15militares britânicos capturados no Irão… Em que circunstâncias? (versão editada)


“Combat Support Boat” britânico

O Irão capturou 3 embarcações e 15 militares britânicos, naquilo que classificou como “uma incursão” nas suas águas territoriais. Ao que se diz, os militares foram capturados numa intercepção a um cargueiro iraniano que estaria a contrabandear automóveis roubados no Iraque, levando-os para os seus receptadores, no Irão.

O que parece certo é que a pequena flotilha britânica foi capturada em águas iranianas…

O grupo eram composto por três embarcações, dois “Boston Whalers” eum “British Army Combat Support Boat”, desarmados, mas transportando soldados com armamento pessoal completo. Se os britânicos foram capturados em missão de treino ou de intercepção é incerto… Mas é certo que esta captura de militares britânicos, altamente treinados e bem armados, aparentemente sem terem oferecido qualquer resistência e sem terem sequer tentado escapar de volta para águas iraquianas é estranha… Porque se renderam estes soldados sem disparar um só tiro nem terem tentado escapar? E não tinham consigo mapas e sistemas de GPS capazes de lhes dizer em que país estavam?…

Ou será que…

Foram capturados bem no interior do território iraniano, e cercados aqui por forças muito superiores que lhes cortaram a retirada e os forçaram a uma rendição silenciosa?

E se assim foi… O que estariam a fazer estes militares britânicos numa operação nem no interior do território iraniano? A preparar a esperada operação que os EUA e o RU se preparam para desencadear contra a República Islâmica em Abril?…

 

Fonte:

BBC

Categories: DefenseNewsPt, O Código da Vinci, Política Internacional, Sociedade | 12 comentários

Navegação de artigos

12 thoughts on “15militares britânicos capturados no Irão… Em que circunstâncias? (versão editada)

  1. Ultramar

    Rui, eu continuo achando abril muito cedo para um acontecer um ataque ao Irão… Mas, se estiveres certo e acontecer algum ataque em abril, és muito bom mesmo em palpites, em antever as coisas! 🙂 E avise-me, por favor, se você recebeu o e-mail que te enviei ontem, dia 23…

  2. sa morais.

    “Porque se renderam estes soldados sem disparar um só tiro nem terem tentado escapar?”

    Bem, quais foram os meios usados pelos iranianos? Já houvi algumas versões diferentes… Mas oito tipos não são própriamente um exército e começarem ali um combate poderia ser bastante… imprudente. – Até pela conjuntura global.

    Não me parece que estivessem no interior do território, pois o Irão usaria de imediato esse argumento.

    Mas, Rui, este caso é de Junho de 2004!

    Não querias referir o caso mais recente dos 15 marinheiros feitos reféns por guardas da revolução iranianos…

    “Segundo informações do Ministério da Defesa britânico, os marinheiros “tinham terminado a inspecção de um barco” suspeito de transportar automóveis de contrabando quando a lancha em que se encontravam “foi acostada por embarcações iranianas”. Os britânicos, que estariam desarmados, foram obrigados a entregarem-se sob a ameaça das armas dos membros daquele corpo militar de elite.

    O embaixador do Irão no Reino Unido foi chamado ao Foreign Office, sendo-lhe comunicado em “termos inequívocos” de que Londres quer “uma explicação cabal” sobre o sucedido “e o regresso imediato dos nossos marinheiros e a devolução do nosso material”, declarou à imprensa a responsável da diplomacia britânica, Margaret Beckett.

    A posição oficial de Teerão foi expressa horas depois pelo ministro dos Negócios Estrangeiro Manouchehr Mottaki que garantiu existirem provas de terem os britânicos “entrado ilegalmente em águas territoriais iranianas”.

    A actuação dos marinheiros britânicos, estacionados no HMS Cornwall, fragata que se encontra no Golfo desde 12 de Março, estava enquadrada numa missão de patrulha das águas iraquianas e de segurança aos terminais petrolíferos deste país no âmbito de um mandato do Conselho de Segurança da ONU.

    O comandante da Cornwall, comodoro Nick Lambert, pensa tratar-se de “um mero erro ao nível táctico”, garantindo que os seus homens “estavam em águas territoriais iraquianas”. Ainda segundo Lambert, os helicópteros do Cornwall detectaram as lanchas dos 15 marinheiros a serem rebocadas no canal Chatt al-Arab, que desagua no Golfo, em direcção a bases iranianas. Não se notavam sinais de combates.

    Ontem foi a segunda vez que militares britânicos foram capturados por unidades iranianas sob o pretexto de estarem em águas territoriais deste Estado. A primeira sucedeu a 21 de Junho de 2004 quando oito marinheiros foram mantidos sob prisão três dias por se encontrarem na zona que define a fronteira marítima entre o Irão e o Iraque.

    Os acontecimentos de ontem no Golfo sucedem em paralelo com as discussões do Conselho de Segurança da ONU, em Nova Iorque, que devem culminar na votação hoje de uma nova resolução impondo sanções mais duras ao regime iraniano por persistir no desenvolvimento do seu programa nuclear. *Com agências”

  3. Ultramar: Recebi sim!… e já comecei a redacção de um Post sobre o tema… interessante e esperemos que antecipador dos novos tempos que se avizinham…

    Sá: Tens ra~zo, obviamente… Fui induzido em erro por uma reportagem da RTP que falava também de “oito” militares e não dos 15, que foram efectivamente, agora, capturados, como muito bem referes!

    “Bem, quais foram os meios usados pelos iranianos? Já houvi algumas versões diferentes… Mas oito tipos não são própriamente um exército e começarem ali um combate poderia ser bastante… imprudente. – Até pela conjuntura global.”
    8 ou 15 podem ser muitos, dependendo da sua posição, armamento, treino e moral… O grupo parece ter sido capturado por uma patrulha idêntica iraniana… O que me intriga aqui é que as patrulhas iranianas de fronteira terem mais homens, mais bem preparados e mais bem equipados e comandados que os britânicos? E logo, numa espécie de remake dos acontecimentos de 2004? Sei que parecem ter sido capturados pelos Guardas da Revolução, um grupo de élite iraniano e altamente motivado, mas renderem-se sem disparar? Acho isso muito estranho… É esta passividade naquele que é hoje um dos melhores exércitos do mundo que me faz suspeitar que estavam numa missão blackop, bem dentro da fronteira iraniana… talvez a “marcar” alvos…

    “Não me parece que estivessem no interior do território, pois o Irão usaria de imediato esse argumento.”
    Não necessariamente, especialmente se isso revelasse a sua incapacidade em travar penetrações profundas no mesmo…

    ““Segundo informações do Ministério da Defesa britânico, os marinheiros “tinham terminado a inspecção de um barco” suspeito de transportar automóveis de contrabando quando a lancha em que se encontravam “foi acostada por embarcações iranianas”. Os britânicos, que estariam desarmados, foram obrigados a entregarem-se sob a ameaça das armas dos membros daquele corpo militar de elite.”
    As fontes iranianas referem armas encontradas a bordo das embarcações… e os militares estariam mesmo desarmados? Naquele local, numa missão de abordagem!? Nunca… Mais um “ponto negro” nesta narrativa…

    “O comandante da Cornwall, comodoro Nick Lambert, pensa tratar-se de “um mero erro ao nível táctico”, garantindo que os seus homens “estavam em águas territoriais iraquianas”. Ainda segundo Lambert, os helicópteros do Cornwall detectaram as lanchas dos 15 marinheiros a serem rebocadas no canal Chatt al-Arab, que desagua no Golfo, em direcção a bases iranianas. Não se notavam sinais de combates.”
    E porque não? lanchas armadas, soldados armados, capturados dentro das águas iraquianas sem disparar um tiro?… Torno a repetir que esta história só se torna plausível se tiver ocorrido bem dentro do limite fronteiriço… não sob o mesmo, como nos querem fazer crer…

  4. Golani

    não há necessidade de fazer filmes

    eles não reagiram porque as rules of engagement eram exactamente essas, os ingleses já passaram pelo mesmo em 2004

    não tem fundamento a suspeita de: “suspeitar que estavam numa missão blackop, bem dentro da fronteira iraniana… talvez a “marcar” alvos…”

    …. os tipos foram apanhados na fronteira (não estavam dentro) em missão de rotina ( são marinheiros e fuzileiros para abordar e fiscalizar os navios

    um dos elementos é uma mulher…..não existem mulheres nas forças especiais

    parece ser óbvio que os Iranianos fizeram isto para coincidir com a reunião do Conselho de Segurança das NU para decidir as sanções sobre o Irão…(o rapto foi no dia anterior)

  5. Golani

    BBC – What are the rules of engagement in this type of situation?

    Admiral Sir Alan West – The rules are very much de-escalatory, because we don’t want wars starting. The reason we are there is to be a force for good, to make the whole area safe, to look after the Iraqi big oil platforms and also to stop smuggling and terrorism there.

    So we try to downplay things. Rather then roaring into action and sinking everything in sight we try to step back and that, of course, is why our chaps were effectively able to be captured and taken away.

    http://news.bbc.co.uk/2/hi/uk_news/6491581.stm

  6. Isto no golfo costuma ser assim. Hoje o Irão rapta alguns soldados ingleses, amanhã os americanos rebentam com um avião civil Iraniano. De admirar era se eles desatassem a oferecer flores uns aos outros.

  7. Golani

    “Isto no golfo costuma ser assim. Hoje o Irão rapta alguns soldados ingleses, amanhã os americanos rebentam com um avião civil Iraniano.”

    Não….Hoje o Irão rapta alguns soldados ingleses, 3 dias depois entrega-os de volta depois de fazer um espectáculo na TV iraniana….foi exactamente o que aconteceu em 2004

  8. sa morais.

    “8 ou 15 podem ser muitos, dependendo da sua posição, armamento, treino e moral… O grupo parece ter sido capturado por uma patrulha idêntica iraniana… O que me intriga aqui é que as patrulhas iranianas de fronteira terem mais homens, mais bem preparados e mais bem equipados e comandados que os britânicos?”

    Bem, até podiam ser 50, mas estando em território hostil, sem apoio, bastava que os cercassem até ficarem, por exemplo, sem munições…

    Mas aqui nem era o caso…

    E é claro que aquilo não era um western… Um confronto seria despropositado e perigoso. Se já houve guerras que começaram por causa de um jogo de futebol, mais facilmente começariam por causa de uma escaramuça.

    Outra coisa: “os helicópteros do Cornwall detectaram as lanchas dos 15 marinheiros a serem rebocadas no canal Chatt al-Arab, que desagua no Golfo, em direcção a bases iranianas. Não se notavam sinais de combates.”

    – contacto visual.
    Os helicópteros deveriam estar na águas territoriais iraquianas, logo…

    Não duvido das declarações do Almirantado, pois se houvesse mais assunto, o maluco do Ahmadinejad estaria a fazer um ruidoso aproveitamento politíco da situação

  9. JG: Mas repara que são sempre ingleses a serem raptados… O Irão não se atreve a fazer o mesmo com soldados americanos… Receando as consequências, claro, coisa que não parece sofrer quando captura soldados britânicos…

    Golani: E o mesmo filme de 2004, vai agora ser reeditado, certamente… Embora haja agora uma nova variável, que é a das sanções e do programa nuclear iraniano… Veremos se são tão lestos como em 2004… Suspeito que não… E continuo a suspeitar que não se contou aqui toda a história… Havendo também a possibilidade de ser uma armadilha montada pelo Irão… O navio inspeccionado… E depois, no preciso minuto em que os britânicos terminavam a inspecção aparecem seis (6!) vedetas iranianas que capturam os dois barcos britânicos e os respectivos militares… De onde vieram estes iranianos e em momento tão oportuno?

    Sá: Na verdade, sabe-se agora que seriam 6 vedetas iranianas, isto é, cerca de 60 guarda revolucionários, e com armamento mais pesado que o disponível aos britânicos que teriam apenas armas pessoais… Assim se explica a captura silenciosa, sem oposição…

    “Bem, até podiam ser 50, mas estando em território hostil, sem apoio, bastava que os cercassem até ficarem, por exemplo, sem munições…”
    E segundo uma fonte citada pelo Golani, esta captura parece resultar de uma política intencional do comando britânico… Que está a funcionar muito no que concerne a deixar os seus homens nas mãos de gente tão imprevisível como a guarda revolucionária, diga-se…

    “E é claro que aquilo não era um western… Um confronto seria despropositado e perigoso. Se já houve guerras que começaram por causa de um jogo de futebol, mais facilmente começariam por causa de uma escaramuça.”
    E guerras que começaram em episódios semelhantes… Como o do golfo de Tokin, que se sabe hoje ter sido totalmente orquestrado e simulado pelos EUA para escalar a guerra do Vietname…

    “Outra coisa: “os helicópteros do Cornwall detectaram as lanchas dos 15 marinheiros a serem rebocadas no canal Chatt al-Arab, que desagua no Golfo, em direcção a bases iranianas. Não se notavam sinais de combates.”
    Sim, já tinha tb lido essa. Pergunto-me se as irão devolver…

    “Os helicópteros deveriam estar na águas territoriais iraquianas, logo…”
    parece que era apenas um heli, da fragata.

    “Não duvido das declarações do Almirantado, pois se houvesse mais assunto, o maluco do Ahmadinejad estaria a fazer um ruidoso aproveitamento politíco da situação”
    Pois, também me começo a inclinar nesse sentido… Dando razão à tese do Golani e tua, de que de facto, não foi uma blackop que correu mal…

    Mas agora…

    Desconfio de outra coisa…

    De uma armadilha montada pelos iranianos….

    É que esta concentração de meios…
    e a oportunidade (sanções) e a precisa hora da operação…

    tudo indicam preparação e antecipação…

    mas será que estou outra vez em busca de uma “conspiração” onde ela não existe?

    O que acham?

  10. Golani

    “É que esta concentração de meios…
    e a oportunidade (sanções) e a precisa hora da operação…

    tudo indicam preparação e antecipação…

    mas será que estou outra vez em busca de uma “conspiração” onde ela não existe?”

    não …. foi exactamente isso …..eles já sabiam que iram receber sanções da UN, portanto tomaram a decisão premeditada de raptar alguns ingleses para terem alguma vantagem diplomática neste momento

    em 2004 passou-se tudo nas calmas…eles fizeram um show com os militares vendados e de mãos no ar e depois devolveram-nos

    foi por isso q raptaram ingleses e não americanos….os ingleses são mais diplomáticos e sensatos ….os americanos ainda desatavam aos tiros e o W lançava um ataque justificado ao Irão

    agora se a situação não for resolvida nos próximos dias (como em2004), os ingleses arriscam-se a ficarem detidos durante muitos meses (como os tipos da embaixada Americana há uns 30 aos atrás)

    uma operação de resgate está fora de questão…estaria condenada ao fracasso….resta a via negocial

    se se arrastar no tempo, cá para mim ainda vão colocá-los nos locais de desenvolvimento nucleares para servirem de escudos humanos

  11. Pestana

    Essa de escudos humanos, é acreditar que Blair e etc.. esitariam em sacrificar, (sacrificar gente e também gente sua é o que eles andam a fazer há muito tempo) os seus soldados se lhes passar pela cabeça fazerem a guerra a mais um país. Ele já deu bem, provas que não tem quaisquer escrúpulos.

  12. Ou será que os rapazes resolveram ir tirar umas fotos para depois dizer: estivemos em águas iranianas. A mãezinha iria ficar orgulhosa.

    Não vejo a lógica como sempre do lado dos cowboys.

    Agora que dizer que os rapazinhos foram maltratados é que não pega. O facto é que eram meninos do coro, basta ver pela entrevista que deram à Sky antes de serem apanhados.

    Quanto às imagens de GPS, bah, atã não se arranjam as que quizermos.

    E que andava aquela rapaziada a fazer longe do barco mãe, atão que estava a fazer o comandante deles para os ter deixado ao largo?

    Cá para mim é como disse, andavam a passear e distraíram-se.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

Site no WordPress.com.

Eleitores de Portugal (Associação Cívica)

Associação dedicada à divulgação e promoção da participação eleitoral e política dos cidadãos

Vizinhos em Lisboa

A Vizinhos em Lisboa tem em vista a representação e defesa dos interesses dos moradores residentes nas áreas, freguesias, bairros do concelho de Lisboa nas áreas de planeamento, urbanismo, valorização do património edificado, mobilidade, equipamentos, bem-estar, educação, defesa do património, ambiente e qualidade de vida.

Vizinhos do Areeiro

Núcleo do Areeiro da associação Vizinhos em Lisboa: Movimento de Vizinhos de causas locais e cidadania activa

Vizinhos do Bairro de São Miguel

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos

TRAVÃO ao Alojamento Local

O Alojamento Local, o Uniplaces e a Gentrificação de Lisboa e Porto estão a destruir as cidades

Não aos Serviços de Valor Acrescentado nas Facturas de Comunicações !

Movimento informal de cidadãos contra os abusos dos SVA em facturas de operadores de comunicações

Vizinhos de Alvalade

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos de Alvalade

anExplica

aprender e aprendendo

Subscrição Pública

Plataforma independente de participação cívica

Rede Vida

Just another WordPress.com weblog

Vizinhos do Areeiro

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos do Areeiro

MDP: Movimento pela Democratização dos Partidos Políticos

Movimento apartidário e transpartidário de reforma da democracia interna nos partidos políticos portugueses

Operadores Marítimo-Turísticos de Cascais

Actividade dos Operadores Marítimo Turísticos de Cascais

MaisLisboa

Núcleo MaisDemocracia.org na Área Metropolitana de Lisboa

THE UNIVERSAL LANGUAGE UNITES AND CREATES EQUALITY

A new world with universal laws to own and to govern all with a universal language, a common civilsation and e-democratic culture.

looking beyond borders

foreign policy and global economy

O Futuro é a Liberdade

Discussões sobre Software Livre e Sociedade

%d bloggers like this: