Daily Archives: 2006/09/02

Joaquim Luiz Gomes: “Conflito entre o Trabalho e a Família”

“Na sociedade pós-industrial em que vivemos, são cada vez menos aqueles que têm fronteiras bem definidas entre o trabalho e o resto das suas vidas. Afinal de contas, o relógio de ponto e a semana de quarenta horas servem para estabelecer claramente essa fronteira ao longo do ano. Mas aos chamados “knowledge workers”, se por um lado se lhes atribui autonomia na gestão do seu tempo, por outro exige-se-lhes dedicação total, o que não raro implica semanas de sessenta horas e mais, inúmeros compromissos sócio-laborais, viagens prolongadas, trabalhos de casa, enfim, fronteiras indefinidas entre o trabalho e a família. Nas férias, as ditas fronteiras, restabelecem-se com maior nitidez. Talvez seja por isso que, por um lado, se inventaram as férias repartidas e, por outro lado, as férias estão constantemente a ser interrompidas.

(…)

O conflito entre o trabalho e a família origina custos sociais inquantificáveis, em termos de stress, puro cansaço, divórcios e falta de acompanhamento de dependentes. Há quem atribua as responsabilidades da resolução do conflito aos indivíduos e quem ponha o ónus no sistema. Os primeiros alegam que a solução está em gerirmos melhor o nosso tempo, para sairmos mais cedo do trabalho, ou em adaptarmos soluções de trabalho flexível. Os segundos sustentam que o problema não tem solução porque as empresas se sofisticaram muito a extrair o “surplus value” de que falava Marx.

(…)

As soluções de trabalho flexível, desde o part-time até ao horário flexível e ao local de trabalho flexível passando pela partilha de emprego (“job sharing”), muito raramente as tenho visto implementadas por cá. Mesmo nas latitudes onde têm muito mais expressão do que em Portugal, criou-se um neologismo para designar a carreira dos que optaram por estas soluções, “mommy track” – ou pista das mães. Logo, assume-se que quem adopta estas soluções deixa de poder aspirar aos ligares cimeiros da empresa e, ao tentar resolver o conflito trabalho/família desta forma, abdica voluntária ou involuntariamente da plena realização profissional. Enquanto se descrimina quem adopta formas de trabalho flexível, não podemos dizer que se trata de uma boa solução para o conflito entre o trabalho e a família.

(…)

Essencialmente, tentaram desmontar o pressuposto de que, num mundo global em que a rapidez é um facor crítico de sucesso, quanto mais os colaboradores trabalharem, melhor é o desempenho da empresa. No longo prazo, porque o cansaço e o stress originam rotação indesejável de pessoal.

No curto prazo e em sectores que exigem interaciçro entre trabalhadores criativos, o círculo vicioso de heróis individuais, interrupções constantes e mentalidades de crise, alimentado por um regime de incentivos excessivamente individualista, reduz muito a eficácia do colectivo. Propõem, portanto, uma gestão do tempo focada no colectivo, à La Mourinho, e uma partilha dos ganhos entre empresa e colaboradores.

(…)

Uma das formas de resolver a nível individual o conflito entre o trabalho e a família, sejam quais forem as circunstâncias, é optar decididamente pela família e aceitar os custos em termos de carreira que tal possa acarretar. Afinal, se o trabalho fosse assim tão bom, não nos pagavam.”

Fonte: Revista Atlântico, Agosto de 2006.

Este excelente e contundente artigo coloca precisamente o dedo na ferida: cada vez mais, um número crescente de nós, mas sobretudo aqueles que estão ligados às TI (“Tecnologias de Informação”) vêm mais e mais da sua vida pessoal invadida pelo Trabalho. Desde o terminal Blackberry que nos envia directamente para o “Telemóvel” as mensagens de Exchange do Correio da Empresa, e nos “força” a responder às mesmas quer sejam 23 horas ou 7 da manhã, e que somos forçados – directa ou indirectamente – a carregar connosco durante as férias, até aos telemóveis “pagos” pela Empresa a troco da dúbia vantagem de “estarmos sempre contactáveis”, as empresas encontraram formas de invadir a vida pessoal de muitos dos seus trabalhadores.

Em nome da sacrossanta maximização dos Lucros através da recolha do maior rendimento possível – a curto prazo porque a longo estaremos todos mortos – não se hesita em levar as pessoas até ao limite das suas e mesmo para além dele, desde que um dado projecto ou “cliente” sejam satisfeitos. Mas depois deste ou deste outro… Existe sempre mais um à espera, num ciclo interminável que só cessa, quando o trabalhador encontra um local de trabalho menos esmagador ou… Entra em colapso por via do alcóol, da droga ou do puro e simples… Desespero.

O problema está sem dúvida do lado da Empresa (aqui não partilho das hesitações de Joaquim Gomes), que é forçada pelos accionistas e pela gestão de topo a lucros sempre crescentes e que entra em crise não quando estes cessam, mas quando estes param de crescer. Com efeito, as gestões “modernas” favorecem excessivamente o curto prazo, desprezando o médio e o longo. Assim, não hesitam em “estourar” os seus melhores recursos humanos, desde que isso maximize os lucros no curto prazo. Estes “recursos humanos” (pessoas?) sacrificam assim as suas vidas, famílias, esposas e filhos, rodeiam-se de infelicidade e solidão em troca de benefícios que por vezes não passam de uma “segurança no emprego” fátua e sujeita às flutuações do Mercado…

Anúncios
Categories: A Escrita Cónia, Economia, Sociedade, Sociedade Portuguesa, Websites, Wikipedia | 1 Comentário

“Pessoalmente, não conheço ninguém que tenha morrido de SIDA”

“Pessoalmente, não conheço ninguém que tenha morrido de SIDA”, continua a afirmar Thabo Mbeki, o presidente da África do Sul, um país que já conta com mais de 5 milhões de seropositivos e onde o SIDA faz mais de 600 mortos por dia.

Mbeki tem sido um crítico dos tratamentos da SIDA e defendeu durante muito tempo que a doença não existia, sendo apenas uma invenção do Ocidente e da indústria farmacêutica…

Fonte: The Washington Post, Outubro de 2005. Courier Internacional (Edição Especial Francesa)

Categories: Sociedade, Wikipedia | 7 comentários

Segundo um estudo europeu, as Primaveras estão a chegar cada vez mais cedo…

Um estudo europeu responsabilizou o Aquecimento Global pela antecipação das Primaveras que tem sido observada no Reino Unido nos últimos anos. Depois de reunirem mais de 125 mil estudos diferentes sobre 561 espécies, um painel de cientistas de 17 países concluiu que as Primaveras estavam a conhecer uma antecipação de entre 6 a 8 dias, quando comparadas com o que sucedia há trinta anos atrás. Nalguns locais cobertos pelos estudos, a situação era ainda mais grave. Em Espanha, por exemplo, a antecipação era de duas semanas completas, em vez dos 6 a 8 dias do norte da Europa. De igual modo, o final do Outono está também a acontecer cada vez mais tarde, numa média de três dias adicionais no mesmo período.

O estudo foi publicado no jornal especializado “Global Change Biology” e apresenta provas conclusivas sobre a existência de um fenómeno global de alteração do clima. Segundo afirmou Tim Sparks do “Centre for Ecology and Hydrology” (CEH) do Reino Unido: “não podemos ainda dizê-lo a partir deste estudo, mas os nossos peritos já mostraram que existe uma influência humana discernível no actual aquecimento do clima”.

Fonte: bbc.co.uk/news

Categories: CodeFarmPt, Ecologia | 2 comentários

RepórterGrunho: “A Cultura é a maior arma contra o fascismo”

acultura.JPG

E aliás, contra qualquer forma de totalitarismo, apetece escrever neste cartaz…

Sito num semáforo, junto à Estação da CP de Roma-Areeiro.

Categories: RepórterGrunho | 1 Comentário

Site no WordPress.com.

Eleitores de Portugal (Associação Cívica)

Associação dedicada à divulgação e promoção da participação eleitoral e política dos cidadãos

Vizinhos em Lisboa

A Vizinhos em Lisboa tem em vista a representação e defesa dos interesses dos moradores residentes nas áreas, freguesias, bairros do concelho de Lisboa nas áreas de planeamento, urbanismo, valorização do património edificado, mobilidade, equipamentos, bem-estar, educação, defesa do património, ambiente e qualidade de vida.

Vizinhos do Areeiro

Núcleo do Areeiro da associação Vizinhos em Lisboa: Movimento de Vizinhos de causas locais e cidadania activa

Vizinhos do Bairro de São Miguel

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos

TRAVÃO ao Alojamento Local

O Alojamento Local, o Uniplaces e a Gentrificação de Lisboa e Porto estão a destruir as cidades

Não aos Serviços de Valor Acrescentado nas Facturas de Comunicações !

Movimento informal de cidadãos contra os abusos dos SVA em facturas de operadores de comunicações

Vizinhos de Alvalade

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos de Alvalade

anExplica

aprender e aprendendo

Subscrição Pública

Plataforma independente de participação cívica

Rede Vida

Just another WordPress.com weblog

Vizinhos do Areeiro

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos do Areeiro

MDP: Movimento pela Democratização dos Partidos Políticos

Movimento apartidário e transpartidário de reforma da democracia interna nos partidos políticos portugueses

Operadores Marítimo-Turísticos de Cascais

Actividade dos Operadores Marítimo Turísticos de Cascais

MaisLisboa

Núcleo MaisDemocracia.org na Área Metropolitana de Lisboa

THE UNIVERSAL LANGUAGE UNITES AND CREATES EQUALITY

A new world with universal laws to own and to govern all with a universal language, a common civilsation and e-democratic culture.

looking beyond borders

foreign policy and global economy

O Futuro é a Liberdade

Discussões sobre Software Livre e Sociedade