Língua-Hipótese: o Trácio

Se Falaschi encontra no albanês moderno a língua dos cónios, Constantin Dragán defende uma teoria ainda mais ousada: “Os emigrantes do Mundo Trácio da Anatólia continuaram o seu caminho até ao Mediterrâneo Ocidental, de onde desceram até ao Sul da Península Ibérica, na actual Espanha e a Portugal, onde desembarcaram nas embocaduras do rio a que chamaram, segundo o seu nome, o “Tartessos” ou do “Tarso”, nome derivado de “Thracetess” ou de “Tarse”, cidade da Anatólia. Sobre a ilha de “Lacus Ligustinus” onde fundaram uma outra cidade com o mesmo nome. Estes colonizadores chegaram até Múrcia e Huelva, chegando até à Costa de Algarve.” Mais uma vez, a ausência de provas materiais e de testemunhos escritos suficientemente convincentes colocam este teoria no campo das hipóteses não fundamentadas. Na realidade, para além da semelhança entre duas palavras (Tarse e Tartessos), pouco mais tem que lhe sirva de substância. Por esta razão a apresentámos aqui, embora com grandes reservas.

Categories: A Escrita Cónia, História | 4 comentários

Navegação de artigos

4 thoughts on “Língua-Hipótese: o Trácio

  1. Luís Teixeira Neves

    Os estrímnios eram trácios. Segundo a Orla Marítima, estiveram no Tejo e daí foram para a Bretanha. Foi com movimentos destes que se fez (a Idade d)o Bronze Atlântico.
    Atendendo a que eram trácios e estiveram na Ásia (Menor) é possível que fossem bitínios. A oriente da Bitínia ficava a Paflagónia de onde eram os lígures (Ambron é um dos epónimos fundadores de Sinop) e no extremo oriental da Plafagónia ou um pouco mais a oriente (dependendo das definições da fronteira desta província) ficava Amisos/Samsun (ou Sampsounta) de onde eram os cempsos.
    No 2.º milénio a.C. a Trácia ou, antes, o seu litoral foi colonizado por levantinos e por cilícios. Fineu e Sarpedon são os heróis míticos que representam essas colonizações, mas Cadmo, irmão do primeiro e tio do segundo, também passou pela Trácia e este, depois de ter permanecido por bons tempo na Grécia e na Albânia veio para o Ocidente com a mulher Harmonia. Foi a invasão das serpentes.
    Descendentes dos colonos cilícios da Trácia devem ter sido os ciconos. Lembro que, terminada a Guerra de Tróia a Odisseia começa exactamente com o ataque de Ulisses às cidades dos ciconos. É possível que nessa altura eles no contra-ataque tenham acabado por o perseguir até ao Ocidente (embora desta parte não fale o poema de Homero). Em todo o caso todos os povos que se defrontaram na Guerra de Tróia acabaram por baixar ao Egipto onde ficaram registados pelo nome de “povos do mar” e daí acabaram por se dispersar por todo o Mediterrâneo.

    • O problema das fontes como a Orla está em que… sao raras e carecem de confirmacao, literaria e material.
      Oos autores classicos nao tinham a mesma visao da realidade, fidelidade historica e mundo-visao que hoje: a enfabulacao cruzava-se muitas vezes com a realidade e na Orla (que tera sido copiada e alterada varias vezes desde a sua primeira e desconhecida edicao) é um bom exemplo disso.

  2. Luís Teixeira Neves

    A Orla Marítima tem correntemente como referencial a mitologia. A mitologia não é história, mas detém informação histórica. Não se pode desprezar essa informação. Há que a saber extrair. Sobretudo quando não há melhor. Sendo que o melhor é sempre cruzar todas as informações possíveis.

    • Não, de todo! Nao pode ser seguida literalmente (mas esse impulso é por vezes irresistível) mas o problema está em que com tanta escassez de fontes esse impulso é mais facil de cair… e eu sei o que falo! Ja cai ai varias vezes, especialmente em relacao à Orla.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

Create a free website or blog at WordPress.com.

Eleitores de Portugal (Associação Cívica)

Associação dedicada à divulgação e promoção da participação eleitoral e política dos cidadãos

Vizinhos em Lisboa

A Vizinhos em Lisboa tem em vista a representação e defesa dos interesses dos moradores residentes nas áreas, freguesias, bairros do concelho de Lisboa nas áreas de planeamento, urbanismo, valorização do património edificado, mobilidade, equipamentos, bem-estar, educação, defesa do património, ambiente e qualidade de vida.

Vizinhos do Areeiro

Núcleo do Areeiro da associação Vizinhos em Lisboa: Movimento de Vizinhos de causas locais e cidadania activa

Vizinhos do Bairro de São Miguel

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos

TRAVÃO ao Alojamento Local

O Alojamento Local, o Uniplaces e a Gentrificação de Lisboa e Porto estão a destruir as cidades

Não aos Serviços de Valor Acrescentado nas Facturas de Comunicações !

Movimento informal de cidadãos contra os abusos dos SVA em facturas de operadores de comunicações

Vizinhos de Alvalade

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos de Alvalade

anExplica

PEDAÇOS DE SABER

Subscrição Pública

Plataforma independente de participação cívica

Rede Vida

Just another WordPress.com weblog

Vizinhos do Areeiro

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos do Areeiro

MDP: Movimento pela Democratização dos Partidos Políticos

Movimento apartidário e transpartidário de reforma da democracia interna nos partidos políticos portugueses

Operadores Marítimo-Turísticos de Cascais

Actividade dos Operadores Marítimo Turísticos de Cascais

MaisLisboa

Núcleo MaisDemocracia.org na Área Metropolitana de Lisboa

THE UNIVERSAL LANGUAGE UNITES AND CREATES EQUALITY

A new world with universal laws to own and to govern all with a universal language, a common civilsation and e-democratic culture.

looking beyond borders

foreign policy and global economy

%d bloggers like this: