Daily Archives: 2008/01/18

Do Estado Actual da Força Aérea Chinesa (Parte 2)

Continuação…

Existem algumas semelhantes nas doutrinas de emprego da força aérea entee a China actual e a extinta União Soviética, mas esta última alocava consideravelmente mais recursos à chamada “Aviação Frontal” do que alguma vez o Governo chinês. Isto embora houvessem algumas semelhanças notáveis, como a opção de emprego de aviões diferentes para missões diferentes, de ataque ao solo e intercepção, seguindo o modelo soviético e em contracorrente com a moderna doutrina ocidental que privilegia aparalhos multifunções. Em regra, a força aérea soviética dedicava 40% dos seus aviões de guerra a aparelhos de ataque ao solo, como o Su17 ou Su-25, a China, embora mantenha a doutrinha, dedica muito menos meios a esse papel, alocando pouco mais de 10% do inventário total a aviões de ataque ao solo.

Esta doutrina começou a mudar com a queda do Muro do Berlim, uma vez que a outrora poderosa indústria aeronáutica russa começou a ter dificuldades, já que a força aérea russa vegetava e cancelava todas as encomendas para os anos vindouros. Esta decadência concedeu à China a oportunidade perdida em 1959, com a quebra de relações entre a China Popular e a URSS de retomar os contactos e de recuperar o tempo perdido… Logo em 1990, volvido apenas um ano, surgia a primeira encomenda chinesa para 72 caças Su-27 e a engenharia reversa tornava-se uma das principais actividades sobre estes caças… Pela primeira vez, desde a década de 50, a China tinha capacidade para se opôr aos melhores aviões dos seus vizinhos e esta tendência foi novamente reforçada em 1996 com a compra de mais 200 Su-27. Em 1999, começava a produção local – sob licença – do excelente Su-30MKK, num número que rápidamente chegaria aos 140 aparelhos em operação.

FC-1
(Caça ligeiro sino-paquistanês FC-1 in http://www.chinatoday.com)

Entretanto, o desenvolvimento do programa sino-paquistansês Super-7 continuava, agora somando tecnologia americana da Gruman a nova tecnologia russa, nomeadamente motores. A força aérea chinesa perdera entretanto o seu interesse – renovada agora como estava pelos novos caças russos Sukhoi – mas o Paquistão manteve vivo o programa encomendo 150 unidades do FC-1. Usando uma variante do motor russo RD-33 do MiG-29.

Conclusão:

A força aérea chinesa (PLAAF) tem actualmente em inventário mais de 2300 aviões, em diferentes graus de operacionalidade e de diversos tipos. Destes, cerca de 450 são aviões de transporte e do todo, perto de 2/3 está estacionada nas regiões mais a este. O programa de actualização – recorrendo a tecnologia russa – em curso desde 1992 introduziu em serviço centenas de aparelhos Su-27 e Su-30, assim como a variante local do Su-27, o Su-27SJ e os novos J-10 – grosso modo equivalentes ao F-16 ameriano – começam também agora a surgir em números apreciáveis. Em suma, estima-se que actualmente perto de três centenas de aviões de primeira linha estejam em operação na PLAAF. É um número apreciável, mas ainda muito modesto para a extensão geográfica e demográfica da China e o facto de mais mil unidades de J-7 e J-8 se encontrarem ainda em serviço mostra bem o grau de abandono a que a PLAAF esteve abandonada até aos anos 90… Em termos de bombardeamento estratégico, a situação é patética… Sem importações russas, a PLAAF teve que requerer a reabertura das linhas de construção do ultrapassado H6 (Tu-16). Entre este panorama, persistem dúvidas quanto à verdadeira modernidade das doutrinas de emprego de forças em vigôr e, sobretudo, quanto ao treinamento e horas de vôo dos pilotos… Em sima, a PLAAF começa a ser uma adversário temível, especialmente nos números e tipos de aparelhos empregues, mas no todo… ainda não passa de um… “tigre de papel”.

H6 (Tu-16)
(Bombardeiro H-6 (Tu-16) in http://www.chinatoday.com)

(Vídeo com bombardeiros H-6 em exércicio)

Fontes:
Sino Defense
Combat Aircraft, UK, Setembro de 2006

Categories: China, DefenseNewsPt | 4 comentários

Create a free website or blog at WordPress.com.

Eleitores de Portugal (Associação Cívica)

Associação dedicada à divulgação e promoção da participação eleitoral e política dos cidadãos

Vizinhos em Lisboa

A Vizinhos em Lisboa tem em vista a representação e defesa dos interesses dos moradores residentes nas áreas, freguesias, bairros do concelho de Lisboa nas áreas de planeamento, urbanismo, valorização do património edificado, mobilidade, equipamentos, bem-estar, educação, defesa do património, ambiente e qualidade de vida.

Vizinhos do Areeiro

Núcleo do Areeiro da associação Vizinhos em Lisboa: Movimento de Vizinhos de causas locais e cidadania activa

Vizinhos do Bairro de São Miguel

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos

TRAVÃO ao Alojamento Local

O Alojamento Local, o Uniplaces e a Gentrificação de Lisboa e Porto estão a destruir as cidades

Não aos Serviços de Valor Acrescentado nas Facturas de Comunicações !

Movimento informal de cidadãos contra os abusos dos SVA em facturas de operadores de comunicações

Vizinhos de Alvalade

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos de Alvalade

anExplica

PEDAÇOS DE SABER

Subscrição Pública

Plataforma independente de participação cívica

Rede Vida

Just another WordPress.com weblog

Vizinhos do Areeiro

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos do Areeiro

MDP: Movimento pela Democratização dos Partidos Políticos

Movimento apartidário e transpartidário de reforma da democracia interna nos partidos políticos portugueses

Operadores Marítimo-Turísticos de Cascais

Actividade dos Operadores Marítimo Turísticos de Cascais

MaisLisboa

Núcleo MaisDemocracia.org na Área Metropolitana de Lisboa

THE UNIVERSAL LANGUAGE UNITES AND CREATES EQUALITY

A new world with universal laws to own and to govern all with a universal language, a common civilsation and e-democratic culture.

looking beyond borders

foreign policy and global economy