O Brasil reactiva o programa FX-2: Rafale C, Typhoon, Gripen N, Sukhoi Su-35, F-16C Block 60, F-18E/F ou F-35 Lightning II?

(O Dassault Rafale… O futuro caça da Força Aérea Brasileira?)

Finalmente, e depois de muitas hesitações e de algumas decisões dilatórias – como a compra de F-5 usados à Arábia Saudita e de Mirage 2000C à França – o governo brasileiro decidiu recolocar em andamento o Projecto de reequimento da FAB e Lula autorizou a aquisição de 36 caças, num investimento total que não deverá exceder os 2,2 biliões de dólares.

Dado a verdadeira “corrida armamentista” que decorre na América do Sul, com um programa ambicioso de modernização em curso na Venezuela (Sukhoi Su-30MKV ) e no Chile (F-16 Block 50), a força aérea brasileira, utilizando agora os Mirage 2000 usados como ponta-de-lança, arriscava-se a ser relegada para a terceira posição como maior força aérea do subcontinente, o que seria manifestamente incompatível com o estatuto económico, demográfico e territorial do país-irmão…

O projecto inicial, designado à época de FX-1, arrancara em Julho de 2000, sob iniciativa do então presidente Fernando Henrique Cardoso e pretendia cumprir um investimento de apenas 700 milhões de dólares, o que bastaria para adquirir entre 12 a 24 novos aparelhos para substituir os idosos Mirage IIIBR, entretando abatidos ao inventário e substituídos por 12 Mirage 2000C (ver AQUI). Este projecto FX-1 seria congelado no primeiro governo Lula, para ser novamente reaberto, e actualizado para FX-2 apenas agora, mas para o valor substancialmente mais alto e apenas possível perante a escala da modernização em curso na Venezuela de 2,2 biliões de dólares…


(Video da cerimónio de “despedida” aos Mirage IIIBR na FAB)

Ao FX-2, apresentam-se agora o Rafale C (no FX-1 surgia uma variante do Mirage 2000, o Mirage 2000BR), o franco-alemão Eurofighter Typhoon, o Saab Gripen N, o Sukhoi Su-35, e ainda os F-16C Block 60, o F-18E/F e até o… F-35 Lightning II! Entre estes, os favoritos parecem ser o Rafale francês (a nossa escolha pessoal) e o Sukhoi-35… A favor do primeiro joga o seu preço, características e o facto de haver muita pressão do governo francês para realizar a primeira exportação do aparelho, assim como a tradição de uso de caças franceses no Brasil (Mirage IIIBR e 2000) e até o facto do Mirage 2000BR ter sido praticamente declarado o vencedor do FX-1… A favor do aparelho russo estão as suas espantosas características, o raio de alcance mas… contra estão os clássicos problemas de peças e manutenção dos aparelhos russos… E as pressões americanas… Aqui, no FX-2, assim como no que concerne ao concurso dos helicópteros, o vencedor deverá oferecer uma acentuada componente industrial local e de transferência de tecnologia… O que torna a dar vantagem ao Rafale, com a sua ligação à Embraer…

A primeira tranche deverá incluir a entrega de entre 24 a 36 aparelhos, mas a escala total do programa poderá chegar à centena de aparelhos, naquilo que seria o projecto de modernização mais amplo e ambicioso de toda a América a sul dos EUA…

Fonte: Globo

Qual deverá ser a selecção do Programa FX-2?
1) Rafale C
2) Typhoon
3) Gripen N
4) F-16C Block 60
5) F-18E/F
6) F-35 Lightning II
7) Sukhoi Su-35

View Results

Categories: Brasil, DefenseNewsPt | 257 comentários

Navegação de artigos

257 thoughts on “O Brasil reactiva o programa FX-2: Rafale C, Typhoon, Gripen N, Sukhoi Su-35, F-16C Block 60, F-18E/F ou F-35 Lightning II?

  1. Golani

    Rafale C

    A geoestratégia e o problema da aquisição de aeronaves

    No entanto desde o finado programa FX, ocorreu uma alteração enorme em termos geoestratégicos, que levanta neste momento problemas, onde anteriormente eles não existiam.

    Quando a FAB demonstrou interesse pela aquisição de aeronaves da família Su-27, nenhum país do continente americano dispunha daquele tipo de aparelho ao serviço, o que daria à FAB, pelo menos em principio, alguma vantagem na negociação com os russos, dado se tratar de um cliente importante.

    No entanto, desde o programa FX, outro país se assumiu como o principal cliente das armas russas na América do Sul, nomeadamente na compra de aeronaves Su-27. Esse país é a Venezuela de Hugo Chaves.

    Ora acontece que segundo a mesma imprensa brasileira e também segundo afirmações públicas de sectores destacados na cena política em Brasília, a aquisição de aeronaves para a FAB, é não apenas uma necessidade decorrente da obsolescência dos meios como também é uma necessidade estratégica, que visa reconduzir o Brasil ao lugar natural de principal (e indisputada) potência sul americana.

    O Brasil naturalmente não espera envolver-se em nenhuma disputa militar com a Venezuela. O que pretende, isso sim, é transmitir uma mensagem de segurança para os restantes países vizinhos. Essa mensagem é a de que pode ser considerado sempre como país de referência, que tem o tamanho e os meios para afirmar a sua política. Esta afirmação tenderá a reduzir o papel de Hugo Chavez no continente, encostando-o a um canto pouco expressivo, restringido à sua retórica pouco convencional.

    O problema para a FAB e para as autoridades de Brasília, é que se o Brasil adquirir equipamentos sensíveis do tipo do Su-27 (nomeadamente na sua versão Su-35) estará dependente do mesmo fornecedor que a Venezuela, dando assim à Rússia (em caso de conflito, por muito improvável que ele seja) um poder de decisão no continente, que até agora apenas os Estados Unidos tinham.

    Como o Brasil pela sua dimensão tem os seus planos quanto ao fabrico próprio de equipamentos militares, o país não será provavelmente cliente da Rússia para a aquisição de submarinos, fuzis, armamento ligeiro, radares, aeronaves de transporte ou carros de combate.

    Ora como a Venezuela não fabrica esse tipo de equipamentos, inevitavelmente o país de Chavez tenderá a ser um cliente muito mais importante que o Brasil, o que permite concluir que se a Rússia numa situação de conflito tivesse necessidade de optar por um ou outro lado, o normal é que optasse por apoiar em primeiro lugar o seu mais importante cliente. Acresce também que a Venezuela é um país que potencialmente alinhará com Moscovo contra Washington se for necessário.

    Esta situação leva a que, perante a necessidade de ficar na dependência de Washington ou na dependência de Moscovo, quando Moscovo tem um potencial aliado mais importante do ponto de vista das vendas militares, o Brasil tenderá a procurar uma terceira alternativa.

    Esta alternativa levaria a que o Brasil considerasse aeronaves como o Rafale, e mesmo o Typhoon ou o Grippen, com vantagem para o primeiro pelo referido acima.

    http://www.areamilitar.net/noticias/noticias.aspx?nrnot=462

  2. Em termos puramente aeronáuticos, e ligando estes ao factor preço, a opção Su.35 poderá ser a melhor… Mas tudo depende da incorporação de tecnologia nacional e a questão venezuelana aqui colocada poderá ser determinante…
    Os aviões dos EUA, também não são boa opção… Ambos estão em fim de vida e o F.35 pertence a “outro campeonato”, assim como o Typhoon…
    A opção sueca peca pelo raio de alcance.
    Resta o… Rafale.

  3. Nito

    Para juntar lenha na nossa fogueira de afterburners…

    http://edition.cnn.com/2007/US/11/05/f15.grounding/index.html

  4. Bem… Pelo menos o F-15 não consta desta extensa lista de propostas…
    E sim… A idade começa a pesar nestes pássaros, assim como na generalidade da USAF, aliás…

  5. sa morais

    Certas caracteristicas valem o que valem, dependendo muito de outras. Lembram-se como os Harrier (lentos) derrubaram os rápidos Dagger argentinos?

    Bem, em primeiro lugar julgo que não se deve descartar o Super Hornet. è um excelente aparelho ao qual foram subtraídos os defeitos das primeiras versões. Uma capacidade bélica de quase 8000 kg são um belo argumento, bem como a folha de serviço.

    O raio de acção do EF é inferior ao do Gripen.

    sukhoi – 1500km
    gripen – 800km
    EF -55okm
    Rafale – 1850km
    S-35 -1500km
    F-18 -278km ( já com os tanques?!)

    (Internal fuel capacity)*

    Os dados de alguns aviões variam de publicação para publicação. Nem meti o Raptor…

    O “problema” do raio de acção do Gripen poderá ser resolvido com o JAS 39E/F. Mas mesmo agora, o Gripen poderá conseguir 3250Km de raio de acção em hi-lo-hi. Mas todos podem voar mais com os depósitozinhos… O S-35 anuncia 4000Km.

    O “bombload” do Rafale é inferior ao do Gripen, do EF e do S-35.

  6. Na Guerra das Malvinas, venceram os pilotos mais bem treinados e com melhor apoio logístico… E com as melhores tácticas, diga-se, apesar de todo o imenso valor e empenho demonstrado pela Argentina, no ar e no solo… Menos (nada?) no Mar…
    A lista mostra bem o excelente aparelho que é o Su-35… A minha segunda escolha, sem dúvida, especialmente para um país de dimensão continental como o Brasil…
    O S-35 ainda não passa de um projecto, logo, não está em equação…
    O Gripen… Com depósitos externos, sacrificando manobrabilidade e pods de armamento… Nope. Não seria adeaquado… Talvez o fosse para o menor Portugal, mas para o Brasil?
    E se comparares o “bombload”, repara como excluí os outros 3, sobrando apenas o… Rafale.
    Sem dúvida a minha opção.

  7. E aliás essa parece também ser a opinião da maioria dos votantes na sondagem…

  8. sa morais

    “Na Guerra das Malvinas, venceram os pilotos mais bem treinados e com melhor apoio logístico… E com as melhores tácticas, diga-se, apesar de todo o imenso valor e empenho demonstrado pela Argentina, no ar e no solo… Menos (nada?) no Mar…”

    Concordo, mas acrescento que também venceram os melhores sistemas de armas.

    È essa questão que me faz colocar de lado o S-35.

    Não escolher o Rafale é mais uma questão pessoal, mas não é nenhum avião excepcional…

    No fim, o que vai contar são factor politicos e económicos e pouco mais…

    Em relação ao “bombload” acho que nenhum supera o Super Hornet – 8000kg. Acho que o Rafale ( 6000kg) é o pior classificado, a par do S-35…
    gripen e EF – 6500kg

    Uma grande vantagem do Gripen – pode utilizar pistas mal preparadas ou estradas de apenas 800(!) metros.

  9. Mas os avioes americanos nao viriam com mísseis BVR.

    só por isto , pra mim , já estariam fora da disputa.

    SU-35 é longe o melhor aviao , mas devido as questoes logisticas (técnicas e políticas ) , está fora.

    Ef é outro patamar , inclusive usa armamento americano …
    inacessível

    Rafale já pode usar treino/estrutura logística presente para os Mirage2000.

    deve ser o vencedor.

  10. Ao que sei os militares brasileiros estão muito inclinados para o lado do Rafale… Antes da compra venezuelana, parecia haver também uma corrente muito forte – especialmente devido às contrapartidas e às suas notáveis características – a favor do Sukhoi… Mas agora… O Rafale parece levar uma clara vantagem.

  11. akivrx

    Na atualidade o S-35 e o melhor sem duvida mas e um projeto velho que daqui
    uns 15 anos sera um lixo mesmo que faca novos upgrades…..Se o Brasil for fabricar o PAK FA (Sukhoi Su-50) no futuro ai vale o investimento sem duvida nenhuma / mas USA nao vao gostar nada disso este e o grande problema ! a Venezuela vai comprar em 2009 +25 a 50 S-35 pelo que parece se o Brasil fechar com os russos com certeza ira exportar para Venezuela portanto nao seria dinheiro jogado fora………
    O Rafale e um projeto novo que pode evoluir muito ainda nao teria problemas com USA e daria para usar no minio 25 anos o Brasil quer comprar 36 cacas e pretende fabricar +30 no minimo em 2015 vai ter de comprar +100 cacas para trocar os F-5/67 e os AMX/53 que estao sendo modernizadosfora os AT-27/107 AT-29/99 AT-26/27 so isto sao 200 avioes de Treinamento / ataque que vao ter de ser trocados…………….

  12. akivrx

    O S-35 e o melhor opcao na atualidade mas daqui uns 15 anos vai estar defazado a nao ser que o Brasil entre com a Rusia e a India junto com o projeto PAK FA (Sukhoi Su-50) este seria o melhor investimento da istoria para o Brasil mas USA nao iria gostar nada…………………………..
    a Venezuela pretende em 2009 comprar +25/50 S-35 seria um grande investimento para o Brasil tambem exportar para Venezuela…………….
    o Rafale e a unica opcao que nao teria problemas com USA como e um projeto novo daria para utilizar +uns 25 anos……………….
    O Brasil a partir de 2015 vai comecar a trocar toda a sua frota de cacas F-5 /67 AMX /53 AT-26 /27 A-27 / AT-27 105…………….
    No meu modo de ver com os Russos pensando no PAK FA (Sukhoi Su-50) tem os riscos mais o retorno e muito grande para o Brasil
    E o Rafale e seguro mas nao vai contrbuir muito para o futuro esta e minha opiniao……………

  13. Golani

    o PAK FA Sukhoi Su-50 é para estar pronto quando ? daqui a uns 10 anos ?

    o Brasil precisa de aviões novos no curto/médio prazo

  14. Sem dúvida. Hic. E por isso mesmo não aparece aqui na lista…
    Poderá é ser do interesse estratégico do Brasil participar (junto da Índia p.ex.) no desenvolvimento desse aparelho, antevendo a sua necessidade futura e o mercado sulamericano… Mas para o FX-2, não. Hic. Concordo em absoluto. Hic.

  15. akivrx

    Mesmo qualquer um que venca o FX-2 estas aeronaves vao comecar a ser entreges a pelo mais rapido que seja a partir do final de 2009 com certeza vai ser lotes de 4a 6 aeronaves a cada 6 meses a ser entrege o lote final vai ser recebido entre 2012 a 2014 ate ser entrege o ultimo lote, ja vai estar operando varios outros avioes de configuracoes diferentes…….
    A Russia nao vai mais investir no S-35 pois ja estao de cabeca no PAK FA (Sukhoi Su-50) tanto que mesmo o Su-47 (S-37) Berkut mesmo sendo melhor que o S-35 o projeto foi abandonado entao para o Brasil investir no S-35 so valeria a pena se pensar no PAK FA (Sukhoi Su-50) para o futuro……
    O Brasil tem planos de alem de 36 adquirir+100 aeronves que com certeza nao poderao ser S-35 pois ja estarao utrapasados para realidade………
    Em curto prazo 10a15 anos nenhum desses aparelhos vao ser capazes comtra aeronaves stealth F-22 F-35 ou PAK FA (Sukhoi Su-50) falao que F-35 perde para um S-35 mas o F-35 forao projetados para voar a partir de 2010+40 anos no minimo!!!! Daqui 15a20 anos nao voarao mais nenhum S-35….
    Se for S-35 que o Brasil adquirir so vale a pena pensando no PAK FA (Sukhoi Su-50) para o futuro!!! comprar o melhor agora nao quer dizer que daqui 5a10anos ainda vao ser os melhores………..
    Se o Brasil nao tem pensamento no PAK FA (Sukhoi Su-50) deve adquirir o RAFALE pois e o unico que pode ser entrege rapido alem de nao ser dinheiro jogado fora…………….
    Mas o que vai decidir mesmo vai ser em Fevereiro quando o ministro de defesa for fazer viagens para America Latina oque o seus vizinhos quizerem comprar para o Futuro que o Brasil pretende exportar que vai decidir o aviao, se a maioria quizer S-35 o Brasil vai comprar se for o Rafale VS,Rss
    Se niguem na America Latina quizer nenhum dos dois vai ser F-16 de segunda mao que o Brasil vai comprar com certeza……..Rsssss

  16. Bem, a opção Rafale já me conquistou e também à maioria dos votantes nesta sondagem… Penso que será o seleccionado, especialmente se a FAB tiver voto na matéria 😉
    Se tiver a indústria… e as perspectivas de exportação… O Su-35? Mas este será capaz de ser tão multifunções como o Rafale? Não é sobretudo um interceptor?
    E espero que apostem em nenhum avião em fim de linha, tipo F-16 ou F-18

  17. marcelo

    Rafale não será entregue rapidamente, é só ver o ritmo de recebimento para armée de l”air, e apenas tenta se igualar, com preço muito maior, ao desempenho do Flanker , além de ser um beco sem saída, pois a França nem tem projeto de caça de 5ª geração. Se for escolhido será por elocubrações políticas do governo e propina. O Flanker é o incomparável caça de 4ª geração +++, além de apontar para o PAK-FA (5ª), mas tem custo político impagável, além do custo operacional. O F-35 é um legítimo 5ª geração e sua característica Stealth lhe garante sucesso contra os caças de Chavez, além de já ser um retumbante sucesso de vendas mundial, o que tende amenizar o preço.

  18. O Rafale está a recolher a grande maioria dos votos na sondagem supra… Logo seguido do Su-35. O Rafale pode “ser um projecto” sem saída, mas será um aparelho competitivo e “upgradáve” durante umas boas décadas… E duvido que o Su-35 e o PAK-FA sejam assim tão semelhantes, isto é, o que impediria o Brasil de adoptar o Rafale (incluindo a montagem de unidades locais) e aderir ao desenvolvimento do PAK-FA juntamente com a Índia e a Rússia?

  19. SILVEIRA

    O MELHOR ERA ENCARAR O PROGETO PAK FA MAIS OS AMERICANOS…, RESTA UM TAMPÃO RAFAFE DE 4 GERAÇÃO, OQUE FAZER?
    .

  20. Silveira: Seria melhor, e com mais futuro. Mas do PAk ainda não temos sequer um protótipo funcional! O Brasil pode esperar desarmado tanto tempo? E o rafele não é completamente 4ª geração… Merece bem a classificação de 4,5 ou 4++ Geração…

  21. marcelo

    simples motivo que dificultaria, não impediria, a aquisição dos Flankers e que eu esperava estar mais nítido na mente dos amigos portugueses, afinal vocês que asinaram o tratado de windsor (!), é que o Brasil não está incrustado na Ásia como russia,china e india, está no Atlãntico como Portugal, EUA e Inglaterra.

  22. Gregory

    O Brasil deveria mesmo é fechar com os Russos, pois, apesar da Venezuela ter comprado caças su-27 da Russia, não possui capacidade industrial para sediar uma fabrica desses equipamentos…Os Russos oferecem parcerias para o desenvolvimento de sua quinta geração aqui no Brasil. E outra, o Rafale ainda nem tem projeto semelhante, ficando obsoleto e sem nenhum projeto em vista.Vale ressaltar que o Brasil deve sim buscar outras parcerias e se preocupar menos com os USA, pois, eles não transferem tecnologias e ainda por cima controlam a distribuição de seus equipamentos utilizados em outros projetos industriais(EMBRAER)…Rafale para o Brasil será um fiasco…um beco sem saida e sem projetos futuros de transferencia tecnologica

  23. Thomas

    Aos Brasileiros que postam comentarios nesse site, devemos tomar cuidado sobre o posicionamento de alguns internautas sobre o projeto fx-2 do Brasil, haja vista quem apóia o Rafale, em sua maioria, são os Portugueses, que possuem outra realidade territorial e politica….e por falar em politica eles fazem parte da União Europeia que tambem agrega a França, fabricante dos caças Rafale…Vejam bem a Russia quer fechar parcerias com o Brasil na área tecnológica de armamentos e aeroespacial, vale ressaltar que a base de alcantara ja trabalha em intercambio entre Russos e Brasileiros no desenvolvimento de nossa tecnologia Aeroespacial desde a ultima explosão do nosso VLS sem nenhuma explicação plausivel…ja contamos com outras formas de combustivel espacial com a ajuda de Russia e Ucrania….devemos seguir buscando agregar novas tecnologias…

  24. Thomas

    AVIBRAS INDÚSTRIA AEROESPACIAL S/A é uma empresa privada genuinamente nacional, de capital fechado 100% Brasileiro, com sucesso em apresentar soluções inovadoras e ricas em tecnologia para atender nossos clientes. Essas soluções têm apresentado qualidade e tecnologia para competir com sucesso no mercado global, como tem ocorrido já por 41 anos. A empresa atua nos mercados Aeroespacial, de Defesa, Químico, de Transporte e diversos outros setores. A AVIBRAS tem acumulado um histórico notável, conquistando a satisfação de inúmeros clientes dentre as nações e corporações mais exigentes do mundo, clientes de alto nível, acostumados a adquirir somente o melhor que o mundo pode oferecer em cada setor, e sendo em vários anos a maior exportadora de equipamentos de defesa da América Latina.

    A empresa teve suas origens projetando e fabricando aeronaves para o Ministério da Aeronáutica e projetou e fabricou o primeiro avião em São José dos Campos, o Falcão, avião de treinamento e ligação. A AVIBRAS também foi pioneira na pesquisa espacial brasileira desenvolvendo e produzindo os primeiros foguetes de sondagem da família Sonda, Sonda I e Sonda II, cujos lançamentos inauguraram a Base da Barreira do Inferno (Natal – RN) e o Programa Espacial Brasileiro.

    Na área de defesa a AVIBRAS tem uma larga tradição no desenvolvimento e produção de sistemas de armamentos inovadores e eficazes. A empresa oferece sistemas para defesa anti-aérea, sistemas de armamento ar-terra, sistemas de foguetes terra-terra e um crescente número de mísseis avançados para várias finalidades. Seus pacotes de sistemas de defesa e com total suporte logístico integrado têm renome internacional. A AVIBRAS tem mais de trinta anos de experiência em desenvolvimento, fabricação e integração de eletrônica embarcada, complexos softwares de combate, e sistemas de armamentos ar-terra, como por exemplo:

    – SKYFIRE 70 – O “estado da arte” em sistema ar-terra de foguetes 70 mm (2.75″) com lançadores e caixas de controle de fogo para praticamente qualquer tipo de aeronave.

    -Extensa linha de cabeças-de-guerra para a família de foguetes SKYFIRE 70 e a crescente linha de mísseis AVIBRAS.

    -Sistemas de armamentos completos para helicópteros.

    -Casulos de metralhadoras para aviões e helicópteros.

    -Bombas de emprego geral e aplicações especiais.

    -Míssil stand-off AV-SOM 05, míssil de auto-guiado de alcance superior a 50 km, para aplicações anti-navio, anti-carro e antifortificação.

    -Míssil FOG-MPM (FIBER OPTIC GUIDED MULTI PURPOSE MISSILE) – família de mísseis guiados por fibra óptica usada para aplicações anti-fortificação, anti-carro e anti-helicóptero, e com capacidade de alcance de 12 km até 60 km. O FOG-MPM é imune a contra-medidas eletrônicas.

    A AVIBRAS é uma empresa comprometida em ser a escolha confiável e eficaz para seus parceiros. A empresa tem sempre sido considerada, por seus clientes, uma participante valiosa na constante e cada vez mais complexa tarefa de alcançar e manter a excelência tecnológica.

    A parceria Rosoboronexport-AVIBRAS para o programa F-X da FAB

    As vantagens da parceria Rosoboronexport-AVIBRAS estão, formalmente, asseguradas em sua proposta para o F-X, o que garante o seu cumprimento.

    A parceria Rosoboronexport-AVIBRAS tem um offset superior a 700 milhões de dólares, assegurando transferência de tecnologia de ponta, desenvolvimento tecnológico e qualificação de profissionais brasileiros na área aeroespacial, com conseqüente geração de empregos de altíssimo nível, tudo isso no Brasil e em São José dos Campos.

    A AVIBRAS será a única empresa a criar no Brasil as condições para reparo das aeronaves. Todos os demais concorrentes precisarão enviar componentes críticos para reparo no exterior. Será instalado na AVIBRAS, junto ao aeroporto em São José dos Campos, sem ônus para a Força Aérea Brasileira, um Centro Técnico de Serviços – CTS. Este centro fará modernização, modificação, manutenção e reparo dos aviões, e de seus equipamentos, como motores, aviônicos, armamentos e softwares da aeronave. Serão investidos 220 milhões de dólares e criados, de imediato, mais de 1000 empregos diretos e indiretos. No desenrolar do programa, estes empregos irão aumentar e na fase futura, se ocorrer a co-produção da aeronave, serão criados mais de 2000 empregos.

    A parceria Rosoboronexport-AVIBRAS tem também a vantagem econômica e única de oferecer, dentro do limite orçamentário da FAB, além dos aviões com seu apoio logístico, os armamentos de última geração e a transferência do software do avião.

    A credibilidade da empresa russa Sukhoi, projetista dos aviões SU-35, foi reforçada pelo próprio presidente dos EUA, George Bush que, em Moscou no dia 24/05/2002, anunciou uma associação entre a Sukhoi e a Boeing (maior empresa aeronáutica do mundo) para a co-produção de jatos de médio porte.

    Na proposta entregue está garantida a criação efetiva de novos postos de trabalho e formação de pessoal altamente qualificado, gerando futuras oportunidades de exportação para o Brasil.

    A parceria com a Rússia tem todas as coberturas e garantias governamentais necessárias, através de acordos internacionais firmados entre os dois países. Vale ressaltar que toda a tecnologia ofertada e os armamentos propostos, já dispõem das licenças de exportação para o Brasil. Esta oportunidade de negócios com a Rússia é única, e significará acesso às tecnologias de ponta.

  25. Haverá sim a compra de 36 (???) aviões de superioridade aérea. Quais… não sei! De quem… pouco interessa. E na verdade pouco interessa… meeeesmo! O que concluo é que será a última compra compra do gênero. Os americanos fazem, os russos fazem, os franceses… e tenho ouvido que nós também estamos fazendo… Se não for sonho (e da para acreditar que não é), em breve teremos algo muito superior voando nestes céus… e do mundo.
    Saudações

  26. Gregory:
    ” O Brasil deveria mesmo é fechar com os Russos, pois, apesar da Venezuela ter comprado caças su-27 da Russia, não possui capacidade industrial para sediar uma fabrica desses equipamentos…Os Russos oferecem parcerias para o desenvolvimento de sua quinta geração aqui no Brasil. E outra, o Rafale ainda nem tem projeto semelhante, ficando obsoleto e sem nenhum projeto em vista.”
    -> Mas o Rafale pode ser usado para realizar a devida transferência de tecnologia para que o Brasil, depois, possa entrar como parceiro num projecto próprio (a que alude o Carlos) de um avião de 5ª geração, talvez o PAK FA onde a Índia – sabiamente – já entrou… E o que farão os franceses a seguir ao Rafale? Com a base industrial aeronáutica brasileira, não é impensável acreditar num projecto que una franceses e brasileiros (e Portugal, com as OGMA) na criação de um avião de 5ª geração… Como o excelente (à sua medida) AMX que em tempos uniu a Itália e o Brasil.

    “Vale ressaltar que o Brasil deve sim buscar outras parcerias e se preocupar menos com os USA, pois, eles não transferem tecnologias e ainda por cima controlam a distribuição de seus equipamentos utilizados em outros projetos industriais(EMBRAER)…”
    -> Sim… Ainda há pouco falei aqui do caso dos F-18 australianos de quem os EUA não tinham cedido os códigos e que os aussies tinham acabado por crackar…

    “Rafale para o Brasil será um fiasco…um beco sem saida e sem projetos futuros de transferencia tecnologica”
    -> Nope. Não é a minha posição… É um excelente avião e económico e a “transferência tecnológica” pode ser combinada… Especialmente porque os franceses estão tão desesperados para vender os primeiros Rafale no exterior, e logo, estão vulneráveis em qq processo negocial!

    Thomas:
    ” Aos Brasileiros que postam comentarios nesse site, devemos tomar cuidado sobre o posicionamento de alguns internautas sobre o projeto fx-2 do Brasil, haja vista quem apóia o Rafale, em sua maioria, são os Portugueses,”
    -> Não sei… Eu apoio o Rafale e sou português. E em Portugal não temos grande tradição de uso de caças franceses (existe uma tradição de uso de caças americanos quase desde os primeiros aparelhos a reacção na FAP)

    “que possuem outra realidade territorial e politica….e por falar em politica eles fazem parte da União Europeia que tambem agrega a França, fabricante dos caças Rafale…Vejam bem a Russia quer fechar parcerias com o Brasil na área tecnológica de armamentos e aeroespacial, vale ressaltar que a base de alcantara ja trabalha em intercambio entre Russos e Brasileiros no desenvolvimento de nossa tecnologia Aeroespacial desde a ultima explosão do nosso VLS sem nenhuma explicação plausivel…”
    -> Também tenho um artigo sobre essa questão em:
    http://movv.org/2007/05/22/sobre-o-acidente-com-o-lancamento-do-foguetao-brasileiro-vls-e-das-causas-do-dito/

    “ja contamos com outras formas de combustivel espacial com a ajuda de Russia e Ucrania….devemos seguir buscando agregar novas tecnologias…”
    -> De acordo… O know-how russo em tecnologia espacial e aeroespacial e a sua transferência é um dos pontos fortes da proposta Sukhoi… Que não seria má para o Brasil, atenção! Simplesmente, acho que a francesa é melhor e mais barata. E a russa… Suspeitosa, no que respeita a peças e manutenção…

  27. silveira

    Carlos, vc acha q a embraer trabalha em algum progeto fx (x) secreto, e comprara caças tampão? com tequinologia de quem? estou curuoso amigo.

  28. silveira

    thomas tenho impressão que o gov brasileiro apesar do portifólio da AVIBRAS ira obtitar pela parceria dos franceses com a embraer pelo momento que a embraer vive e o que ela representa p o pais hoje. Mas concordo plenamente com vc vamos valorisar empresa Genuinamnete BR.

  29. Oi, Silveira
    Eu estou mais curioso do que você. Consta que já está andando algo muito bom por aí. Ouví de gente ´´graúda´´, que já temos algo pronto. Se é verdade, não sei! Pode ser ´´sonho adiantado´´. Não acredito muito em coisas muito secretas (dizem que por motivos políticos…???). Mas como não estamos, nada nada, atrás dos outros em tecnologia na área aeronáutica, até dá pra considerar. Se for verdade o que ouví, já temos quase ou prontos os protótipos dos caças brasileiros de superioridade aérea de quinta geração…. Se é patriotada ou sonho, não sei mesmo… É só esperar pra ver… Me garantiram, as mesmas fontes, que o Brasil comprará as três dúzias de caças, antes do lançamento… Em breve saberemos…
    Saudações

  30. Procurando na Internet, nada encontrei… Penso que o desenvolvimento de um caça de 5ªa geração brasileiro esbarraria em dois problemas:
    furtividade e motores.
    No primeiro, os EUA são líderes incontestados, fruto de décadas de investimentos massivos…
    No segundo, isso implicaria importar motores de alguém… russos? E isso tornaria difícil manter tal segredo…
    Mas talvez os rumores sejam mesmo verdadeiros… E consistam afinal na entrada do Brasil – ao lado da Índia – no desenvolvimento do projecto PAK-FA! Um investimento de futuro num caça de 5ªa geração e uma visão para além das necessidades imediatas para os próximos 20 anos que seriam perfeitamente supridas pelo Su-35 ou pelo Rafale.
    Talvez assim o rumor não seja tão frágil
    Ao fim ao cabo, esta possibilidade já antes foi levantada muito seriamente:
    http://www.defesabr.com/FAB/fab_novofx.htm

  31. marcelo

    a lockheed, se não me engano está encerrando suas atividade fabris na argentina, uma joint entre embraer, avibras e a fabricante dos 5ª geração americanos, aos moldes da que existia com a dassault até pouco tempo, seria uma impossibilidade? já não houve uma parceria entre as mesmas no programa de aeronaves de coletas de informações, inclusive com instalações da embraer nos EUA, mas que desgraçadamente foi encerrado. a Lockheed também não está envolvida com o SIVAM?

  32. Duvido muito que os americanos deixassem sair alguma tecnologia furtiva par o Brasil… Ou para qualquer outro seu aliado, aliás… As hesitações (e negações!) de venda dos F-22 mesmo aos mais fiéis aliados japoneses e australianos, provam isso mesmo…
    Para fazer parceria com a Embraer e Avibras. só vejo mesmo um fabricante europeu ou russo… Os chineses não são de fiar: toodas as parcerias que estabelecem visam apenas a obtenção a curto prazo de know-how, para depois abandonar os seus parceiros e prosseguirem sózinhos.

  33. Ed

    russo, se for pra fazer parceria decarte todos os outros e pequem os russos compra ai uns 36 su-35 e investe pesado no novo projeto, oriundo do su-49

  34. Vindix

    De onde vocês tiraram que o Rafale é um caça de 4º geração?!?…É de 5º. na verdade é o primeiro caça de 5º geração a ser comissionado! e depois veio o Gripen!!!
    O outro ali em cima…de onde você tirou que o Eurofighter é um projeto Franco-germânico?!?…É um consórcio dos países: Alemanha – inglaterra – Itália – Espanha, a França abandonou o projeto do Eurofighter em favor do Rafale, quando lhe negaram a primazia e sede do projeto Eurofighter!
    As únicas duas desvantagens do Rafale atual (uma será corrigida na próxima versão, é o super-cruzeiro sem pós-combustão – já o empuxo-vetorado, como se observa no SU-35/37 Russo e F22 Lightning Americano, não está previsto) não o desabilita como forte concorrente, pois o argumento de que é um projeto sem saída é descabido, porque se os franceses foram os primeiros a tornarem operacionais em larga escala o primeiro caça verdadeiramente de 5º geração, o que os impedem de serem os primeiros a lançar efetivamente também o de 6º ainda com base no projeto da Dassalt?!?
    A Dassalt detém 20% da Embraer e a transferência de tecnológico mais as propostas de OFF-SET são substancialmente melhores, os Russos seriem uma ótima opção frente a associação no PAK + a Índia, será?!…, já o F-35, os americanos nunca cederiam o código fonte da aeronave e racionariam ( a exemplo dos F-16 chilenos Block 50) seus armamentos… Vocês sabiam que os AMRAM AIM-120, estão “custodiados” nos EUA?!, que em caso de guerra os chilenos precisam de permissão para trazê-los ao Chile? – Rídiculo!!!

    A questão é, os americanos detém (fabricam e são fornecedores através de multinacionais americanas pelo mundo) vários equipamentos e instrumentos de aviônicos sensíveis à venda à países digamos… não alinhados… já os Russos e alguns técnicos dado a sua “fragilidade” no mercado negro, disponibilizariam pelo melhor preço os código fontes das máquinas envolvidas em combate, o que afetaria o desempenho das mesmas em guerras eletrônidas…
    De resto, pura retórica !

  35. Creio que as 36 primeiras aeronaves devam ser compradas para equilibrar a superioridade militar, na qual o Brasil está em desvantagem. A compra do FX-2 deveria supor tecnologias mistas. Na minha visão, o país poderia comprar o SU-35 por razões óbvias de vantagens no campo emergencial, superioridade e transferência de tecnologia. Um segundo lote intermediário de “velhos” F-16 que estão sendo oferecidos por ótimo preço devida sua disponibilidade, uns 30 caças desta categoria poderiam estar incubidos de patrulhamentos de médio alcançe, principalmente para defesa e interceptação, deixando os SU-35 para interceptações de longo alcançe e ataque. Por fim, um terceiro lote menor poderia contemplar caças de 5a geração, como o Rafaele, 15 caças destes associados a 36 Su-35 e 30 F-16 dariam ao país folego suficente para o futuro, tirando-nos do atual cenário tão desfavorável.

    Uma configuração mista nestes termos nos permitiria adquirir igualmente um conhecimento muito interessante, pois teriamos, ainda que não necessariamente na vanguarda, da posse de tecnologia russa, européia e americana.

  36. Antonio

    Interessante a opinião de que o SU-35 está fora. São os russos que oferecem mais off sets. Aceitam transferir toda a tecnologia do avião e se propõe a ceder outras tecnologias como a espacial. Se o nosso governo quer realmente montar um parque industrial essa é a grande oportunidade e a associação dos russos com a Avibras será estratégica para o país. Um outro fator importante é que se pretenda exportar equipamento militar, o equipamento russo tem mais possibiçidade do que o frances que até agora não fechou nen hum negócio com o seu Rafalele. No caso do “vencedor” Rafaele, sua configuração atual sequer serve para confrontar os SU-27 adquiridos pela Venezuela. Quantoa aos outros aviões citados o melhor é o Typoon, esse sim vale a pena, sem tecn ologia sem nada, mas tem que pagar seu alto preço.

  37. Thomas

    Veja bem magno, essa questão de comprar aviões mistos pode ser um alternativa muito tampão mesmo, porem, o Brasil deve buscar parcerias que lhe agreguem tecnologia ao longo dos anos.Tudo que os outros avioes citados por voce fazem o Shukoi faz e a um preço menor….e quanto a questão de peças de reposição a Russia quer um parceiro na america latina para fabricar em conjunto com ela…e o unico pais com um polo industrial compativel é o Brasil…A questão da França é complicada a dassalt ja é parceira do Brasil a um bom tempo, porem, não agregamos muito dessa parceria.
    O Rafale é tão bom que perde pros migs…e vale ressaltar que no projeto de 5º geração havera um joint venture entre a fabricante dos sukhoi e dos mig para a criação de 2 tipos de aeronaves mais versateis em determinados tipos de combates…se o Brasil aderir com a India (parceria que os Russos buscam)..poderemos no futuro ter capacidade propria bem desenvolvida..vale lembrar as primeiras caldeiras de enriquecimento de uranio que o Brasil aperfeiçoou e hoje temos a melhor tecnologia….a Dassalt nunca nem nos convidou para um projeto assim…só quer vender..e a embraer trabalha com aviões comerciais…excessão os aviões de espionagem que usa equipamentos norte-americanos e suecos e os aviões de treinamento tucano…a avibras que pode fechar parceria com a Russia ja possui uma maior experiencia com tecnologia de guerra.

  38. Thomas

    Olhem essa reportagem..esqueçam esse negocio de rafale de Dassalt….A Russia busca parcerias para se firmar no mercado mundial de armamentos, o Brasil deve aproveitar essa oportunidade…nossos cientistas são competentes..O ITA ta muito animado com essa possibilidade (AVIBRAS)..e o Brasil ta se firmando com a Russia como grande parceria no mercado de alimentos e tecnologia espacial…..LEIAM sobre o SUKHOI>>é o mundo quem fala

    Os Su-35 e Su-37MR são versões de última geração do Su-27 Flanker. O nascimento das duas versões foi em 1992 quando a Sukhoi iniciou a construção do chamado Super Flanker com o objetivo de construir um caça de superioridade muito acima das do Su-27 padrão, passando por duas fases: o desenvolvimento de uma aeronave com sistemas de última geração e nova aerodinâmica – o Su-35 – e posteriormente a adição de um sistema de controle de vetoração de empuxo (TVC), que resultou no Su-37MR. Comparando com o Su-27, os aperfeiçoamentos estão na modernização de seus aviônicos, sistema de defesa e ataque, a utilização de canards e no caso do Su-37, o já citado TVC.

    Os Su-35/Su-37 possuem o novo radar NIIP NO-11M produzido pela Instituto de Pesquisa Científica Tikhomirov, com alcance de detecção de 400 km e 200 km para alvos de superfície, podendo traquear 15 alvos e engajar seis prioritários, ao mesmo tempo. Possuem um sistema optrônico passivo e na traseira o radar NIIP NO-12 com alcance de 40 km para o piloto poder “enxergar” os inimigos situados atrás do avião, podendo utilizar uma versão do míssil ar-ar de curto/médio alcance R-73 (AA-11 Archer) com controles aerogas-dinâmicos que possibilita que o míssil seja disparado para trás. Além do R-73, podem carregar os mísseis R-271R1, R-27T1 e RVV-AE, mais uma variedade de misséis, bombas e foguetes. Possuem um equipamento interno de ECM interno que avisa o piloto da iluminação por radar inimigo, indica a informação no display ao piloto, localiza o radar, identifica-o a partir do banco de dados e seleciona o método adequado de ação. Mas a maior vedete é o Su-37 e sua vetoração de empuxe e supermanobrabilidade.

    O Su-37 é o primeiro caça operaciolnal a utilizar-se do controle de vetoração de empuxo (o primeiro caça operacional com controle de vetoração de empuxo só faria seu primeiro vôo em 1997 e ainda está em fase de testes). Combinando sistemas análogo e digital, permite que o piloto ajuste o ângulo do TVC em modo manual. O sistema TVC junto com os novos canards, que são responsáveis pelo fator instabilidade em 10%, permite ângulos de até 120º. O TVC permite ângulos de -15/+15º no plano vertical da aeronave. Esse sistema de TVC é totalmente digital, podendo ser operado manualmente pelo piloto ou automaticamente pelo sistema de controle de vôo.

    Sua manobrabilidade excede a dos experimentais F-16 VISTA e X-31, e até o F-22 Raptor. O presença do Su-37 em feiras aeronáuticas é constante, sempre demonstrando sua incrível capacidade de manobra. Em 1998, após participar da FIDAE’98, o Su-37MR visitou a Base Aérea de Anápolis para fazer uma demonstração aos oficiais brasileiros. O Su-27 é um dos candidatos à futura concorrência brasileira que irá substituir os Mirage IIIEBR/DBR e mais tarde os F-5E/F Tiger II.

  39. Thomas

    Aos Brasileiros que comentam nesse site..quanto a enquete de parceria Brasil e Portugal…não quero ser indiscreto…mas apesar de ser bom mantermos boa relação com nossos irmãos portugueses, o Brasil não precisa de Portugal para nada estrategico, pois, Portugal não possui se quer um centesimo da nossa capacidade idustrial e de riquezas…é um dos paises menos influentes na União Européia e não tem tecnologia e nem capital economico relevante..vale lembrar que só a economia informal do Brasil é 3 vezes maior que toda a economia de Portugal…Claro que não vivemos num mar de rosas, pois, somos um pais com grande concentração de renda e muita desigualdade social…porem estamos melhorando..e isso só depende de nós mesmos e mais ninguem…

  40. ed

    Magno,

    adquerir f-16 uzados nao vai mudar em nada nossa evoluçao pois os f-5 atualizados jah mostraram estar a altura dos f-16 a b

    e esse mix de caças so vai nos desfavorecer pos caças em pequena quantidade custam caro não so para comprar mas tambem para manter,

    Proseguindo meu raciocinio Su-35 não sao uzados nem na russia como q um paiz vai comprar um caça que nem seu anfitriao utiliza quais seram as vantagens de ultiliza-los, os rafales são otimos caças e me parecem ser os melhores em termos de transferencia de tecnologia.

    Comprar mais 8 mirrage 2000 modernizar os 20 para o padrao f-5Br e adquerir 60 rafales para mim e a melhor opçao podemos manter 40 amx-M em plena operaçao e 12 em rezerva nos daria uma vantagem imensa sob qualquer pais da america latina.

  41. ed

    Thomas, rafales não perderam pra nenhum mig,
    os SU-…. sem ecessao sao caros de grandes, custa mais que o dobro de um rafale para voar apenas 1 hora acho q e 4 mil pro rafale e 8 e 500 por su…

    o brasil aprendeu muito com a dassault sim mas isso não e divulgado,
    a avibras poderia ser um forte nessa parceria mas a avibras jah esta envolvida em um grande projeto dos blindados sobre rodas 4×4 6×6 e 8×8 ,
    jah a embraer so tem o c-390 e a contruçao de um caça aqui possibilitaria tornalo multifuncional.

    existe algo que os rafales da frança não tem e que os do brasil teram PILOTO
    ^^

  42. ed

    E pra finaliza
    concordo com vc o Brasil se fosse pra se unir com alguem ou se tornar parceiro comercial de alguem teria de ser com um país a altura do Brasil XD
    portugal e pobre, tem uma populaçao menos desigual, e foi favorecido por ter entrado na UE mas e pobre não tem como esconder isso.

    o pib de sao paulo umilha o de portugal, e sao paulo corresponde a 40 % do brasil, no coments né.

  43. Ed: exacto… o grande problema dos russos é a manutenção e o custo operacional (os seus reactores mamam muito…), ou seja, você parece alinhar (como eu) pelo Rafale. Veremos para onde se curva o Lula…
    O Brasil tem grandes problemas sociais e económicos… Não é um monolíto, contemplando grandes variações, expectáveis dado o seu estatuto continental e a grandeza da sua população e dos seus recursos. Portugal não se lhe pode comparar nessas medidas, óbviamente. Mas nem precisa. Portugal é com Angola o segundo país da Lusofonia. E temos muito mais a unir-nos do que a separar-nos. Existe uma assimetria? Claro, mas e daí? Nem tudo se esgota no “Económico”, sabe? E no sentimento das gentes, na Cultura e na Língua (bastião das duas) temos muito mais que nos junta, do que aquilo que nos separa. Por isso… Porque não sonhar? E mesmo assim… Considerando o aspecto material da coisa: quanto ganharia o Brasil assentando praça na Europa? Em projecção política, geografia, estratégia e… presença?
    O Brasil tem maiores problemas económicos que Portugal, basta ver os índices de Desenvolvimento Humano (Portugal 29º e Brasil 70º) e o PIB (Portugal 31º e Brasil 54º) mas tem uma riqueza das gentes, um “saber viver”, uma incapacidade para o ódio e para o racismo de que todo o Mundo precisava aprender… Tem enfim, o mais puro sentimento do “ser português” que Portugal esqueceu no século XIII, e por isso acarinham tanto os portugueses o Brasil e por isso, inevitavelmente, a História há-de reunir aquilo que ela própria, no tempo devido… separou.

  44. Thomas

    Acima: Um Rafale M naval decola para uma demonstração de voo durante uma feira aérea. O alto custo da manutenção dos equipamentos franceses e a influência política norte americana tem representado obstáculos a sua exportação.
    A França é outro país que optou por adquirir um novo caça. A Dassaut Aviation desenvolveu o Rafale, um caça com capacidades similares ao Typhoon ll comentado acima. Trata-se de um caça que substituirá o Mirage lll, Sepecat Jaguar, Mirage 5, Mirage F-1 e o Mirage lV P de ataque estratégico. Embora não se comente muito, é bem provável que depois de 2015 os Mirage 2000, sejam também substituídos pelo Rafale. O caça francês, tem um valor de U$ 110 milhões de dólares a unidade, e embora seja mais acessível que os Typhoon, sua manutenção é cara, como era de se esperar de um produto francês, sendo que isso tem dificultado as vendas do Rafale no mercado internacional. O Rafele teve duas derrotas que considero importante. A primeira foi na concorrência do FX da Coréia do Sul, onde o Boeing F-15K (versão do F-15E) saiu vencedor contra o caça francês. Essa concorrência teve um desfecho fortemente influenciado por motivos políticos, pois o F-15K, embora tenha um bom desempenho, é uma aeronave menos manobrável e com pouca capacidade se ser modernizada, pois trata-se de um projeto de mais de 30 anos e que está no máximo de seu potencial de crescimento. Mais recentemente, o Rafale perdeu a concorrência para o fornecimento de caças para a real força aérea saudita que acabou assinando uma encomenda de 48 caças Typhoon ll, inicialmente, com opção por mais 24, sendo que se pode chegar a 200 unidades. Esse foi o pior golpe contra o Rafale, até agora. É interessante notar que hoje o país mais provável de adquirir o Rafale, é o Brasil, que estreitou os laços, com os franceses, quando adquiriu 12 Mirage 2000 para ocupar, temporariamente, o espaço deixado pela aposentadoria dos cansados Mirages lll em dezembro de 2005. A Força Aérea Brasileira, pretende usar por poucos anos este caça, de forma que em 2010 compre um novo caça de nova geração.>>>aew está quem é o mais CARO>>>Agora veja:>>
    Acima. Um Su-30 MKI Super Flanker “posa” para uma bela tomada aérea. Este caça, com suas capacidades extraordinárias, tem um preço extremamente competitivo, lhe garantindo um bom sucesso comercial. Ele representa um dos mais capazes caças já construido, sendo o F-22A americano o unico oponente que pode anular seu poder de fogo.
    O Flanker custa menos que o caça leve F-16 dos Estados Unidos, sem as restrições tão comum nas relações comerciais de produtos de defesa dos Estados Unidos com seus clientes. Por causa disso o Flanker está sendo selecionado em muitas concorrências de fornecimento de caças novos para forças aéreas de todos os tamanhos. Desde a poderosa China que usa centenas de caças desse tipo, até a pobre força aérea vietnamita que usa este poderoso caça na defesa aérea de seu país. Índia e China produzem o Flanker sob licença permitindo uma transferência de tecnologia que também joga a seu favor no mercado onde os países querem o maior nível de independência possível para não ficar a mercê da maré política que muda a todo instante.

  45. Ou seja…. Flanker seria a melhor opção…
    Mas e a grande dúvida desta opção: manutenção, ciclos de manutenção, peças e pós-venda? A estas dúvidas ainda não encontrei resposta satisfatória… E todas elas podem implicar uma maior despesa a um prazo de 10 ou 20 anos…

  46. Thomas

    Flanker poderia ser uma boa opção sim…olha aew o que a FAB ta divulgando sobre isso:

    DEFESA BR

    Força Aérea Brasileira – FAB
    Meios Disponíveis e Futuros

    A FAMÍLIA FLANKER
    DA SUKHOI

    Família Flanker voando junta, com os Sukhoi Su-27 (esquerda),
    Su-35 (alto) e SU-47 BERKUT de asas invertidas (baixo), caça
    de 5ª geração que poderá ser produzido em série a partir de 2008.
    (Foto Foxbat)

    A FAMÍLIA FLANKER DA SUKHOI

    SU-30 FLANKER

    SU-35 – O SUPER FLANKER

    SU-34 PLATYPUS

    SU-33 – O FLANKER NAVAL

    SU-37 TERMINATOR

    SU-47 BERKUT – O ÁGUIA DOURADA

    FONTES & LINKS

    VÍDEOS

    O DEFESA BR é uma SIMULAÇÃO de tudo que o Brasil
    poderia fazer para manter a soberania sobre suas riquezas
    das Amazônias Verde e Azul com um conservador
    Orçamento de Defesa de 1 % do PIB.

    A FAMÍLIA FLANKER DA SUKHOI

    Os caças da FAMÍLIA FLANKER, caças multimissão russos da Sukhoi (Globalismo), todos em evolução da Família iniciada pelo Su-27, seriam a solução ideal e até perfeita para as dimensões continentais do Brasil, tendo em vista as extensões da Amazônia, do Litoral, do Mar Territorial e, até mesmo, do Atlântico Sul, pois todos têm alcance impressionante de 4.000 km.

    Tal família possui, reconhecidamente, o único caça capaz de cobrir tais vastidões e poderia ser um novo paradigma a ser alcançado pela FAB, caso um deles viesse a ser escolhido para o NOVO FX BR – ainda não oficial, em que a FAB deverá e precisará ter a mais completa liberdade de escolha, segundo seus critérios e necessidades operacionais.

    Seu uso integrado com a Marinha do Brasil (SU-33 FLANKER NAVAL embarcado em NAe) causaria grande sinergia à nossa Defesa, desde por motivos de unidade de peças, componentes, ferramentas e armamentos, passando por treinamento conjunto de mecânicos e pilotos, por apoio, simuladores, doutrina e filosofia operacional, e por motivos estratégicos.

    Além das vantagens descritas a seguir, as versões do FLANKER (na Rússia chama-se GRULLA / GARÇA) encaixam-se como uma luva para as necessidades de Defesa do Brasil:

    Versão Baseada
    Pode Defender

    Su-35, Su-37
    e Su-47
    Interior
    Continente, Amazônia e Litoral

    Su-32
    Litoral
    Litoral, Atlântico Sul e Esquadra

    Su-33
    Nae
    Esquadra, Litoral e Amazônia

    Os FLANKERs têm as seguintes capacidades :

    Interceptação,

    Defesa Aérea,

    Superioridade Aérea,

    Ataque de Superfície,

    Ataque Naval,

    Reconhecimento,

    EW – Alerta Antecipado, e

    REVO – Reabastecimento em Vôo.

    REQUISITO DE LONGO ALCANCE E PROJETO F-X BR

    Os FLANKERs são os únicos caças que atendem ao requisito mais importante do Projeto F-X BR e do NOVO FX da FAB, o de longo alcance, atingindo 4.000 Km sem REVO (procurar Unidades / Transporte / 2º/2º GT). Ele permite que o País possa dispor de um número menor de caças a partir de bases aéreas dispersas pelo território continental.

    Utilizando-se de caças menores, como o Mirage 2000 BR ou o Gripen JAS-39, seria necessário um número muito maior de aviões de curto alcance, espalhados por diversas bases e altamente dependentes de REVO – Reabastecimento em Vôo.

    Sua grande envergadura oferece a maior vantagem de poder carregar elevada carga de mísseis e bombas. Para uma concorrência como a do FX brasileiro, teria havido um vencedor que os próprios pilotos escolheram : O SU-35 SUPER FLANKER acompanhado da mais completa transferência tecnológica do que há de mais avançado no mundo.

    Como seria o Su-35 Super Flanker da FAB.

    Escolhendo-se do Su-35 SUPER FLANKER ao PAK FA de 5ª geração (concorrente superior ao JSF) para o NOVO FX BR, passando-se pelo Su-37 TERMINATOR, o Brasil poderia contar também com o Su-32 FN PLATYPUS para a proteção de seu litoral.

    Como o Su-33 não é adequado (tamanho e peso) para o NAe A-12, a MB poderia escolher o novo MiG-35 (ex-MiG-29 OVT) com TVC ou, vindo a trazer o Su-33 ou sua evolução para o futuro A-13.

    O MiG-35 também seria perfeito em uma escolha mista do NOVO FX BR para uso da FAB em pistas curtas na Amazônia em grande número com os conhecidos e respeitáveis mísseis russos.

    Destaque para os tubos de
    descarga com TVC do MiG-35.
    (Foto MiG-MAPO)

    Todas essas fantásticas aeronaves possuiriam os inigualáveis e também mais avançados do mundo Mísseis Russos.

    A) SU-30 FLANKER

    O Su-30 é a versão da Família Flanker mais utilizada hoje. Equipa as forças aéreas da Rússia, da China (modelo MKK) e da Índia (MKI), todos com enormes extensões territoriais, justamente como o Brasil.

    Um Grande Flanker (Su-30)

    O sucesso do Su-30 é tão evidente que a China passou em 2004 a ter com ele definitiva superioridade sobre Taiwan e até sobre os EUA, caso venham a tentar defender a Ilha no caso de uma invasão chinesa.

    A China possui 78 Su-27SK/UBK, mais 76 Su-30MKK, todos produzidos na Rússia, e agora está produzindo sob licença mais 200 Su-30. A Marinha chinesa (PLAN) acaba de receber em 2004 mais 24 Su-32 (ver abaixo) para a sua PLA Naval Air Corps, Ala Aérea da Marinha.

    Su-30 após decolagem.

    São assim 378 aeronaves bastante superiores aos F-15 Eagle de Taiwan e dos próprios EUA, além de seus F/A-18 E/F embarcados.

    Um Su-30 MKK disparando mísseis.

    B) SU-35 – O SUPER FLANKER

    Trata-se de um avião de grande envergadura, pesado, equipado com 2 potentes turbofans, primordialmente biplace (o ideal para evitar desgaste), e dispondo das mais formidáveis maravilhas tecnológicas, sendo que muitas delas não são disponíveis sequer para os caças americanos da atualidade.

    O Sukhoi Su-35, conhecido como Super Flanker,
    ainda hoje é uma opção no NOVO FX.

    O Su-35 SUPER FLANKER dispõe de TVC como o Su-37, foi projetado para cobrir longas distâncias e para funcionar como nave-mãe para Comando, com seu datalink permitindo controlar e comandar outros caças (até mesmo ALX, AMX e F-5) e fazer contato com navios, radares, baterias e tropas.

    Seu fantástico alcance com REVO confere-lhe possibilidade de emprego em missões subestratégicas (inter-continentais).

    Tem capacidades swing-role (mudar de missão a qualquer momento durante uma surtida) e de auto-escolta. Pode penetrar em ambiente de defesa de alta intensidade, de dia ou noite e a qualquer tempo.

    Possui um grande número de cabides, que permitem levar 8 mísseis ar-ar de longa distância (BVR) R-77M, atingindo alvos a 160 km. Dispõe de 2 potentes radares que detectam alvos terrestres / navais a 200 km e caças inimigos a 400 km, permitindo disparar contra vários, inclusive para trás.

    maiores detalhas entrem no site associado da FAB e vejam:
    http://www.defesabr.com/Fab/fab_flanker.htm

  47. Thomas

    Bem meu amigo Clavis…sobre a questão de peças de reposição vale ressaltar que as industrias Russas estão “ESTRATEGICAMENTE” isso não é para qualquer país,pois, só India e China conseguiram isso..e o Brasil foi convidado a integrar tbem uma joint venture nesse sentido….franquias para a produçao dessas aeronaves(familia flanker) e das peças de reposiçao aos moldes que funcionam na China….há…vale lembrar que o Brasil esempenha com a china intercambio tecnologico na area de satelites aos quais o lançarão em conjunto nos proximos anos….OS MAIS PODEROSOS SISTEMAS DE DEFESA USAM ELES…..O BRASIL DEVERIA OBSERVAR ISSO!!! A FAB QUEM DIZ!!!!!!!!

  48. Ultramar

    Caro Thomas, com todo o respeito, eu também visito o DEFESA BR, do Sr. Roberto Silva, site que é muito interessante, mas parece que não tem nenhuma ligação com a FAB, se bem que eu possa ter me enganado… Parece ser apenas um site (ótimo) com sugestões pessoais do Sr. Robert para as Forças Armadas Brasileiras…

    Seja como for, as idéias dele são muito boas e, se é verdade o que diz sobre o SU-35… o Brasil não deveria mesmo pensar duas vezes para escolher o substituto dos Mirages… Os “problemas” do SU-35 são apenas detalhes, diante de suas qualidades…Pelo que diz, suspeito que hoje só o F-22 poderia fazer frente a esse verdadeiro “terminator”… Se bem que “terminator” é o SU-37, eu sei.

    Bem, eu sempre preferi o Su-35, como eu sei que é também a preferência dos pilotos da FAB. Mas como quem manda são “os homens” do governo… Aí vão entrar outros interesses no meio…

  49. Thomas

    Eh verdade amigo ultramar…o defesabr não é da FAB, mas éh de longe um dos mais bem informados sobre Aviação mundial no Brasil, e possui ligações com tecnicos ligados a FAB, inclusive reportando noticias sobre equipamentos e industrias belicas no Brasil(Exercito e Marinha)…E quanto a questão dos Sukhoi basta olhar quem fornece as melhores parcerias no mundo…não só a nivel de Brasil..

  50. Considerações
    Sem entrar nos detalhes técnicos que tanto gostamos de expor, sobre fornecedor, tipo de avião, velocidade, fabricante, raio de ação, procedência, etc., etc., etc., gostaria que se levasse em conta outros fatores, que me parecem da maior importância:
    a) Que tipo ou categoria de potência mundial, será o Brasil em futuro próximo, se continuar dependendo de terceiros no principal elemento de defesa, o aeronáutico?
    b) Independente dos problemas nacionais (pobreza, violência, políticos corruptos, etc.), tão alardeados e festejados pela ´´concorrência“, existe um Brasil superdesenvolvido tecnologicamente e que não ´deve nada´ a ninguém.
    c) Trinta e seis aviões de superioridade aérea, representam pouco mais do que nada, para um país de proporções continentais, como o nosso. Seja qual for a procedência, esses aviões são caros. Com o preço de uma unidade, pode-se fabricar dois, três ou mais, gerando renda, emprego e ganhos para o país.
    d) É absolutamente irracional pensar-mos em continuar comprando, com enorme desperdício de receita, aviões que jamais serão totalmente voltados à nossa realidade local. Tal atitude seria um entrave ao desenvolvimento tecnológico nessa área. A realidade brasileira de hoje é radicalmente diferente na área tecnológica. Temos condições de fazer, sim!
    e) Quer queiramos ou não… por vontade própria ou a cabresto, estamos indo em direção ao destino que nos reserva a história. O ´coitadismo´ ou a auto-comiseração não afeta a todos.
    Em assim sendo, não acredito que o FX-2 seja mais do que um ganho de tempo, um paliativo, um ´tapa buracos´ (realidade recente, pois não foi essa a concepção original), como a compra dos Mirages usados. É mais do que evidente, que o governo atual do Brasil quer transformar esse limão em limonada, ou seja, produzir no Brasil um caça brasileiro puro, dotando a FAB de excelente (e farto) equipamento e ao mesmo tempo obtendo LUCROS com a sua exportação. Esse é reconhecidamente o ´´modus operandi´´ do governo brasileiro.
    Sobre a observação de Clavis Prophetarum referente aos ´motores´, eu pergunto: -Quem pode afirmar que já não tenham sido desenvolvidas as turbinas nacionais e ´eventualmente´ aguardam investimento federal para sua produção em série? Eu não apostaria um centavo contra. Nada falta tecnologicamente para isso… Portanto…
    O ´diabo não é tão feio´, como ´pinta´ nossa luso-brasileira auto-estima sempre tão em baixa.
    Na verdade, os erros tem persistido neste lado do oceano, mas o lado certo está evoluindo em enorme velocidade. Todos os dias tem-se magníficas notícias na área da tecnologia de ponta, da pesquisa avançada em geral.
    Quem apostar contra este ´Portugalzão´americano, vai perder. E mais… a curto prazo!
    Lusófonos, somos uma só nação dividida em vários países.
    Fraterno abraço do
    Carlos (esperando o bombardeio que virá.)
    ——————————————-
    Una mano sua faciebat opus et altera tenebat gladium.

  51. Ultramar:
    ” Caro Thomas, com todo o respeito, eu também visito o DEFESA BR, do Sr. Roberto Silva, site que é muito interessante, mas parece que não tem nenhuma ligação com a FAB, se bem que eu possa ter me enganado… Parece ser apenas um site (ótimo) com sugestões pessoais do Sr. Robert para as Forças Armadas Brasileiras…”
    -> É também uma das minhas fontes privilegiadas, como se pode constatar na secção de “fontes” de muitos dos artigos aqui publicados… Um site de referência, sem dúvida.

    ” Seja como for, as idéias dele são muito boas e, se é verdade o que diz sobre o SU-35… o Brasil não deveria mesmo pensar duas vezes para escolher o substituto dos Mirages… Os “problemas” do SU-35 são apenas detalhes, diante de suas qualidades…Pelo que diz, suspeito que hoje só o F-22 poderia fazer frente a esse verdadeiro “terminator”… Se bem que “terminator” é o SU-37, eu sei.”
    -> Em termos meramente técnicos e de características puras… Sem dúvida. Mas serão armados com os melhores mísseis Ar-Ar que a Rússi hoje pode contar? Ainda me lembro de na Líbia (deste Kadafi) os pilotos dos (excelente) MiG-25 e MiG-23 estarem armados com mísseis de curto alcance, enquanto que os EUA já tinham mísseis com alcances muito superiores… E há sempre a questão da manutenção e dos curtos ciclos de manutenção…

    ” Bem, eu sempre preferi o Su-35, como eu sei que é também a preferência dos pilotos da FAB. Mas como quem manda são “os homens” do governo… Aí vão entrar outros interesses no meio…”
    -> Mas eu já algures (mas mais do que uma vez) que a FAB favorecia a “opção francesa”, nomeadamente pelos Rafale…

    Thomas:
    ” Eh verdade amigo ultramar…o defesabr não é da FAB, mas éh de longe um dos mais bem informados sobre Aviação mundial no Brasil, e possui ligações com tecnicos ligados a FAB, inclusive reportando noticias sobre equipamentos e industrias belicas no Brasil(Exercito e Marinha)…E quanto a questão dos Sukhoi basta olhar quem fornece as melhores parcerias no mundo…não só a nivel de Brasil..”
    -> Sim. Os indianos que o digam… E até os suspeitos chineses, que até já fabricam Su-30 localmente (adquirindo tecnologia que cedo ou tarde usarão contra todos nós, diga-se…)

    Carlos:
    ” Sem entrar nos detalhes técnicos que tanto gostamos de expor, sobre fornecedor, tipo de avião, velocidade, fabricante, raio de ação, procedência, etc., etc., etc., gostaria que se levasse em conta outros fatores, que me parecem da maior importância:”
    -> Hehehe. E eu quando falo desses detalhes sinto-me sempre um pouco limitado… Muitos destes parâmetros conhece-os apenas superficialmente, de livro, mas… quase todos dão vantagem aos aparelhos russos… Isso é certo. Mas seguidos muito de perto pelo Typhoon e pelo Rafale (este último a um custo bem menor).

    ” a) Que tipo ou categoria de potência mundial, será o Brasil em futuro próximo, se continuar dependendo de terceiros no principal elemento de defesa, o aeronáutico?”
    -> Concordo. Mas há o problema da escala… para que uma indistria aeronautica de Defesa sobreviva tem que ser sustentada num número mínimo de produção. O Brasil, a sua FAB dificilmente será capaz de, sózinha, sustentar essa indústria de defesa. É aqui que as parcerias internacionais são essenciais… E é aqui que Portugal-Brasil e Angola deviam já estar a caminhar juntos! Nenhum novo projecto devia ser equacionado num destes países (e noutros da lusofonia) sem antes passar pela busca activa de parcerias! Só elas podem sustentar uma indústria tão exigente em termos de custos, tecnologia e I&D como esta… veja-se o caso europeu, que teve que formar um consórcio unindo as maiores empresas europeias de Defesa para a sustentar (a EADS).

    ” b) Independente dos problemas nacionais (pobreza, violência, políticos corruptos, etc.), tão alardeados e festejados pela ´´concorrência“, existe um Brasil superdesenvolvido tecnologicamente e que não ´deve nada´ a ninguém.”
    -> Sem dúvida. A escala continental do próprio país, a excelência das suas universidades (melhor classificadas do qualquer universidade portuguesa, nas listas internacionais, aliás) e o facto de deter tanto know-how (mas ameaçado por uma crescente “fuga de cérebros”) em tantas áreas, desde o nuclear, à agronomia, à petroquímica, à biotecnologia, etc, o dizem… Nestas questões quem não se mantiver na dianteira, é absorvido, e isso não pode acontecer… Não em noma da lusofonia, das quais Portugal e o Brasil são, quer queiramos, quer não, as duas vanguardas…

    ” c) Trinta e seis aviões de superioridade aérea, representam pouco mais do que nada, para um país de proporções continentais, como o nosso. Seja qual for a procedência, esses aviões são caros. Com o preço de uma unidade, pode-se fabricar dois, três ou mais, gerando renda, emprego e ganhos para o país.”
    -> Veja-se o caso britânico, onde a exportação dos Typhoon (polémica…) para a Arábia Saudita garantiu a continuidade de uma fábrica.
    -> E penso que estes 36 são apenas um lote inicial, a reforçar posteriormente. E de qualquer modo, há sempre o mercado regional…

    ” d) É absolutamente irracional pensar-mos em continuar comprando, com enorme desperdício de receita, aviões que jamais serão totalmente voltados à nossa realidade local. Tal atitude seria um entrave ao desenvolvimento tecnológico nessa área. A realidade brasileira de hoje é radicalmente diferente na área tecnológica. Temos condições de fazer, sim!”
    -> Caso dos Gripen (curto alcance, mesmo na última versão)

    ” e) Quer queiramos ou não… por vontade própria ou a cabresto, estamos indo em direção ao destino que nos reserva a história. O ´coitadismo´ ou a auto-comiseração não afeta a todos.
    Em assim sendo, não acredito que o FX-2 seja mais do que um ganho de tempo, um paliativo, um ´tapa buracos´ (realidade recente, pois não foi essa a concepção original), como a compra dos Mirages usados. É mais do ”
    -> E dos f-5 e dos A2! Tudo material usado e muito…

    “que evidente, que o governo atual do Brasil quer transformar esse limão em limonada, ou seja, produzir no Brasil um caça brasileiro puro, dotando a FAB de excelente (e farto) equipamento e ao mesmo tempo obtendo LUCROS com a sua exportação. Esse é reconhecidamente o ´´modus operandi´´ do governo brasileiro.”
    -> Veremos… A suspensão do primeiro FX deixou muita gente espantada… Eu inclusivé.

    ” Sobre a observação de Clavis Prophetarum referente aos ´motores´, eu pergunto: -Quem pode afirmar que já não tenham sido desenvolvidas as turbinas nacionais e ´eventualmente´ aguardam investimento federal para sua produção em série? Eu não apostaria um centavo contra. Nada falta tecnologicamente para isso… Portanto…”
    -> Bem… Existem poucos países no mundo capazes de fabricar turbinas avançadas… Mesmo a China e a Índia confiam nos motores russos importados ou fabricados sob licença… É uma tecnologia muito de ponta e dificíl de dominar… E não é vergonha nenhuma usar motores fabricados por terceiros. Muitas grandes potencias o fazem.

    ” O ´diabo não é tão feio´, como ´pinta´ nossa luso-brasileira auto-estima sempre tão em baixa.”
    -> Pois… Mais um ponto de semelhança entre portugueses e brasileiros… 😉

    ” Na verdade, os erros tem persistido neste lado do oceano, mas o lado certo está evoluindo em enorme velocidade. Todos os dias tem-se magníficas notícias na área da tecnologia de ponta, da pesquisa avançada em geral.
    Quem apostar contra este ´Portugalzão´americano, vai perder. E mais… a curto prazo!
    Lusófonos, somos uma só nação dividida em vários países.
    Fraterno abraço do
    Carlos (esperando o bombardeio que virá.)”
    -> Certamente… O Brasil está a retomar lugares em todas as tabelas comparativas desde há muito. Ainda falta um bom caminho para poder ombrear no topo, mas todos os sinais são positivos, desde o aumento da produção alimentar, à melhoria dos indices do per capita e de desenvolvimento humano e até à redução da criminaldade… Mas falta ainda caminhar muito e um impulso decisivo para dar o salto definitivo até ser tornar numa das 4 ou 5 grandes potencias mundiais, e esse salto, devia ser dado pela… união lusófona, é isso que acredito, como o Carlos.

  52. Juliano Lima

    FALA SÉRIO!

    SU-35 é a melhor escolha!
    O Brasil precisa de um caça que preencha todos os requisitos para a sua defesa!
    No momento estamos com um grave “Buraco” em nossa Força Aérea.
    Eu tenho esperanças de que os Russos liberem a Tecnologia do Su-35 para ser fabricado aqui!
    Mais a minha opção ainda é optar por um caça 100% Nacional, daria vida a indústria Bélica do país podendo originar mais empregos,lucros e negócios com outros países!
    Eu acho uma besteira essa briga pra ver quem fica em 1º na América do Sul, sabendo que o Brasil é e sempre será a melhor e mais equipada nação da América do Sul!
    Se passarmos a fabricar Rafales ou Sukhois aqui, com certeza seriamos uma nação muito bem protegida e sem ameaças de certos “vizinhos”.
    O País pelo que vejo, está evoluindo cada vez mais, espero que continue assim, um dia quem sabe, teremos o poderio igual ao americano ou russo!
    A Força Aérea pode estar sucateada mais deve ser respeitada pois é uma das melhores FA do mundo!

    Su-35 agora e sempre!

    PS.: Também deveriamos entrar no Projeto russo do PAK-FA para que assim, mais tarde possamos substituir nossos Sukhois pelos modernos PAK-FA!

    Abraços!

  53. Juliano: Sim, o ponto essencial é garantir transferências de tecnologia e construção locl, seja com Sukhoi ou com Rafale. Em termos de aeronave, o Sukhoi parece superior, mas tem aquelas questões do pós-venda…
    E sim, entrar no PAK/FA com a ´India e a Rússia seria uma excelente opção a longo prazo… E o Brasil (Embraer) já tem boa experiência nesse domínio das parcerias… Veja-se o AMX, por exemplo.

  54. Thomas

    Amigo Lusófono Carlos, gostaria de concordar com você no que diz respeito ao desenvolvimento de um caça supersonico brasileiro(Totalmente brasileiro), porem, nossa industria está ainda a desenvolver tecnologias para se inserir no competitivo mercado mundial de aviação militar, pois, na aviação civil já é referencia. A China e India irão fabricar com licença dos Russos, equipamentos tipo MIG e Sukhoi e o Brasil já foi chamado para fazer parte do PAK_FA (desenvolvimento de um caça de 5º geração) tambem com eles, veja bem, se o Brasil conseguir a oportunidade de participar ativamente desse processo pode no futuro (criativos e capacitados como são nossos tecnicos e engenheiros) desenvolver já com a base que possuimos uma otima aviação militar….claro que não devemos dar uma de coitadinhos….somos sim capazes….mas o mundo todo trabalha com parcerias, praticamente nenhum avião do mundo( com excessão talvez dos Russos) possuam tecnologias de um unico país. Basta lembrar da parceria Brasil/Alemanha para a criação das usinas nucleares de Agra I e Angra II com uma certa transferencia de tecnologia nuclear e, muito tempo depois quem possui a melhor forma de centrifugação de Urânio no mundo hoje???>>>HEHEHEHE>>>NÒIS FÌIi..entaum vamos com fé e com os pés no chão…precisamos desenvolver tecnologia tambem AEROESPACIAL os Russos estão nos ajudando em Alcantara e eles são notadamente favoraveis a proliferação de suas plataformas industriais para fazer frente as já proliferadas no ocidente…eles possuem formas especificas de tecnologias industriais proprias…se nós conseguirmos assimilar um bocado vamos fazer com certeza uma revolução no modo de produzir…SOU BRASILEIRO COM MUITO ORGULHO!!!! IRMÃOS LUSÓFONOS SIGAM-NOS….SE VOCES NÃO NOS ACOMPANHAR VÃO FICAR PARA TRÁS!!!!….O TEMOR EM QUERER SER GRANDE NÃO DEVE NOS AFLIGIR….BREVEMENTE O MUNDO RESPEITARÁ NOSSO BRASIL E NOS RECEBERÁ DE BRAÇOS ABERTOS E COM RESPEITO!!!

  55. Moro em São José dos Campos, cidade onde se localiza CTA, Embraer e Avibrás. A respeito da especulação de que o Brasil estaria projetando seu caça de quinta geração é totalmente plausível. Sei de fontes confiaveis de que um protótipo de motor a jato já esta pronto, o problema é de que não estão achando rolamentos para este motor (talvez por questões políticas fornecedores não queiram se envolver), provisoriamente colocaram rolamentos de helicópteros mas não ficou bom. O segundo protótipo já está em andamento e promete solucionar o problema dos rolamentos. Também sei por outra fonte confiável, de que outra empreza ja estaria fabricando o primeiro protótipo de uma aeronave não tripulada, mas a respeito dessa afirmação infelismente não tenho mais detalhes.
    Obs.: Estas duas empresas estão fazendo parcerias com o CTA, cada qual com seu projeto e independentes uma da outra.

  56. Thomas

    Beleza Felipão!!! Manin nosso país vai inevitavelmente ser potencia mundial, sou brasileiro com muito ORGULHO e sei que nossos cientistas são muito bons!!! Creio sim que devemos desenvolver um caça nosso, mas parcerias nunca são demais…Um exemplo de como o mundo trabalha nessa questão tecnologica podemos observar com relação a India, pois, no começo do processo de exploração de mão de obra barata por parte de industrias de softwares dos Estados Unidos( tenho muita aversão em chamá-los de Americanos, pois, tambem somos Americanos,ou melhor, Latino-Americanos)…os Indianos alcançaram niveis assustadores em questão de desenvolvimento de softwares e hoje podem ser aliados interessantes em parcerias nesse sentido, pois, tudo quanto é invento trabalha com códigos fonte e os Russos sabem que isso pode ser muito importante para o projeto PAK-FA…a China nem se fala…O Brasil possui uma experiencia relevante em avionica e, o melhor, tecnologia de ponta na area de transformação de metais (principalmente metais para aviação) e sem falar nas nossas riquezas minerais…o Brasil é estratégico para eles tanto quanto eles podem ser para nós….o fato de desenvolvermos nossa aviação á parte não deve nos impedir de buscar tecnologias novas que agreguem ainda mais nesse sentido….veja esse ano no Brasil um marco para nós foi o desenvolvimento da TV DIGITAL…com a devida contrapartida de transferencia tecnologica japonesa, sabem como??? Com o desenvolvimento em nosso país de tecnologia de SUPERCONDUTORES (chips), nós no futuro( não tenho dúvida disso) iremos aperfeiçar a criação de softwares, pois a tv digital trabalha assim em seu desenvolvimento e aperfeiçoamento constante ( Já temos duas fabricas de supercondutores no Brasil) exigencia para que fechassemos com o sistema Japonês, e melhor, com tecnicos brasileiros juntos…FÌI Brasileiro é bom cara!!! Japonês vai repassar brasileiro vai aperfeiçoar….Em resumo nada é de graça e os Russos sabem disso..vai ser bom para nós e vai ser bom para eles….Háa e sem contar com a base de Alcantara né!!!Que é o melhor lugar do mundo para lançamento de foguetes e satélites…bom para o desenvolvimento a menor custo de tecnologias AEROESPACIAL, fora a possibilidade de suprir o mundo com uma base moderna para lançamento de satélites a um custo muiiito menor…Tamo no caminho certo…levantem a cabeça BRASILEIROS!!!! Somos bons sim o mundo vai reconhecer isso cedo ou tarde!!!Aos irmão Lusos, embarquem com a gente!!!! não deixem a chance passar..A OGMA Tbém é nossa!!! Abraços!!

  57. Thomas:
    ” Amigo Lusófono Carlos, gostaria de concordar com você no que diz respeito ao desenvolvimento de um caça supersonico brasileiro(Totalmente brasileiro), porem,”
    -> A este respeito, se tal caça existir mesmo, teremos notícias dele em 2008, certamente…

    “nossa industria está ainda a desenvolver tecnologias para se inserir no competitivo mercado mundial de aviação militar, pois, na aviação civil já é referencia. A China e India irão fabricar com licença dos Russos, equipamentos tipo MIG e Sukhoi e o Brasil”
    -> E não têm nada que se envergonhar. Esses aparelhos já são construídos integralmente, com excepção dos motores, julgo. Um arranjo idêntico, feito no Brasil, seria muito adequado.

    “já foi chamado para fazer parte do PAK_FA (desenvolvimento de um caça de 5º geração) tambem com eles, veja bem, se o Brasil conseguir a oportunidade de participar ativamente desse processo pode no futuro (criativos e capacitados como são nossos tecnicos e engenheiros) desenvolver já com a base que possuimos uma otima aviação militar….claro que não devemos dar uma de coitadinhos….somos sim capazes….mas o mundo todo trabalha com parcerias, praticamente nenhum avião do mundo( com excessão talvez dos Russos) possuam tecnologias de um unico país.”
    -> Sim, a transferência de tecnologia, que só os russos parecem garantir seria determinante para o futuro… Veja-se o caso chinês: quanto conhecimento do Su-30 não está a ser aplicado no novo caça stealth chinês em desenvolvimento?

    “Basta lembrar da parceria Brasil/Alemanha para a criação das usinas nucleares de Agra I e Angra II com uma certa transferencia de tecnologia nuclear e, muito tempo depois quem possui a melhor forma de centrifugação de Urânio no mundo hoje???>>>HEHEHEHE>>>NÒIS FÌIi..entaum vamos com fé e com os pés no chão…precisamos desenvolver tecnologia tambem AEROESPACIAL os Russos estão nos ajudando em Alcantara e eles são notadamente favoraveis a proliferação de ”
    -> Neste campo, também, parece ter havido um certo “dormir na forma” sob Lula… Recentemente, parece que a área reacordou, mas perderam-se alguns anos muitos críticos e entretanto já toda a gente anda a lançar satélites (como a Coreia do Sul e o Irão (este quase))

    “suas plataformas industriais para fazer frente as já proliferadas no ocidente…eles possuem formas especificas de tecnologias industriais proprias…se nós conseguirmos assimilar um bocado vamos fazer com certeza uma revolução no modo de produzir…SOU BRASILEIRO COM MUITO ORGULHO!!!! IRMÃOS LUSÓFONOS SIGAM-NOS….SE VOCES NÃO NOS ACOMPANHAR VÃO FICAR PARA TRÁS!!!!….O TEMOR EM QUERER SER GRANDE NÃO DEVE NOS AFLIGIR….BREVEMENTE O MUNDO RESPEITARÁ NOSSO BRASIL E NOS RECEBERÁ DE BRAÇOS ABERTOS E COM RESPEITO!!!”
    -> Essa é a tendência. Mas já aconteceu antes um país não cumprir aquilo que pareceia prometer… Esse também era o sentimento dominante nos anos 60, no Brasil, dizem-me alguns brasileiros, mas depois veio a ditatura… Ou seja, para que o Brasil se afirme como verdadeira potencia mundial, tem que vencer boa parte dos seus “travões” internos, e falo das bolsas de pobreza e de iliteracia, mas tem, já, toda a energia anímica bastante para as vencer… E há sinais de que essa batalha está a ser vencida lentamente… E se fôr potencia mundial terá erguer novos paradigmas, de aceitação do Outro, de primado da ética sobre as relações internacionais, de primado do Homem sobre a Economia financeira e especulativa… E não o poderá nunca fazer sózinho, mas sempre apoiando-se nos demais esteios da lusofonia pelo mundo, cumprindo as profecias e tornando-se aquilo que já é em potencia: o Quinto Império do Padre António Vieira…

  58. Felipe:
    ” Moro em São José dos Campos, cidade onde se localiza CTA, Embraer e Avibrás. A respeito da especulação de que o Brasil estaria projetando seu caça de quinta geração é totalmente plausível. Sei de fontes confiaveis de que um protótipo de motor a jato já esta pronto, o problema é de que não estão achando rolamentos ”
    -> Mas o motor é apenas uma parte do avião… E a aviónica? E toda a demais estrutura? Não digo que seja impossível, mas o Brasil é um país aberto, não é nenhum Irão ou Coreia do Norte, os Media não saberiam e não teriamos já notícias em lugar de rumores difusos?

    “para este motor (talvez por questões políticas fornecedores não queiram se envolver), provisoriamente colocaram rolamentos de helicópteros mas não ficou bom. O segundo protótipo já está em andamento e promete solucionar o problema dos rolamentos. Também sei por outra fonte confiável, de que outra empreza ja estaria fabricando o primeiro protótipo de uma aeronave não tripulada, mas a respeito dessa afirmação infelismente não tenho mais detalhes.”
    -> O UAV é muito possível… A tecnologia existe, e até Portugal tem os seus protótipos. Veremos é sobre o motor… Os jactos comerciais da Embraer poderiam usá-los, certamente… Ou seja, mercado teriam…

    Thomas:
    ” Beleza Felipão!!! Manin nosso país vai inevitavelmente ser potencia mundial, sou brasileiro com muito ORGULHO e sei que nossos cientistas são muito bons!!! Creio sim que devemos desenvolver um caça nosso, mas parcerias nunca são demais…Um”
    -> É isso que eu acho. O mundo futuro deve ser determinado cada vez mais por parcerias e não por desenvolvimentos solitários e improdutivos…

    “exemplo de como o mundo trabalha nessa questão tecnologica podemos observar com relação a India, pois, no começo do processo de exploração de mão de obra barata por parte de industrias de softwares dos Estados Unidos( tenho muita aversão em chamá-los de Americanos, pois, tambem somos Americanos,ou melhor,”
    -> É uma questão de uso… e de hábito, penso eu…

    ” Latino-Americanos)…os Indianos alcançaram niveis assustadores em questão de desenvolvimento de softwares e hoje podem ser aliados interessantes em parcerias nesse sentido, pois, tudo quanto é invento trabalha com códigos fonte e os Russos ”
    -> É verdade. Mas a Índia continua com imensos problemas de desenvolvimento humano e no sistema educativo…

    “sabem que isso pode ser muito importante para o projeto PAK-FA…a China nem se fala…O Brasil possui uma experiencia relevante em avionica e, o melhor, tecnologia de ponta na area de transformação de metais (principalmente metais para aviação) e sem falar nas nossas riquezas minerais…o Brasil é estratégico para eles tanto quanto eles podem ser para nós….o fato de desenvolvermos nossa aviação á parte não deve nos impedir de buscar tecnologias novas que agreguem ainda mais nesse sentido….veja esse ano no Brasil um marco para nós foi o desenvolvimento da TV DIGITAL…com a devida contrapartida de transferencia tecnologica japonesa, sabem como??? Com o desenvolvimento em nosso país de tecnologia de SUPERCONDUTORES (chips), nós no futuro( não tenho dúvida disso) iremos aperfeiçar a criação de softwares, pois a tv digital trabalha assim em seu desenvolvimento e aperfeiçoamento constante ( Já temos duas fabricas de supercondutores no Brasil) exigencia para que fechassemos com o sistema Japonês, e melhor, com tecnicos brasileiros juntos…FÌI Brasileiro é bom cara!!! Japonês vai repassar brasileiro vai aperfeiçoar….Em resumo nada é de graça e os Russos sabem disso..vai ser bom para nós e vai ser bom para eles….Háa e sem contar com a base de Alcantara né!!!Que é o melhor lugar do mundo para lançamento de foguetes e satélites…bom para o desenvolvimento a menor custo de tecnologias AEROESPACIAL,”
    -> Vantagens de ser um país equatorial, Thomas!… Pobres russos que têm que gastar mais combustível, lá pelo norte, para lançar os seus Soyuz…

    “fora a possibilidade de suprir o mundo com uma base moderna para lançamento de satélites a um custo muiiito menor…Tamo no caminho certo…levantem a cabeça BRASILEIROS!!!! Somos bons sim o mundo vai reconhecer isso cedo ou tarde!!!Aos irmão Lusos, embarquem com a gente!!!! não deixem a chance passar..A OGMA Tbém é nossa!!! Abraços!!”
    -> É pois… Bem, esperamos é que seja usada… Por exemplo, integrando tecnologia do C-390, nomeadamente… Mas aí tem faltado vontade política por parte do governo português, parece…

  59. Thomas

    É pois… Bem, esperamos é que seja usada… Por exemplo, integrando tecnologia do C-390, nomeadamente… Mas aí tem faltado vontade política por parte do governo português, parece…
    >>>Quando falo que o vinculo de Portugal com as questões politicas e interesses que envolvem muito mais a U.E, muitos podem até me considerar radical….mas eu apenas sou realista….Diante disso e de muitas outras formas de desenvolvimento de projetos em que os governos de Brasil e Portugal se quer conversam é que me torno cada vez mais setico quanto uma união Lusofona…e vou mais longe…Acho que o Futuro do Brasil está em se aliar com paises da America Latina( Argentina, Chile entre outros) e potenciasFuturas,( outras já realidade) como Russia, China e India que ainda não fazem parte de um bloco economico e social e nem da Nato (OTAN)…O que poderia favorecer uma palta mais voltada para nossas realidades….Sinto muitissino em dizer mas Portugal se sujeita por intermedio de acordos as vontades do bloco a que pertence….

  60. Thomas

    obs: uma pauta….mais realista as necessidades de união estrategica em varias areas que poderia nos dar poder de barganha e respeito…

  61. Caro Clavis Prophetarum
    Terás a notícia que esperas, não em 2008, mas no fim de 2010 ou início de 2011. Todos, sem entrar em detalhes, vão mudar de opinião. Até mesmo os brasileiros que subestimam e negam o que o Brasil já possui. É puro desconhecimento da realidade. Quando a notícia vier a público, vou me mij…, digo, vou morrer de rir dessas opiniões e afirmações. É evidente que Brasil não vai fazer um avião igual ao dos russos. Vai ser muito superior. Podem responder da forma que quizerem, mas em dois anos e meio, no máximo, vão ter que engulir isso tudo. Em basileiros termos… ´Vão quebrar a cara!´ .
    Um fraterno abraço aos homens mal informados e de pouca fé, do
    Carlos

  62. Thomas

    òia o Graxaim!!!! Caramba mano fiquei curioso!! de onde tu ta tirando essas afirmações??? Os Portugas tão pesquisando sobre esse assunto e os Brasucas tbem..mas no momento os mais informados sobre essa área nos dão conta que existe uma enorme dificuldade logistica na questão de tecnologia( software ) e motores( turbinas ) Será mesmo?? Conversei sobre isso com alguns Engenheiros da UNB Universidade de Brasilia que tbem possuem alguns contatos no ITA..eles falaram que o Brasil conseguiu alguns avanços em contato com a China(Embraer)…e na OGMA…Não especificamente da OGMA…Mas é por que lá se realiza a manutenção de aviões Europeus e até Estadunidenses…(parte da OGMA é da Embraer)..onde trabalham brasileiros especialistas em avionica…. Será que nossos Brasucas conseguiram assimilar algo nisso aew?? e os Russos em Alcantara?? hehe!!!…De qualquer forma quero sorrir com voce tbem!!! Tomara que SIM…

  63. Então torcemos todos… Especialmente quanto a Alcantara, já que quanto ao SNA não sou lá grande adepto… Pelo menos desenvolvimento solitariamente… Mas as Ogma são das melhores oficinsa de manutenção do mundo (por isso mesmo a Embraer as comprou…) e de facto conhecem “por dentro” alguns dos melhores aviões do mundo… E sim… É plausivel… Mas fica a questão de saber como farão para fazer um avião Stealth e onde vão arranjar motores. Isso e o imenso rol de dinheiro que tal projecto deveria custar… Agora os rumores recentes que dão como certos (ver comentário recente) negociações entre russos e brasileiros em Brasilia sobre a sua entrada no PAK-FA e a entrega de Su-35 como aviões de transição… Isso sim, é entusiasmente e se fôr verdade… Parabéns Brasil!
    E espero que sobre alguma dessa “boa onda” cá para as lusas Ogma…

  64. Clavis Prophetarum e amigos
    Pessalmente, nunca obtive qualquer informação privilegiada sobre o assunto turbinas ou aviões supersônicos, vindas de onde eu mais gostaria de ter. Imaginem se fosse possível, com relação a esses produtos, obter informações das forças armadas, das empresas da área ou ainda das instituições científicas. Seria o paraíso para que gosta e ´curte´ esse tema.
    Mas, por motivos que aqui não interessam, nos últimos anos tenho obtido algumas informações sobre o desenvolvimento de produtos, com vistas à exportação. Essas informações invariavelmente tem-se convertido em fato, 100% da vezes. Para essas ´fontes de informação´, se a empresa X está desenvolvendo uma turbina ou se a universidade Z está mudando genéticamente um porco, nada interessa. O que importa é que a turbina seja superior às concorrentes e que o porco engorde em menos tempo, pois o que interessa é simplesmente o lucro com a exportação.
    Um abraço

  65. Caro Clavis Prophetarum
    Do texto acima:
    E sim… É plausivel… Mas fica a questão de saber como farão para fazer um avião Stealth e onde vão arranjar motores. Isso e o imenso rol de dinheiro que tal projecto deveria custar…
    Pergunta: – Se as empresas russas que não voam em ´céu de brigadeiro´, sob o ponto de vista financeiro, o fazem. Porque as basileiras não podem? Capacidade de investimento, essas empresas tem mais do que as russas.
    Do texto acima:
    Agora os rumores recentes que dão como certos (ver comentário recente) negociações entre russos e brasileiros em Brasilia sobre a sua entrada no PAK-FA e a entrega de Su-35 como aviões de transição… Isso sim, é entusiasmente e se fôr verdade… Parabéns Brasil!

    Foi publicado que a compra do ´Aero Lula´ (avião presidencial), teria causado mais que desconforto entre a Embraer e o governo federal. Rosnados foram ouvidos dos dois lados. Porém, se há uma coisa que o governo entende é o polpudo imposto gerado com as exportações da Embraer. Como recentemente aquela nossa já tão conhecida empresa russa, houve por bem iniciar uma tentativa de concorrência com a Embraer, duvido que via compra de produtos deles (entre os melhores na área militar), o Brasil venha a financiar indiretamente aos russos. Duvido! Só por escambo.
    O mesmo já não ocorre na área de foguetes, digo, qualquer tipo de concorrência. Nessa área valem risos e abraços… por enquanto.
    Um abraço

  66. Falas da MiG, presumo… Em graves dificuldades financeira e a precisar de ganhar desesperadamente ganhar o concurso indiano para a substituição dos MiG-21…

    A vantagem do Brasil é aqui… geográfica… e isso até a China tem motivado:
    http://english.cri.cn/2906/2007/11/18/65@295489.htm
    E seria uma pena se não fosse aproveitada…
    Especialmente tendo em conta a importância que o Espaço e o seu aproveitamento económico têm para o futuro da espécie humana…

    E sobre o Aero Lula… Há quem esteja muito danado com o dito…

  67. Thomas

    Amigo Graxaim, eu discordo do que voce disse quanto a uma concorrencia que seria gerada contra a Embraer se fosse fechado um acordo na area de aviação com os Russos….veja bem, a China é um exemplo disso, o mundo todo ta desenvolvendo aviões de 5º geração em parcerias para o futuro, fala-se de inovações e lançamentos, alguns previstos para 2018, o mercado mundial hoje trabalha com uma questão economica e neo-liberal de vantagens comparativas, ou seja, paises fazem acordos estrategicos e cada um entra com aquilo que faz de melhor…o que será desenvolvido depende da competencia de cada um…Eu não duvido que o Brasil possa fazer um bom avião…o tempo..não sei dizer…o que posso afirmar que a Embraer apesar de ser uma empresa que detem investimentos privados em sua composição de capital, continua a ser uma empresa Estatal, ou seja, pertence ao governo brasileiro e o fato de possuir ações nas bolsas de valores do mundo facilitaria uma possivel compra de ações da embraer pelos Russos nessa parceria…e se o governo intervir com seu controle acionario em uma visão de futuro e tambem de retornos de inpostos isso pode sim se viabilizar (Porem creio que transferencia tecnologica seja o que o Brasil busca)….voltando a China>> Ela continua a desenvolver aviões com tecnologia propria e tambem trabalha desenvolvendo aviação com os Russos em uma troca de vantagens comparativas na area economica e militar fazendo um incremento tecnologico e diminuindo custos…Os Russos aceitam envolver a Embraer na parceria e se o governo quiser (acionista majoritario) e for interessante para a empresa, para o Brasil e para os Russos eu acredito sim que isso possa acontecer…Vale ressaltar que os Russos aceitam envolver a Avibras e a Embraer nessa parceria de montagem no Brasil…havendo trocas tecnologicas e o tão propagado retorno financeiro que nosso amigo Graxaim ressalta…

  68. Caros Clavis Prophetarum e Thomas
    Por mais que não queiramos, prevalecem sobre o aspecto técnico, a política e a os interesses financeiros, tanto particulares quanto nacionais. Claro que me refiro a atual realidade brasileira. Hoje, é inegável que toda a ´elite´ técnico-científica e financeira brasileiras, vivem momentos de autêntico esforço de guerra. Estamos passando da teoria para a prática, quase como se nossa soberania estivesse correndo muito mais riscos do que realmente (ou normalmente) está. Mas nada disso, ou muito pouco, se volta à defesa nacional, como alvo prioritário. Parece que, certo ou errado, o Brasil está cada vez mais se transformando num imenso mercado mundial. Basta um olhar superficial para que se constate essa realidade. Tudo o que estamos fazendo ou produzindo (sem ´patriotadas´ dá para dizer que cada vez mais e melhor) possui um único objetivo: o lucro.
    Mas ´saindo do atacado e passando para o varejo´, não sem antes considerar, que o ´capital´ brasileiro, não nutre os melhores sentimentos pelos russos, principalmente em nível de confiança. Quero dizer que pessoalmente (também, longe de ´morrer de amores´ por eles), não tenho a menor dúvida que a Rússia tem o que de melhor necessitamos, neste momento, para a defesa aérea. Mais do que isso, se milagrosamente surgir uma união dos dois países, visando a construção de aviões militares, não tenho a menor dúvida que o resultado será fantástico. Uniria mais do que tecnologias muito avançadas, mas preparação e treinamento de engenheiros e técnicos, confiabilidade de manutenção, e também a capacidade de vender dos brasileiros. Todos sabemos que os russos tem um bom produto, mas não são o que se chamaria de ´primor de vendedores´.
    Sem entrar na escabrosa área da psicologia, quero dizer que se percebe um antagonismo com a Rússia, no ´´inconsciente coletivo brasileiro´´. Parece que o Brasil atual quer e busca a qualquer preço, disputar qualquer coisa com a Rússia. Posso estar ´redondamente´ enganado… mas os fatos…
    Sem ´invocar a infalibilidade papal´ penso que seja esta a realidade. O que de certa forma, impossibilita (mesmo que pudessemos obter os melhores resultados) esse ´casamente´ tecnológico com a Rússia, na área de jatos de quinta geração ou algo ainda maior.
    Um fraterno abraço

  69. Thomas

    Graxaim…sinceramente não consegui compreender onde quer chegar…ao dizer que o Brasil quer disputar algo com a Russia?? Como assim??…Minha pergunta vem em um momento em que o Brasil passou a ser um dos maiores exportadores de carne e frango para esse país, alem do aumento do comercio, da cooperação tecnologica e da balança comercial…e mais…quando da explosão do VLS em Alcântara o Brasil chamou tecnicos Russos para realizar a pericia…e mais..Russos e Ucranianos trabalham com brasileiros no desenvolvimento de uma nova serie de lançadores baseados no sistema Soyuz na base de Alcantara e mais…A explosão do VLS foi favorecida graças a um sistema de combustivel utilizado pelo Brasil que era baseado em combustiveis sólidos(altamente explosivos) E agora com ajuda dos Russos Já produzimos por lá combustiveis liquidos:
    http://www.jornaldaciencia.org.br/Detalhe.jsp?id=257
    http://www.delbra.ec.europa.eu/pt/whatsnew/mediabr_body.asp?ID_MN=256
    http://www.delbra.ec.europa.eu/pt/whatsnew/mediabr_body.asp?ID_MN=256
    http://www.lustosa.net/noticias/59263.php
    http://www.lustosa.net/noticias/16367.php
    As parcerias fortalecem muito mais Brasil Russia e Ucrania juntos do que separados….veja bem…A Uniao Europeia já ta fortalecida inclusive com paises do Leste Europeu( antigos aliados Russos) fazendo parte da Nato (Otan) alguns deles… e mais, a U.E possui mais afinidade com o E.U.A, que faz parte tbem da Nato…Restam numa junção futura países em ascensão como India,China, Russia (pós perestroica), Brasil…entre outros que são potenciais
    em questões estrategicas de equilibrio de poder…Tanto que o Brasil e a India buscam assentos permanentes na ONU e China e Russia apoiam….alem disso busca-se estabelecer no mundo outros parametros de localização espacial alem do GPS (E.U.A), com o Galileo da U.E, e um que é utilizado na Russia China, Ucrania..entre outros..que poderiam concorrer com o GPS…(quebrando uma parte do repasse mundial pelo uso dessa tecnologia). Sendo assim apesar de sermos tentado a olhar só para a questão de mercado, o mundo caminha na busca por equilibrio de poderes basta observar como os E.U.A passaram por cima das resoluções da ONU no Iraque..e de como muitos paises no mundo ficaram apreensivos com aquela decisão…Observe como Putin ta se movimentando de novo na questão do equilibrio de poderes…e a China com relação a Taiwan( Que é apoiada pelo E.U.A)
    Enfim, os Norte Americanos são soberbos não querem o surgimento de novas potencias- pior ainda se for nas Americas- e para uma consolidação de equilibrio de poderes e vantagens comparativas o Brasil e a Russia juntos agregariam muito mais nisso do que separados…É importante para o mundo o surgimento de outras vertentes decisórias…e para conseguir isso o Brasil sofreu, sofre e sempre sofrerá com as dificuldades que os E.U.A impuseram e sempre impõem contra isso….

  70. Olá Pessoal, o desenvolvimento do caça de quinta geração brasileiro não é lenda não, alguns amigos meus da UNIcamp que tem ligação com pessoas do CTA me afirmaram isso a um tempo atras quando se especulavam sobre o novo FX, mas eu não acreditei muito..rsss

    O CTA desenvolveu a um tempo atrás um composto de fibra de carbono que hoje é de longe a melhor existente no mundo, é mais leve e forte que um comum. Existe o Titânio Brasileiro (CTA) que também tem caracteristicas superiores aos comuns e o Brasil tem a maior jazida desse minério no mundo. Sobre o motor a jato, é verdade, tanto que já foi publicado em revistas e sites de tecnologia, o CTA teria desenvolvido um motor de propusão a jato “eficiente”, e tem outro motor que eles fizeram que era para lançadores de satélite e era bem menor (vi fotos). Quanto a aviônica, lembre-se que hoje temos a AEL e Mectron, duas grandes empresas de eletronica para aviação no Brasil, tanto que a AEL moderniza controles de aviões da FAB e Mectron desenvolve sistemas de satélites e outras maravilhas genuinamente brasileiras.

    Quanto aos amigos portugueses, eu adoro a cultura de vocês, o país de vocês é um dos mais belos e temos muito em comum. Espero mais interação por parte de nossos governos para assim desenvolvermos em conjunto varios projetos, só temos a ganhar!!!

    saudações!!

  71. Bruno BR

    Brasil está desenvolvendo um caça de quinta geração??? Meu Deus, será que isso é verdade??? Seria a melhor noticia do mundo, mas pesquisei na net e não achei falando nada, só achei sobre as tecnologias do CTA como o carbono (melhor do mundo), titânio, uma tinta especial que diminui a assinatura e um motor de propulsão a jato que foi publicado em uns sites.

    alguém confirma essa noticia maravilhosa???

    Quanto ao PAK-FA, alguém tem noticias???

  72. Bruno:
    ” Olá Pessoal, o desenvolvimento do caça de quinta geração brasileiro não é lenda não, alguns amigos meus da UNIcamp que tem ligação com pessoas do CTA me afirmaram isso a um tempo atras quando se especulavam sobre o novo FX, mas eu não acreditei muito..rsss”
    -> Mas porque essas notícias e rumores ainda não deram eco nos media convencionais?

    ” O CTA desenvolveu a um tempo atrás um composto de fibra de carbono que hoje é de longe a melhor existente no mundo, é mais leve e forte que um comum. Existe o Titânio Brasileiro (CTA) que também tem caracteristicas superiores aos comuns e o Brasil tem a maior jazida desse minério no mundo. Sobre o motor a jato, é verdade, tanto que já foi publicado em revistas e sites de tecnologia, o CTA teria desenvolvido um motor de propusão a jato “eficiente”, e tem outro motor que eles fizeram que era para lançadores de satélite e era bem menor (vi fotos). Quanto a aviônica, lembre-se que hoje temos a AEL e Mectron, duas grandes empresas de eletronica para aviação no Brasil, tanto que a AEL moderniza controles de aviões da FAB e Mectron desenvolve sistemas de satélites e outras maravilhas genuinamente brasileiras.”
    -> Ok… Isso é parte da “massa crítica” necessária… Mas ter algumas partes não implica que se tenha o todo… Especialmente não havendo vontade política para o ter. Essa é que é a questão… Há? Parece haver para construir um submarino nuclear (caramba não deve ser mais difícil construir de raíz um caça de 5ª…). Haverá também para este caça?

    ” Quanto aos amigos portugueses, eu adoro a cultura de vocês, o país de vocês é um dos mais belos e temos muito em comum. Espero mais interação por parte de nossos governos para assim desenvolvermos em conjunto varios projetos, só temos a ganhar!!!”
    -> Essa é uma das “lutas” deste espaço… Aproximar aquilo que a geografia e a História separaram e procurar estabelecer as bases e alicerces para uma maior aproximação futura que estabeleça as bases para criar uma superpotencia lusófona, multicontinental, pluracial e completamente diversa das anteriores na atitude e na forma de estar no mundo.

  73. Caro Thomas

    Thomas (21:01:42) :
    Amigo Graxaim, eu discordo do que voce disse quanto a uma concorrencia que seria gerada contra a Embraer se fosse fechado um acordo na area de aviação com os Russos….veja bem, a China é um

    Considere por favor:
    a) A China não é a terceira fabricante de aviões do mundo.
    b) A concorrência a que me referí, não é na área de aviões militares mas de transporte de passageiros.
    c) É de conhecimento público, que a Rússia vai tentar concorrer com a Embraer, nessa faixa de mercado (aviões de transporte de passageiros). Tanto isso é verdade, que já lançou, com grande estardalhaço, um dos modelos…
    d) Podes verificar na maioria dos sites que tratam do projeto FX-2, que esse assunto (indireto financiamento da aviação comercial russa, por parte do Brasil) é citado como fator impeditivo da compra.
    Um abraço, amigo

  74. Caro Clavis Prophetarum
    ´´Assuntos pendentes:“ (e passados…)
    …do teu comentário…
    listas internacionais, aliás) e o facto de deter tanto know-how (mas ameaçado por uma crescente “fuga de cérebros”) em tantas áreas, desde o nuclear, à

    Faz já bastante tempo que mantemos nossos ´´cérebros´´ aqui mesmo. Mais do que isso, estamos repatriando e até mesmo importando. Por ex,: uma universidade de São Paulo, neste momento, esta abrindo vaga para doutores (brasileiros) do mais alto nível, que hoje prestam serviços atualmente em universidades do exterior. Uma boa fonte para confirmar minhas afirmações é o site (sítio) da FAB. Ali, diariamente se reproduzem notícias referentes ao tema, publicadas em jornais do país.

    Mais uma…
    O Brasil, a sua FAB dificilmente será capaz de, sózinha, sustentar essa indústria de defesa. É aqui que as parcerias internacionais são essenciais… E é aqui que
    Amigo, é impensável para qualquer um ´versado´ nessa área, imaginar brasileiros desenvolvendo produtos exclusivamente para consumo interno… o Brasil é mercantil! Nós fazemos para vender para o mundo. Sem entender isso, fica muito difícil entender o resto… Por ex., muitos países tem condições de fabricar aviões de treinamento, mas è facilmente constatável o sucesso do Tucano sobre os concorrentes… (Dinheiro em caixa.)

    Mais comentários teus…
    Sem dúvida. Hic. E por isso mesmo não aparece aqui na lista…
    Poderá é ser do interesse estratégico do Brasil participar (junto da Índia p.ex.) no desenvolvimento desse aparelho, antevendo a sua necessidade futura e o mercado sulamericano… Mas para o FX-2, não. Hic. Concordo em absoluto. Hic.

    Convenhamos, se a Rússia não se enquadra no roll dos países novos, a China e a Índia são velhas decrépitas. Imagine-se o Brasil (no máximo da adrenalina), dividindo com a India ou com a China a fabricação de um produto Russo. Penso ser muuuuuuito difícil. Acho que realmente o Brasil vai ´sozinho´ nessa empreitada.

    Comentário
    O crescimento do Brasil é inexorável, não tem mais retorno, não haverá mais volta. Porém, nada impossibilita a união lusófona, muito pelo contrário. Mas é necessário que tenhamos o real valor com que cada grupo ou estado fará parte do todo. A língua nos une, por definição, o resto são detalhes. Chegaremos lá, espero… O Brasil continental americano está perfeitamente resolvido, tanto política quanto territorialmente. Vamos ver como somaremos o ´todo lusófono´. Só não vale torcer contra ou negar evidências. Ao contrário, tomemos as atitudes que de nós esperariam Agostinho e tantos outros… Dizem que Deus escreve certo por línhas tortas.
    Um fraterno abraço

  75. Sem dúvida que estancar a fuga de cérebros é o primeiro e mais fundamental para garantir o desenvolvimento de um país. Portugal sofre muito com esse problema e os PALOPs que nos enviam os seus bolseiros (que cá ficam) ainda mais…
    Como assim? Achas mesmo que o Brasil está a desenvolver sózinho um caça de 4.5 geração? Mas também queriam vender 800 e tal AMXs… e só exportando 4 ou 5… Ou seja, cuidado a desenvolver um aparelho pensando rentabilizá-lo na exportação… veja-se o AMX e agora, o rafale… O ideal mesmo é seguir o modelo eurofighter, que garante entregas e produção logo no começo. Daí a minha força pela parceria com a Índia e Rússia no PAK-FA.
    O crescimento no Brasil está solidificado, mas ainda demasiado dependente das exportações e muito pouco do consumo interno. Se houver a tal esperada recessão nos EUA (1/3 da economia mundial), todas as exportações de toda a gente irão cair… Urge aumentar os padrões de consumo do cidadão médio brasileiro, e isso só se faz aumentando o salário médio ou baixando o juro bancário… Ambas as coisas que só se podem fazer lentamente e com grande contenção (no 2º caso). Ou seja, está a crescer, sim e solidamente, mas cuidado com a tempestade que se avizinha (os bancos centrais dos EUA, Japão, UE e Suiça) estão a injectar biliões nos mercados para manter a liquidez e travar esta iminente recessão mundial).

  76. Caro Clavis Prophetarum
    do teu texto

    Como assim? Achas mesmo que o Brasil está a desenvolver sózinho um caça de 4.5 geração?

    ->Eu não seria irresponsável de afirmar isso com base em rumores. Nem por isso deixo de achar temerário, negar esses rumores, sem considerar as condições gerais, o estágio técnico-científico e a estrutura existente que posicionam o Brasil como o terceiro maior fabricante de aviões.
    – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – –
    Mas também queriam vender 800 e tal AMXs… e só exportando 4 ou 5… Ou seja, cuidado a desenvolver um aparelho pensando rentabilizá-lo na exportação… veja-se o AMX e agora, o rafale…

    ->É verdade, inclusive a própria FAB reduziu o número de AMX que pretendia adquirir. Mas, sem entrar em detalhes sobre o aspecto operacional desse (excelente) avião de ataque e eventuais problemas negociais da época, vamos considerar o seguinte:
    Reinventar a roda é perda de tempo (ou burrice). A fabricação do AMX, trouxe algumas respostas que faltavam visando a fabricação dos produtos que realmente interessavam: Aviões de transporte de passageiros. A venda de 800 AMX renderia lucros muito inferiores aos já auferidos. Os dados referentes estão expostos no site da Embraer e tantos outros. O AMX portanto, tinha uma ´função´ específica e a cumpriu maravilhosamente. Lucro ´is the name of the game.`
    – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – –
    O ideal mesmo é seguir o modelo eurofighter, que garante entregas e produção logo no começo. Daí a minha força pela parceria com a Índia e Rússia no PAK-FA.

    -> Penso que não vai acontecer. Existe uma realidade que mais ou menos desconhecemos… ´espero´ o inesperado… O Brasil já ultrapassou a fronteira da dependência nessa área. Até setembro de 2008 teremos muitas respostas. E surpresas…
    – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – –
    O crescimento no Brasil está solidificado, mas ainda demasiado dependente das exportações e muito pouco do consumo interno. Se houver a tal esperada recessão nos EUA (1/3 da economia mundial), todas as exportações de toda a gente irão cair… Urge aumentar os padrões de consumo do cidadão médio brasileiro, e isso só se faz aumentando o salário médio ou baixando o juro bancário… Ambas as coisas que só se podem fazer lentamente e com grande contenção (no 2º caso). Ou seja, está a crescer, sim e solidamente, mas cuidado com a tempestade que se avizinha (os bancos centrais dos EUA, Japão, UE e Suiça) estão a injectar biliões nos mercados para manter a liquidez e travar esta iminente recessão mundial).
    -> Estranho pessimismo o teu, meu caro. O teu pessimismo se manifesta em todo o esplendor de sua grandeza quando falamos do lusófono Brasil, mas desaparece totalmente quando falamos da Rússia. Teus comentários tem sido explícitos, claros, insofismáveis. Sem nenhuma dúvida, tens te posto pró Rússia e anti-Brasil. Porque? Não sei! Mas isso dói, amigo. Deves convir que o teu imenso amor pela Rússia, explícito em ´verso e trova´ torna difícil o entendimento do que seja tua idéia de união lusófona.
    Sabe, a gota d´água… Pois é…
    Um abraço fraterno

  77. Bruno BR

    Pessoal, creio que o PAK-FA não será mais útil para o Brasil, recentemente, publicaram no site (sítio) da revista ASAS que a FAB vai adquirir mesmo os Rafales com transferencia de tecnologia junto a EMBRAER e AVIBRÁS e que o FX-2 não seria mais usado, a compra dos aviões seriam direta, sem licitação, e a versão do Rafale será a “definitiva” multifuncional (F3) que entra em operação já em 2009.

    As provaveis armas usadas serão de fabricação nacional (AVIBRÁS), por exemplo, os sofisticados misseis MAA-1B, A-Darter, MAR-1, MICA e METEOR. São ótimos misseis da nova geração, sendo o MAR-1 e METEOR os mais caros e sofisticados de todos!!!

  78. Thomas

    Ola pessoal do site…Boas Festas a todos!!!…Amigo Graxaim…Sobre a questão da possivel crise financeira levantada pelo Clavis Prophetarum em todo mundo, não se trata-pelo menos entendo eu-de torcer contra, apenas devemos levar em conta todos os possiveis cenarios mundiais….A questão Russa é muito peculiar, pois eles são grandes produtores de petróleo e sairam de uma crise e moratoria internacional por conta da grande valorização do petroleo no cenario mundial…e passaram a deter volumosas somas em reservas cambiais em dolares e Euros por conta disso, tanto que estão se fortalecendo cada vez mais e são menos suscetiveis a problemas gerados por conta de crises financeiras, haja vista grande dependencia mundial de combustiveis fósseis….

    Veja bem, mudando de assunto e trazendo a questão da aviação mundial….Não devemos esquecer como o cenário mundial se comporta, pois, a Embraer fechou uma joint venture com a China para fabricar seus aviões por lá( sem esquecer das proximidades e facilidades que a Russia poderia obter nesse segmento,pois é parceira Chinesa de longa data)….muitos paises hoje possuidores de longa tradição em aviação como é o caso da Eurofigther (helicopteros militares) trabalham com parcerias no mundo todo, por isso vejo inconcistencia em seus argumentos,pois, os proprios Russos se propuseram abrir seu proprio mercado para a embraer em acordos estrategicos..vale lembrar que com a China já tá sacramentado….O mundo é muito dinamico e a questão militar da forma como se constroi um cenario mundial multipolar entre EUROPA E ESTADOS UNIDOS, que pertencem majoritariamente a OTAN e RUSSIA e CHINA que fazem parte do conselho permanente da ONU e que foram praticamente atropelados pelo ESTADOS UNIDOS em questões sobre o Iraque, por exemplo, constroem uma busca por alianças estrategicas que ultrapassem as meras questões comerciais….Temos vários exemplos de como se comporta os Estados Unidos em questões que envolvem outros paises das Americas, basta lembrar a guerra das Malvinas, quem eles apoiaram incondicionalmente…
    O Brasil em sua politica internacional busca ansiosamente uma cadeira permanente no conselho da ONU o que nunca foi apoiada pelos Estados Unidos e Europa…porem eles são obrigados a engolir a Russia e a China pela potencia militares que são e, numa disputa por alianças estrategicas que equilibrem as disputas de poderes no mundo com alianças entre Brasil e Russia poderiam ser uma realidade sim…O Brasil não quer uma cadeira permanente na ONU para se fortalecer no comercio mundial, mas para se firmar como nação de importancia mundial e com voz ativa que lhe poderia render frutos em outros segmentos inclusive o econômico….vale lembrar a todos que isso seria de extrema importancia haja vista o olho grande de muitas potencias mundias sobre a nossa Amazonia….e construções de alianças e interesses comuns num mundo imenso como o nosso seria vital para o Brasil e para as intenções de grandeza que temos….
    ……ABRAÇO A TODOS…

  79. Thomas

    Projeto Russo do sistema de navegação compativel com o GPS, chamado GLONASS será iniciado no proximo ano..esse projeto é uma das armas Russas para tentar diminuir o impeto do Estados Unidos de implantar um sistema de ataque e defesa utilizando o espaço como base…Afim de diminuir custos e num esforço para tentar acompanhar os investmentos Norte Americanos de cerca de 20 bilhoes de dolares/ano, a Russia procura aliados para tentar deter e até mesmo equilibrar as forças militares no mundo, e o Brasil com sua base de alcantara seria um otimo aliado, tanto que é vital para os Russos aumentarem suas parcerias na área de aviação e aero-espacial para manterem o equilibrio das forças no mundo….A China já está em projetos de satélites com o Brasil e a Russia já mantem projetos conjuntos com a China, e ressaltam o interesse em aliança estrategica com o ocidente, sendo o rico e potencial Brasil bem vindo nesse esforço, pelo seu potencial metalurgico,industrial e de recursos naturais, entre outros….( Fortalecer o Brasil nas barbas dos Estados Unidos é uma das intenções de China e Russsia para aumentar a capacidade de barganha das forças mundiais ) fora do eixo Estados Unidos/Europa que são já aliados na NATO/OTAN em sua maioria…
    http://rizzolot.wordpress.com/2007/10/27/parceria-aeroespacial-brasil-e-china-deixa-eua-em-panico/
    http://www.jornaldaciencia.org.br/Detalhe.jsp?id=22280 – 17k
    Por isso que eu digo que a parceria Brasil/Russia e China tem muito mais que simples interesse mercadologico é uma busca mundial por aliados e pelo equilibrio dos poderes mundiais contra um intransigente e unilateral EUA….adequação de poderes em um mundo globalizado em que a América Latina sempre foi relegada a 2º plano pelas potencias mundiais…

  80. Thomas

    http://www.brasil-russia.com.br/entrevistaIgor.htm
    nesse link o acordo Russia/Brasil pode ser observado desde 2004…(forte interesse dos Russos em tecnologia de mineração e metalurgia brasileira e acordos industriais)

  81. Thomas

    http://www.brasil-russia.com.br/entrevistaIgor.htm
    nesse link o acordo Russia/Brasil pode ser observado desde 2004…(forte interesse dos Russos em tecnologia de mineração e metalurgia brasileira e acordos industriais)

    www1.folha.uol.com.br/folha/ciencia/ult306u358091.shtml – 27k –

    http://www.natalpress.com/index.php?Fa=mat.inf&EDI_ID=3&MAT_ID=9000 – 26k –

    E os Estados Unidos querem utilizar o espaço como base para ataques e contra-ataques no espaço….Putin colocou as barbas de molho…e a china avança em investmento aero-espacial

  82. Juliano Lima

    VANT’s made in Brazil

    A empresa Flight Solutions anunciou esta semana que ganhou a licitação do CTEx – Centro Tecnológico do Exército – para o desenvolvimento e fornecimento de VANTs – Veículos Aéreos Não-Tripulados. A partir dos próximos meses, eles atenderão o CTEx – localizado no Rio de Janeiro, com quem trabalharão lado a lado. O contrato, a ser assinado entre fevereiro e março de 2008, com previsão de 12 meses, envolve o desenvolvimento e fornecimento de um sistema composto por três VANTs. Será feita a integração de uma plataforma aérea, um sistema de controle e de uma estação de solo. Na primeira fase serão realizadas as revisões nas especificações técnicas do projeto básico. Na segunda, haverá o desenvolvimento das soluções, e na terceira a fabricação e entrega do sistema. Todas as fases terão lugar em São José dos Campos. Para atender essa nova demanda, a Flight Solutions adequará sua estrutura, dobrando a equipe, que passará de 10 para 20 profissionais. O contrato também terá grande importância nacional, pois pode levar o Brasil a uma posição de destaque na aplicação da tecnologia de VANTs na América Latina. Hoje, países como Argentina e o México já possuem iniciativas avançadas para o uso destas tecnologias em aplicações não só militares, mas também civis. Atualmente, o mercado de VANTs é um dos mais dinâmicos da indústria aeroespacial e tem apresentado recordes de crescimento. Na última década, este mercado triplicou, impulsionado principalmente por contratos nos Estados Unidos e em Israel, movimentando cerca de US$3 bilhões anualmente. A América Latina juntamente com Oriente Médio e África correspondem a 3% deste total e concentram o principal foco da Flight Solutions para abertura de seus mercados.

  83. Fred

    Informaram se utilizarão o bom e velho dirigivel? ou será um vetor mais radical?

  84. Fred:
    Brinca, brinca, mas olha que o velhote ainda pode ser muito útil como transportador pesado ou em missões de vigilância semi-estática!
    http://www.fas.org/man/crs/RS21886.pdf

  85. gerson

    acho que o brasil deve se aproximar dos eua…. e ficar com o f-35 o melhor mesmo armado por israel, frança e africa do sul.

  86. O F-35 parece muito francamente uma “versão lite” do F-22… E nem particularmente bem conseguida, e nem particularmente barata… E haveria transferência de tecnologia (facto sempre importante nestas questões?). Por isso voto Rafale (havendo-a e havendo montagem local dos aparelhos) e… quase voto Su-35 (pela sua excelência e pela transferência de know-how e de montagem).

  87. Thomas

    Bem, quanto a questão dos f-35, nem a AUSTRALIA, aliada incondicional dos EUA, querem…e os f-22 eles não vendem á ninguem a não ser para a própria USAF, força aérea deles…..desse quadro os senhores podem tirar conclusões…sem falar que os EUA, não trabalham com parcerias em projetos de grandesa tecnológica( eles preferem atrair mentes do mundo todo para as suas industrias privadas de guerra)….e se precisar da um tirozinho que seja devem pedir as armas para o congresso Norte-Americano….o Chile que os digam

  88. Thomas

    ….e se precisar da um tirozinho que seja devem pedir as armas para o congresso Norte-Americano….o Chile que os digam>>>>digo>> pedir os misseis, pois, no caso do chile que comprou caças Norte-Americanos…até hoje não receberam

  89. Ricardo Teixeira

    A Fab nem o Brasil vai entrar em gerra imediatamente e nem há previzao disso ocorrer, comprar um caça hoje so para não perder a superioridade aerea para outros paizes da america latina e besteira não devemos comprar caças nos proximos 6 anos pois nenhum caça atual tem tecnologia moderna com ecessao do f-22, todos os demais tem os mesmos sistemas dos anos 80-90

    Pode ser sim cogitado a participaçao nesses 6 anos em algum progeto para um novo caça, seja com os Russos, indianos ou japoneses.

    os f-5br são de 4 geraçao e todos os caças envolvidos nessa compra com ecessao dos f-22 tambem, seria so jogar dinheiro no lixo.

    alem disso todos apresentam problemas gripen voa pouco, rafale bem abaixo do esperado (perde em combate aqui no brasil pros mirrage 2000), mew isso foi vergonhoso. Os eurofither esta tão dividido, que cada paíz quer que o seu caça seja de um prototiplo diferente oque encarece o preço final desnecessariamente, os su-35 meu deus como comprar um caça que não e uzado em nenhum paíz do mundo, nem na propria Russia??

    É hora de pensar e esperar temos 55 f-5m com mais 15 anos de funcionamento, 53 amx com mais 20 anos de vida 12 mirrage 2000 que se modernizados teram mais 15 anos tambem, num total de 120 aeronaves.
    podemos aguardar mais 6 anos escolher o ganhador que esteja envolvido em uma aliança com alguma empresa brasileira basorver toda tecnologia os produzir no brasil em uma escala de 140 unidades em 10 anos começando 1 anos depois do acordo firmado, daria tempo de eles entrarem em funcionamento antes dos caças brasileiros serem aposentados.

  90. Thomas

    Bem Ricardo Teixeira, acho que vc nem sabe do que está falando…Nas Ultimas exposições e feiras de demonstrações os melhores caças reconhecidos pelo mundo todo foram os SU-35 e (família) Russos….E quanto à vc dizer que não são nem usados pelos países (fala sério) è um dos caças de superioridade mais usados no Oriente Médio e no mundo, pois, é o avião que possui maior autonomia de vôo e de armas e sem contar com sua furtividade…Acho que vc é novo aqui nesse site…dá uma lida aew pra cima e se atualise em nossa discução amigo, e pesquise para não ficar falando besteira….e outra, guerras e crises mundiais são imprevísiveis, um país como o Brasil deve sim pensar em se armar para qualquer eventualidade, principalmente por que um reaparelhamento não se faz da noite pro dia….

  91. Fred

    Senhores, vamos aos fatos….

    A lista diminuiu, como todos esperavam, para o Rafale e o SU-35 ( e de quebra + um sub! será?)

    http://www.defesanet.com.br/md1/pac_10.htm

  92. “a Rússia, a partir de 1º de fevereiro, o grupo cumpre programação mais restrita, em bases e estaleiros navais. Jobim deve assistir à exibição do caça Su-35, com o qual a Sukhoi pretende disputar a FX-2”
    -> Depois de o ver em acção, como não o comprar?:

    E sim… Começo a não defender a tese Rafale…

    E Portugal esteve quase a optar pelos franco-espanhóis Scorpene:
    http://findarticles.com/p/articles/mi_qa3738/is_200304/ai_n9225130

  93. cravo

    -> Depois de o ver em acção, como não o comprar?:

    Este video não é de um Su-35, é de um Su-30MKI. Os Su-35 que voam actualmente (versão antiga que saiu de produção) não têm TVC e não são capazes dessas acrobacias. O novo Su-35BM tem TVC mas não tem canards e não há nenhum video dele porque o primeiro protótipo provavelmente ainda não voou. E se é o novo Su-35 que está a ser oferecido pela Rússia, esse tal de Jobim bem pode esperar sentado por uma demonstração, ou então contentar-se com uma demonstração de algo que não é o que lhe pretendem vender.

  94. obrigado!
    erro do video, e da minha ignorância (e da eternamente frustada de tentar saber um pouco de tudo, claro…)

  95. Thomas

    É Cravo, aew que você se engana, o sistema TVC é um dos diferenciais que a Russia pode oferecer ao Brasil para vencer a concorrencia contra os Rafale…. e para apasiguar os ânimos de uma antiga parceria estratégica com a França, o Brasil deverá diversificar suas parcerias fechando negócios com submarinos nucleares Franceses e, segundo os interesses da FAB e do seu núcleo tecnológico entre eles o respeitável ITA ( que inclusive já mandou cientistas à NASA) fechar um pacote de transferencia e construção dos SUKHOI e sua família de caças Russos no Brasil ( achar que os Engenheiros e cientistas Brasileiros não possuem conhecimento do que há de melhor no mercado, é submestimar a inteligencia alheia)….e se esse produto tá sendo demonstrado em exposições e feiras internacionais de armas é porque os querem vender assim ou então não o demonstrariam como fazem os EUA com seus famigerados caças F-22…

  96. Ricardo Teixeira

    O ministro da defesa foi a França e nesta sexta feira e chegara a russia hoje segunda feira, Pelos que os analistas apontaram foi resolver 2 problemas.

    Caça muti emprego

    Submarino convencional, e transferencia de tecnologia para o nuclear.

    Pelo que se pode observar na frança as espectativas de que o barsil compraria Ilk-214 estão se acabando, e a diputa se estreitou entre russia e frança,
    podendo haver um mega pacote de 3,6 bilhoes de dolares para compra de caças e submarinos para se realizar ainda no ano de 2008.

    os 30 su-30mk indianos foram avaliados em 1.8 bilhoes. a contruçao de 1 sub esta avaliada em 1 bilhao.

  97. Ricardo Teixeira

    (valores meramente para comparaçao) ^^

  98. Fred

    Porém a india não aceitou o sub por problemas técnicos……..

    http://blog.naval.com.br/2008/01/17/india-recusa-submarinos-modernizados-pela-russia/

    Gato por lebre? Pode até ser ruim, mas é barato!!!!

  99. as relações russo-indianas estão numa fase meio baixa… há estes problemas a que este link alude e também há o lançamento de um satelite espião israelita por um foguetão indiano, o que parece.me que vai preceder uma fase de uma série de contactos frutuosos entre Israel e a ìndia… um ansioso por exportar a excelente tecnologia que tem, o outro ansioso por diversificar fornecedores e recuperar o gap tecnologico que o separa do Ocidente… E unidos ambos pelo antagonismo frente ao extremismo muçulmano…

  100. cravo

    Thomas, eu não dei uma opinião nem pretendo lançar palpites em relação a um possível negócio entre quem quer que seja. Para ser sincero, e sem querer ofender, o que se passa no Brasil ou qualquer país sul-americano em termos militares não me interessa absolutamente nada. Eu apenas me limitei aos factos. Se ler o meu comentário com atenção verá que não é uma opinião, é uma constatação de factos ainda que no final haja um “se” e apresente as duas alternativas possíveis em relação a um facto que não está clarificado.

  101. Thomas

    Cravo >>>entre neste link e saiba melhor do que se trata o sistema TVC
    ://sistemadearmas.sites.uol.com.br/fx/fx08cres2.html

    ..E continuando…O sistema Tvc possui bocais de escape vetorados têm vida útil de 500 horas e não é qualquer país que possui capacidade aviônica para fazer manutenção nesse tipo de equipamento….HÁA o Brasil possui parque Industrial e capacidade tecnologica para realizar tal manutenção viu!!! E outra esse tipo de bocal vetorado não equipa somente os caças SU-30mki não, o sr. está enganado, pois, esse sistema pode ser acoplado em qlquer avião da classe Flanker como um sistema de opcionais(leia o site abaixo)
    ://br.groups.yahoo.com/group/sistemasarmas/message/75113

    Quanto ao sistema de canards a sua fonte também está equivocada, pois, esse sistema não é opcional, ele veio para corrigir um problema de estabilidade dos mais novos caças (inclusive os que estão a ser oferecidos para serem fabricados no Brasil) que são os SU-35BM (problemas com o centro de gravidade) devido alterações na fuselagem desse modelo…

    Quanto ao senhor não ter nenhum interesse na America Latina e principalmente no Brasil…eu acho estranho o Sr. comentar em um site que trata da Lusofonia e querendo, ou não, o Brasil é o maior e mais importante país de lingua Portuguesa e também é um país da América Latina….e sem querer ofender…tive a impressão que o Senhor não torce muito pelo sucesso do Brasil, isso é uma pena porque num futuro bem próximo os Portugueses podem precisar muito mais do Brasil do que pensam…..Se bem que a UE pode socorrê-los de novo quando fizeram para adequa-los às exigencias de acesso a UE…..Continuo acreditando que Brasil e Portugal possuem muito mais em comum do que quaisquer outros povos do mundo e torço por Portugal como uma 2º pátria minha, mas se os Sr. acha que os seus vizinhos irão socorrê-los o tempo todo e que uma união com o Brasil não é interessante…só tenho à lamentar
    E espere e verá onde o meu Brasil Latino Americano irá chegar!!!!!
    Desculpe a sinceridade, mas foi a impressão que tive!! Se eu tiver enganado me perdoe!!! Abraço à todos!!!

  102. Thomas

    Ah os links acima é só acrescentar o HTTP>>> é pq o site não os aceita completo!!!!!!

  103. Thomas

    http: //br.groups.yahoo.com/group/sistemasarmas/message/75113
    http: //sistemadearmas.sites.uol.com.br/fx/fx08cres2.html
    aew os links completos sobre TVC e CANARDS

  104. Thomas: De facto, já tinha lido em várias fontes sobre os curtíssimos ciclos de manutenção e de paragem dos Sukhoi… Esse pode ser um problema sério… E será que o aparelho é tão fiável nos trópicos como é nas frias paragens do norte da Rússia?

  105. cravo

    Caro Thomas, em primeiro lugar eu não disse que não me interesso pela américa latina, apenas disse que EM TERMOS MILITARES não me interessa. Por favor não generalize. Em segundo lugar eu não disse que só o su-30mki tem TVC, não disse que o sistema não pode ser adaptado a qualquer flanker, e não disse que os canards são opcionais. Entendeu tudo errado. Eu disse:
    – O video em questão é de um su-30mki
    – O su-35 original(T-10M) não tem TVC
    – O su-35BM (T-10BM) tem TVC
    – Não há nenhum video do su-35BM nem demonstrações porque oficialmente o primeiro prototipo ainda não voou
    – O su-35BM não tem canards(contrário do que afirmou no seu comentario). Tem razão quando disse que os canards vieram resolver um problema com o centro de gravidade do su-35 original que usa a mesma celula do su-27 mas tem um radar e equipamentos dianteiros muito mais pesados. Mas o su-35BM é um aparelho novo, redesenhado e sem esse problema. Tudo isto são factos, não há como argumentar. Não são opiniões.
    Abraço

  106. Thomas

    CELULA E REFINAMENTOS
    O Su-35BM monoplace lembra muito o SU-27S. Ele não tem cannards, como os Su-27M e o Su-30MKI ou o Su-33. Seu cone de cauda é menor, seus flaperons são grandes e o Su-35BM tem grandes entradas de ar. O extenso uso de materiais Ram e de novos materiais compostos em sua estrutura permitiu lhe diminuir muito o peso, e sua assinatura radar é bastante reduzida (0,7-1,0m2), no mesmo nível de caças como os deltas europeus, ou os caças de 4º geração norte americanos quando tratados com RAM. É extremamente curioso, o fato de que muitos analistas ocidentais vivam dizendo que os russos estejam atrasados em tecnologia furtiva. Que esta tecnologia moderna e eficiente , é dominada pelos norte americanos.

    >>>É verdade sim Cravo!!! você está certo quando disse que não era o SU-35bm, me perdoe, eu entendí errado!! Quanto aos cannards realmente as próximas versões do SU-35 não os terão!!!

    Só qria ressaltar que os cannards surgiram nas outras versões do SU-35 para corrigir o centro de gravidade, problemas com aerodinâmica, porem, foram incorporados como acessórios no Su-27 devido a melhoria de performance que seu uso provocou…

    Desculpe a minha falta de atenção!!! >>Os primeiros vôos do Su-35BM, que estavam previstos para o final de 2007, foram acertados para o começo de 2008>>>Quem sabe o velho Jobim, não terá a oportunidade de vê-los em ação???
    Abraço!!!!

  107. Thomas

    Éh Rui esse problema do TVC, com curto tempo de vôo, è uma Incógnita no que diz respeito ao seu uso na América Latina, porém,apesar de ser um equipamento importante, não é de extrema necessidade em um possível combate, pois, o que manda nesses casos é a capacidade de detecção e propulsão …..(antecipação e furtividade).

    Caças da família flanker já desempenharam funções em paises como Iraque e Iran e tambem num clima que possui alguns locais parecido com o nosso que é o da India( nas regiões mais ao sul)…

    Vale ressaltar que com os caças SU-30MKI Indiano ( com autorização dos Russos), houve uma incorporação de equipamentos ocidentais oriundos de Israel e da França, a fim de deixa-lo mais adequados a realidade Indiana e modernos a realidade mundial ( e tbem diante de alguns problemas que os deixaram em alguns impasses, mas que foram resolvidos)….A experiencia Indiana de incorporação e a capacidade de uso de variadas tecnologias e armas que a família Flanker possui, podem ser um diferencial positivo para sua adoção no Brasil.

    Outro problema que uma possível parceria com o Brasil poderia resolver são no que diz respeito aos ciclos de revisão e manutenção atualmente todos concentrados em território Russo….com uma maior vendagem desses equipamentos para países como venezuela e possíveis vendas futuras para Peru, Argentina, Bolívia entre outros que possuem caracteristicas parecidas com a Brasileira, um intercambio com um país neutro como o Brasil para fabricar e manter componentes, poderia ser uma saída viável para Moskow, pois capacidade e parque Industrial adequado para tal o Brasil é um dos poucos mundiais que possuem, podendo inclusive seguir o modelo Indiano porém incorporando tecnologias próprias.

    O site sobre o SU 30MKI Indiano: http://www.areamilitar.net/DIRECTORIO/Aer.aspx?nn=57&P=45&R=FA

  108. cravo

    (citando Thomas)
    >>Os primeiros vôos do Su-35BM, que estavam previstos para o final de 2007, foram acertados para o começo de 2008>>>Quem sabe o velho Jobim, não terá a oportunidade de vê-los em ação???

    Não será possível ver uma “exibição” como estava referido no site da notícia porque se trata de um novo avião, com uma nova fuselagem, novo sistema de controlo de vôo, algumas superfícies de controlo de vôo duiferentes, etc. Garantidamente os primeiros vôos serão muito cuidadosos apenas para testar as caracteristicas mais básicas como sejam descolar, manobrar lentamente e aterrar. Durante meses não será possível vê-lo fazer mais que isso.

  109. sim… o jobim não ficaria muito impressionado se visse a coisa estatelar-se no solo mesmo à sua frente… e quem ficaria contentíssimo seriam os franceses…

  110. Thomas

    Éh Verdade!!!! Agora é só aguardar, apesar do SU-35BM ter sido visto no salão Aeroespacial em Moskow (MAKS 2007), realmente ele ainda não voou pra valer, mas com certeza já devem ter sido realizados diversos testes não divulgados no espaço aéreo Russo….Porém tudo que estamos confabulando agora são especulações…A que passo está realmente este projeto só os Russos sabem, e não irão divulgar até que esteja tudo correto…então deixemos de especular e aguardemos!!!!!
    Até por que, os maiores interessados em concluir isso, não são outros se não os próprios Russos….Porém existe comentários em toda NET (e em alguns sites especializados) que divulgaram prováveis testes para o final de 2007, porém, não devem ter concluido algo á tempo, ou estão aguardando…..e divulgaram 2008 para prováveis apresentações…Quando será??? só Deus sabe!!!

  111. Fred

    Mais um pontinho para o Rafale (Rafale 2 x 0 SU 35 BM)

    Como este ano continua a manutenção geral e troca de combustivel do Bom e velho Charles, a França “aparentemente” entrou em acordo com o Brasil e alguns dos rafales embarcados no Charles irão opera NAe 12 São Paulo.

    Será que nessa manutenção do NAe 12 eles modificaram as catapultas?

    Sei que alguns rafales operaram no Foch, mas voavam peladinhos, se bem que era em 1994.

    Vamos aguardar…..

    http://www.defesanet.com.br/md1/fr-ru_1.htm
    http://www.defesanet.com.br/france/rafale_cvn.htm

    Abraço

    Fred

  112. Thomas

    Se bem que o Ministro Jobim não comentou nenhum negócio com relação a aquisição de caças Franceses Rafale, o que ja está praticamente certo é a aquisição com transferencia tecnológica de helicópteros e submarinos Franceses que serão fabricados aqui no Brasil…

    Penso ser importante o Brasil fechar parceria tambem com os Russos, pois, iria ampliar a assimilação tecnológica, além ampliar o leque de possiveis alianças estratégicas futuras…..

    Ficaria de bom tamanho a parceria com os Russos na área de aviação (caças bombardeiros Flanker) e com os Franceses ( submarinos e helicópteros)….agradando a gregos e troianos e ampliando nossa possibilidade de transferencias tecnológica, além de diminuir uma possivel dependencia de se ter uma unica parceria estratégica

  113. cravo

    Queria acrescentar que tenho uma grande expectativa em relação ao su-35BM pelo seguinte: É indicada uma redução de peso em 20% à custa de uma fuselagem remodelada usando novas tecnicas de construção e materiais compósitos avançados. Embora não seja indicado claramente em que configuração se verifica esta redução, é no mínimo uma redução em relação ao peso vazio, o que o trará para um valor abaixo das 15 toneladas, semelhante ao F-15E. A capacidade máxima de combustível cresce para as 11,5 toneladas. E os novos motores são indicados como tendo um consumo específico mais baixo que o AL-31F e em conjunto fornecem entre 4 e 5 toneladas extras de impulso máximo.
    Tudo isto significa o seguinte: A autonomia e raio de combate já imbatíveis do Flanker vão crescer muito. Para dar um exemplo, mantendo a mesmo relação potência/peso à descolagem do Su-35 anterior, o novo Su-35BM vai poder carregar no mínimo 7 a 8 toneladas extras de combustível e armas, ou em alternativa dispor de uma relação potência/peso nunca vista.

  114. Falb

    Jobim: Brasil deve comprar 50 helicópteros franceses

    O governo brasileiro deve fechar a aquisição de 50 helicópteros franceses Cougar, a versão militar das aeronaves Super Puma fabricados pela Eurocopter Group. A intenção foi revelada ontem pelo ministro da Defesa, Nelson Jobim, em Paris, após encontro com empresários do setor bélico e bancário. Em contrapartida à operação de compra pelo Brasil – cujo valor não foi revelado -, a empresa se compromete a ampliar a linha de produção da subsidiária brasileira, a Helibrás, trazendo para o País a linha mundial dos modelos médios Dauphin.

    As aeronaves equiparão as três Forças. O governo já definiu o orçamento do negócio, mas quer negociar com a Eurocopter e o governo francês para obter preço mais baixo. A compra já tem financiador: o Banco Société Générale apresentou duas propostas que serão analisadas pelo Ministério da Defesa. O acordo dos helicópteros seguirá o modelo que deverá ser utilizado para a produção no Brasil de submarinos Scorpène. Os modelos de ataque e propulsão convencional deverão ser produzidos no estaleiro da Marinha no Rio e em outra unidade, a ser construída em local ainda não revelado, com valor estimado em US$ 600 milhões cada. O Scórpene é o modelo mais novo da Marinha francesa.

    Além dos helicópteros e submarinos, o Ministério da Defesa analisa propostas para aquisição de caças de quinta geração, dentro do programa FX-2. Jobim tem dito que o Ministério da Defesa quer também aprimorar o parque industrial bélico do País. Assim, crescem as chances de que o caça escolhido seja o Rafale-C, produzido pela francesa Dassault. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

  115. Falb

    Eurocopter pode desenvolver e produzir novo helicóptero de ataque no Brasil

    (Exclusivo, da Redação, 16 de Janeiro de 2008)

    A fabricante européia de aeronaves de asas rotativas Eurocopter (Grupo EADS), que controla a brasileira Helibrás, apresentou ao comandante da Aeronáutica, brig. Juniti Saito, a proposta de ser transferida para o Brasil a linha de produção completa do helicóptero de transporte multifuncional tático Cougar Mk.I e, mais importante, de ser totalmente projetado, desenvolvido e produzido também no Brasil, um helicóptero de ataque totalmente novo, que atenda à todas as necessidades operacionais brasileiras. A proposta foi feita em paralelo à concorrência hoje em andamento, para a Força Aérea Brasileira (FAB), de um novo helicóptero de transporte médio-pesado e de um helicóptero de ataque. Depois da seleção inicial, a Eurocopter abandonou a disputa e, no momento, a decisão do modelo de ataque está entre o italiano A.129 Mangusta e o russo Mi-35M.
    Segundo fontes ouvidas com exclusividade por ASAS, os europeus estariam dispostos, na proposta da Eurocopter, a haver uma “pesada” transferência de tecnologia, num padrão nunca visto até hoje no setor de asas rotativas.
    Por outro lado, certamente, a entrada em serviço do helicóptero de ataque sofreria um atraso bastante apreciável (inerente a um programa de tal magnitude), em relação às expectativas da FAB – que teria por objetivo a entrada em operação dos dois modelos num prazo curto/médio.

  116. Falb

    Pessoal, essas duas noticias que eu publiquei logo acima, são de grande interesse de todos, sobre os submarinos scórpenes e helis Cougars, eu já sabia, agora recentemente fiquei sabendo que a eurocopter também quer desenvolver um helicoptero de ataque “Made in Brazil”, de acordo com nossas necessidades. Pode ser algo proximo de um Tigre e Mangusta, mas o melhor é que será nacional.

    a fonte dessa informação eu tirei do Revistas Asas (revista conceituada sobre aviação), mas essa noticia já se espalhou pela internet e muitos comentam afirmando sobre o fato.
    http://www.revistaasas.com.br/index.php?ASA=show_news&id=368&LE=atual

    Mais uma opção para nossos países Lusófonos… 🙂

    saudações amigos portugueses.

  117. Então vejamos:
    1. O Rafale ganha peso no concurso contra o Sukhoi…
    2. O SuperPuma vai equipar os 3 ramos
    3. O Rafale vai substituir os A-4 no São Paulo (?)
    4. Os Scorpene serão a base do SNA brasileiro
    5. O Brasil vai desenvolver um helicóptero de ataque

    1. Será uma ba opção. Continuo a acreditar que o Su seria melhor… Mas o Rafale, se incluir transferência de tecnologia, é pelo menos, o 2º melhor
    2. SuperPuma: não é já um modelo em fim de vida? Aqui tenho menos entusiasmo…
    3. Boa escolha. Os A-4 há muito que deviam ter sido substituídos
    4. Excelente navio: franco-espanhol que foi quase comprado pela MP
    5. E haverá mercado para o sustentar? O governo brasileiro é famoso por deixar morrer à nascença vários projectos da industia brasileira (A Avibras que o diga…)

  118. Falb

    1. Será uma ba opção. Continuo a acreditar que o Su seria melhor… Mas o Rafale, se incluir transferência de tecnologia, é pelo menos, o 2º melhor
    >> Eu também sou a favor do Sukhoi, acho ele mais adequado para os padrões do Brasil, acontece que nesse momento quem está dando as cartas primeiro é a França, os russos até agora não se pronunciaram, vamos ver até o final de fevereiro, onde deve se desenrolar todo esse assunto….se vier Rafale com transferencia, é melhor do que nada!!

    2. SuperPuma: não é já um modelo em fim de vida? Aqui tenho menos entusiasmo…
    >>Exato, o Cougar já é um modelo ultrapassado, se for comparar com oque o mercado oferece hoje, mas para atender aos padrões brasileiros, está mais do que necessario….é um enorme helicóptero robusto e de facil manuntenção (Brasil jah tem experiencia nele)…os novos cougars que saem de linha vem com eletronica de ultima geração, ou seja, de velho só tem a casca mesmo 🙂 Se não fosse o Cougar, teriamos que pegar o russo MI-17 que é bem mais antigo…o Merlin (que também foi oferecido) está fora de cogitação, é caro de operar. Eu creio que com essa produção do Super-Puma no Brasil, vamos acumular experiencia e quem sabe projetar um helicóptero mais moderno no futuro.. 😉

    3. Boa escolha. Os A-4 há muito que deviam ter sido substituídos
    >> Sem comentario, Rafale é ideal para operar no São Paulo, por isso que achu que deve vir rafale para FAB também, padronizar tudo!!

    4. Excelente navio: franco-espanhol que foi quase comprado pela MP
    >>Quem diria de ver o Scorpene servindo a MB, sem duvida, excelente SUB e um projeto bem novo ainda!

    5. E haverá mercado para o sustentar? O governo brasileiro é famoso por deixar morrer à nascença vários projectos da industia brasileira (A Avibras que o diga…)
    >>Eu creio que se a eurocopter/helibrás realmente desenvolver esse helicóptero de ataque “made in Brazil”, não vai ser apenas para atender ao “país de origem”, mas sim para exportação, o foco da helibrás sempre foi exportação, e hoje a região latina passa por uma corrida armamentista, um novo helicóptero nos padrões do Mangusta ou Tigre com um preço mais atrativo, seria um prato cheio para os países latinos, Brasil vai se dar bem nessa….um helicóptero desses atende muito bem aos padrões da Amazonia, para vigilancia do espaço aéreo!

  119. Fred

    Clavis/ Thomas, por enquanto o que está saindo na mídia é que os franceses vem treinar pilotos no São Paulo, compra de caças mesmo só o FX2 para FAB.

    E Não acredito que o NAe 12 possa operar os Rafales em capacidade plena, o sistema de catapultas teriam que ser completamente revistos para permitir a operação desta forma .

    Não achei nenhuma informação sobre preparo do Sampa para operação com o rafale após o acidente em 2005 com o sistema de vapor da catapulta e a longa manutenção e reforma.

    Para a Amazonia o Exercito e a FAB escolheram o UH 60, inclusive a FAB está comprando mais 6 novos black hawks dos EUA. E o Exercito mantem todos os seus 4 em Manaus operando com mais 4 cougars.

    Fred

  120. Fred

    Só um complemento, o SOFA já foi assinado com a França.

    http://www.defesanet.com.br/md1/fr-ru_3.htm

  121. São boas notícias, então, no global, Fred.
    “Também se estuda a aquisição de cerca de 30 aviões-caça supersônicos Rafale.” e ou as negociações com os russos estão mais adiantadas do que transparece nos Media… ou este “estudo” está mesmo mais avançado…

  122. Thomas

    Eh pessoal, pelo menos os mercados estão se mobilizando, e ainda estamos observando períodos de mobilização e negociações de parte a parte, o negócio vai ferver mesmo quando o Jobim desembarcar em Moskow, pois, com certeza terá muitas possibilidades devido a concorrencia que está se desenrolando entre França x Russia…..

    Ainda acredito ser de extrema importancia o Brasil diversificar suas matrizes tecnológicas, fechando negócios com Franceses e tambem com os Russos, principalmente pelo fato dos armamentos Russos possuirem alguns diferenciais no campo de mísseis e radares que poderiam nos dar uma base mais abrangente;

    Vale ressaltar que transferencia tecnológica sem estudos continuos é o mesmo que nada, pois, a tecnologia avança de tal forma que em questão de poucos anos ou até meses ocorrem mudanças, sendo assim, se o Brasil adquirir transferencias tecnológicas isso não significará avanços se ficarem no simples conhecimento dos dispositivos sem estudos de avanços e de agregação de novas tecnologias nacionais, que possam impulsionar uma industria bélica nacional e mais independente…

    Em suma, se o Brasil repetir o que conseguiu desenvolver com as centrífugas Alemãs obsoletas as quais serviram como base do mais moderno sistema de centrifugação (enriquecimento de urânio) do mundo, com essas novas tecnologias de armamento….. no futuro teremos uma nova configuração de equipamentos bélicos trazendo-nos de volta ao seleto grupo de países produtores de equipamentos bélicos e nos dando independencia para nos defendermos de agressão estrangeira as nossas crescentes riquezas e soberania..

    Vão nos vender a vara de pescar, mas não nos darão os peixes com certeza!!! Os nossos avanços vão usar essas transferencias como base para um avanço contínuo e próprio feito por nós Brasileiros.

  123. Fred

    Bem, complementando, o SOFA (o primeiro que a França assina com um país fora da OTAN) permite na prática que aviões Franceses sobrevoem território brasileiro sem necessidade de aviso prévio o mesmo ocorrendo com as aeronaves brasileiras em território francês, além do treinamento e transito de militares entre os países.

    Com os dois territórios são praticamente vizinhos do nosso mui amigo Chávez, nada mais lógico.

    As vantagens brasileiras todos já explicaram aqui no post. A francesa além do comércio em si é o acesso a capacitação Brasileira em guerra na selva. (Superior a dos franceses) e a integração comercial da França no continente, afinal teoricamente a frança também faz parte da America do sul.

    O Lula e o Sarkozy vão lançar em conjunto (12 de fevereiro) a pedra fundamental da ponte que ligará o Brasil à Guiana Francesa sobre o Rio Oiapoque e assinar os acordo de aduana e demais necessários a complementação do SOFA.

    Confirmando a minha informação anterior, realmente os Rafales não podem operar no NAe São Paulo, eles vão operar no CVN-69 USS Eisenhower.

    No Sampa vão Treinar os Super Etendard da Marinha Francesa e aparentemente o treinamento já ocorrerá agora em Abril.

    Nada impede o acordo e compra de tecnologia Russa. Todos só temos a ganhar

  124. Esta competição russo-francesa é muito salutar para os interesses do compado, i.e. o Brasil! Enquanto se degladiam para oferecer a melhor proposta, ganha o cliente!
    E é pena que os Rafale não possam operar no Sp… Seria excelente vê-los a voar ali… E os Su-33 também terão a mesma impossibilidade? E as catapultas, não poderão ser substituídas?

  125. Fred

    Tem sim, Clavis, o Su e o Rafale não conseguem operar no pleno no NAe 12, todo o sistema de catapultas teria de ser substituído e ampliado além da troca dos sistema de cabos para frenagem.
    O São Paulo deve sair de operação em meados de 2020 (fim da vida útil) vale a pena uma reforma desta monta? Para operar no máximo mais 10 anos? Descontando o tempo da reforma.
    Melhor investir em modernizar os AF1 para o padrão M do F5M e num NAe 13 por volta de 2015-20 com um novo conjunto de asa fixa (Até lá o SU já vai estar no 57. 😉

  126. Antonio

    Não querendo meter o bedelho nessa conversa dos nossos colegas sobre o nae sp, gostaria de somente colocar somente assuntos ja discutidos pela midia.
    1) os aviões russos que podem operar no naesp não os SU-34 (que obviamente deveriam ser ajustados ao padrão brasileiro) de asas dobráveis. Não necessitam de catapulta e podem parar n o ar e girar 360 graus, precisam sim de elevadores que posssam carregar mais de 30 toneladas, 2) a russia ofereceu 18 desses exemplares ao preco de US$ 300 milhões, 3) Se o naesp operar essa frota vai passar a ser uma nave de capacidade ofensiva, dado o raio de ação das aeronaves.

    Agora senhores façam-me o favor de não querer para o brasil o lixo da frança. Francamente superetendart e af 1 modernizado é muito pior do que o su-34 e não dá ao país nenhuma vantagem em ter porta aviões. Assim entendo que nas condições atuais há muita gente trabalhando contra o país inclusive querendo manter a nossa inexpressividade militar.

  127. cravo

    (citando Antonio)
    >os aviões russos que podem operar no naesp não os SU-34 (que obviamente >deveriam ser ajustados ao padrão brasileiro) de asas dobráveis. Não >necessitam de catapulta e podem parar n o ar e girar 360 graus

    António, também quero experimentar isso que andas a fumar. 😉

  128. cravo: mas então que aviões modernos é que o SP pode receber sem sofrer esses extensos upgrades? nenhuns?

  129. Fred

    Nenhum mesmo Clavis. Daí o preço de 24 contos de réis (12 milhões de dólares americanos) pago pela MB. Fora o custo operacional que é nas alturas.

    A Marinha reclama até do consumo de combustível do São Paulo. Um dia de operação do NAe 12 equivale a quase um ano de óleo de uma Patrulha classe Grajaú. A propósito o dito já está atracado de novo e foi uma operação belíssima além de difícil.

    http://blog.naval.com.br/2008/01/15/segunda-docagem-do-nae-sao-paulo-no-brasil-e-realizada-com-sucesso-no-amrj/

    Sobre aviões SVTOL ou VTOL russos ou não, nada a comentar ou lamentar.

    Porém concordo plenamente com o Antonio. Se for para ter navio aeródromo, que pelo menos ele seja usado como navio aeródromo. Treinamento? Sei não!

    Manter um NAe para desfile e por orgulho é vergonhoso.

    Antonio, a velharia francesa não é para o Brasil. São dos Franceses mesmo e são os próprios que irão operar com os Super Etandart no São Paulo. Porque o NAe deles está em reforma e troca de combustível.

    Como trabalhar para pobre é pedir esmola para dois, continuo achando que reformar os AF1 para o padrão M é a saída mais econômica (sai cerca de 6 contos de réis por avião) de manter o NAe funcional e a tripulação treinada.

    Claro que posso estar completamente enganado.

    Fred

  130. cravo

    O meu comentário anterior em tom de brincadeira era relativo a “Su-34 de asas dobráveis que pairam no ar e giram 360 graus”, mas adiante.
    Concordo com o Fred praticamente em tudo.
    Forças aéreas embarcadas só fazem sentido para manter aviões no ar a uma grande distância das bases aéreas mais próximas, ou seja, para projectar o poder aéreo muito além das próprias fronteiras. Mas como arma defensiva não justifica o investimento em algo tão caro e ao mesmo tempo tão limitado. Meios relativamente baratos de reabastecimento em vôo podem cobrir uma área maior a partir de bases terrestres com aparelhos muito mais capazes. Os meios aeronavais só são eficientes como arma ofensiva, para colocar o poder de fogo em casa do inimigo, mas isso implica ter superioridade naval e aérea longe de casa, algo que num conflito de média intensidade só está ao alcance da marinha dos EUA. Para todos os outros países com limitados meios aeronavais, eventualmente só serão úteis num conflito de baixa intensidade. Olhem para a história recente, o conflito das Malvinas: a superioridade naval britânica permitiu-lhe colocar as limitadas forças aeronavais em posição ofensiva para ajudar a retomar o arquipélago com missões de bombardeamento e apoio próximo. Como arma defensiva, o pequeno porta-aviões argentino era inútil e vulnerável, e preferiram mante-lo longe do conflito. Todas os vôos argentinos partiram de terra.
    Extrapolando isto para o resto do mundo, significa que a maior parte das forças aeronavais são inúteis e servem apenas como meio de “desfile e orgulho”, como diz o Fred. Não é por acaso que a maior parte dos países que têm um porta-aviões só têm um…e pequeno. É uma bandeira. Os aviões que carregam não têm poder ofensivo significativo, autonomia ou disponibilidade. Reparem no caso dos Russos: aviões grandes e poderosos, mas em muito pequeno número, e usando descolagem sem catapultas só conseguem descolar com uma parte do combustível interno e com uma pequena carga de armas externas, ficando muito limitados em alcance e poder de fogo ao contrario do que aconteceria se descolassem de uma pista em terra. Logísticamente, o navio é uma catástrofe e por uns meses de serviço precisa de anos de reparações num estaleiro, à semelhança do que acontece com muitas outras marinhas. O que resta? Quem tem capacidade de projectar poder de fogo aeronaval significativo, com aviões poderosos e bem armados? Obviamente os EUA, e em menor grau a França, com o Charles de Gaulle. E ainda assim, num conflito de média intensidade, o porta-aviões francês só é útil se inserido numa força muito maior, que lhe garante a segurança. O resto não tem poder ofensivo significativo e raramente têm capacidade de se defender a si próprios. Servem para uns vídeos de promoção do orgulho nacional e das forças armadas. São vendidos baratos em segunda mão precisamente porque não têm outra utilidade. Na prática, de que serve ao Brasil um porta-aviões?…

  131. Fred

    Cravo, Na minha opinião de leigo nada!

    No caso das Malvinas, o que manteve o NAe argentino afastado, como todos os outros navios da Armada foi o Sub inglês Conqueror que afundou o cruzador “General Belgrano”.

    As surtidas aéreas oriundas do NAe britânico com aviões SVtol praticamente só proporcionaram soberania aérea e auxílio ao desembarque das tropas e proteção para o próprio NAe.

    Mesmo assim, los hermanos conseguiram lançar todos os exocet que possuíam (3) e afundaram o navio de suprimentos da frota inglesa, o destróier HMS “Sheffield”e junto com ele quase todos os helicópteros de desembarque. (os ingleses efetuaram todo o apoio ao desembarque e retirada dos SAS e SBS com apenas 1 helicóptero)

    A aviação argentina afundou também outros navios, de desembarque de tropas e as fragatas Ardent e Antelope (com bombas convencionais).

    Os bombardeiros utilizados saíram do meio do atlântico,na ilha de ascensão e através de um trem de reabastecimento (eram necessários 4 Victors para reabastecer um Vulcan e mais um Victor para abastecer os outros Victors. O Nae britânico ficou longe demais da ilha para que seus aviões tivessem condições de bombardear a ilha.

    Comprovando tudo que o Cravo falou. A Frota inglesa teve que usar uma base no meio do atlântico para poder bombardear a pista de pouso das ilhas e lançar mísseis nos radares argentinos, porque os velhinhos Super Etendard não deixaram o NAe Britânico perto o suficiente para os aviões ingleses SVTOL decolassem com armamento de ataque ao solo. Praticamente só puderam fazer o PAC de superioridade aérea limitada.

  132. Thomas

    Aviação naval: a visão da Marinha

    O SRPM (Serviço de Relações Públicas da Marinha), na pessoa do Capitão de Mar-e-Guerra Wellington Liberatti, concedeu entrevista — até o momento não publicada — ao Jornal O GLOBO, do Rio de Janeiro, enfocando o tema Aviação Naval. A entrevista, que também foi publicada pela Marinha no nº 668 do Nomar (Notícias da Marinha), não só tem um valor informativo inestimável para os estudiosos do assunto, como também para toda a sociedade brasileira. Boa leitura!

    http://www.naval.com.br/biblio/entrevista/opinia04.htm

    leitura interessante!!!!

  133. Fred

    Thomas, perceba que as principais vontades da Marinha desde a entrevista de fato não ocorreram.

    A Marinha não desenvolveu ou construiu o novo NAe, comprou o ex-Foch com 2/3 da vida útil utilizada.

    Canibalizou o Minas Gerais para dotar o “Novo” São Paulo com os equipamentos estratégicos de comunicação e criptografia.

    Comprou os AF1 e apenas 6 estão operacionais e operando em terra.

    Não sou contra o uso de NAes, pela Marinha, o que me oponho é a esse uso atual ou seja nenhum. Para não usar é melhor não ter!

    Por isso acredito que modernizar os AF1 para o padrão M, seja o mais economicamente viável para a marinha. E ainda assim faltariam os AEW.

    E claro operá-los efetivamente nestes últimos 12- 15 anos de vida do São Paulo. Mas acho muito difícil isto acontecer! Talvez com o dinheiro francês para o treinamento dos Super Etandarts permita um uso mais intensivo do NAe São Paulo.

    Abraço

    Fred

  134. Antonio

    Comentando o blog sobre a aviação naval, vemos que a concepção expressa alí é de antes da aquisição do Nae SP, ou seja, até antes do governo FHC. De lá pra cá já se foram uns 10 anos ou mais. Nesse periodo o pais deu um salto de qualidade e se as coisas forem bem feitas daqui para frente teremos condições de constituir uma boa força naval. As descobertas de campos de petroleo como o tupi, o de santos, e, futuramente, da região de florianopolis e até no Rio Grande do Sul pode ser um grande motivador para constituição dessa força. Quanto a discussão atual sobre o NaeSP, existe um fato interessante: sempre que o pais compra um porta-aviões faltam os aviões. Porque será? Porque a concepção do porta aviões está relacionado a uma aviação que não existe mais, ou seja, ultrapassada. Porque? Por que a medida que os aviões aumentam de tamanho e de capacidade os portas aviões tem que acompanhar essa evolução. Então, o grande desafio é colocar uma aviação mais moderna possivel em um porta aviões antigo. Isso é possivel? Se formos nos basear em conceitos americanos de porta aviões a resposta é não. Fica aí a questão para os nossos amigos.

  135. Thomas

    palavras do sr almirante Vladimir Masorin, comandante-em-chefe da Marinha russa…sobre o futuro da Fabricação de porta aviões

    “Atualmente estamos trabalhando no projeto do futuro porta-aviões com a ajuda dos cientistas e da indústria. Mas já está claro que se tratará de um porta-aviões nuclear, com um deslocamento de cerca de 50 mil toneladas”, disse Masorin à agência de notícias “Interfax”.

    O almirante informou que o porta-aviões nuclear deverá servir de base a cerca de 30 aviões e helicópteros de combate. “Não vamos construir, como faz a Marinha dos Estados Unidos, gigantes para até 130 aviões”, ressaltou.

    Masorin disse que o único porta-aviões russo, o Almirante Nikolai Kuznetsov, continuará em serviço pelo menos até 2015. Ele entrou em serviço em meados dos anos 80, tem 304,5 metros de comprimento e 58 mil toneladas de deslocamento, com capacidade para 39 aviões e helicópteros.

    Masorin pela primeira vez nos últimos anos revelou o número dos navios e submarinos russos que estão executando o serviço de combate no mar aberto. “ São 19 navios e submarinos”, disse, de acordo com Ria-Novosti. Ele informou também que em breve as organizações e empresas respetivas começarão o desenvolvimento de nova modificação de navio contratorpedeiro.

    http://port.pravda.ru/russa/24-06-2007/17822-aviao-0

  136. Fred

    Mais dois cravos Franceses na proposta Russa

    http://www.defesanet.com.br/md1/fr-ru_17.htm

    e

    http://www.defesanet.com.br/md1/fr-ru_16.htm

    Parece que vai dar Rafale…..

  137. Ora essa! De facto, assim parece!… Os russos só querem vender, diz o Jobim, enquanto o Brasil quer parcerias… e muito bem!
    Bem, com esta (inesperada) recusa russa e com a maior capacidade do Rafale para operar no SP… A balança inclina-se mesmo para o lado francês… O Su continua a parecer-me melhor avião, mas o Rafale será uma boa escolha na mesma, e sem as imponderabilidades do suporte pós-venda russo…

  138. Anónimo

    Caríssimos,
    Depois de ler os posts acima, e somente para apimentar um pouco a conversa, serão feitos os testes de catapultas, com os SUes, provavelmente no mês de abril, durante o treinamento dos pilotos franceses. À boca pequena, principalmente em blogs de discussão de assuntos militares, ventila-se a possibilidade de testes com o Rafale M, dando-os como quase que certos de acontecerem após os que serão feitos com os SUes. Não entrando na discussão do peso da aeronave, tamanho de convôo necessário e coisas do gênero, as catapultas tem o poder necessário para catapultar o Rafale, na medida exata, mas tem.
    Para se operar os caças russos, as catapultas seriam desnecessárias mas ter-se-ia que adaptar um ski jump.

  139. Fred

    Nem rafele M nem SEM. Uma pena realmente.

    http://www.defesanet.com.br/mb1/mb_mn.htm

  140. No Brasil é assim, dois passos à frente, um atrás; dois passos para trás, um para a frente; de repente um pulo; por isso a esperança nunca morre.

  141. Anónimo:

    ” Caríssimos,
    Depois de ler os posts acima, e somente para apimentar um pouco a conversa, serão feitos os testes de catapultas, com os SUes, provavelmente no mês de abril, durante o treinamento dos pilotos franceses. À boca pequena, principalmente em ”
    -> Bem… mas não pelos franceses… suponho. Ainda que possa supor que eles bem que gostariam… A fonte é fiável?

    “blogs de discussão de assuntos militares, ventila-se a possibilidade de testes com o Rafale M, dando-os como quase que certos de acontecerem após os que serão feitos com os SUes. Não entrando na discussão do peso da aeronave, tamanho de convôo necessário e coisas do gênero, as catapultas tem o poder necessário para catapultar o Rafale, na medida exata, mas tem.”
    -> Mas não houve já alguém aqui, algures, que escreveu que o Foch só poderia operar Rafales sem carga útil alguma? Isto quer dizer que as catapultas teria que ser mudadas, claro. O que francamente, não me parece ser um problema por aí além…

    ” Para se operar os caças russos, as catapultas seriam desnecessárias mas ter-se-ia que adaptar um ski jump.”
    -> ora essa… de facto…
    http://www.truveo.com/Sukhoi-Su33-Flanker/id/1820704984
    zero catapultas…

    Fred:
    ” Nem rafele M nem SEM. Uma pena realmente.
    http://www.defesanet.com.br/mb1/mb_mn.htm
    “O envio dos aviões Super Etendard Modernizados (SEM) ao Brasil, com o objetivo de treinar os pilotos durante a ausência do único porta-aviões francês, no estaleiro desde 31 de Julho de 2007, para a primeira parada de manutenção ficará prejudicado. Os trabalhos no Charles de Gaulle começaram no dia 1º de Setembro de 2007 e devem durar 15 meses.”
    -> O que explica (ainda não tinha percebido…) o interesse dos franceses em operar os SEM no São Paulo… Ou explicava, já que tal não vai afinal ter lugar.

    Luis Fernando:
    ” No Brasil é assim, dois passos à frente, um atrás; dois passos para trás, um para a frente; de repente um pulo; por isso a esperança nunca morre.”
    -> Hehehehe. Bem… isso até parece a forma portuguesa de governar um país… Com a diferença maior de que aqui as coisas não andam, nem desandam, simplesmente emperram.

  142. Fred

    Clavis, o informante da limitação de peso dos rafales operando no Foch sou eu.

    e como mostra o link indicado por você com o uso do Ski jump o mesmo acontece.

    “The ski jump provides many advantages over a catapult launch. The most evident is that a ski jump does not put stress on the airframe and pilot, allowing lower weight because less structural reinforcement is required and prevents G-LOC (G-induced loss of consciousness.) Also, with a ski jump launch, the aircraft can engage full afterburner earlier than a catapult launch, because the aircraft is restrained by pop-up detents rather than a catapult shoe. Once in the air the aircraft has a positive AOA as well as pitch angular speed which increases during acceleration, and assists the climb. This method does require an aircraft that is more stable and maneuverable at low speeds. On the down side, an aircraft launched off a ski jump cannot launch at maximum takeoff weight (unless MTOW is very light to begin with, as in the BAe Harrier and its family), so either combat load or range will suffer vis a vis a catapulted aircraft. Large aircraft cannot launch off a ski jump at all, restricting a ski jump-equipped carrier to tactical aviation only”

    infelizmente não existe almoço gratis.

    O Foch foi escolhido justamente para poder operar os AF1 que são os aviões da MB pelos próximos 10 anos.

  143. Graxaim

    Idioma emperrou negociações na Rússia, diz Jobim

    DA SUCURSAL DE BRASÍLIA

    O ministro Nelson Jobim culpou a dificuldade com o idioma pela falta de entendimento com os russos na viagem encerrada sem acordo na quarta.

    Jobim viajou à França e à Rússia para discutir a construção de um submarino de propulsão nuclear brasileiro, a compra de caças para a Aeronáutica e a instalação de fábrica de blindados no Brasil. “Não tivemos tanta fluidez na conversa.” Outro obstáculo, disse, foi sobre a transferência de tecnologia.
    (Folha de S.Paulo – 07/02/2002)

    >>> Com a Russia não vai acontecer nada! Só não entendi a perda de tempo e a desculpa ´escabelada´ (e ridícula) da diferença de idioma.

    Saudações

  144. Fred:
    ” Clavis, o informante da limitação de peso dos rafales operando no Foch sou eu.”
    -> Era o que eu pensava, mas como não tive tempo de ler os comentários, não quis arriscar.

    ” e como mostra o link indicado por você com o uso do Ski jump o mesmo acontece.”
    -> O Skyp jump não deve ser difícil de instalar no SP, pos não? Mas como testar os Su-35 sem instalar o dito?

    ” “The ski jump provides many advantages over a catapult launch. The most evident is that a ski jump does not put stress on the airframe and pilot, allowing lower weight because less structural reinforcement is required and prevents G-LOC (G-induced loss of consciousness.) Also, with a ski jump launch, the aircraft can engage full afterburner earlier than a catapult launch, because the aircraft is restrained by pop-up detents rather than a catapult shoe. Once in the air the aircraft has a positive AOA as well as pitch angular speed which increases during acceleration, and assists the climb. This method does require an aircraft that is more stable and maneuverable at low speeds. On the down side, an aircraft launched off a ski jump cannot launch at maximum takeoff weight (unless MTOW is very light to begin with, as in the BAe Harrier and its family), so either combat load or range will suffer vis a vis a catapulted aircraft. Large aircraft cannot launch off a ski jump at all, restricting a ski jump-equipped carrier to tactical aviation only””
    -> Mas sendo o Su-35 um “grande avião”… Admira-me como o lançam os russos do seu PA… Sinal de que tem uns excelente motores e de… sacrificaram a carga útil…

    ” infelizmente não existe almoço gratis.”
    -> Pois…

    Graxaim:
    ” Idioma emperrou negociações na Rússia, diz Jobim”
    -> Poucos russos falam inglês… quanto mais português… É que os últimos “conselheiros” sairam de Angola já à mais de 20 anos…

    ” O ministro Nelson Jobim culpou a dificuldade com o idioma pela falta de entendimento com os russos na viagem encerrada sem acordo na quarta.
    Jobim viajou à França e à Rússia para discutir a construção de um submarino de propulsão nuclear brasileiro, a compra de caças para a Aeronáutica e a instalação de fábrica de blindados no Brasil. “Não tivemos
    -> Fábrica de blindados? Não me lembro dessa notícia.

    ” >>> Com a Russia não vai acontecer nada! Só não entendi a perda de tempo e a desculpa ´escabelada´ (e ridícula) da diferença de idioma.”
    -> Sim… Depois dessas declarações ficaria muito admirado que fosse concretizado algum negócio com a Rússia… Muito mesmo, ou o Jobim, fala demais, cedo demais (outra hipótese…)

  145. Thomas

    Sinceramente, Jobim só assinou com os Franceses tratados de cooperação militar na área de treinamento e intercambio e algumas citações sobre parceria cientifica e estratégica.

    Confesso que fiquei um pouco desanimado com as negociações entre Brasil e Russia, porém, ainda acho ser a maior saída para o Brasil uma parceria com eles pela neutralidade na relação com a famigerada OTAN. Creio que no futuro as negociações possam se acertar.

    Sobre o tratado de livre treinamento de tropas Francesas no Brasil( o que mais é citado no acordo Brasil/França), temo pela nossa soberania, pois a Otan é um braço armado do G-7, ou seja, sofre influencia direta dos EUA e do seu imperialismo….e sabemos do aumento à cada dia da presença deles(EUA) na Amazonia Colombiana e sua grande influencia sobre Uribe até mesmo com acordos de livre comércio aos moldes do Mexicano (diga-se de passagem só aumentou a miséria nesse país)…Qual será o custo dessa parceria com a França para nós??? Será que existe mesmo um interesse de cooperação científica com o Brasil, nos moldes que queremos??
    http://www.agenciabrasil.gov.br/noticias/2007/03/11/materia.2007-03-11.3216035592/view

    O Brasil deveria buscar parcerias mais amplas com potencias fora do eixo da OTAN, e a Russia se enquadra bem nesse quesito. Penso seria interessante para nós juntar forças com países como Russia,China, Argentina,India, entre outros fora desse eixo,para formar uma coalisão de defesa mútua, afim de aumentarmos nossa capacidade de dissuasão,pois os EUA, avança seus tentaculos até a divisa com o território Russo(Polonia) e já se faz presente(fortemente na America do Sul)…..Por isso pergunto: O que pensam os Franceses sobre isso??

    Espero sinceramente, para nosso bem, que avancem as negociações com a Russia, em um patamar muito mais estratégico do que nunca para nós, pois, os Franceses não compartilham de problemas comuns aos nossos com relação a interesses imperialistas do G-7
    olhem esses links sobre a crescente manobra do exercito dos EUA no Brasil:
    http://rizzolot.wordpress.com/2007/04/08/simon-alerta-para-presenca-de-bases-militares-dos-eua-em-paises-vizinhos-da-nossa-amazonia/
    http://www.mhd.org/artigos/rezk_amazonia.html

    Enfim, espero que a assinatura desses acordos com a França, que dá muito mais carta branca para eles espionarem nosso país do que acordo científico acertado, que aliás só ficaram nas conversas….

  146. Thomas

    Erro de digitação>> Thomas (23:07:16) :
    “olhem esses links sobre a crescente manobra do exercito dos EUA no Brasil”:
    Quis dizer: crescente manobra dos EUA na America do SUL…..só corrigindo

  147. “Os ministros Nelson Jobim (Defesa) e Mangabeira Unger (Assuntos Estratégicos) encerraram ontem a viagem à Rússia sem fechar acordos com o governo local para a construção de um submarino nuclear brasileiro, a compra de caças para a Aeronáutica e a instalação de uma fábrica de blindados no Sul do Brasil, informa nesta quinta-feira reportagem de Rubens Valente, enviado especial da Folha a Moscou (íntegra disponível para assinantes do UOL e do jornal).

    No final de semana, em São Petersburgo, Jobim havia dito à Folha que as negociações do Brasil sobre o submarino estavam mais avançadas com a França, e que os russos teriam ficado “assustados” sobre a hipótese de uma transferência de tecnologia. ”
    http://www1.folha.uol.com.br/folha/brasil/ult96u370246.shtml

    assustados, hem?… devem temer uma invasão brasileira…
    os russos deviam era ficar assustados com as consequências da venda de caças sukhoi:
    “China is about to receive 24 advanced Sukhoi Su-30MK2 Flanker fighters from Russia. The new fighter jets are reported to be the naval versions of the Sukhoi Su-30MKK fighter.

    The new Chinese fighters are reportedly equipped with enhanced anti-ship strike capabilities including the Kh-31 Krypton supersonic anti-ship missile.

    China has already purchased 78 Su-27SK/UBK fighters and 76 Su-30MKK fighters from Russia, and is building 200 more Flanker jets under license from Sukhoi. The PLA Naval Air Corps will deploy the latest batch of Su-30MK2 fighters.”
    http://archive.newsmax.com/archives/articles/2004/5/26/154053.shtml

  148. Fred

    Clavis, sobre os Blindados no RS, salve engano o Thomas e o Graxaim haviam comentado esta sondagem russa e postaram links para a notícia. http://www.rs.gov.br/index.php

    -> Mas sendo o Su-35 um “grande avião”… Admira-me como o lançam os russos do seu PA… Sinal de que tem uns excelente motores e de… sacrificaram a carga útil…

    Os russos são engenhosos! OS S 33 tem capacidade REVO, Probe and Drogue, e para ampliar a carga bélica útil os SU 33 decolam com o mínimo de combustível, após decolarem são reabastecidos por outros SU 33 que decolaram apenas com combustível.

    Thomas, o acordo é na verdade militar e muito pouco tecnológico. O principal intuito do acordo é permitir o sobrevôo de território brasileiro por aeronaves francesas e vice-versa. Fato que demandava muito tempo e papeladas pelas vias burocráticas anteriores e que pela demora deste tramite inviabilizava algumas missões de ambos os lados da fronteira entre o Brasil e a França.
    Como se sabe essa fronteira é de difícil acesso e como o governo ampliou o projeto calha norte incluindo o Amapá e a ilha de Marajó ficou imprescindível para o Brasil o acordo por possibilitar rotas mais curtas entre as estações da fronteira.

    Amanhã o Lula e o Sarkozy vão lançar a fundação de uma ponte entre os dois países.

  149. Ed

    PIB (Portugal 31º e Brasil 54º) Clavis Prophetarum 5 12 2007 ;

    da onde que voce tirou esta mentira deslavada.
    o Pib do brasil e o 8 maior do mundo, 1,803 bilhão, pelo amor de deus essa foi pra acaba clavis.

  150. Ed

    hahahah
    quem le esse seu comentario acha que os barasileiros sao favelados:

    O Brasil tem maiores problemas económicos que Portugal, basta ver os índices de Desenvolvimento Humano (Portugal 29º e Brasil 70º) e o PIB (Portugal 31º e Brasil 54º) mas tem uma riqueza das gentes, um “saber viver”, uma incapacidade para o ódio e para o racismo de que todo o Mundo precisava aprender… Tem enfim, o mais puro sentimento do “ser português” que Portugal esqueceu no século XIII, e por isso acarinham tanto os portugueses o Brasil e por isso, inevitavelmente, a História há-de reunir aquilo que ela própria, no tempo devido… separou.

    Af me da raiva de ver comentarios postados neste sentido, tudo culpa destas merdas de nordestinos que acabam com o nosso IDH
    0,897 este e o de portugal
    0,800 este e o do brasil
    0,860 esta e a media da regiao sul onde eu moro. Parana Santa Catarina Rio grande do sul
    0,800 esta e de sao paulo rio de janeiro minas gerais

    e este e do nordeste ………….
    0.725.

    o pib jah postei mas nao custa falar novamente
    e o 10 colocado sem o PPP (poder de compra) e o 8 com o PPP

  151. Ed

    e o de portugal eu nem sei porque else nem colocam na net mas deve ser igual ou inferior ao do estado de sao paulo……………………

  152. Para mim o brasil te que reaparelhar de verdade as 3 forças, temos que estar sempre preparados !!!
    a opçao que o brasil deve escolher é o F-35 dos EUA, pois é o unico caça no mundo que pode enfrentar os SU-35 russos da Venezuela. Além da tecnologia que os F-35 americanos trariam para o nosso pais, pois ele é o caça mais avançado do mundo.

  153. Ed:
    “PIB (Portugal 31º e Brasil 54º) Clavis Prophetarum 5 12 2007 ;
    da onde que voce tirou esta mentira deslavada.
    o Pib do brasil e o 8 maior do mundo, 1,803 bilhão, pelo amor de deus essa foi pra acaba clavis.”
    É um erro de omissão! Você nunca errou? Falta o per capita! É claro que o PIB português nunca poderia ser maior que o brasileiro. É aliás absurdo conjecturar tal, tendo em conta as dimensões relativas do território, economia e demografias…
    http://pt.wikipedia.org/wiki/Lista_de_pa%C3%ADses_por_PIB_nominal_per_capita

    Portugal 32º
    Brasil 55º
    http://pt.wikipedia.org/wiki/Lista_de_pa%C3%ADses_por_PIB_%28Paridade_do_Poder_de_Compra%29_per_capita

    E nenhuma admiração se SP tiver maior PIB que Portugal: não tem o Estado/Cidade quase 11 milhões de habitantes (mais do que Portugal)?

    E podemos debater eternamente e inutilmente a riqueza de cada cidade… Lisboa está muito acima de média nacional, e o de São Paulo…
    “A riqueza por habitante em Portugal varia entre 60% da média européia no norte do país e 106,3% na região de Lisboa, segundo os últimos dados, referentes a 2005, divulgados nesta terça-feira pelo gabinete de estatísticas do bloco europeu, Eurostat. A riqueza medida em paridade de poder de compra (PPC) do PIB (Produto Interno Bruto) por habitante mostra que, em Portugal, apenas a região de Lisboa está acima da média européia.”
    http://www.agencialusa.com.br/index.php?iden=13874

    Portugal 29º
    Brasil 70º
    http://pt.wikipedia.org/wiki/%C3%8Dndice_de_Desenvolvimento_Humano

    Mas… (e grande Mas) o Brasil está muito bem encaminhado!
    ” Impulsionado principalmente por uma revisão nas estatísticas de expectativa de vida, o Brasil ingressou no grupo dos países considerados de alto desenvolvimento humano pelas Nações Unidas. O dado aparece no Relatório de Desenvolvimento Humano 2007/2008, divulgado ontem pelo Pnud (Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento).
    Para fazer parte desse grupo, é preciso ter IDH (Índice de Desenvolvimento Humano) superior a 0,800 -numa escala que vai de zero a um. Foi justamente a este patamar de 0,800 que chegou o Brasil -o último dos 70 países que estão no topo do ranking no Relatório 2007/ 2008. Foram comparados 177.”

    E não é isto que realmente importa, além de discussões estéreis e algo chauvinistas, sobre quem é mais rico?
    O Brasil tem problemas sociais e económicos, sérios. Há como negar? Mas estão a ser resolvidos e bem rápido. Foi isso que escrevi. Onde está o problema ou a inverdade? (além do erro de omissão que já admiti).

  154. Graxaim

    Teremos dado um grande passo, em busca de algum tipo de união, quando conseguir-mos parar de ´disputar beleza´… Quando intencionalmente ou não ofendemos uma pessoa, isso fica entre dois, porém quando se ataca um país (com ridículas e inócuas comparações) estamos ´comprando´ para nossa causa a antipatia da nação inteira. Somos todos irmãos, falamos a mesma língua. Ainda é tempo de ter e passar a usar o respeito que cada povo merece… em cada lado do oceano.
    Fraterno abraço

  155. Graxaim

    Não poderia ser diferente.

    França planeja transferência de tecnologia militar ao Brasil

    13 de Fevereiro de 2008 – A França está disposta a transferir tecnologia militar ao Brasil, especialmente para a produção de equipamentos como submarinos, helicópteros e aviões de combate como o Rafale, segundo afirmação feita nesta terça-feira pelo presidente francês, Nicolas Sarkozy, durante entrevista conjunta com o presidente Luiz Inácio Lula da Silva, realizada em São Jorge do Oiapoque, na Guiana Francesa.

    “Eu disse ao presidente brasileiro que, sobre a questão da produção dos submarinos, estamos prontos para que um dos submarinos Scorpene seja fabricado no Brasil. Em relação a caças e helicópteros, estamos prontos para organizar transferências de tecnologia para que helicópteros e aviões de combate, especialmente o Rafale, sejam feitos no Brasil”, afirmou o presidente francês.

    Um porta-voz da Dassault Aviation, fabricante do Rafale, evitou comentar a proposta de Sarkozy. Ele assinalou, entretanto, que o construtor aeronáutico já tem “uma tradição de grande cooperação com o Brasil e que está disposto a estudar os desejos de seu cliente”.

    Os submarinos Scorpene são fabricados pelos estaleiros públicos franceses DCNS, nos quais o grupo de eletrônica de defesa Thales detém uma participação de 25%.

    Sarkozy salientou que a França deseja que as transferências de tecnologia integrem uma “parceria global” e não se limitem somente a equipamentos militares.

    O presidente francês enfatizou que a parceria não deve se restringir à entrega de material militar: “Nossa missão vai muito além. Queremos atuar, refletir, construir e intervir juntos. Não existem quaisquer tabus. O Brasil é uma grande potência democrática, que reflete sobre seu direito à segurança, um direito legítimo. É um país amigo da França e estamos totalmente dispostos a trabalhar juntos”.O presidente Lula considera que Brasil e França desejam construir uma nova fase nas relações entre os dois países, que vai além da construção da ponte sobre o rio Oiapoque, ligando Macapá, capital do Amapá, a Caiena, na Guiana Francesa. O projeto, anunciado ontem pelos dois presidentes, deverá custar R$ 38,6 milhões e será inaugurada em 2010. Lula comentou que a parceria entre os dois países não se limitará à construção da ponte ou à aquisição de equipamentos militares. “Penso que é importante termos uma compreensão um pouco mais ampla dessa nova fase que França e Brasil estão querendo construir. Pretendemos firmar um acordo de cooperação muito mais amplo”, concluiu Lula.

    Segundo integrantes da comitiva francesa, as discussões estão em curso entre Paris e Brasília e serão integradas à “parceria estratégica” que Sarkozy pretende assinar com o Brasil até o final do ano.

    (Gazeta Mercantil/Caderno A – Pág. 4)(Redação com Reuters e Agência Brasil)

    Lula e Sarkozy querem estreitar relações bilaterais

    Os presidentes da França e do Brasil, Nicolas Sarkozy e Luiz Inácio Lula da Silva, anunciaram na Guiana Francesa a decisão de aprofundar a aliança estratégica entre os dois países em outras áreas além da defesa.

    Ontem, Sarkozy recebeu Lula – que chegou de lancha – em Saint-Georges-de-l”Oiapock, na fronteira com o Brasil, em plena Amazônia.

    – Queremos atuar juntos, pensar, e crescer juntos. O Brasil é uma enorme potência democrática, é um amigo da França e estamos dispostos a trabalhar de forma transparente, com este amigo, pela paz mundial – declarou Lula.

    Sarkozy, por seu lado, disse estar dispostos a organizar as “transferências de tecnologia para que helicópteros e aviões de combate”, para que possam ser fabricados aqui.

    – Também disse a Lula que estamos prontos para que os submarinos Scorpène sejam fabricados no Brasil – completou.

    Há duas semanas, os dois países firmaram um acordo de associação estratégica na área de defesa, em um momento em que o Brasil estuda um milionário programa para reequipar suas Forças Armadas.

    Os presidentes expressaram, ainda, a intenção de seus governos de que a colaboração França-Brasil vá além da área militar.

    Sarkozy foi enfático ao defender que o G8 seja ampliado para se transformar em um G13 “com a incorporação de países como o Brasil”. Categórico, disse que “a França deseja” que o Brasil se torne integrante permanente do Conselho de Segurança da ONU.

    Além disso, Sarkozy agradeceu a Lula por seus esforços para que a franco-colombiana Ingrid Betancourt seja libertada pela guerrilha das Farc.

    – Quero agradecer ao presidente Lula por tudo o que tem feito, todos seus esforços para conseguir a libertação de Ingrid Betancourt – disse o presidente francês depois do encontro.

    Os líderes conversaram, ainda, sobre acordos de cooperação na área de biocombustíveis, a coordenação na fronteira marítima e terrestre entre o Brasil e a Guiana Francesa, e a exploração de ouro na região.

    Sarkozy promete a Lula fazer submarino

    Francês anuncia disposição de assinar acordo militar até o fim do ano

    Leonencio Nossa, SÃO JORGE DO OIAPOQUE

    Os presidentes Luiz Inácio Lula da Silva e Nicolas Sarkozy se comprometeram ontem a assinar, ainda neste ano, um amplo acordo na área militar e de defesa. Durante encontro em São Jorge do Oiapoque, pequena cidade da Guiana Francesa junto ao Rio Oiapoque e na fronteira de um dos extremos da região norte do Brasil, eles disseram estar dispostos a colocar em prática um intercâmbio tecnológico e militar que prevê troca de experiências e construção de submarinos, caças e helicópteros.

    Em declaração à imprensa, Sarkozy chegou a se comprometer a construir no Brasil, caso o País decida reequipar suas Forças Armadas com material bélico francês, um submarino Scorpen, que tem casco especial.

    O domínio da tecnologia de construção desse submarino permitiria aos técnicos brasileiros avançar no desenvolvimento de um modelo nuclear.

    “Queremos uma parceria global, que não seja apenas uma entrega de material militar, mas uma estratégia maior que a relação de compra e venda”, disse o presidente francês. “Entre França e Brasil não existem tabus.” Lula disse que o acordo não pode ser “abstrato”. O presidente ouviu, em conversas com lideranças do Amapá, queixas quanto à falta de disposição política, tanto de um país quanto de outro, para colocar em prática acordos já firmados.

    É o caso da ponte sobre o Rio Oiapoque, ligando o Estado à Guiana Francesa, orçada em R$ 38 milhões. Lula e Sarkozy prometeram abrir licitação para construir a obra.

    FÓRUNS

    A “relação estratégica” definida por Sarkozy incluiria acordos nas áreas ambiental e educacional e parceria em diálogos nos fóruns políticos e econômicos. O presidente francês defendeu um assento permanente do Brasil no Conselho de Segurança das Nações Unidas e participação no grupo dos países mais desenvolvidos, hoje formado por apenas oito nações. “O G-8 tem de se transformar no G-13”, disse Sarkozy, numa defesa também da presença no grupo do México, África do Sul, Índia e algum país árabe.

    Sarkozy afirmou ainda que, em seu entender, o mundo precisa “que o Brasil ocupe o seu lugar no cenário internacional”. A atual composição do Conselho de Segurança, afirmou, é atrasada, pois não leva em conta a América do Sul e a África. “Só assim (com países emergentes) podemos enfrentar grandes questões do mundo”, prosseguiu o presidente francês. “O Brasil é uma potência democrática e amigo da França. Nós, franceses, somos transparentes com os amigos.”

    Por sua vez, Lula criticou o Fundo Monetário Internacional (FMI) que, segundo ele, deveria buscar o desenvolvimento dos países pobres e deixar de lado a política de ajuste fiscal. O presidente reclamou também das agências internacionais que criaram uma escala de risco de investimentos para os países emergentes.

    “Todo dia vejo no computador que o risco Brasil caiu e a crise americana aumentou”, disse. “Mas só calculam o risco Brasil, e não o risco dos países que especulam.”

  156. Ok!
    Sejam então os franceses!
    E se cumprem a questão fundamental que é a da transferência de tecnologia…
    Com sorte daqui a uns dez anos teremos um “tucano” de 5ª geração made in brasil…
    e os Scorpene são excelentes na sua classe!
    Os Su-35 serão ainda melhor avião que o rafale… mas se os russos hesitam em transferir tecnologia (não hesitaram para a ìndia nem para a não-confiável China!!!!) que se danem, e que venha a França.

  157. Ed

    Me exitei um pouco ^^.
    Mas esta situaçao de pib per capta e muito intereçante se analizarmos no ponto de vista real, e claro que o brasil possue grandes diferenças entre estados, onde alguns possuem 4 mil de media outros possuem 15, 20.
    So que para se realizar uma compra de 2 bilhoes para uma economia que nao arrecada 50 bilhoes no ano e uma coisa, por mais que o pib per capto desse pais seja infinitamente maior, estamos falando de Brasil, sao 600 bilhoes de reais 380 bilhoes de dolares todo ano, voçe acha que dando uma espremidinha nas contas (afinal a divida esterna, passou a ser segundo plano pois temos mais dinheiro em caixa 184 bilhoes do que a divida 127 bilhoes).
    Não poderiamos hoje com vontade politica comprar 100 Rafales, ou Su-35…..

  158. Ed

    continuando o debate,a cabamos por todos os motivos concluir que o rafale com problemas ou não tem muitas chances de ser o vencedor,
    MAS QUAL E O MELHOR CAÇA ALGUEM TEM DADOS PARA COMPROVAR A SUPERIOROIDADE DO SU<RAFALE OU EROFIGHTER

  159. Bem, Su-35 parecem agora fora de opção… os russo estranhamente parecem muito cioso da sua tecnologia, um pudor que não tiveram quando a cederam à Índia e Rússia… E sim, claro que sim, mas o essencial aqui não será “comprar”, mas fabricar sob licença e ganhar know-how para exportar modelos militares desenvolvidos localmente com essa tecnologia ou mesmo usá-la para a área civil e consolidar assim a posição mundial da Embraer.

    mais do que comprar Rafale ou Su, a decisão devia passar por comprar… conhecimento em como estes são construídos.

    Penso eu de que…

  160. Ed

    li nao sei onde que o eurofighter consegue derrubar 4,5 su-35 antes de ser destruido o f-22 10,5 e o rafale 1 pra 1

  161. O Ef200 é um avião fantástico. Melhor que o Rafale e o F-15, algo já demonstrado sob os céus da Europa, em exercícios NATO, mas duvido que o Su-35 tenha sido já confrontado com o EF2000.. Onde poderia isso ter sido?
    Essa tabela é provávelmente uma estimativa.
    E de facto, lembro-me de ter ja lido algo assim que dava ao F-22 essa vantagem… Que é discutida por alguns, aliás, neste próprio espaço e nestes comentários lá para cima.

  162. Graxaim

    De Clavis Prophetarum
    Com sorte daqui a uns dez anos teremos um “tucano” de 5ª geração made in brasil…

    >>> 2010 chega rápido…

    http://www.defesabr.com/Tecno/tecno_simuladores.htm#Motor

    Fraternas saudações

    PS – Lá em cima, no dia 16/11/2007, muito sutilmente…

  163. Thomas

    O que será dessa proposta de caça brasileiro??

    Leiam esse link:
    http://www.defesabr.com/MD/Planobrasil/Programasaturno/md_projetoaquiles.htm

  164. Graxaim:
    “A nave brasileira com a tecnologia de propulsão com ar aspirado já começa a exisitr além do papel. Será um veículo não-tripulado com objetivo de colocar satélites em órbita. Batizado de 14X, deverá voar até 2010. Trata-se de óbvia referência ao 14 Bis de Santos Dumont, o primeiro avião da história.”
    -> Os scfamjet são de facto inúteis para vôos a altitudes normais… mas como último andar de um foguetão… são fantásticos e permitiriam poupar uma fortuna em peso de combustível. É uma tecnologia que sigo de perto… e bem que a gostaria de ver no topo de um foguete barsileiro. Mas… para isso era preciso vê-lo. Agora que até o Irão lança satélites, para quando o regresso do programa espacial brasileiro?

    Thomas:
    “AF-50 – Caça Multipropósito com
    características de interceptação e ataque.”
    Ena… Será que passa do papel?

  165. Graxaim

    Clavis Prophetarum
    -> Os scfamjet são de facto inúteis para vôos a altitudes normais…

    Por favor leia isto:
    http://www.defesabr.com/Tecno/tecno.htm#Hipersonicos

    >>> Para quem não gosta ou não tem tempo de ler muito, transcrevo alguns parágrafos do site acima:

    ´´Tanto aviões, tripulados ou não, miltares ou civis, como mísseis e foguetes passarão a ser hipersônicos em menos de 10 anos. Os hipersônicos serão o novo paradigma da aviação do Século XXI. Terão velocidades na faixa de 10 vezes superior a do som, ou o inacreditável Mach 10, com 12.260 km/h. ´´

    ´´Os motores SCRAMJET são tidos como uma potencial revolução na aeronáutica. Quando passarem a ser usados por aviões, rotineiramente, poderão realizar transporte rápido pela Terra, levando passageiros de um lado a outro do mundo em pouco mais de uma hora. ´´

    ´´Eles também poderão ser úteis no desenvolvimento de naves espaciais, que usariam o oxigênio da atmosfera em sua trajetória de aceleração, economizando combustível. É um enorme passo rumo às futuras possibilidades de produzir lançadores para enviar cargas críticas e grandes ao espaço de uma forma segura, confiável e barata.´´
    ——————————————————–
    >>> Conceber e materializar um motor desses é infinitamente mais difícil do que adaptá-lo para o funcionamento em atmosfera densa. Isso é elementar.

    Fraternas saudações

  166. Graxaim

    Caro Thomas

    ´´Thomas (05:22:19) :

    O que será dessa proposta de caça brasileiro??

    Leiam esse link:
    http://www.defesabr.com/MD/Planobrasil/Programasaturno/md_projetoaquiles. ´´
    ————————————————————
    Esse link que tu citastes mostra somente uma possível solução imaginada pelo autor. Nada disso é real. Com o pouco que se sabe neste momento, creio que esse tipo de avião (quinta geração) de superioridade aérea e multi-função, serão em poucos anos peças de museu. O mais provável é que sejam substituidos por pequenos e poderosíssimos aviões não tripulados. É o que depreende das poucas coisas que se lê a respeito e as muitas fofocas que se ouvem.
    Um fraterno abraço

  167. Thomas

    Sobre sua pergunta Rui, se o projeto do AF-50, passa ou não do papel, só o futuro irá dizer, porém, em Brasília a movimentação está intensa pela renovação sistemática do parque industrial bélico brasileiro, inclusive com um “ULTIMATO” do presidente LULA para serem apresentados e iniciados em setembro desse ano os trabalhos conjuntos envolvendo as 3 forças armadas e autoridades governamentais.
    Fala-se em “off” que já se reuniram varias vezes o ministro da tecnologia,da defesa e planejamento, além de representantes das mais importantes empresas de armamento brasileiro, entre elas a Mectron, Avibras e Embraer, inclusive com a missão de implementar investimento estatal direto para o controle acionário da Avibras e de outras estratégicas ao novo projeto de defesa nacional.
    Alguns falam de longa data que a possibilidade de fabricação de um caça nacional é sim realidade, dependia de ações concretas do governo (que já se posiciona)…assim como o submarino nuclear vai utilizar componentes eletrônicos franceses,pois, o restante já está praticamente concluido

  168. Thomas

    Sobre sua pergunta Rui, se o projeto do AF-50, passa ou não do papel, só o futuro irá dizer, porém, em Brasília a movimentação está intensa pela renovação sistemática do parque industrial bélico brasileiro, inclusive com um “ULTIMATO” do presidente LULA para serem apresentados e iniciados em setembro desse ano os trabalhos conjuntos envolvendo as 3 forças armadas e autoridades governamentais.
    Fala-se em “off” que já se reuniram varias vezes o ministro da tecnologia,da defesa e planejamento, além de representantes das mais importantes empresas de armamento brasileiro, entre elas a Mectron, Avibras e Embraer, inclusive com a missão de implementar investimento estatal direto para o controle acionário da Avibras e de outras estratégicas ao novo projeto de defesa nacional.
    Alguns falam de longa data que a possibilidade de fabricação de um caça nacional é sim realidade, dependia de ações concretas do governo (que já se posiciona)…assim como o submarino nuclear vai utilizar componentes eletrônicos franceses, pois, o restante já está praticamente concluído…Um caça nacional vai necessitar de aporte de indústrias estrangeiras para completar os avanços já alcançados pela Embraer e Avibras…porém tudo está sendo tratado de forma muito sigilosa, pois, a transferência tecnológica seria o aporte necessário para esse complemento futuro, inclusive com negociações de uso de partes de plataformas industriais do Sukhoi e do f-18 como está sendo concebido no Defesa-br….pois daí o Brasil poderia expandir uma família de novos caças….porém, nada é de graça, e a compra de alguns aviões puros( com fabricação aqui) pode ser a exigência( a pergunta é quem vai ganhar???) Rafale?? Sukhoi?? onde entra esse f-18??….se bem que o f-18, já não faz parte da plataforma atual da USAF.

  169. Thomas

    ops..saiu duplicada a resposta…perdão pelo lapso!!!!

  170. Graxaim:
    ” ´´Tanto aviões, tripulados ou não, miltares ou civis, como mísseis e foguetes passarão a ser hipersônicos em menos de 10 anos. Os hipersônicos serão o novo paradigma da aviação do Século XXI. Terão velocidades na faixa de 10 vezes superior a do som, ou o inacreditável Mach 10, com 12.260 km/h. ´´”
    -> Sim, para vôos intercontinentais. Há aliás vários projectos em investigação neste momento.

    ” ´´Os motores SCRAMJET são tidos como uma potencial revolução na aeronáutica. Quando passarem a ser usados por aviões, rotineiramente, poderão realizar transporte rápido pela Terra, levando passageiros de um lado a outro do mundo em pouco mais de uma hora. ´´”
    -> Em vôos suborbitais, presumo.

    ” ´´Eles também poderão ser úteis no desenvolvimento de naves espaciais, que usariam o oxigênio da atmosfera em sua trajetória de aceleração, economizando combustível. É um enorme passo rumo às futuras possibilidades de produzir lançadores para enviar cargas críticas e grandes ao espaço de uma forma segura, confiável e barata.´´”
    -> Essa é a grande aposta… É nessa área que os scramjet podem realmente fazer a diferença, baixando o preço por grama para uma valor realmente baixo!

    Thomas:
    ” Sobre sua pergunta Rui, se o projeto do AF-50, passa ou não do papel, só o futuro irá dizer, porém, em Brasília a movimentação está intensa pela renovação”
    -> O que me parece duvido é que haja no Brasil, sozinho, mercado para tal avião. Para ser desenvolvido com sucesso seria vital estabelecer parcerias, e clientes. Um mercado potencial de 30-50 aparelhos nunca o poderá rentabilizar… E daqui a menos de 10 anos muita gente estará a tentar renovar a sua frota de F-16/18 e Mirage 2000… Todos clientes importantes que importa cativar agora…

  171. Ed

    30-50, seriam basicamente somando todos os atuais caças 150-200 aparelhos

  172. Ed

    Sarkozy foi enfático ao defender que o G8 seja ampliado para se transformar em um G13 “com a incorporação de países como o Brasil”. Categórico, disse que “a França deseja” que o Brasil se torne integrante permanente do Conselho de Segurança da ONU.

    teria de ser G 20 pra falar a verdade.

  173. Ed

    quanto mais membros melhor afinal estamos falando de 170 (pra cima) paizes que de uma forma ou de outra são influenciados pelo G8

  174. Graxaim

    Clavis Prophetarum
    Pois é, não é? O scramjet é um motor para aviões!

    Teus comentários…

    -> Sim, para vôos intercontinentais. Há aliás vários projectos em investigação neste momento.
    >>>>> Com simples adaptação, como hoje ocorre, aviões acionados dessa forma, farão voos de curto alcance.

    -> Em vôos suborbitais, presumo.
    >>>>> Um jato convencional, hoje, em voo intercontinental ou ao menos de longo alcance, sobe a 10.000 metros aproximadamente. Menor resistência (arrasto), maior velocidade, etc… Para curto alcance, altitudes inferiores. Isso vai continuar acontecendo, independente do motor.

    -> Essa é a grande aposta… É nessa área que os scramjet podem realmente fazer a diferença, baixando o preço por grama para uma valor realmente baixo!
    >>>>> É necessário que tenhamos em mente, que vai acabar a era dos ´´foguetões´´. Em lugar deles haverão naves ou aviões, especialmente desenhados para ir ao espaço, levando carga ou fazendo viagens interplanetárias, que partirão da supefície do planeta. Simples assim…

    ´´E daqui a menos de 10 anos muita gente estará a tentar renovar a sua frota de F-16/18 e Mirage 2000… Todos clientes importantes que importa cativar agora…´´
    >>>>> Sobre os F-16/18, nada posso dizer… Já sôbre os Mirage 2000 te asseguro que as posições vão se inverter tão rápido que somente as pessoas mais ´ligadas´ perceberão. Os fabricantes do M-2000, já faz algum tempo, sabem de quem se aproximar… e porque!

    Saudações

  175. cravo

    >>>li nao sei onde que o eurofighter consegue derrubar 4,5 su-35 antes de ser >>>destruido o f-22 10,5 e o rafale 1 pra 1

    Este é um estudo antigo de um organismo britânico (DERA) que já vem de há quase década e meia. Para além de ser muito antigo, de origem britânica (e muito provavelmente bastante tendencioso em relação ao Typhoon), baseava-se muito em especulação e futurologia. Desde que foi feito, os russos introduziram na família Flanker o radar N-011M, os mísseis R-77M ramjet com 160 km de alcance, R-74 digital com alcance alargado, motores AL-31F mais potentes e com TVC tridimensional, buscadores por radar activo e anti-radiação no R-27, sensores passivos de IR muito mais sensíveis, o datalink TKS-2, etc etc. Esse estudo é tão antigo que o F-15F era apresentado com um racio de 1.3 sobre o Su-35, algo impensável meia duzia de anos mais tarde apenas. E ainda estamos a falar do Su-35 antigo, actualmente ao serviço da força aérea russa em pequeno número. Se falarmos do novo Su-35BM, então é uma dimensão totalmente diferente. Esse estudo valia nada há 10 anos atrás. Hoje em dia, imprimido em papel absorvente, vale menos que um rolo de papel higiénico.

  176. Graxaim

    Clavis Prophetarum (09:42:45) : 18/02/08
    ´´preciso vê-lo. Agora que até o Irão lança satélites, para quando o regresso do programa espacial brasileiro?´´

    Nunca parou…
    Do site: http://www.fab.mil.br/imprensa/Noticias/2008/02_fev/2002_iae_suecia.htm

    Foguete brasileiro VSB-30 é lançado da Suécia

    No último dia 7 de fevereiro, ocorreu o lançamento do foguete brasileiro VSB-30 V05 no campo de lançamento de Kiruna (Suécia). O foguete lançou em vôo suborbital uma carga útil da família TEXUS, a qual permite a realização de experimentos científicos em ambiente de microgravidade (neste ambiente, os experimentos estão submetidos ao campo gravitacional da terra, e a microacelerações residuais oriundas de pequenos movimentos de rotação da carga útil, que idealmente seriam nulos).

    A missão do VSB-30 é impulsionar a carga útil de modo que esta permaneça por 6 minutos acima de 110 quilômetros, ou equivalentemente atinja o apogeu de 270 quilômetros, região da atmosfera em que o arrasto aerodinâmico é pequeno o suficiente para não contribuir na desaceleração da carga útil, e assim não introduzindo acelerações indesejáveis ao ambiente de microgravidade.

    As cargas TEXUS são dotadas de um sistema de recuperação, utilizando pára-quedas, e são resgatadas por um helicóptero, em um prazo de vinte minutos, para que os cientistas tenham acesso aos experimentos a tempo para análise em laboratório. Esse vôo do VSB-30 foi precedido de sete tentativas, em que as condições climatológicas de ventos, nevascas e pouca visibilidade impediram a decolagem.

    A missão foi bem sucedida. O VSB-30 cumpriu a trajetória prevista. A carga útil e seus experimentos operaram corretamente, o sistema de recuperação promoveu a aterrissagem suave da carga útil e o resgato foi tempestivo.

    Em maio de 2008, o veículo deverá transportar uma carga útil MASER, também do programa científico europeu.

    Fonte: IAE

    PS. – Irã/Brasil = Tamancos/Bicicletas.

    Fraternas saudações

  177. Graxaim

    Clavis Prophetarum

    Complementando meu comentário anterior, sobre esta tua afirmação…

    “que a gostaria de ver no topo de um foguete barsileiro. Mas… para isso era preciso vê-lo. Agora que até o Irão lança satélites, para quando o regresso do programa espacial brasileiro?“

    Site: http://www.fab.mil.br/imprensa/Noticias/2008/02_fev/2002_unifa_curso.htm

    UNIFA recebe inscrições para Curso de Doutorado em Ciências Aeroespaciais

    Os interessados em participar da seleção ao Curso de Doutorado em Ciências Aeroespaciais, a ser desenvolvido no período de 2008 a 2010, poderão se inscrever até o dia 17 de março de 2008.

    Este curso insere-se no Programa de Pós-graduação da UNIFA, cujo objetivo é a capacitação de profissionais do COMAER nas áreas de interesse do Poder Aeroespacial, com ênfase no aprofundamento dos fundamentos e das bases doutrinárias dos assuntos de interesse, e de fomentar o desenvolvimento de pesquisas que contribuam para a ampliação do conhecimento e o enriquecimento da comunidade científica e aeroespacial.

    Pré-requisitos para a inscrição:

    Ser Oficial da Aeronáutica (ativa e reserva) ou Servidor Civil do COMAER;
    Possuir o título de mestre, em qualquer área do conhecimento; ou
    Ter o Curso de Política e Estratégia Aeroespaciais (CPEA), ou os cursos equivalentes CPAEX, CPEM ou CAEPE.
    As teses a serem desenvolvidas terão como base as seguintes áreas de concentração e linhas de pesquisa:

    PODER AÉREO – Estratégias para o preparo e emprego da Força Aérea, Doutrina de emprego da Força Aérea, Comando e controle, Inteligência, e Logística e Mobilização do Poder Aeroespacial.

    CIÊNCIA E TECNOLOGIA – Inovações tecnológicas, Gestão de tecnologias sensíveis.
    Mais informações poderão ser obtidas no site http://www.unifa.intraer ou pelo e-mail posgrad.unifa@yahoo.com.br, ou pelos telefones (21) 2108-8950 / 2157-2848.
    Fonte: UNIFA

    >>> Regresso?

    Saudações

  178. Ed

    cravo valeu por me explicar, tambem achava muito tendenciosa.

  179. Ricardo Teixeira

    UM TANQUE A MENOS

    O T3 terá um papel importante no desenvolvimento de novos tipos de motores. Atualmente, os veículos espaciais precisam levar um tanque de combustível e outro de oxidante (a substância que faz com que o combustível queime, como o hidrogênio). O novo túnel do CTA estudará formas de capturar o ar da própria atmosfera e utilizá-lo como oxidante. Com um tanque a menos, a nave ficaria mais leve, o espaço para carga útil aumentaria e as viagens ficariam mais baratas. Atualmente, um satélite não pode passar de 5% do peso total de um veículo lançador de satélites (VLS).

    A nave brasileira com a tecnologia de propulsão com ar aspirado já existe no papel. Batizada de 14-X, ela deve voar até o ano 2010.

  180. Ed

    O T3 é o único túnel de vento hipersônico do mundo capaz de fazer experimentos com propulsão a laser. Enquanto os ventos hipersônicos atingem o nave pela frente, os raios a atingem pela cauda. “Vamos ver como essas duas forças ‘conversam’”, explica o engenheiro aeroespacial Marco Sala Minucci, vice-diretor do Instituto de Estudos Avançados do CTA, que está à frente de uma equipe de cerca de 25 cientistas.

    O projeto da propulsão a laser faz parte de um convênio com a Força Aérea dos Estados Unidos. Ainda neste mês, os pesquisadores do CTA receberão dos americanos os dispositivos que produzem os raios laser de dióxido de carbono.

    Hoje não passam de dez os países do mundo que têm túneis de vento hipersônico, como Rússia, Alemanha e Austrália. A Nasa, agência espacial dos Estados Unidos, realizou em 2004 um vôo hipersônico não-tripulado com essa tecnologia, mas os testes ainda não terminaram. No Japão está sendo montado o maior túnel do mundo, com cerca de cem metros de comprimento. Na América Latina, somente o Brasil tem essa tecnologia.

  181. Thomas

    Olhem mais essa dos EUA..será VERDADE ISSO??

    Artigo
    O roubo de informações – ou Lula sai da toca ou cai
    Pagina principal / CPLP / Brasil
    20.02.2008 Fonte: http://port.pravda.ru/cplp/brasil/20-02-2008/21728-rouboinformes-0
    Aumentar tamanho
    Diminuir tamanho Versão impressa
    Páginas: 123

    Laerte Braga

    Halliburton, a empresa responsável pelo container de onde foram roubados discos rígidos e um notebook da PETROBRAS contendo informações sigilosas sobre as descobertas da empresa e que transformam o Brasil em detentor de reservas extraordinárias de petróleo teve como presidente o vice-presidente dos Estados Unidos, Dick Chaney.

    DESTAQUE
    Rússia: Extrema preocupação sobre Kosovo
    Obrigado, Camarada Fidel!
    Foras-da-lei!

    Coelhinhas brasileiras de 2007
    Mais…

    É uma das gigantes da exploração de petróleo no mundo e constantemente acusada de ser favorecida pelo governo norte-americano, além de ligações com a CIA. Pior, dentro da mecânica do sistema financia com gordas contribuições campanhas de candidatos republicanos e ações da CIA (AGÊNCIA CENTRAL DE INFORMAÇÕES).

    O jornalista Paulo Henrique Amorim, em seu CONVERSA AFIADA, foi claro e transparente ontem, quinta-feira. Ou Lula sai da toca e vai para a luta com os seus adversários ou vão fabricar uma crise a cada dia, tem sido assim desde o “mensalão” e acabam chegando ao impedimento do presidente.

    Para essa gente, tucanos, democratas, PTB, etc, pouco importa que o País mergulhe numa crise, se arrebente, que o desemprego volte a níveis assustadores, a miséria se espalhe em proporções dramáticas como no governo FHC. Importa que a chave do cofre esteja nas mãos deles para operar os grandes negócios e empresas como a Halliburton possam agir às claras, pois de saída privatizam a PETROBRAS.

    Como nada acontece por acaso uma semana antes foi revelado que a FUNDAÇÃO FORD, eufemismo para operações ilegais dos EUA em países como o Brasil, “contribuiu” com 800 mil dólares para FHC, em 1969 (a primeira parcela foi de 145 mil dólares) criar um centro de estudos e mudar de idéia.

    No caso específico de FHC os olhos postos sobre o Brasil, novamente, via José Serra, se voltam de forma mais aguda. É que Hilary Clinton está em dificuldades em sua campanha e o cargo de secretário de Estado está cada vez mais distante, Tinha a pretensão de ser um novo Kissinger.

    A operação tem todo o estilo CIA/MOSSAD (serviço secreto de Israel, braço da agência norte-americana, ou vice-versa). Ter um governo “confiável” por aqui é fundamental para assegurar o relacionamento de Corte e Colônia.

    As crises fabricadas e montadas nos laboratórios de Washington desembocam no Brasil via “tucanex” ou “democratex”, o veículo mais rápido de entrega e venda do País ao capital internacional.

    A grande mídia deita e rola em cima da história e há notícias que no estúdio do JORNAL NACIONAL (JORNAL NACIONAL DOS EUA) colocaram almofadas especiais para o caso de William Bonner entrar em orgasmo incontrolável e subir pelas paredes na crise de cada dia.
    Páginas: 123
    Versão impressa e-mail

  182. Fred

    Thomas, editorial do Pravda é forçar a amizade, você leu o artigo sobre as mentiras da TV GLobo? onde eles falam do quadro humoristico “dos melhores do mundo” do fantástico como reportagem? Fala sério!

  183. Thomas

    EH!!…hehe…Com certeza essas reportagens possuem sim fundo ideológico, ainda mais se for levar em conta uma teimosia em se propagar a defesa de uma ordem esquerdista que ah muito já está defasada!!!

    Coloquei esse link no intuito de trazer a discussão, sobre até que ponto essa estória pode conter fundo de verdade ou não!!! Em se tratando de EUA, por mais que não se situe as informações nos níveis divulgados por esse meio, é importante o Brasil ficar atento.

    Quanto a questão de idoneidade na informação, esse é o grande desafio do nosso século,pois, os grandes meios de informação, principalmente no Brasil, estão concentrados em mãos de grandes políticos e conglomerados de interesses que se travestem até mesmo de inocente(s) ONG(s)….Por isso que espaços como este aqui do movv, são importantes, pois, nos levam à reflexão e à discussão e debate de assuntos polêmicos e com certeza em boa parte tendenciosos, pois, todos nós(sem excessão) Fred, somos, produtos do meio e bebemos em fontes variadas que nos transformam em ideólogos e defensores de causas, que em muitas ocasiões,(se quer passam perto de ser as nossas causas)

    Mas creio sermos brasileiros e compartilharmos com uma causa maior que é o brasil e nossa cultura Lusófona…Nossas ideologias nos tornam ativos, porém, quais serão as melhores para nós???….Essa pergunta carece de reflexões e as respostas devemos buscar de forma imparcial!!!…abraço!!!

  184. Ed:
    ” 30-50, seriam basicamente somando todos os atuais caças 150-200 aparelhos”
    -> As notícias falam sempre de 36… Ainda que seja possível esperar um aumento para o dobro (creio que li tal em algures, num segundo pacote), nunca li nada que mencionasse um número dessa ordem de grandeza, e provavelmente, o brasil nem precisa de tantos aparelhos deste tipo. Este número de 36-72 aparelhos de “primeira linha” pode bem ser completamente por um “hipertucano” para ataque ao solo e COIN para substituir os Tucanos e os AMXs daqui a uns anos. Desenvolvido no Brasil, talvez com tecnologia entretanto adquirida pela construção local dos Rafales (se forem estes, como tudo parece indicar)

    Ed:
    ” Sarkozy foi enfático ao defender que o G8 seja ampliado para se transformar em um G13 “com a incorporação de países como o Brasil”. Categórico, disse que “a França deseja” que o Brasil se torne integrante permanente do Conselho de Segurança da ONU.
    teria de ser G 20 pra falar a verdade.”
    -> Óptimo… É impressão minha ou esta França de Sarkozy está muito empenhada em se afirmar como aliado regional do Brasil?… Será que teme algo pelas bandas chavistas contra a “sua” Guiana?

    Graxaim:
    ” Clavis Prophetarum
    Pois é, não é? O scramjet é um motor para aviões!”
    -> Eu sei que pode ser… mas um avião com um scramjet não pode voar só com ele, por causa da velocidade mínima elevada a partir da qual ele funciona…
    -> E poderão ser muito úteis em vôos intercontinentais ou suborbitais.

    ” -> Essa é a grande aposta… É nessa área que os scramjet podem realmente fazer a diferença, baixando o preço por grama para uma valor realmente baixo!
    >>>>> É necessário que tenhamos em mente, que vai acabar a era dos ´´foguetões´´. Em lugar deles haverão naves ou aviões, especialmente desenhados para ir ao espaço, levando carga ou fazendo viagens interplanetárias, que partirão da supefície do planeta. Simples assim…”
    -> Nesse aspecto o SpaceShipOne é uma espécie de antevisão futurística… Mas a foguete convencional e com turbinas normais.

    ” ´´E daqui a menos de 10 anos muita gente estará a tentar renovar a sua frota de F-16/18 e Mirage 2000… Todos clientes importantes que importa cativar agora…´´
    >>>>> Sobre os F-16/18, nada posso dizer… Já sôbre os Mirage 2000 te asseguro que as posições vão se inverter tão rápido que somente as pessoas mais ´ligadas´ perceberão. Os fabricantes do M-2000, já faz algum tempo, sabem de quem se aproximar… e porque!”
    -> Do Brasil?

    Cravo:

    ” >>>li nao sei onde que o eurofighter consegue derrubar 4,5 su-35 antes de ser >>>destruido o f-22 10,5 e o rafale 1 pra 1
    Este é um estudo antigo de um organismo britânico (DERA) que já vem de há quase década e meia. Para além de ser muito antigo, de origem britânica (e muito provavelmente bastante tendencioso em relação ao Typhoon), baseava-se muito em especulação e futurologia. Desde que foi feito, os russos introduziram na família Flanker o radar N-011M, os mísseis R-77M ramjet com 160 km de alcance, R-74 digital com alcance alargado, motores AL-31F mais potentes e com TVC tridimensional, buscadores por radar activo e anti-radiação no R-27, sensores passivos de IR muito mais sensíveis, o datalink TKS-2, etc etc. Esse estudo é tão antigo que o F-15F era apresentado com um racio de 1.3 sobre o Su-35, algo impensável meia duzia de anos mais tarde apenas. E ainda estamos a falar do Su-35 antigo, actualmente ao serviço da força aérea russa em pequeno número. Se falarmos do novo Su-35BM, então é uma dimensão totalmente diferente. Esse estudo valia nada há 10 anos atrás. Hoje em dia, imprimido em papel absorvente, vale menos que um rolo de papel higiénico.”
    -> Certo, Cravo. Compreendo.

    Graxaim:
    ” Clavis Prophetarum (09:42:45) : 18/02/08
    ´´preciso vê-lo. Agora que até o Irão lança satélites, para quando o regresso do programa espacial brasileiro?´´
    Nunca parou…
    Do site: http://www.fab.mil.br/imprensa/Noticias/2008/02_fev/2002_iae_suecia.htm
    Foguete brasileiro VSB-30 é lançado da Suécia”

    -> Suécia? Ora essa.

    ” No último dia 7 de fevereiro, ocorreu o lançamento do foguete brasileiro VSB-30 V05 no campo de lançamento de Kiruna (Suécia). O foguete lançou em vôo suborbital uma carga útil da família TEXUS, a qual permite a realização de experimentos científicos em ambiente de microgravidade (neste ambiente, os experimentos estão submetidos ao campo gravitacional da terra, e a microacelerações residuais oriundas de pequenos movimentos de rotação da carga útil, que idealmente seriam nulos).”
    -> Essa notícia não chegou aqui!

    ” A missão do VSB-30 é impulsionar a carga útil de modo que esta permaneça por 6 minutos acima de 110 quilômetros, ou equivalentemente atinja o apogeu de 270 quilômetros, região da atmosfera em que o arrasto aerodinâmico é pequeno o suficiente para não contribuir na desaceleração da carga útil, e assim não introduzindo acelerações indesejáveis ao ambiente de microgravidade.
    As cargas TEXUS são dotadas de um sistema de recuperação, utilizando pára-quedas, e são resgatadas por um helicóptero, em um prazo de vinte minutos, para que os cientistas tenham acesso aos experimentos a tempo para análise em laboratório. Esse vôo do VSB-30 foi precedido de sete tentativas, em que as condições climatológicas de ventos, nevascas e pouca visibilidade impediram a decolagem.
    A missão foi bem sucedida. O VSB-30 cumpriu a trajetória prevista. A carga útil e seus experimentos operaram corretamente, o sistema de recuperação promoveu a aterrissagem suave da carga útil e o resgato foi tempestivo.
    Em maio de 2008, o veículo deverá transportar uma carga útil MASER, também do programa científico europeu.
    Fonte: IAE

    PS. – Irã/Brasil = Tamancos/Bicicletas.”
    -> Sim, basicamente usam mísseis scuds e nortecoreanos modificados, eu sei… mas que têm muito foco dos media, ninguém pode negar, ao contrário deste lançamento do vsb-30.

  185. Graxaim

    Clavis Prophetarum

    Acertando os ponteiros (ou tentando…)

    -> Óptimo… É impressão minha ou esta França de Sarkozy está muito empenhada em se afirmar como aliado regional do Brasil?… Será que teme algo pelas bandas chavistas contra a “sua” Guiana?

    >>> A França de Sarkozy e as anteriores também. Variou só a intensidade da aproximação. A França, já tem um bom tempo, percebeu as vantagens de ter o máximo de vínculos com o único país capaz de prover suas necessidades em futuro não tão distante. Da água aos metais estratégicos, somente o Brasil poderá disponibilizar, sem contar que deverá vir a ser uma superpotência militar. Um aliado imprescindível… e a França parece ter percebido isso e trata de cedo investir na ´relação´.
    ———————————————————–
    -> Eu sei que pode ser… mas um avião com um scramjet não pode voar só com ele, por causa da velocidade mínima elevada a partir da qual ele funciona…
    -> E poderão ser muito úteis em vôos intercontinentais ou suborbitais.

    >>> Se não estou enganado, tu imaginas o scramjet como o motor de um carro sem carga elétrica na bateria. Algo que ´´só pega no tranco´´.
    A lógica nos diz que com certeza vai haver um sistema de ´´arranque´´, mediante sopro externo gerado, explosão em pré-câmara, ou qualquer sistema que dê partida ao motor. O fato de poder mover uma nave a dez vezes a velocidade do som (ou mais), não significa que só funcione a plena potência. O scramjet está recém em fase pós-embrionária. Por suas características ele necessita sim de um ´tremendo´ fluxo de ar, e muito embora tenha sido testado ´atrelado´ a um missil, não significa que vai necessitar de um, cada vez que funcione. No Brasil ele é testado em túnel, utilizando um sistema próprio para a geração do fluxo. Um sistema equivalente, de mínimas proporções (em comparação as dos túneis), porá em funcionamento um scramjet estático.
    Não deve surpeender o surgimento de aviões hibridos. Turbinas convencionais e scramjet no mesmo avião. Provável fase transitória…
    ———————————————————-
    >>>>> Sobre os F-16/18, nada posso dizer… Já sôbre os Mirage 2000 te asseguro que as posições vão se inverter tão rápido que somente as pessoas mais ´ligadas´ perceberão. Os fabricantes do M-2000, já faz algum tempo, sabem de quem se aproximar… e porque!”
    -> Do Brasil?

    >>> Evidentemente! Além de aprender com os brasileiros a tomar banho diariamente 🙂 , tudo o mais a que já me referi acima.
    ———————————————————–
    Foguete brasileiro VSB-30 é lançado da Suécia”

    -> Suécia? Ora essa

    -> Essa notícia não chegou aqui!

    PS. – Irã/Brasil = Tamancos/Bicicletas.”
    -> Sim, basicamente usam mísseis scuds e nortecoreanos modificados, eu sei… mas que têm muito foco dos media, ninguém pode negar, ao contrário deste lançamento do vsb-30.

    >>> Notícia do ano de 2004

    Aeronáutica lança protótipo de foguete na Base de Alcântara
    Sábado, 23/10/2004 – 18:50

    Brasília – O primeiro protótipo de foguete de sondagem, o VBS-30, foi lançado hoje no Centro de Lançamento de Alcântara, no Maranhão. O lançamento faz parte da Operação Cajuana e foi considerado um sucesso pelas equipes do Instituto da Aeronáutica, do Centro Técnico Aeroespacial (CTA/IAE) e do Centro Espacial Alemão, responsáveis pelo programa.

    De acordo com a assessoria de imprensa do Departamento de Pesquisas da Aeronáutica, o foguete permaneceu sete minutos em ambiente de microgravidade. Os primeiros vôos operacionais do VBS-30 já estão marcados: novembro de 2005 e maio de 2006. Os dois irão levar experimentos europeus a 250 quilômetros de altitude.

    O VBS-30 traz diversas inovações em relação aos outros foguetes de sondagem já fabricados no Brasil. Ele possui um propulsor que acelera a decolagem (booster). O protótipo também tem um sistema de rolamento e empenas que garantem maior precisão nos vôos. Além disso, o VBS-30 possui equipamentos que possibilitam o acompanhamento da trajetória do foguete por radar, telemetria ou GPS, medição de temperatura e rotação.
    ———————————————————-
    >>> Notícia de 2006

    VBS-30: Foguete brasileiro levará experiências européias ao espaço

    Uma equipe de especialistas brasileiros que reúne 13 engenheiros e técnicos em mecânica e eletrônica está em Kiruna, na Suécia, para participar da operação de lançamento do foguete suborbital brasileiro (VBS–30), que vai levar ao espaço quatro experimentos científicos da Agência Espacial Européia (IAE). A iniciativa é resultado de um acordo firmado entre a Agência Espacial Brasileira (AEB) com a Agência Espacial Alemã (DLR/Moraba).

    O VSB-30 foi desenvolvido pelo IAE, tem 12,8 m, pesa cerca de 2,6 toneladas, e tem capacidade para transportar 407 kg de carga útil. O foguete brasileiro foi concebido para atender à comunidade científica do Brasil, mas despertou o interesse dos países europeus, que o estão usando como substituto do foguete Skylark, que teve sua produção cessada.

    Os experimentos a serem testados pela ESA tratam da difusão laminar de chamas representativas de incêndios em ambiente de microgravidade, do desenvolvimento de um cristal líquido, da determinação de parâmetros fisiológicos de “euglena gracilis” e de mecanismos biológicos sensíveis à gravidade.

    >>> Como podes ver, o assunto é velho… A tua Europa usa veículos brasileiros para esse tipo de pesquisa e já faz algum tempo… Por essas e por outras é que penso que estamos tecnologicamente uns trinta ou quarenta anos a frente do que tu pensas…

    Fraternas saudações

  186. Graxaim

    Posts tagged with “Avibrás; Brasil; Tomahawk; míssil”
    Isso sim é ataque
    Sunday, 5. August 2007, 00:40:46

    Avibrás; Brasil; Tomahawk; míssil

    “Cada unidade de lançamento comporta dois mísseis. Após programadas as coordenadas do alvo, os caminhões off-road estremecem levemente, enquanto a pesada caçamba gira, sob comando dos computadores, cada um com um ângulo e uma orientação levemente diferente, mas todos direcionados ao campo de pouso inimigo.

    Quando é dada a ordem de disparar, dez mísseis saem dos tubos, impulsionados por um primeiro estágio de foguete, para em seguida abrirem suas asas, acionarem os jatos e voarem em direção ao alvo com a velocidade de um avião de carreira.

    A 300Km de distância o inimigo não tem idéia do que o espera. Voando abaixo da cobertura do radar, cada míssil já tem seu alvo determinado. 5 aproximam-se do leste, e graças à navegação por GPS acertam com precisão sub-metro porções diferentes da pista de pouso, a ogiva de alto-explosivo de 200Kg em cada míssil gerando crateras que levarão semanas para serem consertadas.

    Ao mesmo tempo 2 mísseis voando próximos se dividem. Um acerta a estação de radar na colina, o outro acerta a base da torre de controle. Os três mísseis restantes sobrevoam a área próxima aos hangares. onde os caças eram deixados em prontidão. 8 Migs, juntos e abastecidos. No ponto exato para causar mais dano, os mísseis soltam 24 submunições cada um. Uma única dessas capaz de danificar um tanque, destroem facilmente os caças. O comandante da base mal tem tempo de sair de seu alojamento e ver os três últimos mísseis, agora vazios, apontarem o nariz para cima, estolarem e caírem no chão, adicionando o que restava de seu combustível ao caos já reinante. A ação toda durou pouco mais de 40 segundos.”

    A descrição acima poderia ter sido feita por alguém falando da guerra no Iraque, Tom Clancy, especial do Discovery sobre armas de alta tecnologia, mas na verdade estamos falando de tecnologia nacional. Nada a ver com mísseis Tomahawk, a arma aqui é o míssil AV/MT-300 da Avibrás, um míssil de cruzeiro, desenvolvido no Brasil e compatível com o sistema Astros II.

    Pesando 700Kg, voando a mach 0.7 e com alcance divulgado de 300Km, o AV/MT-300, conhecido como Matador coloca o Brasil no seletíssimo clube de países com capacidade de desenvolver mísseis de cruzeiro, e com tecnologia toda nacional. Com preço estimado de US$800 mil, contra US$1,2 milhão dos concorrentes, esse brinquedo tem tudo pra garantir uma boa receita para a Avibrás, que está estudando modelos com mais carga útil e maior alcance.

    Estima-se que o poder de fogo de dois desses mísseis seja suficiente para destruir uma refinaria de petróleo.

    http://my.opera.com/parolin/blog/index.dml/tag/Avibr%C3%A1s%3B%20Brasil%3B%20Tomahawk%3B%20m%C3%ADssil

  187. Ricardo Teixeira

    MEW isso ai que voçe citou em cima, e tudo balela, converça pra boi durmi
    A avibras esta falida, mau consegue vender o guará, no maximo tem uma maquete de papelão deste missil.
    Isto foi muito mais jogada de marketing pra tentar vender Astros 2 do que realmente, uma tentativa da venda de tal missil.

  188. Graxaim

    Ricardo Teixeira (18:21:58) :

    Oh, meu. Todo mundo sabe que a Avibras tá na pindaíba, falô? Só que tem umas que tu não tá sacando, meu… Esta pessoa aqui não escreveu nenhuma palavra do que tem lá em cima, tá legal? Seguinte, cara, parece que o governo vai botá uma grana preta na Avibras, ta sabendo? Daí vai ficá tudo nas boa, né? Uns caras que sabem das coisas, me bateram que o tal missil é quente, falô?
    Ah… ia esquecendo do recado… A Academia de Letras avisa que não adianta tentar tua admissão. 🙂

    Saudações oh meu…

  189. Thomas

    Governo brasileiro vai aumentar gastos e investimento nas industrias bélicas brasileiras…Projeto tem sido elaborado desde 2005 e vem se consolidando

    Governo terá projeto para a indústria de Defesa
    26/11/2007 – 16h37
    O ministro da Defesa, Nelson Jobim, afirmou nesta sexta-feira, 23 que no próximo ano, o governo vai trabalhar em um projeto que permita o fortalecimento e a consolidação da indústria nacional de Defesa.

    O anúncio foi feito no município de Itajubá (MG), após o ministro ter encerrado a viagem de dois dias às indústrias de Defesa do Vale do Paraíba.

    Segundo Jobim, “agora nós vamos trabalhar no ano que vem para fazer um grande projeto de concentração dessas forças, para fazer uma criação fundamental de um centro tecnológico independente no Brasil”.

    Nelson Jobim afirmou que não haverá a centralização física das indústrias, mas a integração de seus projetos, de acordo com as prioridades do país.

    “Essas empresas e o Centro Tecnológico da Aeronáutica (CTA) estão operando dentro de uma lógica própria. O que nós precisamos é, definindo as tarefas de Defesa, que é exatamente o projeto estratégico de Defesa, essas empresas possam integrar esse processo para que nós tenhamos a formação de uma sólida tecnologia independente no Brasil”, afirmou.

    Conforme já anunciado, um dos instrumentos de fortalecimento do setor passa por uma nova política de compras públicas, para que o governo brasileiro tenha como privilegiar empresas nacionais comprometidas em projetos de melhoria de custos e desempenho de produtos essenciais à autonomia do país.

    Nelson Jobim também destacou o interesse do Congresso na revitalização da indústria de Defesa do país. Durante os dois dias de viagem, o ministro esteve acompanhado de onze deputados de vários partidos, que visitaram indústrias como Embraer, Mectron e Avibras, Helibrás e Imbel, além do CTA.

    “Em relação à Helibrás, já há um estudo do governo brasileiro para um bom entendimento no sentido de desenvolvimento da Helibrás, que vai representar investimentos franceses importantes na região, e nós vamos apoiar tudo isso”, revelou o ministro.

    Ele reafirmou a decisão do governo de exigir transferência de tecnologia dos fornecedores de equipamentos de Defesa.

    “O que nós queremos deixar claro é que essas demandas das Forças Armadas e do projeto de Defesa Nacional passam pela necessidade de transferência de tecnologia. Só faremos negócio com o exterior, na compra de qualquer tipo de equipamento, desde que se importe tecnologia. Porque o grande projeto desse conjunto é exatamente termos um centro tecnológico independente”, explicou.

    Nesta segunda-feira, o ministro Nelson Jobim participou da cerimônia de apresentação dos novos oficiais generais ao presidente da República e teve encontro com o Almirante Othon Luiz Pinheiro, diretor-presidente da Eletronuclear.

  190. Graxaim

    Tomara que eu esteja enganado, mas dá pra sentir que nem tudo funcionou bem na negociação com os franceses. Algo a ver com os Rafaele… e como a negociação era um pacote… Enfim, começo a considerar a possibilidade de que a coisa toda venha a ´melar´. Vamos ver o que acontece a seguir.
    Isso me ocorreu com as declarações do ministro da defesa sobre a transferência de tecnologia.
    Cordiais saudações

  191. Como assim?
    O que falhou?
    O resultado dessas negociações já se conhece? foram encerradas?

  192. Fred

    Clavis, não foram encerradas, mas está incomodando muita gente.

    Os Alemães enviaram uma Carta formal, como bons Alemães, reclamando da intenção de compra do Scopenne.
    Os Americanos estão mandando a Condoleza para conversar com o Lula e com o Jobin sobre essa compra, além de convidar o Jobim para uma visitinha.

    O Brasil ficou muito incomodado com o veto americano na venda do supertucano, bem os americanos já bateram, agora eles assopram.

    http://www.defesanet.com.br/md1/fr-ru_20.htm

    http://www.defesanet.com.br/md1/fr-ru_21.htm

  193. Thomas

    Muito engraçado esses Alemães hem!!! De bobos não têm nada, eles investiram em uma siderurgia no Rio de Janeiro por que sabem que terão retorno garantido, as reservas minerais do local e a infra estrutura montada irão abastecer um mercado crescente e ávido por matéria prima de qualidade.Os minérios de ferro brasileiro e seus produtos acabados como fibra de carbono e aço, são os de melhores qualidade no mundo e com uma reserva inestimável, e com um mercado consumidor gigantesco.

    Quanto aos EUA, é brincadeira!!! Eles não respeitam acordos firmados nem com tradicionais aliados, entre eles Austrália, e por aqui o Chile experimentou a força intervencionista do congresso Norte-Americano, até hoje não receberam por completo o que compraram para suas forças armadas.

    Tomara que esse levante Norte-Americano acorde a Rússia para a importância estratégica de acordos estratégicos com o Brasil e os inspire a aumentar as parcerias conosco e as possibilidades de programas conjuntos e de transferência tecnológica…Enquanto isso a França vai ter que se mexer para garantir suas propostas….Esse é o mundo capitalista, porém, com nuances de interesses estratégicos que envolvem a capacidade ou não de exercer influencias futuras nos jogos de poderes imperialistas mundiais.

  194. Thomas

    DENEL e SAAB em negociações com a EMBRAER no C-390 – Parceiros de Risco

    Keith Campbell
    DEFESA@NET Correspondente
    em Pretoria

    O CEO do grupo industrial DENEL, da África do Sul, de capital estatal, Shaun Liebenberg, revelou que o grupo está em negociações com a empresa brasileira EMBRAER para ser participante de risco (risk-sharing partnership) no novo projeto de aeronave de transporte militar, o projeto C-390.

    As negociações envolvem o Grupo DENEL, a companhia subsidiária da Denel, a DENEL SAAB Aerostructures e o grupo sueco SAAB. (DENEL SAAb Aerostructures tem 80% de capital da Denel e os restantes 20% em posse da SAAB.) Estas três empresas estão negociando de forma conjunta com a brasileira EMBRAER.

    O modelo de negócio da EMBRAER é de usualmente desenvolver um avião com parcerias de risco. A empresa brasileira desenvolve o projeto e realiza a montagem final da aeronave.

    Os parceiros de risco detalham o projeto e produzem muitos dos elementos e componentes da aeronave, incluindo grandes estruturas.

    Este modelo tem sido empregado com sucesso pela EMBRAER nas famílias de aviões ERJ145 e os EMB170-190. O C-390 seguirá o mesmo modelo de negócio.

    Como a DENEL SAAB Aerostructures será parceira de risco o governo da África do Sul não terá a obrigação de comprar nenhum C-390.

    Esse programa diferirá da participação da Denel no avião de transporte militar Airbus A400M. O grupo sul-africano só foi capaz de entrar no programa do avião de transporte militar da Airbus devido ao governo da África do Sul ter adquirido oito aeronaves A400M para a South African Air Force (SAAF).

    Liebenberg afirmou que o grupo DENEL e o governo da África do Sul estavam convocando a SAAB para que exerça sua opção de tornar-se acionista majoritária na DENEL SAAB Aerostructures.

    A SAAB pode aumentar de seus atuais 20% no capital da holding para 51% e posteriormente 70%. A SAAB já gerencia contratos para a Denel Saab Aerostructures.

  195. Thomas

    O governo brasileiro apoiou a associação da indústria de defesa argentina com a Embraer para o desenvolvimento e fabricação de um novo avião cargueiro e de abastecimento, o C-390, que a empresa já planeja construir em cooperação com outros governos, informou o ministro do Desenvolvimento, Miguel Jorge.

    Na agenda bilateral de cooperação em defesa e em ciência e tecnologia está prevista também a construção de um satélite binacional de sensoriamento remoto, para mapeamento do litoral no Cone Sul, acrescentou.

    O C-390 é um projeto de cargueiro de 19 toneladas que a Embraer negocia com o governo e para o qual já estuda a participação do Chile, Turquia e África do Sul. “Quanto mais países envolvidos, maior a perspectiva de mercado, de compra das Forças Armadas desses países”, defende Miguel Jorge.

    A cooperação com a Embraer, para reativação da indústria bélica argentina, foi um dos principais pontos de discussão trazidos pela comitiva da presidente eleita do país, Cristina Kirchner, na visita feita a Brasília, na terça-feira.

    Os argentinos querem que a Fabrica Militar de Aviones, ex-estatal, hoje operada pela americana Lockheed Martin, localizada na chamada Área Material Córdoba, participe da fabricação do EMB-390.

    Miguel Jorge informou que a fabricação conjunta de veículos militares blindados também está na agenda discutida durante a visita de Kirchner pelos ministros da defesa do Brasil, Nélson Jobim, e da Argentina, Nilza Garré.(SL)
    Postado por Luiz Maia às 11:38 AM 0 comentários
    Marcadores: Argentina, Chile, Embraer, Embraer C-390, Lockheed Martin, Turquia, África do Sul

    …Éhh…E Portugal não está se quer se posicionando sobre parcerias nesse nível com o Brasil, mas vários países já estão se associando….O C-390…Já está em avançada projeção e garantias de investimento!!!

  196. Thomas

    Câmara aprova verba de R$ 800 milhões para cargueiro militar da Embraer

    Júlio Ottoboni

    São José dos Campos, 7 de Novembro de 2007 – A comissão parlamentar de Ciência e Tecnologia da Câmara dos Deputados aprovou na semana passada a destinação de recursos para o desenvolvimento do projeto do avião cargueiro da Empresa Brasileira de Aeronáutica (Embraer). Foi confirmado no plano plurianual da União o montante de R$ 800 milhões para o novo avião, que será destinado a Força Aérea Brasileira (FAB).

    Essa é a primeira vez que o Brasil terá um avião militar cargueiro de fabricação própria.

    Detalhes da proposta

    A direção da Embraer já esteve em Brasília para esclarecer detalhes da proposta aos parlamentares e aos membros das armadas. A emenda para o plano plurianual, aprovada pelos deputados, estabelecerá uma previsão orçamentária para o aparelho.

    Esse tipo de aeronave é uma antiga reivindicação dos militares, pois uma legislação internacional impede que aeronaves utilizadas em sistema de leasing possam transportar tropas militares.

    O cargueiro para 20 toneladas será usado pelas três forças brasileiras. Segundo fontes parlamentares, o valor estimado para o projeto, desenvolvimento, produção e aquisição deste novo avião é estimado em torno de US$ 5 bilhões.

    O aparelho utilizará a plataforma do jato comercial Embraer 190, terá a denominação de Embraer C-390 e será o avião mais pesado produzido pela companhia brasileira.

    Preço final

    O projeto terá ainda várias soluções tecnológicas desenvolvidas para seus jatos comerciais de grande porte. Seu preço final ficará em torno de US$ 50 milhões e essa será a primeira vez que a Embraer se lança no mercado de aviões de transporte militar, porém com a versatilidade de se transformar num veículo para evacuação médica.

    Reabastecimento em vôo

    O C-390 será classificado como cargueiro de médio porte e contará com equipamentos como rampa traseira para receber diversos tipos de carga, inclusive veículos blindados sobre rodas, e modernos sistemas de embarque e desembarque. Ainda terá como opção ser reabastecido em vôo e ser usado para fornecer combustível à aeronaves tanto em deslocamento aéreo e em solo.
    Postado por Luiz Maia às 7:59 AM 0 comentários
    Marcadores: Aeronáutica, Embraer, Embraer C-390, reabastecimento
    Fim de vida para o Gepard CA/1 da Holanda

  197. Graxaim

    Clavis Prophetarum
    Ao que parece neste momento, nada é conclusivo e tudo são cogitações. Pelo que se sabe, é possível que a França tenha ´roído a corda´ na hora ´H´ e tenha negado a transferência de tecnologia, mudando o rumo do que estava sendo tratado pelos dois governos… O Nelson Jobim teria declarado que prefere comprar aviões de 4° geração com transferência de tecnologia do que os de 5° geração sem a transferência. Que estória é essa? Na realidade, se a França transfere toda a tecnologia do Mirage 2000, por exemplo, certamente seria uma boa base para o desenvolvimento de jatos melhores no Brasil, mas o tempo urge… A frustração da Força Aérea seria (será ?) enorme. Enfim, a coisa é complicada…
    Penso que o Sarkozy conduziu essa negociação não apenas com vistas aos enormes ganhos financeiros, na primeira venda do Rafaele, mas também no ganho político de uma aproximação sólida com o Brasil, garantindo a prioridade na obtenção de suprimentos e médio e longo prazo em vários níveis (como já disse, da água aos metais estratégicos).
    É de se presumir que esteja havendo uma enorme pressão interna e externa, para que a negociação, se ocorrer, seja uma simples venda de equipamento.
    É bom lembrar, que quando a Itália e Brasil desenvolveram junto o AMX, hove sim uma pequena transferência de tecnologia… suficiente para que a Embraer se tornasse hoje a terceira maior fabricante de aviões. Esse argumento pode ter sido usado… O que faria o Brasil com os ´segredinhos´ que estão faltando?
    Se não se concretizar… o Brasil perderá algum tempo e a França terá uma imensa derrota histórica. Não é de se surpreender se tudo isso é apenas o ´plano B´. Quem sabe?
    Fraternas saudações

  198. Antonio

    DEFESA
    DEFESA@NET 05 Março 2008
    Correio Braziliense 04 Março 2008

    Viagem França – Rússia
    Rússia ofereceu parceria estratégica
    Ministro de Assuntos Estratégicos, Mangabeira Unger, revela ao Correio ter recebido proposta de acordo de alto nível, que prevê comunicação direta e permanente com o Conselho de Segurança do Kremlin

    Claudio Dantas Sequeira
    Da equipe do Correio

    Moscou ofereceu ao ministro extraordinário de Assuntos Estratégicos, Roberto Mangabeira Unger, uma parceria entre sua pasta e o Conselho de Segurança russo — máxima instância do Kremlin. Mangabeira revelou ao Correio que o documento com o acordo bilateral de alto nível lhe foi entregue durante recente viagem à Rússia. Ou seja: o resultado mais concreto da visita do início de fevereiro permaneceu em sigilo por quase um mês. Nem o presidente Lula sabia, já que ele e Mangabeira não tiveram chance de se encontrar nas últimas semanas, por problemas de agenda. Ontem, ele finalmente apresentou a proposta a Lula, que a aprovou de imediato.

    O texto do acordo prevê a comunicação direta e permanente entre Mangabeira e o secretário do Conselho de Segurança do Kremlin, cargo ocupado por Vladimir Putin até 2000. Igor Ivanov o substituiu interinamente, e funcionários do governo acreditam que Putin reassumirá o posto ao deixar a presidência. A parceria entre autoridades de primeiro escalão é inédita, e concede à pasta de Mangabeira status superior ao dos demais ministérios, ao menos do ponto de vista externo. A virtual projeção de poder não ilude Mangabeira. “Esse acordo não substitui a comissão técnica Brasil-Rússia, é complementar”, afirmou. Para ele, a oferta russa demonstra o potencial da relação.

    “É um claro sinal de vontade política. Caberá a nós preencher esse espaço de idéias”, avisou. O ministro comentou com a reportagem que uma delegação russa deve vir a Brasília ainda no primeiro semestre do ano. Na mesa de negociações, ganha força a colaboração nos planos civil e militar. Na área de defesa, está “o desenvolvimento de um protótipo de um caça de 5ª geração”, o chamado PAK-FA T-50. “Teremos muito a ganhar em termos de capacitação e aprendizagem”, disse. Mangabeira também cita a cooperação espacial para veículos lançadores e na operação de satélites geoestacionários. “São as áreas mais promissoras”, acredita. Ele destaca ainda a parceria num novo modelo de ensino médio, transferência de tecnologia não-controlada para pequenas empresas e projetos de geração hidrelétrica. Na Rússia, Mangabeira se reuniu com assessores do presidente eleito Dmitri Medvedev, até então diretor do Projeto Nacional de Desenvolvimento, uma espécie de PAC russo.

    Venezuela

    Em meio à crise entre Colômbia, Equador e Venezuela por conta das Farc, Mangabeira desembarca hoje em Caracas para uma visita de dois dias. Ele vai discutir o “projeto alternativo de desenvolvimento”. Terá encontros com os ministros venezuelanos de Educação Básica e Superior; com o responsável pela pasta do Planejamento, e será recebido por Hugo Chávez. “Esse modelo deve ser o coração da União Sul-americana”, arrisca. O ministro acredita num debate de alto nível, e aproveitará a reunião com Chávez para reduzir a tensão regional — a pedido de Lula. Ele leva consigo o exemplo da União Européia. “A UE foi erguida sobre dois marcos: a paz perpétua, para encerrar um século de guerras, e um modelo alternativo de desenvolvimento, a social-democracia, que apesar dos defeitos segue válida”.

  199. é muita falcatrua…um pouquinho assim ó…de vadiagem…

  200. Matheus

    Os pilotos brasileiros estão mais familiarizados com caças franceses,então,eles preferem o rafale c

  201. Matheus

    Os pilotos da FAB estão mais familiarizados com caças franceses,então,eles preferem o rafale c,segundo os pilotos!

  202. Aos portugueses:

    Peço desculpas pelos comentários de alguns brasileiros que menosprezam Portugal, comparando-o com o Brasil economicamente. Como aí em Portugal, cá também temos imbecís.

  203. obrigado pela gentileza, Afonso. mas saiba que nunca confundi a parte com o todo…
    E o vice-versa também é igualmente verdadeiro…

  204. gaitero

    MATHEUS, os pilotos da fab tão mais familiarizados com o F-5 logo caça americano.
    Temos apenas 12 mirrages, acho que bem poucos pilotos ja voaram neles.
    Este tema, é muito confuso, acho que esta intrevista foi feita em brasilia, é a unica resposta possivel. Qualquer caça que for comprado será uma surpresa aos pilotos, até mesmo os rafales.
    Eu queria um detalhamento dos atuais valores de cada unidade, do pacote proposto e da capacidade de cada um. Infelizmente poucos sites disponibilizão tais características jutas, e fica dificil comparar informações distintas.
    Se alguem tiver tais informações seria muito importante compartilhar.

  205. gaitero

    Afonso.
    Acho que em quanto tivermos brasileiros que menosprezam Portugal, e portugueses que menosperezam o Brasil, esta união estará sempre muito distante.

    Como aí em Portugal, cá também temos imbecís.
    Ou, que não tiverão a oportunidade, que eu e você tivemos de conhecimento, acho que chamar outros de imbecis sem saber a causa da imbecilidade, tambem é um erro.

  206. Lobe

    Notícia vinculada no site http://www.claudiohumberto.com.br ,
    que possui grande confiabilidade

    “Sukhoi no Brasil
    Dois caças russos Sukhoi já estão em Campinas (SP), para um possível test-drive das autoridades brasileiras. São o sonho de consumo dos pilotos de caça (o avião freia no ar!), mas têm problema de manutenção, por isso o Brasil tenta forçar um acordo do fabricante com a Embraer.”

  207. Marcelo

    Será que desta vez vão apertar melhor os rebites da fuselagem para não ficarem à mostra ou continuam a prender equipamentos na carlinga com fita isolante tal qual em outra visita de FLANKERS à base de Anápolis?

  208. gaitero

    sabe dizer qual modelo Sukhoy esta em anapolis?

  209. Marcelo

    esteviveram, uns anos atrás, na época do FX 1, segundo a revista, acho que ASAS (não lembro o nº), a impressão que deixaram foi bastante negativa. É claro que existe a possibilidade de loby por parte da revista.

  210. Ronaldo

    Esta notícia dos Sukhoy em Campinas é inverídica, falsa. Diversos colegas de outros fóruns foram checar suas fontes na FAB, em Campinas em Santa Cruz e Anápolis (bases que seriam usadas para testar o Su-35 ao contrário de Campinas) . As fontes deram risada. Se “houvesse” um pretenso teste, este seria feito na fábrica russa, junto as equipes locais e seus simuladores, etc.
    Sds.

  211. nosle

    Sobre as preferências da Fab não existe unanimidade.
    Os oficiais pilotos preferem o Su-35, não é porque eles voavam mirage que vão preferir o equipamento francês, eles querem a melhor aeronave em nível de combate.
    Mas os engenheiros resistem por causa da manuntenção e logística.
    O Rafale é o preferido do meio político por causa do vinculo com a Embraer.
    Mas é preciso se ressaltar que a Força Aérea não tem muito carinho pelos franceses, principalmente por causa daquele negócio feito às escuras, quando o conglomerado francês liderado pela Dassault adquiriu ações da Embraer sem o conhecimento da FAB, na época como retaliação o alto comando da FAB “jurou de morte” os mirage 2000BR.

  212. gaitero

    Mas compraram mirrages 2000C….
    Não são os pilotos que escolhem o caça e sim o governo, os pilotos tem que aprender a pilotar e fazer o que deve ser feito, mas com certeza e já escutei isto de vários pilotos, eles preferem o Su-35BM

  213. Srs. precisamos dos Su 35 ou Su37 exterminador e dos Subs Amur 1650 , para fortalecer n/ posição no continente.Devemos tbm, ter em mente q temos de ser uma potencia “independênte”, isso significar produzir td as nossas armas – IMBEL.Ter nosso Vls e n/ satélite geostacionário e nosso Sub atômico e produzir (até sob licença..q droga ) aviões melhores q o Sus Rússos. O PakFa T 50 e p/ isso, espero. Andar com nossas próprias pernas.Temos mts problemas a nossa volta.

  214. Bolívia:
    é a secessão “à la kosovo”, em marcha acelerada!
    http://oglobo.globo.com/mundo/mat/2008/09/13/bolivia_envia_tropas_para_estados_opositores-548215478.asp
    situação explosiva!

  215. gaitero

    Já morreu 30.
    E evo não quiz ajuda Brasileira, já tinha até um avião pronto para decolar. Fazer oque, ficamos a merce dos terroristas, quando quizerem explodir o gasoduto eles o farão e o Brasil que se foda

  216. Os ianks já retiveram por longo tempo partes do Vls em seu terrritório,q foi p/ lá , p/ receber tratamento, isto dentro de item de acordo assinados entre nós e eles.Merecem confiança?Quanto ao sr Evo…ele vai se fortalecer ou abrir mão de partes dos seus poderes.A última hipótese e a guerra civil, com a fragmentação do país..e tem Boliviano kerendo ser Brasileiro, incrível.Que Deus os ajude, e dê a eles um pouco + de sensatez .

  217. Gostei do discurso do sr Lula, mt ponderado e dentro da lógica , sem pretenções de potência dominante e pedindo o aval dos outros “hermanos” do continente..é esse o caminho. Assim evitamos ser taxados de imperialista pelos outros q ñ form convidados.Mais temos de manter os olhos abertos e vigiar nossas fronteiras, e especialemnte o sr.chaves, ele tem um ranço de Caudilho.É mt perigoso p/ o Brasil e região.Pode provocar um desastre regional, pelos desafios aos ianks. Alertas é vigilantes , os ianks estão ativos na região amazônica.

  218. carlos:
    atualmente, o maior risco é de uma intervenção venezuelana no conflito boliviano… e o apoio dos EUA a uma secessão aqui…

  219. gaitero

    Se a parte rica da bolivia quizer ser brasileira, estamos de braços abertos para recebela, xD inclusive se vier com todo o gás junto

  220. era inevitável.
    com tomadas de edificios governamentais, repartições de finanças, etc.
    veremos agora é se os revoltosos têm fôlego (e apoios internacionais) para prosseguir a pressão.
    e se o exército está mesmo do lado de Morales ou se ensaia mais um golpe de estado…

  221. Tudo leva a cre em oportunismo e um golpe de estado, com o aval dos ianks…só q tem aviões
    rússos em solo venezuelano,e frota .E o chaves vai rosnar p/ os ianks, ao mandar seus soldadinhos apoiados pelos seus Sus novos…Q droga, srs.Vislumbrem a cena, + adiante n/ soldados..terrível.Q eles cheguem a um acordo logo. Q Deus nos ajude.

  222. os aviões russos são apenas 2 e estão muito longe… assim como a Venezuela.
    Aposto a 99/100 num golpe de estado militar apoiado pelos EUA, que logo acorrerão a legitimar o novo “regime”.
    Evo Morales tem muitos tiques populistas que me desagradam e o seu apoio manifesto à cultura da coca é reprovável, mas o que se está a passar na Bolívia (com os interesses por detrás dos secessionistas) tresanda ao Chile da década de 70…

  223. nosle

    Mas um golpe militar vai ter posição contrária dos países sul americanos,que podem resistir e não reconhece-lo. Lula no seu discurso já deixou claro que só vai ajudar se o governo e o povo boliviano permitirem, acredito que nenhum destes dois atores são a favor do golpe militar, ressaltando que Morales tem mais de 60% de apoio da população. Por isso acho difícil e arriscado um golpe militar.

  224. Fred

    Sim, a situação Boliviana é grave, as opções, que no momento estão claras, são:

    Uma confederação, com autonomia para os departamentos, tanto fiscal, política, como legislativa, (melhor solução, acredito eu)

    Guerra Civil, péssima opção.

    uma divisão da Bolivia, criando-se um novo país, Santa Cruz ou algo parecido. Que pode ser criado por negociação ou após uma guerra civil.

    Golpe mesmo, acho difícil! não teria apoio de ninguém, nem dos EUA.

  225. um golpe secessionista…
    quanto ao apoio popular… se os golpes o tivessem que ter, não tinham nunca lugar!
    uma confederação nunca será aceite pelo governo central, pela simples razão que isso implicaria uma perda das verbas do gás!

  226. Fred

    Por isso acho que será mais para a confederação que outra solução qualquer.

  227. gaitero

    Brasil não aceitará golpe de estado

    http://oglobo.globo.com/pais/mat/2008/09/11/brasil_nao_aceita_golpe_contra_governo_da_bolivia_diz_garcia-548184514.asp

    Guerra civil, na verdade esta bem próxima de acontecer, mas tambem concordo eles só querem discutir mais vantagens para os opositores do governo, talvez nem chegue ao ponto de se realizar uma confederação.

  228. gaitero

    América Latina – Latin America

    Venezuela
    El Informe de Edgar C. Otálvora

    Por EDGAR C. OTÁLVORA

    *** Chávez falló en su intentó de una reacción masiva continental contra EEUU que auparía su campaña electoral interna
    *** Cancillerías suramericanas buscan impedir que Chávez imponga una salida militar al conflicto boliviano
    *** Gobierno de Morales se muestra propicio a una intervención venezolana

    http://www.defesanet.com.br/al1/eco_14set08.htm

  229. o governo está propício… mas os seus militares estarão?
    e o Brasil, que tem tantos interesses económicos, estará disposto a intervir se chamado pelo governo?

  230. José

    Acho que o Brasil deve comprar mesmos os caças Dassault Rafale, pois os pilotos brasileiros estão bem acostumados com caças Franceses, além do mais a França vai seder tecnologia para o Brasil.

  231. José

    Vai ser necessario 120 caças Dassault Rafale para cobrir 100% do território Brasileiro e uns 12 para o porta-aviões SP, total de 132 caças.

  232. Os ianks estão dando mt pitaco na n/ reequipamento doméstico..já até acho q pode dar f.18 financiado como cliente vip..q droga.é os francoas estão mt alinhados com os ianks, juntos e misturados; ñ são lá mt confiáveis.

  233. AESPANHA FOI FEITA PELO HERMES DAL FORNO OSMARI

  234. Helvis Brandão

    OBrasil não pode ficar iludido somente com os rafale, lógico que é um excelente caça mas, o Pais tem que ter outros tipos diferêntes de caças…porque cada um tem sua tecnologia e o Brasil precisa defender sua soberania com uma tecnologia de primeiro mundo, esquecendo politicas externas, ou seja deixando de ser capacho dos norte americanos, pois traria 24su-35 alem dos Rafales.

  235. mateus de almeida

    não se trata apenas de ser capacho dos americanos, mas sim de que, a venesuela ja tem negociações com os rusos. os Rafale tem fama de ser um caça problematico, em questões tecnologicas o f-35 seria a melhor opção, porem é muito e caro e em suas negociações com o E.U.A não ganhariamos tecnologia nem uma somente o caça, mesmo assim seria a melhor opção pára a fab.

  236. O problema dos Sus 35 e a troca de turbinas sempre ,usou jogou fora, aí o mesmo sai mt caro, + sem dúvidas é o melhor caça dos nossos dias, imbatível.eu gostaria de q se comprasse alguns, digamos uns 60, para conhecermos está técnica e ter o melhor caça do mundo.Estamos mt necessitados, para ontem.

  237. O f35 é caça p/dominio aereo e desde quando o BRASIL vai ter dominio aereo?

  238. não creio, carlos. O F-35 é mais adequado em missões de apoio, do que de intercepão.
    Nesse domínio deve ser inferior a qualquer um aparelho desta nossa lista, SU-30, Rafale, Gripen, etc. mas melhor no que concerne a missões de apoio, excepção feita talvez do SU-30 com a sua capacidade de carga útil.

  239. mateus de almeida

    bom, realmente o SU 35 e um bom cassa mas ja esta sendo adquirido pela Venesuela, o q não nos daria a melhor força aerea da america do sul, como ja dito, o f- 35 e superior a ele, se fossemos pensar em ataque o os ja aosenados f-14 seriam a melhor opção, pois nao foi construido um caça melhor q ele nesse ponto, mais nem vamos comentar sore ele ja e um caça antigo.
    o melhor para o Brasil seria mesmo se ele podese construir seu próprio caça, mas como isso nao e possivel nos contentamos com a compra d um caça d outro pais, o q em minha opnião seria o f-35

  240. mateus de almeida

    karos amigos, depois de passar a tard pesquisando sobre od candidaos a caça da fab, persebi que me enganei a respeido do f 35. Sem sombra d duvidas o su-35 e a melhor opção, em todos os aspectos, velocidade, poder de fogo, area a ser coberta, preço e etc…

  241. Eu olho uns tópicos assim e fico pensando!!
    Porque comprar?? Temos a EMBRAER que fabricou os melhorer caças de treinamento do mundo At 29.
    Acredito que um dia o Brasil de mais valor a sua maior floresta tropical do mundo e à maior reserva de água doce também!!!!! Um dia o Brasil “vai tomar vergonha na cara” e vai dar importancia a falta de recursos da FAB.
    Como o país criador do avião pode viver de troço usado de outros países!!! Ngm é melhor que ninguém e por issu penso e acredito que assim como a Lockheed Martin tem capacidade de produzir seus F-35 a Embraer um dia vai toma conta desse espaço!!!!! Tudo claro com a ajuda dos políticos que hoje so servem para roubar de nós mesmo!!! E primeiramente a Deus!!!!!!!! Brasillllllllllllllllllll

  242. Sempre Su 35…e pena que os Rússos ñ estejam .digamos ,ñ mt empenhados em oferecer essa plataforma ao BRASIL + são os melhores caças nos próximos 10 anos , sem dúvidas.

  243. Sou pela compra imediata dos f.4 modernizados. pois eles são muito superiores a qualquer casa russo.

  244. Os EUA vão ja vetaram qualquer armamento Russo para o Brasil, então como um menino bem mandado que é deve ficar com o f.18.

  245. Onde um f 4 é superior a um Su30 e/ou um Su 35 BM ?ainda + um f18 onde?!?!?!?! Quanto ao veto vc está certo, triste ,+ vc está certo…morrer por autosugestão, é lamentável.

  246. penso que é uma confisão entre os “F-5 Tiger” e os “F-4 Phantom”, carlos.
    E é claro que ainad que sejam modernizados, não são “match” para esses aviões… nem para os Su-30 venezuelanos ou F-16 chilenos, apesar de todo o armamento moderno e bom treinamento dos seus pilotos, claro.

  247. el gordo

    Bom, pelo que tenho lido o Thomas é o “manda-chuva” deste forum. Thomas , referir a Portugal como pais irmão e depois começar a falar mal dos Portugas não me parece coisa de irmão ; Depois , realmente o Brazil não precisa de Portugal e Portugal é um pequeno pais da UE mas nós também não precisamos do Brasil , e se Portugal é assim tão fraca pq razão existem tantos brasileiros a emigrar para aqui ?De qualquer modo não é esta a ideia de conflito que quero imprimir nos meus comentários .
    Eu , Portuga , olho para o Brasil , como pais irmão , vejo os brasileiros como meus primos afastados , partilhamos tanta coisa que é ridiculo andarmos a fazer um esforço enorme a descobrir o que nos separa , mas enfim … O Brazil já é uma grande potência mas tem problemas para resolver e tecnologia é um deles , outro será tornar-se em potência militar . Para isto o Brasil , quer queira quer não , tem de encontrar um parceiro á altura , tanto para desenvolvimentos tecnológicos e parcerias nesta área como para comercio externo.Existem várias escolhas , EUA , Russia , China e Europa . OS EUA verão sempre o Brasil como potencial oponente no território americano e não querem que este pais se torne totalmente imune ao seu poderio por isso não querem que o Brasil se torne militarmente forte mesmo porque pode começar a influenciar toda a america do sul , perdendo os EUA o seu dominio no seu “quintal” . A China , uma potencia em crescimento e a superpotencia dos prox. 50 anos , coloca-se na posição de colaboradora só para “sacar” tecnologia e depois quebra os contractos , ela está lá para ganhar e nunca para partilhar . A Russia , possuidora de tecnologia , tem apenas 140 milhões de habitantes e está com problemas tanto sociais como financeiros no seu própio território . É evidente que a Russia está a fazer um esforço enorme para se rearmar . De qq modo este pais tende a aproximar-se da União Europeia pla simples razão que esta á a sua principal cliente e quer este continente estável . Se fosse pelos EUA a Europa já estava em guerra por causa da Georgia e da Ucrania , mas a Alemanha e França , cientes da importancia da Russia na estabilização e nos mercados europeus , “travaram” as ambições dos EUA. A meu ver (e mesmo porque gostaria de ver essa situação , não minto) a melhor opção de colaboração para o Brasil é a Europa . A Europa tem tudo a ganhar com um Brasil forte e afirmador na cena internacional , que consiga rivalizar com os EUA na disputa do mercado sul -americano. Por outro lado a Europa também tem tecnologia tanto espacial como de aviação e pode , no presente , ajudar o Brasil a chegar a esse patamar . A França já está a ajudar o Brasil a produzir o seu submarino nuclear , e isto , Thomas , não é basófia europeia , está a acontecer porque no Brasil ainda não havbia know-how para isso . França provavlemente não voltará a fazer mais nenhum caça de combate sozinha , o rafale já lhe saiu muito caro e foi só mais uma questão de afirmação de um Pais que sempre foi independente em ter mos de defesa . O Brasil e a Europa não são concorrentes nem sequer têm interesses sobrepostos na maioria das regiões , á Europa interessa que o Brasil se desenvolva , que aumente a extracção de crude , que diminua a pobreza , que aumente o comercio sul-americano . Partiu da europa a ideia do Brasil encabeçar o projecto do merco-sul , um mercado sul-americano similiar ao europeu . Unico pais que não tem interesse nisso será os EUA pelos motivos obvios. O Brasil , ao participar e produzir caças rafale , ficará mais próximo da tecnologia europeia e poderá em breve participar em outros projectos com a UE, tanto militares como civis. Relembro neste caso o sistema de localização Galileu , etc … Sem dúvida que o Brasil terá todo o interesse em ter uma porta aberta e preferencial com a Europa , um mercado dito rico e tecnologicamente avançado . Tem também todo o interesse em , juntamente com Portugal , manter e incrementar a lusofonia , neste sentido a cooperação entre os nossos paises tem resultado na estabilização dos paises africanos de linga portuguesa e , Deus queira , este será um mercado com taxas de crescimento de 2 digitos , que se vai abrir tanto a Portugal como principalmente , ao Brasil. O Brasil já está no mercado da aviação civil e poderá também ter uma palavra a dizer no mercado da aviação militar , tanto em meios de transporte como , espero eu , na participação do futuro caça e , quiça , também no desenvolvimento de carros de combate ( no qual o Brasil já tem bastantes conhecimentos).A meu ver o Brasil faria bem em adquirir os caças rafale , mas principalmente , em olhar para a Europa como um forte parceiro para o futuro . EU QUERO que o Brasil seja um potencia economica , social e militar nos proximos 20 anos , é importante para o mundo e para a america do sul .

  248. el gordo

    Quanto a assuntos militares , e que tal o Brasil optar pelo Rafale , pensando que nos proximos 20 anos poderá produzir sob licença uns 150 caças e participar tanto em know-how como na produção no futuro caça conjunto europeu.
    A meu ver e tendo em conta a relação preço/Qualidade/garantia peças o melhor até poderia ser o F-35 mas será q , ao preferir produtos americanos mais uma x, o Brasil dará o salto para produtor de caças ?falar da superioridade de um caça sobre outro quando o desempenho de caças é tão aproximada é um equivoco , os EUA não possuem os melhores caças mas têm sem dúvias os melhores sistemas integrados de controlo e gestão do campo de batalha . Vejam o caso do ataque á Servia , bastou a Russia passar info. obtida pelos seus satelites para os Servios abaterem um avião supostamente stealth (F-117). Se O brasil tiver um sistema integrado de controlo , que controle todas as aeronaves ,meios navais e espaciais em zonas limitrofes ao seu território , nem o melhor caça poderá combater um conjunto de Rafales , F-18 ou Su-35 .O Brasil deve desenvolver a sua marinha (já o está a fazer ) , construir uma forte frota de submarinos , de fragatas , ter mais um porta-aviões , produzir helicopteros médios (já o começou a fazer com o acordo com a França) , ter um missil anti-satelite , desenvolver misseis balisticos médios (pelo menos) , ter uavs para controlar as suas fronteiras , ter um sistema de satelites militares de contolo do seu espaço e de comunicações , aumentar o seu contigente de veiculos blindados recentes se bem que neste campo e devigo ás condições de território do Brasil , um invasor não irina muito longe com meios blindados , podendo as forças brasileiras , conhecendo melhor o terreno levar de vencida este tipo de forças com recurso a uma boa comunicação e misseis anti-aerios e anti-carro.QQ ameaça séria contra o Brasil só poderá vir pelo ar ou pelo mar , os paises que fazem fronteira com o brasil não querem ,nada ganham nem têm meios humanos para ameaçar globalmente o brasil em term os territoriais . A meu ver o presente perigo está em acções de sabotagem e destabilização que fazem o Brasil avançar devagar .nos anos 60 o Brasil tinha cerca de 130 milhões de pessoas , hoje ultrapassa os 180 milhões , com todas as suas riquezas , saber e vontade este pais irmão poderá dentro de 20 anos ter mais de 230 milhões de pessoas ( um excelente mercado interno ) e umas forças armadas sem paralelo na america do sul e que impoão respeito aos EUA (e a qq outro ). A partir daqui este pais só estará dependente dele , sendo certo que a futura maior ameaça (dos prox. 50 anos ) virá da China .

  249. el gordo:
    bem, se alguém “manda chuva” aqui, esse sou eu… 😉
    o teu comentário merece um artigo em forma de réplica, que publicarei brevemente.

  250. Yurgen Haltz von Vienna

    O Ministério da Defesa brasileiro acaba de aceitar reavaliar o SU35, após pedido formal do presidente russo, feito quando da sua visita oficial ao país, que teve além da presença do embaixador da Federação da Rússia, Vladimir Lvovitch Tyurdenev, também de uma completa delegação da Rosoboronexport, que veio especialmente de Moscou para tratar da reavaliação do Sukhoi Su-35 pela FAB, dentro do Projeto FX2.5.

    Tirando-se a imposição americana para o F18, além da francesa para o Rafale, o única aeronave de combate apresentada que cumpre todos os requisitos operacionais estabelecidos pela Força Aérea Brasileira é incontestavelmente o S35, necessitando somente que a Rosoboronexport reavalie sua política de transferência de tecnologia e apoio pós venda na América Latina.

  251. isto aqui?
    “A visita do embaixador da Federação da Rússia, Vladimir Lvovitch
    Tyurdenev, liderando uma delegação da Rosoboronexport, durante a
    visita ao ministro da Defesa conseguiu obter o comprometimento de que
    a FAB (re)analisaria o caça Sukhoi Su-35, o mesmo caça, que não foi
    incluído na “short list” do Projeto F-X2, anunciado pela FAB, no dia
    01 Outubro 2008.
    O que levou o ministro Nelson Jobim a aceitar que a FAB, alguém da
    FAB, ou a própria Comissão Gerencial do Projeto F-X2 (re)avalie o caça
    Sukhoi Su-35? O que há de diferente em Fevereiro de 2009, que não
    estava disponível até 30 de Setembro de 2008, quando a FAB finalizou o
    seu relatório? Passados quatro meses qual a mudança significativa?”

    http://www.defesanet.com.br/fx2/2_5.htm

  252. Os ianksm atraves da boing está a procura de parceiros, parceiros? Já ganharam o FX 2? ou tem outro caça melhor para apresentar, silent eagle, f 15 ? sei não….

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

Site no WordPress.com.

Eleitores de Portugal (Associação Cívica)

Associação dedicada à divulgação e promoção da participação eleitoral e política dos cidadãos

Vizinhos em Lisboa

A Vizinhos em Lisboa tem em vista a representação e defesa dos interesses dos moradores residentes nas áreas, freguesias, bairros do concelho de Lisboa nas áreas de planeamento, urbanismo, valorização do património edificado, mobilidade, equipamentos, bem-estar, educação, defesa do património, ambiente e qualidade de vida.

Vizinhos do Areeiro

Núcleo do Areeiro da associação Vizinhos em Lisboa: Movimento de Vizinhos de causas locais e cidadania activa

Vizinhos do Bairro de São Miguel

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos

TRAVÃO ao Alojamento Local

O Alojamento Local, o Uniplaces e a Gentrificação de Lisboa e Porto estão a destruir as cidades

Não aos Serviços de Valor Acrescentado nas Facturas de Comunicações !

Movimento informal de cidadãos contra os abusos dos SVA em facturas de operadores de comunicações

Vizinhos de Alvalade

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos de Alvalade

anExplica

aprender e aprendendo

Subscrição Pública

Plataforma independente de participação cívica

Rede Vida

Just another WordPress.com weblog

Vizinhos do Areeiro

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos do Areeiro

MDP: Movimento pela Democratização dos Partidos Políticos

Movimento apartidário e transpartidário de reforma da democracia interna nos partidos políticos portugueses

Operadores Marítimo-Turísticos de Cascais

Actividade dos Operadores Marítimo Turísticos de Cascais

MaisLisboa

Núcleo MaisDemocracia.org na Área Metropolitana de Lisboa

THE UNIVERSAL LANGUAGE UNITES AND CREATES EQUALITY

A new world with universal laws to own and to govern all with a universal language, a common civilsation and e-democratic culture.

looking beyond borders

foreign policy and global economy

O Futuro é a Liberdade

Discussões sobre Software Livre e Sociedade

%d bloggers like this: