Será mesmo boa ideia incorporar 10% de biombustíveis?


(http://www.bendbiofuels.com)

Embora sejam frequentemente citados como uma solução para o Aquecimento Global, e como tal, sejam sujeitos a pesados subsídios nos EUA e na UE, os quais pretendem multiplicar o seu uso como combustíveis, crescem as indicações provenientes da comunidade científica de que, do ponto de vista ambiental, os biocombustíveis não são uma forma eficiente de reduzir as emissões de gases com Efeito de Estufa e que, efectivamente, podem até vir a ser tão ou mais caros que os combustíveis fósseis tradicionais…
Essas foram as conclusões de um painel de cientistas reunido pelo parlamento britânico (o “The Environmental Audit Committee“). Os cientistas além de não identificarem os biocombustíveis como uma forma de reduzir as emissões de CO2, afirmaram ainda que estas emissões podiam ser reduzidas e os recursos gastos em promover os ditos poderiam ser mais eficientes se fossem realizados outros tipos de investimentos. Isto para além do facto insofismável de que o desvio de campos de cultura para estas produções está a criar um aumento generalizado dos bens alimentares e, logo, um consequente e proporcional agravamento das condições de vida das populações mais pobres do mundo. Isto quer dizer que a política europeia de apostar fortemente nos biocombustíveis pode ser prejudicial não só no que respeita ao severo agravamento dos preços de alimentos (milho, sobretudo), mas até no aspecto ambiental. Assim, o objectivo de incorporar até 10% de biocombustíveis até 2020 pode ter um impacto muito negativo… especialmente se não forem tomadas medidas que impeçam a transformação de zonas de floresta em campo de cultivo para biocombustíveis ou mesmo campos agrícolas actuais. É que a aplicação pura e simples destas decisões vai produzir necessariamente uma de coisas: ou o abate de mais florestas ou a conversão de campo agrícolas ocupados hoje com produção de alimentos e uma ou outra opção serão muito negativas!…

O curioso é que este painel britânico, o The Environmental Audit Committee recomendou que os biocombustíveis fossem usados não em transportes – como recomenda a UE – mas em aquecimento de edifícios, algo que julga ser energeticamente muito mais eficiente… Em suma: os biocombustíveis retiram espaço de floresta… reduzem a área cultivada para alimentos, e logo, aumentam e muito o consumo de água e os níveis de poluição química nos solos, aumentam os preços, representam (segundo este painel) um investimento ineficiente e… segundo alguns estudos aumentam até as emissões de CO2 ! (ver AQUI)… Sei que os nossos irmãos brasileiros acreditam que tal sucede porque nos EUA esses biocombustíveis são fabricados a partir do milho e não da cana do açúcar, mais eficiente e não subsidiada… mas… as restantes objecções ficam válidas, mesmo se excluirmos essa da eficiência energética.

Fonte:
News.bbc.co.uk

Categories: Ecologia, Economia | Etiquetas: | 61 comentários

Navegação de artigos

61 thoughts on “Será mesmo boa ideia incorporar 10% de biombustíveis?

  1. Marcos

    Definitivamente vcs são totalmente contra o biocombustível, creio que a falta de vivencia com esta realidade está fazendo com que as críticas aumetem.

    Vou citar um exemplo, no Brasil existe o tal desmatamento não é para a produção de biocombustível e sim para a produção de madeira para vcs (europeus esnobe) e tbn para a cultura da agropecuária; E mais, a produção de alimento não será afetada a tal ponto de fazer alguém passar fome.
    desculpem mas esse papo de passar fome é conversa de Socialista sem o que fazer.

    Na realidade o que falta nesses locais onde faltam comida é a total ignorancia dos seus governantes e ao mesmo tempo uma herança de seu País colonizador -Portugal é um exemplo de País que degradou o Brasil e não sabe reconhecer a sua de política de exploração e não de colonzação.

  2. Anónimo

    esnobe??

  3. Anónimo

    esnobe=esdez-1=esoito+1?

  4. Fred

    Vamos lá! Eu sou utilitário de biocombustível desde 1988, e utilizo 100% e não 10 % como mencionado.
    Conscientemente discordo destas afirmações, pois:

    1. Não temos uso de aquecimento como na Europa.

    2. Os preços dos alimentos não subiram, nem o desmatamento no Brasil foi causado por expansão do cultivo da cana, a soja e o gado desmataram muito mais! O crescimento do cultivo foi mais pela troca do café pela cana e a mecanização da lavoura.

    3. Bem, também não utilizamos milho, nem beterraba ou coisa que o valha. Só cana de açúcar, que com a tecnologia agrícola, desenvolvida no Brasil pela Embrapa, atingiu altos índices de absorção de carbono e conseqüentemente de produtividade na produção de açúcar e álcool.

    http://www.embrapa.br/

    4. Demonstro a importância do uso do Biocombustível da seguinte forma.
    A poluição da cidade de São Paulo bate recorde e sua principal causa geradora, estimada em 90%, são os gases oriundos dos veículos da cidade.

    http://g1.globo.com/Noticias/SaoPaulo/0,,MUL348464-5605,00.html

    Hoje a cidade de São Paulo passou a triste marca de 6 milhões de veículos. Porém os níveis de poluição hoje estão ligeiramente superiores aos níveis de 2002, quando São Paulo possuía algo em torno de 4 milhões de veículos e nesta época foi o fim do declínio nos índices de poluição na cidade.
    Obvio que não só graças ao uso do bicombustível, mas em boa parte por eles e a nova tecnologia incorporada que seu uso obrigou a ser desenvolvida.

    O novo desafio agora é diminuir o consumo diesel, nos caminhões e nos ônibus, o biocombustível incorporado ao diesel está ainda pequeno, na ordem de 2%, devendo atingir os 5 % até o ano que vem e os 13% até 2010/11. Só os 2% atuais gera uma diminuição de 400 milhões de reais nas importações de diesel para o Brasil.

    No Brasil
    Para os automóveis o uso mínimo é de 25 % na gasolina, e uma parte dos veículos utiliza 100% de álcool.

    De 2004 para cá os novos veículos utilizam motores que podem consumir gasolina e álcool ou qualquer mistura destes. Alguns também utilizam o gás natural.
    Como o preço da gasolina subsidia o preço do álcool (em torno de 60% do preço da gasolina pago no litro de gasolina vira subsídio para o álcool e para o gás natural) todos preferem usar álcool para pagar menos.

    Peço desculpas ao Rui e ao demais pelo texto extenso, mas o assunto infelizmente não permite um texto sucinto sem omissão de informações relevantes.

    Forte abraço a todos
    Fred

  5. Ed

    Mais uma coisa, de europeis mesquinho preocupado com si proprio.
    De forma alguma a produçao de cana afetará a produçao de alimentos e muito menos a devastaçao da natureza…
    A cana, não da o ano todo, até porque, como os portugueses sabem muito bem a produçao sem rodizio, ou seja de um unico produto empobrece o solo e prejudica a qualidade dos produtos, então os produtos alimenticios terão sua vez neste ciclo.

    Acreditar que o brasil cometeria o mesmo erro que cometeu quando produzia so café e quando tivemos a crise do cafe todos faliram é besteira, pois hoje exite esta conciencia e todos já estão preparados para em questao de semanas produzir outros produtos que não a cana.

    Quando o texto diz que a produçao de bio combustivel produz mais c02 que os combustiveis derivados do petroleo, poderia me informar qual a fonte desta afirmaçao. Quem comprovou tal teze?????

  6. Pedro Tavares

    Julgo que por aqui ninguém é contra os biocombustíveis (pelo menos o Clavis não parece ser), simplesmente gosta de ter o máximo de informação sobre os assuntos, seja ela a favor ou contra. Leia os posts com a tag biocombustíveis.

    Não gosto de entrar em polémicas, mas o seu ultimo parágrafo denota aquilo que considero um raciocínio deturpado e sem uma apreciação séria do que foi a presença Portuguesa nas possessões ultramarinas. Deixo só uma pergunta, um comentário e uma sugestão.

    Quase 200 anos de independência não chegam para um país (para mais com os recursos que o Brasil tem) se emancipar?

    Repare que que pouco mais de duzentos anos depois de Portugal solidificar a sua posição como reino independente (reino pequeno e com poucos recursos) partiu para numa demanda marítima que nenhum outro país pode afirmar ter.

    Assim sugiro que o Brasil siga o exemplo do Portugal so séc. XV, olhe em frente e procure a fortuna na oportunidade, transforme essa terra em algo ainda mais grandioso, sozinho ou acompanhado essa é uma decisão do Brasil, com ou sem Portugal e sem traumas colonialistas. (na realidade já o fazem alguns brasileiro é que não perceberam).
    _ _ _
    Saudações cordiais.

  7. gaitero

    E bem verdade que o Brasil não atenderia a demanda execiva de exportaçao caso a UE queira importar o alcool. Ou senão os preços para isso seriam altissimos.
    Veja a entre safra de alcool o preço já chega a R$ 1,50 nos postos quando que na epoca de produçao não passa de 1.10 exportar seria um erro.

    Mas afirmar que os biocombustiveis contribuem para o aumento de CO2 ou para a devastaçao de florestas tambem e um erro e dos mais graves possiveis.
    Pois o grande motivo de se acrescentar alcool a gasolina foi para retirar o chumbo que faz mal a saúde inclusive.

    Os carros Flex Power tornaram o novo combustivel e a mistura de qualquer porcentagem dos mesmos algo incrivel e de resultados inimaginaveis não so de economia mas como de liberdade, pois hoje eu não fico preso a um determinado produto, posso abastecer com alcool, gasolina e gás atendendo as minhas necessidades e tornando a rotineira tarefa de abastecer algo economicamente mais saldavel.

  8. gaitero

    saudavel.

  9. Pedro Tavares

    Relativamente à produção de co2 pelos bicombustíveis deixo o link para um artigo do climatologista Antón Uriarte da Universidade do País Vasco (Espanha).

    (artigo em Castelhano)

    http://antonuriarte.blogspot.com/2007/03/con-el-etanol-tambin-se-miente.html

    Note-se que não quero com isto dizer que subscrevo o que o Prof. Antón Uriarte publica, simplesmente gosto de ter o máximo de informação.

  10. Pedro Tavares

    Marco: Como certamente notou o meu primeiro comentário é direccionado a si.

    Saudações.

  11. gaitero

    E, so que ai não se leva em consideraçao o fato de a cana em todo seu ciclo de crescimento consumir o CO2 para respiraçao, ou seja todo CO2 que ela elimina na queima ela consome durante seu crescimento.

  12. ed

    exatamente oque eu iria comentar…

  13. ed

    Ou seja, em quanto os combustiveis fosseis aumentam o CO2, os biocombustiveis não alteram seu quadro, apenas estabilizam.

  14. Fred

    Creio que para a Europa o problema seja realmente o preço, diferente do nosso caso. Daí o uso em calefação ser o mais indicado pelo rendimento obtido.
    O custo de produção real no Brasil de 1 litro de álcool na safra gira em torno de R$ 0,80 sem o subsídio e sem a hidratação.
    Com o subsídio e o acréscimo de água, o preço consegue alcançar perto dos R$ 0,50.
    O custo de produção da gasolina não chega aos R$ 0,40 mesmo com o preço de + de $100, 00 o barril. É duro competir com o petróleo.
    Na Venezuela, aqui do lado, o preço do litro de gasolina para o consumidor é em torno de R$0,08. 🙂
    Tenho certeza que quando a água passar da cintura, daqui a uns 20 ou 25 anos, com a falta de petróleo, as posturas mudarão. O preço do petróleo fatalmente vai ultrapassar o preço dos biocombustível. Ai pouca gente vai estar interessada na fome do mundo e no desmatamento. É triste, mas é assim,pelo menos tem sido.
    Tenho muita esperança em estar completamente errado.

  15. Marcos:
    ” Definitivamente vcs são totalmente contra o biocombustível, creio que a falta de vivencia com esta realidade está fazendo com que as críticas aumetem.”
    -> Não totalmente… Concedo que no caso da cana há boas razões para o usar, pelo menos no Brasil, para uso local. E no mundo, também como solução de transição, ainda que tenha muitas reservas quanto ao uso do milho como fonte de etanol (como sucede nos eua).

    ” Vou citar um exemplo, no Brasil existe o tal desmatamento não é para a produção de biocombustível e sim para a produção de madeira para vcs (europeus esnobe) e tbn para a cultura da agropecuária; E mais, a produção de”
    -> É verdade que a importação de madeira brasileira é um escândalo. E o facto foi às notícias muito recentemente. As importações são proibidas, mas fogem às malhas policiais no Brasil e na Europa, infelizmente… Um problema a tratar.
    -> E pode-se mesmo garantir que nenhum desmatamento tem como causa a muito rentável plantação para biocombustíveis?… Duvido, francamente…

    “alimento não será afetada a tal ponto de fazer alguém passar fome.”
    -> Mas de facto, isso já está a acontecer. Os programas de combate à fome no mundo da ONU já se estão a ressentir do aumento dos preços dos alimentos.

    ” desculpem mas esse papo de passar fome é conversa de Socialista sem o que fazer.”
    -> Está desculpado, Marcos, mas a Time também é socialista?
    http://www.time.com/time/world/article/0,8599,1717572,00.html

    ” Na realidade o que falta nesses locais onde faltam comida é a total ignorancia dos seus governantes e ao mesmo tempo uma herança de seu País colonizador -Portugal é um exemplo de País que degradou o Brasil e não sabe reconhecer a sua de política de exploração e não de colonzação.”
    -> Bem… A separação de Portugal e Brasil já tem demasiada lonjura temporal para poder ainda hoje ser usada para explicar algum problema que afecte ainda hoje o Brasil… As razões são outras e muito posteriores.
    -> E Portugal não explorou nem mais nem menos o Brasil do que o fizeram outros países europeus nas suas possessões ultramarinas. Com grandes diferenças: nenhum transferiu para lá nenhuma capital e nenhum deixou o seu próprio rei, como rei do futuro país. Essas pequenas-grandes diferenças fazem toda a diferença.

    Anónimo:
    ” esnobe??”
    -> É a grafia brasileira correcta, ao que sei.

    Fred:
    ” Vamos lá! Eu sou utilitário de biocombustível desde 1988, e utilizo 100% e não 10 % como mencionado.
    Conscientemente discordo destas afirmações, pois:
    1. Não temos uso de aquecimento como na Europa.”
    -> Por isso digo que o caso brasileiro é especifico.

    ” 2. Os preços dos alimentos não subiram, nem o desmatamento no Brasil foi causado por expansão do cultivo da cana, a soja e o gado desmataram muito mais! O crescimento do cultivo foi mais pela troca do café pela cana e a mecanização da lavoura.”
    -> Os preços têm subido e muito, em todo o mundo!
    E segundo este texto da BBC a razão maior são mesmo os biocombustíveis:
    http://news.bbc.co.uk/2/hi/business/6481029.stm
    The reason for the surging price is increasing demand from refineries that are buying corn – or maize as it is sometimes called – to turn it into ethanol.

    The ethanol is then blended with conventional fuels for use in ordinary cars.

    “We are using 20% of our corn for ethanol,” says Roy Huckabay, executive vice president of the Linn Group, which advises commodity investors.

    “When the energy markets went bananas over the last year, the value of corn as an energy source sky-rocketed.”

    ” 3. Bem, também não utilizamos milho, nem beterraba ou coisa que o valha. Só cana de açúcar, que com a tecnologia agrícola, desenvolvida no Brasil pela Embrapa, atingiu altos índices de absorção de carbono e conseqüentemente de produtividade na produção de açúcar e álcool.”
    -> Daí aquilo a que chamo a “especificidade brasileira” neste tema.

    ” 4. Demonstro a importância do uso do Biocombustível da seguinte forma.
    A poluição da cidade de São Paulo bate recorde e sua principal causa geradora, estimada em 90%, são os gases oriundos dos veículos da cidade.
    http://g1.globo.com/Noticias/SaoPaulo/0,,MUL348464-5605,00.html
    Hoje a cidade de São Paulo passou a triste marca de 6 milhões de veículos. Porém os níveis de poluição hoje estão ligeiramente superiores aos níveis de 2002, quando São Paulo possuía algo em torno de 4 milhões de veículos e nesta época foi o fim do declínio nos índices de poluição na cidade.
    Obvio que não só graças ao uso do bicombustível, mas em boa parte por eles e a nova tecnologia incorporada que seu uso obrigou a ser desenvolvida.”
    -> Mas existem estudos britânicos que dão o biocombustível como mais nocivo para a saúde que os combustíveis convencionais!
    http://environment.newscientist.com/article/dn11628
    “Pollution from gasoline engines accounts for 10,000 deaths in the US each year, along with thousands of cases of respiratory disease, and even cancer. The widely touted ethanol-based fuel E85 (15% gasoline, 85% ethanol) could result in similar numbers of deaths, or even make matters worse, according to a new study.”

    ” O novo desafio agora é diminuir o consumo diesel, nos caminhões e nos ônibus, o biocombustível incorporado ao diesel está ainda pequeno, na ordem de 2%, devendo atingir os 5 % até o ano que vem e os 13% até 2010/11. Só os 2% atuais gera uma diminuição de 400 milhões de reais nas importações de diesel para o Brasil.”
    -> A tal opção transitória… Necessária, mas que não pode ser o “fim da linha”.

    Ed:
    ” Mais uma coisa, de europeis mesquinho preocupado com si proprio.”
    -> Estamos muito julgadores, hoje… Que atire a primeira pedra…

    ” De forma alguma a produçao de cana afetará a produçao de alimentos e muito menos a devastaçao da natureza…”
    -> E contudo, depois do primeiro comentário, não me incomodarei a responder ao resto…

    Pedro:
    ” Julgo que por aqui ninguém é contra os biocombustíveis (pelo menos o Clavis não parece ser), simplesmente gosta de ter o máximo de informação sobre os assuntos, seja ela a favor ou contra. Leia os posts com a tag biocombustíveis.”
    -> Não, de facto não o sou. Como disse: defendo-os no mundo como solução de transição para o hidrogénio e no Brasil a opção pode ser até de maior duração (desde que não provoque desmatamento) por causa das suas especificidades.

    Gaitero:
    ” E bem verdade que o Brasil não atenderia a demanda execiva de exportaçao caso a UE queira importar o alcool. Ou senão os preços para isso seriam altissimos.
    Veja a entre safra de alcool o preço já chega a R$ 1,50 nos postos quando que na epoca de produçao não passa de 1.10 exportar seria um erro.
    Mas afirmar que os biocombustiveis contribuem para o aumento de CO2 ou para a devastaçao de florestas tambem e um erro e dos mais graves possiveis.”
    -> Então está a ser um erro muito comum… Aceda ao Google e escreva biofules co2 increase….
    por exemplo:
    http://priceofoil.org/2008/02/08/biofuels-increase-co2-emissions/
    “he study will add to concerns about the ability of biofuels to replace fossil fuels. The EU is reviewing its pledge that biofuels such as bioethanol and biodiesel should make up 10% of transport fuel by 2020.

    In the study, US researchers calculated that converting natural ecosystems to grow corn or sugarcane to produce ethanol, or palms or soybeans for biodiesel, could release between 17 and 420 times more carbon than the annual savings from replacing fossil fuels.

    Stephen Polasky of the University of Minnesota, one of the authors of the study, published today in the journal Science, said: “We don’t have proper incentives in place because landowners are rewarded for producing palm oil and other products but not rewarded for carbon management. This creates incentives for excessive land clearing and can result in large increases in carbon emissions.”

    Pedro:
    ” Relativamente à produção de co2 pelos bicombustíveis deixo o link para um artigo do climatologista Antón Uriarte da Universidade do País Vasco (Espanha).
    http://antonuriarte.blogspot.com/2007/03/con-el-etanol-tambin-se-miente.html

    Em que esta frase inicial espelha tudo…
    “El etanol es un alcohol que al quemarse produce tanto CO2 por litro como el que produce un litro de gasolina. Y como su poder energético es menor que el de la gasolina, un coche por kilómetro recorrido con etanol emite más CO2 que si va con gasolina (¿cuánto?, no lo sé, no es fácil encontrar el dato, creo que alrededor de un 30 % más pero este dato esencial procuran camuflarlo)”

    Fred:
    ” Tenho certeza que quando a água passar da cintura, daqui a uns 20 ou 25 anos, com a falta de petróleo, as posturas mudarão. O preço do petróleo fatalmente vai ultrapassar o preço dos biocombustível. Ai pouca gente vai estar interessada na fome do mundo e no desmatamento. É triste, mas é assim,pelo menos tem sido.
    Tenho muita esperança em estar completamente errado.”
    -> tens razão. Aí a pressão pelos biocombustíveis será tremenda… e vamos pagar todos os custos, como o aumento ainda maior dos preços dos alimentos, a desflorestação, o aumento das emissões de CO2… Por isso defendo os biocombustíveis como solução de transição. Porque a médio prazo serão um problema e não uma solução…

  16. Fred

    Rui, é verdade sim que o álcool tem um poder energético cerca de 30% menor, e isto é claramente demonstrado no maior consumo por km rodado. Numa conta fácil feita aqui no Brasil antes de abastecer os veículos multicombustíveis ou flex, como o chamam por aqui:
    Só compensa abastecer o carro com álcool quando o preço do mesmo for menor que 70% do preço da gasolina, isto em virtude desta diferença energética e do preço absurdo que pagamos na gasolina R$ 2,40 a 2,60 / litro, quase € 1,00/litro e 60% deste preço são para subsídios dos combustíveis alternativos, (sem este subsídio o álcool e o biodiesel ficam inviáveis economicamente).
    A vantagem e principal diferença é que esse carbono que é solto na atmosfera veio dela mesmo, isso ocorre com o seqüestro de carbono da atmosfera pela cana de açúcar para a produção da sacarose durante o crescimento da planta. E o carbono dos combustíveis fósseis estava aprisionado no petróleo que quando queimado vai para atmosfera.
    Resumindo o biocombustível utiliza o carbono da atmosfera o combustível fóssil acrescenta carbono na atmosfera.
    O estudo que você menciona só compara o poder energético e essa diferença não é camuflada, pelo menos aqui no Brasil não é. Não compara de onde vem o CO2, isto ele milagrosamente esqueceu.
    E já estamos utilizando em escala industrial o álcool há 30 anos e os preços dos alimentos não subiram, até baixaram para falar a verdade.

  17. gaitero

    Como já disse em nenhum momento a materia coloca que a gasolina produz CO2 e o alcool elimina o CO2 que consumiu em quanto planta, nâo sei se e de conhecimento de vocês mas a madeira seja ela qual vor após a queima elimina todo CO2 que ela consumiu enquanto respirava, o mesmo ocorre com a cana, em nenhum momento ela elimina CO2 a mais do que ela consumiu, ou seja ela não contribui com o aquecimento já que ela mesma o ajudou a despoluir.

  18. gaitero

    Tem aqui uma materia interecante que trata da diferença entre alcool e gasolina.

    A gasolina não é uma substância pura: É uma mistura de centenas de hidrocarbonetos que têm entre 3 a 12 carbonos nas moléculas, proveniente de uma faixa da destilação do petróleo. Há componentes mais leves e mais pesados na gasolina. Conforme o tempo passa, os mais leves se evaporam, deixando apenas os mais pesados. Por isso se diz que a gasolina “ficou velha” ou “estragou”. Em aproximadamente 2 meses, a gasolina muda sua composição por causa da evaporação dos componentes leves, sobrando os mais pesados, que costumam ter octanagem menor. Por isto é que a gasolina velha pode causar “batidas de pino” no motor. Normalmente, quanto maior o número de carbonos na cadeia (mais pesada a molécula), menor é a octanagem: Por isto, o querosene e outros solventes, se misturados à gasolina, fazem o motor “bater pino”. Estes componentes mais pesados também têm uma vaporização mais difícil. Quando expostos ao calor em estado líquido, vão se degradando e formam a conhecida “borra” de gasolina. A gasolina vendida no Brasil tem, por lei, 22% de álcool etílico em volume na sua composição, para reduzir a emissão de poluentes.

    O álcool, ao contrário da gasolina, é uma substância pura (etanol), embora seja encontrado nos postos como sendo uma mistura de 95% de etanol e 5% de água, em volume. É uma molécula cuja fórmula é C2H5OH. Por ter oxigênio na composição, a molécula ganha uma polaridade que faz com que o álcool seja líquido à temperatura ambiente (o etano, C2H6 é um gás) pela maior coesão entre as moléculas. É um combustível que não deixa borras, sendo bem mais “limpo” que a gasolina, ao contrário do que se pensava nos primeiros anos do Proálcool. Tem a desvantagem de ser mais corrosivo no estado líquido que a gasolina, o que demanda um tratamento anticorrosivo nos metais que têm contato com o álcool em sua fase líquida, normalmente através de um revestimento com um metal que não reaja com ele, como o níquel, usado para revestir o Zamak dos carburadores.

    1 litro de gasolina produz 37,5% mais energia do que 1 litro de álcool: Daí, em um motor com o mesmo rendimento térmico, um motor a gasolina que fizesse 10 km/l iria fazer 7,27 km/l usando álcool.

  19. gaitero

    http://autoestrada.uol.com.br/interno.cfm?id=1321

    esta materia resume oque o cientista falou repare na hora que ele diz, e claro não levando em consideração todos seu ciclo produtivo, e por isso que eu digo, caso na europa se plantar cana e depois ultilizem o alcoool não haveria aumento na poluiçao EX (Brasil) agora se apenas o consumir ai sim a poluiçao aumentará e ai esta tese estará correta.

    Deixando bem claro para não haver espanto no Brasil, aqui ela contribue para reduzir a poluiçao pois e aqui que se localiza a planta (cana), no caso da europa eles apenas iriam consumir o alcool oque na teoria eliminaria todo CO2 que ela consumiu no desenvolvimento da planta

  20. gaitero

    VOU BATER NA TECLA NOVAMENTE

    Quando eu digo que ela contribui para reduzir a poluiçao digo pelo fato de quando se consumir alcool deixa de se consumir gasolina, ou seja, ela consome e depois elimina CO2 “MÁS” mantem o nivel de CO2 estavel, caso fosse ultilizado a gasolina ela iria eliminar CO2 oque AUMENTARIA o nivel de CO2.

  21. Fred

    Só um complemento a informação do Gaitero, nem todo carbono sequestrado pela cana açucar ou qualquer outra planta vai para a atmosfera na queima do álcool, uma pequena parte fica retida na materia seca da planta, (bagaço e folhagem da cana) e outra parte nos subprodutos da cana (vinhoto usado como fertilizante). Vem dai a dita redução do CO2.
    Sendo realista, não é sigificante essa redução, apesar de existir, pois o bagaço agora vira biomassa para produção de energia elétrica.

  22. Fred

    -> tens razão. Aí a pressão pelos biocombustíveis será tremenda… e vamos pagar todos os custos, como o aumento ainda maior dos preços dos alimentos, a desflorestação, o aumento das emissões de CO2… Por isso defendo os biocombustíveis como solução de transição. Porque a médio prazo serão um problema e não uma solução…

    Novamente afirmo que se em 30 anos os alimentos não subiram de preço por causa do álcool, não o farão agora. O Desmatamento idem.
    Fome na África, fome na Índia, fome no México, fome no Paquistão,
    Vou tentar ser claro, não é por causa do biocombustível nem é de hoje que eles passam fome. . 😉

    E os biocombustíveis não emitem mais CO2 que absorvem, a sua poluição tem a ver com a formação de ozônio em virtude da reação dos óxidos e dos hidrocarbonetos. É o ozônio que ataca as vias respiratórias e não o CO2.
    Agora se a indústria americana põe o carro na frente dos bois na produção de biocombustíveis e sobe o preço do milho deles e dos “parceiros”. Ai é outra conversa! Não se pode culpar os biocombustíveis pela ganância do empresariado americano!

  23. Fred:
    ” Rui, é verdade sim que o álcool tem um poder energético cerca de 30% menor, e isto é claramente demonstrado no maior consumo por km rodado.”
    -> E isso implica que um carro a alcóol terá que consumir mais para percorrer a mesma distância, certo? E que terá menos autonomia…

    “Numa conta fácil feita aqui no Brasil antes de abastecer os veículos multicombustíveis ou flex, como o chamam por aqui:”
    -> O Flex só existe no Brasil, não é?

    ” Só compensa abastecer o carro com álcool quando o preço do mesmo for menor que 70% do preço da gasolina, isto em virtude desta diferença energética e do preço absurdo que pagamos na gasolina R$ 2,40 a 2,60 / litro, quase € 1,00/litro e 60% deste preço são para subsídios dos combustíveis alternativos, (sem este subsídio o álcool e o biodiesel ficam inviáveis economicamente).”
    -> Por cá também… Portugal é até dos países europeus onde a carga fiscal é maior sobre a gasolina, sendo essa aliás uma das maiores razões pelas quais os governos não se têm esforçado em substituir esses combustiveis fósseis, já que são um tão excelente fonte de receita…

    ” A vantagem e principal diferença é que esse carbono que é solto na atmosfera veio dela mesmo, isso ocorre com o seqüestro de carbono da atmosfera pela cana de açúcar para a produção da sacarose durante o crescimento da planta. E o carbono dos combustíveis fósseis estava aprisionado no petróleo que quando queimado vai para atmosfera.”
    -> Ok. É um bom argumento. Concedo.
    -> Mas resta o consumo de água (um bem cada vez mais escasso), a redução crescente da área agrícola no mundo (por efeito da desertificação, das inundações, das mudanças climáticas, etc), o aumento do consumo de fertilizantes, as pressões a favor da desflorestação, a transformação de terras de cultivo para alimentos em terras de cultivo para biocombustíveis, etc, etc…

    ” O estudo que você menciona só compara o poder energético e essa diferença não é camuflada, pelo menos aqui no Brasil não é. Não compara de onde vem o CO2, isto ele milagrosamente esqueceu.”
    -> Omite, de facto, mas não é esse o enfoque principal do estudo, parece-me, Fred.

    ” E já estamos utilizando em escala industrial o álcool há 30 anos e os preços dos alimentos não subiram, até baixaram para falar a verdade.”
    -> mas temos que considerar as especificidades brasileiras! O Brasil é um dos maiores produtores agrícolas do mundo e um dos seus maiores exportadores!… Por isso a pressão nos preços dos alimentos é aímuito menor do que no resto do mundo, onde os preços de todos os alimentos estão a subir, como nunca e depois de na década de 90 terem descido em flecha… No Brasil, esses efeitos tardarão a chegar (mas vão chegar, pq as vossas exportações vão aumentar de preço, e isso vai também impactar nos preços no mercado interno).

    Gaitero
    ” Como já disse em nenhum momento a materia coloca que a gasolina produz CO2 e o alcool elimina o CO2 que consumiu em quanto planta, nâo sei se e de conhecimento de vocês mas a madeira seja ela qual vor após a queima elimina todo CO2 que ela consumiu enquanto respirava, o mesmo ocorre com a cana, em nenhum momento ela elimina CO2 a mais do que ela consumiu, ou seja ela não contribui com o aquecimento já que ela mesma o ajudou a despoluir.”
    -> Está certo, mas para que a cana se desenvolva ocupa espaço, terreno agrícola, fertilizantes, transportes de homens, máquinas e até aos centros de distribuição, etc. Tudo isso emite CO2 que não pode ser esquecido e que torna a sua produção industrial numa fonte sensível de CO2. Inferior à da gasolina, correcto, mas ainda assim muito significativa.

    ” Tem aqui uma materia interecante que trata da diferença entre alcool e gasolina.
    A gasolina não é uma substância pura: É uma mistura de centenas de hidrocarbonetos que têm entre 3 a 12 carbonos nas moléculas, proveniente de uma faixa da destilação do petróleo. Há componentes mais leves e mais pesados na gasolina. Conforme o tempo passa, os mais leves se evaporam, deixando apenas os mais pesados. Por isso se diz que a gasolina “ficou velha” ou “estragou”. Em aproximadamente 2 meses, a gasolina muda sua composição por causa da evaporação dos componentes leves, sobrando os mais pesados, que costumam ter octanagem menor. Por isto é que a gasolina velha pode causar “batidas de pino” no motor. Normalmente, quanto maior o número de carbonos na cadeia (mais pesada a molécula), menor é a octanagem: Por isto, o querosene e outros solventes, se misturados à gasolina, fazem o motor “bater pino”. Estes componentes mais pesados também têm uma vaporização mais difícil. Quando expostos ao calor em estado líquido, vão se degradando e formam a conhecida “borra” de gasolina. A gasolina vendida no Brasil tem, por lei, 22% de álcool etílico em volume na sua composição, para reduzir a emissão de poluentes.”
    -> Na Europa, a UE quer impôr uma mistura a 10%.

    ” O álcool, ao contrário da gasolina, é uma substância pura (etanol), embora seja encontrado nos postos como sendo uma mistura de 95% de etanol e 5% de água, em volume. É uma molécula cuja fórmula é C2H5OH. Por ter oxigênio na composição, a molécula ganha uma polaridade que faz com que o álcool seja líquido à temperatura ambiente (o etano, C2H6 é um gás) pela maior coesão entre as moléculas. É um combustível que não deixa borras, sendo bem mais “limpo” que a gasolina, ao contrário do que se pensava nos primeiros anos do Proálcool. Tem a desvantagem de ser mais corrosivo no estado líquido que a gasolina, o que demanda um tratamento anticorrosivo nos metais que têm contato com o álcool em sua fase líquida, normalmente através de um revestimento com um metal que não reaja com ele, como o níquel, usado para revestir o Zamak dos carburadores.”
    -> Um custo de conversão único… Ok, não deve ser uma barreira, julgo.

    ” 1 litro de gasolina produz 37,5% mais energia do que 1 litro de álcool: Daí, em um motor com o mesmo rendimento térmico, um motor a gasolina que fizesse 10 km/l iria fazer 7,27 km/l usando álcool.”
    -> Pois, como dizia mais acima.

    ” esta materia resume oque o cientista falou repare na hora que ele diz, e claro não levando em consideração todos seu ciclo produtivo, e por isso que eu digo, caso na europa se plantar cana e depois ultilizem o alcoool não ”
    -> Nem pensar… a cana não se dá com as temperaturas e clima que por cá temos… Por alguma razão, nos eua fabricam etanol a partir de milho (para desgraça dos mexicanos) e não de cana… Nisso só mesmo as vossas tropicais latitudes…

    ” Quando eu digo que ela contribui para reduzir a poluiçao digo pelo fato de quando se consumir alcool deixa de se consumir gasolina, ou seja, ela consome e depois elimina CO2 “MÁS” mantem o nivel de CO2 estavel, caso fosse ultilizado a gasolina ela iria eliminar CO2 oque AUMENTARIA o nivel de CO2.”
    -> Certo. Esse é um bom argumento, contra o qual não encontro nada.

    Fred:
    ” Só um complemento a informação do Gaitero, nem todo carbono sequestrado pela cana açucar ou qualquer outra planta vai para a atmosfera na queima do álcool, uma pequena parte fica retida na materia seca da planta, (bagaço e folhagem da cana) e outra parte nos subprodutos da cana (vinhoto usado como fertilizante). Vem dai a dita redução do CO2.”
    -> E que poderia ser usado como biomassa…

    ” Sendo realista, não é sigificante essa redução, apesar de existir, pois o bagaço agora vira biomassa para produção de energia elétrica.”
    -> Pois. Foi o que escrevi… ;.-)

    ” Novamente afirmo que se em 30 anos os alimentos não subiram de preço por causa do álcool, não o farão agora. O Desmatamento idem.”
    -> No mundo sim, e muito, Fred:
    http://www.technologyreview.com/read_article.aspx?ch=specialsections&sc=biofuels&id=18173&a=
    “The recent rise in corn prices–almost 70 percent in the past six months–caused by the increased demand for ethanol biofuel has come much sooner than many agriculture economists had expected”
    http://www.wsws.org/articles/2008/mar2008/food-m12.shtml
    “Over the past nine months, global food prices have soared 40 percent, while food reserves are at 30-year lows. The rising cost of food is becoming a major source of global social instability and economic hardship.
    In the US, rising prices have compounded problems created by the collapse of the housing market, rising energy costs and stagnating wages for the majority of the population. Retail prices on staple American foods rose by double-digit percentages in the last year, according to new data from the federal Bureau of Labor Statistics (BLS). The cost of milk rose 26 percent, and egg prices grew by 40 percent.”

    http://www.boston.com/business/personalfinance/articles/2008/03/09/surging_costs_of_groceries_hit_home/
    “American families, already pinched by soaring energy costs, are taking another big hit to household budgets as food prices increase at the fastest rate since 1990.”

    http://www.wfp.org/english/?ModuleID=137&Key=2750
    “A recent Afghan Government and WFP analysis of the impact of higher prices on food accessibility revealed that wheat flour prices have increased dramatically in the past year, over 60 percent higher nationwide, and as high as 80 percent in some locations.”

    http://www.timesonline.co.uk/tol/news/world/asia/china/article1917927.ece
    “China’s communist rulers announced a moratorium on the production of ethanol from corn and other food crops yesterday at the very time that Western leaders are rushing to embrace alternative food-based fuel technology.

    Beijing’s move underlines concerns that ethanol production is driving up rapidly the costs of corn and grain. It appears to reflect a growing reality about food-based alternative fuel: it is far more expensive both economically and environmentally, than Western politicians are likely to admit. ”

    ” Fome na África, fome na Índia, fome no México, fome no Paquistão,
    Vou tentar ser claro, não é por causa do biocombustível nem é de hoje que eles passam fome. . ;)”
    -> Claro que não… problemas de distribuição (o mundo hoje ainda produzu alimentos suficientes para alimentar toda a gente), de distribuição de rendimentos e de corrupção massiva, eu sei…
    -> Mas a produção de alimentos está a cair em flecha, os preços globais a subir e se o Aquecimento Global fizer subir o nível do mar entre 3 a 12 metros, então grande partes dos solos de aluvião serão inundados, e sobretudo a produção mundial de arroz (base alimentar em muitos países asiáticos) colapsará!

    ” Agora se a indústria americana põe o carro na frente dos bois na produção de biocombustíveis e sobe o preço do milho deles e dos “parceiros”. Ai é outra conversa! Não se pode culpar os biocombustíveis pela ganância do empresariado americano!”
    -> Por isso acho que a produção de etanol a partir do milho é uma asneira grosseira, só explicável devido ao peso do lobby agrícola junto do Congresso…

  24. Marcos

    já li o bastante e nem deu tempo ler tudo, mas continuo com a minha tese.
    1 – Herança que eu falo é cultura de colonização e não outra coisa, pois portugal não deixou nada de bom no Brasil como os mals costumes e coisas que nem me arrisco a citar.

    2- Já existem outros tipos de plantas sendo estudadas no Brasil para vender alcool mais barato para o mundo ou a tecnologia. Não me venham com essa de que os países não têm onde plantar pq o petróleo ninguém planta, mas compram e estamos aqui´pra vender.(mandioca trangenica neles.)

    Deculpem pelo meu tom mais exaltado, mas o Brasil sofre muita injustiça e quando nós temos algo de bom os demais querem desqualificar. Vamos crescer sim e sempre lembrando das mazelas do nosso passado triste e sombrio.

    Os paises que passam fome não precisam do assistencialismo da ONU pois só serve pra isso mesmo e quando mais precisa os Estados Unidos vetam e ninguém abre a boca pra dizer o contrário. ONU é para tolos e o futuro a nós pertence.

    Fui…..

  25. gaitero

    A questão é que os EUA gastão 12 bilhoes por mes no iraque, é um dos maiores emossores de poluiçao no mundo e está com a corda no pescoço, será que esta não seria a hora de mudança, união. Porque tanta divergencia entre America e Europa, somos o mesmo povo, somos do mesmo sangue, no caso de Brasil e Argentina quase sua totalidade é descendente de europeus, ( UMA DAS PRIMEIRAS COISAS QUE VOCÊ PERGUNTA PARA UM NOVO AMIGO É DE QUE PAIZ ELE É DESCENDENTE, EU SOU ITALIANO). Não esta na hora de nos unirmos para tentar solucionar os graves problemas do mundo, ou ao menos dar inicio a tal União. O mundo e um só, o nosso unico lar em todo universo, quem sabe até quando a Terra ira aguetar tanta agressão.

  26. Graxaim

    Vamos aos fatos (sem ´c´): O Brasil está trinta anos na fente dos demais países em relação a bio-combustíveis.
    O Brasil desenvolveu tecnologia de ponta em todas as fases da produção, desde a área rural (agronômica) até a construcão de motores (engenharia mecânica – Motor Flex), passando por todas as fases biológicas do aperfeiçoamento das variedades de cana. Igualmente foram projetadas e fabricadas as máquinas… colheitadeiras, etc… Enfim, criamos incontestavelmente algo para o benefício da humanidade. Contestar isso é passar o mais claro atestado de ignorância, desconhecimento e má vontade com um país que históricamente recebeu a todos de braços abertos. A estupidês é aceitável até um certo ponto… mas… quando ultrapassa os limites, causa uma desagradável irritação.
    Basta ser pouco mais que mononeural para entender que os combustíveis fósseis liberam para a atmosfera as moléculas de carbono que estavam ´´sepultadas´´. Os bio-combustíveis usam o carbono JÁ EXISTENTE na atmosfera, em constante ´toma-e-devolve´.
    Qualquer argumento contrário é ´recalque´, inveja e bem no fundo… reconhecimento de quem tem muito o que fazer no mundo. O Brasil é por destinação o ´macho alfa´ do planeta… Nada do que se faça ou diga vai mudar isso.

  27. Marcos

    Graxiam,

    Vc é foDa cara. rsrsrs ,foi fundo hein.!

    Apoiado

    abraços

  28. Marcos

    Gaxaiam.

  29. Marcos

    Puta merda cara, tentei duas vezes e as duas sairam errado. desculpa.

    abraços

  30. Em suma, eis a minha posição assim resumida:
    1. Biocombustíveis à base do milho: não
    2. Biocombustíveis à base de cana: sim, mas sem desmatamento nem conversão de campos para alimentos
    3. Tecnologia Flex: sim, claro!
    4. Incorporação de 10% na UE: não, a menos que se importe etanol de cana
    5. Biocombustiveis a aumentar os preços de alimentos no mundo: sim, é um facto e um problema a resolver
    6. Biocombustíveis válidos, hoje, sim, como solução de transição para outras fontes mais duráveis como o hidrogénio de algas OGM ou painéis solares de alta rentabilidade, ou reactores de fusão como o iter.
    7. Brasil: Sim. É o país do Futuro e o Futuro da Lusofonia. Que isso fique bem claro. E o Brasil será tanto maior quanto mais souber impulsionar uma união política, económica e militar dos povos da lusofonia. Paritária, justa e exemplar que sirva de exemplo a todas as demais tiranias e “impérios” do Mundo.

  31. Fred

    Só não consigo concordar com o argumento 5, o que aumenta a fome no mundo não são os biocombustíveis. São a GANÂNCIA e a USURA.
    O preço dos alimentos só subiu porque o milho americano foi pro espaço.
    Para exmplificar, os americanos estão comprando as usinas de alcool brasileiras do Nordeste brasileiro. Só tem um detalhe que aparentemente os americano ainda não sabem, o NE possui 10% da produção de alcool do Brasil e 30% de toda mão de obra no setor. Vão quebrar a cara de novo! Igual como no milho!

  32. Fred

    Exemplificar, usinas de álcool do NE brasileiro, americanos

  33. Talvez não, Fred. Mas essa parece ser a posição dominante entre os especialistas… de que os biocombustíveis estão a pressionar e a elevar o preço dos alimentos em geral…

  34. Anónimo

    A Eugenia também teve diversos especialistas, principalmente americanos….

  35. Graxaim

    Marcos
    É véio, as vezes os caras pegam pesado (se fosse pessoal eu até levava livre… mas com o Brasil, cara… já chega!) a gente perde o saco. Abração, meu irmão.

    Clavis
    1. Biocombustíveis à base do milho: não
    >>> Isso é uma clara demonstração que em tecnologia agrícola o Brasil de hoje já supera os EEUU. No Brasil atual, se desenvolvem todos os tipos de variedades, de qualquer cultura, adaptadas aos mais variados climas e tipos de solo, condicionados à precipitação pluviométrica média dos mais variados locais. Se eles (americanos) tivessem 10% da capacidade científica que alardeiam nessa área (e que o Brasil possui), teriam adaptado a cana de açucar para produção nos estados do sul. Nós teriamos sobradas condições de fazê-lo. Enfim… o milho está mais de acordo com a tecnologia que eles dispõe.

    2. Biocombustíveis à base de cana: sim, mas sem desmatamento nem conversão de campos para alimentos
    >>> Não existe um único pé de cana na região norte do Brasil. O nosso país não necessita derrubar floresta para produzir nada e a cana teria que sofrer adaptação (novas variedades) para ser produzida no clima amazônico.
    Quanto aos campos para produção de alimentos… bem, nossos produtores agrícolas batem um record anual sobre o outro. Falando claro: Cada ano que passa, produzimos mais cereais e mais biocombustíveis.

    3. Tecnologia Flex: sim, claro!
    >>> Óbvio. Para que tenhas uma idéia… Tanque vazio? Compra algumas garrafas de alcool no mercado e o teu carro funciona NORMALMENTE.

    4. Incorporação de 10% na UE: não, a menos que se importe etanol de cana
    O Brasil pode produzir muitas e muitas vezes mais etanol do que hoje. O problema da UE é o medo da dependência… Lamento, mas isso será inevitável. Sabendo-se que o etanol é o segundo item da dependência. O primeiro será a comida. Não terão opção…

    5. Biocombustiveis a aumentar os preços de alimentos no mundo: sim, é um facto e um problema a resolver
    >>> Desculpa, mas não é verdade. Os biocombustíveis não estão interferindo na produção de ´comida´. Até poderá vir a ser um problema futuro, mas na atualidade não! Com certeza absoluta, o Brasil continuará a produzir cada vez mais biocombustíveis e mais alimentos por muitas décadas ainda.

    6. Biocombustíveis válidos, hoje, sim, como solução de transição para outras fontes mais duráveis como o hidrogénio de algas OGM ou painéis solares de alta rentabilidade, ou reactores de fusão como o iter.
    >>> O carvão foi transição, o petróleo foi transição, os biocombustiveis evidentemente o serão… Mas isso só é lembrado para depreciar o Brasil como produtor… Espera sentado amigo, a nossa vez chegou, goste tu ou não.

    7. Brasil: Sim. É o país do Futuro e o Futuro da Lusofonia. Que isso fique bem claro. E o Brasil será tanto maior quanto mais souber impulsionar uma união política, económica e militar dos povos da lusofonia. Paritária, justa e exemplar que sirva de exemplo a todas as demais tiranias e “impérios” do Mundo.
    >>> Engano teu, amigo. Boa parte do Brasil já chegou no futuro ( e já estamos vendo muita gente ficando para trás). Ocorre que somos tão grande, que precisamos passar todos e tudo o que temos pela linha do futuro. Em breve acontecerá.
    Quanto à união, eu te pergunto…: Como ter, como companheiro de jornada, alguém que tão claramente te repele? Mesmo nos portugueses que dizem querer a união lusófona, sente-se algo que só nos faz distanciar… A mim parece haver uma vontade inconsciente dos portugueses para que tudo no Brasil dê errado. Gostaria que fosse diferente. Gostaria de estar enganado, mas… os fatos… Lamento profundamente… Lê, meu caro, as tuas reações e o que escreves sobre o meu país e nossas coisas… Lamento… Lamento muito…

  36. Obviamente, estás muito enganado e não lestes com olhos de ler nada do que tenho escrito no Quintus. E eu é que lamento por tal. Ninguem acredita mais no Brasil do que eu, e se não o sabes, não tens lido nada do que por aqui escrevo, nem tens observado a paciência com que levo os comentadores agressivos que pontualmente por cá passam: é que nada importa mais do que o futuro da Lusofonia e da União Lusófona, nem o Brasil, nem Portugal, nem os demais. O futuro destes países não é serem dominados nem por Angola, nem pelo Brasil, nem por Portugal, é serem unos e exemplares num mundo de trevas e em crise aguda e formarem no mundo algo que nunca existiu: um único País, uno, fraterno, humanista e justo. Se não percebeste isso, não tenho nada mais a acrescentar.

  37. Marcos

    Na verdade concordo com os dois.! (Graxaim e Clavis).

    >> Graxaim- principalmente no ponto em que ele se refere à indiferença do povo português a Nós brasileiros como nação e povo decente.

    >> Clavis – no ponto onde ele se coloca como defensor das idéias da Lusofonia .

    Isto é fato…

    Abraços a todos

    E Brasil rejeitado hj, mas inevitável potencia de amanhã, um dia precisarão de nós e não vamos deixar ninguém sem assistencia, pois sempre fomos um povo pacato e cordial.

    Isto a Espanha tbn fez e continua fazendo conosco..nos descriminando e escurraçando o nosso povo..mas eles não fazem idéiam o mal que estão fazendo.

    fuiz…

  38. Fred

    Concordo com o Clavis em tudo, exceto o item 5, que os biocombustíveis são a causa da fome. E já expliquei porque! Contra fatos não há argumentos. São 30 anos de cana, nada de preços subirem.

    Sobre as projeções de um futuro grandioso do Brasil, plantando tudo dá, pra frente Brasil, etc e tal, tenho certas restrições moderadoras, talvez por falha de formação ou informação, preconceito mesmo até.

    Sou radicalmente contra o Ufanismo, na verdade, abomino tal corrente. Em qualquer nível ou segmento e de qualquer lado que venha.

    Acho melhor ter o dinheiro primeiro, pra gastar depois.

    Como exemplo forçado:
    Basta aparecer um “irmano” cheirado qualquer, usando um “turbante azul” ou uma camiseta vermelha, na verdade tanto faz, para por tudo a perder.
    Ou uma enfermeira desvairada com mania de não pagar dívidas. E aí! De novo tudo no saco. (Não diga que isso é impossível, vide o sr. molusco que até provem o contrário foi até uma grata supresa).

    São muitas variáveis para poucas condições de contorno.
    Tudo caminha para que realmente esse futuro grandioso vire presente. E também quero isso. Mas uma coisa de cada vez, um passo por vez.

    O futuro pode ser entendido e até lido, porém não pode ser ditado.
    Só a poucos foram concedidos a chave dos profetas. hehehehe 😉

    Forte abraço a todos

    Fred

  39. Marcos:
    ” >> Graxaim- principalmente no ponto em que ele se refere à indiferença do povo português a Nós brasileiros como nação e povo decente.”
    -> Nunca neguei que há franjas da população portuguesa a menosprezar o Brasil e os brasileiros. Assim como não nego o sentimento oposto (infelizmente melhor representado por alguns comentários de outros posts). Aquilo que nego veementemente é a minha partilha desses sentimentos.
    -> De facto, considero tal uma ofensa pessoal, especialmente depois de tudo o que tenho escrito a favor do Brasil, dos brasileiros, da reunião dos nossos dois povos e do futuro da lusofonia no mundo.

    ” >> Clavis – no ponto onde ele se coloca como defensor das idéias da Lusofonia .”
    -> Esse é o maior objectivo deste espaço e a missão da minha vida.

    ” E Brasil rejeitado hj, mas inevitável potencia de amanhã, um dia precisarão de nós e não vamos deixar ninguém sem assistencia, pois sempre fomos um povo pacato e cordial.”
    -> Exactamente como Portugal. Nunca esquecemos Timor, até o conseguir devolver á independência. Da mesma forma, as forças portuguesas estão presentes em todos os mais perigosos cenários de guerra, sempre sendo respeitados pelo seu trato humanista e pela sua eficiência, do Afeganistão ao Líbano, da Bósnia ao Kosovo. Missões que muito gostaria de ver cumprir lado a lado com forças brasileiras, daí esta petição:
    http://www.petitiononline.com/mil1001/petition.html

    ” Isto a Espanha tbn fez e continua fazendo conosco..nos descriminando e escurraçando o nosso povo..mas eles não fazem idéiam o mal que estão fazendo.”
    -> A Espanha é muito diversa…. Os galegos não pensam como os castelhanos, nem os andaluzes como os bascos… mas portugueses e brasileiros pensam e sentem igual…

    Fred:
    ” Concordo com o Clavis em tudo, exceto o item 5, que os biocombustíveis são a causa da fome. E já expliquei porque! Contra fatos não há argumentos. São 30 anos de cana, nada de preços subirem.”
    -> No Brasil, caro Fred, e acredito em ti, quando o dizer. Mas no mundo, e sobretudo nos EUA, México e na Europa não admites que a conversão de campos de milho está a aumentar os preços desse cereal?
    -> E admito que pode (há certamente) exagero nos relatos que dão a expansão do cultivo de soja e de cana no Brasil, como estando a aumentar o preço do acçúcar nos mercados. Mas é do milho, nos mercados internacionais, que falo sobretudo, não da cana, e da expansão da área de cultivo de milho à custa de outras culturas, não no Brasil, mas a norte dele!

    ” Sobre as projeções de um futuro grandioso do Brasil, plantando tudo dá, pra frente Brasil, etc e tal, tenho certas restrições moderadoras, talvez por falha de formação ou informação, preconceito mesmo até.
    Sou radicalmente contra o Ufanismo, na verdade, abomino tal corrente. Em qualquer nível ou segmento e de qualquer lado que venha.
    Acho melhor ter o dinheiro primeiro, pra gastar depois.”
    -> Correcto. È a atitude mais sensata… A crise que vem aí promete ser severa… talvez pior que a da década de 30. veremos como lhe resistem as economias emergentes, como o Brasil… Este está melhor preparado que a China (é autonómo e exportador de alimentos, ao contrário desta e tem petróleo para auto-consumo, ao contraŕio desta e da Índia).

    ” Como exemplo forçado:
    Basta aparecer um “irmano” cheirado qualquer, usando um “turbante azul” ou uma camiseta vermelha, na verdade tanto faz, para por tudo a perder.
    Ou uma enfermeira desvairada com mania de não pagar dívidas. E aí! De novo tudo no saco. (Não diga que isso é impossível, vide o sr. molusco que até provem o contrário foi até uma grata supresa).
    São muitas variáveis para poucas condições de contorno.
    Tudo caminha para que realmente esse futuro grandioso vire presente. E também quero isso. Mas uma coisa de cada vez, um passo por vez.
    O futuro pode ser entendido e até lido, porém não pode ser ditado.
    Só a poucos foram concedidos a chave dos profetas. hehehehe ;)”
    -> Não a mim, Fred… a outros, a outros… anões caminhando aos ombros de gigantes, como diziam os latinos… língua que dominas, estou a ver!

    ” Forte abraço a todos”
    -> Outro Fred e também a todos os que aqui têm comentado de além-mar, mesmo ao Graxaim, do fundo do seu poço de desilução perante as perspectivas da união lusófona!

  40. Graxaim

    ” Forte abraço a todos”
    -> Outro Fred e também a todos os que aqui têm comentado de além-mar, mesmo ao Graxaim, do fundo do seu poço de desilução perante as perspectivas da união lusófona!
    >>> Escrevestes o que se le acima:
    -> Correcto. È a atitude mais sensata… A crise que vem aí promete ser severa… talvez pior que a da década de 30. veremos como lhe resistem as economias emergentes, como o Brasil…
    Sempre, sempre e sempre as dúvidas sobre o Brasil. O pior é que é só sobre o Brasil. Será que o Brasil pode? Será que o Brasil faz? Será que o Brasil é capaz? Será que o Brasil resiste à crise? É sobre isso que falei acima. O que é posto em dúvida é a capacidade que nós temos de vencer e superar os problemas. Náo falemos de ofensa, portanto. O que fere Pedro, fere Paulo. Ou só vale para um de nós?
    Nunca diria a mínima palavra negativa sobre o Portugal tão querido, pátria que viu nascer alguns dos amores que tenho na vida. Mas garanto que é ´duro´ ver, se por em dúvida a capacidade do povo que habita a minha terra. Patriota…? Sou sim! Alguém que gostaria de ver os povos lusófonos unidos, como um só povo? Sim, mil vezes sim! Mas vejo os constanstes comentários de dúvida sobre a capacidade do Brasil como uma forma menos certa de atrair simpatizantes para nossa causa. E que Deus me perdoe, mas tenho a certeza de estar certo.
    Ofender alguém via internet, jamais o faria… Devolver tratamento, talvez…

    ´´mesmo ao Graxaim, do fundo do seu poço de desilução perante as perspectivas da união lusófona!´´
    >>> Sabe, portuga… fiquei super contente no dia em que encontrei o teu blog. Vi nele a realização possível do meu sonho de união lusófona ou pelo menos um concreto caminho a seguir, que acalentava desde a infância. Continuo achando a mesma coisa, mas acho que devias considerar… alguns detalhes.
    Fundo do poço??? Corta essa, cara. Qualé?
    Um abraço fraterno e um sorriso amigo

  41. Não tenho dúvidas sobre o Brasil!
    Tenho é dúvidas sobre o impacto desta Crise financeira na economia mundial e nas economias que nela mais estão globalizadas, e uma delas é o Brasil! Mas é uma preocupação genuina, de vera preocupação não de “torcida” pelo falhanço do Brasil! Isso seria absurso, já que é nele que residem hoje as grandes esperanças da lusofonia!
    E sim… Saí dessa! Portugal e o Brasil ainda serão esse grande país de Vieira de Agostinho! Juntos, lado a lado!
    Por muitas crises financeiras que por aí venham, das bandas neoliberais e apesar de todos os expansionismos e imperialismos chineses.

  42. Marcos

    CLAVIS.!

    As minhas críticas não sõa direcionadas à sua pessoa e sim aos orgãos que os representam e talvez um parte da sociedade, sei que vc é uma pessoa de muita boa fé e que nos une.

    abraços

  43. Fred

    Clavis entendo a dúvida, a situação é preocupante sim, para o mundo, como um todo. Afinal o EUA são os maiores compradores do mundo. E estão presentes os sinais da Estagflação por todo o mundo.
    Porém nossa economia hoje é mais sólida, e menos dependente dos EUA. Quando comparados com países como a China e Índia.

    É difícil explicar isso o assunto é muito longo.
    Do ponto de vista macroeconômico, o Brasil não tem condições de crescimento maior que 6% do PIB ao ano! Não porque não possa produzir essa riqueza, longe disso, podemos produzir até o dobro e mesmo com o PIB de 1,5 Trilhões de dólares. O que está faltando é infra-estrutura para escoar isso e baixar os custos de produção.
    Para se equacionar, o Brasil cortou na carne, não adequou sua infra-estrutura para esse crescimento, nosso gargalo para o crescimento atual é 2012. Certo ou errado, foi isso o que ocorreu.
    Caso não entre em operação a Madeira Mamoré e as linhas de transmissão e boa parte do PAC a situação começará a ficar crítica. O crescimento ficará mais restrito ainda.

    Daí o boom da indústria da construção do Brasil, as obras saindo em todo território nacional. Está se construindo de tudo e muito, de obras residenciais, comerciais e industriais a obras de infra-estrutura, pontes, estradas, hidroelétricas, linhas de transmissão, refinarias, gasodutos.

    Tudo isso para viabilizar o crescimento do Brasil. Tudo está encaminhado e pouca coisa pode dar errado. As represas estão cheias e transbordando, a Petrobrás está investindo pesado no gás natural. Nossa importação de diesel está diminuindo passo a passo com a adição do biodiesel. O que aumenta nosso superávit na balança comercial. Os tradicionais investidores internacionais estão entrando com força no mercado imobiliário, e diferente da bolha americana, para retorno a longo prazo e sem atuar no mercado subprime.

    Daí a certeza de tantos do sucesso, e creio nele também, só sou mais moderado, pois os resultados não são tão rápidos, leva uns bons 10 anos para se consolidarem e dependem da continuidade de políticas de governo, que por enquanto existem.

    Nossas condições de sustentabilidade nos deixaram muito “blindados” em relação ao passado. O crescimento da classe C, que hoje é a maior do País, permite um consumo interno elevado o que dá uma bela força no pedal da bicicletinha.

    Bem, posso até está enganado ou superficial demais, afinal o assunto é muito complexo e extenso, alguém complete ou corrija-me, por favor.

    Forte abraço a todos,
    Fred

  44. Bem… Eu fiquei esclarecido e menos preocupado com o impacto que a presente crise nos EUA (e em menor grau, na Europa) poderá ter na economia brasileira… estou menos convicto é que a China e a ìndia, que dependem tanto das exportações e tão pouco do mercado interno possam resistir de igual forma… além de que não são independentes energéticamente (como o Brasil), nem do ponto de vista alimentar (como o Brasil). Dos BRIC:
    Brasil
    Rússia
    India e
    China
    Os dois últimos vão ressentir-se com esta crise que Greenspan dá já como a mais grave desde a de 29, a Rússia deverá aguentar por causa da alta dos preços do petróleo (uma produção que começará a cair na Rússia a pique a partir de 2011) e destes… O Brasil é de facto, o melhor posicionado. Tanto mais porque alimentos… todos terão que continuar a importar, custe o que custar, certo?

  45. Marcos:
    “CLAVIS.!
    As minhas críticas não sõa direcionadas à sua pessoa e sim aos orgãos que os representam e talvez um parte da sociedade, sei que vc é uma pessoa de muita boa fé e que nos une.”
    -> Tudo bem, Marcos. Eu não fiquei chateado… Quem me vai acompanhando por aqui, saberá que poucos em Portugal defendem o Brasil e os brasileiros com maior vigor do que eu, por isso é que fico sempre um pouco “afinado” quando confundem o meu relativo descrédito pelo biocombustível com a minha descrença no Brasil… Nada tem a ver! E como já disse inúmeras vezes: é um erro cultivar milho na Europa e nos EUA para fabricar etanol, mas nada (que eu saiba, além da desmatação que me dizem que não ocorre) tenho contra o plantio e exportação de etanol a partir de cana.

  46. gaitero

    Caro amigo, será que existe a possibilidade disto acontecer, você teria alguma influencia ou alguem com influencia pensa da mesma maneira em portugal??????

    Sinto dizer mas se depender do LULA isto não vai acontecer, ou ao menos se tiver de partir dele a iniciativa.

    Como queria que isto acontessese, é dificil mas possivel, só que quanto mais o tempo passar, mais diferenças teremos que superar. Você tem alguma perspectiva de como poderiamos começar tal união, terá de partir do povo ou do governo. Temos que agir não apenas sonhar, esta situação poderia contruir uma nova naçao um novo ” antigo” porem novo povo.
    Oque teriamos de fazer para que ocorrece tal união você poderia me dizer oque você pensa sobre isto?????

  47. gaitero

    União lusofonica…… ^^ postei no local errado

  48. Gaitero:

    Alguém com influência pensa assim em Portugal (penso que te refiras à “União Lusófona”). Aliás, a sondagem aqui ao lado mostra até que perto de 40% dos portugueses concordam com a tese e o movimento onde milito e onde faço parte da comissão coordenadora tem precisamente esse ponto como um dos seus pontos fulcrais. Por isso, si, não estamos sós.

    Existe muito trabalho de “sapa” e de informação a cumprir… aqui e no Brasil, estou certo… E Lula… Não me parece muito “anti-português”, embora seja menos virado para as coisas da Lusofonia do que o seu predecessor, creio…

    O tempo pode estar a aproximar-nos mais do que a separar… Resolvida a questão (finalmente!) do Acordo Ortográfico teremos (quase…) a mesma grafia, e isso vai aproximar os dois países de muitas e diversas formas…

    E imagina a força que no mundo teria uma “nação pluricontinental”, tão extensa e povoada como uma forma (pelo menos) por Angola, Brasil e Portugal (não desmerecendo os demais), com os recursos, a riqueza e a tecnologia e, inclusivamente, um “pé” na Europa, seríamos uma verdadeira potencia mundial de escala global e projecção mundial incomparável.

    De facto, acredito mesmo que a verdadeira missão histórica de Portugal foi a de, primeiro, forjar esse milagre de coesão e extensão que é o Brasil e depois de criar essa tal entidade pluricontinental que será a…

    União Lusófona.

    Actualmente, já temos quase 500 membros do MIL, dos quais perto de 100 são brasileiros:
    http://novaaguia.blogspot.com/

  49. Fred

    Eu sou um dos brasileiros!

  50. Fred: Sim, um dos 98 (se a contagem não me falha…)!

  51. Graxaim

    “Clavis Prophetarum (20:06:17) :

    Bem… Eu fiquei esclarecido e menos preocupado com o impacto que a presente crise nos EUA (e em menor grau, na Europa) poderá ter na economia brasileira… estou menos convicto é que a China e a ìndia, que dependem tanto das exportações e tão pouco do mercado interno possam resistir de igual forma… além de que não são independentes energéticamente (como o Brasil), nem do ponto de vista alimentar (como o Brasil). Dos BRIC:
    Brasil
    Rússia
    India e
    China
    Os dois últimos vão ressentir-se com esta crise que Greenspan dá já como a mais grave desde a de 29, a Rússia deverá aguentar por causa da alta dos preços do petróleo (uma produção que começará a cair na Rússia a pique a partir de 2011) e destes… O Brasil é de facto, o melhor posicionado. Tanto mais porque alimentos… todos terão que continuar a importar, custe o que custar, certo?´´

    >>> Por que será que li tantas vezes este texto, em particular ??? Será por que me pareceu aglutinante, positivo, sem mas, todavia ou poréns…? Como nunca, uma interpretação ´´limpa´´ dos fatos… Sem cogitar possibilidades negativas… Não por que não existam, pelo contrário, mas por que foram poupadas ou excluidas. Sobrou simpatia e é isso que faz a diferença. Isso faz a camaradagem e aumenta nosso ´´exército´´… Parabéns… Removeu algumas pedras do caminho… Gostei mesmo. Pela UL.
    Um sorriso feliz e um abraço fraterno…

    PS. – Cadent mili a latera tua et decem milii a dextris tuis.

  52. Graxaim: as dificuldades estão sempre ali… mesmo ao virar da esquina. Simplesmente, o Brasil, dos BRIC é aquele que melhor está preparado para as enfrentar. Mas cuidado com os triunfalismos precipitados de que fala o Fred: o excesso de optimismo brasileiro pode deitar tudo a perder, assim como o excesso de pessimismo português… Um e outro são negativos e improdutivos. Há que trabalhar, e trabalhar ainda mais (na Educação, na Qualificação, sobretudo), para que o Brasil consolide o seu Futuro que hoje se lhe pode adivinhar.

  53. Fred

    Graxaim, por que o salmo 90-7?
    Só pergunto porque realmente não entendi! 🙂
    …, E tu não serás atingido!

    Clavis, como escrevi anteriormente, o Brasil por muitos anos investiu no Sul/Sudeste e a partir da década de 60 iniciou o investimento no Centro Oeste e na década de 90 na Amazônia e no Nordeste.
    Inevitavelmente a presença do estado com suas obrigações chegarão a todos, principalmente na Amazônia, obvio que não será agora, e o que poderá variar será a velocidade, se mais rápido ou mais lento. Mas inevitavelmente chegará.

    Dai o excesso de euforia e a volta do ufanismo (que detesto), por sinal ontem foi aniversário do golpe de 64.
    Os sinais estão ai e muita gente esclarecida, como o Graxaim e outros que aqui comentam, já enxergam essas mudanças claramente.

    Como sou mais comedido, acredito que estas mudanças não ocorrerão para essa geração usufruir, mas para a próxima. O que me leva a lembrar a urgência de semear o movimento lusófono aqui.

  54. Eu continuo optimista, mas acredito que o Brasil deve encontrar em si mesmo o maior sustentáculo do seu crescimento (via mercado interno e consumo) e não nas exportações que fragilizam e expõem tanto uma Economia a crises cinjunturais e aos problemas dos seus exportadores… Isso está aparentemente a ser feito, com sucesso (Lula tem as taxas de popularidade mais altas de sempre, num PR brasileiro, ao que sei)

    Talvez a área onde haja ainda mais trabalho a fazer seja a da Educação… Onde a Índia e a China têm apostado violentamente, e provavelmente aquela que a médio prazo mais dividendos trará…

  55. Fred

    Sim, Educação é fundamental, mas existem outras coisas que vem em primeiro lugar.
    Ontem saiu uma reportagem sobre o grande número de Brasileiras que atravessam a fronteira com a Colombia e Peru para dar luz por falta de condições do lado Brasileiro.
    Por isso que falo de presença de estado. Isto só ocorre por que o estado é omisso.

  56. referes-te ao sector da Saúde?
    o que se passa com a Dengue no Rio é um sintoma de um sistema de saúde ineficiente ou de políticas de gestão municipal erradas?
    e olha que as mulheres da raia alentejana também estão a dar à luz em Badajoz…

    por cá também temos muito a dizer quanto à Saúde… E quanto à retirada do Estado do interior do país (encerramento de maternidades, urgências, centro de saúde, etc, etc)… Coisas de um economicismo cego mas obediente a Bruxelas que não hesita em dispensar o Interior do País, afinal o seu verdadeiro cerne…

  57. Fred

    Não só saúde, mas todas as obrigações do estado que estão realmente faltando na região da fronteira norte!

    No Rio o problema é municipal, houve verbas federais e estaduais para o município que simplesmente não está nem ai para a população carioca.

    Vide o municipio de Niteroi (uma ponte de distância, grande mais ainda ponte) não há epidemia, nem hospitais cheios, nem mortes por dengue, e um número aceitável de infectados por qualquer padrão.

    E o prefeito cesar maia do Rio ainda tem a cara de pau de dizer que o problema não é grave! Esse não ganha eleição nem para síndico do prédio dele.

  58. Fred

    ou pelo menos não devia ganhar.

  59. Li em tempos (dois ou três anos atrás) que o município de RJ estava técnicamente falido. Isso é parte do problema, presumo…
    E Santa Catarina… que tem servido de modelo para tantos artigos aqui na Europa…
    Não é grave pq da família dele ainda ninguém morreu, claro!
    Ele é do PT?

  60. Fred

    Não é do DEM – (Democratas, antigo PFL)

  61. Fred

    Bem agora a situação no Rio está bem pior! Não sei que desculpa agora vão dar!

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

Create a free website or blog at WordPress.com.

Eleitores de Portugal (Associação Cívica)

Associação dedicada à divulgação e promoção da participação eleitoral e política dos cidadãos

Vizinhos em Lisboa

A Vizinhos em Lisboa tem em vista a representação e defesa dos interesses dos moradores residentes nas áreas, freguesias, bairros do concelho de Lisboa nas áreas de planeamento, urbanismo, valorização do património edificado, mobilidade, equipamentos, bem-estar, educação, defesa do património, ambiente e qualidade de vida.

Vizinhos do Areeiro

Núcleo do Areeiro da associação Vizinhos em Lisboa: Movimento de Vizinhos de causas locais e cidadania activa

Vizinhos do Bairro de São Miguel

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos

TRAVÃO ao Alojamento Local

O Alojamento Local, o Uniplaces e a Gentrificação de Lisboa e Porto estão a destruir as cidades

Não aos Serviços de Valor Acrescentado nas Facturas de Comunicações !

Movimento informal de cidadãos contra os abusos dos SVA em facturas de operadores de comunicações

Vizinhos de Alvalade

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos de Alvalade

anExplica

PEDAÇOS DE SABER

Subscrição Pública

Plataforma independente de participação cívica

Rede Vida

Just another WordPress.com weblog

Vizinhos do Areeiro

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos do Areeiro

MDP: Movimento pela Democratização dos Partidos Políticos

Movimento apartidário e transpartidário de reforma da democracia interna nos partidos políticos portugueses

Operadores Marítimo-Turísticos de Cascais

Actividade dos Operadores Marítimo Turísticos de Cascais

MaisLisboa

Núcleo MaisDemocracia.org na Área Metropolitana de Lisboa

THE UNIVERSAL LANGUAGE UNITES AND CREATES EQUALITY

A new world with universal laws to own and to govern all with a universal language, a common civilsation and e-democratic culture.

looking beyond borders

foreign policy and global economy

<span>%d</span> bloggers like this: