Lost (Perdidos): Teoria: “Farmer, o Mundo do Rio (Riverworld) e os ‘Outros'”


(Capa do primeiro livro de Farmer e imagens do episódio piloto da série televisiva)
Aparentemente existem pelo menos dois grupos bem distintos de “Outros”: Aqueles que foram recrutados no mundo exterior, como Juliet ou os que foram antigos funcionários da Dharma Initiative e um outro, composto por indivíduos que pré-existiam na Ilha… A esta camada pertence o misterioso Jacob, Richard Alpert e aparentemente um número muito significativo dos “Outros”. Richard Alpert, em particular parece não ter envelhecido desde a meninice de Ben, ou seja, desde que este tinha cerca de 10 anos sendo que agora aparente ter mais de 40… Jacob que foi antevisto por segundos aparenta ter um penteado de estilo colonial e uma roupagem que parece do século XVIII. A tese que já defendemos é de que algo Ilha retarda o processo de envelhecimento biológico, talvez um efeito colateral do mesmo fenómeno que acelera a recuperação de feridas (como as Sawyer, Locke, Naomi, Mikail, etc).

Mas existe outra possibilidade… Será que estes indivíduos foram “recompostos”, da mesma forma descrita por Philip José Farmer no seu fantástico ciclo “Mundo do Rio” (Riverworld), um conjunto de quatro livros contendo alguma da melhor ficção científica jamais escrita. A história assenta na construção de um planeta artificial por uma raça de seres todo-poderosos. Esse planeta é percorrido em todo o seu eixo longitudinal por um rio, merecendo o título “Mundo do Rio”. Esta super-raça conseguiu ressuscitar aqui todos os seres humanos que jamais viveram na Terra, exacto… Todos os 37 biliões que jamais viveram nesse planeta artificial, foram ressuscitados precisamente no mesmo dia e com os mesmos corpos que tinham em vida, recompondo-os a partir da sua alma ou “Ka”. Estes ressuscitados não têm que se preocupar com a alimentação, recolhendo-a gratuitamente de uns equipamentos em forma de cogumelo que estão dispostos ao longo do Rio, um pouco como… caiem do céu os abastecimentos da Dharma?

Fonte:
http://www.xs4all.nl/~rnuninga/PJFriverw.htm

Categories: Alquimia, Ciência e Tecnologia, Livros, LOST (Perdidos) | 7 comentários

Navegação de artigos

7 thoughts on “Lost (Perdidos): Teoria: “Farmer, o Mundo do Rio (Riverworld) e os ‘Outros'”

  1. esta série enrola, desenrola-se, ata e desata… não fossem os magníficos textos e já nõa havia paciência

    • RUI JORGE

      Totalmente de acordo.
      E não vejo qual a semelhança com o enredo do conto de Philip Jose farmer em que se diz estar esta série baseada.
      No livro a história era sobre almas perdidas que vageavam sobre um planeta e que eram para lá levadas por uma raça superior e ninguem, salvo raras excepções se apercebia dessa situação. O conto acaba na descoberta do equipamento que possibilitava essa transferência de almas mas sem nunca deixar uma explicação final, deixando em aberto todas as hipóteses que cada leitor formava al longo da leitura do livro.

      • Farmer, mais para o fim, escreveu um pequeno livro intitulado “o regresso ao mundo rio” onde responde à maioria dessas questoes.
        Nao creio que riverworld tenha sido a maior inspiração de Lost, mas foi uma delas… basta ver a constante proximidade da agua e o final (inepto) da série.

  2. Sa:
    Sim… Sei bem o que dizes… mas continua a melhor, mais cativante e mais inteligente série de tv jamais vista!… ainda que sim… estão a esticar a coisa… admito!

  3. Mário Nunes

    Era bom que dessem sequência ao episódio piloto do Riverworld, da autoria de Philip Joseph Farmer.

  4. era bom, era… mas com tanto telelixo uma série assim devia custar a vingar…

  5. wilson finamori de souza

    como posso assistir a terceira parte pra frente, ou onde?

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

Create a free website or blog at WordPress.com.

Eleitores de Portugal (Associação Cívica)

Associação dedicada à divulgação e promoção da participação eleitoral e política dos cidadãos

Vizinhos em Lisboa

A Vizinhos em Lisboa tem em vista a representação e defesa dos interesses dos moradores residentes nas áreas, freguesias, bairros do concelho de Lisboa nas áreas de planeamento, urbanismo, valorização do património edificado, mobilidade, equipamentos, bem-estar, educação, defesa do património, ambiente e qualidade de vida.

Vizinhos do Areeiro

Núcleo do Areeiro da associação Vizinhos em Lisboa: Movimento de Vizinhos de causas locais e cidadania activa

Vizinhos do Bairro de São Miguel

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos

TRAVÃO ao Alojamento Local

O Alojamento Local, o Uniplaces e a Gentrificação de Lisboa e Porto estão a destruir as cidades

Não aos Serviços de Valor Acrescentado nas Facturas de Comunicações !

Movimento informal de cidadãos contra os abusos dos SVA em facturas de operadores de comunicações

Vizinhos de Alvalade

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos de Alvalade

anExplica

PEDAÇOS DE SABER

Subscrição Pública

Plataforma independente de participação cívica

Rede Vida

Just another WordPress.com weblog

Vizinhos do Areeiro

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos do Areeiro

MDP: Movimento pela Democratização dos Partidos Políticos

Movimento apartidário e transpartidário de reforma da democracia interna nos partidos políticos portugueses

Operadores Marítimo-Turísticos de Cascais

Actividade dos Operadores Marítimo Turísticos de Cascais

MaisLisboa

Núcleo MaisDemocracia.org na Área Metropolitana de Lisboa

THE UNIVERSAL LANGUAGE UNITES AND CREATES EQUALITY

A new world with universal laws to own and to govern all with a universal language, a common civilsation and e-democratic culture.

looking beyond borders

foreign policy and global economy

<span>%d</span> bloggers like this: