Sputnik: a queda de alguns mitos…

(Documentário americano sobre o lançamento do Sputnik que mostra bem o quando desconheciam da tecnologia espacial russa…)

Documentos vindos a público recentemente revelaram que o lançamento do primeiro satélite, o Sputnik soviético pode ter tido menos a ver com planeamento e com um “sucesso soviético” e mais com… uma iniciativa individual… E ainda mais espantoso… O Sputnik de facto não era aquele globo com quatro antenas mas… o segundo andar do foguete de lançamento… Pelo menos segundo Boris Chertok, um dos fundadores do programa espacial soviético.


(O Sputnik, com o seu foguete lançador R-7 in http://www.zarya.info)

Chertok (hoje com 95 anos) reconheceu que o primeiro satélite artificial foi o produto directo do desenvolvimento de um foguetão capaz de atingir os EUA com uma bomba de hidrogénio e não de um projecto meramente civil, como a propaganda soviética sempre fez querer passar… Quando o foguetão balístico para lançar a bomba sobre os EUA foi concebido, os cientistas desconheciam o peso da bomba que teriam que transportar e criaram o R-7 com potencia a mais, tornando-o assim ideal para lançar um satélite. Contudo, os militares fizeram tudo para bloquear a utilização do R-7 como lançador de satélites e apenas porque os EUA tinham planos para lançar o seu “Vanguard” em 1958.

O satélite devia ter transportado vários equipamentos científicos, mas Korolyov resistiu a todas as pressões e o satélite com nome oficial PS-1 “Prosteishiy Sputnik” (“Satélite Simples”) mereceria bem o seu nome… Com efeito, o Sputnik acabaria por ser apenas uma esfera de alumínio com dois emissores de rádio e quatro antenas, nada mais. Mas esta simplicidade permitiria a construção do satélite em apenas 3 meses e assim, bater o lançamento do Vanguard americano…

Outra revelação é de que aquele objecto que foi seguido por telescópios por todo o mundo não era de facto o… Sputnik, mas o segundo andar do foguetão de lançamento, quer percorria exactamente a mesma órbita do satélite, já que o pequeno satélite não podia ser visto pela maioria dos telescópios.

Fonte: Space.com

Anúncios
Categories: História, SpaceNewsPt | 3 comentários

Navegação de artigos

3 thoughts on “Sputnik: a queda de alguns mitos…

  1. sa morais

    Este mito faz-me recordar outro:

    But Sergei Vladimir Ilyushin, Jr., a Soviet pilot, was one of the few people who knew for certain that Yuri Gagarin was not the first man in space. After the Soviet Union launched Sputnik, the first satellite, into orbit, both the U.S.S.R. and U.S. saw space as a way to compete. Due to poor relations between the superpowers, the Soviet government was reluctant to publicize stories about failed space travel experiments, and so it gave as little attention as possible to the story of Sergei Vladimir Ilyushin, Jr., who made it into space five days before Gagarin.

    Se esta informação já foi desclassificada, porque não se mudam os manuais de história? Assim prolongam-se imprecisões.

  2. Daniel

    Faz todo o sentido o “Sputnik” ser a estrutura que acompanhava o satélite, uma vez que “sputnik” significa “companheiro de viagem”.

    Sempre pensei que tinham chamado “Sputnik” ao satélite porque este era o “companheiro de viagem” de Yuri Gagarin, mas só agora compreendo realmente…Obrigado

  3. Existe um versão em português desse documentário? Parece ser um que vale apena assistir.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

Create a free website or blog at WordPress.com.

Eleitores de Portugal (Associação Cívica)

Associação dedicada à divulgação e promoção da participação eleitoral e política dos cidadãos

Vizinhos em Lisboa

A Vizinhos em Lisboa tem em vista a representação e defesa dos interesses dos moradores residentes nas áreas, freguesias, bairros do concelho de Lisboa nas áreas de planeamento, urbanismo, valorização do património edificado, mobilidade, equipamentos, bem-estar, educação, defesa do património, ambiente e qualidade de vida.

Vizinhos do Areeiro

Núcleo do Areeiro da associação Vizinhos em Lisboa: Movimento de Vizinhos de causas locais e cidadania activa

Vizinhos do Bairro de São Miguel

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos

TRAVÃO ao Alojamento Local

O Alojamento Local, o Uniplaces e a Gentrificação de Lisboa e Porto estão a destruir as cidades

Não aos Serviços de Valor Acrescentado nas Facturas de Comunicações !

Movimento informal de cidadãos contra os abusos dos SVA em facturas de operadores de comunicações

Vizinhos de Alvalade

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos de Alvalade

anExplica

aprender e aprendendo

Subscrição Pública

Plataforma independente de participação cívica

Rede Vida

Just another WordPress.com weblog

Vizinhos do Areeiro

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos do Areeiro

MDP: Movimento pela Democratização dos Partidos Políticos

Movimento apartidário e transpartidário de reforma da democracia interna nos partidos políticos portugueses

Operadores Marítimo-Turísticos de Cascais

Actividade dos Operadores Marítimo Turísticos de Cascais

MaisLisboa

Núcleo MaisDemocracia.org na Área Metropolitana de Lisboa

THE UNIVERSAL LANGUAGE UNITES AND CREATES EQUALITY

A new world with universal laws to own and to govern all with a universal language, a common civilsation and e-democratic culture.

looking beyond borders

foreign policy and global economy

O Futuro é a Liberdade

Discussões sobre Software Livre e Sociedade

%d bloggers like this: