Do Estado Actual da Força Aérea Chinesa (Parte 1)

A força aérea chinesa alinha actualmente com perto de 2300 aviões de combate de vários tipos, ou seja, a China tem hoje aquela que é numéricamente a segunda maior força aérea do mundo, logo, atrás da USAF americana, com os seus impressionantes 6013 aviões (ver AQUI). Contudo, apesar de um esforço considerável nos últimos anos esta segunda posição deixa-a ainda a uma imensa distância da USAF… Na própria estrutura de forças militares chinesas, a PLAAF está relegada a um papel secundário em relação ao Exército. De facto, até 1995, o chefe máximo da PLAAF nem sequer era um aviador, mas um oficial do Exército nomeado para a gerir a PLAAF e isto somente explica muita da dificuldade que a PLAAF tem tido em cativar recursos e meios ao longo da sua História, uma dificuldade que só foi atenuada nos últimos anos…

Actualmente, o grande problema da PLAAF continua a ser o treino e o número de horas de vôo por piloto. Depois da Revolução Cultural, esse número caiu abruptamente para menos de 24 horas de vôo anuais por piloto, e o número só tornou a subir no final da década de 70, sendo o valor actual ainda pouco superior ao que era em 1968, voando apenas 100 horas anuais, ou seja, cerca de metade dos pilotos japoneses ou dos EUA, e ainda menos que as 150 horas dos pilotos da Marinha brasileira (ver AQUI). Como se não bastasse estes baixos níveis de preparação (que aliás podem ter estado na base deste incidente com o P-3 Orion dos EUA em Abril de 2001), a PLAAF sofre também dos males do uso de uma estratégia de emprego de forças ultrapassada que considera os meios aéreos como uma parcela secundária das operações terrestres. Os pilotos são intruídos para preservar o seu dispendioso aparelho a todo o custo e não levam as suas máquinas até aos seus limites, com receio das represálias que podem sofrer em caso de o perderem.

(J-6 (Mig-19 da PLAAF in http://www.aerospaceweb.org)

Por outro lado, o grosso dos aviões ao dispôr da PLAAF continua ser obsoleto e será ainda por muitos anos. Como se pode ver AQUI hoje em dia ainda existem centenas de aviões J-6 (MiG-19) em actividade, e 500 J-7 (MiG-21) e 650 J-8 (cópia local do Su-15) até 2015 (!). Destes, o J-8 parece ser um aparelho especialmente fraco… Desenvolvido em 1964 e consistindo numa expansão do desenho do J-7 (MiG-21), o caça procurou replicar muitas das características do Su-15 soviético, mas logo no começo da sua carreira foi flagelado por uma sucessão de avarias, entrando em uso operacional apenas 20 anos depois, nos começos da década de 80… Dada as patentes limitações do J-8, a PLAAF pressionou logo quase de seguida a favor do desenvolvimento de um novo aparelho, o J-8 II

J-8 II
(J-8 II in http://images.janes.com)

Esta versão do J-8 já seria um avião de combate minimamente decente e começaria a entrar em serviço em 1984, ainda não um avião multirole, como já começava a ser doutrina no Ocidente, mas um interceptor dedicado, não particulamente ágil (mas bastante mais do que o primeiro J-8) e incapazes das missões multirole exigidas actualmente a um avião de combate de primeira linha. Estas características, assim como as maleitas resultantes da aplicação da doutrina chinesa do emprego de meios aéreos resultaram de forma estrondosa na curta, mas tenaz, guerra fronteiriça que a China e o Vietname travaram em 1979 (ver AQUI ) e onde as divisões terrestres chinesas avançaram sem qualquer apoio aéreo, sem missões de reconhecimento, controlo do espaço aéreo, patrulhamento, nem bombardeamento táctico ou estratégico. Básicamente, os pilotos ficaram nas suas bases, esperando ordem para deslocar, se houvesse uma incursão da força aérea vietnamita. Como esta não ocorreu durante esses 29 dias, nenhum aparelho chinês entrou em acção… A partir da década de 80, a China começou um programa sistemático de actualização dos seus meios aéreos, começando pela aquisição nebulosa de um MiG-23 egípcio que foi estudado em grande detalhe, seguindo os mesmos processos que mais tarde transformariam o Lavi israelita no J-10 (ver AQUI). Muitos destes ensinamentos seriam aplicados no J-9, cujo primeiro protótipo voou em 1975, mas sem continuidade já que o projecto seria abandonado em 1980… Contudo, muito dele, nomeadamente as asas em canard, seriam reutilizadas na adaptação local do Lavi, o J-10 acima mencionado.

continua…

Categories: China, DefenseNewsPt | 7 comentários

Navegação de artigos

7 thoughts on “Do Estado Actual da Força Aérea Chinesa (Parte 1)

  1. Jaime Augusto Fornara

    Esta matéria é muito desatualizada. O problema hoje é o Tibet e não taiwan.
    É preciso renovar este site, a China juntamente com a Russia, já modernizou muito suas forças armadas.

  2. Comcerteza!
    Vou já notificar o meu numeroso corpo editorial!
    🙂

  3. Anónimo

    hehehe
    <8)´

  4. ivanilto medeiros

    realmente a china merece respeito no seu arsenal militar os outros que que se cuidem, deve assumir logo sua posição previlegiada no mundo.

    • Respeito, mas ainda nao global… O seu poder militar é ainda (com excepcao do nuclear) essencialmente regional. Os EUA continuam sendo hoje o unico pais do mundo com capacidade para realizarem uma operacao de grande escala a grande distancia das suas fronteiras.

  5. quando sai a parte 2? nunca ia ver nada assim em qualquer tele jornal brasileiro

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

Site no WordPress.com.

Eleitores de Portugal (Associação Cívica)

Associação dedicada à divulgação e promoção da participação eleitoral e política dos cidadãos

Vizinhos em Lisboa

A Vizinhos em Lisboa tem em vista a representação e defesa dos interesses dos moradores residentes nas áreas, freguesias, bairros do concelho de Lisboa nas áreas de planeamento, urbanismo, valorização do património edificado, mobilidade, equipamentos, bem-estar, educação, defesa do património, ambiente e qualidade de vida.

Vizinhos do Areeiro

Núcleo do Areeiro da associação Vizinhos em Lisboa: Movimento de Vizinhos de causas locais e cidadania activa

Vizinhos do Bairro de São Miguel

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos

TRAVÃO ao Alojamento Local

O Alojamento Local, o Uniplaces e a Gentrificação de Lisboa e Porto estão a destruir as cidades

Não aos Serviços de Valor Acrescentado nas Facturas de Comunicações !

Movimento informal de cidadãos contra os abusos dos SVA em facturas de operadores de comunicações

Vizinhos de Alvalade

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos de Alvalade

anExplica

aprender e aprendendo

Subscrição Pública

Plataforma independente de participação cívica

Rede Vida

Just another WordPress.com weblog

Vizinhos do Areeiro

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos do Areeiro

MDP: Movimento pela Democratização dos Partidos Políticos

Movimento apartidário e transpartidário de reforma da democracia interna nos partidos políticos portugueses

Operadores Marítimo-Turísticos de Cascais

Actividade dos Operadores Marítimo Turísticos de Cascais

MaisLisboa

Núcleo MaisDemocracia.org na Área Metropolitana de Lisboa

THE UNIVERSAL LANGUAGE UNITES AND CREATES EQUALITY

A new world with universal laws to own and to govern all with a universal language, a common civilsation and e-democratic culture.

looking beyond borders

foreign policy and global economy

O Futuro é a Liberdade

Discussões sobre Software Livre e Sociedade

%d bloggers like this: