O Uso de Lançadores de Foguetes pela Alemanha Nazi

As primeiras utilizações reais em grande escala dos lançadores datam de 1941, mas só em Dezembro de 1944 é que se assistiram aos primeiros usos realmente massivos. Podemos avaliar o crescimento do ramo quando observamos que em 1939 reunia apenas 332 oficiais subalternos e 1612 soldados (2.044 homens). Em 1945, já agrupava 5.257 oficiais superiores, 18.150 oficiais subalternos e 88914 soldados (112.321 homens, com 4.816 lançadores e 27.066 veículos), sem dúvida um crescimento espectacular.

A produção de lançadores era repartida por seis firmas: Hartmann, Frama, Sack, Eberhardt, Schwartzkopt e Donauworth. A partir de 1944, a ex-checoslovaca Skoda assumiria a liderança da produção e até técnica, sugerindo por exemplo um lançador de ar comprimido.

Podemos determinar que foi a partir de Julho de 1944 que Hitler começou a apostar seriamente nos sistemas lançadores de foguetes, neste contexto se insere a sua ordem para aumentar a produção para 3.6 milhões de foguetes e, em Agosto do mesmo ano a sua ordem para a construção de 1500 novos lançadores até Outubro de 1944 (número que aliás, seria alcançado). Estes valores seriam aumentados por Hitler em Julho e Setembro, ordenando o aumento da produção de munições de lançadores de 15 cm, de 200.000 para 400.000 por mês. Mas o agravamento da situação militar prejudicava já a normal execução destas ordens. Nos finais de Novembro, como a pólvora se revelava insuficiente para as necessidades, estudou-se a redução do alcance para 1 a 2 km, de modo a aumentar a taxa de tiro. Por outro lado, e mais grave, devido à falta de aço, Speer a 14 de Janeiro de 1945 comunicava ao Fuhrer que somente 37% das munições necessárias para os lançadores seriam entregues à Wehrmacht.

Anúncios
Categories: As "Armas Secretas" da Alemanha Nazi | 4 comentários

Navegação de artigos

4 thoughts on “O Uso de Lançadores de Foguetes pela Alemanha Nazi

  1. Nito

    É isto ??

  2. Isso mesmo, Nito…
    E até acho que me lembro de ver esse kit numa loja quando tinha para aí uns 16 anos…

  3. Um neberwelfer. È sintoma do desespero em que já viviam que não tenham produzido Panzerwerfer ou Wurfrahmen em larga escala como os russos fizeram com o katyusha. Em vez disso ficaram-se pelo modelo mais barato e facil de esconder.

    Até os americanos fizeram uma versão do sherman, chamada Caliope, que funcionava como um lança rockets mecanizado.

    http://en.wikipedia.org/wiki/Panzerwerfer

    http://www.lexikon-der-wehrmacht.de/Waffen/Bilderseiten/Unterbilder/sWR40.htm
    http://www.axishistory.com/index.php?id=5556 ( http://www.axishistory.com/fileadmin/user_upload/s/sdkfz250-1-wurfrahmen.jpg )

  4. JG: Correcto! Aliás acho mesmo que já vi alguém usar precisamente essa designação “armas do desespero” para descrever as armas que tenho abordado nesta categoria das “Armas Secretas da Alemanha Nazi”… Na altura em que implementaram esta arma era já tarde para a aplicarem na mesma escala dos russos e a furtividade e preço eram factores fundamentais… É que em 1944 a Alemanha já não tinha grande rectaguarda, como tinham ainda os russos em 41 (os Urais…).

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

Create a free website or blog at WordPress.com.

Eleitores de Portugal (Associação Cívica)

Associação dedicada à divulgação e promoção da participação eleitoral e política dos cidadãos

Vizinhos em Lisboa

A Vizinhos em Lisboa tem em vista a representação e defesa dos interesses dos moradores residentes nas áreas, freguesias, bairros do concelho de Lisboa nas áreas de planeamento, urbanismo, valorização do património edificado, mobilidade, equipamentos, bem-estar, educação, defesa do património, ambiente e qualidade de vida.

Vizinhos do Areeiro

Núcleo do Areeiro da associação Vizinhos em Lisboa: Movimento de Vizinhos de causas locais e cidadania activa

Vizinhos do Bairro de São Miguel

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos

TRAVÃO ao Alojamento Local

O Alojamento Local, o Uniplaces e a Gentrificação de Lisboa e Porto estão a destruir as cidades

Não aos Serviços de Valor Acrescentado nas Facturas de Comunicações !

Movimento informal de cidadãos contra os abusos dos SVA em facturas de operadores de comunicações

Vizinhos de Alvalade

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos de Alvalade

anExplica

aprender e aprendendo

Subscrição Pública

Plataforma independente de participação cívica

Rede Vida

Just another WordPress.com weblog

Vizinhos do Areeiro

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos do Areeiro

MDP: Movimento pela Democratização dos Partidos Políticos

Movimento apartidário e transpartidário de reforma da democracia interna nos partidos políticos portugueses

Operadores Marítimo-Turísticos de Cascais

Actividade dos Operadores Marítimo Turísticos de Cascais

MaisLisboa

Núcleo MaisDemocracia.org na Área Metropolitana de Lisboa

THE UNIVERSAL LANGUAGE UNITES AND CREATES EQUALITY

A new world with universal laws to own and to govern all with a universal language, a common civilsation and e-democratic culture.

looking beyond borders

foreign policy and global economy

O Futuro é a Liberdade

Discussões sobre Software Livre e Sociedade

%d bloggers like this: