A Escrita Fenícia

Os primeiros textos em escrita fenícia conhecidos datam do primeiro milénio a.C. Já nessa altura se utilizavam vinte e dois símbolos consonantais, embora se discuta se se tratava de um verdadeiro alfabeto ou se, pelo contrário, se tratava de um silabário em que a presença da vogal era assumida junto de cada consoante, algo que justificaria a total ausência de representação de vogais puras neste sistema de escrita.

Outras Escritas Derivadas do Fenício

Como concluímos mais atrás, a Escrita Cónia resultou de um processo de adaptação a partir do alfabeto fenício. É assim importante estudar também as outras escritas que conheceram processos idênticos. Falamos das escritas do chamado Ramo Colonial Fenício. Este agrupa três variedades:

A Escrita Cipro-Fenícia

Utilizada na Ilha de Chipre entre os séculos X a os II a.C. Trata-se de uma escrita linear, com um total de 45 símbolos geométricos. Todos os signos têm valores fonéticos de sílabas abertas (como ka, ne e ru) ou de vogais. Permanece intraduzida, embora David Diringer suponha que a população era de raça arménia e que podia ter algumas afinidades com a dos hititas.

Categories: A Escrita Cónia, História | 18 comentários

Navegação de artigos

18 thoughts on “A Escrita Fenícia

  1. QUERO CONHECER E APRENDER E INDENTIFICAR A ESCRITA DOS FENICIOS ANTIGO.COMO DEVO FAZER PARA ADIQUIRIE O MANUAL. OBRIGADO.

    • giovana

      procure na Wikipédia, pois lá tem uma tabela com os sinais e seus sons. Lá também tem os significados em português!!!

  2. texto excelente mas infelizmente nao era o que eu procurava

  3. Rafaella M C

    Texto ótimo !! Esclarece muita coisa ! Parabéns !! Mas vou dar-lis uma dica :procure esclarecer diferente; com imagens ,mais explicações ,mais palavras ,ou seja, texto maior !! Enfim… Mas está muito bom !! Minha dúvidas foram todas retiradas com facilidade !! Boa Sorte da próxima vez !!

    • Se isto fosse um site exclusivamente dedicado a escritas antigas seguiria o conselho… mas este é um blogue generalista, sem espaço (nem tempo!) Para essa especializacao…

  4. Parece haver aqui um engano, ou serei só eu. Nas línguas semitas existem apenas vogais, quando associadas a consoantes. fechadas e curtas, que num alfabeto de consonantes não têm qualquer diferença. A escrita do sudoeste mostra uma língua de vogais longas e abertas, assim como o grego clássico. A maioria das vogais contudo advém de símbolos fenísios para vogais isoladas o A de alef por exemplo, mas os fenícios não desenvolveram os ás de cabat (isto é em relação com outras cosoantes) Veja-se Kocher em hebraico é escrito com 3 letras, na verdade dependendo dos dialectos poder-se-ia ler, e leu-se, kacher, kachar, kuchir, etc.
    Mais interessante é perceber que o alfabeto advem da escrita cuneiforme ou da escrita dos hieróglifo simplificados dos egípcios. Os egípcios tinham desenvolvido uma escrita secreta alfabética mantendo hieróglifos, os quais na sua variante simplificada deram origem ao alfabeto semita, de reparar contudo a língua copta era uma língua com vogais fortes e longas e na escrita sagrada dos egípcios existiam vogais associadas a consoantes, o que a língua semita ignorou e foram recuperadas pelos gregos e pelo povo do sudoeste. Os silabários são contudo formas muito inteligentes de escrita, e são um desenvolvimento posterior. Há muito que no Japão se tenta impor um único silabário refutando a escrita dos carateres chineses, mas tal tem sido constantemente refutado, porque tal como os leitores de alfabetos, a mente humana habituada a ler, não lê letras, mas conjuntos de caracteres.

    • A sinaitica é a tal escrita de transicao entre o hieroglifico e a escrita fenicia. A matriz primaria da escrita conia, portanto, op que nos coloca como uma escrita da familia das escritas egipcias, o que nao deixa de ser muito curioso…

  5. Eu também sou um mero interessado, eu algures no tempo senti a urgência de construir um sitio informativo sobre a escrita do sudoeste, devido ao desconhecimento sobre o assunto. Contudo apesar dos avanços científicos desde então o pensamento especulativo invadiu-nos. O que é pena. Peço apenas que descrição entre o desejo e a realidade, os factos ou artefactos, mantenha a serenidade do argumento!

    • É verdade: já andei por la a ler a compilacao de estelas. ..:)
      O tema atrai debates apaixonados e a indeferenca quase total da academia… que receia esses debates e a temível “perda de face” que pode comprometer uma carreira, razão que julgo eu explica esse desinteresse…

  6. Luís Teixeira Neves

    Estou a reler o Augusto Ferreira do Amaral. Ele defende que a escrita do sudoeste descende do proto-cananita, mas não do fenício (também descendente do anterior) e argumenta com as inovações deste ausentes no primeiro, a fixação da orientação da escrita, e com arcaísmos do primeiro já ausentes no último, a persistência de signos silábicos. Daqui decorre que a escrita do sudoeste viajou para ocidente (ele diz que conjuntamente com a língua) antes do fenício. Onde ele identifica escritas mais próximas à do sudoeste é, claro, na área dos estados neo-hititas de fala luwita, mas também, caso para pensar, no reino moabita (além Jordão).

  7. cida

    gostei do texto so que eu queria umas imagens para fazer o trabalho escolar

  8. bom dia. um simbolo veio pra mim num sonho tudo vem a crer que e fenício mas nao encontrei nada no alfabeto .existe outro alfabeto parecido ……. maciliomarte@hotmail . com

  9. daniel

    por favor
    notei q o senhor so colocou uma das tres variedades do ramo colonial fenicio
    por que isso?

  10. Lucas Leite Brandão

    Bom dia! Como escreve Perfeito Eterno Aprendiz em fenício? Como fica? Gostaria muito de saber muito obrigado!

  11. ad3waaaaaf

    oaiisdydvagrewiujk\whggdsaiokl

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

Create a free website or blog at WordPress.com.

Eleitores de Portugal (Associação Cívica)

Associação dedicada à divulgação e promoção da participação eleitoral e política dos cidadãos

Vizinhos em Lisboa

A Vizinhos em Lisboa tem em vista a representação e defesa dos interesses dos moradores residentes nas áreas, freguesias, bairros do concelho de Lisboa nas áreas de planeamento, urbanismo, valorização do património edificado, mobilidade, equipamentos, bem-estar, educação, defesa do património, ambiente e qualidade de vida.

Vizinhos do Areeiro

Núcleo do Areeiro da associação Vizinhos em Lisboa: Movimento de Vizinhos de causas locais e cidadania activa

Vizinhos do Bairro de São Miguel

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos

TRAVÃO ao Alojamento Local

O Alojamento Local, o Uniplaces e a Gentrificação de Lisboa e Porto estão a destruir as cidades

Não aos Serviços de Valor Acrescentado nas Facturas de Comunicações !

Movimento informal de cidadãos contra os abusos dos SVA em facturas de operadores de comunicações

Vizinhos de Alvalade

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos de Alvalade

anExplica

aprender e aprendendo

Subscrição Pública

Plataforma independente de participação cívica

Rede Vida

Just another WordPress.com weblog

Vizinhos do Areeiro

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos do Areeiro

MDP: Movimento pela Democratização dos Partidos Políticos

Movimento apartidário e transpartidário de reforma da democracia interna nos partidos políticos portugueses

Operadores Marítimo-Turísticos de Cascais

Actividade dos Operadores Marítimo Turísticos de Cascais

MaisLisboa

Núcleo MaisDemocracia.org na Área Metropolitana de Lisboa

THE UNIVERSAL LANGUAGE UNITES AND CREATES EQUALITY

A new world with universal laws to own and to govern all with a universal language, a common civilsation and e-democratic culture.

looking beyond borders

foreign policy and global economy

O Futuro é a Liberdade

Discussões sobre Software Livre e Sociedade

%d bloggers like this: