = 5 m2 at the range of 130 ~ 148 km away –> Detecting target of RCS = 3m2 at the range of 114 to 130 km away theoretically –> 100 ~ 114.

    12. Maximal horizontal scanning angle of Radar:
    * F-22A: +/- 60 degrees
    * Su-35: +/-120 degrees
    * EF-2K: +/- 70 degrees
    * Rafale: +/- 60 degrees

    13. Capability of multiple target engagement:
    * F-22A: Tracking 100 and engaging 6+.
    * Su-35: Tracking 30 and engaging 8.
    * EF-2K: Tracking 20+ and engagine 6 to 8.
    * Rafale: Tracking 40 and engaging 4 to 6.

    14. Frontal minimal RCS / Ratio of RCS / Ratio of range being detected:
    * F-22A: 0.0001 ~ 0.001m2 –> 1 ~ 4 –> 1.00 ~ 1.41
    * Su-35: 1.0 ~ 3.0 m2 –> 6666 ~ 20000 –> 9.03 ~ 11.89
    * EF-2K: 0.1 ~ 0.5 m2 –> 666 ~ 3333 –> 5.08 ~ 7.60
    * Rafale: 0.1 ~ 0.2 m2 –> 666 ~ 1332 –> 5.08 ~ 6.04

    Ou seja,

    O F-22 seria detectado pelo:
    F-22 = 28 a 59 km
    BM = 26 a 54 km
    EF = 15 a 36 km
    Rafale = 8 a 17 km

    O Rafale seria detectado pelo:
    F-22 = 160 a 223 km
    BM = 149 a 203 km
    EF = 85 a 139 km
    Rafale = 48 a 66 km

    O Eurofighter seria detectado pelo:
    F-22 = 160 a 281 km
    BM = 149 a 255 km
    EF = 85 a 175 km
    Rafale = 48 a 83 km

    O BM seria detectado pelo:
    F-22 = 260 a 334 km
    BM = 243 a 303 km
    EF = 139 a 208 km
    Rafale = 79 a 98 km

  433. gaitero

    ou seja, a não ser o F-22 ninguem segura o Su-35 BM

  434. Ronaldo

    Senhor Gaitero,
    Siga lendo adiante no post que o o Sr. usou como fonte (Fórum BM) e verá que as informações acima não necessáriamente são verídicas. São apenas parâmetros, opiniões, já que os fabricantes informam dados que na prática nem sempre se confirmam. Dados como o range, e capacidades reais de detecção dos radares são secretos e muitíssimos restritos. Este tipo de informação é sigilosa e cada fonte dá um resultado diferente em relação ao alcance. O máximo que temos são algumas estimativas dentro de alguns cenários.
    Forte abraço.

  435. Arlindo Reis

    AO BEM DA VERDADE É QUE MESMO APÓS QUINZE ANOS DE CONGELAMENTO NOS INVESTIMENTOS NAS FORÇAS ARMADAS, A RÚSSIA CONTINUA SENDO A MAIOR POTÊNCIA MILITAR EM TECNOLOGIA.
    ESSES ESTUDOS COM RESULTADOS MANIPULADOS EM FAVOR DOS EUA NÃO ME CONVENCE. OS EUA VIVEM SE ALTO PROMOVENDO ATRAVÉS DA MÍDIA ENGANADO UM MONTE DE BOBOS. NUNCA GANHARAM UMA GUERRA SEQUER. COM EXCEÇÃO É CLARO DA SEGUNDA GUERRA QUE NÃO GANHARAM SOZINHOS. ATÉ DOS PLANTADORES DE ARROZ DO VIETNAN LEVARAM UM PAU. TALVEZ APÓS TANTOS ESFORÇOS E UM INVESTIMENTO ABSURDO O RAPTOR CHEGUE AO NÍVEL DOS CAÇAS RUSSOS. EU DISSE TALVEZ. PORÉM DOIS A TRES ANOS APÓS OS RUSSOS ESTARÃO COM T-50. AÍ EU QUERO VER.

  436. bem, pois acho que o facto de o darter não ser compatível com os sistemas do Su é argumento de peso a favor do Rafale e contra o Sukhoi… e um de que não me tinha ainda lembrado…

  437. gaitero

    Ronaldo, tudo aqui é hipótese, então quanto mais hipóteses nós lançarmos melhor…

    Não temos nenhuma informação vinda diretamente das empresas, então temos que lidar com hipóteses, vejo que a maioria dos calculos são veridicos, só a base deles é que não pode ser comprovada, até mesmo se você analizar, Frontal minimal RCS / Ratio of RCS / Ratio of range being detected:
    Depende muito do armamento que os caças com ecessão do F-22 carregam, se por exemplo eles uzarem tanques extras este RCS aumenta consideravelmente, mas infelizmente este é o calculo mais proximo da realidade até hoje visto por mim.

  438. gaitero

    E mesmo não sendo extremamente correto, é eminente a vantagem do Su-35 BM contra o Rafale.

    Muitos sites já dizem que realmente será Su-35, até porque A SUKHOI já disse, toda a verba arrecadada com a venda será revertida para a contrução do PaK-Fa.
    Talves com esta compra, os investimentos por parte do Brasil diminuam consideravelmente dependendo do número de caças.

  439. gaitero

    Mas acho que não é dificil compatibilizar o caça com o novo A-Darter clavis ele deve ser introduzido, o procedimento não é complexo, e pode até ser que este A-darter seja ultiziado pelo novo PaK-Fa devido au seu grau de atuação consideravel de 100G ;

    Segue os Procedimentos:

    – Integração dos dados do míssil aos computadores de bordo do avião;
    – Sistemas de fixação do míssil, pilone, ao avião;

  440. gaitero

    Clavis, lembrando que ele tambem não é compativel com o Rafale e sim com o gripen.

  441. o darter é compatível com o gripen? como assim? porquê?

  442. ok.
    “The A-Darter is slated to equip South Africa’s JAS-39 C/D Gripens, and will replace the indigenous Mectron MAA-1 Piranha missile in Brazil. Brazil’s upgraded F-5M Tiger IIs are an agreed-upon platform; the A-4 Skyhawks that fly from the Brazilian Carrier Sao Paulo (formerly FMS Foch) and carry AIM-9H Sidewinder missiles are also test candidates.”

    já percebi porquê…

    http://www.defenseindustrydaily.com/south-africa-brazil-to-develop-adarter-sraam-03286/

  443. gaitero

    Exatamente por isso.

    Mas não vejo dificuldade, se a Russia permitir, compatibiliza-lo com o Su-35 BM.

    Estou cada vez mais confiante de que o Su-35Bm é a melhor opção.
    Claro, se ele receber o data link ultilizado na Fab e algumas outras modificações.

    Por exemplo, além de ter um bom caça, o dinheiro será revertido para o PaK-Fa, 2 coelhos com 1 cajadada, e além do mais sem dúvida esta na hora de aumentar a verba da FA Brasileira, então não vejo dificuldades em manter 72 caças por exemplo em funcionamento, A FAB disse que o número ideal é de 120 caças, então 48 AMX-M completaria o quadro, e alguns F-5 ainda poderiam ser estocados para eventualmente ser ultilizado em combate quando necessário, além do mais da França tenho certeza de que virão Fragatas e Submarinos. E sinceramente o Rafale ficou a dever e muito.
    Mesmo com o radar AESA o Rafale tem pouca capacidade BRV, elém do mais este novo sistema de pintura do Su-35 reduz e muito sua RCS, e agora com este tal escudo de plasma, uma batalha entre Rafale e Su-35 só terá 1 vencedor, independente de qual seja o cenário do combate.

  444. Ronaldo

    Peço perdão pelo off-topic, mas para os irmãos portugueses, também nós aqui no Brasil somos informados a cerca de vós…..
    http://www.defesanet.com.br/nato/pt_pristina08.htm
    Sds.

  445. gaitero:
    curiosamente um dos primeiros ensaios (públicos) com esse escudo foi noticiado aqui por mim
    http://movv.org/2006/04/24/um-tupolev-tu-160-modificado-penetrada-no-espaco-aereo-americano-sem-ser-detectado/
    em 2006!

    “First developed by the Russians, plasma stealth technology is also known as “Active Stealth Technology”. Plasma stealth is a proposed process that uses ionized gas (plasma) to reduce the radar cross section (RCS) of an aircraft. A plasma stream is injected in front of the aircraft covering the entire body of the aircraft and absorbing most of the electromagnetic energy of the radar waves, thus making the aircraft difficult to detect.

    There are few experimental studies of plasma’s effect on RCS. One of the most interesting articles was published by the Institute of Electrical and Electronics Engineers (IEEE) in 1963 and described the effect of plasma on the RCS of aircraft. The article entitled “Radar cross sections of dielectric or plasma coated conducting spheres and circular cylinders” was based on the data offered by Sputnik, the first artificial satellite launched by the Soviet Union on October 4, 1957. ”
    http://www.military-heat.com/43/russian-plasma-stealth-fighters/

    Ronaldo:
    Sim, o Defesanet apresenta tema sobre Portugal com alguma frequência.
    Quanto à nossa missão no Kosovo… Lamentável. Não podia ser mais contra a “independência” desse narco-estado ansioso por se juntar a esse paraíso do crime que é a Albânia. Por mim, retiraria essas forças e enviá-las-ia para o Afeganistão onde fazem muito mais falta e onde o Ocidente trava hoje um combate decisivo para todos nós.

  446. já que estupidamente retirámos de lá os nossos últimos 60 militares:
    “Os derradeiros 60 operacionais portugueses da Brigada de Acção Rápida do Exército que estiveram ao serviço da Força Internacional de Assistência à Segurança (ISAF), na capital afegã, regressaram este domingo a Portugal. A maioria dos militares pertence à 1ª Companhia de Comandos, que durante a missão enfrentou uma emboscada no Sul do Afeganistão.”

    http://ww1.rtp.pt/noticias/index.php?article=357431&visual=26

  447. nosle

    gaitero
    “Muitos sites já dizem que realmente será Su-35, até porque A SUKHOI já disse, toda a verba arrecadada com a venda será revertida para a contrução do PaK-Fa.”
    Vc pode m dizer quais são os sites, gostaria muito q essa notícia se confirmasse.
    Uma combinação Su-35BM e PAK-fa é um sonho(q espero se tornar realidade) que acabaria com qualquer especulação sobre a Amazôna e afirmaria a posição de potência emergente juntamente com India, China.

  448. gaitero

    Aeronáutica quer assinar contrato dos novos jatos supersônicos em setembro de 2009

    Roberto Godoy

    O comando da Aeronáutica vai definir até o fim do ano os dois, ou no máximo três, caças finalistas no processo de escolha direta do novo jato supersônico multifunção da Força Aérea Brasileira (FAB). Depois os fornecedores envolvidos serão solicitados a compatibilizar as propostas com os requisitos do processo – especificações, peculiaridades de emprego e, sobretudo, a delicada questão da transferência de tecnologia.

    Segundo comandante da Aeronáutica, brigadeiro Juniti Saito, o contrato deve ser assinado em setembro de 2009.

    O número de aeronaves desse lote inicial ainda não está determinado, mas o grupo responsável pelo procedimento trabalha com um mínimo de 20 unidades, podendo chegar a 36. O valor de referência, cerca de US$ 2,2 bilhões, citados na época da retomada da disputa, faz aproximadamente seis meses, não é válido como critério do FX-2. Segundo o ministro da Defesa, Nelson Jobim, “o fator inarredável é o da passagem de conhecimento avançado na área”.

    Essa disposição sinaliza para finalistas europeus, entre os seis grupos que responderam ao Request For Information (RFI). A solicitação de informações foi expedida em junho pela Aeronáutica para seis fabricantes estrangeiros: Saab, da Suécia, Bureau Sukhoi, da Rússia, Dassault Aviation, da França, Boeing, dos Estados Unidos, Lockheed-Martin, também dos EUA, e o consórcio Eurofighter-GmbH, da União Européia.

    A conclusão é decorrente do veto aplicado pelo governo americano à entrega de tecnologias de uso em sistemas militares no âmbito da venda de equipamentos. Essa atitude, entretanto, está sendo revista, entendem analistas com experiência nas relações Brasília-Washington.

    O resultado é um mercado agitado. Está no País o diretor da Boeing, Bob Gower, chefe do programa do caça F-18 E/F Super Hornet, o produto com o qual a companhia participa do projeto FX-2 e que ele veio defender. É uma grande máquina de guerra, de valor médio em torno de US$ 55,2 milhões.

    O objetivo estratégico do FX-2 está atraindo, além dos dirigentes empresariais, chefes de Estado. O presidente da França, Nicolas Sarkozy, visita o Brasil em dezembro. Vem para assinar os primeiros compromissos de cooperação no campo da defesa.

    Tanta dedicação é por uma boa causa. Com o avião padrão pretendido, a FAB quer chegar a 2023/2025 com uma nova frota de 120 jatos supersônicos de última geração.

  449. gaitero

    Vou ser bem honesto, se com F-5 AMX e Mirrage os pilotos da FAB não conseguem voar mais de 100 horas por ano, com 120 Su-35 ou Rafale a situação só tende a piorar, ainda voto No Gripen NG, e dizer que ele não aguenta com o Su-35 é inaceitável, afinal ele tem data-link compativel com os R-99, e serão compativeis com o A-Darter, e poderão usar o Novo Meteor.

    Seria um avanço monstruoso, além de podermos voar bastante com pouca verba, e o preço dos caças ser menor tambem.

  450. gaitero

    Vou ser bem honesto, se com F-5, AMX e Mirrage os pilotos da FAB não conseguem voar mais de 100 horas por ano, com 120 Su-35 ou Rafale a situação só tende a piorar, ainda voto No Gripen NG, e dizer que ele não aguenta com o Su-35 é inaceitável, afinal ele tem data-link compativel com os R-99, e serão compativeis com o A-Darter, e poderão usar o Novo Meteor. Em um combate os caças são as peças fundamentais, más sózinhos não ganham nada, é melhor ter gipens + pilotos bem treinados, do que Su-35 BM e pilotos amadores.

    Seria um avanço monstruoso, além de podermos voar bastante com pouca verba, e o preço dos caças ser menor tambem.

  451. de resto, a grande vantagem da usaf foi sempre ter mais horas de voo e os melhores mísseis de longo alcance… por isso bateram os excelentes aviões MiG-25 dos Líbios, os MiG-29 sérvios e iraquianos, etc, etc, sempre sem perdas.

  452. Ronaldo

    Senhores,
    Vem a calhar o post desta reportagem do Godoy aqui colocada. Embora o Sr. Godoy cometa erros crassos e invente um pouco….. mas vá lá.
    Vejam o que está acontecendo:
    A FAB fará uma pre qualy fine até o final do ano, onde constarão apenas TRES aeronaves para posterior análise e “ganhar” tempo até que os de 4,5 e 5ª geração estejam operacionais e jé ensaiados, para que no SEGUNDO semestre de 2009 tomar a decisão e começar à receber o FX-2 em 2012.
    O avião russo Su-35, agrada aos oficiais pilotos, mas tem restrições da área tecnica (engenharia) da FAB : os russos tem uma logística MUITO diferente do que a FAB está acostumada. Os venezuelanos falaram muito mal dos russos na Fidae.
    Como proposta (preço e off-set) o Gripen interessa muito à Embraer, que gosta da logística e tecnologia sueca. Lembro que o FX-2 não existirá sem a Embraer, portanto a opinião dela será levada em conta.
    Se fosse pelos Brigadeiros da FAB, a escolha ficaria com o americano F-35, mas dizem que por não ter aceito à época se associar ao projeto, a LM retiraria o F-35 da proposta, colocando o F-16Block60 no seu lugar. Mas a Boeing, que está perdendo todas, faz forte pressão (amanhã em Brasília terá reunião e coletiva de imprensa com o Diretor do Mercado de Aeronaves Militares da Boeing) e se propõe a fazer todas as concessões que fez na concorrência Indiana, abrindo aos poucos os códigos fonte de integração e do software do F-18E/F , conforme as quantidades compradas, incluso a fabricação no Brasil.
    Por fim temos o Rafale, que não agrada muito no geral na FAB, embora tenha forte componente político dentro do governo e na imprensa. O presidente frances vem no final do ano para assinar contratos, então não se descarta de todo o Rafale, que também não ganhou nenhuma concorrência ainda.
    Resumo : temos cinco aviões : um russo, um francês, um suéco/americano e dois americanos.

    Uma coisa é certa, e podem me cobrar depois: dos três finalistas, um OBRIGATORIAMENTE será americano.
    Já sabem porque……
    Sds.

  453. Fred

    Ronaldo, vale meio americano meio sueco??

  454. hum… daqui concluo que o Gripen, assim como o seu eventual sucessor reunem atualmente a liderança entre estes 3 concorrentes…
    O gaitero vai ficar contente…
    e o fred também…
    e o “meu” rafale… hum.

    os russos têm mesmo uma muito má fama, na pósvenda e essas “bocas” dos venezuelanos podem ser o golpe fatal no seu avião…

  455. nosle

    Na verdade para mim a Venezuela esta fazendo desinformação, eles sabem que se o Brasil adquirir Su-35 ela não terá acesso a esse modelo, muito provavelmente essa será uma das exigências que o Brasil vai fazer da Russia, no máximo Su-30 tipo o da India além de a manuntenção ser feita tbm no Brasil pra qualquer operador sul americano. Então eles falam mal para que o braisl não adquira e eles sejam os principais clientes dos russos, tendo acesso a seus melhores equipamentos.

  456. nosle

    O gripen é o melhor em nível de custo operacional, e para a Embraer, que pensa num avião pequeno e baixo custo que é uma característica da empresa, mas na minha visão só servem para a região sul(Canoas) e sudeste(Santa Cruz), e a Amazônia e Brasilia e o Nordeste?
    Na Amazônia teríamos que ter gripens em Boa Vista Porto Velho e São Gabriel da Cachoeira, ou seja, uma maior quatidade de aviões, bases, e custos operacionais de logística.
    Com os sukhoi apenas em Manaus cobriríamos toda a Amazônia.
    Então os custos operacionais acabam não sendo tão obvios e favoráveis ao gripen, só se analisarmos apenas o custo do avião isoladamente.
    Em relação aos russos, e se eles instalarem um centro de manuntenção no Brasil como estão prometendo, será que a logística vai ser tão ruim assim?
    Também não podemos pensar que em 2025 estaremos na mesma situação desses ultimos 20 anos, o Brasil já tem 3 anos que cresce de 4% a 5%, se mantiver essa média em 2025 seremos um país parecido com o que a Itália é hoje.(os próprios comandantes das FA já declararam que nos ultimos dois anos, segundo governo de Lula, o orçamento foi bem melhor para os militares).
    Um bom investimento em simuladores (cinco simuladores por base aérea) tornaria o treinamento dos pitotos tão eficiente quanto o número de horas voadas, e com o desgaste menor das aeronaves.
    Não podemos esquecer que o grande atrativo dos Su-35 não são os Su-35, mas sim a possibilidade de aliança com os russos e de adquirir os futuros Pak-Fa, é esse avião que substituiria os nossos F-5, m-2000 e AMX. Um avião superior a qualquer um que se apresenta hoje na concorrência FX-2, com exceção do F-35.
    Por isso o Su-35 seria uma escolha ESTRATÉGICA.

  457. Fred

    Sei não Nosle, os Peruanos também metem a boca na logistica Russa!

    O Exército quando foi comprar os Cougars excluiu os russos pelo mesmo motivo, logitistica ou a falta dela. 🙂

    Mesmo com a expressiva diferença de preço!

  458. é isso…
    o grande problema dos russos é vencer a má fama que ganharam com a pós-venda…

  459. nosle

    Sim, mas aí tudo é questão de negociação, a Russia não vai estar negociando pequenas quantidades para o Peru, mas sim uma aliança estratégica com o Brasil, eles já falaram que se o Su-35 for o escolhido instalarão um Centro de Manuntanção e logística da Sukhoi aqui no Brasil, que provavelmente vai ter mão de obra brasileira. Além do fato da transferência de tecnologia, isso vai fazer com que o Brasil consiga realizar alguma coisa a nível de manuntenção e logística.
    Repito não é uma simples venda de caças, seria uma aliança para no futuro adquirir uma aeronave de geração superior, se não for nestes termos então o melhor seria uma aeronave europeia mesmo.

  460. Fred

    Jogando um pouco de água na fervura, e a posicão da Embraer?

    Querendo ou não, bom ou não, obrigatoriamente o FX 2 passa pela embraer!

    E a preferencia dela aparentemente são os suécos e logo em seguida os franceses.

  461. gaitero

    Clavis colocou muito bem, os EUA a pouco tempo tinham no F-15 e F16 sua principal arma, e sempre venciam os combates sem nenhuma baixa, tudo porque tinham ótimos pilotos e misseis.
    Prefiro a Fab com o J-10 e bons pilotos do que com o Su-35 BM e amadores xD, J-10 foi boa em kkkkkk.

    A embraer com certeza será o peso da balança.

    Geripen a melhor escolha
    http://www.gripen.com.br/

    A grande vantagem do Gripen no mercado internacional é a capacidade de arma-lo com uma enorme variedade de armas de diversas origens. Assim você pode equipa-lo com mísseis Mica, se o governo americano vetarem a venda de mísseis Amraam para seu país, ou ainda mesmo, pode-se adapta-lo com mísseis R-77 russos. Essa capacidade é também única e o torna muito atraente no mercado de caças. A capacidade de manobra desse caça é muito boa também, sendo melhor que a do F-16, um dos seus concorrentes direto no mercado de caças. Na verdade, a configuração aerodinâmica tipo delta canard encontrada nos caças europeus de nova geração é bem eficiente no campo de manobrabilidade e agilidade, deixando para traz muitos aviões de combate modernos. Ainda sobre o armamento do Gripen, pode-se mencionar o poderoso missil antinavio Bofors RBS-15F, que é transportado aos pares. Com um alcance de 200 km e uma ogiva de 200 kg pre-fragmentada, pode por a pique a maioria dos navios de guerra conhecidos com um só impacto.

    Nosle

    Raio de ação/ alcance: 800km/ 1600km Na versão C/D.
    Sem combustivel externo

    aumentou a capacidade interna e externa de combustível (combustível interna sobe 38%, e…) e um aumento de 8 para 10 arma / combustível torres.

    Com 38 % a mais de combustivel Na verção NG
    da para de voar 1300/2600.

    Partindo de Manaus, eles poderão cobrir toda a amazônia.
    Lebrando que a compra seria de 36+84 =120 ou seja 24 em 5 bases.

  462. Ricardo Teixeira

    ops, errei da para voar

    1100/2200
    mas da mesma forma ainda cobre toda a amazônia.

  463. gaitero

    Droga apareceu este ricardo d volta kkkk

  464. sendo que esta vantagem (o treino) se está evaporando…
    “Desperate to save money, USAF will cut 10 percent from its flying hours program this year. ”
    http://www.afa.org/magazine/jan2008/0108scarce.asp

    e sim…
    começo virando partidário do Gripen…
    ainda que!
    julgue importante para um país que quer ser uma voz lusófona permanente no CS manter um porta-aviões ativo, ainda que não seja o mais moderno moderno do mundo, nem tenha os melhores aviões do mundo.
    Ou porque mantêm a Rússia o seu único PA?

  465. nosle

    Reconheço a capacidade do gripen, é um excelente caça, entre ele e o F-16, com certeza o gripen, até hoje não entendo como o Chile não escolheu o gripen, também seria a opção ideal para os portugueses, muito mais vantagem que o Rafale.
    Mas para o Brasil continuo muito receoso em ter o gripen como principal caça da Força Aérea. E se comprarmos gripens e a Venezuela adquirir, como estão pretendendo, Su-35BM. Num hipotético conflito com Chavez vcs colocariam todas as fichas nos nossos aviões? Um caça leve contra um caça pesado, biturbina, com grande autonomia, capaz de persistir no combate, com bons mísseis, inclusive com mísseis anti-awacs, e com radar potente do tipo AESA.
    Sei que com o treinamento é possível mas é muito risco, o nosso poder de dissuasão seria colocado em dúvidas.
    Gripens na minha visão, seriam viáveis apenas numa solução tipo mix(que acho a mais correta), como único caça da FAB acho inadequado, arriscado e chego a dizer irresponsável.
    E continuo, vcs não estão levando em consideração o fator Pak-Fa, em 2020 quando estiverem operacionais provavelmente será superior a todos os caças europeus, para eles apenas serão páreos F-22 e F-35.

  466. Ronaldo

    Nos bastidores, diz-se no dia de hoje, que o “pacote” que os USA estão montando (FX-2) será devastador para qualquer outra hipótese de outro país fornecedor de aviões ou tecnologia aeronáutica.
    Por aqui, também a guerra fria recomeçou……
    Sds.

  467. Fred

    Sim, ouvi dizer isso também e já ouvi que os russo já haviam vencido a concorrência!

    Agora que os EUA estão num lobby desgraçado, isso estão, tanto reclamaram que voltaram para o RFI, a proposta da Boing está na mídia para todo lado. Abrindo códigos fontes, construção local e o escambal.

    O que acho estranho é que a concorrência é para 20 30 aeronaves, inicialmente.! Uma abertura dessas que nunca houve antes? Nem os sensores dos misseis ar-ar quiseram vender!

    É ou não é para concordar com o Ronaldo? Muita bala para matar pouca pulga. Pelo menos é o que aparenta.

  468. as coisas parece que estão a aquecer…
    mas na net, é impressão minha ou começam a haver muitas referências que dão o gripen (logo seguido do Rafale) como favorito?

  469. Fred

    Bem como vão ser 3 finalistas acredito que o Gripen vai estar entre os 3! 🙂 pelo menos creio nisso : )kkkk

  470. nosle

    Clavis,
    Vc que é Português pode me tirar uma dúvida?
    Qual a melhor força aérea na Europa em termos de combate?
    Quais geralmente tem superioridade nos exercícios simulados?
    Quais são as mais respeitadas e mais bem treinadas?
    Sempre tive curiosidade para sobre isso mas nunca consegui informações que falem sobre o assunto.

  471. gaitero

    Nosle eu não sou portugues, mas acho que a Russia é disparada a 1 colocada, Alemanha tem uma boa capacidade e agora com o eurofither sobem muitas posições juntamente com o Reino Unido, a França com os Rafales e a Suécia que já foi uma das melhores FA do mundo, acho que com o gripen ainda estão bem colocadas.

  472. gaitero

    Bom em um combate Entre Venezuela e Brasil é coisa praticamente impossivel de acontecer, pois como já disse em muitos sites, se a Venezuela entrar em guerra com o Brasil ela perde sem o uso da FA, já que praticamente tudo na Venezuela é made-in-Brasil.
    Mas se por acaso ocorrer uma guerra entre Venezuela e Brasil, com certeza ela não será decidida em grandes combates, frente a frente, pois senão o Su teria uma vantagem enorme, creio que seriam grandes investidas, a maioria dos Su-35BM que é de facil localização e destruição em solo, seriam localizados facilmente por aviões espiões, que estão prossimos de ser desenvolvidos em parceria com a africa do sul, e com varios gripens escondidos pela amazônia a batalha seria facilmente dominada pelo Brasil.

    Sem contar que os EUA iriam se aproveitar da situação e atacar a Venezuela tambem.
    ——————————————————————————-
    Um caça leve contra um caça pesado, biturbina, com grande autonomia, capaz de persistir no combate, com bons mísseis, inclusive com mísseis anti-awacs, e com radar potente do tipo AESA.

    # Bom isto é fato, o Su tem muito mais capacidade em um combate frente a frente, mas com relação ao Missil anti-awacs, ter capacidade é uma coisa, ter direito a comprar o missel é outra, a Venezuela não comprará nunca um tipo de missel deste ponto os EUA não permitirão.
    O Radar AESA seria vantagem para os 2 mesmo que o Su tenha um melhor alcance, se eles ultilizarem o radar, é equivalente a acender uma lanterna no escuro e dizer me acertem me acertem, então o gripen no sistema passivo teria sim capacidade de combater o Su-35, se este se posicionar perfeitamente para engaja-lo, oque exige o (treino) de que estamos tanto falando ser necessário em caso de combate.

  473. gaitero

    Veja em nenhum momento estou falando que o Su-35 BM é pior que o gripen, muito pelo contrário, mas só o caça não ganha guerra, ter é uma coisa saber usar, ter apoio de awacs, contar com aviões espiões, aviões leves como o super tucano para pequenas investidas, tudo isto conta em uma guerra, e as vezes ter o melhor avião não significa ter o domínio do ar.

  474. Fred:
    “Bem como vão ser 3 finalistas acredito que o Gripen vai estar entre os 3! 🙂 pelo menos creio nisso : )kkkk”
    -> Tenho até a certeza disso mesmo… Rafale, Gripen e Su-30/35…

    nosle:
    “Clavis,
    Vc que é Português pode me tirar uma dúvida?
    Qual a melhor força aérea na Europa em termos de combate?
    Quais geralmente tem superioridade nos exercícios simulados?
    Quais são as mais respeitadas e mais bem treinadas?
    Sempre tive curiosidade para sobre isso mas nunca consegui informações que falem sobre o assunto.”
    -> É uma boa pergunta que merece um post dedicado que publicarei nos próximos dias!…
    -> Entretanto, cá vai a minha opinião:
    Se contarmos com capacidade de intervenção global, meios e treino será a do RU. Atrás, mas não longe segue a francesa pela sua capacidade de projeção (o PA nuclear) e pelos meios e bases no mundo. Por fim, virão as FA suecas e alemãs…

    gaitero:
    “Nosle eu não sou portugues, mas acho que a Russia é disparada a 1 colocada, Alemanha tem uma boa capacidade e agora com o eurofither sobem muitas posições juntamente com o Reino Unido, a França com os Rafales e a Suécia que já foi uma das melhores FA do mundo, acho que com o gripen ainda estão bem colocadas.”
    -> Batota! 😉 Eu não contei com a Rússia que não é verdadeiramente “europeia”… Pensei mais em Europeia-NATO.
    -> De resto concordo, colocando apenas a RAF bem acima da FA alemã.

    “Bom em um combate Entre Venezuela e Brasil é coisa praticamente impossivel de acontecer, pois como já disse em muitos sites, se a Venezuela entrar em guerra com o Brasil ela perde sem o uso da FA, já que praticamente tudo na Venezuela é made-in-Brasil.
    Mas se por acaso ocorrer uma guerra entre Venezuela e Brasil, com certeza ela não será decidida em grandes combates, frente a frente, pois senão o Su teria uma vantagem enorme, creio que seriam grandes investidas, a maioria dos Su-35BM que é de facil localização e destruição em solo, seriam localizados facilmente por aviões espiões, que estão prossimos de ser desenvolvidos em parceria com a africa do sul, e com varios gripens escondidos pela amazônia a batalha seria facilmente dominada pelo Brasil.

    Sem contar que os EUA iriam se aproveitar da situação e atacar a Venezuela tambem.
    ——————————————————————————-
    Um caça leve contra um caça pesado, biturbina, com grande autonomia, capaz de persistir no combate, com bons mísseis, inclusive com mísseis anti-awacs, e com radar potente do tipo AESA.

    # Bom isto é fato, o Su tem muito mais capacidade em um combate frente a frente, mas com relação ao Missil anti-awacs, ter capacidade é uma coisa, ter direito a comprar o missel é outra, a Venezuela não comprará nunca um tipo de missel deste ponto os EUA não permitirão.
    O Radar AESA seria vantagem para os 2 mesmo que o Su tenha um melhor alcance, se eles ultilizarem o radar, é equivalente a acender uma lanterna no escuro e dizer me acertem me acertem, então o gripen no sistema passivo teria sim capacidade de combater o Su-35, se este se posicionar perfeitamente para engaja-lo, oque exige o (treino) de que estamos tanto falando ser necessário em caso de combate.
    #
    gaitero, em Agosto 19th, 2008 às Disse: Edit Comment

    Veja em nenhum momento estou falando que o Su-35 BM é pior que o gripen, muito pelo contrário, mas só o caça não ganha guerra, ter é uma coisa saber usar, ter apoio de awacs, contar com aviões espiões, aviões leves como o super tucano para pequenas investidas, tudo isto conta em uma guerra, e as vezes ter o melhor avião não significa ter o domínio do ar.”

    -> Têm-me dito que o treino dos pilotos venezuelanos é muito inferior à média dos pilotos sul-americanos e que estes nos confrontos de testte entre FA sul-americanas (período pré-chavez) ficavam sempre mal classificados, apesar de voarem em F-16. Se assim fôr, eis um factor determinante a ponderar neste improvável conflito…

  475. gaitero

    E denovo bantemos nesta tecla, TREINO,
    Por isto eu digo quanto mais barato for o preço do caça por hora voada, mais creditos ele terá comigo para vencer o FX-2, Então ainda fico firme com meu gripen NG. ^^

  476. Fred

    Clavis, só um complemento, nem tudo feito na Venezuela é Brasileiro, a gasolina eles fazem, só óleos lubrificantes vem do Brasil.
    🙂

    Agora falando sério, O Brasil tem 3 situações gerais de defesa a ataques externo de seu território, pelo menos divulgado públicamente.

    O primeiro Caso: O ataque de forças militarmente inferiores
    Nesse caso as FA respondem com superioridadesde meios e de logistica para suprimir o Ataque.

    O segundo caso de forças irregulares/assimétricas
    A estratégia nesse caso é de asfixia através interrupção do sistema logistico e uso de forças de combate especializadas para a região atacada, com apoio da população local para supressão dos ataques.

    E o terceiro para o caso de ataque de forças militarmente superiores.

    Nesse último caso a estratégia será o de guerra assimétrica com pulverização da tropa e apoio da população total, os suprimentos e cadeia de lógistica será feita através de pontos distribuidos em todo o territorio ocupado.
    O exército, hoje, possui diversos containeres enterrados em pontos estratégicos com suprimentos e muitos outros vazios espalhados pelo território nacional, muitos inclusive na amazônia.

    Dai o atendimento constante a população local com implantação de programas de saúde, saneamento e educacional que acompanha todas operações, exercícios e manobras das FA.

    Bem ao estilo do Coronel David Galula “as guerras revolucionárias e contra-revolucionárias não são vencidas com armas e no campo de ação, mas com idéias e propaganda no âmbito da opinião pública”

    Uma boa leitura aos interessados Counter-insurgency Warfare: Theory and Practice (“Guerra de contra-insurgência: teoria e prática”). Foi publicado em 1664)

    Abraço

  477. bem, vendo de fora (por vezes a melhor posição para encarar estes temas) antevejo três tipos de IN para o Brasil:
    1. Revoltas índias, que advoguem a secessão ou mesmo a independência de territórios amazónicos
    2. Guerras convencionais, de fronteira, contra a Venezuela ou Paraguai.
    3. Guerras atlânticas, pela posse de plataformas petrolíferas, contra grandes potencias, ávidas de recursos, como a China ou os EUA.

  478. Ronaldo

    Senhores,
    Posto só o começo das palavras do CEO da Boeing, ontem em Brasília….

    “Encabeçamos um consórcio — formado pela Raytheon, General Electric e pela Northrop-Grumman — que pode oferecer grandes oportunidades para o aperfeiçoamento tecnológico da indústria aeroespacial brasileira”, disse o vice-presidente do programa A/F-18E da Boeing Integrated Defense Systems, Robert Gower, em visita a Brasília. “Reconhecemos o interesse do governo brasileiro em reforçar sua indústria de defesa, que consideramos de alto nível e capaz de absorver tudo o que oferecermos”, completou.

    A Boeing Company está pronta a oferecer um amplo pacote de contrapartidas tecnológicas ao Brasil se o seu caça, o A/F-18E Super Hornet for selecionado para a segunda fase do Programa FX-2, que pretende escolher um avião de combate de 4,5ª geração para a Força Aérea Brasileira (FAB). O Ministério da Defesa pretende uniformizar a frota, adquirindo 120 unidades do novo aparelho. A Boeing recebeu um pedido de informações (Request for Information ou RFI, no jargão internacional) do governo brasileiro no dia 12 de Junho. O requisito inicial é para 36 aviões. A mesma documentação foi encaminhada para a Dassault, francesa; para a norte-americana Lockheed-Martin; para a SAAB, sueca e para a Sukhoi, russa. A Boeing entregou sua documentação no dia 30 de Julho.

    Sim, nótícias há muitas, corre solto o lobby, o suéco se intensificou também……
    Sds.

  479. os americanos subitamente apareceram a jogar muito forte. A quantidade da encomenda (120) pode ter feito aqui toda a diferença…
    E a noticia reduz os concorrentes:
    1 Super Hornet
    2 Sukhoi 30
    3 Gripen
    4 Rafale
    e o Typhoon? O que faz a EADS no meio disto tudo?

  480. Fred

    Vai fazer helicopteros e uma fábrica no Brasil! 🙂

  481. sim, eu sei.
    mas porque não aparece o Typhoon aqui, nesta lista? O seu preço é mais alto, eu sei, mas desistiram já?

  482. Fred

    Não conheço a EADS, mas com já vão enfiar 400 contos de euros aqui, não sei se colocam tantos ovos assim na mesma cesta!

    Além do preço do dito claro! 🙂

  483. nosle

    Tenho quase certeza que os americanos vão estar pelo menos entre os três selecionados, o seu poder de barganha é muito forte. Mas não acho provável que levem essa. na minha opinião vão estar entre os três finalistas o FA-18, o Su-35 e o Rafale.

  484. Fred

    Ainda torço pelo Suécos! 🙂

  485. gaitero

    Se for Su-30 tomara que não fique nem entre os 3.

    O Rafale perdeu muitos creditos, eu n votaria no Rafale nem para ficar entre os 3, mas acho q será F-18 Rafale e Gripen NG.

    Ainda torço pelos suécos tambem.

  486. Ontem(19/08/2008) a Boing , um dos tentáculo doa ianks, ofereceu o super hornet ao BRASIL.. ñ é uma oferta séria , e ñ trem tranferência de tecnológia…Objetivando estragar os acordos do BRASIL com os Rússos, j´s q a venda e de Su 35 + transferência de Conhecimento sobre aviônicos . O ianks q empedir o Rússos de se fazerem presentes na A. Latina..e de uma forma q ficariam por uns 15 /25 anos , Coisa pós Geórgia.. ,E impedir o Basil de ter um caça de 5 geração próprio (Pak Fa T- 50 ) e Sair da dependência dos invasores..Espero q os nossos “ilustres ” e “esclarecidos ” liders ñ caiam nessa.. o perigo está ao norte.

  487. Gaitero:
    Mas o Su-35 não é um bombardeiro? Para as missões do Brasil, não seria mais adeqiado um Su-30?
    E espero bem que não ganhe o F-18… seria apostar num avião antigo… e um mau sinal de futuro (os russos continuariam interessados a manter o Brasil no pak-fa???)

    Carlos:
    a proposta americana de facto parece ter esse intuito destabilizador… mas tem a força económica dos EUA e do “princípio marshall” por detrás…

  488. Fred

    principio este a muito abandonado, pelo menos para o Brasil!

  489. Fred

    Veja a compra só se efetivará se, houver construção de aeronaves (ou montagem de parte dela no brasil)
    Isto acompanha a tecnologia, será que a Boing e a LM vão querer isso?

  490. Fred:
    Sim.. mas não na tola de muitos americanos…
    e sim… não estou a ver a Boeing a deixar construir – na totalidade – os F18 no Brasil…

  491. gaitero

    Clavis, o Su-34 é bombardeiro.
    Su-35 BM é um avião de aça mais avançado da Russia ainda em testes.

    A aeronave, com dois motores 117S, combina alta maneabilidade e capacidade de atacar com precisão uma grande variedade de plataformas aéreas e terrestres usando tanto armas guiadas e não guiadas.

    O Su-35 fez o seu voo inaugural a 19 de Fevereiro e irá ser a coluna dorsal da Força Aérea Russa até o novo caça de 5º geração, o PAK-FA, começar a ser produzido em números significativos.

    A companhia planeja exportar o Su-35 para a América Latina, Sudeste da Ásia, África e Médio Oriente.

  492. gaitero

    O Su-35BM deriva, provavelmente, do Su-27SM ( é algo ainda pouco determinado ) e aplica tudo o que a Sukhoi aprendeu ao longo dos anos com aviões como os Su-30 nas suas diversas variantes.
    Entre as coisas que a Sukhoi aprendeu está o facto de que uma RCS grande e o uso de materiais pesados na estrutura em nada contribuem para o desempenho do avião, como tal, a Sukhoi melhorou substancialmente a estrutura base do avião.
    Na estrutura foram usados novos materiais compósitos que reduziram o peso em cerca de 20%. As linhas do avião foram refinadas de modo a reduzir a energia radar reflectida na banda X, as entradas de ar estão maiores para permitir um melhor fluxo de ar, os flaperons são de grandes dimensões, não possui canards*e o “ferrão” da cauda é menor, além disso, não possui o travão aerodinâmico dorsal sendo que as suas funções são executadas pelos lemes. A fuselagem possui melhor aerodinâmica e capacidade de elevação em geral.

    Stealth
    Como referido anteriormente, a Sukhoi aprendeu que uma grande RCS não beneficia o avião, como tal, ao refinamento das linhas do avião aliou outras medidas Stealth:
    _ Uso de camadas de material RAM ao longo de toda a estrutura.
    _ Tratamento das entradas de ar com uma camada RAM com uma espessura entre 0.7 e 1.4 mm.
    _ Tratamento da face do motor com material RAM
    _ Tratamento da carlinga com materiais electrocondutores que evitam a reflexão de ondas de radar.
    Estas medidas significam uma RCS entre 0.7 e 1 m2.
    Em termos de assinatura térmica a Sukhoi deverá ter utilizado materiais cerâmicos nas partes que atingem maiores temperaturas, como por exemplo, no escape do motor.

    Cockpit
    O cockpit do Su-35BM é um dos mais avançados no Mundo.
    O cockpit possui dois grandes LCD com 22.5 por 30 cm e uma resolução de 1400 por 1050 pixel, assim como um LCD de backup multi-funções.
    Os LCD têm por função receber, processar, e reproduzir dados de diversas formas, sejam elas gráficos, números, imagens de TV, etc. Também produzem e enviam sinais de vídeo em formato digital para a unidade de vídeo.
    O HUD possui um painel de controlo e um ângulo de visão de 30º por 20º, sendo o IKSh-1M.
    A coluna de controlo dos motores e a manche constituem um sistema HOTAS.
    O capacete possui uma mira incorporada (HMS) e um pequeno visor.
    O avião possui sistemas de navegação por satélite e rádio, sistemas de mapa digital, sistema óptico e electrónico para missões de reconhecimento num pod e sistemas de comunicação digitais.
    O avião tem dois rádios UHF e dois rádios VHF, sistemas de codificação de voz e rádio e o sistema Link-16 para troca de dados.
    Todos estes elementos assim como dados do radar, IRST e pods são controlados por 2 modernos computadores que permitem o processamento e transmissão de dados ao piloto nos momentos essenciais, aliviando a sua carga de trabalho.
    O avião possui fusão de sensores.
    Sistema de radar
    Um dos sistemas de radar que o Su-35BM poderá utilizar é o Phazotron NIIR NO31 Zhuk-MSFE, no entanto, a principal escolha é o Tikhomirov NIIP NO35E Irbis.
    O Irbis é um radar multifuncional que opera na banda X, sendo um PESA, ou seja, um radar de monitorização electrónica passiva.
    Devido aos sistemas hidráulicos em que o radar está montado, este pode deflectir até 120º na horizontal em relação ao eixo central do avião, e até 60º na vertical em relação ao eixo central do avião sendo que este valor pode aumentar até 120º devido a meios mecânicos e electrónicos.
    O Irbis possui a fenomenal potência de 20Kw, o que lhe dá a capacidade de detectar alvos aéreos com uma RCS de 3m2 até 400Km e com 0.01m2 até 90 km.
    Os alvos terrestres são detectados até 200 km.
    O Irbis monitoriza e persegue até 30 alvos aéreos ao mesmo tempo e permite o disparo de até 8 mísseis ar-ar activos em simultâneo e até 2 mísseis ar-ar semi-activos em simultâneo **.
    O Irbis monitoriza e persegue até 4 alvos terrestres e ataca 2 em simultâneo, sendo capaz de mapear alvos através de pulso Doppler e em modos SAR.
    O Irbis faz tudo isto sem nunca deixar de monitorizar o espaço aéreo, ou seja, é capaz de monitorizar e seguir alvos aéreos e terrestres previamente identificados enquanto procura novos alvos ao mesmo tempo. O sistema EKVS-E BTsVM Solo 35 é o responsável pelo controlo de fogo.
    O Su-35 BM tem também um radar na cauda, sendo que para esta função estão disponíveis os Phazotron NO12 e NO15 e o Leninets VOO5 que equipa o Su-34.

  493. gaitero

    Esta a se confundir clavis, andou bebendo kkkkkkkk

  494. gaitero

    Realmente o absinto que é vendido por ai é muito forte..

  495. pois é… confundi os dois pássaros!
    ora… pois se nem bebo… bêbado mesmo, só de sumo! 😉

  496. gaitero

    Existe uma diferença gigante entre os 30 e o 35, o 35 tem varios aviõnicos que serão ultilizados no pak-fa tem uma assinatura de radar muito menor, alem de ter equipamentos mais modernos e leve, oque permite uma manutenção mais rapida, reduz o peso do caça e permite-o carregar mais misseis.

    Na verdade o 30 não passa do 27 modernizado de fabrica essa é a verdade.

    já o 35 é um novo avião, ou praticamente novo.

    Então se comprarmos os 30 seria o mesmo que comprarmos um caça de 1980. com alguns ajustes.

  497. gaitero

    http://ultimosegundo.ig.com.br/mundo/2008/08/20/mortos_em_acidente_aereo_em_madri_chegam_a_146_1584215.html

    Virão??

    Pelo menos não é so no barsil que ocorrem desastres aéreos. Deu no jornal que passou de 151 mortos..

  498. gaitero

    Fab vai comprar mais 4 bh’s agora serão 10
    E os de ataque, bem já saiu o vencedor Mi-35.
    Mas ainda nada foi assinado.

  499. então não…
    adivinhem lá de onde tirei eu esta fotografia de um Mi-8 croata:
    Mil Mi-8 croata no aeroporto de Dubrovnik
    de um…
    MD-80

  500. Fred

    Nossa Claveis, mas vc viajou de Spanair ?

  501. Fred

    O acidente foi com um MD82, muito triste!

    lembro do acidente da tam aqui em sampa, outro acidente terrível!

  502. não… nesta:

    mesmo ao lado do reator, que se via da minha janela!
    o direito, não este esquerdo, curiosamente.
    MD-82?
    Já vi escrito MD-80 e até MD-90!…
    O “meu” era um MD-80 (estava na folha plastificada)

  503. Fred

    Bem, foi oque anunciou o G1

    http://g1.globo.com/Noticias/Mundo/0,,MUL730927-5602,00-VEJA+COMO+FOI+O+ACIDENTE+AEREO+EM+MADRI+SEGUNDO+A+IMPRENSA+ESPANHOLA.html

  504. gaitero

    http:/desastresaereosnews.blogspot.com/2008/08/avio-que-pegou-fogo-na-espanha-teve.html

    Bom esta tudo aqui inclusive 33 fotos.

  505. gaitero

    O acidente

    O acidente ocorreu pouco antes das 15h locais (10h de Brasília), quando o avião, um McDonnell Douglas MD82 da companhia Spanair com destino a Las Palmas, com 164 passageiros e nove tripulantes a bordo, caiu perto de uma das pistas do aeroporto madrilenho de Barajas e pegou fogo.

  506. gaitero

    Aeronave MD-82 está fora de linha há nove anos

    Este é o pior fato, pelo menos aqui em sampa caiu um arbus A-320

  507. gaitero

    http:/desastresaereosnews.blogspot.com/

    Bom eu tentei xD.
    mas é este o site, varias informações, é so caminhar por ele

  508. estas imagens?
    http://noticias.uol.com.br/album/080820espanha_album.jhtm?abrefoto=32
    o wordpress deve temer que seja spam e bloqueia o link automático…

  509. gaitero

    Este é um comentario do fórum.

    O Rafale e o Gripen são inferiores ao SH, o SU-35 deve ser visto na FAB com desconfiança e o F-35 é um projeto em desenvolvimento. O SH deve vir com força na concorrência para não dizer como favorito.

  510. gaitero

    Com relação aos helicópteros

    As compras de helicópteros de transporte foram adiadas à espera da fábrica de Super Cougar em Itajubá. Serão 50 no total, 26 para o EB, 12 para a FAB e 12 para a Marinha. Os helicópteros de ataque serão 12 Mi-35 e não terão armamento incluído.

  511. quanto à falta das 6 fragatas nesta lista, entranho-a muito. As novas fragatas deviam ser o cerne dessa força naval, especialmetne se ela contar mesmo com um novo NAE. Como defendê-lo de ameaças de superfície e submarinos com esses meios? como erguer uma força tarefa sem fragatas modernas?
    o SH como favorito?
    Espero que não… além de não ter o “glamour” de um rafale ou Su, é baseado num avião que já deu o que tinha a dar… a prova disto está no facto de os EUA estarem a evoluir para o o F-35 e Raptor e não para uma nova geração de F15 (a K) e para Super Hornets (sendo o último encarado como uma transição para o F-35, ao que sei)

  512. gaitero

    Bom concordo que o SH já esta em final de carreira, mas convenhamos pelo seu custo beneficio ele é melhor que o Rafale a isto é.

    Se o Su-35BM vencer ficarei preocupado só pelo fato da manutenção, mas se o governo bancar o custo, ficaria feliz.

    Mas quero deixar bem claro eu estou com o gripen NG e não largo mão.

    Se o SH vencer, pode ter certeza de que existe ai um peso do governo dos EUA sob o brasileiro.

    E bem clavis, ao contrário do que nós diziamos, serão somente 36 unidades, sem as outras 84.
    O que reflete talvez, que os outros serão uma evolução da 1 compra, se for rafale F3, será o rafale F4, se for Su-35BM, será o PaK-Fa, se for F-18, será o ”F-35????” e se for gripen NG? Estou ficando preocupado com meu gripenzinho, acho que agora as coisas viraram novamente a mesa.
    Eles são mais espertos do que eu pensava ^^.
    Acho que os Russos ganharam alguns pontinhos.

    Com relação ao post sobre a marinha, deve ter algo errado mesmo, muitos debates estão criticando a matéria.
    E depois, as fragatas são prioridade maior que o Nae, até porque, as despesas de um Nae equivalem a dezenas de fragatas.

  513. gaitero

    Bom mas em quanto nós comentameos sobre hipóteses, chegam as 3 primeiras certezas recem compradas, são os 3 ”novos” caças de um total de 11 comprados da jordânia.

    Na noite de ontem (19 de agosto), exatamente às 22h51, pousou no Aeroporto Internacional de São Paulo/Guarulhos (Cumbica), um cargueiro Antonov An-124-100 Ruslan da companhia aérea Volga-Dnepr, que após a aterrisagem, foi estacionar no pátio do 4º ETA, na Base Aérea de São Paulo (BASP), onde imediatamente se procedeu ao descarregamento de sua preciosa carga – os três primeiros caças Northrop F-5E Tiger II adquiridos da Jordânia pela Força Aérea Brasileira (FAB).

    ASAS acompanhou com exclusividade a chegada do An-124 e seu descarregamento, registrando com total ineditismo a chegada destes primeiros F-5E “jordanianos” (no total, foram adquiridas 11 aeronaves).

  514. Ronaldo

    Gaitero,
    O Gripen está decepcionando na RedFlag, seu indíce de disponibilidade está muito baixo, muito até para os F-5EM, que ficou em 77%.

    Quanto as matérias na “imprensa oficial”, não devemos dar muita atenção, como já disse, o lobby dos concorrentes está solto e “compra” algumas reportagens. Além disso, os reporteres nada entendem do assunto defesa, como aquele que colocou na matéria 1200 tanques MTB na Amazônia.
    Risível……
    Sds.

  515. Fred

    Estou falando, não dá para levar em conta essas reportagens!

    Prestam mais um deserviço com essa rídicula afirmação que a industria belica nacional não traz retorno para a população, só gastos!!!

    Uma vergonha!

  516. Ronaldo:
    mas:
    “I have just red an article about Red Flag Alaska in the Swedish Armed Forces magazine. The swedish ground crew in red flag did very well, the americans were very impressed by the swedes weapon handling. The swedish commanders were very pleased by the performance of the exercise. Everything went just fine.”
    http://www.defencetalk.com/forums/showthread.php?t=5261
    a opinião parece não ser unânime…

    fred:
    é isso. dá emprego, emprego qualificado, know-how replicável noutras industrias, reduz as importações, aumenta as exportações, etc

  517. Rodrigues

    Gostaria de saber sobre a reformas dos f5, e se os que chegaram tambem vão ser modifiacado para o modelo f5em?

  518. nosle

    Gaitero,
    “E bem clavis, ao contrário do que nós diziamos, serão somente 36 unidades, sem as outras 84.
    O que reflete talvez, que os outros serão uma evolução da 1 compra, se for rafale F3, será o rafale F4, se for Su-35BM, será o PaK-Fa, se for F-18, será o ”F-35????” ”
    O pensamento correto é esse, essas 24 a 36 unidades são somente para dar uma resposta à Venezuela a o Chile, mais a grande aquisião vai ser entre 2018 a 2025 quando serão substituídos os F-5, AMX e M-2000.
    É por isso que estratégicamente a melhor escolha é a russa.
    Existe um ditado no Brasil que diz mais ou menos assim: “um cavalo selado só passa na sua porta uma vez”.

  519. nosle

    Rodrigues,
    As notícias que tenho é que foram modernizados até agora mais ou menos 24 F-5 , ou seja metade do previsto, o programa esta atrasado. Essa aquisição deve ser para complementar a frota, para que se possa ter mais aeronaves sendo modernizadas simultâneamente.

  520. Rodrigues

    Beleza. No nosso Brasil tudo é lento, pricipalmente um programa como este que é importante para nossa Defesa.

  521. Sendo que a lição do que serve ter um exército terrestre mais ou menos moderno sem defesa aérea correspondente recolhidas no recente conflito na geórgia deviam ser aprendidas…
    simplesmente, atualmente, os escassos Mirage2000C já não são suficientes. É urgente modernizar os F-5, enquanto o F-X2 não “bota mesmo nada cá para fora”…

  522. gaitero

    Bom ai vai um pequeno relatório:

    Inicialmente orçado em US$ 285 milhões para as 46 unidades então disponíveis, o programa de modernização do F-5 foi iniciado em 2003. Na época, oito aeronaves foram inicialmente entregues à Embraer e iniciaram os trabalhos de modernização em Gavião Peixoto.

    Em 4 de dezembro de 2003, a Embraer apresentou à FAB, na fábrica de São José dos Campos – SP, o primeiro protótipo da aeronave F-5M, modernizada.

    Já em outubro de 2007, foi confirmado o fornecimento de 11 F-5 pela Jordânia, sendo 8 F-5E e 3 F-5F. Cada avião foi avaliado em US$ 1,9 milhão em um total de US$ 21 milhões. Assim, o total de F-5 da FAB remonta agora a 57 aeronaves, sendo 51 E e 6 F.

    Todos os 6 F-5F bipostos deverão ir com o tempo para o 1º/4º Grupo de Aviação da Base Aérea de Natal, já Modernizados. Assim, o treinamento de combate da FAB será todo feito no CATRE (Centro de Treinamento e Recompletamento de Tripulações) de Natal. Esta Base é hoje sede do 2°/5 Grupo de Aviação, que foi o primeiro a dispor dos AT-29 Super Tucano.

    Com o F-5M, estão sendo introduzidos com grande atraso modernos mísseis antes inexistentes na FAB. Primeiro, veio em 2006 um míssil AMRAAM BVR que é o DERBY e, futuramente, um míssil ABVRAAM, que pode vir a ser o METEOR.

    Ambos podem operar com Enlace de Dados junto aos R-99, vendo-se multiplicado o poderio aéreo da FAB, mas ainda em estágio inicial para os desafios que se apresentarão nos próximos anos.

    Um total de 12 aeronaves ficariam prontas em 2005. O 1º/14º GAv (1º Esquadrão do 14º Grupo de Aviação), Esquadrão Pampa de Canoas, recebeu o primeiro F-5M, mas deveria ter sido contemplado com outros 7 aviões ainda em 2005. Mais 18 deveriam ter sido entregues à FAB em 2006 e 16 em 2007.

    Entretanto, os atrasos continuaram e se agravaram, sendo que, até o início de março de 2008, somente 23 unidades do F-5M haviam sido entregues à FAB pela Embraer, metade da frota original. Isso pode significar que os trabalhos planejados para terminarem em 2007 ainda levem mais 3 anos.

    E sim todos os 57 F-5 serão modernizados.

  523. gaitero

    Tudo sobre o programa você encontra aqui

    http://defesabr.com/Fab/fab_f5br.htm

  524. e também gostaria de saber em que bolamas anda a modernização deste modelo de F-5…
    http://en.wikipedia.org/wiki/HESA_Saeqeh
    até agora parece haver 3 protótipos… desde 2004?
    Ou a coisa abortou ou não passou tudo de um golpe de marketing (três F-5s alterados apenas visualmente)

  525. gaitero

    Faltou a foto. xD

  526. Rodrigues

    Eu acho que os A4 e os AMX tambem vão atrasar, e vai chegar ao ponto de não servir mais essa modernização.

  527. se calhar esses projetos estão a vegetar por causa da reserva de recursos para o F-X2… o que até faz algum sentido, admitamos…

  528. gaitero

    Bom, se for melhor.

    Mas agora aqui no Brasil so se fala em campo Tupi, Carióca, essa montuera de possos de petróleo no pré-sal, recem encontrados, e acho que por isto os navios patrulha serão a prioridade numero 1.

    Se for para comprar mais caças modernos, então tomara que os 400 milhões de dólares dos AMX nem saiam do papél.
    Afinal já daria para comprar mais 6 a 8 Su-35; ^^ com os 2.6 bilhões de dólares. Daria para comprar 48 Su-35 BM; veja que fantástico.

  529. Rodrigues

    esse FX2 é para proxima decada, os F5 tinha que ser para esta.

  530. gaitero

    O problema é que ja estamos na próxima.

    Então já que nada foi feito, que se altere os sistemas, Quanto a modernizar os F-5, é uma boa posição afinal os novos caças virão a partir de 2012, 2015 e se comprado as 120 unidades, o ultimo chegará lá para 2025.
    Agora os Amx, são sem qualidade xD.

    Sou mais o treinador avançado KAI T-50 “Golden Eagle”, desenvolvido na coréia com o apoio técnico da norte-americana Lockheed Martin, que por sinal tem uma base na argentina, ta ai uma boa opção ou senão o trinador da alena o M-346, em praceria com a embraer tambem seria uma boa.

  531. Rodrigues

    Parece que quem vai vencer FX2 é mesmo rafale, segundo o ministro Jobim.

  532. Fred

    Pode até ser, mas acho que ainda não decidiram nada!

  533. alguma fonte nova?
    só conheço aquelas que davam a luta como restrita a rafale / su-35…

    http://www.bf2brasil.com/forum/showthread.php?t=45590
    e outras do género…

  534. nosle

    É pelo jeito que vai o programa de modernização os AMX só ficarão prontos em 2020, época que estava prevista sua substituição já modernizados, os A-4 desse jeito não vão nem sair do papel, se for para atrasar assim é melhor poupar o dinheiro para mais FX-2.
    Moderniza os F-5M e só.

  535. sim… era o que eu faria…
    seria um investimento cujo reflexo duraria bem mais tempo…
    e criaria mais emprego (se os F-X2 fossem montados localmente, pelo menos)

  536. nosle

    A questão dos FX-2, acho que vai levar quem apresentar melhor proposta de transferência de tecnologia, e os franceses parecem estar dispostos. O problema é que vamos adquirir tecnologia de uma geração que já esta sendo superada, aprender a tecnologia de 5° geração sobre a tecnologia stealth, motores supercruise e super manobrabilidade é que faria nos dar um enorme salto, seja para um futuro UCAV ou de aeronaves tripuladas. Nem precisando falar da capacidade de dissuasão.

  537. mas a boa noticia é que a tecnologia do rafale ainda não está ao nível da dos fabricantes brasileiros. Se em 10-15 anos, estes conseguirem recuperar esse atraso, alcançam o patamar tecnológico necessário para obter a auto-sustentabilidade e poderem depois usar essa tecnologia não somente no ramo militar, como até no civil.
    seria melhor “clonar” um Su-35, mas o facto de se ter que manter (dificilmente) estes aparelhos, compensaria?
    e neste contexto, o Gripen navega (voa…) nas mesmas águas do Rafale, sendo-lhe idêntico, mas com a desvantagem do menor alcance (problema resolvido no NG) e de não ser embarcado (limitação não resolvida…)

  538. nosle

    É verdade, mas meu medo é que quando conseguirmos absorver e aprender esta tecnologia, daqui a uns 15 a 20 anos, ela já esteja ultrapassada com os europeus estando nos UCAVs e os americanos e russos na maturidade da 5ª geração e UCAVs, estaremos sempre um passo atrás.

  539. nosle

    http://www.defesanet.com.br/md1/jobim_3.htm
    Os franceses estão na frente mesmo, os russos não tem muita habilidde para negociar e parecem que vão perder um grande negócio, mesmo a contra gosto da força aérea que não gosta dos franceses.

  540. Fred

    Convenhamos que essa reportagem da ISTO É, não é lá muito precisa.

    Acho muito prematuro um descarte dos outros proponentes sem nem apreciação das propostas, A FAB é uma instituição séria, não lançaria um RFI a toa, veremos isso quando ela soltar o RFP, ‘quando estarão apenas as empresas finalistas.

    Sobre o Submarino, acho muito mais fácil ser o Marlin que o Scopène, franco-espanhol!

    Na minha humilde opinião estão mesmo é levantando areia, enquanto a caravana passa! 🙂

  541. gaitero

    Será que ele tem capacidade para fala sobre defesa??

    Nunca vi este repórter antes, acho muio improvável que se diga o vencedor 4 mêses antes de sair os finalistas.

    Os Submarinos, bem só haverá grande transferência de técnologia se for os marlim, caso seja os scorpones, talves tenhamos muitos problemas com os espanhóis.

    Lembrando que os sub scórpone chilenos apresentaram alguns problemas, que praticamente genéricos. Quero dizer, problemas distintos, sem motivos, coisa aceitável em um progeto novo, mas inaceitáveis se este for o início de um submarino nuclear, que não permite erros de contrução.

  542. gaitero

    Bom estamos chegando a uma incruzilhada, e começam a aparecer varias dificuldades.

    Se estes 3 submarinos forem comprados + os 28 patrulha já quase certos em praceria com a petrobrás para proteger o TUPI. Então resume-se que não haverá dinheiro para a compra das fragatas.
    Desta forma, a opção mais correta pensando sempre nos moldes da mb, na facilidade de logóstica e nos parceiros em potêncial, provávelmente compraremos as 4 T-22 B3 inglesas.

    Com relação aos caças, cada vez mais vejo que o T-50 é um salto muito grande, e que nossas pernas não o alcançaram com apenas um passo. Ou seja antes de desenvolver um novo caça precisamos absorver muitas informações que demoram muito e que custam muito dinheiro.
    Então desta forma os Russos não estão mais com tanta vantagem, e pegar um caça em desenvolvimento como é o caso do Rafale ou gripen NG torna a coisa mais aceitável.

    Como eu escutei hoje de um comandante do 20 batalhão de infantaria blindada. Não temos nem capacidade para produzir freios ABS nacionais, e querem contruir um caça?

    Talvez, eu digo taaalvez, o rafale e a França nossa parciera des do começo das forças armadas a várias decadas atrás. E com o fato de termos a guiana francêsa ao nosso lado, o medo de um possivel ataque venezuelano, os acordos estratégicos, a venda dos helicópteros com a contrução de uma industria aqui, as possibilidades deles vir a usar o Nae são paulo para treinamento, representam que com a França temos muito mais chances de conseguir algo melhor para nossa industria.

    Como disse jobim, queremos oque é melhor para nossa industria mesmo que este não seja o caça mais moderno do mundo.

  543. sim, as novas fragatas começam a “sair fora do baralho”… o dinheiro pode não dar para tudo. pelo menos não nesta fase…. e isso explicaria a omissão das fragatas daquela lista.
    e compreendo a tua posição… sim, essa posição aponta mais para um gripen ng ou para uma nova versão do rafale, feitas em parceria com o Brasil. parece mais realista… mas se a Índia consegue alinhar com a Rússia, não o conseguirá fazer tb o brasil? é que os retornos (tecnológicos e financeiros) de longo prazo serão certamente maiores com o pak-fa do que com um novo rafale ou gripen…

  544. ” Como principal parceiro no plano militar para as próximas décadas foi escolhida a França de Nicolas Sarkozy. É de lá que virão equipamentos como submarinos convencionais, helicópteros e, quase certo, também os caças supersônicos. Sarkozy ganhou a disputa ao garantir ao presidente Lula que a França não criará nenhum obstáculo à transferência de tecnologia para o Brasil.”
    http://www.defesanet.com.br/md1/jobim_3.htm
    de facto, a matéria define claramente a vantagem francesa (e as razões da mesma) nesta fase do processo…

  545. gaitero

    Nossa, eles leram meu post e publicaram isto kkkkkk

  546. Ronaldo

    Caro Clavis,
    Andei alguns dias fora….. sobre os Gripen na Red Flag, o comentário é em off. Digamos que “alguém” da FAB ou não, ficou por lá para ver mais…… entendeu!! Creia-me a fonte é confiável.

    Sobre o FX-2, certomesmo que a LM desistiu de oferecer o F-35, diz que a tecnologia do mesmo não pode ser repassada como diz o RFI da FAB.
    Oferecem o F-16BR, aquele dito “soufa”…..
    Na verdade o F-35 só nos estaria disponível lá por 2020, então, segue o baile e a dança das cadeiras…
    Abraço.

  547. nosle

    Foi mesmo.. a LM tirou o F-35 do jogo, não querem repassar a tecnologia, agora na minha opinião os EUA fazem uma política equivocada, acabam empurrando os países independentes para o lado da Rússia. Foi o que fizeram com a Venezuela, quando vetaram a venda de AMX e depois de Super Tucanos por possuírem tecnologia americana, perderam a oportunidade de manter a Venezuela sobre controle com aviões de média intensidade, e agora temos aviões russos de capacidade muito superior ao AMX na nossa fronteira, fazem o mesmo com o Brasil, por isso que eu digo que só temos duas opções sob a ótica de transferir tecnologia, a opção russa ou a francesa. Entendo o pensamento de Jobim mas acho que o Brasil não pode ficar preso a um único fornecedor, os russos garantem mais independência, a França pertence à Otan, e num eventual conflito de internacionalização da Amazônia, perderíamos a força aérea logo de início.

  548. gaitero

    Primeiro, como já discutimos em outros post.

    Se nos atacarem para conquistar a amazônia, nós a destruiremos antes do final da guerra.

    Mas você está correto quando diz que a postura americanda foi extremamente equivocada, se eu fosse presidente dos EUA teria oferecido o F-22 com desconto, para que comprassemos todos os equipamentos de lá, agora ele só nos empurrou, como fez com a venezuela, para os braços dos Francêses ou Russos.

    Mas convenhamos ninguem, nem na FAB nem na MB e nem no exercito (sem fonte), ouvido diretamente de soldados, cabos e comandantes, tem esta tal confiança mutua que os Venezuelando querem nos passar a respeito dos Russos.

    Embora ainda precisemos comprar algo russo, e pessoas la de dentro, mas sem entrar em detalhes afirmaram que até o final do ano vem coisa russa para o eb.

    Já para mb, os submarinos quase certos, serão frencêses, existe até uma vontade política de acelerar os nubmarino nuclear para que fique pronto até 2016, mas isto é outra história.

  549. gaitero

    E nosle,

    *França pertence à Otan, e num eventual conflito de internacionalização da Amazônia, perderíamos a força aérea logo de início.

    Creio que se inernacionalizassem a amazônia ela teria de ser feita não só com a brasileira mas sim com toda a amazônia, que tambem localiza-se a guiana francêsa, eles tambem temem algo parecido.

    Vide EUA e Inglaterra, o resto nem liga para amazônia.

  550. Pjms

    Boa Tarde a todos.

    Gostaria que vcs podessem tirar algumas dúvidas sobre esta possibilidade de acordo Dassaut/Embraer:

    1)O Fato de a Embraer, poder fabricar os Rafale irá baratear os custos de unidade de cada caça ou o que tenhamos a ganhar será somente o repasse de tecnologia?

    2)A autorização por parte da Dassaut, para a Embraer para fabricão destes possíveis 120 caças, poderiamos no futuro, fabricar e vender estes aviões sobre licença?

    3)Se a resposta, na questão nº 2 for positiva, quanto seria, mais ou menos o preço de um caça Rafale made in Brazil para a Fab?

    Paulo

    2)

  551. gaitero

    a criação formal da IV Esquadra, além do recado “estamos atentos também ao mar”, tem mais a ver com a organização do Comando Sul e sua capacidade de acompanhamento/avaliação (Inteligência) e planejamento no que tange ao mar, do que com a constituição de força estável e significativa, que pode ser formada rapidamente, se e como necessário.

    Como disse uma autoridade naval brasileira, devemos nos preocupar mais com a situação de nossa “única” esquadra, do que com a IV, norte-americana.

    DESABAFO;

    ESTA AQUI É PARA UM CARA CHATO QUE DISCUTIU COMIGO A UM TEMPO ATRÁS, SE VOCÊ ESTA LENDO ISTO, ME DESCULPE POR ESTAR CERTO, SEU SENSACIONALISTA E ANTI AMERICANISTA.

  552. gaitero

    PIJMS;

    Não tenho muitas informações sobre o pós FX-2, más, pelo que tudo indica, os caças não serão fabricados sob licensa no Brasil e sim montados no Brasil, os equipamentos virão todos de fora, apenas os 10 requisitos passados pelo governo é que terão de ser compridos.

    Desta forma o preço de cada caça vai ser teoricamente semelhante ao atual, so com a variação do salário, mas que será compensada pela logística.

    Não haverá produção em série, somente transferencia de tecnologia.

  553. gaitero

    Hoje, às 10h, em Brasília, o ministro da Defesa, Nelson Jobim, preside a solenidade do Dia do Soldado no QG do Exército.

    O Exército se prepara para reestruturar suas brigadas, adquirindo material de emprego militar e reforçando seu sistema operacional. A Força calcula que seu reaparelhamento vai custar R$ 6,7 bilhões. O sinal verde para este investimento saiu do Planalto. A prioridade para a aquisição de material e armamentos será para os produzidos pela Base Industrial de Defesa nacional, como prevê o Plano Estratégico de Defesa, que será entregue ao presidente no 7 de Setembro.

    Na data, Lula chamará “de nova independência”, em discurso transmitido por cadeia de rádio e TV, as descobertas de bilhões de barris de petróleo na camada abaixo do sal na costa brasileira. O pronunciamento sobre as reservas será o sinal, apostam os comandantes, que o reaparelhamento dos quartéis passou a integrar as políticas do Estado brasileiro.

    Puts calula-se que passe de 3 trilhões de dólares em petróleo, isto se vendido a 100 dolares o barril.

  554. gaitero

    Jobim disse que a Marinha presta serviços relevantes à Petrobras e merece ser remunerada.Após a solenidade do Dia do Soldado, no quartel-general do Exército, o ministro defendeu que em apenas dois anos, até o fim do governo Lula, os investimentos do país em defesa saltem de 1,5% para 2,5% do PIB. Entre os planos para gastar esses recursos, ele listou a compra do submarino nuclear da Marinha, a instalação de mais pelotões de fronteira em terras indígenas, o aumento do serviço militar, com recrutamento para funções civis, e a realização de mais operações de simulação de guerra. Jobim defendeu as despesas recentes com a Operação Poraquê, que gastou R$ 10 milhões para simular uma invasão da Amazônia.

    – Isso é investimento na tranqüilidade. Só quem pensa pequeno é que faz esse tipo de conta. Você acha que a gente só vai adestrar quando houver conflito? A política brasileira é de força disuasória. Se você tem um Exército que não faz nada, não tem capacidade disuasória nenhuma. Ano que vem nós teremos mais. Mais e mais. Cada vez mais, nós temos que aumentar o processo de integração entre as Forças – disse o ministro.

  555. nosle

    gaitero,
    tbm acho improvável um conflito na Amazônia, só citei porque é uma das principais hipóteses de conflitos imaginado pelas FA, no exército com certeza é a principal.
    A questão da desconfiança dos russos tbm é outro ponto sempre abordado. Na minha visão o problema da Rússia é dinheiro, é isso que eles não tem para terminar o PAK-FA sozinhos. A China hoje fabrica caças com tecnologia absorvida dos russos, produziu sobre licença mais de 200 sukhois, a Índia comprou 40 su-30 e hoje esta disposta e pressionando os russos para adiantar o PAK-FA. Então não acho que eles sejam esse bicho papão que tantos falam.
    O problema para mim é outro, simplesmente o Brasil não tem condições financeiras e disposição política(muito mais a segunda) para desenvolver um caça de quinta geração e o sub nuclear, infelizmente vamos ter que escolher um dos dois, e o sub já esta mais adiantado.
    Mas de qualquer forma com os Rafales tbm avançaremos bastante, além de abrir uma excelente opção para a Marinha no futuro ter caças de verdade. O fator positivo é que abre-se uma saída para o porta aviões, que pelo jeito que vai não terá substituto depois do São Paulo. Seria um enorme avanço a Embraer produzindo em 2020 rafales navais para um novo PA brasileiro, um sonho…

  556. gaitero

    Bom pelo que eu postei no outro post.
    Agora temos condição
    atualmente
    1.5% do pib é investido na FA algo em torno de 40 bilhões anuais.
    A previsão do governo é que este valo chegue à 65 bilhões anuais em 2010, um aumento de 25 bilhões por ano.

  557. nosle

    É verdade, mas será que é uma questão de estado mesmo? será que os governos posteriores seguirão esta tendência? Será que esse momento só esta acontecendo hoje porque temos um único ministro da defesa acima da média brasileira? Será que outros ministros da defesa terão a mesma força política e capacidade de convencimento que o atual?
    Vamos ver se essa nova política se votada pelo congresso consiga se tornar em uma obrigação para todos os outros que vinherem depois.

  558. gaitero

    Te afirmo que os governos posteriores ainda serão do PT e não deve haver mudança nem no ministério da defesa.

  559. penso que haverão aqui também dois outros factores:
    1. existem recursos no mar, que urge defender. Estes são mais numerosos e maiores do que no passado
    2. existem mais recursos financeiros disponíveis (frutos do ponto 1)
    3. existe, sobretudo na Venezuela, uma espécie de “corrida armamentista” que desiquilibrio o equilibrio regional anterior
    4. a obsolescência de meios, tornou-se agora, flagrante.

    e acabei por dar 4 razões…

  560. gaitero

    Escutem oque eu digo, dessa vez é para valer, eu sinto isto.

  561. se não for, os tubarões que cercam o Brasil, irão avançar, cedo ou tarde, fraca ou fortemente, mas irão avançar.
    tendo a imensamente ávida China sempre lá longe, no horizonte, espreitando qualquer sinal de fraqueza…

  562. gaitero

    Brasil conclui plano para modernizar os militares
    Projeto será entregue a Lula no Dia da Independência.

    AIAIAIAIAIAIAIAIAIA

    QUE VONTADE DE INVADIR O MINISTÉRIO DA DEFESA.
    OQUE SERÁ QUE TEM NESSE PROJETO.

    O presidente Luiz Inácio Lula da Silva receberá no próximo dia 7, quando se comemora a Independência do Brasil, o Plano Nacional de Estratégia de Defesa, considerado pelo chefe da Secretaria de Assuntos Estratégicos da Presidência da República, ministro Mangabeira Unger, “uma iniciativa sem precedentes na nossa história”.

    – Trata-se de proposta de qualificação abrangente das Forças Armadas, por meio do vínculo indissolúvel entre o desenvolvimento do país e a Defesa – disse.

    Segundo o ministro, a estratégia não está sendo formulada a propósito de qualquer sentimento de ameaça por qualquer país do mundo.

    – Na América do Sul ou em qualquer parte do mundo não temos inimigos – explicou. – Por isso, o nosso trabalho tem como foco o futuro do Brasil. Nós nunca tivemos em toda a nossa história nacional uma grande discussão civil a respeito da Defesa e agora estamos determinados a ter.

    Mangabeira afirmou que a proposta foi encomendada por Lula no dia 6 de setembro do ano passado, e não objetiva apenas equipar as Forças Armadas. Ela envolve a qualificação e a reorganização das Forças Armadas

    – Tudo em torno de uma cultura militar pautada pela flexibilidade, pela imaginação e pela audácia – acrescentou. – Elas devem ter capacidade para surpreender e desbordar.

    A estratégia de Defesa prevê a reorganização da indústria brasileira de defesa quanto na parte privada quanto na estatal, conforme o ministro, e propõe também o aprofundamento do serviço militar obrigatório.

    – Se o Brasil quiser desbravar um caminho próprio no mundo, precisa poder dizer não quando tiver que fazê-lo e ter escudo contra ameaças e intimidações – esclareceu. – Precisa ter espaço para afirmar nossa originalidade coletiva.

  563. não tem inimigos?
    esperem que o petróleo chegue aos 200 dólares e que prossigam as descobertas na zona económica marítima brasileira e vejam se eles não saltam logo de debaixo do tapete…
    mas o discurso é bonito… terá também substância?
    e lamento não haver qualquer inscrição a uma vertente lusófona de Defesa ou de política externa, a minha (nossa, do MIL), grande prioridade nestas áreas…

  564. nosle

    Atualmente não temos, mas como clavis disse o cenário esta mudando, por isso concordo com a visão de Unger, vamos desenvolver agora em quanto temos tempo, afinal a estratégia de defesa brasileira é baseada na dissuasão, então uma marinha furtiva, difícil de ser subjugada e capaz de manter perigo constante para quem navega no Atlântico Sul(força baseada submarinos), e uma força aérea moderna, com poucos caças mas bem distribuídos pelo país, com capacidade de operar dispersos e bom armamento ar-ar e anti-navio, sem esquecer da defesa anti-aérea que até hoje o Brasil não tem (mix do S-400 com Buk-M1 seria o ideal), as grandes potências pensariam duas, três, quatro vezes e desistiriam da opção militar.

  565. agora é o momento. sobretudo quando falamos de decisões e tecnologias que só têm reflexo em prazos tão dilatados como 10 ou 20 anos!
    e é por causa do desinvestimento em defesa na década de 90 (no Brasil e em Portugal também, aliás) que hoje temos forças aéreas outdated… em Portugal a situação é um pouco melhor, por causa dos MLU colocados nos F-16s e da recente chegada aí dos 2000C, mas os dois países continuam a estar abaixo daquilo que os territórios e populações exigem.

  566. Pjms

    Bom dia a todos.

    Segundo site defesanet:

    “tendo em vista sua perspectiva de país grande. E é por isso que, no final do ano, em dezembro, comparecerá ao Brasil Sua Excelência o presidente ( da França, Nicolas) Sarkozy, e o Brasil firmará grande acordo estratégico com a França, que envolve não só trocas e trabalhos na área de defesa, mas fundamentalmente a possibilidade de ampliação de nossa base industrial de defesa em aliança com os franceses. Os franceses e a França são o país que, nos diálogos que fizemos pelo mundo, com a Índia, com a Rússia, com a Suécia, com os Estados Unidos, em todos eles só encontramos efetivamente com os franceses uma transparência, uma disposição real de uma parceria estratégica com o Brasil”.

    Depois dessa matéria, já estou considerando o Rafale como vencendor do FX 2

  567. pois.
    mais uma pista nessa direção…
    estou mesmo capaz de colocar aí todos os meus palpites…

  568. gaitero

    Nolse, não posso adiantar agora, mas em novembro teremos surpresas para o EB, e vem da Russia.

    Eu sinto falta de um conselho de defesa lusofonico. Mas quanto ao petróleo, acho que já deveria existir um conselho de defesa com os membros da opep não acha?
    Agora, clavis, eu concordo com unger, nós não temos inimigos, e não pretendemos ter, somos um país pacifico, e acho que antes de atacar o Brasil, os ”caçadores de petróleo” ainda tem muitos países com mais petróleo que nós, e com capacidades bem menores de se defender.

  569. gaitero

    2 ultimos mirrages chegam ao Brasil

    O ministro elogiou a transparência da França e sua disposição de avançar, na área aeronáutica, da mesma maneira que avançou no acordo para a transferência de tecnologia destinada à produção de um submarino brasileiro de propulsão nuclear. Mas o ministro NEGOU QUE HAJA DECISÃO TOMADA EM RELAÇÃO AOS FRANCESES PARA AQUISIÇÕES DOS NOVOS AVIÕES.
    “A partir de janeiro nós vamos abrir a discussão em relação ao F-X. Evidentemente os franceses estão na concorrência; agora, tudo vai depender das conveniências ao Brasil”, concluiu.

  570. gaitero

    Acredito que o Jobim disse que a França está ganhando para que os outros países ofereçam mais vantagens e desta forma se crie uma rivalidade, com cada candidado oferecendo mais e mais, até que se chegue no limite da barganha.

  571. e pergunto-me se estes rumores contraditórios entre rafale e sulhoi não serão lançados intencionalmente por alguém de dentro do Governo, mesmo para acicatar a concorrência e a oferta de contrapartidas entre estes dois candidatos ao F-X2…
    maquiavélico, hem?

  572. Pjms

    Gaitero:

    Vc pode está correto, porém, como existe a Embraer, que possívelmente será a fabricante/montadora deste caça, considero o Rafale como 90% vencedor deste Fx2.
    Temos que verificar também, que é grande a possibilidade, de nofuturo ser o caça naval para embarque no São Paulo, já que o limite de Peso máximo/descolagem: 23800 Kg.

  573. Rodrigues

    Eu acho que o rafale sera a melhor escolha, embora não se compare com um caca tipo f35, mais se nos tiver em grande QUANTIDADE, ja que vai ser construido aqui no brasil, pode fazer a diferenca em um combate. E no futuro, nos poderemos construir o nosso proprio caca de 5 geração,quem sabe.

  574. atualmente, o Brasil (a Embraer) é capaz de produzir um caça de 3,5 geração. Se adquirir todo o know-how para construir localmente o Rafale, dará o salto de uma geração, para a 4,5. Esse verdadeiro salto quântico pode ser decisivo para obter tecnologia que tornará viável, mais tarde construir em verdadeira parceria o PAK-FA ou que seja usada, p.ex. para o setor civil…

  575. Rodrigues

    Estou achado lega esse blog porque encontrei pessoas com grande conhecimento em defesa, e quer ver o nosso BRASIL, uma potencia.

    Selvaaaaaaaaaaaa.

  576. é verdade.
    excluindo-me a mim próprio dessa lista, que inclui pessoas das quais aprendo um pouco mais, todos os dias.
    e falo do fred, do gaitero, do nosle, do Pjms, do ronaldo, etc

  577. Fred

    Clavis, no meu pouco entendimento, o tal salto é que é o problema, todo desenvolvimento tecnológico do Brasil é assim, sempre aos saltos! E isso deixa-me nos cascos, e muito!

    Não há, na defesa, aquisição continuada de tecnologia! Pelo menos até agora! Tudo é sempre assim, aos saltos!E falo de navios a aviões!
    Agora com essa tão anunciado plano estratégico vislumbro uma mudança nesse cenário.

    Mas isso sou eu, um esperançoso! 🙂

  578. bem, mais vale saltar, do que ficar parado… o que importa é que se saia da dormência, e se avance, penso eu…
    esse plano tem um sustento financeiro que nunca houve na mesma escala. É isso que é animador.
    Houvesse tal sustento aqui nesta banda do Atlântico… e espírito de visão além de um mero horizonte contabilístico de curto prazo…

  579. Fred

    Não tenho conhecimentos sobre a europa, pelo menos não tanto quanto gostaria 🙂 , mas intuo que esse problema de falta de visão a longo prazo tem razões um tanto belgas, digamos assim! 😉

  580. nosle

    Tbm achei o blog muito legal, realmente meu conhecimento e minhas informações aumentaram muito.
    .
    As falas de Jobim demonstram que os franceses estão na frente, a transferência de tecnologia, a aliança estratégica, a Embraer, e o PA São Paulo os colocam como favoritos.
    .
    Mas concordo com gaitero, Jobim pode esta deixando vazar isso para que os concorrentes melhorem suas propostas, pelo menos em relação aos caças.
    .
    Tbm concordo com o fred, esses saltos são um problema, não temos continuidade nos projetos, o Brasil não faz aquisições para financiar o desenvolvimeto de novas tecnologias, o AMX quando foi projetado, era previsto 82 aquisições, até hoje a Embraer espera esse ultimo lote, que seria perfeitamente viável, adquirindo a versão AMX-T que é a versão para treinamento avançado, são todos biplace, para que os pilotos da fab não passem direto de um ALX(A-29) para um caça de primeira linha, sem uma adaptação em motores à reação, são os velhos chavantes(EMB-326) que ainda fazem essa tarefa, aviões totalmente obsoletos.
    .
    Espero que com esse novo plano estratégico isso mude.

  581. fred:
    pois claro… são aqueles “pactos de estabilidade” que se preocupam com critérios financeiros e desprezam a economia que sustenta a finança. Contabilistas fazendo o trabalho de Economistas, é o que é moda agora por cá!

    nosle:
    É como tenho dito… os sinais apontam todos para o Rafale. E aposto que o AMX-T fazem parte desse anúncio… Não são eles produtos direto da industria nacional que se diz cujo apoio será um ponto central?

  582. Fred

    É Clavis, a CE possibilita uma gama variada de vantagens para seus estados membros, porém trazem também um sem número de desvantagens nas bagagens.

    Descendo o nível para o chulo, por aqui, nas cabeceiras se fala, “todos comentam as cachaças que bebo, ninguém repara nos tombos que levo!”

    Agora subindo o nível, muito além do meu próprio 🙂 e
    já solicitando as desculpas pela citação Alberto Campista 🙂 (gosto muito do Pessoa) 😉

    “Vão para o diabo sem mim, ou deixe-me ir sozinho para o diabo!
    Para que havemos de ir juntos?
    Não me peguem no braço.
    Não gosto que me peguem no braço!
    Quero ser sozinho! Já disse que sou sozinho!
    Ah, que maçada quererem que eu seja de companhia!”

    O que seria melhor? hipoteticamente claro! Sair da CE e trilhar seus próprios passos ou espelhar a Alemanha em seu último ajuste econômico?

    Pergunto assim porque ambos trazem uma dose razoável de transtornos para a população. 😉 E como tudo na vida vantangens e desvantagens!

  583. gaitero

    O maior problema do AMX é que ele não é produzido a 10 anos, oque teóricamente não é nada bom, pois teremos que capacitar todos os mecanicos e outros funcionários, sem contra ns macetes que eram ultilizados, mas seira viável.

    Agora que ele plano de defesa, será o maior já visto até hoje na história da AL, a isto é.

    site do defesanet mostra finalmente os cascos dos novos patrulha vigilante
    http://www.defesanet.com.br/mb1/mar_2.htm

  584. Fred

    Gaiteiro, sem querer por água fria na sua fervura, a Embraer só produzia cerca de 30% do A1, o resto era italiano.

    Dai acho que o problema é um pouco mais complexo que treinamento. Como ferramental por exemplo! 😦

    Posse te garantir que o custo seria bem próximo do custo de construção de um avião novo e moderno.

    Não que não goste do fumacinha, muito pelo contrário, ele foi um dos principais responsáveis pelo atual desempenho da Embraer hoje, mas a vida é assim! 🙂 Fazer oque? 🙂

  585. gaitero

    Muitas das empresas que fabricavam peças para o AMX já nem existem mais, você esta certo eu havia lido isto em algum lugar e me esqueci.

    Agora que você me lembrou um amigo meu havia até brincado que para fabricar os AMX eles teriam de fazer treinamentos de clonagem de peças na China. xD

  586. nosle

    Não entendo, se existe essa impossibilidade, porque a Embraer iria vender para Vezezuela, só não acontecendo pelo veto dos americanos? Por

  587. nosle

    Não entendo, se existe essa impossibilidade, porque a Embraer iria vender AMX para Vezezuela, só não acontecendo pelo veto dos americanos? Por que ela apresenta o AMX-T como seu produto para outros países se ela não teria condições de fabrica-los? Essa história parece esta mal contada..

  588. Fred

    Nosle, você está um pouco enganado.

    Vou tentar explicar: 🙂 pois também não sou conhecedor profundo desta área. Só engano bem 🙂 !

    O A1, que você nomeia de AMx, ele tinha esse nome quando era projeto, dai o X, e quando passou a produção passou a ser denominado A1 pela FAB. Ele é um vetor de ataque ao solo, desenvolvido em conjunto pela Italia e o Brasil, com motor a reação Rolls-Royce Spey Mk807.
    É esse agui : http://www.armasdeguerra.com.br/amx.htm

    O que a Embraer tentou vender para a Venezuela foi o AT29- o chamado supertucano. Vetor avançado de treinamento e ataque leve. Projeto este inteiro da Embraer. O Brasil adquiriu 99 destes ai, ainda que alguns ainda estão em fabricação. O famoso ataque que matou o gerrilheiro colombiano no equador foi feito por um destes.
    Que por sinal era denominado ALX quando no projeto! 🙂 E hoje para a Embraer é denominado EMB 314.

    Tudo certo agora? 🙂

  589. não sabia que aquele famoso ataque (que naquele disco de laptop tão comprometedor para Chavez…) tinha sido feito por um Super Tucano… Aparelho ideal para COIN, prova-se de novo…

    E sim, essa percentagem é baixa… E coloca em risco a produção local, sem o re-estabelecimento de parcerias com os italianos, não é? Algo vento soprando desse lado? nenhum que eu tivesse descoberto…

  590. gaitero

    Na verdade nosle, a Venezuela cogitou comprar o amx, mas este não chegou a ser formalizado, tanto é, que ele nem aparece no quadro de aeronaves militares do site da embraer.

    http://www.embraerdefensesystems.com.br/portugues/content/home/

    Para a embraer seria muito mais interessante produzir o treinador italiano Alenia M346, com uma certa transferencia de tecnologia por parte da antiga parceira alenia, e tambem pelo fato deste avião, ser um dos concorrentes do AMX, e produzido por uma empresa do consorcio Alenia, Aermacchi e Embraer AMX.

    Oque tambem dificultaria a volta dos AMX pois este teria que ter participação da italiana que com certeza não quer um concorrente para seu avião.

  591. gaitero

    Tanto é que ele é fabricado pela alenia e pela aermacchi

    Então é muito mais facil a embraer fabricar sob licensa este avião e este substituir os xavantes e amxs, do que as empresas italianas participarem do novo amx, que seria um concorrente direto do M346.

    http://br.youtube.com/watch?v=BRQDvSyGGlw&feature=related

  592. Sr.nosle, parabéns, qdo o sr. diz q eles , os ianks está empurrando o BRASIL p/receber tecnológia Rússa e verdadeira, eles passam esse saber só aos invadidos, i.e, alguns , negaram aos nipos..valeu..E isso se nos obriga a andar ..c/ nossas próprias pernas. Ótimo..melhor p/ nosso parque indutrial de armas E eles, os ianks se nos oferece e armas velhas e caras ,finaceiramente e moralmente…indepência ou morte.

  593. e por isso:
    “A Alenia Aermacchi M-346 é um militar transonic treinador aeronaves. It is based on work done by Aermacchi while working on the Yak-130 as a joint venture with Yakovlev . Baseia-se no trabalho realizado pelo Aermacchi enquanto trabalha na Yak-130 como uma joint venture com Yakovlev.”
    se parece tanto com o yak-130…
    http://www.airforce-technology.com/projects/yak_130/

    sendo ambos bons aviões de treino avançado, com capacidade tb de ataque ao solo, algo q se pode reveçat vital num conflito futuro…

    “An open architecture avionics suite installed on the Yak-130 allows a wide range of western weapon systems and guided missiles to be integrated including the AIM-9L Sidewinder, Magic 2 and the AGM-65 Maverick.

    Weapons fits include the Vikhr laser-guided missile, R-73 infrared-guided air-to-air missiles (NATO designation AA-11 Archer) and the Kh-25 ML (NATO designation AS-10 Karen) air-to-surface laser-guided missile. A Platan electro-optical guidance pod is installed under the fuselage for deployment of the KAB-500Kr guided bomb.

    The aircraft is fitted with a 30mm GSh-301 cannon or a podded GSh-23 cannon installed under the fuselage. It can also deploy unguided B-8M and B-18 rockets, 250kg and 50kg bombs and cluster bombs.”

  594. nosle

    Fred, realmente a Venezuela tentou adquirir o AMX, Revista Força Aérea,Ano 5,N° 20, Entrevista do Comandante da Força Aérea Venezuelana, nela ele afirma que depois de longos estudos o AMX foi o escolhido por poder cumprir uma missão dupla, sendo utilizado como treinador avaçado e na aviação de ataque, inclusive ele voou a aeronave como segundo piloto em Santa Cruz.
    O nome A-1 é a designação que ele recebeu na FAB, como o ALX é A-29(A de ataque), mas o nome da aeronave realmente é AMX, é assim que na entrevista a aeronave é referida.
    Não chegou a ser firmado o acordo porque os americanos vetaram a venda da aeronave por utilizar equipamentos americanos.
    Gaitero, entendo que o M-346 seja mais apropriado para treinamento avançado, mas a Embraer não depende dos parceiros italianos para produzir o AMX, inclusive sua tecnologia embarcada(o AMX-T e o AMX que será modernizado na FAB) é da Elbit israelense,a empresa tentou a todo custo exporta-lo mas devido ao seu preço 16 milhões de dólares, era muito mas vantagem modernizar aeronaves antigas, que custava metade do valor.
    O único problema desta aeronave, para sua fabricação é que seu motor foi descontinuado, já não é mais fabricado e a FAB já esta tendo problemas para a sua manuntenção.

  595. nosle

    Inclusive a versão que seria vendida para os venezuelanos era o própro AMX-T.

  596. nosle

    Outra fonte que confirma isso, inclusive com uma frase de Chavez que mostra claramente o equívoco dos americanos.
    http://www.areamilitar.net/noticias/noticias.aspx?nrnot=114

  597. gaitero

    Me desculpe ser chato, mas volto a afirmar que a aeronave vetada foi o A-29, seria um pacote com 24 A-29 e 12 AMX-T;
    Na internet encontramos muitas coisas, que podem levar ao duplo sentido.

    http://www.defesanet.com.br/intel/crise_al_54.htm

    http://forumdefesa.com/forum/viewtopic.php?t=1792&sid=6d46df5435f1d41ea4d6ae0779945190

    Mas os super tucanos foram vetados e os AMX cancelados, só que não se sabe o porque, creio que é exatamente por não terem mais condições de fabrica-lo

  598. gaitero

    Como eu ja disse o AMX foi feito atravéz de um consorcio, na FAB ele é chamado de A1, na Italia de F-32, dizem os italianos que deram este nome pois seu projeto custou 2 vezes mais que o F-16.

    As 3 empresas São a Italiana ALENIA,a tambem Italiana Aermacchi e a Brasileira Embraer.
    Muito dos Equipamentos fabricados para o caça, já não são mais produzidos, inclusive o motor, tanto é que muitos A1 na FAB estão encostados.

    Outro problema que agora se agrava é o fato de a Embraer precisar das outras empresas para produzir mais AMX, pois ela não domina todo o ciclo de produção. E atualmente o M-346, fabricado pelas 2 outras empresas do antigo consórcio, é equivalente ou superior ao AMX, oque teóricamente impediria as 2 outras empresas de lançar um concorrente para seu caça pois este não seira econômicamente viável.

  599. gaitero

    Como já disse não sou contra sua modernização, sou contra a volta de sua produção.

    Quanto a sua modernização

    As aeronaves ainda estão semi-novas com os últimos exemplares entregues em julho de 2003. A Itália recebeu os primeiros aviões em 1989, e o Brasil em 1990, com a última entrega em 2001. Os AMX irão durar pelo menos mais 20 anos e por isso a FAB irá realizar uma modernização de meia vida.

    O Projeto de Modernização do AMX tem por objetivo resolver graves problemas de obsolescência de alguns equipamentos da atual configuração e já fora de produção, além de padronizar com aviônicos usados na modernização dos F-5BR e ALX. Os AMX atuais já tem problemas de padronização entre os três lotes, que tem aviônicos distintos e que criam um pesadelo logístico e procedimentos diferentes que exigem adaptação dos pilotos. Os pilotos de Santa Cruz não podem pilotar os AMX de Santa Maria e vice-versa.

    O AMX se mostrou inadequado para deslocamentos por tempo prolongado na Amazônia. O tempo inclemente local com grande umidade e calor causava panes frequêntes nos eletrônicos. A nova geração de aviônicos irá resolver este problema.

    A modernização dos AMX da FAB para o padrão A-1M (M = Modernizado) tem como objetivo não só atualizar os sistemas, mas também ampliar as capacidades do AMX e melhorar a logística. Um financiamento de US$ 90 milhões já foi aprovado pelo governo e o valor total deve chegar a US$ 322 milhões em seis anos. O AMX se chamará A-1AM para a versão monoposto e A-1BM para o biposto.
    A versão de exportação se chamará AMX-M.

    A interface homem-máquina também será melhorada com uso de tecnologia HOTAS (mãos nos aceleradores e manche), novo HUD com campo de visão de 24 graus, 2 mostradores multi-funcionais (MFCD) de 152×208 mm e um MFCD de 104 x127 mm. A cabine terá novos sistemas e iluminação compatível com uso de óculos de visão noturna (NVG).

    Um mostrador montado no capacete (HMD) modelo DASH 4 israelense também irá equipar a aeronave. Cada um custa US$ 21 mil e mostra todos dados vitais de vôo e informações do alvo no visor do piloto, sem que ele precise abaixar a cabeça. Isto é muito importante em vôo a baixa altitude.

    Os sistemas defensivos incluirão um novo receptor de aviso de radar (RWR) no lugar do ELT-56X usado atualmente e serão instalados lançadores internos de Chaff/Flare. O RWR poderá lançar chaffs automaticamente (Automatic Flare Release).

    Novos aviônicos serão instalados com um vídeo VHS-C que grava todos os dados e áudio para reprodução em vôo ou no solo; gravador de dados de vôo; dois computadores de missão redundantes que controla a aeronave através do barramento de dados MIL-STD-1553B; sistema de gerenciamento de armamento (Store Management System) MIL-STD-1760C para gerenciamento de armas e indicador de parâmetros de vôo e do motor (EICAS).

    A aeronave receberá um novo sistema de geração de oxigênio interno OBOGS (On Board Oxygen Generating System – Sistema Aeroembarcado de Geração de Oxigênio) produz O2 de forma autônoma, sem necessidade de equipamento no solo, prmitindo manter a aeronave no ar por longos períodos.

    Os novos equipamentos terão sistema BITE para localização de falhas e sistema de diagnóstico que leva a reparações rápidas, aumentando a confiabilidade de vôo.

    A modernização do AMX contará com o uso dos aviônicos da Elbit, fabricados pela subsidiária Aeroeletrônica no Brasil e usados na modernização do F-5BR e nas aeronaves A-29 Super Tucano (ALX), chamado padrão BR. A Aeroeletrônica irá fabricar/montar 90% dos novos aviônicos. Isto torna a manutenção mais fácil e barata. A comunalidade de aviônicos entre o A-1M, A-29 e F-5EM/FM irá criar uma escala que diminuirá os custos do apoio logístico e facilitará o apoio quando a aeronave opera fora da base com aeronaves diferentes.

    A diferença entre as três aeronaves serão sensores não comuns e alguma restrição de espaço. As partes comuns são software e ferramentas de desenvolvimento e integração. Os módulos de hardware, como os LCD e LRU, são similares, mas não iguais. A transição de pilotos será mais rápida e econômica e com maior disponiblidade na linha de vôo.

    Em terra serão instalados um Sistema de Planejamento de Missão computadorizado. Os dados gerados na estação serão transferidos para a aeronave através de um cartucho.

    Um sistema de Instrumentação Autônoma para Simulação e Avaliação de Manobras de Combate (AACMI) irá fornecer capacidade para treinamento virtual de vôo. O AACMI é um datalink que informa os dados das aeronaves durante uma missão como posição e velocidade para avaliação posterior.

    Entre os armamento previstos incluem novos mísseis para cumprir missões de supressão de defesas (SEAD) e anti-navio e bombas com guiagem a laser e infravermelho.

    O AMX será equipado com o capacete DASH 4 da Elbit, já usado nos F-15, F-16 e F-4 de Israel. Ele é conectado ao sistema de navegação, sensores de mísseis, radar e HUD. As funções mostradas no capacete são localização e distância do alvo, zona de lançamento de mísseis, informações de vôo (velocidade, altitude etc) e alertas.

    Mesmo movendo a cabeça e olhando para um dos lados do cockpit, o piloto não perde contato visual com as informações vitais para o cumprimento de sua missão. Além de aumentar a consciência situacional, uma vez que todo o céu, à sua volta, passa a ser facilmente monitorado. O piloto pode usar o DASH para lançar mísseis com capacidade off-boresight, ou seja, bem fora da linha visada do nariz da aeronave.

  600. Fred

    Nosle,

    Ai já é outro coisa, os AMX T não foram alvo do embargo, a Venezuela já os havia descartado em virtude do alto preço, o pacote completo acabaria custando algo como 300 milhões por avião. Batendo com as informações acima.

    Além dos motores para atualizado seria necessário uma nova suite de avionicos, sistemas e para a estrutura ferramentas que estavam na Italia e não mais existem. Gostaria muito de um Vetor nacional, mas infelizmente terá que ser outro, esse ai morreu.

    Li em algum lugar uma entrevista do VP da embraer sobre isso, assim que achar eu indico o link

    Abraço

    FRED

  601. gaitero

    Agora como você já disse, o AMX-M, seria feito com a parceria da elbit, que substituiria todos os equipamentos obsoletos do AMX, se os sistemas ultrapassados forem todos substituidos, com certeza eles poderão ser contruidos.

    Ai sim a embraer poderia produzir mais AMX,
    só um fato, o ultimo lote dos AMX foi entrege em 2001, ou seja eles tem menos de 8 anos.

    Achei um site que diz bem tudo sobre os Bixos.

    http://freepages.military.rootsweb.ancestry.com/~otranto/fab/amx.htm