Língua-hipótese: o Hebraico, o Cónio como uma Língua Afro-Asiática?

Oliveira Martins na sua “História da Civilização Ibérica” defende a pertença dos iberos ao ramo Afro-asiático adiantando que “não sendo lícito confundi-los mais na estirpe dos celtas, como supôs Humboldt, porque estes últimos provêm da raça indo-europeia”. Opinião semelhante tem Guy Rachet que diz outro tanto em “L´Univers de la Archeologie”. Recorrendo às fontes clássicas, encontramos também uma citação bíblica, num passo do Velho Testamento em que o profeta Abdias fornece alguma substância a estas teses quando, escrevendo no século V a.C. que “Os deportados de Jerusalém, que estão em Sefarad (designação da Península Hispânica), possuirão as cidades do meio-dia (Sul da Península Ibérica).”

Estes afro-asiáticas, ou hebreus, para ser mais específico, chegaram efectivamente à Península Ibérica no começo do ano mil a.C. A expansão comercial promovida pelos monarcas hebreus e fenícios Salomão e Hirão levava os mercadores destas nacionalidades até ao Ocidente europeu em busca de estanho e ouro. Não existem contudo provas suficientes que indiquem a existência de uma colonização afro-asiática na Península, mas apenas a presença de entrepostos comerciais e de contactos regulares e sistemáticos. A tese da lavra de Moisés Espírito Santo da pertença da língua cónia a uma família afro-asiática não colhe assim grandes probabilidades de vir a ser provada com sucesso. E torna-se ainda menos provável se nos recordarmo-nos de que nas escritas afro-asiáticas não existem palavras começadas por vogais e que destas temos diversos testemunhos nas estelas cónias.

Por outro lado, um dos traços distintivos das línguas afro-asiáticas consiste no papel desempenhado pelas consoantes nas raízes dos verbos. Com efeito, os radicais verbais nestas línguas são formados por consoantes em que a adição de vogais permite a criação de novas palavras a partir desta raiz. John Healey (“O Primeiro Alfabeto” in “Lendo o Passado”) dá um exemplo deste interessante mecanismo: “(…) existe uma raiz arábica, KTB. Em si mesma KTB não significa nada. Na verdade, é totalmente impronunciável. Mas, se lhe adicionarmos vogais em diferentes combinações (e, às vezes prefixos especiais), a raiz KTB ganha vida e adquire um significado enquanto autêntica palavra da língua: katib significa “escritor”; kataba, “ele escreveu”; kitab, “livro”; kutub, “livros”; kutubi, “livreiro”; kitaba, “escrita”; maktab, “escritório”; e maktaba, “biblioteca, livraria”. Observando essas palavras, podemos confirmar que existe uma raiz KTB e deduzir que está relacionada com “escrita”.” Como é evidente, se a língua dos cónios fosse afro-asiática este traço seria observável nas suas inscrições.

Categories: A Escrita Cónia, História | Deixe um comentário

Navegação de artigos

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

Create a free website or blog at WordPress.com.

Eleitores de Portugal (Associação Cívica)

Associação dedicada à divulgação e promoção da participação eleitoral e política dos cidadãos

Vizinhos em Lisboa

A Vizinhos em Lisboa tem em vista a representação e defesa dos interesses dos moradores residentes nas áreas, freguesias, bairros do concelho de Lisboa nas áreas de planeamento, urbanismo, valorização do património edificado, mobilidade, equipamentos, bem-estar, educação, defesa do património, ambiente e qualidade de vida.

Vizinhos do Areeiro

Núcleo do Areeiro da associação Vizinhos em Lisboa: Movimento de Vizinhos de causas locais e cidadania activa

Vizinhos do Bairro de São Miguel

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos

TRAVÃO ao Alojamento Local

O Alojamento Local, o Uniplaces e a Gentrificação de Lisboa e Porto estão a destruir as cidades

Não aos Serviços de Valor Acrescentado nas Facturas de Comunicações !

Movimento informal de cidadãos contra os abusos dos SVA em facturas de operadores de comunicações

Vizinhos de Alvalade

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos de Alvalade

anExplica

PEDAÇOS DE SABER

Subscrição Pública

Plataforma independente de participação cívica

Rede Vida

Just another WordPress.com weblog

Vizinhos do Areeiro

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos do Areeiro

MDP: Movimento pela Democratização dos Partidos Políticos

Movimento apartidário e transpartidário de reforma da democracia interna nos partidos políticos portugueses

Operadores Marítimo-Turísticos de Cascais

Actividade dos Operadores Marítimo Turísticos de Cascais

MaisLisboa

Núcleo MaisDemocracia.org na Área Metropolitana de Lisboa

THE UNIVERSAL LANGUAGE UNITES AND CREATES EQUALITY

A new world with universal laws to own and to govern all with a universal language, a common civilsation and e-democratic culture.

looking beyond borders

foreign policy and global economy

<span>%d</span> bloggers like this: