A Origem da Escrita Cónia: Origem Dupla: Fenícia e Grega

J. Untermann assumiu uma tese original quanto às origens da Escrita Cónia: a origem dupla fenícia e grega. Para o autor, a partir de 600 a.C., na região entre Valência e Almeria ter-se-ia verificado a adopção da escrita pelas populações indígenas que influenciadas simultaneamente pelos mercadores gregos e pelos seus concorrentes fenícios aportavam aquelas margens.

É assim que identifica os signos2.jpg(respectivamente “l”, “n”, “´s” e “ke”) como sendo de origem grega, enquanto que, por exemplo,12.jpgseriam de influência fenícia.

A teoria de Untermann apresenta a vantagem de permitir explicar um dos traços mais originais dos diversos sistemas de escrita peninsulares[1]: o seu semissilabismo. Se os primeiros importadores tartéssicos tivessem adoptado primeiro a Escrita Fenícia. Ora nesta, os signos representam apenas consoantes, mas consoantes que se pressupõe serem seguidas de uma vogal, de valor indeterminado, mas que o leitor adivinhava seguindo o contexto da palavra. Os tartéssicos teriam estranhado (não sem razão) este sistema e ter-lhe-iam adicionado signos puramente alfabéticos de uma outra escrita que também conheciam: a Grega.

Trata-se de uma tese de difícil defesa. Não conhecemos outros casos de sistemas de escritas que tivessem sido originados, em simultâneo, por dois sistemas estrangeiros. Por outro lado, a tese da importação múltipla não concorda com a existência da adopção do “i” do fenício, conjuntamente com o “l” e o “n” do grego, ou seja, se os fonemas existiam nas duas escritas, não seria mais simples adoptar os signos a partir de uma única fonte?

É certo que os caracteres da Escrita Cónia revelam influências múltiplas, em que predominam as gregas e fenícias, mas revelam uma dominação dos signos de origem fenícia que discorda da tese de Untermann e que nos leva à teoria de Javier de Hoz, que defende a predominância da escrita fenícia no processo de importação que daria origem à Escrita Cónia.


[1] Algo que, aliás, só por si indica uma origem comum, provavelmente a partir de Tartessos.

Categories: A Escrita Cónia, História | 1 Comentário

Navegação de artigos

One thought on “A Origem da Escrita Cónia: Origem Dupla: Fenícia e Grega

  1. Anónimo

    a escrita alfabetica

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

Create a free website or blog at WordPress.com.

Eleitores de Portugal (Associação Cívica)

Associação dedicada à divulgação e promoção da participação eleitoral e política dos cidadãos

Vizinhos em Lisboa

A Vizinhos em Lisboa tem em vista a representação e defesa dos interesses dos moradores residentes nas áreas, freguesias, bairros do concelho de Lisboa nas áreas de planeamento, urbanismo, valorização do património edificado, mobilidade, equipamentos, bem-estar, educação, defesa do património, ambiente e qualidade de vida.

Vizinhos do Areeiro

Núcleo do Areeiro da associação Vizinhos em Lisboa: Movimento de Vizinhos de causas locais e cidadania activa

Vizinhos do Bairro de São Miguel

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos

TRAVÃO ao Alojamento Local

O Alojamento Local, o Uniplaces e a Gentrificação de Lisboa e Porto estão a destruir as cidades

Não aos Serviços de Valor Acrescentado nas Facturas de Comunicações !

Movimento informal de cidadãos contra os abusos dos SVA em facturas de operadores de comunicações

Vizinhos de Alvalade

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos de Alvalade

anExplica

PEDAÇOS DE SABER

Subscrição Pública

Plataforma independente de participação cívica

Rede Vida

Just another WordPress.com weblog

Vizinhos do Areeiro

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos do Areeiro

MDP: Movimento pela Democratização dos Partidos Políticos

Movimento apartidário e transpartidário de reforma da democracia interna nos partidos políticos portugueses

Operadores Marítimo-Turísticos de Cascais

Actividade dos Operadores Marítimo Turísticos de Cascais

MaisLisboa

Núcleo MaisDemocracia.org na Área Metropolitana de Lisboa

THE UNIVERSAL LANGUAGE UNITES AND CREATES EQUALITY

A new world with universal laws to own and to govern all with a universal language, a common civilsation and e-democratic culture.

looking beyond borders

foreign policy and global economy

<span>%d</span> bloggers like this: