Daily Archives: 2007/11/25

CurtasLinhas (1): O Julgamento do cozinheiro seropositivo

Como saberão, um despedimento de um cozinheiro que trabalhava num hotel foi confirmado quer na 1ª instância, quer na Relação, baseando os juízes a sua decisão no facto de trabalhando com facas, este poderia cortar-se e logo contaminar algum dos clientes do dito hotel. Ora bem, o contágio ocorreria supostamente se o homem se cortasse, se o não visse ou omitisse, se o fizesse sobre uma salada (já que o calor destrói o vírus) e se esta… fosse servida em dois minutos (tempo que o vírus sobrevive fora do corpo humano) e se, – sobretudo – o cliente tivesse uma ferida na boca. É altamente improvável, tanto que não se conhecem casos de contágio idênticos, será então Justo estabelecer e reconfirmar tal sentença? E se o é (pela remota hipótese do risco), porque não determina já agora a morte do cozinheiro já que – ao fim ao cabo – enquanto estiver vivo pode contaminar alguém? Aliás, porque não determina final o Tribunal o abate de todos nós, já que de facto todos temos uma hipótese de vir a ser contaminados um dia e de assim passarmos a ser assim também outros improváveis focos de contágio?

P.S.: Esta “CurtaLinha” vai inaugurar uma série de pequenos Posts que irão surgindo por aqui irregularmente e que tentarão ser sucintos, sem ser lacónicos, e que se debruçarão sobre temas da actualidade. Não deverão ter mais que um parágrafo, imagens e não terão links externos.

Categories: CurtasLinhas, Saúde, Sociedade Portuguesa | 2 comentários

O “Caso Roswell” do “The Nebraska State Journal” de 7 de Junho de 1884

Uma das primeiras notícias sobre “Discos Voadores” data de 1884 e descreve os acontecimentos ocorridos nesse ano no Estado americano do Nebraska. A fonte é um artigo do jornal “The Nebraska State Journal” de 7 de Junho de 1884.

Eis o artigo em questão, traduzido para português:
“Um Visitante Celestial
Uma espantosa e curiosa história da região do condado de Dundy

Um fenómeno muito notável ocorreu por volta da uma da tarde ontem a cerca de 35 milhas a noroeste deste lugar. John W. Ellis. um rancheiro bem conhecido, levava o seu gado para o campo com 3 dos seus filhos e vários outros vaqueiros para o encontro anual. Quando cavalgavam ao longo da planície ouviram um som terrível, como um rugido pairando sobre eles e olhando para cima, viram aquilo que parecia ser um meteoro de tamanho imenso caindo em ângulo sobre a terra. Um momento depois precipitou-se para a terra e saiu de vista. Subindo apressadamente a colina viram o objecto caindo a cerca de meia milha e desaparecendo atrás de outra colina.

Galopando a toda a velocidade, ficaram espantados ao ver vários fragmentos de rodas dentadas e outras peças de maquinaria espalhadas pelo chão, ao longo do caminho percorrido pelo visitante dos céus, brilhando com um calor tão intenso que a erva estava queimada até uma longa distância em torno de cada fragmento e tornando impossível a aproximação a cada um deles (“they were astounded to see several fragments of cog-wheels and other pieces of machinery lying on the ground, scattered in the path made by the aerial visitor, glowing with heat so intense as to scorch the grass for a long distance around each fragment and make it impossible for one to approach it”). No fundo de uma ravina funda onde o objecto tinha caído, havia um calor tão intenso que era impossível de suportar e havia aqui uma luz tão intensa que o olho humano não a podia suportar a não ser por breves instantes.

Uma ideia deste calor pode ser adquirida do facto que um membro do grupo, um cowboy chamado Alf Williamson, deixando a sua cabeça descuidadamente exposta sobre o banco da ravina tombou sem sentidos ao fim de meio minuto. A sua face estava desesperadamente queimada e o seu cabelo estava queimado e quebradiço (“hair singed to a crisp”). O seu estado era perigoso. À distância do aerolito, fosse ele o que fosse, era de cerca de 200 pés. O homem queimado foi levado até à casa de Mr. Ellis, tratado da melhor maneira possível de acordo com o que as circunstâncias permitiam e foi chamado um médico. O seu irmão, que vivia em Denver foi chamado por telégrafo.

Descobrindo ser impossível a aproximação ao visitante misterioso, o grupo voltou para trás sobre o seu rasto. Onde este primeiro tocou o solo estava areia e alguma era. A areia estava fundida até uma profundidade desconhecida num espaço de cerca de 20 pés de extensão por oito, e o material fundido ainda borbulhava e silvava. Entre este o local de paragem final havia vários pontos onde tinha entrado em contacto com o solo, mas nenhum estava tão bem marcado como este.

Descobrindo ser impossível fazer alguma investigação, Mr. Ellis voltou para a sua casa e enviou mensageiros para os ranchos vizinhos. Quando a noite chegou a luz do objecto maravilhoso era tão forte como o sol, e os visitantes que o foram ver continuavam a ser incapazes de suportar o brilho.

Na manhã seguinte outra visita foi feita ao local. A equipa incluia E. W. Rawlins, o inspector para este distrito que tinha chegado a Benkleman nessa noite, e a quem uma amostra de particulas recolhidas no local foi entregue. As partes menores da maquina espalhada tinham arrefecido a um ponto até que já era possível a aproximação, mas ainda não a sua manipulação. Uma peça que parecia uma pá de uma hélice feita de metal e a aparência de ser uma espécie de bronze com cerca de 16 polegadas de largura, 3 de grossura e 3 e meia de comprimento foi recolhida com uma pá. Não devia pesar mais do que cinco onças, mas parecia tão forte e compacta como qualquer outro metal conhecido. Um fragmento de uma roda com um diâmetro aparente de sete ou oito pés, foi também recolhida. Parecia ser do mesmo material e tinha a mesma notável leveza.

O aerolito, ou lá o que fosse, parecia ter entre 50 a 60 pés de comprimento, cilindrico e com 10 ou 12 pés de diâmetro. Havia uma grande excitação na vizinhança mas a aproximação foi suspensa enquanto os cowboys esperavam que esta descoberta maravilhosa arrefecesse de forma a que a pudessem examinar.

Mr. Ellis foi à cidade e contactou o “land office” com a intenção de garantir que a terra onde a estranha coisa estava era sua, de forma a que esta posse não fosse disputada.

Um grupo foi enviado para o local e viajaria durante toda a noite até lá chegar. O terreno na vizinhança era muito selvagem e duro, e os caminhos pouco mais do que trilhas.”

O Jornal em questão tem parte dos seus artigos disponíveis online por AQUI (um site ligado à busca de genealogia), sendo a data mais antiga disponível 1897. E de facto, aqui, neste ano em diante há vários artigos mencionado o nome de John W. Ellis… Será então que a publicação do jornal começou apenas em 1897 e logo, o artigo era um “hoax”? Não… O jornal era publicado em 1893, como se depreende desta biografia e do comentário a esta fotografia:


(“Cather at the Nebraska State Journal offices, c. 1893-1895.”)

Mas… Parece que demos com o rabo do gato. Segundo este site, a primeira edição do Nebraska State Journal ocorreu em 1887:
“Nov 28, 1887 First Monday edition of Nebraska State Journal”. Só que… Se referem à sua edição à segunda-feira! É que segundo este outro site: “Gere founded Lincoln’s first newspaper, The Nebraska Commonwealth (later the Nebraska State Journal) in 1867. When the State Journal became a daily in 1870“. Ou seja, entre 1867 e 1870, o jornal haverai de assumir a forma que tinha em 1884: Nebraska State Journal. Fica por tanto estabelecida a certeza de que pelo menos tal jornal existia nesta data…

A história em torno deste estranho relato foi conhecida pela primeira vez em 1964 (ver AQUI) e embora na altura ainda fosse possível encontrar na região pessoas que tivessem alguma recordação do caso estas não foram encontradas… Alguns acreditam que esta história é um Hoax. Alguns detalhes apontam nesse sentido como o das “rodas dentadas” ausentes de todas as histórias modernas de OVNIs, mas compatíveis com o ambiente técnico da época do relato. É claro que as “rodas” podiam não ser exactamente “rodas dentadas”, mas antes círculos ou outros objectos percepcionados como “rodas dentadas”. É verdade que os jornais da época não estavam muito interessados em reportar factos e que a concorrência feroz colocava-os frequentemente no caminho da pura invenção, apenas para “vender papel”. O facto de haver aqui várias testemunhas designadas pelo nome, de haverem indícios da sua existência nesta época e local (ver acima). No Nebraska havia várias famílias Ellis nessa data (ver AQUI, AQUI). Mas no censo de 1860 desse Estado não aparece nenhum John W. Ellis (ver AQUI) e por estas bandas:

Mas aparece um “John Ellis” no censo estatal de 1885:

Teria então 25 anos? E já 3 filhos? É possível… Já que não há indicações que se tratasse de um recém-chegado ao Condado de Dundy, mas até que era uma figura conhecida…

O incidente é segundo parece o relato mais antigo jamais surgido em jornais em todo o mundo. Um outro caso, de 1897, suportamente ocorrido em Aurora, no Texas (ver AQUI) em cujo cemitério:

Estariam enterrados… 4 alienígenas e que teria dado azo a esta notícia:

( http://www.ufocasebook.com/haydonarticle.jpg)

A lápide funerária foi roubada já há muito tempo (ver AQUI) e parece que o Mayor da cidade tinha motivos para atrair população à cidade e esta possível invenção pode ter feito parte desse estratagema (ver AQUI).

O que mais estranha neste caso “roswelliano” do Nebraska é a ausência de testemunhos materiais… Quer dos pedaços de maquinaria, quer da própria “nave”… Será que ainda existem soterrados algures no vale do rio Republican, onde supostamente estaria esta ravina?

Esta é a região onde se teria despenhado este ovni em 1884 (Google Maps).

Fontes:
Ufologie.net
Daily Nebraskan

Categories: Mitos e Mistérios, OVNIs | 18 comentários

Create a free website or blog at WordPress.com.

Eleitores de Portugal (Associação Cívica)

Associação dedicada à divulgação e promoção da participação eleitoral e política dos cidadãos

Vizinhos em Lisboa

A Vizinhos em Lisboa tem em vista a representação e defesa dos interesses dos moradores residentes nas áreas, freguesias, bairros do concelho de Lisboa nas áreas de planeamento, urbanismo, valorização do património edificado, mobilidade, equipamentos, bem-estar, educação, defesa do património, ambiente e qualidade de vida.

Vizinhos do Areeiro

Núcleo do Areeiro da associação Vizinhos em Lisboa: Movimento de Vizinhos de causas locais e cidadania activa

Vizinhos do Bairro de São Miguel

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos

TRAVÃO ao Alojamento Local

O Alojamento Local, o Uniplaces e a Gentrificação de Lisboa e Porto estão a destruir as cidades

Não aos Serviços de Valor Acrescentado nas Facturas de Comunicações !

Movimento informal de cidadãos contra os abusos dos SVA em facturas de operadores de comunicações

Vizinhos de Alvalade

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos de Alvalade

anExplica

PEDAÇOS DE SABER

Subscrição Pública

Plataforma independente de participação cívica

Rede Vida

Just another WordPress.com weblog

Vizinhos do Areeiro

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos do Areeiro

MDP: Movimento pela Democratização dos Partidos Políticos

Movimento apartidário e transpartidário de reforma da democracia interna nos partidos políticos portugueses

Operadores Marítimo-Turísticos de Cascais

Actividade dos Operadores Marítimo Turísticos de Cascais

MaisLisboa

Núcleo MaisDemocracia.org na Área Metropolitana de Lisboa

THE UNIVERSAL LANGUAGE UNITES AND CREATES EQUALITY

A new world with universal laws to own and to govern all with a universal language, a common civilsation and e-democratic culture.

looking beyond borders

foreign policy and global economy