Sobre a força de Estabilização que a União Africana vai enviar para a Somália


Soldado da UA já na Somália (http://www3.turkishpress.com)

O Burundi prometeu enviar até mil soldados para a Somália, respondendo a um pedido da União Africana para o envio de forças militares de estabilização para este país do Corno de África. A União procura reunir uma força de oito mil homens para substituir o exército etíope que com tanto sucesso bateu as milícias islamitas somalis no fim do ano passado.

A colocação desta força internacional é cada vez mais urgente, porque se têm multiplicado os incidentes entre as forças etíopes, cristãs e a população local, quase totalmente muçulmana. Os somalis encaram a presença etíope como ofensiva e provocativa exprimindo nas frequentes manifestações slogans como “Não queremos tropas estrangeiras” e “Abaixo a Etiópia”.

A força da União Africana para a Somália congrega actualmente:

Uganda: 1500 homens

Nigéria: número desconhecido

Ghana: número desconhecido

Burundi: 1000 homens

Estas forças não serão contudo capazes de manter o território somali estabilizado… O maior contigente reunido até agora são os 1500 militares ugandeses, que embora sejam um dos mais eficientes exércitos de África está muito longe de possuir a logística par o sustentar durante longos períodos de tempo longe das suas bases… Os abastecimentos, os meios de transportes são crónicamente insuficientes em todos os exércitos africanos e apesar da qualidade reconhecida ao exército ugândes, se as milícias islâmicas enveredarem pelo caminho da guerrilha e se reunirem apoio popular nesse caminho não serão estas pequenas forças africanas, dispersas, sem historial comum em missões idênticas e sobretudo, desprovidas de apoio aéreo ou naval que conseguirão estabilizar o território. Teremos então uma reedição do Drama do Darfur, onde uma força da UA, dispersa, isolada e ineficaz tenta em vão travar um genocídio (patrocinado de novo por islamitas radicais).

Aqui, como no Darfur, as ditas “potencias ocidentais” têm o dever Moral e o Interesse Directo em intervir. Devem fornecer a estas forças africanas a rectaguarda que estas não possuem. Devem abastecê-las, controlar os céus, dar-lhes apoio aéreo e naval e de operações especiais, mas deixando sempre a estas forças africanas o dever de policiar, guarnecer e combater em primeira linha, de modo a não oferecer aos radicais os argumentos de “ingerência externa” que são usados actualmente pelos opositores à presença ocidental no Iraque e no Afeganistão.

Fonte: BBC News

Categories: DefenseNewsPt, O Código da Vinci, Política Internacional, Sociedade | 2 comentários

Navegação de artigos

2 thoughts on “Sobre a força de Estabilização que a União Africana vai enviar para a Somália

  1. Pedro Tavares

    Soldados da UA, julgo que só servirão para fazer número…. a verdade é que a nível operacional as forças armadas referidas têm lacunas várias e representam muitas vezes interesses étnicos e religiosos, que nos podem levar por caminhos muito perigosos.

    A solução ideal (se é que existe) seria a composição de uma força sobre a alçada da ONU, esta força de manutenção de paz teria de ser composta não só pelos africanos mas por outros países com estruturas militares mais bem organizadas e equipadas.

    Não estou com isto a dizer que as nações africanas não têm capacidade para resolver os seus problemas, mas num mundo globalizado os problemas de conflito generalizado, onde quer que este se verifique) são problemas do mundo, quer se goste ou não (há sempre quem prefira fechar os olhos).

  2. Eu aplaudo a acção, apesar dos senão operacionais, já è tempo dos governos africanos tomarem conta dos seus quintais, entre eles sem gajos de fora virem meter o bedelho.

    È claro que subscrevo totalmente a opinião do Rui: Sem apoio logistico e táctico essas tropas vão apenas para lá marcar presença. Mas a simples presença demonstra que a àfrica negra está sensibilizada para a expansão agressiva do islão. Vamos ver se eles se safam melhor que a Europa se está a safar…

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

Create a free website or blog at WordPress.com.

Eleitores de Portugal (Associação Cívica)

Associação dedicada à divulgação e promoção da participação eleitoral e política dos cidadãos

Vizinhos em Lisboa

A Vizinhos em Lisboa tem em vista a representação e defesa dos interesses dos moradores residentes nas áreas, freguesias, bairros do concelho de Lisboa nas áreas de planeamento, urbanismo, valorização do património edificado, mobilidade, equipamentos, bem-estar, educação, defesa do património, ambiente e qualidade de vida.

Vizinhos do Areeiro

Núcleo do Areeiro da associação Vizinhos em Lisboa: Movimento de Vizinhos de causas locais e cidadania activa

Vizinhos do Bairro de São Miguel

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos

TRAVÃO ao Alojamento Local

O Alojamento Local, o Uniplaces e a Gentrificação de Lisboa e Porto estão a destruir as cidades

Não aos Serviços de Valor Acrescentado nas Facturas de Comunicações !

Movimento informal de cidadãos contra os abusos dos SVA em facturas de operadores de comunicações

Vizinhos de Alvalade

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos de Alvalade

anExplica

aprender e aprendendo

Subscrição Pública

Plataforma independente de participação cívica

Rede Vida

Just another WordPress.com weblog

Vizinhos do Areeiro

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos do Areeiro

MDP: Movimento pela Democratização dos Partidos Políticos

Movimento apartidário e transpartidário de reforma da democracia interna nos partidos políticos portugueses

Operadores Marítimo-Turísticos de Cascais

Actividade dos Operadores Marítimo Turísticos de Cascais

MaisLisboa

Núcleo MaisDemocracia.org na Área Metropolitana de Lisboa

THE UNIVERSAL LANGUAGE UNITES AND CREATES EQUALITY

A new world with universal laws to own and to govern all with a universal language, a common civilsation and e-democratic culture.

looking beyond borders

foreign policy and global economy

O Futuro é a Liberdade

Discussões sobre Software Livre e Sociedade

%d bloggers like this: