Daily Archives: 2008/01/04

O rali Lisboa-Dakar foi cancelado por… pressões do governo francês

Lisboa Dakar
(http://www.rallyquad.com)

Lisboa, sexta-feira, 4 de Janeiro de 2008
Comunicado: “A.S.O. anula edição 2008 do Rali Dakar”
“Após inúmeros contactos com o governo francês – em particular o Ministério dos Negócios Estrangeiros – e tendo em conta as suas fortes recomendações, os organizadores do Dakar tomaram a decisão de anular a edição 2008 da prova, que deveria decorrer entre 5 e 20 do corrente mês, ligando Lisboa à capital do Senegal.
Tendo em conta as actuais situações de tensão politica, a nível internacional, o assassinato de quatro turistas franceses, no passado dia 24 de Dezembro, atribuído a um ramo do Al-Qaida, no Magreb islâmico, e acima de tudo as ameaças, directas, lançadas contra a prova, por movimentos terroristas, a A.S.O. não pode tomar outra decisão que não seja a anulação da prova.
A primeira responsabilidade da A.S.O. é a de garantir a segurança de todos: populações dos países atravessados, concorrentes amadores e profissionais, sejam eles franceses ou estrangeiros, elementos da assistência técnica, jornalistas, patrocinadores e colaboradores do rali. A A.S.O. reafirma que as questões de segurança não estão, não estiveram, nem nunca estarão em causa no rali Dakar.
A A.S.O. condena a ameaça terrorista que anula um ano de trabalho, de inscrições e de paixão para todos os participantes e diferentes actores do maior rali-raid do mundo. Consciente da imensa frustração, vivida, em particular, em Portugal, Marrocos, Mauritânia e Senegal, bem como entre todos os nossos fiéis parceiros, para lá da decepção geral e das pesadas consequência económicas, em termos de retorno directo e indirecto, para os países atravessados, a A.S.O. continuará a defender os valores que caracterizam os grandes acontecimentos desportivos e prosseguirá com a mesma determinação o desenvolvimento das suas acções humanitárias, através das Actions Dakar, implantadas depois de cinco anos em África sub-saariana com SOS Sahel Internacional.
O Dakar é um símbolo e nada pode destruir os símbolos. A anulação da edição 2008 não coloca em causa o futuro do Dakar. Propor, em 2009, uma nova aventura a todos os amantes dos rali-raid é um desafio que a A.S.O. irá assumir nos próximos meses, fiel à sua presença e paixão pelo desporto.”

Ou seja, por “inúmeros contactos” deve ler-se “inúmeras pressões” francesas, mas se estas existiram e se a França sente que havia uma ameaça contra os seus nacionais porque não se limitou a recomendar ou a impedir os seus nacionais de participarem na prova? Porque insistir num cancelamento que vai prejudicar de forma tão gravosa alguns dos países mais pobres de África (Mauritânia e Marrocos) e até todos os investimentos que as câmaras municipais portugueses percorridas pelo percurso do rali já fizeram? (ver AQUI) a própria organização da prova reconhece essa possibilidade de pesados impactos financeiros pesados… (ver AQUI): “pesadas consequência económicas” e logo… vai indemnizar ou mandar a factura para França?

As relações entre a França e a Mauritânia estão tensas desde a morte de quatro turistas franceses em Dezembro de 2007 (ver AQUI e AQUI), mas logo os primeiros relatos mencionavam que o grupo francês tinha sido parado na estrada por três homens armados de AK-47 que lhes tinham pedido dinheiro (segundo o testemunho de um sobrevivente). O ataque ocorreu depois de os assaltantes terem seguido os turistas após estes terem levantado 50 euros num banco local e quando os assaltantes lhes pediram esse dinheiro responderam que não tinham, abrindo então fogo:

“They demanded money, and were told that there was none. They opened fire.”

Os cancelamentos de viagens turísticas para a Mauritânia já estão a provocar grandes problemas nas comunidades locais que dependiam desses turistas e embora o próprio governo mauritano esteja a investigar a possibilidade de ligação do ataque à Al Qaeda e, nomeadamente ao dito “Grupo Salafita” argelino liderado supostamente por Mohamed Elmoustapha Ould Abdel Kade estes indícios apontam para um crime comum, infelizmente muito frequente nestas paragens do mundo… grave, mas não ligado necessariamente a actividade terroristas ou à elusiva Al Qaeda…

Categories: Política Internacional, Portugal | 12 comentários

Quids S10-12: Como se chamava este homem?

dddss.jpg

Dificuldade: 3

Categories: Quids S10 | 9 comentários

O CEV “Orion” vai afinal aterrar ou… amarar… E será reutilizável?

CEV Orion
(A CEV “Orion”, a nave que vai substituir o Shuttle e fazer os EUA regressarem à Lua in http://www.military-aerospace-technology.com)

A NASA vai tomar no início do ano de 2008 a decisão sobre se o CEV (“Crew Exploration Vehicle”), de nome “Orion” vai aterrar no solo ou no Mar, quando regressar do Espaço. Embora esteja inclinada para a opção terrestre, como sucede actualmente com as Soyuz russas, a verdade é que este dossier não está encerrado… Desde logo, os planeadores da NASA reconhecem que um veículo desenhado para aterrar primariamente em terra pode ser facilmente tornado num veículo para aterrar no mar, o que não acontece na fórmula inversa. Em meados de 2006, quando a Lockeed Martin ganhou o concurso para desenvolver o CEV, a opção terrestre era a proposta, mas entretanto, nos desenhos mais avançados subsequentes deixaram cair essa opção, porque a instalação de airbags e retro-foguetes trazia um aumento de custo e de peso do CEV. Mas agora, a preocupação com a segurança está a fazer mudar novamente o peso da balança. E começa agora também a falar-se de uma outra tese de que o Sá Morais gosta muito… A possibilidade de usar a mesma cápsula CEV pelo menos dez vezes antes de a descartar, a poupança de evitar ter que construir uma nova CEV (“Orion”) em cada lançamento traria uma poupança enorme e aterrar no mar prejudicaria mais a robustez e fiabilidade da cápsula em futuros vôos do que fazê-la aterrar em terra (desde logo, por causa do sal, por exemplo).

Fonte:
Space.com

Categories: SpaceNewsPt | Deixe um comentário

Site no WordPress.com.

Eleitores de Portugal (Associação Cívica)

Associação dedicada à divulgação e promoção da participação eleitoral e política dos cidadãos

Vizinhos em Lisboa

A Vizinhos em Lisboa tem em vista a representação e defesa dos interesses dos moradores residentes nas áreas, freguesias, bairros do concelho de Lisboa nas áreas de planeamento, urbanismo, valorização do património edificado, mobilidade, equipamentos, bem-estar, educação, defesa do património, ambiente e qualidade de vida.

Vizinhos do Areeiro

Núcleo do Areeiro da associação Vizinhos em Lisboa: Movimento de Vizinhos de causas locais e cidadania activa

Vizinhos do Bairro de São Miguel

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos

TRAVÃO ao Alojamento Local

O Alojamento Local, o Uniplaces e a Gentrificação de Lisboa e Porto estão a destruir as cidades

Não aos Serviços de Valor Acrescentado nas Facturas de Comunicações !

Movimento informal de cidadãos contra os abusos dos SVA em facturas de operadores de comunicações

Vizinhos de Alvalade

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos de Alvalade

anExplica

aprender e aprendendo

Subscrição Pública

Plataforma independente de participação cívica

Rede Vida

Just another WordPress.com weblog

Vizinhos do Areeiro

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos do Areeiro

MDP: Movimento pela Democratização dos Partidos Políticos

Movimento apartidário e transpartidário de reforma da democracia interna nos partidos políticos portugueses

Operadores Marítimo-Turísticos de Cascais

Actividade dos Operadores Marítimo Turísticos de Cascais

MaisLisboa

Núcleo MaisDemocracia.org na Área Metropolitana de Lisboa

THE UNIVERSAL LANGUAGE UNITES AND CREATES EQUALITY

A new world with universal laws to own and to govern all with a universal language, a common civilsation and e-democratic culture.

looking beyond borders

foreign policy and global economy

O Futuro é a Liberdade

Discussões sobre Software Livre e Sociedade