Alguns números sobre a Energia Hídrica em Portugal e sobre as novas 10 barragens

No podcast da TSF “Na Ordem do Dia” de 30 de Julho revelam-se alguns factos que agora no contexto DESTA notícia parecem particularmente importantes… Entre 1990 e 2000 30% do consumo eléctrico português foi alimentado pela energia hídrica, precisamente naquela que era então a média que a Energia Nuclear ocupava na maioria dos países europeus. Mas a partir de 1995 a construção de novas paragens parou e actualmente Portugal é de entre todos os países europeus aquele que menos ocupa a sua capacidade hídrica, estando esta actualmente abaixo dos 40%… A dependência de fontes não renováveis – em consequência – agravou-se… Se em 1995 se importavam 1,500 milhões de euros em combustíveis fósseis, em 2005 esse valor já ascendia a 5,200 milhões de euros, um crescimento que quase 500% enquanto o PIB nesse mesmo período crescia apenas 28,3%!…

Por esta razão estamos claramente a favor do anúncio do Governo de um plano de construção de 10 novas barragens com um investimento de 1.140 milhões de euros… Existe muita energia a recuperar, muito Carbono a deixar de enviar para a atmosfera e muita importação a reduzir… Esperemos agora é que a construção e operação destas barragens fique em Portugal e entregue a mãos portuguesas e não nas mãos desse mercenário castelhano que é o “Cardeal” Pina Moura…

Estas 10 novas barragens produzirão o equivalente a 2 mil megawatts e – juntamente com a energia eólica – serão decisivos para colocar Portugal como o terceiro país europeu com maior recurso às energias renováveis, logo atrás da Suécia e da Áustria… Isto supondo que a esta campanha de Marketing sucede mesmo obra efectiva… Acreditemos que sim e que não estamos perante mais uma manobra publicitária como aquelas em que este Governo se tem mostrado ser particularmente hábil…

Categories: Ecologia, Economia, Portugal | 6 comentários

Navegação de artigos

6 thoughts on “Alguns números sobre a Energia Hídrica em Portugal e sobre as novas 10 barragens

  1. Golani

    Política Energética –> Caracterização Energética Nacional

    http://www.dgge.pt

  2. Infelizmente o site porta-se muito mal em Firefox… e ainda não pôs o “explorador da internete” a trabalhar aqui no Ubuntu… Mas reparei no aumento de consumo energético, que aliás, já surjia aqui no começo deste Post e que de facto me espantou pela escala e consistência… E de onde virá? Do consumo de transportes? De aquecimento? Do aumento do consumo de electricidade? Todos juntos, provavelmente… E não será possível travar este crescimento com Informação e Civismo? Sei que descrês, mas eu não… Reduzir, reciclar e reutilizar. Todos os R são passíveis de serem parte da solução. Além do aumento de energias renoáveis, das quais o desaproveitamento da hidríca é particularmente flagrante.

  3. E os ambientalistas mais uma vez contra!!!!!!!!! Faz falta em Portugal uma voz moderada, progressista e que defenda o que realmente interessa numa política ambiental sustentada e não CONTRA O HOMEM!

  4. Eu vi esse idiota a dizer que “em Portugal já temos barragens a mais”, que imbecil! Pois se somos o país europeu com menor taxa de aproveitamento desses recursos!
    Que mau papel que essa gente dá à Ecologia e á defesa do Planeta!
    O que é que ele prefere? Uma central nuclear ou mais três centrais de carvão?

  5. Anónimo

    l.ol

  6. teresa

    Adoro o artigo! está mt bem estruturado! liguem me para este numero 911078630

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

Site no WordPress.com.

Eleitores de Portugal (Associação Cívica)

Associação dedicada à divulgação e promoção da participação eleitoral e política dos cidadãos

Vizinhos em Lisboa

A Vizinhos em Lisboa tem em vista a representação e defesa dos interesses dos moradores residentes nas áreas, freguesias, bairros do concelho de Lisboa nas áreas de planeamento, urbanismo, valorização do património edificado, mobilidade, equipamentos, bem-estar, educação, defesa do património, ambiente e qualidade de vida.

Vizinhos do Areeiro

Núcleo do Areeiro da associação Vizinhos em Lisboa: Movimento de Vizinhos de causas locais e cidadania activa

Vizinhos do Bairro de São Miguel

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos

TRAVÃO ao Alojamento Local

O Alojamento Local, o Uniplaces e a Gentrificação de Lisboa e Porto estão a destruir as cidades

Não aos Serviços de Valor Acrescentado nas Facturas de Comunicações !

Movimento informal de cidadãos contra os abusos dos SVA em facturas de operadores de comunicações

Vizinhos de Alvalade

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos de Alvalade

anExplica

aprender e aprendendo

Subscrição Pública

Plataforma independente de participação cívica

Rede Vida

Just another WordPress.com weblog

Vizinhos do Areeiro

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos do Areeiro

MDP: Movimento pela Democratização dos Partidos Políticos

Movimento apartidário e transpartidário de reforma da democracia interna nos partidos políticos portugueses

Operadores Marítimo-Turísticos de Cascais

Actividade dos Operadores Marítimo Turísticos de Cascais

MaisLisboa

Núcleo MaisDemocracia.org na Área Metropolitana de Lisboa

THE UNIVERSAL LANGUAGE UNITES AND CREATES EQUALITY

A new world with universal laws to own and to govern all with a universal language, a common civilsation and e-democratic culture.

looking beyond borders

foreign policy and global economy

O Futuro é a Liberdade

Discussões sobre Software Livre e Sociedade

%d bloggers like this: