Os geradores de energia a Ondas da Martifer e da desnecessidade de construir uma Central Nuclear


(Eu sei que os “EPR” (European Pressurized Water Reactor) são supostamente muito seguros mas será que algo feito pelo Homem está totalmente isento de sofrer uma falha como esta supra?)

A Martifer Energia tem em curso um investimento de 10 milhões de euros num projecto-piloto para o aproveitamento da energia das ondas.

Trata-se de um sistema flutuante composto de duas estruturas móveis ligadas entre si, que oscilam durante o movimento das ondas, resultando daí a energia que acaba por accionar o gerador eléctrico acoplado à estrutura.”

(…)

O projecto, que ainda se encontra em fase de ensaios no tanque de ondas da Martifer, deverá ficar pronto já próximo ano (2008), sendo colocado no mar nos últimos meses de 2008. A zona escolhida para esta primeira experiência no sector da energia oceânica deverá ser ao largo de São Pedro de Moel.”

(…)

Os responsáveis da Martifer garantem que o PIDREO (Projecto de Investigação e Desenvolvimento da Energia das Ondas) é o resultado de investigação científica nacional, de onde se destacam equipas do INETI, do IST, do INEGI e ainda da Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade de Coimbra.”

Vítor Andrade

Expresso, 15 de Dezembro de 2007

Sabe-se hoje quem no ano de 2007, Portugal conseguiu abastecer o seu consumo energético com 39% de energia produzida por fontes renováveis, como a energia eólica e hídrica. Se a Martifer conseguir construir uma rede de estações de energia de maré, sem danos no meio ambiente e capazes de abastecer as cidades costeiras e se estas estações forem multiplicadas em número suficiente poderemos sonhar com uma indústria nacional, com tecnologia de ponta e claramente exportável que será capaz cumprir de juntamente com a energia fotovoltaica possa tornar Portugal autosuficiente a breve prazo. Cruzando o Sol, uma das nossas maiores riquezas e que agora com células fotovoltaicas de nova geração, como aquelas que agora começam a sair das fábricas da Nanosolar, com o reacender do adormecido plano nacional de barragens e com uma rede extensa e desenvolvido de centrais de maré como o equipamento da Martifer não é utopia acreditar na autosuficiência energética portuguesa… Algo vital, se o petróleo se começar a perder o passo a partir de 2030 (como acreditam alguns) com a Procura total a exceder a Oferta…

Se Portugal se tornar o campeão europeu das Energias Renováveis, poderá livrar-se finalmente dessa grande travão ao Desenvolvimento que é a tradicional importação da maioria da Energia que consumimos, reequilibrar a Balança de Pagamentos e até tornar-se exportador de tecnologia cada vez mais valiosa num contexto mundial de esgotamento das fontes energéticas que dependem do Petróleo e do Gás Natural e que – sobretudo – contribuem com as suas emissões de Carbono, para o Aquecimento Global. A produção de energia por fontes renováveis parece ser assim capaz de cumprir o papel da Central Nuclear de Monteiro de Barros (ver AQUI) sem a necessidade de esperar dez anos pela entrada dos primeiros Watts nucleares na rede pública (o tempo que uma central leva a entrar em operação regular), já que este valor impressionante de 39% foi obtido apenas ao longo de um prazo de investimento nas eólicas por parte da EDP muito mais curto e a… uma fracção dos 3 mil milhões de euros que teriam custado uma Central Nuclear, a qual, de qualquer maneira seria capaz de fornecer apenas 20% do consumo final do país… Ou seja, apenas metade dos 39% conseguidos JÁ em 2007!

E sem risco (remoto ou não) disto.

Portugal devia construir uma central nuclear?
1) Sim
2) Não

View Results

Anúncios
Categories: Ecologia, Economia, Portugal | 5 comentários

Navegação de artigos

5 thoughts on “Os geradores de energia a Ondas da Martifer e da desnecessidade de construir uma Central Nuclear

  1. Fred

    Clavis, como você sabe, sou um defensor da energia nuclear para o Brasil como substituição as termoelétricas convencionais. Mas sou porque o Brasil possui reservas de urânio, temos os meios de produção do combustível e uma dependência sazonal irritante (e cara) dos ciclos de chuva, já que a matriz de produção é hidroelétrica e que necessita de complementos de outra fonte energética quando da falta de chuvas.
    E das Termoelétricas, a Nuclear é a mais competitiva num ciclo de 20 anos (ciclo do combustível, pois consegue ser mais barata que a operação de uma usina a carvão pelo mesmo período).

    Não tenho conhecimento para julgar, mas não vejo nenhuma vantagem para Portugal em possuir uma usina nuclear em detrimento a outras fontes.

    Alguém poderia elencar essas vantagens? Se é que existe alguma.
    Forte Abraço

    Fred

  2. Comparando estritamente o nuclear com o carvão, este ganha… em toda a linha, excepto sempre na tal hipótese (remota ou não) de um acidente de grande escala… e descontando (podemos mesmo?) a questão dos resíduos.
    Mas uma solução combinada, com solar, ondas, eólica, etc. Tudo isso pode ficar mais barato, ser mais descentralizado do que construir uma ou duas centrais,.

  3. Caros amigos, tomei a liberdade de linkar este vosso post num meu sobre questão idêntica, em http://claustrofobias.blogspot.com/2008/01/eco-logias.html.
    Aproveito para informar que a revista CUBO, na sua edição de 8 de Janeiro dá conta da instalação do primeiro “parque de ondas”, a instalar durante o primeiro trimestre deste ano, pela empresa Enersis, ao largo da Aguçadora (Póvoa de Varzim).
    Saúde.

  4. Claro, estás à vontade:
    O link estava quebrado, o correcto seria:
    http://claustrofobias.blogspot.com/2008/01/eco-logias.html
    Obrigado!

  5. Bom dia, estou fazendo um curso tecnico em eletromecanica e a minha professora de eletricidade geral me pediu que eu fizesse uma pesquisa sobre energias limpas me dando o beneficio de escolher o tema, eu escolhi energia das ondas, porem estou com um pouco de dificuldade de obter informações recentes sobre esse assunto.
    Se alguem pudesse me fornecer informações sobre esse assunto ficarem bastante agradecido.

    Obrigado de antemão
    Wellington Carvalho.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

Create a free website or blog at WordPress.com.

Eleitores de Portugal (Associação Cívica)

Associação dedicada à divulgação e promoção da participação eleitoral e política dos cidadãos

Vizinhos em Lisboa

A Vizinhos em Lisboa tem em vista a representação e defesa dos interesses dos moradores residentes nas áreas, freguesias, bairros do concelho de Lisboa nas áreas de planeamento, urbanismo, valorização do património edificado, mobilidade, equipamentos, bem-estar, educação, defesa do património, ambiente e qualidade de vida.

Vizinhos do Areeiro

Núcleo do Areeiro da associação Vizinhos em Lisboa: Movimento de Vizinhos de causas locais e cidadania activa

Vizinhos do Bairro de São Miguel

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos

TRAVÃO ao Alojamento Local

O Alojamento Local, o Uniplaces e a Gentrificação de Lisboa e Porto estão a destruir as cidades

Não aos Serviços de Valor Acrescentado nas Facturas de Comunicações !

Movimento informal de cidadãos contra os abusos dos SVA em facturas de operadores de comunicações

Vizinhos de Alvalade

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos de Alvalade

anExplica

aprender e aprendendo

Subscrição Pública

Plataforma independente de participação cívica

Rede Vida

Just another WordPress.com weblog

Vizinhos do Areeiro

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos do Areeiro

MDP: Movimento pela Democratização dos Partidos Políticos

Movimento apartidário e transpartidário de reforma da democracia interna nos partidos políticos portugueses

Operadores Marítimo-Turísticos de Cascais

Actividade dos Operadores Marítimo Turísticos de Cascais

MaisLisboa

Núcleo MaisDemocracia.org na Área Metropolitana de Lisboa

THE UNIVERSAL LANGUAGE UNITES AND CREATES EQUALITY

A new world with universal laws to own and to govern all with a universal language, a common civilsation and e-democratic culture.

looking beyond borders

foreign policy and global economy

O Futuro é a Liberdade

Discussões sobre Software Livre e Sociedade

%d bloggers like this: