Língua-Hipótese: o Pelásgico-Albanês

Segundo Heródoto, quando na Grécia ainda não havia Helenos, essa região era conhecida como “Pelásguia”. O “pai da História” afirma ainda que seria através deste povo que os gregos aprenderam a trabalhar os metais, a construir fortificações e casas e que onde tinham aprendido os seus mitos e os nomes das suas divindades, as quais assim, seriam realmente de origem pelásguica. O investigador albanês Nermin Vlora Falaschi identifica estes pelasgos com os “Povos de Mar” que surgem violentamente na história da maioria das civilizações do Mediterrâneo num dado período do seu desenvolvimento e que tanta perturbação causaram no Egipto faraónico.

Nora Falaschi defende que numa época pré-histórica a língua pelásguica era falada em toda a bacia mediterrânea, uma afirmação que tem tanto de ousada como de pouco fundamentada uma vez que não encontra nem provas materiais nem testemunhos escritos suficientes em seu favor. Arriscando-se ainda mais, N. Falaschi julga encontrar um sobrevivente moderno do Pelásguico no Albanês, que a teriam recebido directamente dos Ilírios, seus directos antepassados desde os tempos da ocupação romana. Levando ainda mais longe as suas extrapolações acaba por encontrar o Pelasgo na raiz da língua Etrusca, uma afirmação ainda mais arriscada que a anterior e com ainda menos substanciação e que tem como única força uma afirmação de Hellanicos de Mithylène que escreveu que os etruscos provinham de um grupo de pelasgos que, tendo desembarcado no Adriático, haviam subido pelo interior até à Toscânia onde acabariam por se estabelecer e fundar a Etrúria.

Para além de julgar que o pelásguico-albanês se encontra na raiz da língua etrusca, Falaschi defende ainda que a invenção do alfabeto etrusco, que se encontra na base dos alfabetos grego e latino, e indirectamente, do alfabeto moderno. Citemos este investigador: “Plínio, o Antigo explica-nos que as letras do alfabeto tinham sido levadas para a Itália pelos Pelasgos, enquanto que Diodoro da Sícilia, contemporâneo de Júlio César, afirma que os Pelasgos espalharam o seu alfabeto, adoptado de seguida em toda a Europa, com evidentemente as adaptações necessárias. Diodoro defende por sua vez que este alfabeto, conhecido como “pelágico”, tinha sido utilizado por todos os poetas pré-homéricos.” Mais uma vez, contudo, não apresenta provas para reforçar a sua arriscada teoria.

Para coroar a sua teoria, identifica o pelásguico-albanês como a língua das inscrições cónias e apresenta algumas tentativas de tradução que apresentam falhas graves nomeadamente na ausência de reconhecimento da fórmula:

11.jpg

que surge na maioria das estelas cónias e na leitura das estelas como poemas, ignorando o seu manifesto carácter funerário no seu afã de identificar o albanês na raiz das suas palavras.

Semelhante à tese de Falashi é a do investigador soviético N. Marr (1864-1934) que defendeu a existência da “Família Jafética”, uma família que a maioria dos académicos contesta e que reuniria o Karvelianês, o Abkhazo-Adyghianês, o Nakhês, o Daghestanês para além de outras línguas hoje extintas da Ásia Menor, assim como o Pelásgico e do Etrusco. Nos últimos anos da sua vida Marr tentaria ainda estabelecer uma relação genética entre esta hipotética família e o grupo indo-europeu de línguas.

Mas Nora Falashi não fora o primeiro a procurar semelhanças entre as línguas albanesa e a portuguesa. Com efeito, Oscar Nobiling já chamara a atenção para a existência de algumas proximidades entre estas duas línguas europeias, citando nomeadamente o exemplo do albanês paitoy com o português peitar, o albanês turp, português torpe, albanês rotula, português rotula, albanês vietere, português antigo vedro e ainda o albanês pül com o português paúl, para além de outros exemplos. Mas Nobiling não responsabiliza um antigo estrato étnico, comum a Portugal e à Albânia e atribuível aos pelasgos e aos “Povos do Mar” como causador destas semelhanças, que efectivamente ultrapassam a pura coincidência. Este linguista acredita que quando César e Octávio levaram as águias de Roma até à Ilíria, berço do moderno albanês, criaram as bases para essa semelhança. Com efeito, a tenaz resistência das populações da Ilíria obrigou à presença permanente de fortes guarnições militares, que poderiam ter incluído contingentes lusitanos ou tropas que poderiam ter passado pela Península Ibérica, o que explicaria estas proximidades. Por outro lado, o albanês pertence, assim como o português moderno, ao ramo das línguas indo-europeias. E é aqui que surge precisamente a maior objecção a esta tese: o ramo albanês da família Indo-europeia só é conhecido a partir do século XV, nada indicando que uma sua forma primitiva fosse falada aquando das invasões dos Povos do Mar. E ainda mais importante, o albanês é hoje indubitavelmente uma língua indo-europeia, precisamente aquilo que o cónio não parece ser, estando mais próximo da família Afro-asiática, grupo norte-africano do que das línguas indo-europeias.

Categories: A Escrita Cónia, História | 1 Comentário

Navegação de artigos

One thought on “Língua-Hipótese: o Pelásgico-Albanês

  1. Carlos A. B. Castelo

    O determinativo da inscrição do Heroun (Estela)Konii(Conii) significa: SAN OH KONTI ( SAN ONAH KONTI )em português é: Filho um Koniti. San ainda é pronunciado pelos ingleses como filho e na grafia escrevem (Son, em que a letra “a,ai” konii é “o,ayin” fenício. Permitam-me dizer: Que um verdadeiro epigrafista é aquele que tem vocação ou um dom para para as mais variadas inscrições do passado e presente, e que esse dom é um talente que nasce com a pessoa, assim como outras que nascem com talente para a pintura artística ou para tecnologia com um inventor. O epigrafista no sentido da palavra não é simplesmente um curioso dessa matéria, é sim uma pessoa com um espírito analitico, estudioso nas profundesas dessa matéria.Não é uma pessoa que possa falar de uma teoria ou tese sem que não tenha ou faça uma profunda análise de uma inscrição. è por excelencia uma pessoa que estuda e tem que forçosamente conhecimento de todos os simbolos ou caracteres alfabetiformes desde dos simbolos iconográficos pré-históricos desde a Arte Rupestre á proto-história, continuando até á grafia ortográfica actual, em especial das escritas peninsulares ibéricas de suas línguas, dialectos e subdialectos.
    Penso e é meu conselho que pessoas que não têm uma vocação para a epigrafia, em especial curiosos e arqueólogos por mais fervorosos e compotentes que sejam da Arqueologia Portuguesa, poderem evitar de se meterem em especialidades das quais nada percebem, porque só fazem confusão.Caso pensem que tenham descoberto algo de interessante sobre a epigrafia dos Cónios, apresentem dados documentais crediveis que se possem fazer um colóquio ao nivel nacional e internacional e debater-se tais descobertas cientificas sobre o Povo Konii.
    Aqui fica o meu conselho e desafio, minha pessoa não é nem pretendo ser dono da verdade, mas, sim minimizar tantas polémicas e teorias absurdas, em que não favorece ou dê honra e dignidade a um povo que formou o primeiro alfabeto, o qual se espandiu por toda a Ibéria até ao Oriente, em épocas que ainda não existiam fenicios, gregos ou romanos.
    Assina Carlos Castelo – Investigador Arqueológico de Epigrafia.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

Site no WordPress.com.

Eleitores de Portugal (Associação Cívica)

Associação dedicada à divulgação e promoção da participação eleitoral e política dos cidadãos

Vizinhos em Lisboa

A Vizinhos em Lisboa tem em vista a representação e defesa dos interesses dos moradores residentes nas áreas, freguesias, bairros do concelho de Lisboa nas áreas de planeamento, urbanismo, valorização do património edificado, mobilidade, equipamentos, bem-estar, educação, defesa do património, ambiente e qualidade de vida.

Vizinhos do Areeiro

Núcleo do Areeiro da associação Vizinhos em Lisboa: Movimento de Vizinhos de causas locais e cidadania activa

Vizinhos do Bairro de São Miguel

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos

TRAVÃO ao Alojamento Local

O Alojamento Local, o Uniplaces e a Gentrificação de Lisboa e Porto estão a destruir as cidades

Não aos Serviços de Valor Acrescentado nas Facturas de Comunicações !

Movimento informal de cidadãos contra os abusos dos SVA em facturas de operadores de comunicações

Vizinhos de Alvalade

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos de Alvalade

anExplica

PEDAÇOS DE SABER

Subscrição Pública

Plataforma independente de participação cívica

Rede Vida

Just another WordPress.com weblog

Vizinhos do Areeiro

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos do Areeiro

MDP: Movimento pela Democratização dos Partidos Políticos

Movimento apartidário e transpartidário de reforma da democracia interna nos partidos políticos portugueses

Operadores Marítimo-Turísticos de Cascais

Actividade dos Operadores Marítimo Turísticos de Cascais

MaisLisboa

Núcleo MaisDemocracia.org na Área Metropolitana de Lisboa

THE UNIVERSAL LANGUAGE UNITES AND CREATES EQUALITY

A new world with universal laws to own and to govern all with a universal language, a common civilsation and e-democratic culture.

looking beyond borders

foreign policy and global economy

<span>%d</span> bloggers like this: