Do Uso de “Gases Tóxicos” pela Alemanha na Segunda Grande Guerra

Após os atrozes e cruéis efeitos da aplicação dos gases tóxicos durante a Primeira Guerra Mundial, todos os estados, quer os do Eixo, quer os Aliados, cumpriram um acordo nunca passado ao papel que estipulava a sua não utilização no campo de batalha. É certamente devido à existência de um pacto não assinado que nenhum dos lados chegou a empregar durante a Segunda Grande Guerra, gases tóxicos. Apesar disso, ambos os lados desenvolveram as suas investigações, embora nunca estas tenham alcançado um nível minimamente prioritário em relação a outras armas secretas, mereçem pelo menos referência as experiências químicas, negadas por muito tempo pela historiografia soviética, que a Alemanha conduzia desde 1920 na URSS. O trabalho de G. Castellan, no seu excelente “Reichswehr et Armée Rouge, 1920-1939”, demonstra claramente essas mesmas relações. Básicamente estes contactos exprimiam-se pelo intercâmbio de oficiais e técnicos, e, principalmente, pela entrega à Alemanha de campos de treino e ensaio para os armamentos interditos pelo Tratado de Versalhes, a saber: aviões, carros de combate, e, para o que nos interessa: gases de combate. As experiências parecem ter cessado em 1939, fruto da ascensão de Hitler ao poder absoluto. Embora Hitler sempre se tivesse oposto à sua utilização (talvez por ter experimentado pessoalmente os seus efeitos na 1ª Guerra Mundial), ordenou que prosseguissem mas com um baixo nível de prioridade, o que não impediu que em 1944 fosse inventado o Soman (monopinacol-metilfluorofosfato), uma arma temível ainda para os dias de hoje. Além da investigação, a Alemanha também decidiu produzir contingentes de Tabum para usar de a ordem para tal alguma vez viesse, contingentes que seriam capturados pelos soviéticos na Prússia Oriental.

 

Os gases estudados na Alemanha nesse período destinavam-se principalmente a inibir a acção da colinesterasa, resultando numa paralisia neuromuscular e numa consequente depressão dos centros respiratório e circulatório. O primeiro gás de nervos resultante desta investigação foi o Tabum (monoetildimetilamido-cianofosfato), um composto descoberto em 1936. Em 1938 era criado o Sarim, mais tóxico mas menos volátil.

 

Além dos receios de Hitler, motivados pela sua experiência pessoal, outros factores, porventura bem mais importante terão levado ao afastamento dos gases venenosos do Segundo Conflito Mundial. Existia desde logo um grande receio pelas represálias que inevitávelmente haveriam de surgir, e a Alemanha, que perdera a partir de 1943 o domínio dos ares, temia particularmente o seu lançamento sobre as suas cidades. Aliás, no início da guerra, Churchill anunciara que se a Alemanha usasse gases a Grã-Bretanha responderia com ataques semelhantes a cidades alemãs. Estas declarações parecem ter afastado completamente a hipótese de utilização de gases venenosos na Frente Ocidental, mas essa possibilidade parece ter sido seriamente ponderada no Leste, especialmente depois da derrota de Estalinegrado, conforme se pode observar num relatório que o embaixador italiano em Berlim enviou a Mussolini em Fevereiro de 1943: “O Fuhrer tentara na Primavera [de 1943] uma nova ofensiva de grande estilo a Leste. Se esta não der os resultados decisivos que dela esperam, os alemães estão decididos a exterminar o exército russo empregando para isso os gases asfixiantes. Esses gases, de um novo tipo, encerrados em grandes reservatórios, podem ser lançados pela aviação… Têm um formidável poder de destruição e pelo menos durante um ano tornam completamente estéril o chão em que caem. Entre a Rússia e a Alemanha, criar-se-á assim uma zona de demarcação nitidamente demarcada onde a vida dos homens e animais será completamente impossível”.

 

Além do emprego terrestre de gases tóxicos, Hitler numa reunião em que estava presente o Almirante Doenitz comunicou-lhe a sua intenção de ordenar a investigação da sua aplicação marítima, através de duas maneiras:

 

1. Pelo exterior, através do lançamento de obuses sobre os navios-alvo ou através de pulverização;

 

2. Pelo interior, através da perfuração dos cascos e posterior rebentamento de ogivas.

Anúncios
Categories: As "Armas Secretas" da Alemanha Nazi | 21 comentários

Navegação de artigos

21 thoughts on “Do Uso de “Gases Tóxicos” pela Alemanha na Segunda Grande Guerra

  1. preciseiazer um trabalho de gas toxico e axei ese me ajudou mto vlw pessoal

  2. De nada… Obrigado pelas suas amáveis palavras!

  3. Anónimo

    utilizaçaõ durante a primeira guerra

  4. Anónimo

    qual a sua origem do gás tóxico

  5. Anónimo

    qual é seu país

  6. Anónimo

    bibliografia

  7. Anónimo

    nomes de gases
    toxicos

  8. oi tud

  9. ' Carina*_*

    Eu querooo sabeer a origem,as caracteristicas de funcionamento dos gases toxicos na Primeira Guerra

  10. Mah

    Ain, eu queria saber na primeira guerra :S

  11. eu queria saber como era o funcionamento dos gases toxicos o que eles prejudicavam ;s

  12. eu naõ gostei muinto destas informaçao naõ pq que ela nao me ajudaraõ

  13. Esse site e muito grande tem que diminuir os tamnaos
    eu agradeso
    by: carolzinháàáà

  14. matheus

    e a origem dos gases toxicos vc n sito no texto
    isso vai fazer falta no meu trabalho

  15. Fernanda

    no meu trabalho também vai fazer falta a origem!!!

  16. ae no meu trabalho vai fazer muita falta a origem
    ver se coloca ai a origem muitas pessouas estão presisando
    mesmo asssim te de bom tamanho

  17. carlãoooo

    isso ñ mi ajudo em nada.esse texto num fala nada com nada ñ é o resultado da pesquisa vai estudar mais

  18. valeu gostei .

  19. Ótimo post Clavis

  20. Gracielly

    Legal as informações, mas eu precisa sobre a Primeira Guerra Mundial,a origem e as caracteristicas de funcionamento dos gases toxicos… Mas é legal este texto! Valeu!

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

Site no WordPress.com.

Eleitores de Portugal (Associação Cívica)

Associação dedicada à divulgação e promoção da participação eleitoral e política dos cidadãos

Vizinhos em Lisboa

A Vizinhos em Lisboa tem em vista a representação e defesa dos interesses dos moradores residentes nas áreas, freguesias, bairros do concelho de Lisboa nas áreas de planeamento, urbanismo, valorização do património edificado, mobilidade, equipamentos, bem-estar, educação, defesa do património, ambiente e qualidade de vida.

Vizinhos do Areeiro

Núcleo do Areeiro da associação Vizinhos em Lisboa: Movimento de Vizinhos de causas locais e cidadania activa

Vizinhos do Bairro de São Miguel

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos

TRAVÃO ao Alojamento Local

O Alojamento Local, o Uniplaces e a Gentrificação de Lisboa e Porto estão a destruir as cidades

Não aos Serviços de Valor Acrescentado nas Facturas de Comunicações !

Movimento informal de cidadãos contra os abusos dos SVA em facturas de operadores de comunicações

Vizinhos de Alvalade

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos de Alvalade

anExplica

aprender e aprendendo

Subscrição Pública

Plataforma independente de participação cívica

Rede Vida

Just another WordPress.com weblog

Vizinhos do Areeiro

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos do Areeiro

MDP: Movimento pela Democratização dos Partidos Políticos

Movimento apartidário e transpartidário de reforma da democracia interna nos partidos políticos portugueses

Operadores Marítimo-Turísticos de Cascais

Actividade dos Operadores Marítimo Turísticos de Cascais

MaisLisboa

Núcleo MaisDemocracia.org na Área Metropolitana de Lisboa

THE UNIVERSAL LANGUAGE UNITES AND CREATES EQUALITY

A new world with universal laws to own and to govern all with a universal language, a common civilsation and e-democratic culture.

looking beyond borders

foreign policy and global economy

O Futuro é a Liberdade

Discussões sobre Software Livre e Sociedade

%d bloggers like this: