USS Liberty: Um episódio pouco conhecido da Guerra dos Seis Dias…

USS Liberty
(O USS Liberty antes do ataque israelita in http://www.eaec.org)


(O USS Liberty depois de ter sido atacado

Um dos episódios menos conhecidos da história dos conflitos israelo-árabes é o do bombardeamento do navio-espião americano “USS Liberty” por… aviões israelitas em 8 de Junho de 1967. Os oficiais norte-americanos na ponte do USS Liberty ouviram os pilotos israelitas a comunicarem várias vezes com o comando e a dizerem a este que se tratava de um navio de bandeira norte-americana e sobrevoaram o navio por doze vezes até que acabaram a metralhar o navio com os seus canhões e foguetes até quase o afundaram com o lançamento de um torpedo. Durante o ataque a este navio desarmado, que durou 75 minutos, as comunicações foram abafadas por Israel, mas a notícia acabou por chegar ao porta-aviões USS Saratoga que ordenou o lançamento de uma esquadrilha de interceptores, mas o Secretário de Estado na época, Mc Namara, teve conhecimento que se aproximava um combate aéreo entre caças da Marinha dos EUA e aviões israelitas, e ordenou o regresso dos caças, sacrificando assim o navio-espião e a sua tripulação.

Oficialmente, Israel afirmou ter confundido o navio, com um navio de bandeira egípcia, mas a bandeira americana esteve sempre visível, algo que não salvou, contudo a vida a 34 marinheiros americanos, nem impediu outros 140 de ficarem feridos, a maioria com gravidade. Depois de recolhidos no mar e enviados para hospitais militares nos EUA, os sobreviventes foram visitados, um por um, por altos oficiais da Marinha que os avisaram de que seriam presos se revelassem algo do sucedido com o USS Liberty.

Só recentemente, com a publicação de uma biografia por um dos oficiais da ponte do USS Liberty é que estes acontecimentos chegaram ao público e se expôs um dos episódios mais negros da História recente… O que faziam os americanos tão perto do conflito israelo-árabe? E, sobretudo, porque estavam a espiar Israel, o seu mais fiel aliado no Médio Oriente e a quem salvaram por diversas vezes? Bem… Todos os aliados se espiam uns aos outros… E sabe-se que o Mossad e outros serviços de informações israelitas estavam também activos nos EUA nessa época, como o estão hoje… Mas chegarem ao ponto de atacarem um navio da marinha? Terá sido um impulso de um piloto mais exaltado? Um erro humano? Fosse o que fosse, custou muitas vidas e nunca houve um esclarecimento israelita sobre as motivações deste incidente, e esse esclarecimento, volvidos que foram 60 anos já devia ter ocorrido… Isto embora Israel em 1987 tivesse acabado por admitir o erro e pago 13 milhões de dólares de indemnizações às famílias das vítimas.

Categories: DefenseNewsPt, História | 20 comentários

Navegação de artigos

20 thoughts on “USS Liberty: Um episódio pouco conhecido da Guerra dos Seis Dias…

  1. Só com esta biografia:
    http://www.amazon.com/Assault-Liberty-James-Ennes-Jr/dp/0972311602
    é que o tema se tornou mais conhecido, nos EUA…
    e é uma pena, porque é uma história que bem que merecia.

  2. sa morais

    Mas olha que já era conhecido por cá… Isto prova que Israel não é para brincadeiras ( nem pode ser… ). Aliados, aliados, negócios à parte.

  3. mas este episódio continua por explicar cabalmente… a biografia deixa bem claro que não se tratou de um erro… mas então porque o fizeram? não queriam que os EUA soubessem do que era capazes? Apenas isso?

  4. Nito

    Devem ter achado que andavam a bisbilhotar demasiado perto… e como sabem que os americanos não respondem muito bem aos avisos e ameaças…partiram para o disparate completo…

  5. historinha nebulosa!

  6. Nito: neste caso, não responderam de todo! Os caças mandados descolar do PA a uns meros 20 minutos receberam ordens directas da Casa Branca para regressarem ao PA e deixarem o Liberty entregue à sua sorte… E os militares feridos quando ainda estavam no hospital foram visitados por oficiais que os instruiram a “manter o bico fechado”…
    Luis Fernando: Sem dúvida! Ainda não compreendo muito bem o que levou ao ataque israelita… Talvez não passasse de um piloto demasiado exaltado, e agindo sem ordens expressas… isso explicaria pelo menos a estranheza desta história.

  7. Nito

    Claro que mandaram os caças para trás… entre deixar os tipos entregues à sua sorte e andarem “à batatada” com os fieis aliados (sobretudo numa época de alta-tensão) optaram por “sacudir as balas do capote”…

  8. a página dos sobreviventes do USS Liberty:
    http://www.gtr5.com/

  9. e como se portariam os F-4 da Navy contra os Mystere franceses?…

  10. Vieira

    É claro que não se tratou de um ataque fortuito ou de um piloto mais exaltado. Foi realmente porque quiseram fazê-lo, contudo o motivo talvez passemos a eternidade para sabê-lo.

  11. Max

    Bem, Rez a Lenda que esse ataque foi premeditado e programado antes pelo governo americano e israelense…

    bem iisso diz-se mas qual seria o motivo para atacar o proprio navio !?!?!
    o mesmo que serio o motivo para derrubar duas torres em seu proprio pais …
    ter um motivo real comprovado e eficas para entrar numa guerra…
    realmente rez a lenda de que o que queria com essea taque era que ….. ninguem sobrevivesse ao ataque assim eixando mais obscuro ainda a historia por parte americana para assim poderem acusar os egipsios de ter ordenado e cordenado alem é claro de feito o ataque e assim entrarem com seus queridos “aliados” israelenses na guerra e “botar para quebrar” na guerra…
    fim.

  12. pedro

    Uma operação “false flag” que não deu certo!

    Objtivo do incidente: afundar o USS Liberty, não deixar sobreviventes e culpar o egipto do ataque, justificando uma intervenção americana da Guerra dos 6 Dias.

    De facto, é difícil olharmos para qualquer incidente importante da história recente sem vislumbrarmos um embuste de qualquer tipo.

    Subitamente, aparece no horizonte um barco espião russo. Os aviões desaparecem, as vedetas torpedeiras dão meia volta.Ironicamente, foi um barco soviético que salvou os americanos do USS Liberty de uma morte certa, ao tornar-se uma testemunha do incidente.

  13. sim, essa tese, juntamente com a pouco credível do “erro de identificação” são as explicações para este estranho incidente…
    e como foi irónico o terem sido salvos pelos soviéticos…

  14. CLAUS

    No livro “Seis dias de guerra” fica bastante claro que houve uma sucessão de erros que resultou no ataque ao navio americano. Não havia nenhuma razão para Israel provocar os EUA naquele momento.

  15. Emanuel Mafra

    Dave Hunt, um Americando, professor de Harvad, contudo, nos informa em alguns dos seus livros que, os EUA estava no local para espiar informações Israelenses. Mas para que? E Por que? Isso não podemos saber, só quem estava na operação realmente para explicar, porém, como a história mesmo revela, os caças Israelenses sobrevoaram de 9 a 12 vezes sobre o navio, passando as seguintes informações via rádio: Saiam, Vão embora, pois a segurança Israelense haviam captado que o USS Libarty estava invadindo as comunicações internas de Israel e supostamente repassando para inimigos de Israel. Mas ainda assim, os caças forão misericordiósos ao ponto que conforme disse, passaram de 9 a 12 vezes dizendo, vão embora, saiam, mas talvez os mesmos não esperavam que tais caças fossem atacar, o que para infelicidade deles, o ataque houve e acabou nessa triste tragédia. Depois, Israel ironicamente pede desculpas ao USA dizendo que houve falha, ao confudir o navio americando com o Egipcio. Verdade tudo isso? Não sei, o que temos é duas versões, no qual, só Deus sabe a veracidade de tudo.

    • Na verdade, a verdade apenas sera conhecida quando os arquivos forem de facto abertos… Mas parece-me que os israelitas sabiam mesmo que se tratava de um navio dos eua e a tese de que passavam informacoes para o egito (aliado da urss) ‘e ridicula.
      Israel simplesmente nao gostou do navio estudando as suas manobras. Avisou e depois atacou. So isso.

  16. Eu considero a hipótese de falsa bandeira “false flag” uma possibilidade real que deve ser considera, mas por motivos óbvios tanto israelenses quanto norte americanos querem manter esse incidente oculto aos olhos do público e eles têm feito um bom trabalho com relação a isso. Somente com a liberação dos arquivos para saber o que de fato aconteceu, até só vamos ter acesso a especulações.

  17. Israel afundou o Liberty – tudo com as devidas desculpas e bla-bla blas, imediatamente aceitos pelos EUA – porque o Gen. Moshe Dayan não aceitava nenhuma potência estrangeira, nem mesmo os EUA, monitorando em primeira mão suas comunicações. Várias vezes, quando se tratou de sua própria segurança, Israel não hesitou em passar por cima dos interesses dos EUA. Outro episódio foi a explosão dos reatores nucleares de Saddam Husseim na década de 80, coisa que provocou protestos dos EUA `a epoca. Vinte anos mais tarde, os EUA reconheceram que os judeus estavam certos…

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

Site no WordPress.com.

Eleitores de Portugal (Associação Cívica)

Associação dedicada à divulgação e promoção da participação eleitoral e política dos cidadãos

Vizinhos em Lisboa

A Vizinhos em Lisboa tem em vista a representação e defesa dos interesses dos moradores residentes nas áreas, freguesias, bairros do concelho de Lisboa nas áreas de planeamento, urbanismo, valorização do património edificado, mobilidade, equipamentos, bem-estar, educação, defesa do património, ambiente e qualidade de vida.

Vizinhos do Areeiro

Núcleo do Areeiro da associação Vizinhos em Lisboa: Movimento de Vizinhos de causas locais e cidadania activa

Vizinhos do Bairro de São Miguel

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos

TRAVÃO ao Alojamento Local

O Alojamento Local, o Uniplaces e a Gentrificação de Lisboa e Porto estão a destruir as cidades

Não aos Serviços de Valor Acrescentado nas Facturas de Comunicações !

Movimento informal de cidadãos contra os abusos dos SVA em facturas de operadores de comunicações

Vizinhos de Alvalade

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos de Alvalade

anExplica

PEDAÇOS DE SABER

Subscrição Pública

Plataforma independente de participação cívica

Rede Vida

Just another WordPress.com weblog

Vizinhos do Areeiro

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos do Areeiro

MDP: Movimento pela Democratização dos Partidos Políticos

Movimento apartidário e transpartidário de reforma da democracia interna nos partidos políticos portugueses

Operadores Marítimo-Turísticos de Cascais

Actividade dos Operadores Marítimo Turísticos de Cascais

MaisLisboa

Núcleo MaisDemocracia.org na Área Metropolitana de Lisboa

THE UNIVERSAL LANGUAGE UNITES AND CREATES EQUALITY

A new world with universal laws to own and to govern all with a universal language, a common civilsation and e-democratic culture.

looking beyond borders

foreign policy and global economy

<span>%d</span> bloggers like this: