Daily Archives: 2006/12/01

Do Tributo aos novos “Bárbaros Germânicos”

Quando num dos últimos dias vi na televisão várias reportagens sobre os tais 120 a 160 jovens da Quinta do Mocho, em Loures, que a Polícia tinha que escoltar todos os dias depois do fim das aulas, até casa, de forma a limitar os desacatos, insultos e roubos que essa turba ía espalhando até chegar a casa vi também uma daquelas “reportagens de fundo” com que as televisões nos brindam quando acham que um dado tema merece ser aprofundado. E, de facto, este merece…

Nessa “reportagem de fundo” o repórter da SIC abordou um grupo de uns 10 a 15 jovens africanos com idades entre os 16 eos 23 anos e perguntou-lhes qual achavam eles que seria a solução para este problema. Estes jovens (aparentemente desocupados em plena tarde de um dia de semana) mencionaram que queriam que os ajudassem com um “projecto musical”. Parece que queriam que alguém (o Estado ou a Câmara Municipal) lhes pagasse uma verba para financiar a formação e sustento de um grupo musical.

Deixa ver se percebo. Segundo os ditos desocupados, o Estado, isto, é os nossos impostos, devia reservar fundos para impedir que estes senhores andem nas ruas a roubar e a traficar, pagando-lhes um tributo para que se mantenham afastados da propriedade alheia? Os tipos não reclamavam auxílio para criarem empresas, para empreenderem uma qualquer actividade produtiva ou comercial, não, queriam dinheiro para financiar um “projecto musical”, que os entretesse e os mantivesse longe da criminalidade.

Mas isso não é pagar um Tributo?

Alguém se lembra o que aconteceu a Roma depois desta ter pago tributo atrás de tributo aos bárbaros visigodos, alanos, alamanos, burgúndios, suevos e vândalos, entre muitos outros?

Estaremos nós a pagar novos tributos a novos “bárbaros germânicos” em troca de uma frágil e precária paz social?

Categories: A Escrita Cónia, Sociedade Portuguesa | 12 comentários

Os caças-foguete sem piloto: Donner e Krache

O caça-foguete controlado por radio era um dos objectivos mais importantes para Goering desde que se tornou manifesta a superioridade aérea dos aliados sobre os céus da Alemanha. A resposta aos insistentes pedidos do Reichsmarshall por um Raketenflugzeuge ohne Pilote (caça-foguete sem piloto) tomou corpo no Donner e no Krache com a mesma forma do Me 163 Komet.

O Donner tinha 480 cm de comprimento e estava armado com 8 foguetes não guiados R4M. O Krache transportava um canhão de tiro rápido MG 213/C.30. O primeiro aterraria sob um esqui, enquanto o segundo uma vez esgotado o seu combustível deveria chegar ao solo por um paraquedas. Ambos os aparelhos eram controlados a partir de uma estação terrestre. No início de 1945, o O.B.F. tinha terminado os ensaios com os primeiros vinte modelos de pré-produção. Mas estes tinham mostrado que a excessiva manobralidade dos aparelhos prejudicava a eficiência do aparelho, sendo muito difícil controlar os aparelhos com a deficiente imagem televisiva que aparecia no monitor do operador. Adicionalmente, o mecanismo de tiro também era afectado pelas altas velocidades dos aparelhos pelo que se decidiu instalar um sistema de tiro automático, que em Março de 1945 estava a dois meses do primeiro ensaio.

Categories: As "Armas Secretas" da Alemanha Nazi | Deixe um comentário

sQuid S1-3: Onde fica este monumento?

s5-26.jpg Continuar a ler

Categories: Delírios, sQuids S1 | 8 comentários

Quids S5-14: Que avião é este?

5551.jpg

Dificuldade: 5

Regulamento:

1. Cada participante pode dar uma resposta antes da minha réplica, confirmando ou não a correcção da mesma.

2. Sempre que fôr desejável, ou que o Quid se revele mais difícil que o esperado podem ser dadas ajudas, sempre uma de cada vez e com facilidade crescente. As ajudas não diminuem a pontuação do Quid.

3. Haverá um Quid por dia, lançado entre as 12:30 e as 14:30 (salvo imprevistos!) de Segunda a Sexta.

4. Os Quids da Série terminam quando um dos participantes alcançar 50 pontos.

5. Cada Quid conterá uma cópia deste Regulamento.

Categories: As Ilhas Míticas do Atlântico, Quids S5 | 7 comentários

Sobre as fotografias de um feto sendo confeccionado e comido por um chinês

Quando vi estas chocantes imagens no Ideias Fixas 2 fiquei simultaneamente paralisado pelo horror e descrente sobre a veracidade das mesmas. Intrigado com aquilo comecei a pesquisar sobre o tema e sobre as origens das fotografias…

Descobri que elas começaram por circular numa corrente de e-mail onde se dizia que “bébes mortos podiam ser comprados em hospitais de Taiwan por 70 dólares cada para serem usados na culinária chinesa“. Este mail, tanto quanto sei não teve ainda uma versão portuguesa, mas há-de cá chegar… Estou certo…

Em primeiro lugar, Taiwan (Formosa) não é a China (a PRC do Outsider)… Depois procurei saber se na estranha e tantas vezes desconfortável culinária chinesa existem ou existiram pratos confeccionados a partir de fetos humanos. E não… Nunca tal existiu ou existe, tirando eventuais casos de doença mental, mas destes… Temos em todas as culturas, em idêntica proporção.

Ao longo da História, várias culturas acusaram os seus inimigos de comerem bébes… Eu próprio recordo-me de nos finais da década de 70 alguns párocos do Norte do país dizerem que “os comunistas comiam criancinhas” e de ver senhoras idosas a acreditarem piamente nessas mentiras absurdas… No passado, os romanos acusam os judeus de comerem fetos, os cristãos as bruxas, os ingleses os aborígenes, etc, etc.

Estas fotografias começaram a circular na Internet em Dezembro de 2000, por correio electrónico e apareceram pouco depois no site Chinese-art.com como tendo sido o produto da criação artística de um artista conceptual chinês de nome Zhu Yu:
(que é este tipo aqui)

Aparentemente, este artista conceptual chinês (se é que merece o nome de “artista”) trabalhou numa série de obras designadas como “Eating People” cujas fotografias foram expostas na Bienal de Shangai de 2000, até ser expulso da mesma pelos organizadores da Bienal. Nestas fotografias, o artista aparecia comendo o que parecia ser uma criança, aparentemente depois de a ter cozinhado, conforme documentariam as imagens que apareceram no blog do Sá Morais e da Pandora.

Estas fotografias já foram inclusivamente investigadas pelo FBI e pela Scotland Yard, desde que foram emitidas pelo Channel 4 britânico num documentário sobre a arte moderna chinesa emitido em 2003.

Embora Yu alegue ter usado um feto abortado que roubou de uma escola médica para fazer as fotografias do Sá Morais e da Pandora nas fotografias em que aparece a comer o feto utilizou uma cabeça de boneca no topo do corpo de um pato (ver AQUI).

Ou seja… Trata-se do trabalho de um artista conceptual extremamente polémico, até na China, e de aparente péssimo gosto e derespeito pela Humanidade e Decência.

Mas não provam que na China se comem crianças.

 

Fontes:

http://urbanlegends.about.com/library/weekly/aa080601a.htm

http://en.wikipedia.org/wiki/Zhu_Yu

http://news.sky.com/skynews/article/0,,30100-12214193,00.html

http://www.snopes.com/horrors/cannibal/fetus.htm

Categories: Hoaxes e Mitos Urbanos | 77 comentários

A Igreja Católica dos EUA faz Outsourcing de missas para a Índia


Imagem: http://www.incredibleindiatravel.com

A Igreja Católica dos EUA deslocalizou as suas orações para a Índia. Os seus sacerdotes rareiam cada vez mais nos Estados Unidos, e, para responder às necessidades dos seus crentes, a Igreja subcontratou a Igreja Católica de Kerala, na Índia, para fazer por si intenções de missa. Os pedidos chegam à Índia por correio ou pela mão de eclesiásticos que viajam para a Índia. As missas são rezadas em malayalam, a língua da região e custam cinco vezes mais do que as pedidas por naturais mas representam já uma importante fonte de recursos para a fraca Igreja Católica indiana que agrupa apenas pouco mais de 2% da população indiana, na sua maioria concentrados em Kerala.

Nas Igrejas de Kerala, missas em memória de falecidos e de acção de graças custam 90 cêntimos para residentes locais, mas para residentes nos Estados Unidos os preços sobreem até aos cinco dólares.

 

 

Fontes:

http://www.rationalistinternational.net/archive/en/rationalist_2006/154.html

http://www.ywam.org/wcn/christian_world/default.htm

Categories: Humor, Sociedade, Wikipedia | 4 comentários

Create a free website or blog at WordPress.com.

Eleitores de Portugal (Associação Cívica)

Associação dedicada à divulgação e promoção da participação eleitoral e política dos cidadãos

Vizinhos em Lisboa

A Vizinhos em Lisboa tem em vista a representação e defesa dos interesses dos moradores residentes nas áreas, freguesias, bairros do concelho de Lisboa nas áreas de planeamento, urbanismo, valorização do património edificado, mobilidade, equipamentos, bem-estar, educação, defesa do património, ambiente e qualidade de vida.

Vizinhos do Areeiro

Núcleo do Areeiro da associação Vizinhos em Lisboa: Movimento de Vizinhos de causas locais e cidadania activa

Vizinhos do Bairro de São Miguel

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos

TRAVÃO ao Alojamento Local

O Alojamento Local, o Uniplaces e a Gentrificação de Lisboa e Porto estão a destruir as cidades

Não aos Serviços de Valor Acrescentado nas Facturas de Comunicações !

Movimento informal de cidadãos contra os abusos dos SVA em facturas de operadores de comunicações

Vizinhos de Alvalade

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos de Alvalade

anExplica

aprender e aprendendo

Subscrição Pública

Plataforma independente de participação cívica

Rede Vida

Just another WordPress.com weblog

Vizinhos do Areeiro

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos do Areeiro

MDP: Movimento pela Democratização dos Partidos Políticos

Movimento apartidário e transpartidário de reforma da democracia interna nos partidos políticos portugueses

Operadores Marítimo-Turísticos de Cascais

Actividade dos Operadores Marítimo Turísticos de Cascais

MaisLisboa

Núcleo MaisDemocracia.org na Área Metropolitana de Lisboa

THE UNIVERSAL LANGUAGE UNITES AND CREATES EQUALITY

A new world with universal laws to own and to govern all with a universal language, a common civilsation and e-democratic culture.

looking beyond borders

foreign policy and global economy

O Futuro é a Liberdade

Discussões sobre Software Livre e Sociedade