Daily Archives: 2008/01/23

“O Banco Mundial veio corrigir as suas estimativas sobre o PIB da China (em paridade de poder de compra) dando-lhe um corte de 40%”


(We Have Kaos in the Garden)

 

“O Banco Mundial veio corrigir as suas estimativas sobre o PIB da China (em paridade de poder de compra) dando-lhe um corte de 40%. Em vez dos 10,34 biliões de dólares incluindo Hong Kong e Macau previstos – o que a colocaria pela primeira vez, em 2º lugar, depois da União Europeia – passou para 6,3. Apesar do corte, a China fica em 3º lugar, depois da União Europeia (13,8 biliões) e dos Estados Unidos (10,05).

Expresso, 15 de Dezembro de 2007

 

Ou seja… Afinal, o milagre chinês não é assim tão milagreiro quanto isso… São inegáveis o seu ímpeto exportador, assim como os tremendos ganhos de produtividade recolhidos na última década, mas parece (tendo em conta o PPC) que afinal ainda que os indicadores económicos sejam impressionantes, assim como os ganhos de rendimento de algumas classes na sociedade chinesa (técnicos e gestores, sobretudo), a população em geral não parece estar a esbater assim tão depressa a distância que ainda a separa dos países desenvolvidos como se pensava… Ou seja, em vez do 25º lugar em termos de PPC (veja AQUI a lista do FMI), a China, cai para uma posição entre o Botswana e a Polónia… E isto já contando com Macau e Hong Kong! É claro que os valores do PIB são diversos, já que contam apenas com o PIB, indicador falível e incompleto por excelência, ao contrário do PPC…

Anúncios
Categories: China, Economia | Deixe um comentário

Quids S10-24: Quem pintou este quadro?

ddddsy.jpg

Dificuldade: 3

Categories: Quids S10 | 9 comentários

Sobre os resultados do exercício EUA-Índia “Cope India 04” e da vantagem dos Sukhoi Su-30 sobre os F-15 e F-16 da USAF


(Um F-15 da USAF voando ao lado de um Mirage 2000 indiano sobre os Himalaias durante o exercício Cope India ’04 in http://www.af.mil)

Depois de um alerta a esta questão feita pelo nosso comentador “Nito”, andei a ver o que se tinha passado no exercício “Cope India ’04“, um exercício militar realizado no Oceano Índico, em 2004 e que envolveram aviões de combate F-15 e F-16 da USAF e aviões da força aérea indiana: Su-30MKs, Mirage 2000, MiG-29 e até MiG-21, estes últimos em plena fase de substituição… Talvez por Rafale ou MiG-39. O que é interessante é que os pilotos indianos venceram perto de 90% das missões de combate simuladas, sendo os resultados mais brilhantes registados com os Su-30 MKI, voando a baixas velocidades, para iludirem os radars Doppler dos F-15s e graças aos radares russos Vympel R-73. De facto, até os MiG-21 e MiG-23 da IAF conseguiram abater caças F-15, mas é certo que se tratam de aparelhos que receberam actualizações recentes os seus radares. Como sempre, os próprios mísseis foram mais importantes no desfecho destes encontros… E sabe-se que a Índia usou mísseis R-77, R-73 e R-27. De facto, os resultados foram tão preocupantes para a USAF que já provocou alguma celeuma no senado americano (ver AQUI) e um pedido para que o número de caças F-22 a adquirir pela USAF fosse aumentado de 183, para os 381 que a USAF tinha pedido. Na verdade, a obsolescência dos meios actuais da USAF parece ser ainda mais grave e abrangente, já que existem outros relatos de que os F-15E foram batidos também pelos Eurofighter Typhoon da RAF britânica em 19 de Fevereiro de 2004 quando dois destes aparelhos da EADS treinaram com dois F-15E da 48 TFW (uma das mais experientes unidades da USAF) e conseguiram inverter posições e apontar os seus mísseis a um dos F-15 (ver AQUI). O exercício “Northern Edge 2006” revelou de uma forma esmagadora a desvantagem dos F-15 e F-16 contra os aparelhos de última geração, aqui representados pelo mais sofisticado (e caro) aparelho de 5ª geração da actualidade: o F-22 Raptor foram completamente cilindrados por este… Combatendo simultaneamente contra 40 alvos (F-15s e F-16s) o F-22 abateu “simuladamente” cada um deles.

A aparente vitória esmagadora dos aviões russos sobre o outrora imbatível F-15 não surpreendou Mikhail Simonov, desenhador-chefe da Sukhoi que afirmou à agência noticiosa RIA Novosti que eram previsíveis já que o Su-27 e o seu sucessor natural, o Su-30MKI destes Exercícios tinham sido desenvolvidos na década de oitenta precisamente como uma resposta ao F-15. Aliás, Simonov admitiu ainda mais: na época os desenhadores soviéticos receberam instruções para criar um aparelho com especificações superiores às do F-15, daí a presença superioridade do Su-30 sobre o F-15 Eagle.

A vantagem dos aparelhos Sukhoi sobre os seus equivalentes ocidentais começou a ser evidente em 1992 quando uma esquadrilha de Su-27 comandada pelo Major-General Alexander Kharchevsky visitaram a base aérea de Langley e onde teve lugar um combate simulado entre dois grupos de aparelhos e trocando de aparelhos. Questionados na época sobre qual seria o melhor avião, os pilotos americanos disseram que “eram ambos bons e com características semelhantes”, mas na verdade, quando interrogaram técnicos e pessoal de apoio da base recolheram um grupo quase unânime de relatos sobre a superioridade do aparelho russo… O que confere com a descrição de que nesses combates simulados os Sukhoi conseguiam colocar-se facilmente na cauda dos F-15 e nenhum sucesso idêntico para estes. Poucos anos depois, em Outubro de 1995, um exercício conjunto russo e sul africano haveria de confirmar a superioridade destes aparelhos também sobre aqueles que na época era dos melhores aviões europeus, ao demonstrar como os Flankers pilotados pelos russos conseguiram bater os Mirage F.1AZ e os Cheetah sul-africanos de todas as vezes (excepto numa única ocasião). Existem também relatos de que este confronto nos céus da África do Sul envolveram também Mirage 2000, mas tal não corresponde à verdade.

“We started off on the first day with mixed formations doing fingertip flying, which was really cool. Next was some BFM, ACM, and Tactical intercepts. Then came the BVR Air Combat Tactics with us flying in mixed LFE formations with Su-30s, Mig 29s, Mig-27s, Mig-21 Bisons, and Mirage 2000s. The last phase was HVAA (High Value Asset) OCA and DCA. We did get into close combat with every jet they had and it was awesome… Their Sus and Migs really have a lot of power and it was impressive to see how they handled in BFM. The SU-30 was soooo easy to spot those because it makes the F-15 look like a Viper. One thing to note on the BFM strategies was that their pilots would do maneuvers that we had not really thought of before…I am not saying that we didn’t know how to react to it, I just mean that when we saw them do a certain maneuver we would think “wow, I never thought of doing that before”….so it was good learning on both sides.” declaração do piloto A. Arshad, da USAF que participou nas manobras

Por outro lado, embora os aviões da IAF tenham vencido 90% de todos os combates simulados, parece que estes enfrentamentos eram feitos oponto números diferentes de adversários. Segundo fontes americanas, 4 F-15s enfrentavam frequentemente de cada vez 12 aviões indianos, o que é um padrão comum nos treinos da USAF, mas nestes, os aviões dispõem de radares AESA e nestes exercícios o seu uso foi restringido… E, sobretudo, os F-15 foram impedidos de usar os seus mísseis de longo alcance AIM-120. Vinod Patney, um oficial reformado da IAF admitiu a propósito destes exercícios “O Sukhoi é… um avião melhor que o F-16”, “mas não podemos falar apenas de um único avião. Temos que falar de toda a infraestrutura, dos sistemas de comando e controlo, dos radares em terra e no ar, nas equipas técnicas no solo, e como maximizar toda essa estrutura.” Ou seja… admitiu implicitamente, que ainda que os Su-30MKI fossem capazes de bater claramente os F-15 e os F-16, isso não bastaria para vencer um conflito, já que a decisão do mesmo depende de toda uma estrutura densa e muito pesada que poucos países do mundo conseguem alinhar e onde, os EUA, continuam ainda a dominar… Mas a vantagem registada nos céus do Iraque e sobre a Sérvia pode ter já desaparecido e a menos que os F-35 Lightning II e os F-22 Raptor começem a entrar em serviço rápidamente em grandes números e que as recentes reduções nos seus números de fabrico não sejam anuladas… o desfecho da próxima guerra aérea pode não ser aquele a que os EUA têm estado habituados…

Fontes:
Wikipedia
Pakistani Defence Forum
Patriot News

Categories: DefenseNewsPt | 4 comentários

Site no WordPress.com.

Eleitores de Portugal (Associação Cívica)

Associação dedicada à divulgação e promoção da participação eleitoral e política dos cidadãos

Vizinhos em Lisboa

A Vizinhos em Lisboa tem em vista a representação e defesa dos interesses dos moradores residentes nas áreas, freguesias, bairros do concelho de Lisboa nas áreas de planeamento, urbanismo, valorização do património edificado, mobilidade, equipamentos, bem-estar, educação, defesa do património, ambiente e qualidade de vida.

Vizinhos do Areeiro

Núcleo do Areeiro da associação Vizinhos em Lisboa: Movimento de Vizinhos de causas locais e cidadania activa

Vizinhos do Bairro de São Miguel

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos

TRAVÃO ao Alojamento Local

O Alojamento Local, o Uniplaces e a Gentrificação de Lisboa e Porto estão a destruir as cidades

Não aos Serviços de Valor Acrescentado nas Facturas de Comunicações !

Movimento informal de cidadãos contra os abusos dos SVA em facturas de operadores de comunicações

Vizinhos de Alvalade

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos de Alvalade

anExplica

aprender e aprendendo

Subscrição Pública

Plataforma independente de participação cívica

Rede Vida

Just another WordPress.com weblog

Vizinhos do Areeiro

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos do Areeiro

MDP: Movimento pela Democratização dos Partidos Políticos

Movimento apartidário e transpartidário de reforma da democracia interna nos partidos políticos portugueses

Operadores Marítimo-Turísticos de Cascais

Actividade dos Operadores Marítimo Turísticos de Cascais

MaisLisboa

Núcleo MaisDemocracia.org na Área Metropolitana de Lisboa

THE UNIVERSAL LANGUAGE UNITES AND CREATES EQUALITY

A new world with universal laws to own and to govern all with a universal language, a common civilsation and e-democratic culture.

looking beyond borders

foreign policy and global economy

O Futuro é a Liberdade

Discussões sobre Software Livre e Sociedade