Daily Archives: 2006/11/21

A NASA perdeu o contacto com a Mars Global Surveyor

A sonda “Mars Global Surveyor” da NASA perdeu o contacto com a Terra. Desde há cinco dias consecutivos que a sonda não comunica com a Estação da NASA, depois de ter realizado um ajustamento de rotina dos seus painéis solares.

Em 2 de Novembro, a sonda tinha já tido um problema ao ajustar a posição dos painéis solares para recolher mais eficientemente os raios solares. Na altura, a NASA resolveu a situação ligando os motores e circuitos de controlo de backup e desligando os principais. Depois da sonda ter estado silenciosa durante os dias 3 e 4 de Novembro, a 5 a NASA ouviu um sinal muito fraco, indicando que Sonda estava em “Safe Mode”, mas pouco depois o sinal desaparecia…

Fonte: Space.com

Anúncios
Categories: SpaceNewsPt | 2 comentários

Henschel Hs 294

Os primeiros planos para a bomba guiada Hs 294 datam de começos de 1941. Partindo da Hs 293 C a Henschel construiu uma versão mais pesada e que obrigava à instalação de dois motores 109-507D. Foram construídas 20 Hs 294 V1, 40 a 80 Hs 294 A-0, 45 Hs 294 V2 e 20 Hs 294 D guiadas por televisão.

À semelhança de quase todos os outros modelos, as bombas deviam ser lançadas de Heinkel 177s e Junkers Ju 290, mas cedo se constatou que nenhum desses bombardeiros cumpria os requisitos mínimos pelo que o projecto acabou por ser primeiro congelado e depois definitivamente cancelado.

Categories: As "Armas Secretas" da Alemanha Nazi | Deixe um comentário

A Saab testa com sucesso a integração do IRIS-T com o Saab Gripen

A Saab testou com sucesso o míssil sueco IRIS-T testando a sua integração com o caça sueco Gripen.

Segundo Henrik Hojer da Saab Aerossytems: “Os testes foram um marco importante para o programa Gripen. O IRIS-T é um programa de colaboração com vários países europeus na área dos mísseis, onde a Saab tem um papel de liderança na integração com sistemas futuros de mísseis“.

O míssil IRIS-T é uma arma ar-ar desenvolvida para os caças de próxima geração substituirá na Europa o míssil Sidewinder num futuro próximo. O seu desenvolvimento está a decorrer simultaneamente na Alemanha, Grécia, Itália, Suécia, Noruega e Espanha e quando a sua produção estiver no auge estimasse que mais de quatro mil unidades tenham sido construídas.

Fonte: SpaceWar

Categories: DefenseNewsPt, O Código da Vinci | 7 comentários

A Cap Gemini produziu um estudo, por encomenda do próprio governo, concluindo que o Estado paga menos que o sector privado das grandes empresas

Conforme se cita AQUI,pelas bandas do “Puxa Palavra”: “a comunicação social de hoje, a Cap Gemini produziu um estudo, por encomenda do próprio governo, concluindo que o Estado paga menos que o sector privado das grandes empresas.” Algo que viria em contracorrente em relação a outros estudos que colocam o nível salarial médio dos trabalhadores do Estado muito acima da média dos Privados

Sim, mas das “grandes empresas” e sabe-se que em Portugalç são precisamente as PMEs as maiores fontes de Emprego, e que nestas, as médias salariais são inferiores às médias do Estado… É também certo que as nossas PMEs empregam poucos licenciados, ao contrário do Estado e das Grande Empresas.

Aliás, esta seria a minha primeira conclusão: Existe uma ligação entre nível remuneratório e formação académica, e isto apesar da explosão do número de licenciados nos centros de (des)emprego, provocados sobretudo por inadequação da oferta de cursos universitários em relação ao mercado de trabalho.

Categories: A Escrita Cónia, Sociedade Portuguesa | 6 comentários

A Língua Cónia: O Mito do “Caucasiano Branco”

J. F. Blumenbach (1752-1840) teria sido o primeiro a usar o termo “caucasiano” quando na tese que apresentou na Universidade de Göttingen afirmou que existia apenas uma espécie humana, divida em cinco variedades: caucasianos, mongóis, etíopes (incluindo neste termo todos os africanos), americanos, e malaios (onde agregava todos os habitantes das ilhas do Pacífico e da Oceânia). Blumenbach escolheu o Cáucaso seguindo a opinião corrente de que era nas montanhas do Cáucaso que habitavam a raça mais bela e bem proporcionada, referindo-se nomeadamente os georgianos que habitavam no Sul dessa antiga república soviética. O fundador da antropologia física acreditava ser este o local onde tivera origem a espécie humana e a partir do qual teria irradiado a espécie humana.

Actualmente é ainda frequente o uso da expressão “caucasiano” para designar a raça branca europeia. Mas Ripley, no seu “Races of Europe” esclarece a questão: “o flagrante absurdo do mal-nomeado Caucasiano, aplicado aos arianos de olhos azuis e cabelo claro torna-se evidente através de dois factos inegáveis. Em primeiro lugar, o tipo ideal louro não ocorre em torno do Cáucaso; e, em segundo lugar, em nenhum sítio da grande cadeia montanhosa do Cáucaso existe uma única tribo falando uma linguagem ariana.” Embora o trabalho deste autor não se distinga particularmente pela sua actualidade, toca aqui num ponto essencial: os caucasianos “brancos” são apenas um mito oriundo das especulações racistas do século XIX e que não encontrou nunca bases etnológicas ou arqueológicas. Na verdade, é muito provável que os cónios tivessem mais traços negróides na sua fisionomia do que “caucasianos”… Aliás, os únicos caucasianos da Europa serão provavelmente os bascos e não os louros e altos nórdicos e germânicos. Por muito que esta identificação africana possa chocar muitos dos nossos historiadores (e Mendes Correia, que pretendia colocar os lusitanos como celtas/arianos de sangue puro), esta é muito provável e concorda com a presença dos chamados “negritos do Sado” e com os mais recentes trabalhos de genética desenvolvidos em Portugal e por Cavalli-Sforza.

Categories: A Escrita Cónia | 1 Comentário

Quids S5-6: Onde combatem estes homens?

888l.jpg

Dificuldade: 3

 

Regulamento:

1. Cada participante pode dar uma resposta antes da minha réplica, confirmando ou não a correcção da mesma.

2. Sempre que fôr desejável, ou que o Quid se revele mais difícil que o esperado podem ser dadas ajudas, sempre uma de cada vez e com facilidade crescente. As ajudas não diminuem a pontuação do Quid.

3. Haverá um Quid por dia, lançado entre as 12:30 e as 14:30 (salvo imprevistos!) de Segunda a Sexta.

4. Os Quids da Série terminam quando um dos participantes alcançar 50 pontos.

5. Cada Quid conterá uma cópia deste Regulamento.

Categories: As Ilhas Míticas do Atlântico, Quids S5 | 11 comentários

Porque é que os relógios não têm interruptor?

Sabem aquele tique-taque, constante, rítmico elevemente irritante do vosso relógio de mesinha de cabeceira? Aquele som que vos entra pela cabeça dentro e vos recorda que ainda que estejam imersos na penumbra e que os vossos olhos estejam reduzidos a adivinhar formas e contornos que o Mundo existe, está lá fora, e que não estamos num sonho?

Esse mesmo!

Porque não inventam relógios com interruptor que possamos desligar quando melhor nos aprouver? Relógios que possam parar o curso avassalador e esmagador do Tempo, que nos submerge, devora e rodeia de nevoeiros; Relógios que coloquem nas mãos do Homem o controlo dos elementos, do Tempo e da sua Vida.

Porque é que os relógios não têm interruptor?

Categories: Delírios, Quids S4 | 3 comentários

A Língua Cónia: Os Paesuri, uma outra população de língua “Mediterrânica”

Mas os cónios não eram a única população indígena habitando o actual território nacional com uma língua pertencente a este grupo de línguas Mediterrânicas. Segundo F. Russel Cortez também os Paesuri, que viviam no “curso médio do Vouga, desde Lafões até ao Douro” falavam uma língua mediterrânica. A posição geográfica dos Paesuri concorda Tovar, embora Alarcão os desloque para paragens mais nortenhas. Cortez classifica estes Paesuri como um “povo pré-celta pertencente ao substrato mediterrânico da Idade do Bronze”. Infelizmente, a inexistência de testemunhos escritos ou de outros ou de sobrevivências da sua língua coloca esta identificação no campo das hipóteses, prováveis, mas desprovidas de confirmações materiais.

Categories: A Escrita Cónia | Deixe um comentário

Site no WordPress.com.

Eleitores de Portugal (Associação Cívica)

Associação dedicada à divulgação e promoção da participação eleitoral e política dos cidadãos

Vizinhos em Lisboa

A Vizinhos em Lisboa tem em vista a representação e defesa dos interesses dos moradores residentes nas áreas, freguesias, bairros do concelho de Lisboa nas áreas de planeamento, urbanismo, valorização do património edificado, mobilidade, equipamentos, bem-estar, educação, defesa do património, ambiente e qualidade de vida.

Vizinhos do Areeiro

Núcleo do Areeiro da associação Vizinhos em Lisboa: Movimento de Vizinhos de causas locais e cidadania activa

Vizinhos do Bairro de São Miguel

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos

TRAVÃO ao Alojamento Local

O Alojamento Local, o Uniplaces e a Gentrificação de Lisboa e Porto estão a destruir as cidades

Não aos Serviços de Valor Acrescentado nas Facturas de Comunicações !

Movimento informal de cidadãos contra os abusos dos SVA em facturas de operadores de comunicações

Vizinhos de Alvalade

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos de Alvalade

anExplica

aprender e aprendendo

Subscrição Pública

Plataforma independente de participação cívica

Rede Vida

Just another WordPress.com weblog

Vizinhos do Areeiro

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos do Areeiro

MDP: Movimento pela Democratização dos Partidos Políticos

Movimento apartidário e transpartidário de reforma da democracia interna nos partidos políticos portugueses

Operadores Marítimo-Turísticos de Cascais

Actividade dos Operadores Marítimo Turísticos de Cascais

MaisLisboa

Núcleo MaisDemocracia.org na Área Metropolitana de Lisboa

THE UNIVERSAL LANGUAGE UNITES AND CREATES EQUALITY

A new world with universal laws to own and to govern all with a universal language, a common civilsation and e-democratic culture.

looking beyond borders

foreign policy and global economy

O Futuro é a Liberdade

Discussões sobre Software Livre e Sociedade