Da já longa divergência de Portugal dos padrões económicos europeus e das suas causas profundas

“Em vez dos 72,5% conseguidos em 2003, o mais alto que a economia nacional conseguiu foram 69% em 1999.”
(…)
“A economia nacional tem estado a marcar passo desde 1999.”
(…)
“Por um lado, são más notícias para a análise do processo de convergência portuguesa desde a adesão à Comunidade Económica Europeia (CEE) em 1986, porque o aparente bom desempenho conseguido na década de 90 não terá sido tão favorável como se pensava. Mas por outro lado, a quebra que tanto se falava a partir de 2003 não é mais do que uma quase estagnação a partir dos anos anteriores.”
(…)
“No ano passado, de acordo com as estatísticas divulgadas esta semana, a riqueza média por habitante em PPC (Paridade de Poder de Compra) caiu de 76% para 75% da média europeia considerando os 27 Estados membros. Desde 1999 que Portugal está em rota de divergência.”

Fonte: João Silvestre, in Expresso de 22 de Dezembro de 2007

Vejamos… Apesar da injecção massiva de milhares de milhões de contos provenientes dos países do norte da Europa, da cessação de várias e crescentes parcelas de soberania a partir de uma entidade supra-nacional, não-eleita (a Comissão Europeia) e logo não-democrática e, sobretudo, depois de um processo de adesão que nunca foi referendado, afinal, Portugal não beneficiou tanto quanto se pensava da sua adesão à União Europeia (então CEE) em 1985… E, outro mito, de que a “crise” (de facto, estagnação) tinha começado apenas em 2003, depois dos dislates e da incapacidade para decidir de António Guterres (que enfastiado abandonara o “pântano” da política portuguesa, trocando-o por uma prebenda na CGD). Mas de facto, o problema não começou em Guterres e é ainda mais profundo e estrutural: Portugal simplesmente não se consegue adaptar aos padrões de “Desenvolvimento” e às matrizes económicas que lhe são impostas do exterior, pelos “Estrangeirados” de hoje ocuparam todas as cátedras das faculdades de Economia deste país… Não está mal este país, nem estes seus portugueses… O que está mal é esta insistência infrutuosa para uma deriva para uma sociedade de produtores-consumidores, onde se é tanto, quanto se tem, onde “Trabalhar para Viver” é transformado em dogma religioso, em vez do “Viver para Trabalhar” agostiniano que caracterizou a medievalidade portuguesa e o período dourado dos Descobrimentos e da Expansão… Portugal e os portugueses, na sua alma mais profunda não foram simplesmente formatados para cumprirem os ditames destas novas “regras de Mercado” que lhe dizem agora serem incontornáveis e inevitáveis, e enquanto tentarem sê-lo, enquanto não assumirem a sua profunda diferença destas civilização de “bárbaros e loiros” do Norte nunca poderemos cumprir o nosso verdadeiro papel no Mundo, que é o de fazer cumprir o Quinto Império, unindo primeiro toda a lusofonia, depois toda a latinidade e, por fim, todo o ser humano, numa única Sociedade multiforme, Local, Livre e… gratuita, onde todos trabalham apenas por prazer e coexistem pacificamente com a Natureza.

Anúncios
Categories: Economia, Movimento Internacional Lusófono, Política Nacional, Portugal | 2 comentários

Navegação de artigos

2 thoughts on “Da já longa divergência de Portugal dos padrões económicos europeus e das suas causas profundas

  1. Sauridio

    Meu caro, pouco sei dos estrangeirados de ontem e de hoje, mas se os de hoje fossem como os de ontem, creio que estaríamos mais bem servidos.
    Ainda à pouco lia um comentário bacoco no bolg do jumento, sobre a melhoria do atendimento das grávidas do hospital de Badajoz, relatado pelos próprios utentes. A alimária pedia para se escutar agora a opinião dos que na altura protestaram contra a medida. Creio que na mente de muitos que protestaram, bem lá no fundo percebiam que o atendimento ia melhorar, o que queriam é que esse melhoramento acontece em solo pátrio. A avaliar pela experiência, se mudássemos de empresários e politicos, tudo leva a crer que feneficiávamos com a mudança, que vos parece?

    Um bom ano de 2008, mas não me parece 🙂

    Sauridio

  2. Sauridio: Pois claro… Está-se mesmo a ver, se a solução para melhorar os serviços essenciais é transferi-los para Espanha, então porque não acabamos também a transferir a própria soberania para as mesmas bandas!? Um país que desiste do seu Interior, não merece ser país, e este recuo massivo do Estado do Interior (Hospitais, Urgências, Maternidades, Escolas, Tribunais, etc, etc) é uma das razões que reforça a minha crença nas virtudes de uma “regionalização municipalista”, como aquela que combateram os Estrangeirados centralistas no século XVIII (http://pt.wikipedia.org/wiki/Estrangeirado). Nem tudo neles era mau, pelo contrário, mas a sua compulsão para tornar Portugal num país do norte de Europa, ainda hoje tem reflexos negativos e está na raíz do actual “seguidismo” e acriticidade dos governantes do “Bloco Central” da actualidade.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

Site no WordPress.com.

Eleitores de Portugal (Associação Cívica)

Associação dedicada à divulgação e promoção da participação eleitoral e política dos cidadãos

Vizinhos em Lisboa

A Vizinhos em Lisboa tem em vista a representação e defesa dos interesses dos moradores residentes nas áreas, freguesias, bairros do concelho de Lisboa nas áreas de planeamento, urbanismo, valorização do património edificado, mobilidade, equipamentos, bem-estar, educação, defesa do património, ambiente e qualidade de vida.

Vizinhos do Areeiro

Núcleo do Areeiro da associação Vizinhos em Lisboa: Movimento de Vizinhos de causas locais e cidadania activa

Vizinhos do Bairro de São Miguel

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos

TRAVÃO ao Alojamento Local

O Alojamento Local, o Uniplaces e a Gentrificação de Lisboa e Porto estão a destruir as cidades

Não aos Serviços de Valor Acrescentado nas Facturas de Comunicações !

Movimento informal de cidadãos contra os abusos dos SVA em facturas de operadores de comunicações

Vizinhos de Alvalade

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos de Alvalade

anExplica

aprender e aprendendo

Subscrição Pública

Plataforma independente de participação cívica

Rede Vida

Just another WordPress.com weblog

Vizinhos do Areeiro

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos do Areeiro

MDP: Movimento pela Democratização dos Partidos Políticos

Movimento apartidário e transpartidário de reforma da democracia interna nos partidos políticos portugueses

Operadores Marítimo-Turísticos de Cascais

Actividade dos Operadores Marítimo Turísticos de Cascais

MaisLisboa

Núcleo MaisDemocracia.org na Área Metropolitana de Lisboa

THE UNIVERSAL LANGUAGE UNITES AND CREATES EQUALITY

A new world with universal laws to own and to govern all with a universal language, a common civilsation and e-democratic culture.

looking beyond borders

foreign policy and global economy

O Futuro é a Liberdade

Discussões sobre Software Livre e Sociedade

%d bloggers like this: