Daily Archives: 2008/04/11

Hoax: A caneta de um bilião de dólares da NASA

(A famosa caneta espacial da NASA in http://www.zerotoys.com)

Não é a primeira vez que me dão como exemplo da criatividade russa o caso em que perante o mesmo problema de escrever em condições de micro-gravidade, os russos optaram pela solução barata do lápis e a NASA desenvolveu uma dispendiosa caneta de 1 bilião de dólares capaz de escrever sem gravidade… A história é recorrente e de vez enquanto lá conhece uma nova réplica nalgum jornal ou revista…

O mito começou em 1960, quando os primeiros astronautas da NASA constataram que não conseguiam escrever no espaço com as suas canetas normais. Para resolver o problema, a NASA encetou um programa para criar uma caneta capaz de escrever no Espaço com o tal custo total de um bilião de dólares. O mito começou em 1965, mais especificamente na missão Titan 3 com Gus Grissom e John Young. Na época causou muita polémica na imprensa o facto dos astronautas terem levado na Titan dois lápis com o preço unitário de… 128 dólares. De facto, dois de um lote de 34 lápis, ou seja, um lote custando 4382 dólares. A coisa andou e chegou ao Congresso e a NASA teve que explicar que os lápis eram feitos de uma madeira especialmente leve e muito forte. No decurso da investigação descobriu-se também que um dos astronautas tinha levado para a missão um… soutien! Alguns anos depois, a empresa “Fisher Pen Company” sozinha e por sua livre e autónoma iniciativa concebeu uma caneta “espacial”. A Fisher procurou que a NASA a deixasse usar o seu nome na campanha de lançamento da dita, algo que esta não aceitou o uso do nome da agência na campanha de lançamento, ainda que o modelo AG-7 acabasse por ser usado em muitas missões Apollo, sem nada como os “testes rigorosos” mencionados ainda hoje no site da Fisher: “Paul Fisher designed the beautiful AG-7 pen to perform in zero-gravity vacuum and temperature extremes. After rigorous testing, NASA selected the Fisher Space Pen for use on all of the Apollo missions. They are still used today by both NASA and the Russian Space Program.” nem sequer com o apregoado grau de generalização. E de qualquer forma, nunca a um custo total de… um bilião de dólares! Desde logo porque a caneta foi concebida com fundos próprios da empresa e também porque cada AG-7 custava 4 dólares.

Ou seja, a famosa caneta desenvolvida pela NASA para ser usada no Espaço… Não foi desenvolvida pela NASA. Não foi sempre usada no Espaço, desde as primeiras missões, como alegava o mito e embora fosse usada frequentemente nas missões Apollo nunca esteve sequer perto de custar o apregoado bilião de dólares…
Fonte:
The Space Review

Anúncios
Categories: Hoaxes e Mitos Urbanos, SpaceNewsPt | 6 comentários

Quids S11-40: Como se chama esta modelo?

asas2v9.jpg

Dificuldade: 1 (claro!)

Categories: Quids S11 | 15 comentários

Sobre a declaração de voto do PCP a propósito do Tibete

Bernardino Soares
A declaração de voto do PCP na Assembleia da República é um verdadeiro primor de demagogia, inconsistências internas e deveria ser para todo o sempre afixada nos anais da infâmia de modo a servir de exemplo para as gerações futuras.

Intitulada:
“Tibete: Declaração de voto do PCP na AR”
Quinta, 27 Março 2008″

A peça é da autoria do deputado Bernardino Soares e pretende dar expressão à Teoria da Conspiração segundo a qual a revolta popular no Tibete não é espontânea, mas o fruto de uma elaborada conspiração elaborada por esse arqui-vilão maquiavélico e imensamente cerebral que é o Dalai Lama. Por estranha e rara coincidência a posição pública do PCP coincide com a do Politburo do Comité Central do Partido Comunista chinês. Coincidências.

No essencial, o PCP acredita que tudo não passa de “uma grande operação contra os Jogos Olímpicos de Pequim“. Ora, se o é, então é uma “operação” que começou em 1959 com a invasão do exército Vermelho…

Eis a dita declaração, comentada ponto a ponto:

“Senhor Presidente,
Senhores Deputados,”

“O voto apresentado sobre acontecimentos no Tibete, traz considerações das quais discordamos, assentando em pressupostos que, reproduzindo mensagens difundidas internacionalmente (incluindo imagens de acontecimentos de fora da China apresentadas como tendo aí ocorrido), não correspondem com rigor à realidade.”

Bernardino Soares (BS) refere-se às imagens de manifestações na Índia e no Nepal onde os exilados tibetanos têm sido severamente reprimidos (especialmente no Nepal). Temos seguido essas notícias e não me recordo de ter visto em nenhum canal de televisão essa confusão. É certo que como a China fechou a fronteira tibetana e não há agora jornalistas estrangeiros a trabalhar no Tibete ocupado, as imagens da revolta escasseiam e as agências internacionais apresentam aquilo que conseguem captar, que são imagens de manifestações fora do Tibete. Talvez se não houvesse Censura na China, BS se pudesse queixar menos de imagens de manifestações captadas apenas fora do Tibete… Mas as poucas imagens que conseguem passar o bloqueio da censura chinesa dão boa mostra da violência e intensidade da repressão chinesa. Imagens captadas por telemóveis com câmara, principalmente, uma razão que explica porque é que aliás, os paramilitares estão a revistar mosteiros budistas em busca de imagens do Dalai Lama e de… telemóveis para confiscar. Este é o modelo de sociedade que o PCP defende para Portugal? Um Estado que confisca telemóveis?

“Não está em causa a manifestação de pesar do PCP em relação às vítimas, o seu desejo de que os conflitos tenham uma resolução rápida e pacífica, bem como os seus princípios de defesa da democracia e dos direitos humanos.”

Efectivamente não está. Não há memória de o PCP ter alguma vez defendido a Democracia e os Direitos Humanos no Tibete ou na China. Bem, pelo contrário, sempre que a questão do Tibete se torna mais aguda, o PCP lá vem fazer o frete pelos seus amigos chineses e defender a “Causa” da ocupação imperial Han no Tibete. Ainda recentemente, aquando da visita a Portugal do Dalai Lama, Jerónimo de Sousa tornou a bater-se pela sua garbosa causa da Defesa de um dos regimes mais tirânicos e opressivos do mundo:As instituições devem respeitar, no quadro do direito internacional, as relações diplomáticas com outros países e, nesse sentido, não se pode ter relações económicas, políticas e diplomáticas com certos países e depois procurar contrariar essa perspectiva justa do prestígio das instituições com uma visita de circunstância“, ou seja, não importa que a China tenha invadido o Tibete em 1959 e que desde então tenha executado uma severa política de repressão e de genocídio étnico (pela via da colonização e da esterilização forçada). Ou será que esse “Direito Internacional” também inclui a ocupação militar de um país vizinho? E a repressão tirânica e violenta – até à extinção – de todo um povo? Então, em nome das sacrossantas “relações diplomáticas” com a Indonésia também devíamos ter deixado os timorenses entregues a si próprios? Ou… Espera. Esse caso era diferente. Não havia nenhum PC no poder na Indonésia na altura. A isto chamo eu dualidade de critérios…

O que está em causa de forma cada vez mais clara, é estar em curso uma grande operação contra os Jogos Olímpicos de Pequim, real mola por detrás de uma escalada de provocação e de muitas das falsas indignações a que vamos assistindo na cena política internacional.”

Pois claro. O próprio Dalai Lama tem-se esgotado em declarações públicas a favor da realização dos Jogos Olímpicos de Berlim (perdão, Pequim, não sei porque estou sempre a fazer esta confusão) e estas manifestações surgiram de uma forma espontânea, desorganizada e sem coordenação a partier do governo no exílio, que aliás tem mantido a linha oficial de as criticar e de repudiar tudo o que é expressão violenta contra o opressor chinês.

“É curioso aliás que continue a falar-se do Tibete como território ocupado pela China quando nem as potências que instigam e apoiam movimentos de orientação separatista que estão na origem das acções violentas, de que até o Dalai-Lama já se demarcou, põem em causa a integridade do território da República Popular da China, incluindo o Tibete como Região Autónoma.”

É curioso, pois, BS. É curioso que a China nem procure sequer o diálogo com o Dalai Lama e o insista em designar de “fantoche religioso”, o que é aliás uma atitude muito diplomática e nada arrogante para abrir negociações…. O Tibete foi um país independente durante a maior parte da sua história, até à invasão chinesa de 1950 (vivendo em relativa liberdade autonómica até à ocupação de 1959). E BS deve actualizar-se… O Dalai Lama e o governo tibetano no exílio não defende a “separação” da China, apenas um grau de autonomia que preserver a tradição, a cultura e a religião tibetanas numa região que tem muito pouco de “autónoma” e que é governada com mão-de-ferro por governadores enviados directamente de Berlim (perdão, Pequim).

“Isso vem aliás acompanhado em geral de uma sistemática deturpação dos acontecimentos históricos. Seria preciso lembrar, para reintroduzir algum rigor, que desde o século XIII que o Tibete está unido, com diversos graus de autonomia à China, e que no início do século XX a região foi invadida pela Grã-Bretanha a partir da Índia. Seria até preciso lembrar que, à época da revolução popular chinesa, em 1949, vigorava no Tibete um regime feudal onde a maioria da população era constituída por servos e escravos, com uma forte concentração da terra e dos meios de subsistência, ou que o actual Dalai-Lama, antes de se assumir como dirigente do chamado governo no exílio, integrou ele próprio a 1ª Assembleia Nacional Popular da China que elaborou a constituição chinesa.”

Falso. A menos que para o PCP os imperadores mongóis que conquistaram no século XIII a Ásia e entre ela a própria China e o Tibete, fossem chineses… E se depois houve vários graus de autonomia no Tibete, mas sempre mantendo a independência do governo local ainda que com tropas chinesas, após a invasão anglo-indiana de 1906, o Tratado sino-britânico de 1906 estipulava que “o Governo da Grã Bretanha compromete-se a não anexar o território tibetano nem interferir com a administração do Tibete. O governo da China também se compromete a não permitir que nenhum outros Estado estrangeiro possa interferir com o território ou com a administração interna do Tibete.” De qualquer forma, o tal “regime feudal” que efectivamente vigorava então não é hoje o defendido pelo governo tibetano no exílio e dizer tal coisa é a mesma coisa que dizer que a Rússia comunista também defendia um regime feudal porque este era o vigente ao tempo da queda do Czar…

“Neste processo invocam-se e inventam-se argumentos para justificar actuais e futuras linhas de confronto e de afronta ao direito internacional com origem nos mesmos de sempre, aqueles que já há cinco anos não se coibiram de também inventar a existência de armas de destruição em massa, como suporte de uma guerra que destruiu o Iraque e impôs incontáveis sacrifícios ao seu povo.

Portanto, segundo esta teses a presença de 8 milhões de chineses Han no Tibete (contra 7,5 milhões de tibetanos), a repressão cuja memória está ainda tão viva no contexto destes incidentes recentes e que têm resistido a todas as pressões e ao reforço massiço de contingentes militares, assim como o genocídio cultural e religioso de todo um povo são “maquinações dos EUA”?

“É por isso que assume especial importância neste caso o respeito pelo direito internacional, tantas vezes violado para dar lugar a acções de ingerência directa ou indirecta procurando impor interesses estratégicos e económicos.”

E porque não tem manifestado de forma tão veemente o PCP a propósito da repressão e aos massacres no Darfur e à repressão da revolta popular na Birmânia? Será porque esses dois países estão na esfera dos “interesses estratégicos e económicos” de Pequim?

“É por tudo isto que não votamos o voto apresentado.”

Por tudo isso e porque o PCP ainda continua a acreditar que o modelo de sociedade que defende tem sempre que ter um “exemplo prático” algures. Antes era a Rússia estalinista, depois a de Gorbachov… Agora a China comunista. Se ela caísse, onde encontraria o seu modelo de “paraíso na Terra”?

Fonte:
PCP

Categories: Budismo, China, Política Internacional | Etiquetas: | 8 comentários

Create a free website or blog at WordPress.com.

Eleitores de Portugal (Associação Cívica)

Associação dedicada à divulgação e promoção da participação eleitoral e política dos cidadãos

Vizinhos em Lisboa

A Vizinhos em Lisboa tem em vista a representação e defesa dos interesses dos moradores residentes nas áreas, freguesias, bairros do concelho de Lisboa nas áreas de planeamento, urbanismo, valorização do património edificado, mobilidade, equipamentos, bem-estar, educação, defesa do património, ambiente e qualidade de vida.

Vizinhos do Areeiro

Núcleo do Areeiro da associação Vizinhos em Lisboa: Movimento de Vizinhos de causas locais e cidadania activa

Vizinhos do Bairro de São Miguel

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos

TRAVÃO ao Alojamento Local

O Alojamento Local, o Uniplaces e a Gentrificação de Lisboa e Porto estão a destruir as cidades

Não aos Serviços de Valor Acrescentado nas Facturas de Comunicações !

Movimento informal de cidadãos contra os abusos dos SVA em facturas de operadores de comunicações

Vizinhos de Alvalade

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos de Alvalade

anExplica

aprender e aprendendo

Subscrição Pública

Plataforma independente de participação cívica

Rede Vida

Just another WordPress.com weblog

Vizinhos do Areeiro

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos do Areeiro

MDP: Movimento pela Democratização dos Partidos Políticos

Movimento apartidário e transpartidário de reforma da democracia interna nos partidos políticos portugueses

Operadores Marítimo-Turísticos de Cascais

Actividade dos Operadores Marítimo Turísticos de Cascais

MaisLisboa

Núcleo MaisDemocracia.org na Área Metropolitana de Lisboa

THE UNIVERSAL LANGUAGE UNITES AND CREATES EQUALITY

A new world with universal laws to own and to govern all with a universal language, a common civilsation and e-democratic culture.

looking beyond borders

foreign policy and global economy

O Futuro é a Liberdade

Discussões sobre Software Livre e Sociedade