O Referendo da IVG: 1º Argumento (a fertilização In Vitro)

“Em 1978, o nascimento de Louise Brown levantou uma nova questão em relação ao estatuto da vida humana nos seus primórdios. Louise Brown foi o primeiro ser humano a nascer a partir de um embrião fertilizado no exterior do corpo humano. O êxito de Robert Edwards e Patrick Steptoe ao demonstrarem a possibilidade de fertilização in vitro (FIV) assentou em vários anos de experiências com embriões humanos – nenhum dos quais sobreviveu. A FIV constitui hoje um modo de proceder rotineiro para certos casos de infertilidade e deu origem a milhares de bebés saudáveis. No entanto, para se chegar a este ponto, muitos mais embriões tiveram de ser destruídos no decurso de experiências científicas.”
página 156

Ética Prática, Peter Singer, Gradiva, Lisboa, 2002.

É por esta razão que quem realizou, realiza, ou antevê realizar a breve prazo um processo de fertilização In Vitro não pode – em plena consciência – ser um opositor do “Sim” ao Referendo… Todas as fertilizações (FIV) contemplam sempre (se forem bem sucedidas) e necessariamente a produção de vários embriões que são depois destruídos ou armazenados, e nada distingue estes embriões daqueles que persistem no interior do ventre materno, com excepção do local onde são inseridos ou não…

Ou seja, é moralmente incompatível defender a “santidade” do embrião no sentido em que este deve ser preservado a todo o custo e que é já um “ser humano” e depois praticar a FIV… Alimentar esta contradição é como votar “Não” e participar na Campanha pelo “Não” e depois, fazer parte daquela lista de duas mil mulheres que vão abortar a Badajoz todos os anos…

Qual será o seu sentido de voto a 11 de Fevereiro?
1) Sim
2) Não

View Results

Categories: A Escrita Cónia, Livros, Referendo da IVG, Sociedade Portuguesa | 3 comentários

Navegação de artigos

3 thoughts on “O Referendo da IVG: 1º Argumento (a fertilização In Vitro)

  1. Eu nem sou tão rebuscado nos meus argumentos. Respeito e acredito nas mulheres o suficiente para escolherem. (sei que nunca é uma escolha fácil para nenhuma delas).
    abraço

  2. Aconselho, se me permite, a seguinte leitura:

    Click to access 52455250.PDF

  3. Estou contigo nesta questão, como de certeza já reparaste pelo meu blog. Continuo a não compreender como se pode defender o indefensável para manter uma lei que já se viu que não serve. Eu sou contra o aborto, mas voto sim, pois sou a favor da liberdade de escolha e quero que o flagêlo do aborto clandestino seja reduzido a um mínimo. Esta atirar de areia para os olhos e mudança das regras do jogo a meio do mesmo são um sinal de desespero, de quem já não tem argumentos… Onde andaram estas medidas propostas agora pelos defensores do não, nos últimos 8 anos???
    Um Abraço.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

Create a free website or blog at WordPress.com.

Eleitores de Portugal (Associação Cívica)

Associação dedicada à divulgação e promoção da participação eleitoral e política dos cidadãos

Vizinhos em Lisboa

A Vizinhos em Lisboa tem em vista a representação e defesa dos interesses dos moradores residentes nas áreas, freguesias, bairros do concelho de Lisboa nas áreas de planeamento, urbanismo, valorização do património edificado, mobilidade, equipamentos, bem-estar, educação, defesa do património, ambiente e qualidade de vida.

Vizinhos do Areeiro

Núcleo do Areeiro da associação Vizinhos em Lisboa: Movimento de Vizinhos de causas locais e cidadania activa

Vizinhos do Bairro de São Miguel

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos

TRAVÃO ao Alojamento Local

O Alojamento Local, o Uniplaces e a Gentrificação de Lisboa e Porto estão a destruir as cidades

Não aos Serviços de Valor Acrescentado nas Facturas de Comunicações !

Movimento informal de cidadãos contra os abusos dos SVA em facturas de operadores de comunicações

Vizinhos de Alvalade

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos de Alvalade

anExplica

PEDAÇOS DE SABER

Subscrição Pública

Plataforma independente de participação cívica

Rede Vida

Just another WordPress.com weblog

Vizinhos do Areeiro

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos do Areeiro

MDP: Movimento pela Democratização dos Partidos Políticos

Movimento apartidário e transpartidário de reforma da democracia interna nos partidos políticos portugueses

Operadores Marítimo-Turísticos de Cascais

Actividade dos Operadores Marítimo Turísticos de Cascais

MaisLisboa

Núcleo MaisDemocracia.org na Área Metropolitana de Lisboa

THE UNIVERSAL LANGUAGE UNITES AND CREATES EQUALITY

A new world with universal laws to own and to govern all with a universal language, a common civilsation and e-democratic culture.

looking beyond borders

foreign policy and global economy

<span>%d</span> bloggers like this: