A Índia vai substituir os seus MiG-21 por novos aparelhos… F/A-18, F-16 ou… MiG-35?


MiG-35 (http://www.defesanet.com.br)

A Índia anunciou que vai gastar até 10 biliões de dólares na aquisição de 40 caças Sukhoi-30 à Rússia e na de outros aparelhos, com o objectivo de substituir os MiG-21 ainda em operação na força aérea do país. Esta verba vai permitir a aquisição de um total de 126 aviões, que além destes Su-30 russos, poderão ser aparelhos de outras origens, desde os EUA até à Suécia.

Sabe-se que os russos exibiram na Feira de aviação de Bangalore, caças MiG-35 (uma versão modernizada do MiG-29) e os americanos os seus F-16 e F/A-18. E estas são as três opções que parecem melhor posicionadas actualmente, com vantagem dos russos, já que os MiG-29 já constam do inventário indiano, ao contrário de aparelhos americanos, que estão completamente ausentes aqui… E que a Índia conseguiu recentemente a licença para produzir na HAL os motores RD-33 series 3 usados pelo MiG-29 e pela variante de empuxo vectorial MiG-35…

Sabe-se também que a Índia vai participar no Project PAK, de desenvolvimento de um caça de quinta geração, o mesmo que alguns defendem que deverá também receber participação brasileira, via Embraer…

De qualquer modo, os indianos foram mais sensatos que o ministério da defesa brasileiro… Também seduzidos com as propostas francesas para oferecer uma versão modernizada do Mirage 2000 (o 2000V5), a Índia recusou e isto apesar de já operar 40 Mirage 2000D e estes poderem ser actualizados para este novo padrão…

Fontes:

Airway.uol.com.br

DefenseIndustryDaily

Segurança e Defesa

Categories: DefenseNewsPt, O Código da Vinci | 6 comentários

Navegação de artigos

6 thoughts on “A Índia vai substituir os seus MiG-21 por novos aparelhos… F/A-18, F-16 ou… MiG-35?

  1. Golani

    o Gripen tb está bem posicionado….e o Eurofighter tb está a ser considerado

  2. Golani

    Terrível…manifestações anti-Bush no Brasil

  3. sa morais

    Gripen… A minha eterna escolha!

  4. Nito

    Flanker forever !!!!!

  5. golani: é um autêntico… massacre. Infelizmente, arrisca-se a ter o efeito oposto… em vez de o repelir, bem que pode atrair… e daí… o tipo não é um ultracistão, ligado às seitas mais puritanas? Pensando bem, até que pode ser uma excelente táctica! De qq modo, nós agradecemos sempre este tipo de campanhas!
    Sá: EU continuo mais virado para o Su-37… Embora o Gripen fosse a melhor opção para Portugal (podemos mesmo confiar nos russos para que nos forneçam peças?)
    Nito: Ditto!

  6. Anónimo

    O SU-37 Super Flanker para a FAP?

    Não se adequa ao complito da NATO por muitas e diversificadas razões: armamentos, sistemas, aviónicos, operabilidade, compatibilidade de sistemas, normalizações, padronização, armamentos, radar, frequências-radiocomunicações, (Links-SICCAP), sistema de identificação amigo-inimigo (IFF), etc…, o SU-37 é todo incompatível!

    Nunca jamais poderia ser adquirido por um país da NATO. Veja-se o caso da Luftwaffe da Alemanha que herdou por inteiro a aviação militar e comercial da ex-RDA e teve logo que dar baixa da esmagadora maioria dos aparelhos, desactivando esquadrões inteiros e vendendo aeronaves ao desbarato, tudo por incompatibilidade com as restantes frotas “ocidentalizadas”. Até os tão gabados Mig-29 Fulcrum foram à vida! Afinal de contas, fora o aspecto visual, também não éram lá coisa por aí além, principalmente no que toca a aviónicos e radar!

    Agora o SU-37 Super Flanker:
    O Su-37 Super Flanker é um monoposto de combate aéreo e ataque ao solo, derivado do caça de 4ª Geração Sukhoi Su-27 Flanker. (A família Su-27/30 são caças multimissão “multirole” exportados em pequenos números para várias nações, incluindo Rússia, Índia e China).
    O Su-37 implementou grandes aperfeiçoamentos em relação ao inicial Su-27, incluindo o modo “all-weather” (capacidade de operar de dia ou de noite em quaisquer condições climáticas). Conta para isso com radar de navegação e vigilância simultânea do espaço aéreo, sobre a dimensão terrestre ou naval. Tem capacidade de detectar alvos a uma distância de até 360km, adquirir os 20 alvos mais ameaçadores e prioritários, diferenciá-los, identificá-los e referenciá-los, podendo atacar até 12 deles simultâneamente… desde longas, a médias distâncias, consoante os mísseis “ar-ar” que estejam disponíveis no momento.
    O Su-37 possui um sistema de mira no capacete do piloto (HMS) podendo este, através do olhar, monitorar alvos em qualquer ângulo, inclusivé para trás. Os mísseis “ar-ar” podem incluir a capacidade “all aspect” que permite alvejar qualquer tipo de aeronave ou míssil de cruzeiro voando a alta altitude ou rente à superfície, independentemente da velocidade e da direcção. O seu sistema de tiro tem plena efectividade contra todo o tipo de alvos (aéreos, terrestres ou marítimos) situados muitíssimo além do campo visual (BVR–Beyond Visual Range/OTH-Over The Horizon).

    Por outras palavras: combinando-se o radar N012, o míssil “ar-ar” (AAM) R-77 (AA-12 Adder) com alcance de 110Km e o sistema de guia-automática é possível atingir um caça do tipo F-16 antes mesmo que o radar deste perceba a presença do Su-37. O Super Flanker é também equipado com o sistema de vigilância e alerta N012, com capacidade para detectar alvos de 3,2m a até 80km e caças inimigos a uma distância de até 290km, situados a 70 gráus no cone de abertura sintética, o que o torna prácticamente invulnerável aos ataques de surpresa vindos do ar ou da superfície (terrestre ou marítima).

    Mas a manobrabilidade é sem dúvida o itém de maior destaque deste avião, capaz de igualar e até suplantar em certos parâmetros o F-15 Eagle, unanimamente considerado pela maior parte dos especialistas aeronáuticos como “o melhor caça do mundo” (enquanto Sistema de Armas compacto).

    Embora com nítidas inferioridades ao nível tecnológico quando comparado com o alto padrão de desenvolvimento ocidental (principalmente norte-americano), o SU-37, mesmo assim, é um avião de “peso”, bastante perigoso quando nas mãos de um piloto experimentado!
    Este super-caça russo, ao contrário do que durante décadas sucedeu, chega mesmo a desafiar e a rivalizar com os caças ocidentais pela vital Superioridade Aérea, a “Chave da Vitória” numa qualquer guerra de alta escala. Por isso, é tido como um “caso muitíssimo sério” para os altos estrategas norte-americanos e da NATO que, respondendo ao desafio, puseram a pronto os super-caças de 5ª Geração.
    O SU-37 é quipado com um controle de empuxo vectorial (TVC-Thrust Vectoring Control), isto é, tem bocais dos turboreactores com empuxo vectorizados tridimensionalmente. Com um alto perfil alar que lhe permite enfrentar altos angulos de ataque muito além dos limites humanos de “G-Force”, o Super Flanker é capaz de realizar manobras impossíveis para a maioria dos caças de 3 e 4ªs Gerações, conferindo-lhe assim umas certas vantagens nas tácticas de vôo de combate. No entanto, essa “super-manobrabilidade” é um tanto discutível quando os combates “dogfight” (ao estilo da 2ª Guerra Mundial) já à muito passaram à História! Devido às enormes capacidades dos sistemas aviónicos, dos radares, e à altíssima letalidade dos mísseis “ar-ar” contemporâneos, é muitíssimo improvável (senão mesmo impossível) os caças modernos embrunharem-se nesses tipos de combates à moda antiga, sempre a curta distância mediante perseguidor e presa. São combates absolutamente obsoletos para os padrões de combate atuais onde os mísseis “ar-ar” com as suas elevadas capacidades de aquisição, perseguição e acerto são, na verdade, a diferença!

    Quanto à capacidade de armamento, uma característica bem mais válida do que simples habilidades acrobáticas circenses, o SU-37 pode carregar 8000Kg de mísseis AAM, ASM-anti-superfície e ASV-anti-navio, incluíndo mísseis nucleares. Outros armamentos incluem bombas convencionais para todos os tipos de aplicação “ar-superfície”, LGB guiadas, GBU “inteligentes”, bombas “cluster” anti-pista/anti-aeroporto, bombas anti-bunker, “penetrators”, termobáricas, pods dispensadores com milhares de bomblets anti-infantaria/anti-tanque, pods lança-rockets ou ainda engenhos nucleares táticos e estratégicos. O número de pontos de fixação “racks” é de 12, podendo ser incrementados para 14 usando-se 2 suportes extra adicionais.

    Quanto aos aviónicos (e sem entrar em detalhes tecnicistas), convém desde já salientar que embora cumpram as suas aplicações e tarefas executórias de forma simples e efectiva, ainda estão muito aquém dos padrões ocidentais, mais parecendo situarem-se numa filosofia dos Anos 80 do que nos do dealbar do Séc. XXI.

    Portanto, um super-caça “descafeinado”!

    O SU-37 é muito ao jeito de um “caça p`ra encher o olho”, estéticamente apetecível! Para mais, como todo o material russo dos 300$, está bem no preço acessível aos países terceiro-mundistas que querem impor-se pela via militarista, arrogante e desafiatória (estilo Almadinejahad ou Chávez), em completo desprezo e descrédito pelo Social!

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

Site no WordPress.com.

Eleitores de Portugal (Associação Cívica)

Associação dedicada à divulgação e promoção da participação eleitoral e política dos cidadãos

Vizinhos em Lisboa

A Vizinhos em Lisboa tem em vista a representação e defesa dos interesses dos moradores residentes nas áreas, freguesias, bairros do concelho de Lisboa nas áreas de planeamento, urbanismo, valorização do património edificado, mobilidade, equipamentos, bem-estar, educação, defesa do património, ambiente e qualidade de vida.

Vizinhos do Areeiro

Núcleo do Areeiro da associação Vizinhos em Lisboa: Movimento de Vizinhos de causas locais e cidadania activa

Vizinhos do Bairro de São Miguel

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos

TRAVÃO ao Alojamento Local

O Alojamento Local, o Uniplaces e a Gentrificação de Lisboa e Porto estão a destruir as cidades

Não aos Serviços de Valor Acrescentado nas Facturas de Comunicações !

Movimento informal de cidadãos contra os abusos dos SVA em facturas de operadores de comunicações

Vizinhos de Alvalade

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos de Alvalade

anExplica

aprender e aprendendo

Subscrição Pública

Plataforma independente de participação cívica

Rede Vida

Just another WordPress.com weblog

Vizinhos do Areeiro

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos do Areeiro

MDP: Movimento pela Democratização dos Partidos Políticos

Movimento apartidário e transpartidário de reforma da democracia interna nos partidos políticos portugueses

Operadores Marítimo-Turísticos de Cascais

Actividade dos Operadores Marítimo Turísticos de Cascais

MaisLisboa

Núcleo MaisDemocracia.org na Área Metropolitana de Lisboa

THE UNIVERSAL LANGUAGE UNITES AND CREATES EQUALITY

A new world with universal laws to own and to govern all with a universal language, a common civilsation and e-democratic culture.

looking beyond borders

foreign policy and global economy

O Futuro é a Liberdade

Discussões sobre Software Livre e Sociedade

%d bloggers like this: