Dos males dos biocombustíveis

O aumento da produção de biocombustíveis vai levar ao aumento do ritmo de corte de florestas, o que vai reduzir a sua capacidade para absorver Carbono da Atmosfera. Isso não vai ajudar nada ao Aquecimento Global… E vai permitir o aumento sustentado do consumo e uso de carros, além de que a expansão dos terrenos de cultivo dedicados a biocombustíveis vão reduzir ainda mais a biodiversidade.

Dito isto, não quero dizer que sou absolutamente contra toda e qualquer forma de biocombustíveis. Especialmente, enquanto alternativa transitória, ou enquanto origem complementar para os mesmos fins que a indústria petrolífera hoje alcança. Os biocombustíveis podem ser uma alternativa, mas não serão certamente A ALTERNATIVA, especialmente tendo em conta os factores acima indicados. Em muitos aspectos, os biocombustíveis poderão ser até mais lesivos para o meio ambiente que os combustíveis fósseis… Poderão permitir a continuação desta espiral insustentável de consumos, e até absorver parte das necessidades do afluxo de hostes imensas de novos consumidores, na China e na Índia, mas a que preço? Sacrificando as últimas florestas e aumentando ainda mais a pressão sobre esse pulmão do planeta que é a Amazónia? Sustentanto um aumento de emissões de CO2 que vai agravar ainda mais o fenómeno que parece ser já tarde para travar que é o Aquecimento Global, talvez a forma que a Natureza encontrou para se expurgar e eliminar essa ameaça que são estes seus filhos desavindos…

Não, decidamente… Não advogo os biocombustíveis como a solução para os males decorrentes do Pico Petrolífero e da explosão do preço do barril de crude… Poderão ajudar, numa fase de transição para outras formas, mas se forem tomados como a Solução poderão colocar em risco tantos e tão diversos aspectos da Vida e do Ambiente, que deverão ser descartados como a solução definitiva para o problema que é efectuar uma transição da economia do petróleo para… outra coisa qualquer!

Categories: Agricultura, Ecologia, Economia | 6 comentários

Navegação de artigos

6 thoughts on “Dos males dos biocombustíveis

  1. Ultramar

    Olá, “Clavis” 😉 , como estás? Bem, eu tinha “desaparecido” por um tempo por causa do chato, arrogante, “ultranacionalista” e xenófobo Eurico, que , em sua mente fantasiosa, via Portugal quase uma Suíça e o Brasil quase uma África… Um sujeito assim é péssimo para qualquer tentativa de maior aproximação entre Brasil e Portugal… Ele não enxergava que, falando mal do Brasil, igualava-se àqueles brasileiros que falavam mal de Portugal… Pobre coitado… Tão imaturo quanto os outros! Bem, não sei se ele sumiu ou se apenas mudou de nome… De qualquer forma, se não me incomodar mais… Ou terei de “desaparecer” novamente! 🙂

    Quanto aos biocombustíveis, EUA e Brasil estão procurando obter etanol da celulose, o que permitirá , pelo que sei, extrair etanol até de restos de vegetais, de madeira… Pessoalmente, então, eu acredito na possibilidade de se obter etanol em grandes quantidades da floresta amazônica, sem derrubá-la! Apenas das folhas e de galhos de árvores, ou de plantas menores entre as árvores, de diferentes vegetais que possam ser plantados entre as árvores da floresta… Sem derrubar nenhuma árvore, como eu disse! Bem, eu não sei quase nada de química ou física, mas algo me diz que isso ainda será possível… E tanto o etanol quanto o biodiesel podem ser obtidos em grande quantidade, no Brasil, utilizando-se uma pequena parte das terras do país. Quanto a outros países, não sei; mas o Brasil tem condições de produzir etanol e/ou biodiesel para seu próprio consumo, sem precisar desmatar a gigantesca Amazônia, pois além dela, ainda temos muita terra para plantar… E, como eu disse, estou certo de que ainda veremos formas muito mais eficientes de se obter combustível dos “verdes”!

    E é preciso saber que os desmatamentos na Amazônia são em maior parte por causa das madeireiras, carvoarias e dos pecuaristas. O erro é não combater os primeiros e incentivar a pecuária na Amazônia, na forma atual, que ocupa grandes extensões de terra. E que o hidrogênio combustível ainda demore a ser uma realidade! Pois só irá beneficiar mais… os mais ricos. Ei! E agora parece que encontramos o que pode ser um grande lençol petrolífero em grandes profundidades numa extensa faixa do litoral brasileiro! Poderemos usar os biocombustíveis e exportar o petróleo! :))

  2. Ultramar:
    -> Já me tinha perguntado por onde andarias… E cheguei a pensar mandar-te um mail, mas não me quis intrometer na tua “reserva”.
    -> Sabes que eu acho que a vossa disputa foi um grande mal-entendido… O Eurico também “desapareceu” e não publica nada desde Outubro, mas francamente não o achei tão ultranacionalista como o classificas. Poderá ter exagerado aqui e acolá, e quem não o fez já ;-)… Quando vejo alguns posts que escrevi no começo do blog… brrr.
    -> E existe muito desentendimento e distância entre os nossos dois países… O meu objectivo é reduzir e criar pontes para uma reaproximação, como sabes. Um pequeno papel didáctico e pedagógico com um grande alcance a superar…

    “Quanto aos biocombustíveis, EUA e Brasil estão procurando obter etanol da celulose, o que permitirá , pelo que sei, extrair etanol até de restos de vegetais, de madeira… Pessoalmente, então, eu acredito na possibilidade”
    -> E no Uk trabalhasse agora an conversão de desperdícios de… chocolate!
    -> E sim, na área da biomassa e dos desperdícios, o biocombustível é mais do que desejável, devia ser obrigatório! Ontem, p.ex. andaram a cortar (podar) árvores aqui ao pé. Para onde vai toda esta biomassa? Para o lixo!

    “de se obter etanol em grandes quantidades da floresta amazônica, sem derrubá-la! Apenas das folhas e de galhos de árvores, ou de plantas menores entre as árvores, de diferentes vegetais que possam ser plantados entre as árvores da floresta… Sem derrubar nenhuma árvore, como eu disse! Bem, eu não sei quase nada de química ou física, mas algo me diz que isso ainda será possível… E tanto o etanol quanto o biodiesel podem ser obtidos em grande quantidade, no Brasil, utilizando-se uma pequena parte das terras do país. Quanto a outros países, não sei; mas o Brasil tem condições de produzir etanol e/ou biodiesel para seu próprio consumo, sem precisar desmatar a gigantesca Amazônia, pois além dela, ainda temos muita terra para plantar… E, como eu disse, estou certo de que ainda veremos formas muito mais eficientes de se obter combustível dos “verdes”!”
    -> Assim espero… O problema é que se a produção de biocombustível começar a dar muito dinheiro… Lá se vai tudo e não ficarão pela rama, certamente…

    “E é preciso saber que os desmatamentos na Amazônia são em maior parte por causa das madeireiras, carvoarias e dos pecuaristas. O erro é não combater os primeiros e incentivar a pecuária na Amazônia, na forma atual, que ocupa grandes extensões de terra. E que o hidrogênio combustível ainda demore a ser uma realidade! Pois só irá beneficiar mais… os mais ricos. Ei! E agora parece que encontramos o que pode ser um grande lençol petrolífero em grandes profundidades numa extensa faixa do litoral brasileiro! Poderemos usar os biocombustíveis e exportar o petróleo! :))”
    -> SIm, o Banco Tupi, onde a “nossa” Galp tem 10%. É uma excelente notícia, não só para Portugal e para o Brasil, mas até para a aproximação entre os dois… Agora melhor seria se… a Petrobrás descobrisse também gás natural na costa portuguesa… Como parece estar prestes a acontecer!
    -> E bem vindo de volta, Ultramar!

  3. Ultramar

    Clavis: obrigado! 🙂

    E o Tupi é um campo com reservas, ao que parece, como as da Noruega(5 a 8 bilhões de barris). Mas o “lençol” petrolífero ao qual me refiro é uma faixa que vai da Bacia de Santos, onde está o Tupi, até o estado de Santa Catarina! Se nessa faixa, como se acredita, há também petróleo sob a camada de pré-sal(?), em águas bem profundas, dizem que as nossas reservas podem se aproximar às da Venezuela, ou seja, mais de 50 bilhões de barris! Acho que o Chávez não gostou disso, não… 🙂

    Ah, e a Argentina também quer que a Petrobrás, com sua tecnologia, vá procurar petróleo em águas profundas, em sua costa. Acham que, se tem nas profundezas de nossa costa…

    E saiba, também, que os “hermanos” estão interessados em participar do projeto do cargueiro C-390 da Embraer, assim como já demonstraram interesse também a Turquia, o Chile e a África do Sul! Como Portugal perdeu essa, hein?

  4. Estas descobertas talvez permitam ganhar algum tempo para a descoberta e desenvolvimento de altrnativas ao petróleo… esperemos é que não produzam o efeito indesejável de fazer esmorecer esses trabalhos e que atrasem tudo o que se tem feito… E de facto, a tecnologia ocupa aqui um papel central, é que somente com alta tecnologia se consegue explorar petróleo a tamanhas profundidades e aqui a petrobrás tem muito know-how que pode ser aplicado no mundo… em perfurações com mais 1 km de profundidade, creio, porque abaixo disso continua a ser impossível fazer perfurações (mas falo de cor, e posso estar enganado).
    O que se passou com o C-390 (ainda não é certo, já que não vi por cá uma única notícia sobre o tema) será tristíssimo e a perda de uma excelente oportunidade… Ainda espero que não se confirme… É que para as Ogma seria uma fantástica oportunidade… veremos!

  5. Sidnei Tives

    Gostaria de postar um curiosidade.

    Operadores dos portos começaram a notar que navios chineses aguardavam dias apenas para serem carregados com cascas de laranja…

    As fábricas da região de São Paulo produziam suco para exportação e os chineses compravam todas as cascas que se quisesse vender.

    Não sei quem nem como, mas descobriu-se que eles extraíam os ácidos da cascas para produzir biocombustível. Esses ácidos des de criança sei que pegam fogo – espremer as cascas sobre a chama do fogão é um excelente passatempo até os oito ou dez anos de idade – não sabia que podiam virar combustível.

  6. bem, nada é mais caro para um navio do que voltar de porão vazio… por isso é compreensível que esperem pelo “lixo orgânico” (quem não queria ir a esse porão, durante a viagem era eu…).
    Julgo saber que todo o material orgânico pode virar biocombustível. É tudo uma questão de eficiência e custo da conversão.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

Create a free website or blog at WordPress.com.

Eleitores de Portugal (Associação Cívica)

Associação dedicada à divulgação e promoção da participação eleitoral e política dos cidadãos

Vizinhos em Lisboa

A Vizinhos em Lisboa tem em vista a representação e defesa dos interesses dos moradores residentes nas áreas, freguesias, bairros do concelho de Lisboa nas áreas de planeamento, urbanismo, valorização do património edificado, mobilidade, equipamentos, bem-estar, educação, defesa do património, ambiente e qualidade de vida.

Vizinhos do Areeiro

Núcleo do Areeiro da associação Vizinhos em Lisboa: Movimento de Vizinhos de causas locais e cidadania activa

Vizinhos do Bairro de São Miguel

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos

TRAVÃO ao Alojamento Local

O Alojamento Local, o Uniplaces e a Gentrificação de Lisboa e Porto estão a destruir as cidades

Não aos Serviços de Valor Acrescentado nas Facturas de Comunicações !

Movimento informal de cidadãos contra os abusos dos SVA em facturas de operadores de comunicações

Vizinhos de Alvalade

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos de Alvalade

anExplica

aprender e aprendendo

Subscrição Pública

Plataforma independente de participação cívica

Rede Vida

Just another WordPress.com weblog

Vizinhos do Areeiro

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos do Areeiro

MDP: Movimento pela Democratização dos Partidos Políticos

Movimento apartidário e transpartidário de reforma da democracia interna nos partidos políticos portugueses

Operadores Marítimo-Turísticos de Cascais

Actividade dos Operadores Marítimo Turísticos de Cascais

MaisLisboa

Núcleo MaisDemocracia.org na Área Metropolitana de Lisboa

THE UNIVERSAL LANGUAGE UNITES AND CREATES EQUALITY

A new world with universal laws to own and to govern all with a universal language, a common civilsation and e-democratic culture.

looking beyond borders

foreign policy and global economy

O Futuro é a Liberdade

Discussões sobre Software Livre e Sociedade

%d bloggers like this: