Daily Archives: 2007/07/24

A “União Mediterrânea” de Nicolas Sarkozy

Numa das suas primeiras declarações públicas, depois da sua eleição para a presidência francesa, Nicolas Sarkozy anunciou sua intenção de lançar os alicerces para uma União Mediterrânea, decalcada a partir do modelo da União Europeia, mas que agruparia os estados do Mar Mediterrâneo, europeus, asiáticos e africanos… O modelo tem a vantagem de devolver a Turquia “à Europa” e seria erguido em torno de duas novas instituições: um “Conselho do Mediterrâneo” e um “Banco do Mediterrâneo”. Sarkozy advoga para a UM um modelo de desenvolvimento comum, uma política de imigração e trabalho comuns, um espaço judicial comum para combater um dos flagelos da região que é a corrupção endémica, o crime organizado e o terrorismo internacional.

O modelo é interessante, já que alguns países do Mediterrâneo têm mais traços culturais e económicos do que alguns dos que compõem actualmente a União Europeia… E a UM teria suficientes “países ricos” (Espanha, França e Itália) no seu seio para poder alimentar transferências financeiras suficientes para promover o desenvolvimento dos países do Médio Oriente e do Norte de África e assim, atacar na fonte, as origens das correntes migratórias que ameaçam esvaziar estas regiões dos seus jovens e sobrecarregar os tecidos socio-económicos europeus… O estabelecimento de uma política comum de Defesa e de Justiça apresentaria também muitas vantagens, permitindo retirar argumentos e coordenar esforços na luta contra o fundamentalismo islâmico, particularmente perigoso no Marrocos, Argélia e na Turquia… E o renovado sentimento de união e comunhão comunitária poderia adormecer esse monstro do racismo que está sempre pronto a despertar entre os povos vizinhos…

É claro que não podemos descartar aqui alguma ânsia de protagonismo francesa e um desejo de regresso ao perdido estatuto de “grande potencia” gaulês… Dos países do Mediterrâneo, a França é o mais forte, sob todos os aspectos, desde o económico ao militar, e as características económicas de países como a Argélia e a Líbia (petróleo e gás natural) ou como a Turquia (indústria de mão-de-obra extensiva e barata) complementariam as ofertas industriais e de serviços francesas… E sobretudo, a fundação de uma União Mediterrânea poderia aplacar os desejos e as frustações turcas de adesão a uma U.E. que Sarkozy já disse não desejar… De facto, a negação da entrada turca pode ser o factor motivacional desta União Mediterrânea…

Ainda que possa estar a surgir de alguns pressupostos errados, a ideia é meritória e desejamos-lhe um bom futuro, já que é conforme aos nossos próprios projectos de re-união dos povos de cultura e língua românicas e latinas e que pode constituir um novo foco de desenvolvimento e de travão para os fundamentalismos que ameaçam engolir todo o mundo muçulmano.

Fonte: El Pais; 15 de Julho de 2007

Anúncios
Categories: Movimento Internacional Lusófono, Política Internacional, Sociedade | 9 comentários

Sobre o colapso da Fatah na Faixa de Gaza

A avassaladora marcha dos Hamas pela Faixa de Gaza espantou todos os analistas internacionais, que não esperavam que as forças da Fatah fossem tão débeis ao ponto de serem incapazes de travar este avanço e de impedir a aparição de duas entidades palestinianas, uma em Gaza, a outra na Cisjordânia… Ora esta marcha triunfal deveu-se à disciplina e organização das milícias do movimento fundamentalista, mas também, e sobretudo à deserção da maioria dos líderes militares da Fatah como Mohammed Dahlan, Rachid Abou Shabak e Samir Masharawi para a Cisjordânia e para o Egipto. A autorização israelita de passagem de armas e munições através do território israelita da Cisjordânia para Gaza não foi suficiente porque as forças da Fatah foram decapitadas pela cobardia dos seus líderes… Bem à altura de um governo corrupto e inepto que conseguiu malbaratar a esperança e todos os auxílios internacionais recebidos nos últimos anos pela Autoridade Palestiniana… E a própria ascensão ao poder do Hamas, e a sua inegável – mas desconfortável – vitória eleitoral indica o grau de cansaço da população palestiniana quanto a uma Fatah demasiado desgastada por anos de inépcia e expectativas frustadas.


Fonte:

Le Monde Diplomatique; Julho de 2007; edição francesa.

Categories: DefenseNewsPt, O Código da Vinci, Política Internacional, Sociedade | Deixe um comentário

QuidSZ S1-9: Que projecto aeronáutico é este?

aaa.jpg

Dificuldade: 4

Havendo também outro QuidSZ activo por… AQUI !

Categories: QuidSZ S1 | 10 comentários

MOC2277C (070-291) “Implementing, Managing and Maintaining a Microsoft Windows Server 2003 Network Infrastructure: Network Services” (Parte 2)

IP Security Monitor Console

Os Administrators podem usar o IP Security Monitor para confirmar se o IPSec está correctamente configurado. A consola mostra o número de pacotes que são enviados com os protocolos de segurança Authentication Header (AH) ou pelo Encapsulating Security Payload (ESP) e quantas associações de segurança e chaves foram geradas desde que o computador arrancou. A consola IP Security Console é uma MMC disponível no XP e no 2003.

L2TP/IpSec e VPNs

O T2TP/IPSec requer que uma infraestrutura de certificados ou uma preshared key sejam cedidas para emitir computer certificates a máquinas em vez de a utilizadores. Eles permitem que cada extremo da ligação possa autenticar os computadores envolvidos.

RRAS: IP Routing checkbox

A Enable IP Routing checkbox regula se o RRAS vai routear os pacotes IP entre um cliente remoto e as outras interfaces do RRAS server. Quando esta opção está seleccionada, um pacote de um cliente remoto pode chegar a qualquer host para o qual o RRAS server tenha uma rota. Esta opção está marcada por default! Desmarcando esta opção (Enable IP Routing) nas server propertoes vai restringir aos clientes remotos o acesso aos recursos que apenas existem no RRAS server. Desmarcando esta checkbox o cliente remoto vai perder o acesso aos outros computadores na rede mas não perderá o acesso ao RRAS server.

RRAS: Protocolos de Autenticação e Conexão

MS-CHAP v2 é um método de autenticação mútua que oferece encriptação de dados e da autenticação. Uma nova chave criptográfica é gerada em cada conexão e em cada direcção da transmissão. Está por defeito seleccionada em 2000, XP e 2003.

MS-CHAP v1 é um método de autenticação de uma via que oferece encriptação dos dados da autenticação e da conexão. A mesma chave de encriptação é usada em todas as conexões. Suporta 95 e 98.

PAP: é um método genérico de autenticação que não encripta os dados de autenticação. As user credentials são enviadas pela rede em plaintext. Não suporta a encriptação dos dados de conexão.

SPAP: é um protocolo de encriptação baixa que interage com Shivas. Não suporta a encriptação dos dados da conexão.

CHAP: É um modelo genérico de autenticação que oferece encriptação dos dados de autenticação pelo MD5 hash. É compatível com clientes não-MS.

Logons com UPN-Names

Os utilizadores só podem logar com UPNs quando existe uma Florest Trust. Uma External Trust entre duas florestas não será suficiente. Nesse caso, deve usar um UPN Name implicit. Alternativamente, podemos usar o pre-Windows 2000 logon name para logar.

CNAMEs

Um registo de tipo CNAME permite usar mais do que um nome para um só host. Isto pode simplificar a tarefa de ter na mesma máquina um ftp e um www. Por exemplo, ambos são registados como CNAMEs Rrs.

O ICS (Internet Connection Service) também inclui um DHCP Service

Quando se activa o ICS num computador, o endereço UP da local network interface muda para 192.168.0.1. O serviço DHCP oferece então endereços dentro do range 192.168.0.0/24. Se houver um DHCP na mesma rede este deve ser removido.

Os registos WINS-R no DNS

Quando configuramos o WINS lookup para uma forward lookup zone, um registo WINS resource record apontando para o WINS especificado na tab WINS vai ser adicionado à zone database. Quando se configura um WINS-R lookup para um reverse lookup zone, um registo WINS-R correspondente é adicionado à zone database. Isto vai facilitar a resolução de nomes NetBIOS a partir de um Domain 2000/2003 para antigos domains NT4.

VPNs e Lentidão de Navegação num Web Browser

Quando um utilizador se liga a uma VPN via RRAS e durante essa ligação navega na Internet via ISA interno de forma muito lenta, isso pode ocorrer porque no TCP/IP settings de cada VPN client connection está marcada a checkbox para “Make this connection the client default gateway”. Iso faz com que todo o tráfego para a Internet passe pelo VPN server. Desmarcar a checkbox vai impedir que isto aconteça.

DHCP e Telnet

É possível arrancar um DHCP service remoto com o comando dado via Telnet: “net start dhcp server”.

RRAS, Demand-Dial Routing e VPNs

Se nos conseguimos conectar a um RRAS via VPN, mas não conseguimos pingar nenhuma máquina da rede interna isso pode acontecer porque não está Enabled a “LAN and demand-dial routing”. Só assim conseguiremos ligar a rede remota à LAN.

Network Monitor

Para capturar tráfego de rede de forma a reduzir o tamanho dos pacotes capturados, capturando apenas packet headers e se fôr capturado um grande número de pacotes, reter todos no server sem esmagar os já capturados, devemos:

a. Aumentar o Network Monitor buffer size

b. Reduzir o Network Monitor frame size

DNS Delegation e Stub Zones

Uma Delegation ou uma Stub Zone vai permitir a um Domain DNS o forward de resoluções para um outro Domain. Uma Stub Zone é uma cópia parcial de uma zona que pode ser alojada num DNS Server e ser usada para resolver queries recursivas ou iterativas. As Stub Zone contêm os registos Start of Authority (SOA), que listam que servidor é autoritativo para uma dada zona; e os registos glue (A) Rrs que são necessários para contactar os servidores autoritativos de uma zona.

A Delegation é o processo de distribuir responsabilidade por Domain Names entre diferentes DNS Servers numa rede. Para cada domain name delegado, temos que ter criado pelo menos uma zona. Quantos mais Domains forem delegados, mais zonas terão que ser criadas.

NS records e os vários tipos de Zonas

Perante um conjunto de DNS Servers com Zonas:

Primary Zone (Active Directory-integrated)

Secondary ZonesStub Zone e

Conditional forwarding para <Domain>

Só temos que configurar na Tab de “Name Servers” da zona a replicar os NS dos Name Servers das Zonas Primary e Secondary, não os da Stub Zone, nem do Forwarding (este mais obviamente)

NS records e a configuração de Zonas Secundárias

Quando se adiciona um DNS Server a um domain, temos que adicionar um Name Server Record (NS) a essa zona para que este possa mapear o DNS Domain Name para os nomes dos hosts dos DNS Servers especificados no Domain Name.

Apagando uma Root Zone

Se queremos impedir que os clientes façam queries à Internet devemos configurar as Root Zones de forma a que tenham as suas próprias configurações, ou apagá-las de todo. Tipicamente configuramos um DNS Server para conter a sua própria Root Zone quando não queremos que os nossos servidores respondam a queries por nomes externos à nossa rede. Isto vai criar uma root zone vazia, tornando efectivamente o internal server um root server.

Configurando DNS Root Hints

Se temos um Internal DNS Root na nossa infraestrutura DNS, devemos configurar as root hints dos nossos servidores DNS internos para apontarem somente para os DNS Server que alojam o nosso root domain, e não para os DNS Servers que alojam os root domains da Internet. Isto vai impedir que os nossos DNS Servers internos enviem informação privada para a Internet quando tentam resolver nomes.

RRAS, NAT e Demand-Dial connection

Uma conecção Demand-Dial é uma conecção (tipicamente ligando à Internet uma LAN e formando uma WAN) que cria um Link quando os dados têm que ser enviados. A ligação Demand-Dial é tipicamente terminada quando não existe tráfico. Para permitir que os utilizadores se consigam sempre ligar à Internet temos que configurar a ligação demand-dial como persistente de forma a evitar que este problema ocorra.

Network Monitor em Dedicated Capture Mode

É possível correr o Network Monitor em Dedicated Mode de forma a garantir que máquinas saturadas (por exemplo, com o cpu a 95%) não perdam frames.

Porque apagaríamos o Cache.dns?

O ficheiro cache.dns contêm uma lista de todos os root servers da Internet. Se a rede onde está o DNS server não está ligada à Internet quando o DNS Server recebe um pedido de resolução para um hostname externo ele tentará conectar-se a um root server da Internet. Quando a conecção dá time-out, o DNS Server tenta contactar outro root server da Internet. O processo é repetido até serem contactados todos os root servers da cache.dns. Assim, a resolução de nomes fica muito lenta na rede interna. O problema pode ser resolvido apagando o ficheiro cache.dns.

Categories: MSCE, Os Descobrimentos Portugueses | Deixe um comentário

Create a free website or blog at WordPress.com.

Eleitores de Portugal (Associação Cívica)

Associação dedicada à divulgação e promoção da participação eleitoral e política dos cidadãos

Vizinhos em Lisboa

A Vizinhos em Lisboa tem em vista a representação e defesa dos interesses dos moradores residentes nas áreas, freguesias, bairros do concelho de Lisboa nas áreas de planeamento, urbanismo, valorização do património edificado, mobilidade, equipamentos, bem-estar, educação, defesa do património, ambiente e qualidade de vida.

Vizinhos do Areeiro

Núcleo do Areeiro da associação Vizinhos em Lisboa: Movimento de Vizinhos de causas locais e cidadania activa

Vizinhos do Bairro de São Miguel

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos

TRAVÃO ao Alojamento Local

O Alojamento Local, o Uniplaces e a Gentrificação de Lisboa e Porto estão a destruir as cidades

Não aos Serviços de Valor Acrescentado nas Facturas de Comunicações !

Movimento informal de cidadãos contra os abusos dos SVA em facturas de operadores de comunicações

Vizinhos de Alvalade

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos de Alvalade

anExplica

aprender e aprendendo

Subscrição Pública

Plataforma independente de participação cívica

Rede Vida

Just another WordPress.com weblog

Vizinhos do Areeiro

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos do Areeiro

MDP: Movimento pela Democratização dos Partidos Políticos

Movimento apartidário e transpartidário de reforma da democracia interna nos partidos políticos portugueses

Operadores Marítimo-Turísticos de Cascais

Actividade dos Operadores Marítimo Turísticos de Cascais

MaisLisboa

Núcleo MaisDemocracia.org na Área Metropolitana de Lisboa

THE UNIVERSAL LANGUAGE UNITES AND CREATES EQUALITY

A new world with universal laws to own and to govern all with a universal language, a common civilsation and e-democratic culture.

looking beyond borders

foreign policy and global economy

O Futuro é a Liberdade

Discussões sobre Software Livre e Sociedade