A Questão da Escravatura

A escravatura não é um dado novo no contexto da guerra peninsular entre cristãos e muçulmanos, sendo praticada frequentemente por ambos os lados.

A primeira referência à pratica do tráfico de escravos surge no Capítulo XII da Crónica de Zurara e diz respeito ao aprisionamento por Antão Gonçalves de dois indígenas – ainda não negros – ao largo da costa da Mauritânia. Estes dois individuos seriam depois usados como intérpretes em futuras expedições, aqueles a que Duarte Pacheco Pereira chamaria de línguas. É aliás, com Antão Gonçalves que se assiste à generalização da actividade comercial nas expedições à costa ocidental africana.

No Capítulo XVI para além de trocar dois cativos por dez mouros (mauritanos), Antão Gonçalves recolhe igualmente informações sobre os mercadores árabes e as suas rotas caravaneiras, encetando a primeira tentativa de fazer cumprir as ordens do Infante para descobrirem o caminho para o Reino do Prestes João.

A expedição de Lançarote de Lagos (citada nos Capítulos XVIII e XXIII) em 1444 resultou na captura de 223 escravos mouros.

É a partir de 1444 que se assiste a uma mudança de comportamento para com as populações indígenas. Posteriormente, João Fernandes seria deixado junto dos Azenegues, na região do Rio do Ouro, para recolher mais informações sobre as terras e riquezas do interior. É a partir desta estadia que a região começa a ser designada por Costa da Mina.

O relato de Zurara revela-nos a relativa humanidade com estes primeiros escravos eram recebidos por alguns portugueses da época, nomeadamente no ponto em que critica a maneira como eram tratados no mercado de escravos da cidade de Lagos.

Em 1444 Nuno Tristão é o primeiro a chegar à Terra dos Negros, trazendo para Portugal os primeiros escravos de raça negra. Numa viagem posterior João Fernandes é encontrado por Antão Gonçalves trazendo para Portugal novas informações sobre a região e nomeadamente contactos com Ahude Maimão, um régulo local que o informou sobre as rotas caravaneiras que iam de Fez a Timbuctu.

Os escravos seriam usados em grandes números na cultura do Açúcar na ilha da Madeira:

Em 1505, Dom Manuel determina que na Madeira só fiquem escravos das Canárias, mestres no cultivo do açúcar, embora mais tarde ordenasse a sua expulsão dado a sua característica agressividade e rebeldia.

Os escravos eram vendidos à peça, sendo os velhos e as crianças classificados como meias-peças. Estas informações e outras relacionadas, como a idade e o preço eram inscritas nos Livros dos Resgates.

Em Arguim, os escravos eram trocados por cavalos, seda mourisca e pratas:

Os mercadores penetravam no sertão seguindo os cursos de água e filhando todos os escravos que pudessem. Mais tarde – pela altura da assinatura do Tratado das Tordesilhas – este tipo de acção seria proibida. A obtenção de escravos por estrangeiros passa a requerer uma autorização, e, no caso de Cabo Verde, à existência de um acordo prévio com as autoridades do arquipélago. Estes escravos eram levados para a metrópole, sendo depois distribuídos pelas diversas possessões da Coroa portuguesa.

Categories: Economia, História, Os Descobrimentos Portugueses, Sexo Tântrico e Budismo | Deixe um comentário

Navegação de artigos

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

Site no WordPress.com.

Eleitores de Portugal (Associação Cívica)

Associação dedicada à divulgação e promoção da participação eleitoral e política dos cidadãos

Vizinhos em Lisboa

A Vizinhos em Lisboa tem em vista a representação e defesa dos interesses dos moradores residentes nas áreas, freguesias, bairros do concelho de Lisboa nas áreas de planeamento, urbanismo, valorização do património edificado, mobilidade, equipamentos, bem-estar, educação, defesa do património, ambiente e qualidade de vida.

Vizinhos do Areeiro

Núcleo do Areeiro da associação Vizinhos em Lisboa: Movimento de Vizinhos de causas locais e cidadania activa

Vizinhos do Bairro de São Miguel

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos

TRAVÃO ao Alojamento Local

O Alojamento Local, o Uniplaces e a Gentrificação de Lisboa e Porto estão a destruir as cidades

Não aos Serviços de Valor Acrescentado nas Facturas de Comunicações !

Movimento informal de cidadãos contra os abusos dos SVA em facturas de operadores de comunicações

Vizinhos de Alvalade

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos de Alvalade

anExplica

PEDAÇOS DE SABER

Subscrição Pública

Plataforma independente de participação cívica

Rede Vida

Just another WordPress.com weblog

Vizinhos do Areeiro

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos do Areeiro

MDP: Movimento pela Democratização dos Partidos Políticos

Movimento apartidário e transpartidário de reforma da democracia interna nos partidos políticos portugueses

Operadores Marítimo-Turísticos de Cascais

Actividade dos Operadores Marítimo Turísticos de Cascais

MaisLisboa

Núcleo MaisDemocracia.org na Área Metropolitana de Lisboa

THE UNIVERSAL LANGUAGE UNITES AND CREATES EQUALITY

A new world with universal laws to own and to govern all with a universal language, a common civilsation and e-democratic culture.

looking beyond borders

foreign policy and global economy

<span>%d</span> bloggers like this: