Daily Archives: 2007/02/15

Sobre a discriminação racial na 10ª Feira de Emprego de Lisboa…

“Procuramos africanos que queiram regressar a África”

Este era o Slogan de uma das empresas de recrutamento de Pessoal que participaram na última Feira de Emprego que se realizou de 10 a 11 de Fevereiro em Lisboa e pode ser ainda lido no site da dita feira:

“10ª Feira de Emprego de Lisboa mais de 50 multinacionais á procura de candidatos Angolanos que queiram voltar a Angola.”

Espera lá… Mas isto não é discriminação fundada em bases raciais? Ou seja, estas “multinacionais” só aceitam indivíduos de raça negra? Não tenho nada, em princípio, contra a chamada “discriminação positiva”, mas dentro de certos limites, como a imposição de quotas para o recrutamento de uma percentagem mínima de mulheres ou de indivíduos oriundos de minorias étnicas, mas excluir completamente a contratação de alguém apenas por condicionamentos étnicos parece-me uma flagrante violação da Moral e da Lei e espanta-me como é que esta informação foi repetida várias vezes na televisão, perante a passividade dos repórteres e como é que continua ainda presente (neste mesmo momento) no próprio site da Feira de Emprego…

O que está a fazer a CICDR – Comissão para Igualdade e Contra Discriminação Racial”?

Nomeadamente a respeito deste ponto:

A Comissão para a Igualdade e Contra a Discriminação Racial (CICDR) foi criada pela Lei n.º. 134/99, de 28 de Agosto.

Esta Lei tem por objecto prevenir e proibir a discriminação racial sob todas as formas e sancionar a prática de actos que se traduzam na violação de quaisquer direitos fundamentais, ou na recusa ou condicionamento do exercício de quaisquer direitos económicos, sociais ou culturais, por quaisquer pessoas, em razão da sua pertença a determinada raça, cor, nacionalidade ou origem étnica.

Acha que o Racismo é um fenómeno disseminado em Portugal?
1) Sim
2) Não

View Results

Anúncios
Categories: A Escrita Cónia, Política Internacional, Política Nacional, Sociedade Portuguesa | 8 comentários

sQuid S1-54: Quem é este imperador?

Categories: Delírios, sQuids S1 | 7 comentários

Documentos sobre a explosão comercial do século XIV

20 de Março de 1337

Resumo:
Para que o concelho de Muge não sirva por mar.

Citação:
“não vão em hoste por mar nem por terra”

Comentários:
* Mostra o carácter recrutado da marinha real.
* Mostra que existia uma armada real permanente.
* Insere-se dentro do conjunto de medidas que visavam incentivar o comércio.

9 de Abril de 1338

Resumo:
Um mercador de Florença.

Citação:
“A quantos esta carta virem faço saber que Beringel Onberto me pediu por merçê por si e por Nicolau Benoldi da companhia dos Bardos da cidade de Florença e por todos os outros mercadores da dita companhia e da dita cidade querem viver no meu senhorio”

Comentário:
* Mercadores de companhias florentinas em Portugal.
Citação:
“Se eu fizer armada de frota por mim ou pelos meus corsários e acaecer que essa frota ou esses corsários achassem nave ou baixel ou outros navios em que esses mercadores houvessem sair mercadorias dos da dita companhia dos Bardos e da dita cidade de Florença entrando ou saindo de terra de Mouros ou para alguma das outras partes que lhes não seja tomada nenhuma coisa.”

Comentários:
* Corsários do rei que atacam as costas do norte de África.
* Os florentinos usam Portugal como base de operações comerciais com o Marrocos.
Citação:
“Salvo se essas Naves ou Baixeis ou Navios fosse achado que levavam para terra de Mouros armas ou pez ou Remos ou madeira ou linho ou estopa ou ferro ou trigo ou Cevada ou milho ou centeio ou farinha”

Comentários:
* O monarca pretendia impedir exportações de armas e de materiais de construção para as fustas que assolavam o sul de Portugal.
* Os cereais aqui referidos provam a escassez marroquina dos mesmos (em 1338).

Categories: Economia, História, Os Descobrimentos Portugueses, Sexo Tântrico e Budismo | 3 comentários

Quids S6-27: Qual era a função deste veículo?

_386t.jpg
Dificuldade: 3

Categories: Cinema, Quids S6 | 13 comentários

Site no WordPress.com.

Eleitores de Portugal (Associação Cívica)

Associação dedicada à divulgação e promoção da participação eleitoral e política dos cidadãos

Vizinhos em Lisboa

A Vizinhos em Lisboa tem em vista a representação e defesa dos interesses dos moradores residentes nas áreas, freguesias, bairros do concelho de Lisboa nas áreas de planeamento, urbanismo, valorização do património edificado, mobilidade, equipamentos, bem-estar, educação, defesa do património, ambiente e qualidade de vida.

Vizinhos do Areeiro

Núcleo do Areeiro da associação Vizinhos em Lisboa: Movimento de Vizinhos de causas locais e cidadania activa

Vizinhos do Bairro de São Miguel

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos

TRAVÃO ao Alojamento Local

O Alojamento Local, o Uniplaces e a Gentrificação de Lisboa e Porto estão a destruir as cidades

Não aos Serviços de Valor Acrescentado nas Facturas de Comunicações !

Movimento informal de cidadãos contra os abusos dos SVA em facturas de operadores de comunicações

Vizinhos de Alvalade

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos de Alvalade

anExplica

aprender e aprendendo

Subscrição Pública

Plataforma independente de participação cívica

Rede Vida

Just another WordPress.com weblog

Vizinhos do Areeiro

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos do Areeiro

MDP: Movimento pela Democratização dos Partidos Políticos

Movimento apartidário e transpartidário de reforma da democracia interna nos partidos políticos portugueses

Operadores Marítimo-Turísticos de Cascais

Actividade dos Operadores Marítimo Turísticos de Cascais

MaisLisboa

Núcleo MaisDemocracia.org na Área Metropolitana de Lisboa

THE UNIVERSAL LANGUAGE UNITES AND CREATES EQUALITY

A new world with universal laws to own and to govern all with a universal language, a common civilsation and e-democratic culture.

looking beyond borders

foreign policy and global economy

O Futuro é a Liberdade

Discussões sobre Software Livre e Sociedade