Da redução do déficit público para 3,3% do PIB ou menos ainda em 2007…

“Os cerca de 950 milhões de euros que o Governo planeia cortar no déficit público para cumprir o objectivo anunciado de 3,3% do PIB para déficit de 2007, já foram, de acordo com as contas das Finanças, praticamente garantidos na primeira metade do ano.”
(…)
“Na Segurança Social, o saldo foi positivo, até Junho, em 1056,8 milhões de euros, uma melhoria de 151,3 milhões face a igual período de 2006. Na Administração Local e Regional, passou-se de um excedente de 158 milhões de euros, na primeira metade do ano passado, para um excedente de 318 milhões. Nos serviços e Fundos Autónomos, excluindo o Serviço Nacional de Saúde, o saldo positivo cifrou-se em 439,6 milhões. E, mesmo no SNS, as Finanças afirmam que se regista um excedente próximo dos 100 milhões de euros.”
(…)
“evolução da receita fiscal, que regista um crescimento de 8,3% um valor muito superio ao do PIB nominal, o que indica que a carga fiscal sobre as empresas e as famílias continua a subir.”

Ou seja, a “proeza” de reduzir e conter o déficit deveu-se em primeiro lugar a um aumento brutal, sistemático e generalizado da carga fiscal sobre os portugueses. Não estamos sob este Governo sob uma administração ou uma gestão financeira mais eficiente, mas apenas perante um Estado fiscalmente mais eficiente e mais voraz no que concerne à sua capacidade e apetite para captar os nossos Impostos. Esta redução do déficit não é portanto “virtuosa”, seria, se fosse alcançada através de uma melhor gestão da Despesa, de uma maior responsabilização ou gestão dos Investimentos, mas sim através do mais simples, puro e duro aumento de impostos. Para além deste aumento de impostos, de que o IVA é o melhor exemplo porque flagrantemente mais elevado ao cobrado noutros países da Europa (ver AQUI ), como a nossa vizinha Espanha onde o IVA é de 16%. Por fim, esta redução do déficit assenta também muito sobre a recuperação de dívidas antigas, especialmente na Segurança Social, e estas, uma vez recuperadas, não podem ser repetidas nos próximos anos… Por isso, esta redução não pode continuar nos próximos anos ao mesmo ritmo e é conjuntural. Assim se explica o saldo positivo da Segurança Social. As reduções do SNS e na Administração Local, resultam de uma política determinada de contenção do endividamento (que é correcta) e de uma contenção na Despesa através do encerramento sistemático de serviços, SAPs, Urgências, Maternidades, etc sacrificando a Vida dos portugueses em nome da contenção do déficit. Existindo aqui uma contenção na Despesa, mas não é “virtuosa”, porque resulta do encerramento e da redução de Serviços, não da melhor administração e gestão dos mesmos…

Fonte: Público, de 20 de Agosto de 2007

Categories: Economia, Política Internacional, Política Nacional, Portugal, Websites | 1 Comentário

Navegação de artigos

One thought on “Da redução do déficit público para 3,3% do PIB ou menos ainda em 2007…

  1. manuel joão

    O PROBLEMA EM PORTUGAL SÓ TEM A VER COM FALTA DE DINHEIRO POR RAZOES POLÍTICAS, JÁ QUE AQUANDO DO 25 DE ABRIL, HAVIA EM PORTUGAL “APENAS” A 3ª MAIOR RIQUEZA, EM OURO, DO MUNDO.A DELAPIDAÇÃO FEITA PELOS POLÍTICOS, É QUE NOS CONDUZIU A ESTA MISÉRIA. A RAZÃO PELA QUAL ELES NÃO SE ENTENDEM, NAS ÁREAS IMPRESCINDÍVEIS À GOVERNAÇÃO. OU SEJA, TODA A DISCUSSÃO PRODUZIDA A TAL PROPÓSITO ESTÁ CONDENEDA AO INSUSESSO, VISTO PARTIR DE PRESUPOSTOS ERRADOS. O PIOR, O QUE É EXCESSIVAMENTE GRAVE, RESIDE NA CONIVÊNCIA DE TODAS AS FORÇAS POLÍTICAS REPRESENTADAS NA ASSEMBLEIA, LAMENTÁVEM, E O CONSUMIDOR FINAL, TEM QUE PAGAR.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

Site no WordPress.com.

Eleitores de Portugal (Associação Cívica)

Associação dedicada à divulgação e promoção da participação eleitoral e política dos cidadãos

Vizinhos em Lisboa

A Vizinhos em Lisboa tem em vista a representação e defesa dos interesses dos moradores residentes nas áreas, freguesias, bairros do concelho de Lisboa nas áreas de planeamento, urbanismo, valorização do património edificado, mobilidade, equipamentos, bem-estar, educação, defesa do património, ambiente e qualidade de vida.

Vizinhos do Areeiro

Núcleo do Areeiro da associação Vizinhos em Lisboa: Movimento de Vizinhos de causas locais e cidadania activa

Vizinhos do Bairro de São Miguel

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos

TRAVÃO ao Alojamento Local

O Alojamento Local, o Uniplaces e a Gentrificação de Lisboa e Porto estão a destruir as cidades

Não aos Serviços de Valor Acrescentado nas Facturas de Comunicações !

Movimento informal de cidadãos contra os abusos dos SVA em facturas de operadores de comunicações

Vizinhos de Alvalade

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos de Alvalade

anExplica

PEDAÇOS DE SABER

Subscrição Pública

Plataforma independente de participação cívica

Rede Vida

Just another WordPress.com weblog

Vizinhos do Areeiro

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos do Areeiro

MDP: Movimento pela Democratização dos Partidos Políticos

Movimento apartidário e transpartidário de reforma da democracia interna nos partidos políticos portugueses

Operadores Marítimo-Turísticos de Cascais

Actividade dos Operadores Marítimo Turísticos de Cascais

MaisLisboa

Núcleo MaisDemocracia.org na Área Metropolitana de Lisboa

THE UNIVERSAL LANGUAGE UNITES AND CREATES EQUALITY

A new world with universal laws to own and to govern all with a universal language, a common civilsation and e-democratic culture.

looking beyond borders

foreign policy and global economy

<span>%d</span> bloggers like this: