Do Carácter Exclusivamente Funerário da Escrita Cónia

Uma dos aspectos mais estranhos quanto à Escrita Cónia é a quase total ausência de outras expressões, para além das estelas funerárias. Com efeito, para além de alguns raros signos encontrados em objectos de cerâmica, todos os exemplos de signos e textos de escrita cónia foram encontrados nas estelas descobertas no Sul de Portugal e nos territórios espanhóis que nos são, a Sul, imediatamente adjacentes. A questão que se impõe é a de saber se as poucas dezenas de estelas encontradas e as centenas muito provavelmente perdidas ao longo da História seriam as únicas formas de expressão escrita das populações cónias do Sul de Portugal. Ter-se-ia criado um sistema de escrita próprio, e distinto do dos vizinhos povos de escrita ibérica de além-Guadiana, se não tivesse antes existido um uso continuado, comum e alargado da escrita? Isto é, de que serviria registar em estelas os nomes, os feitos e a ascendência dos tumulados se quase ninguém as pudesse ler? Parece-nos portanto óbvio de que existiam bastantes outros registos de escrita entretanto perdidos. Provavelmente utilizavam materiais perecíveis, como o papiro, cascas de árvore (como o interior da cortiça) ou o barro por cozer[1].

A importância do território cónio no comércio que Tartessos dominava, os fluxos de mercadorias que atravessavam a rota que levava do litoral centro do país até às terras turdetânicas do Sul da Península Ibérica faria da utilização dos registos escritos (que dominavam) uma obrigação. É muito pouco provável que os cónios não utilizassem a escrita para as suas actividades comerciais. Pela sua natureza, e como nos testemunham as tabuínhas de argila cretenses em Linear B, estes registos eram realizados em materiais perecíveis ou reutilizáveis. Esta característica, juntamente com as condições naturais e a ausência de grandes incêndios explicariam a ausência deste tipo de registos. Existe contudo a esperança que a arqueologia nos dê a conhecer algumas inscrições deste tipo….

Existe contudo ainda outra explicação para o carácter exclusivamente funerário das inscrições. Para os povos antigos, a escrita era para além de um útil mecanismo comercial, um fundamental meio de comunicar com a divindade. Seria a Escrita Cónia um exclusivo de uma casta sacerdotal, única detentora desse conhecimento e do seu exercício? Isso explicaria a raridade dos testemunhos e o seu carácter funerário. Encontramos um exemplo de um destes sistemas de escrita “sagrada” na Escrita Ogâmica, que era de uso reservado aos druidas celtas das Ilhas Britânicas.


[1] Recordemos que se as estelas minóicas, micénicas ou assírias nos chegaram foi devido a grandes incêndios nos palácios onde eram armazenadas.

Anúncios
Categories: A Escrita Cónia, História | Deixe um comentário

Navegação de artigos

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

Site no WordPress.com.

Eleitores de Portugal (Associação Cívica)

Associação dedicada à divulgação e promoção da participação eleitoral e política dos cidadãos

Vizinhos em Lisboa

A Vizinhos em Lisboa tem em vista a representação e defesa dos interesses dos moradores residentes nas áreas, freguesias, bairros do concelho de Lisboa nas áreas de planeamento, urbanismo, valorização do património edificado, mobilidade, equipamentos, bem-estar, educação, defesa do património, ambiente e qualidade de vida.

Vizinhos do Areeiro

Núcleo do Areeiro da associação Vizinhos em Lisboa: Movimento de Vizinhos de causas locais e cidadania activa

Vizinhos do Bairro de São Miguel

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos

TRAVÃO ao Alojamento Local

O Alojamento Local, o Uniplaces e a Gentrificação de Lisboa e Porto estão a destruir as cidades

Não aos Serviços de Valor Acrescentado nas Facturas de Comunicações !

Movimento informal de cidadãos contra os abusos dos SVA em facturas de operadores de comunicações

Vizinhos de Alvalade

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos de Alvalade

anExplica

aprender e aprendendo

Subscrição Pública

Plataforma independente de participação cívica

Rede Vida

Just another WordPress.com weblog

Vizinhos do Areeiro

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos do Areeiro

MDP: Movimento pela Democratização dos Partidos Políticos

Movimento apartidário e transpartidário de reforma da democracia interna nos partidos políticos portugueses

Operadores Marítimo-Turísticos de Cascais

Actividade dos Operadores Marítimo Turísticos de Cascais

MaisLisboa

Núcleo MaisDemocracia.org na Área Metropolitana de Lisboa

THE UNIVERSAL LANGUAGE UNITES AND CREATES EQUALITY

A new world with universal laws to own and to govern all with a universal language, a common civilsation and e-democratic culture.

looking beyond borders

foreign policy and global economy

O Futuro é a Liberdade

Discussões sobre Software Livre e Sociedade

%d bloggers like this: