Réplica a “Mim Me Parece” sobre a evolução do Crescimento do PIB em Portugal desde o final da Segunda Grande Guerra

Pediu-me o Kaos que respondesse ao “anónimo” (“a mim não me parece”) que a um comentário meu no Blog do Kaos onde escrevi:

” Mim Me Parece said…

Disse o Rui Martins aqui em comentário que o Cherne, ao dar o apoio de Portugal à invasão do Iraque pelos USA e pela Inglaterra, lançou ” … o País na maior crise desde 1943…”.

Na maior crise desde 1943? Qual foi a crise de 1943? Terá sido não termos entrado na II Grande Guerra? Como o Rui Martins diz que a História e a Política Nacional são áreas do seu interesse, certamente que não seria apenas eu a aprender algo com ele se se dignasse partilhar connosco esse seu conhecimento histórico. Antecipadamente grato.”

Caro “A Mim não me parece”, não pense que não acuso o toque do “dignasse partilhar connosco”… Mas não vou perder tempo com picardias estéreis e passarei logo ao que interessa:

Óbviamente, nunca disse que o “apoio de Portugal à invasão do Iraque” teve algo a ver com a crise económica… Isso só você é que escreveu, eu não…

O meu comentário completo era este:

“isto assim, até parece que a Invasão do Iraque foi feita no cumprimento do mandato divino que exigia a colocação do providencial Fujão Barroso em Bruxelas.

Assim, morrem no Iraque todos os dias entre 70 a 120 civis e entre 2 a 5 militares das forças ocupação apenas para que Fujão pudesse ter chegado onde chegou e tivesse desertado deste país, deixando-os aqueles que o elegeram (Moi? Non!) abandonados e o País na maior crise desde 1943…”

Aqui o essencial a reter é que o Governo Durão Barroso correspondeu a um dos períodos de menor crescimento ou mesmo de nítida retracção do PIB!

Durão (Fujão) Barroso governou este país de 6 de Abril de 2002 até à sua demissão e fuga dourada para Bruxelas em 17 de Julho de 2004 (1). Durante os anos de 2002 a 2004, esta foi a evolução do crescimento/retracção do PIB (2):

2002: 0,8%

2003: -1,1%

2004: 1,2%

(Já fora de contexto, mas apenas como nota informativa saiba-se que este crescimento do PIB foi em 2005, de 0,4% e em 2006 de 1,2%)

Ou seja, 2003, foi de 2002 a 2006 o pior ano económico português… O único em que houve efectivamente recessão… E isto precisamente durante o Mandato Fujão.

Recuando até à década de noventa constatamos que Portugal nesses anos esteve sempre acima da média de crescimento do PIB da União Europeia, descendo abaixo deste apenas durante o consulado Barroso (3).

Nos primeiros cinco anos da década de 80, o crescimento do PIB rondou uma média de 1% por ano, e 4% entre 1985-1990 (5).

Portugal cresceu a uma média de 1% nos primeiros cinco anos da década de 80 e a uma média de 4% na segunda metade desta década (5).

Entre 1977 e 1980, O PIB português cresceu a uma média de 5% ao ano, e isto apesar das despesas criadas pela reabsorção de um milhão de retornados da antigas colónias (um processo onde aliás Portugal se saiu com um brilhantismo notável) e do pesado impacto da Crise Petrolífera. Este crescimento médio de 5% do PIB manter-se-ía aliás entre 1986 e 1991 (4). (Nota: curiosamente estes foram sempre anos de déficits orçamentais elevados… -4% e -9% no primeiro período, e -2% e 6% no segundo). O crescimentm médio do PIB entre 1973 e 1998 foi de 2,33% ao ano.

Na década de 60, o crescimento do PIB rondou os 6%, sendo o crescimento médio dos anos 1950-1973 de uns confortáveris 5,66% (5).

Recuando um pouco mais, até ao período de 1946 e 1958, encontramos um crescimento do PIB de 4%, embora com alguma instabilidade (5).

Nem mesmo durante os piores anos da Segunda Grande Guerra Portugal conheceu níveis de retracção do PIB tão altos… É certo que Durão não pode ser responsabilizado sózinho por esta situação… Desde Soares que se gabava de “não saber nada de Economia” e que chefiou governos durante a primeira metade da década de 80 (crescimento médio do PIB de apenas 1%), a Cavaco que fez explodir a Função Pública e a Despesa do Estado a Guterres que aumentou o tamanho da bolha pela sua inacção, todos os grandes tiveram a sua parcela de responsabilidade na presente situação…

Anúncios
Categories: A Escrita Cónia, Economia, História, Sociedade Portuguesa, Websites | 4 comentários

Navegação de artigos

4 thoughts on “Réplica a “Mim Me Parece” sobre a evolução do Crescimento do PIB em Portugal desde o final da Segunda Grande Guerra

  1. Obrigado Rui pela tua resposta. Vou colocar o link para aqui nos meus comentários.
    Obrigado

  2. Bingo! Isto é o que eu chamo um banho de História – e não a banhada que ainda há quem nos queira fazer acreditar!
    Abraço!

  3. Mas porquê relembrar esse “senhor”, quando há figuras políticas tão mais interessantes? …algures.

  4. kaos: e como recusar um favor a um amigo?… é óbvio que tive que responder ao homem.

    kaotica: toda esta informação está ao alcance de uma busca do Google… Não ver o
    desastre que foi esse governo Fujão Barroso é a mesma coisa que insistir em votar em Santanaz depois daqueles 4 meses de galhofa e pesadelo… mas houve quem votasse!

    JG: porque parece que ele se prepara para regressar em “Grande”… Logo para Presidente da República, já fez o bicho constar… Eis o porquê de manter a viva a memória…

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

Create a free website or blog at WordPress.com.

Eleitores de Portugal (Associação Cívica)

Associação dedicada à divulgação e promoção da participação eleitoral e política dos cidadãos

Vizinhos em Lisboa

A Vizinhos em Lisboa tem em vista a representação e defesa dos interesses dos moradores residentes nas áreas, freguesias, bairros do concelho de Lisboa nas áreas de planeamento, urbanismo, valorização do património edificado, mobilidade, equipamentos, bem-estar, educação, defesa do património, ambiente e qualidade de vida.

Vizinhos do Areeiro

Núcleo do Areeiro da associação Vizinhos em Lisboa: Movimento de Vizinhos de causas locais e cidadania activa

Vizinhos do Bairro de São Miguel

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos

TRAVÃO ao Alojamento Local

O Alojamento Local, o Uniplaces e a Gentrificação de Lisboa e Porto estão a destruir as cidades

Não aos Serviços de Valor Acrescentado nas Facturas de Comunicações !

Movimento informal de cidadãos contra os abusos dos SVA em facturas de operadores de comunicações

Vizinhos de Alvalade

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos de Alvalade

anExplica

aprender e aprendendo

Subscrição Pública

Plataforma independente de participação cívica

Rede Vida

Just another WordPress.com weblog

Vizinhos do Areeiro

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos do Areeiro

MDP: Movimento pela Democratização dos Partidos Políticos

Movimento apartidário e transpartidário de reforma da democracia interna nos partidos políticos portugueses

Operadores Marítimo-Turísticos de Cascais

Actividade dos Operadores Marítimo Turísticos de Cascais

MaisLisboa

Núcleo MaisDemocracia.org na Área Metropolitana de Lisboa

THE UNIVERSAL LANGUAGE UNITES AND CREATES EQUALITY

A new world with universal laws to own and to govern all with a universal language, a common civilsation and e-democratic culture.

looking beyond borders

foreign policy and global economy

O Futuro é a Liberdade

Discussões sobre Software Livre e Sociedade

%d bloggers like this: