Lost: S0305 (Season 3, episódio 5) “The Cost of Living”


(e sim… se olharem bem… lá pelo meio está a Evangeline Lilly outra vez)

1. Quando no episódio de flashback de Eko, o jovem Daniel pergunta a Eko se é verdade que ele é “um homem mau”. Ao que parece… Eko é… Talvez por isso tenha acabado na Ilha, onde todos aqueles que não raptados pelos Outros logo na primeira noite parecem ser “imperfeitos” de um ponto de vista moral, não constando da lista de nomes que Eko recolheu dos dois Outros que matou quanto estes tentavam raptar os sobreviventes do segundo grupo. De uma forma ou de outra, parece certo que os Sobreviventes têm todos uma qualquer “marca moral” que os classifica como “imperfeitos” e logo, desinteressantes para os projectos dos Outros. E Eko, pelo seu historial próprio, está claramente nesse grupo.

2. Ben aborda Jack na sua prisão e convida-o a participar no funeral de Colleen… Todos os participantes vestem túnicas brancas e o ritual parece agnóstico, mas o corpo é incinerado e deixado numa jangada que é largada no Oceano. A música que acompanha a cerimónia é “I Wonder” de Brenda Lee… Porque este tema e não outro qualquer? Haverá aqui um significado oculto? E aliás, que cerimónia ritual é esta? Porque parece implícito que se trata de uma cerimónia religiosa? Se não é, porquê as túnicas brancas? Os viking deixavam os seus chefes nos drakkars em chamas… E os hindús (ligação da Dharma com o Sri Lanka, como sugere o jogo de Lost) vestem roupas brancas, incineram os seus mortos e deixam-nos na água (Ganges)…

A cremação no hinduísmo e no budismo (sendo este último aquela que parece ser a maior fonte de inspiração para a visão do mundo detida pelos Outros) é uma cerimónia fúnebre muito comum, entre as várias correntes e resulta do facto de se acreditar que a alma só pode entrar num novo corpo depois do anterior ter desaparecido por completo. No budismo, os corpos a cremar são cobertos de flores, como aqui, no funeral de Colleen e os familiares e amigos do falecido transportam-no em ombros até à pira… A cerimónia é acompanhada por cânticos… Neste caso… É um tema de Goodwin… O funeral, contudo, parece ter decorrido ou no mesmo dia da morte, ou no dia seguinte, o que contraria as crenças budistas que acham que nos primeiros quatro dias a alma entra num estado especial chamado de “Primeiro Bardo”, um estado especial de consciência em que o corpo é ainda a guarita da alma e onde não deve ser destruído (o que aliás, coloca um problema no quadro legal português…).

Outro sinal de que a religião dos Outros pode ser uma forma de Budismo está no detalhe de que Jack é deixado sózinho com Colleen, depois desta falecer na mesa de operações… Ora no Budismo, logo que ocorre uma morte, um monje deve ser chamado para começar tão cedo quanto o possível os rituais de preparação para o bard, e o corpo não deve ser mexido nem deslocado até à sua chegada… Colleen fica imobilizada na mesa esperando por algo… Alguém com a devida preparação ritualística? Talvez Ben?

No funeral, Juliet diz “Enquanto preparamos Collen para o seu caminho (Dharma?), gostaria de aproveitar este momento para honrar…”. Pergunta Jack a Ben: “Ela é a vossa coveira?”, respondendo este “Desde o momento que pôs pé nesta Ilha”. Juliet é a sacerdotiza deste culto pseudo-budista dos Outros? Não é a mais antiga destes, já que Ben alude expressamente ao facto dela “ter chegado à Ilha”, obviamente depois dele próprio.

Outro detalhe… (se é que alguém ainda me lê, depois de tanto escrevinhanço!) repararam que todos os Sobreviventes que morreram na Ilha foram vistos depois, sendo na minha opinião, o Monstro que assume a sua forma e recompõe a sua memória… Será que este ritual com a destruição do corpo por cremação pretende obstar a que o Monstro assuma a forma de Colleen?

3. Quando Ben tenta convencer Jack a remover o seu tumor, afirma a dado ponto que “se a queda de um cirurgião do céu, não é uma prova da existência de Deus, não sei o que será”. Mas isto significa que Ben acredita em Deus, isto é, numa divindade monoteísta, omnipotente e suprahumana na boa tradição judaico-cristã ou na existência de uma entidade superior, providencial ou simplesmente… no Destino?

4. Juliet assume claramente a sua posição como líder de um subgrupo no seio dos Outros quando mostra a Jack uma gravação de video onde constam uma série de mensagens escritas onde lhe pede para matar Ben na mesa de operações… Um budista nunca faria tal pedido, o que pode colocar em causa a tese expressa em 3, especialmente sendo Juliet uma espécie de “monja”… Mas algumas correntes budistas reconhecem que nalgumas circunstâncias matar pode ser uma opção… Especialmente se esta acção negativa fôr rodeada dos devidos rituais e sobretudo, se fôr a única via para evitar sofrimentos maiores a terceiros (nunca ao próprio). Será o caso?

5. Numa das cenas seguintes, encontramos Eko que vê o seu irmão Yemi na selva onde este lhe pergunta se está pronto para confessar. Quando Eko caminha pela floresta, logo na primeira cena vemos o monstro a passar entre as árvores à esquerda. Segundos depois vê-se um grupo de nigerianos que ataca Eko a golpe de machete. Esta sucessão não é desprovida de sentido… Os nigerianos não são uma visão de Eko, mas uma forma assumida pelo Monstro, já que tornam a insistir a Eko para que este confesse… Eko foge, bebe água de um ribeiro e vê o Monstro, agora na forma incoesa atrás de si. Quando mais tarde, Locke questiona Eko sobre o se o Monstro é para ele também “uma luz muito brilhante”, este afirma “não foi isso que vi”. O Monstro é assim coisas diferentes para pessoas diferentes… E aparentemente existe uma relação entre a cura “milagrosa” de Locke e o Monstro… Sendo (é o que penso) um aglomerado de nanomáquinas, o Monstro pode reparar qualquer dano na coluna ou até no cérebro que Locke tivesse e que fosse responsável pela sua paralisia parcial… Mas o Monstro também é capaz de identificar a “aura” ou “estado moral” dos seus alvos, razão pela qual exige a Eko um “arrependimento” e surge a Locke na forma de Locke (mais uma alusão ao budismo, onde a “Clara Luz” é uma experiência característa do Terceiro Bardo, isto é, da última fase de transição para uma nova Encarnação). Mais tarde, Yemi torna a aparecer a Eko e torna a pedir o seu arrependimento, o que Eko recusa, afirmando que so fez aquilo que tinha que fazer. Mas depois, o suposto “Yemi” diz “Falas comigo como se eu fosse o teu irmão!”, assumindo assim que não é uma visão, mas uma recomposição do Monstro. Eko pergunta a “Yemi”: “Quem és tu?” e “Yemi” desaparece. Segundos depois o Monstro surge na sua forma decomposta e agarrando Eko, acabando por o matar no processo, punindo-o aparentemente por este se ter revelado incapaz de sentir arrependimento pelas suas acções negativas passadas. Quando expira nos braços de Eko, este sussura a Locke: “Ele disse que nós seremos os próximos”. Ou seja, o Monstro, no seu papel de “executor” da Ilha promete aplicar a mesma pena aos restantes sobreviventes… Menos a Locke, que aparentemente não se enquadra neste grupo. Curiosamente, apesar de todo o receio que o Monstro cria, Eko foi apenas a sua segunda vítima mortal, tendo sido a primeira o piloto do vôo Oceanic 815.

6. Este episódio inclui a primeira cena onde dois novos personagens são introduzidos: Paulo (Rodrigo Santoro) e Nikki, o que parece sugerir que vamos ver mais destes personagens nos próximos episódios… Ou talvez não… ;-).

7. Na Estação Pérola, o grupo de Sobreviventes consegue colocar num monitor imagens de uma outra Estação Dharma, aparecendo um homem com uma pála no olho que desliga a câmara segundos depois. Na sala vê-se diverso equipamento electrónico dos princípios dos anos 80 e um terminal de computador.

Categories: Ciência e Tecnologia, LOST (Perdidos) | 10 comentários

Navegação de artigos

10 thoughts on “Lost: S0305 (Season 3, episódio 5) “The Cost of Living”

  1. 1. É interessante esta “marca moral”… E também as interrelações entre personagens…

    2. Fantástica e exaustiva análise do ritual. Sinceramente penso que srá uma mistura de várias inspirações.

    3. Será que acredita? Ou será que será tudo mais um plano do “Outros”?

    4. Os outros já nos habituaram às suas mentiras e manipulações. Quem nos garante que este pedido não é mais uma mentira combinada? Será que Juliet é mesmo antagónica com Ben ou será que é nisso que nos querem fazer acreditar?…

    5. A explicação dos nanorobots é possivel, no entanto teria que ser uma tecnologia evoluidíssima, mas pensando bem, também a contenção de um buraco negro… Será que as ilhas são um campo de experiências situado no nosso tempo, mas a ser controlado por alguém do futuro? Serão os outros como Ben desse futuro?

    6. Cheira-me que só colocaram o Rodiogo Santoro para atrair espectadoras femininas…

    7. Quem será o homem da pala e, em que estação está?…

    Um Abraço.

  2. sa morais

    Pelo menos dois ainda aqui andam… 🙂

    1/2/3- bEM, não vi… Moral, religião… Veremos o seu verdadeiro peso na trama.

    4- Será que Ben controla os Outros?… Isto é, exerce uma liderança que não é apenas material… Jack teria de o matar quando ele está inconsciente. Será que consciente ninguém o consegue fazer ou, pelo menos, afrontar?

    5- Eko morreu?! Menos “musculo” para o grupo dos sobreviventes… Já afirmei que não julgo que o “monstro” seja uma máquina. Aliás, ao ser uma máquina ( shapeshifter ainda por cima… ) não teria certamente essa aura espiritual – “punindo-o aparentemente por este se ter revelado incapaz de sentir arrependimento pelas suas acções negativas passada” Uma máquina com clarividência? Capaz de sentir arrependimento? Capaz de avaliar personalidades? Conhecedora dos passados, dos segredos mais imtimos? Uhm…

    6- Concordo com o Outsider. E a montanha parece ter parido um rato.

    7- Questions and more questions…

    Abraço!

    PS: AgorA há mais pessoal a falar do Santoro, do que da série em si … 😦 Bah! Continua com as tuas excelentes análise dos episódios, que cá estamos para… teorizar! E como seria bom que no fim estivessemos todos errados! Seria sinal que fomos surpreendidos! – sem que seja nada disparatado, claro.

  3. Outsider:
    “1. É interessante esta “marca moral”… E também as interrelações entre personagens…”
    -> É como se todos partilhassem uma espécie de “karma colectivo” que os condicionou a embarcarem no 815 e a acabarem nesta ilha… Este aspecto reforça a tese “espiritual” do Sá, aliás…

    “2. Fantástica e exaustiva análise do ritual. Sinceramente penso que srá uma mistura de várias inspirações.”
    -> Mas onde predomina o elemento oriental e aparentemente budista, repara…

    “3. Será que acredita? Ou será que será tudo mais um plano do “Outros”?”
    -> Não sei… Ben é um supremo manipulador… Bem que pode estar a mentir (já o fez quando disse que era o balonista Henry Gale), mas depois disso, não me recordo de ter mentido… Por isso, penso que falava verdade. Embora pudesse estar a usar o discurso providencialista para convencer Jack, de facto…

    “4. Os outros já nos habituaram às suas mentiras e manipulações. Quem nos garante que este pedido não é mais uma mentira combinada? Será que Juliet é mesmo antagónica com Ben ou será que é nisso que nos querem fazer acreditar?…”
    -> Não creio… Ela faz mesmo parte de um contrapoder em Othersville (o termo é do actor que interpreta Ben), repara na primeira cena de season 3 onde ela se afirma logo contra Ben…

    “5. A explicação dos nanorobots é possivel, no entanto teria que ser uma tecnologia evoluidíssima, mas pensando bem, também a contenção de um buraco negro… Será que as ilhas são um campo de experiências situado no nosso tempo, mas a ser controlado por alguém do futuro? Serão os outros como Ben desse futuro?”
    -> Ou… Um resto do Passado… De uma tecnocivilização de Mu… É para aí que me vou inclinando no que respeita à origem dos mistérios da Ilha… Para aí mais para as bandas de um “pré-budismo”, uma religião primordial seguida em Mu, do qual continente a Ilha seria um sobrevivente, como os Açores poderiam ser os restos de uma antiga Atlântida atlântica (porque há outras).

    “6. Cheira-me que só colocaram o Rodiogo Santoro para atrair espectadoras femininas…”
    -> E zás. Ouvi dizer que o Santoro… Já não era… Azar para as meninas!

    “7. Quem será o homem da pala e, em que estação está?…”
    -> É um… Não. Não vou dizer!

  4. Sá:
    “1/2/3- bEM, não vi… Moral, religião… Veremos o seu verdadeiro peso na trama.”
    -> Essencial, ao que parece… Ou não esse o critério usado pelos Outros para raptarem uns sobreviventes e não outros?

    “4- Será que Ben controla os Outros?… Isto é, exerce uma liderança que não é apenas material… Jack teria de o matar quando ele está inconsciente. Será que consciente ninguém o consegue fazer ou, pelo menos, afrontar?”
    -> Ben usa muito a coacção, mas parece deter um poder algo frágil que depende muito da completa manipulação e que não é sancionado… Ben tb disse que havia um “homem brilhante” acima dele na Season 2…

    “5- Eko morreu?! Menos “musculo” para o grupo dos sobreviventes… Já afirmei que não julgo que o “monstro” seja uma máquina. Aliás, ao ser uma máquina ( shapeshifter ainda por cima… ) não teria certamente essa aura espiritual – “punindo-o aparentemente por este se ter revelado incapaz de sentir arrependimento pelas suas acções negativas passada” Uma máquina com clarividência? Capaz de sentir arrependimento? Capaz de avaliar personalidades? Conhecedora dos passados, dos segredos mais imtimos? Uhm…”
    -> Os produtores já disserem estarem arrependidos de terem morto um personagem tão forte como Eko, tão cedo na série… E a sua morte foi aliás um dos aspectos mais criticados entre os fãs… De facto, acho uma pena. Era um dos meus personagens preferidos, muito forte, turbulento e contraditório, como um bom personagem deve ser.

    “6- Concordo com o Outsider. E a montanha parece ter parido um rato.
    -> Sim… Mas atenção ao “talvez não”… Eu não esperaria muito de Santoro em Lost… Infelizmente!

    “7- Questions and more questions…”
    -> Sendo que estas serão respondidas brevemente…

    “PS: AgorA há mais pessoal a falar do Santoro, do que da série em si … 😦 Bah! Continua com as tuas excelentes análise dos episódios, que cá estamos para… teorizar! E como seria bom que no fim estivessemos todos errados! Seria sinal que fomos surpreendidos! – sem que seja nada disparatado, claro”
    -> O goso desta criptosérie é mesmo este! Pensar, debater e analisar! É nisto que ela difere de tudo o mais e razão pela qual a sigo com tanta fidelidade (canina)…

  5. Pedro Tavares

    Acho os vossos comentários interessantes, mas o que eu quero saber e a RTP não diz é, o que raio aconteceu à série que não foi transmitida nos dois últimos fins de seamana???

    Alguém sabe??? Rui!!??

  6. bem… não tenho a certeza, mas parece que a ABC só vendeu esta miniseason de 6 episódios… O resto só a venderão quando terminar a season 3 nos EUA… Mas quero ver se confirmo esta informação!

    Para já fica a impressão de que se estão nas tintas para os tele-espectadores, não é?…

  7. ontem mandei um mail à RTP a perguntar isto mesmo…
    veremos se e quando respondem…

  8. Foi tentando descobrir a resposta para essa dúvida que cheguei a este excelente Blog.
    Que raio aconteceu à série!?!?
    Metem uns quantos episódios de enfiada e depois desaparecem as referências à season III no website da RTP?!?!?
    Já fiz uma reclamação ao sr. Provedor… 😀 … (não o Diácono Remédios… o outro) 😀

  9. Thaís marques souza

    Caramba eu tento achar como se diz “season” em português e eu não acho????????

  10. “temporada”…

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

Site no WordPress.com.

Eleitores de Portugal (Associação Cívica)

Associação dedicada à divulgação e promoção da participação eleitoral e política dos cidadãos

Vizinhos em Lisboa

A Vizinhos em Lisboa tem em vista a representação e defesa dos interesses dos moradores residentes nas áreas, freguesias, bairros do concelho de Lisboa nas áreas de planeamento, urbanismo, valorização do património edificado, mobilidade, equipamentos, bem-estar, educação, defesa do património, ambiente e qualidade de vida.

Vizinhos do Areeiro

Núcleo do Areeiro da associação Vizinhos em Lisboa: Movimento de Vizinhos de causas locais e cidadania activa

Vizinhos do Bairro de São Miguel

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos

TRAVÃO ao Alojamento Local

O Alojamento Local, o Uniplaces e a Gentrificação de Lisboa e Porto estão a destruir as cidades

Não aos Serviços de Valor Acrescentado nas Facturas de Comunicações !

Movimento informal de cidadãos contra os abusos dos SVA em facturas de operadores de comunicações

Vizinhos de Alvalade

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos de Alvalade

anExplica

aprender e aprendendo

Subscrição Pública

Plataforma independente de participação cívica

Rede Vida

Just another WordPress.com weblog

Vizinhos do Areeiro

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos do Areeiro

MDP: Movimento pela Democratização dos Partidos Políticos

Movimento apartidário e transpartidário de reforma da democracia interna nos partidos políticos portugueses

Operadores Marítimo-Turísticos de Cascais

Actividade dos Operadores Marítimo Turísticos de Cascais

MaisLisboa

Núcleo MaisDemocracia.org na Área Metropolitana de Lisboa

THE UNIVERSAL LANGUAGE UNITES AND CREATES EQUALITY

A new world with universal laws to own and to govern all with a universal language, a common civilsation and e-democratic culture.

looking beyond borders

foreign policy and global economy

O Futuro é a Liberdade

Discussões sobre Software Livre e Sociedade

%d bloggers like this: