O Referendo da IVG: O Argumento do “Menor Sofrimento”

“Poder-se-ia pensar que o movimento teria indirectamente significado moral, na medida em que trataria da indicação de alguma forma de consciência – e, como já vimos, a consciência e a capacidade de sentir prazer ou sofrimento têm um significado moral real.”

(…)

“Com base em estudos que demonstram que o movimento tem lugar tão cedo quanto seis semanas após a fertilização, associados a outros estudos que deram conta de alguma actividade cerebral na sétima semana, aventou-se que o feto poderia ser capaz de sentir dor nessa fase inicial da gravidez.”

página 162

Ética Prática, Peter Singer, Gradiva, Lisboa, 2002.

Não é o facto de embrião apresentar a capacidade de se mover que determina a sua capacidade para Sofrer, Sentir prazer ou estar “animado” por uma Alma ou ter Consciência de Si. A actividade cerebral na sétima semana, já merece outra atenção… Parece ser ainda demasiado fraca e dispersa para poder representar algum dos três factores de fronteira que definimos inicialmente como pontos essenciais na defesa pelo “Sim” neste Referendo:

1. O embrião sente Dor?

2. O embrião sente Prazer?

3. O embrião tem Consciência de Si?

Mas estes três, são sobrepostos por aquele que é o verdadeiro argumento fundamental: o Sofrimento…

Todos concordarão quando se diz que uma criança que não é desejada tem mais probabilidades de ser alguém Infeliz ao longo da sua infância, junto dos progenitores que não desejaram ou que o abandonaram e que existe uma tendência esmagadora para constituir um adulto infeliz e, consequente, um pai/mãe que provoca por sua vez a infelicidade e o sofrimento nos seus filhos. Assim, ainda que o embrião possa a partir das 7 semanas sentir alguma dor (Sofrimento) este será certamente inferior à carga de Infelicidade que terá que transportar durante toda a sua vida por não ter sido querido, nem desejado…

Se existe uma balança com dois pratos, e se num destes, o peso do Sofrimento é menor, não devemos então escolher este e…

Votar “Sim”?

Qual será o seu sentido de voto a 11 de Fevereiro?
1) Sim
2) Não

View Results

Categories: A Escrita Cónia, Livros, Referendo da IVG, Sociedade Portuguesa | 4 comentários

Navegação de artigos

4 thoughts on “O Referendo da IVG: O Argumento do “Menor Sofrimento”

  1. Mais uma vez estou de acordo contigo e volto a frisar que votar sim, não quer dizer que se seja a favor do aborto.
    Um Abraço.

  2. Pois é Rui.
    acho que o não desejo é uma coisa triste e que se “cola” ao ser como um ferro a arder marcado na pele, que o vai acompanhar pela vida fora. Depois vêm as inseguranças, depressões, maus tratos, etc etc…
    Ainda há quem me responda que as mulheres devem ter os filhos e dá-los a instituições. Perguntei a uma pessoa o que era para ela vida e respondeu-me que era estar vivo. Não importa as condições em que se viva.
    Tudo isto é tão revelador do nível das consciências que nos rodeia…

  3. Outsider: Pois não! ao contrário do que os fundamentalistas excomungadores do Não tentam fazer crer! ninguém se pode opor mais ao Aborto do que eu, que já tanto escrevi sobre a grave crise demográfica que assola Portugal e contra a criminosa passividade de sucessivos governos…

    Tb: exacto… é uma espécia de acto que gera uma corrente infinda de actos negativos e um sofrimento contínuo que se estende de geração em geração… sim, porque pais que foram filhos indesejados, tratarão mal os seus próprios filhos (tendencialmente), e estes por sua vez tornarão a fazer o mesmo… E a opção de os “dar”… É uma treta! em Portugal os processos de adopção levam em média 3 anos, por vezes 5! e as crianças gastam numa instituição os tais 4 fundamentais anos de formação de carácter e personalidade? e os pais biológicos que têm 5 anos para “recuperar” os seus filhos após a adopção?

  4. Sao mais alguns argumentos do Sim. Mas como eu vou votar Não. a mim não me dizem muito. No entanto, a discussão é sempre bem-vinda 🙂

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

Site no WordPress.com.

Eleitores de Portugal (Associação Cívica)

Associação dedicada à divulgação e promoção da participação eleitoral e política dos cidadãos

Vizinhos em Lisboa

A Vizinhos em Lisboa tem em vista a representação e defesa dos interesses dos moradores residentes nas áreas, freguesias, bairros do concelho de Lisboa nas áreas de planeamento, urbanismo, valorização do património edificado, mobilidade, equipamentos, bem-estar, educação, defesa do património, ambiente e qualidade de vida.

Vizinhos do Areeiro

Núcleo do Areeiro da associação Vizinhos em Lisboa: Movimento de Vizinhos de causas locais e cidadania activa

Vizinhos do Bairro de São Miguel

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos

TRAVÃO ao Alojamento Local

O Alojamento Local, o Uniplaces e a Gentrificação de Lisboa e Porto estão a destruir as cidades

Não aos Serviços de Valor Acrescentado nas Facturas de Comunicações !

Movimento informal de cidadãos contra os abusos dos SVA em facturas de operadores de comunicações

Vizinhos de Alvalade

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos de Alvalade

anExplica

PEDAÇOS DE SABER

Subscrição Pública

Plataforma independente de participação cívica

Rede Vida

Just another WordPress.com weblog

Vizinhos do Areeiro

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos do Areeiro

MDP: Movimento pela Democratização dos Partidos Políticos

Movimento apartidário e transpartidário de reforma da democracia interna nos partidos políticos portugueses

Operadores Marítimo-Turísticos de Cascais

Actividade dos Operadores Marítimo Turísticos de Cascais

MaisLisboa

Núcleo MaisDemocracia.org na Área Metropolitana de Lisboa

THE UNIVERSAL LANGUAGE UNITES AND CREATES EQUALITY

A new world with universal laws to own and to govern all with a universal language, a common civilsation and e-democratic culture.

looking beyond borders

foreign policy and global economy

<span>%d</span> bloggers like this: