Daily Archives: 2008/01/01

Agostinho da Silva: “Internamente, se estabelece Portugal como uma rede de municípios republicanos e democráticos”

“Internamente, se estabelece Portugal como uma rede de municípios republicanos e democráticos, cada um com sua constituição adequada às características locais, confiando-se a representantes ou convivência de todos eles a delegados que se reuniam em Cortes, sem prazo fixo, e a discutiam dos problemas particulares ou comuns do Reino; a tudo coordenando, havia o Rei, simultaneamente hereditário e electivo, ainda que por sanção, Rei sem capital fixa, mais fiando de seu passo que de um Paço.”

 

Agostinho da Silva: Ir à Índia sem Abandonar Portugal; Considerações; Outros Textos

 

O Professor define nesta frase aquilo que entende que devia ser a estrutura ou forma administrativa de Portugal: em lugar de um Estado centralista, ou mesmo de um Estado Regionalista, contendo um centro um cinco/centros de decisão, Agostinho elege o modelo regional municipalista. Concede aos Municípios o papel central na administração da Coisa Pública e da aplicação da Democracia. Com Agostinho, Centro administrativo, a Capital, diliu-se completamente entre as responsabilidades que seriam divididas pelas entidades eleitas locais. Os assuntos de interesse nacional (ou seja, comuns a todos os munícipes) seriam tratados, por consenso, nas reuniões de Cortes, que teriam lugar, não na Capital, mas num qualquer município da Nação, escolhida à vez. Sobre este conjunto pairaria um “Rei” embutido de funções representativas unificadoras, mas também arbitrárias e conciliadoras sobre este conjunto multiforme e diverso. Hereditário, porque escolhido de acordo com os méritos demonstrados pelos seus antepassados (ou seja, seria um cargo meritório e genético, não sucessório, I.e. Bragantino…), e permanentemente sujeito à aprovação (sanção) dos representantes dos Municípios.

Este modelo desta forma alternativa de “Regionalização” (termo que recorrentemente regressa ao debate político nem sempre pelas melhores razões, e quase sempre para procurar vazão às densas redes clientelares dos Partidos) conduz a uma “Regionalização Municipalista”, conceito compatível com o pensamento de Agostinho da Silva e com as teses ecómicas de E. F. Schumacher (ver também aqui).

E estas propostas mais não são que o ressurgimento da forma medieval portuguesa de vida municipal… Na Idade Média e até à reforma manuelina, os concelhos eram responsáveis pelo alistamento de milícias (determinantes no sucesso, p.ex. da batalha de Navas de Tolosa), ou seja, pela Defesa, e tinham responsabilidades no âmbito do direito fiscal, civil, processual e penal. Os seus dirigentes (alvasis ou alcaides) reuniam todas as semanas ao domingo e julgavam crimes de homicídio, agressão, roubo, agressão, etc. Administravam as terras e propriedades comuns do Concelho, assim como as estradas e a forças de “polícia” interna… As suas receitas provinham das multas judiciais, do rendimento das propriedades comuns e de taxas mercantis, para além das sisas…

Este é o tipo de Poder Local que Agostinho da Silva propunha, e a visão “micro” de um modelo alternativo de Sociedade que no campo “macro” se coaduna perfeitamente com um projecto universalista de ReLigação de todo o mundo lusófono numa única entidade federal ou confederal unindo não mais “Estados”, mas a “rede de municípios republicanos e democráticos” do Professor…

Publicado também em:

Categories: Movimento Internacional Lusófono, Política Nacional, Portugal | 2 comentários

Goor 2 “A Crónica de Feaglar II”

Goor 2
Este livro de Pedro Ventura é o segundo volume de uma série que começou (naturalmente) “A Crónica de Goor 1” e que foi uma verdadeira lufada de ar fresco no normalmente seco e estático panorama editorial português… Esta obra de fantasia épica, dividida em duas partes, pode ser lida de forma separada, sem prejuízo do prazer da leitura, mas pertence a um Todo, e logo, recomendamos a leitura seguida do conjunto.

As personagens das obras buscam inspiração no fértil terreno de uma mente lusitana, embebida por várias camadas de mitologias cruzadas, desde a céltica, ao ciclo arturiano ao famoso e muito mais recente trabalho de Tolkien. A acção percorre caminhos idênticos aos dos épicos mais convencionais, com a eterna luta entre o Bem e o Mal como tema dominante e essencial à acção, com um factor fantástico subterrâneo, expresso pelos poderes paranormais detidos por algumas personagens e que são essenciais à resolução dos conflitos da acção.

A segunda parte de Goor, “A Crónica de Feaglar” consolida a promessa já revelada na primeira parte do épico: os personagens, a profundidade das suas personalidades e a riqueza da acção e da interacção das personagens é muito mais profunda que a primeira parte e revelam um autor completamente consolidado e completamente amadurecido. Esperamos ansiosamente pelas novas obras de Pedro Ventura já que o seu estilo está completamente amadurecido, o autor revela uma grande consistência na construção de personagens e enredos e… é senhor de uma imaginação fértil e domina completamente essa difícil arte de construir mundos e universos virtuais!

“Goor 2 – A Crónica de Feaglar” pode ser comprado em vários locais, mas recomendamos o contacto directo com o autor, clicando AQUI.

Categories: Livros | 2 comentários

Site no WordPress.com.

Eleitores de Portugal (Associação Cívica)

Associação dedicada à divulgação e promoção da participação eleitoral e política dos cidadãos

Vizinhos em Lisboa

A Vizinhos em Lisboa tem em vista a representação e defesa dos interesses dos moradores residentes nas áreas, freguesias, bairros do concelho de Lisboa nas áreas de planeamento, urbanismo, valorização do património edificado, mobilidade, equipamentos, bem-estar, educação, defesa do património, ambiente e qualidade de vida.

Vizinhos do Areeiro

Núcleo do Areeiro da associação Vizinhos em Lisboa: Movimento de Vizinhos de causas locais e cidadania activa

Vizinhos do Bairro de São Miguel

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos

TRAVÃO ao Alojamento Local

O Alojamento Local, o Uniplaces e a Gentrificação de Lisboa e Porto estão a destruir as cidades

Não aos Serviços de Valor Acrescentado nas Facturas de Comunicações !

Movimento informal de cidadãos contra os abusos dos SVA em facturas de operadores de comunicações

Vizinhos de Alvalade

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos de Alvalade

anExplica

aprender e aprendendo

Subscrição Pública

Plataforma independente de participação cívica

Rede Vida

Just another WordPress.com weblog

Vizinhos do Areeiro

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos do Areeiro

MDP: Movimento pela Democratização dos Partidos Políticos

Movimento apartidário e transpartidário de reforma da democracia interna nos partidos políticos portugueses

Operadores Marítimo-Turísticos de Cascais

Actividade dos Operadores Marítimo Turísticos de Cascais

MaisLisboa

Núcleo MaisDemocracia.org na Área Metropolitana de Lisboa

THE UNIVERSAL LANGUAGE UNITES AND CREATES EQUALITY

A new world with universal laws to own and to govern all with a universal language, a common civilsation and e-democratic culture.

looking beyond borders

foreign policy and global economy

O Futuro é a Liberdade

Discussões sobre Software Livre e Sociedade