Daily Archives: 2007/06/11

Resposta a Golani sobre o “Liberalismo, a Globalização, o Capitalismo e a Economia de Mercado”

“Voltando à China, já algum que andamos com esta discussão, pelo que convém esclarecer os pontos de cada e definir metodologias para os validar, ou não. Eu sou apologista do liberalismo, da globalização, do capitalismo, da economia do mercado.”

-> Eu também sou apologista do Liberalismo, mas não confundo este termo com a associação abusiva que hoje dele se faz associando-o a extrapolações perigosas como o Neoconservadorismo, o Neoliberalismo e Globalização. Da Globalização, encaro-a com reservas porque a interpretação actual que temos da mesma é a da “Globalização das Multinacionais”, formatada para servir os seus interesses sobre tudo o mais, sacrificando as PMEs que deviam ser o coração de qualquer Economia, e pisando o Homem sempre a favor do Lucro. Do Capitalismo, retenho a necessidade imperativa de remunerar a aplicação do Capital, mas repugna-me a sua separação da Economia Real por virtualizações bolsistas (Taxa Tobin) e puramente especulativas, assim como o peso exagerado que tem actualmente na repartição dos dividendos (e a redução galopante que os Salários têm tido nos últimos anos). Da Economia de Mercado, retenho a intenção, mas contesto o Dumping fiscal e laboral massivo e defendo a reinstauração de barreiras alfandegárias que reintroduzam mecanismos de correcção destas disfunções.

“Considero que o comércio internacional global, a economia do mercado potencia o crescimento económico, o emprego, a criação de riqueza e redução da pobreza mundial.”

-> O comércio internacional global foi inventado pelos portugueses nos idos de Quinhentos e foram os mestres supremos na Arte de levar objectos de um lado para o outro do Globo, sem nada mais produzirem ou sem enriquecerem os objectos transportados. Durante 200 anos, levámos as Especiarias das Molucas para a Flandres e os Diamantes para a Suécia. Findo o ciclo, ficámos sem nada, porque não produzimos Riqueza nem Bens e este foi aquilo que nos ficou dessa primeira Globalização… Nada além da prova da memória. Esta Globalização é em certa medida idêntica à primeira: assenta no primado do Comércio, da Distribuição e da Capitalização sobre o primado da Produção e como, ela, produz grandes assimetrias entre os que muito têm e os que pouco ou nada têm… A única grande diferença é que agora se enriquece também na Índia e na China, mas não genéricamente, e sim reduzindo essa classe de “novos ricos” a um segmento muito restrito da população e criando clivagens económicas e sociais que mais cedo ou mais tarde vão provocar a implosão do sistema.

Estamos a falar de uma realidade complexa e vasta, onde ainda existem muitas situações negativas, não o nego, (não há sistemas perfeitos) mas o importante é analisar onde “estávamos” há 25 anos, onde estamos agora e analisar as tendência para prevermos onde podemos estar daqui a 25 anos.

-> Existem efectivamente muitas situações negativas no seio desta Globalização que nos querem impôr como “Pensamento Único” pela força do Dinheiro e do Poder comprado por este nas Megacampanhas eleitorais. Onde estamos desde há 25 anos? Podia fazer jorrar sobre este artigo multidões inumeráveis de citações, números e links. Mas não o farei, porque por cada link, citação ou número é sempe possível encontrar algures um contra-link, uma contra-citação ou um contra-número. A Realidade é por essência diversa e multiforme e admite sempre multiplas interpretações sobre o mesmo fenómeno… Especialmente quando estas são reguladas por mitos ou dogmas religiosos ou políticos, como é o caso deste debate sobre aquilo a que chamaria a “Essência da Globalização”.

“Portanto, o meu desafio é este: definir critérios ( pobreza, emprego, PIB etc…) nos diferentes países (EUA, Europa, China, índia…) quais os valores há 25 anos e como evoluíram nestes últimos 25 anos”

Existe uma camada de indíviduos que muito têm lucrado com a Globalização e a consequente abertura de fronteiras na Índia e na China… Não é por acaso que é na primeira que hoje se concentram os maiores multimilionários no Globo… E na China assistimos a uma multiplicação de pequenos e médios empresários cada vez mais abastados e com um nível de consumo em tudo idêntico ao da Europa Ocidental. Concedo uma coisa e a outra. Mas este enriquecimento e o crescimento do PIB indiano e chinês não têm correspondido a uma melhoria franca do nível de vida médio da esmagadora maioria da população! Dir-me-ás que este – apesar de tudo – melhor desde a década de 80, e poderei conceder tal, mas a melhoria é incomparávelmente menor do que a destes escalões da sociedade que têm enriquecido à custa do uso massivo de trabalho semiescravo, da inexistência de regras ecológicas e do dumping fiscal e remuneratório massivos! Enquanto que na China e na Índia se destrói o ambiente (a China dentro de apenas 5 anos será o maior emissor mundial de gases de efeito de estufa no mundo) para manter preços baixos e arrasar toda a concorrência, o mundo sobreaquece e países inteiros como Tuvalu (sede do domínio DNS .tv) afundam-se!

É este modelo economicista, que não hesita em sacrificar o Homem que escraviza e que faz retornar as condições laborais no Oriente e no Ocidente aos níveis de meados do Século XIX que urge combater. Os macro-números do PIB e do PNB nada significam se a riqueza criada não fôr devidamente distríbuida entre os detentores do Capital e os Produtores e os Consumidores e esta assimetria não tem parado de crescer no Ocidente, juntamente com uma evaporação crescente de todos os direitos ganhos nos últimos cinquenta anos de lutas laborais, sempre sob a ameaça pendente da “deslocalização” e do Desemprego Estrutural.

Categories: Economia, Movimento Internacional Lusófono, Política Internacional, Política Nacional, Sociedade, Websites, Wikipedia | 6 comentários

Quid S8-37: Onde foi tirada esta fotografia submarina?

yonaguni3-mu.jpg

Dificuldade: 3

Categories: Quids S8, sQuids S2 | 14 comentários

Site no WordPress.com.

Eleitores de Portugal (Associação Cívica)

Associação dedicada à divulgação e promoção da participação eleitoral e política dos cidadãos

Vizinhos em Lisboa

A Vizinhos em Lisboa tem em vista a representação e defesa dos interesses dos moradores residentes nas áreas, freguesias, bairros do concelho de Lisboa nas áreas de planeamento, urbanismo, valorização do património edificado, mobilidade, equipamentos, bem-estar, educação, defesa do património, ambiente e qualidade de vida.

Vizinhos do Areeiro

Núcleo do Areeiro da associação Vizinhos em Lisboa: Movimento de Vizinhos de causas locais e cidadania activa

Vizinhos do Bairro de São Miguel

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos

TRAVÃO ao Alojamento Local

O Alojamento Local, o Uniplaces e a Gentrificação de Lisboa e Porto estão a destruir as cidades

Não aos Serviços de Valor Acrescentado nas Facturas de Comunicações !

Movimento informal de cidadãos contra os abusos dos SVA em facturas de operadores de comunicações

Vizinhos de Alvalade

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos de Alvalade

anExplica

aprender e aprendendo

Subscrição Pública

Plataforma independente de participação cívica

Rede Vida

Just another WordPress.com weblog

Vizinhos do Areeiro

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos do Areeiro

MDP: Movimento pela Democratização dos Partidos Políticos

Movimento apartidário e transpartidário de reforma da democracia interna nos partidos políticos portugueses

Operadores Marítimo-Turísticos de Cascais

Actividade dos Operadores Marítimo Turísticos de Cascais

MaisLisboa

Núcleo MaisDemocracia.org na Área Metropolitana de Lisboa

THE UNIVERSAL LANGUAGE UNITES AND CREATES EQUALITY

A new world with universal laws to own and to govern all with a universal language, a common civilsation and e-democratic culture.

looking beyond borders

foreign policy and global economy

O Futuro é a Liberdade

Discussões sobre Software Livre e Sociedade