Daily Archives: 2007/12/09

Do Acordo Ortográfico


(“Comunidade dos Países de Língua Portuguesa“)

Dado o especial foco que tem sido dado às relações lusobrasileiras, seria impossível não abordar aqui a importância que tem a iminente ratificação por parte do Governo português do Acordo Ortográfico… E assim faremos já de seguida.

Não faltam os “velhos do Restelo” que como Vasco Graça Moura o criticam… Não sem ter parte interessada na questão, já que obtendo parte significativa dos seus proveitos na actividade de tradução. Graça Moura não é propriamente uma figura neutra nesta questão… É que as suas traduções serão afectadas pelo acordo e que os seus livros terão que competir directamente com os de outros autores lusófonos, isso dificilmente não afectará o seu julgamento… Graça Moura acusa os que defendem o Acordo de “falta de visão no plano científico, económico e estratégico” e a generalidade dos editores portugueses alinham pela mesma bitola pessimista. Mas poderão ou deverão os 10 milhões de portugueses ignorar o peso demográfico e económico dos 180 milhões de brasileiros? Poderemos deixar que a nossa língua caminhe para percursos distintos e contrapostos e nada fazer contra isso?

E, sobretudo… Será possível não ratificar o Acordo? Criado em 1990, o Acordo parecia dormente, mas apenas “parecia”, já que em 2006, Cabo Verde e São Tomé e Princípe, o ratificaram, somando-se assim ao Brasil, e dando ao Acordo as três ratificações necessárias para que entrasse imediatamente em vigor nestes três países. Portugal, o país de onde tinha surgido – juntamente com a Galiza – a própria matriz da língua portuguesa podia continuar fora? Compreendemos bem as hesitações dos editores portugueses… Receiam pelos mercados educativos nos PALOPs, um muito significativo destino para as suas edições escolares e onde – com a homogenia da grafia – terão que passar a concorrer com os editores livreiros… A situação é particularmente preocupante em Angola, onde a recuperação económica é cada vez mais viçosa e há dinheiro para fazer um investimento sério e continuado na Educação dos mais jovens.

Sem dúvida que a homogeneização do português poderá favorecer os editores brasileiros, que adoptaram o Acordo logo desde o começo e sem as hesitações dos portugueses e que nem adoptaram a moratória de 10 anos prevista no Acordo e a que vai recorrer Portugal… É certo que o acordo parece mais favorável ao Brasil, pelo menos no domínio restrito das palavras alteradas, já que se no Brasil apenas 0,5% das palavras sofrem alteração, em Portugal essa percentagem irá ascender aos 1,6%, ou seja, o trabalho de “Find&Replace” nos textos portugueses a publicar será maior em Portugal… Mas será um custo assim tão significativo? E será que devemos temer assim tanto o ímpeto exportador do Brasil? O Brasil é ainda infelizmente um país globalmente ileterato, com 20% dentro desse número (ver AQUI) e a esmagadora maioria da edição brasileira fica apenas em duas grandes cidades, Rio de Janeiro e São Paulo, não chegando sequer ao resto do extenso território brasileiro… Os editores portugueses que aproveitem a moratória de 10 anos… Que convertam as suas edições e estabeleçam parceiras com editoras e com governos africanos e o crescimento económico que se regista actualmente nos PALOPs há-de bastar para todos, incluindo para os próprios… E se em vez de temerem o “Outro” começarem a olhar para as oportunidades que o Acordo também deixa antever, talvez se devessem preparar para exportar para o Brasil, país que como vimos, tem neste domínio ainda um grande (o maior) problema a vencer…

Assim, concordamos com a decisão de Luís Amado (nem sempre temos estado de acordo com o ministro dos Negócios Estrangeiros) e acreditamos que o Acordo pode ser um instrumento importante para aproximar os Países Lusófonos, caminhar para aquela União pela qual tanto nos tempos batido neste e noutro espaço e criar novas condições para que se facilite o ensino da língua portuguesa (pela aproximação entre o português falado e o escrito e pela homogeneização da grafia) e contribuir assim decisivamente para vencer essa grande batalha do espaço lusófono que é a batalha pela qualificação e pela potenciação da riqueza humana destes países.

Fica por fim, uma muito sumária lista de algumas palavras alteradas, aqui e além-mar, baseada no artigo da passada semana do jornal “Público”:

Em Portugal:
acção -> ação
óptimo -> ótimo
tecto -> teto
lêem .> leem

No Brasil:
lingüiça -> linguiça
seqüência -> sequência
assembléia -> assembleia
idéia -> ideia
vôo -> voo

Em todos os países lusófonos:
As letras k,w e y são inseridas na lista de letras aceites em todos os alfabetos da lusofonia e o hífen tem novas regras que levam a que, por exemplo:
contra-regra -> contrarregra e
anti-semita -> antissemita

P.S.: E quem diria que eu e… este senhor estaríamos de acordo sobre a mesma coisa?

Fonte: Público de 6 de Dezembro de 2007

Categories: Brasil, Educação, Movimento Internacional Lusófono, Portugal | 35 comentários

Será que os EUA de George Bush vão assinar também o Protocolo de Quioto?

Aquecimento Global
( http://oldorchardcinemapub.com)

Depois da derrota eleitoral conservadora na Austrália, os EUA são juntamente com a pouco digna companhia chinesa a última grande nação industrializada a permanecer fora do Protocolo de Quioto. O movimento resulta não somente de uma mudança no Poder na Austrália, mas também – e principalmente – de uma avolumar de provas científicas que estabelecem um grau cada vez maior de certeza sobre a existência do fenómeno do Aquecimento Global e da influência que o Homem tem no mesmo. Será que agora, os EUA de Bush vão também assinar? Em vários discursos recentes, George Bush reconheceu publicamente o fenómeno do Aquecimento Global, mas não a sua antroponegia (provávelmente anda a ler muito o Blasfémias) e pelo menos alguns representantes da Casa Branca estão a dar sinais de que… talvez haja alterações mesmo ainda nesta Administração: “The challenges of climate change are big, and serious. The next step is to reach agreement in Bali on a negotiating roadmap for a new post-2012 framework. We look forward to continuing to work together constructively with Australia, as we have in APEC, the Asia Pacific Partnership, and the Major Economies process” e não foi um funcionário anónimo que falou, mas Kirsten Hellmer, do “White House Council on Environmental Quality“…

Recordemo-nos de que o Protocolo, em aplicação desde 2005 foi assinado por mais de 170 países vai expirar em 2012 e terá que substituído por qualquer outra coisa e tem como principal objectivo reduzir as emissões de gases com efeito de estufa para um patamar 5% inferior ao que eram em 1990 até 2008-2012.

Fonte:
ABC

Categories: Ecologia | 4 comentários

Create a free website or blog at WordPress.com.

Eleitores de Portugal (Associação Cívica)

Associação dedicada à divulgação e promoção da participação eleitoral e política dos cidadãos

Vizinhos em Lisboa

A Vizinhos em Lisboa tem em vista a representação e defesa dos interesses dos moradores residentes nas áreas, freguesias, bairros do concelho de Lisboa nas áreas de planeamento, urbanismo, valorização do património edificado, mobilidade, equipamentos, bem-estar, educação, defesa do património, ambiente e qualidade de vida.

Vizinhos do Areeiro

Núcleo do Areeiro da associação Vizinhos em Lisboa: Movimento de Vizinhos de causas locais e cidadania activa

Vizinhos do Bairro de São Miguel

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos

TRAVÃO ao Alojamento Local

O Alojamento Local, o Uniplaces e a Gentrificação de Lisboa e Porto estão a destruir as cidades

Não aos Serviços de Valor Acrescentado nas Facturas de Comunicações !

Movimento informal de cidadãos contra os abusos dos SVA em facturas de operadores de comunicações

Vizinhos de Alvalade

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos de Alvalade

anExplica

aprender e aprendendo

Subscrição Pública

Plataforma independente de participação cívica

Rede Vida

Just another WordPress.com weblog

Vizinhos do Areeiro

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos do Areeiro

MDP: Movimento pela Democratização dos Partidos Políticos

Movimento apartidário e transpartidário de reforma da democracia interna nos partidos políticos portugueses

Operadores Marítimo-Turísticos de Cascais

Actividade dos Operadores Marítimo Turísticos de Cascais

MaisLisboa

Núcleo MaisDemocracia.org na Área Metropolitana de Lisboa

THE UNIVERSAL LANGUAGE UNITES AND CREATES EQUALITY

A new world with universal laws to own and to govern all with a universal language, a common civilsation and e-democratic culture.

looking beyond borders

foreign policy and global economy

O Futuro é a Liberdade

Discussões sobre Software Livre e Sociedade