Portugal vai construir uma das maiores centrais eólicas da Europa

Surgiram ontem diversas notícias em meios de informação internacionais referindo a apresentação de quatro propostas para o desenvolvimento de uma “giant wind farm” de produção de energia eólica.

Aparentemente, dois dos concorrentes são a EDP e a GALP, agindo em consórcio com a Enel italiana e a Iberdrola espanhola (aliás, a maioria operadora de energia eólica do mundo). A proposta vencedora será escolhida até ao final deste ano.

O que é realmente interessante, é que esta megacentral será capaz de gerar 1500 megawatts de potência e que será uma maiores a funcionar em toda a Europa. Esta é claramente uma movimentação na direcção certa na direcção do afastamento da dependência de Portugal das importações energéticas (Portugal é o país europeu onde essa dependência é maior) e uma manobra muito mais segura do que a proposta de construção de uma central nuclear.

Fonte: TerraDaily

Categories: CodeFarmPt, Ecologia, Economia, Websites | 11 comentários

Navegação de artigos

11 thoughts on “Portugal vai construir uma das maiores centrais eólicas da Europa

  1. katy

    podiam publicar na net como e formada uma central eolica…

  2. Golani

    [quote][i] De acordo com a Associação [APREN], a produção de energia eólica em Portugal já assegura cerca de 8% da electricidade consumida anualmente no nosso país, prevendo-se que em 2010 este valor atinja os 15%. (…) A aposta em parques eólicos feita um pouco por todo o país, nos últimos anos, vem-se concretizando aos poucos, permitindo aos consumidores de electricidade [b]libertarem-se [/b]progressivamente do jugo imposto pelos produtores de combustíveis fósseis, refere a mesma fonte.

    Jornal de Negócios[/i]

    [b]Tradução:[/b]

    Custo da produção de 1MWh por aerogerador eólico: 74,0 €
    Custo da produção de 1MWh na rede convencional: 55,8 €
    Libertação = obrigatoriedade de pagar 33% mais caro

    Publicada por Filipe Melo Sousa em 18:10

    http://small-brother.blogspot.com/2007/09/bancarrota-intelectual.html%5B/quote%5D

  3. esses números serão mesmo correctos?… tenho as minhas dúvidas, mas não tenho tempo para investigar…
    mas…
    por acaso tenho em fila um artigo crítico sobre os aerogeradores, mas mais na vertente dos seus problemas de segurança…

    por outro lado, esse preço é baseado nos valores actuais do custo dos combustíveis fósseis, mas espantará alguém se eles chegarem ao quintuplo dos actuais nos próximos 7/8 anos?
    E aí a eólica fica claramente mais vantajosa…
    mesmo admitindo esse números!

  4. Golani

    fala com o tipo no blog dele

    mas umas informações para reflectir ( não é da minha autoria)

    Há vários factores que a maior parte das pessoas desconhece:

    As turbinas eólicas são tecnologicamente muito sofisticadas (materiais, electronica de controlo, etc). Isto torna-as extremamente caras por cada MW que produz (não esquecer a produção “maciça” de GW – giga Watts – que acontece numa só turbina hidráulica – barragens – ou nas turbinas a gás).

    A produção de energia a partir do vento depende da grande aleatoriedade do clima, i.e., não há vento a todo o momento. É normal, embora não se divulgue, um parque eólico só estar em regime de produção máximo muito menos que 10% do tempo (muitas vezes anuncia-se X MW instalados, e na realidade só se produz um X/10 MW). Ora isto introduz um custo por cada MW produzido que à primeira não era visível.

    A aleatoriedade climatérica de que falei há pouco introduz um outro custo oculto: o pesadelo logístico que constitui distribuir a energia que chega à rede dos parque eólicos. Quando estes não existiam, era possível à REN programar um acréscimo de produção de energia eléctrica para as horas de ponta, e diminuir a produção quando não havia necessidade. Actualmente os parques eólicos despejam na rede a potencia que calhar, à hora que calhar.

  5. Golani

    e um artigo saído na Spiegel:

    The Dangers of Wind Power

    By Simone Kaiser and Michael Fröhlingsdorf

    Wind turbines continue to multiply the world over. But as they grow bigger and bigger, the number of dangerous accidents is climbing. How safe is wind energy?

    It came without warning. A sudden gust of wind ripped the tip off of the rotor blade with a loud bang. The heavy, 10-meter (32 foot) fragment spun through the air, and crashed into a field some 200 meters away.

    The wind turbine, which is 100 meters (328 feet) tall, broke apart in early November 2006 in the region of Oldenburg in northern Germany — and the consequences of the event are only now becoming apparent. Startled by the accident, the local building authority ordered the examination of six other wind turbines of the same model.

    The results, which finally came in this summer, alarmed District Administrator Frank Eger. He immediately alerted the state government of Lower Saxony, writing that he had shut down four turbines due to safety concerns. It was already the second incident in his district, he wrote, adding that turbines of this type could pose a threat across the country. The expert evaluation had discovered possible manufacturing defects and irregularities.

    Mishaps, Breakdowns and Accidents

    After the industry’s recent boom years, wind power providers and experts are now concerned. The facilities may not be as reliable and durable as producers claim. Indeed, with thousands of mishaps, breakdowns and accidents having been reported in recent years, the difficulties seem to be mounting. Gearboxes hiding inside the casings perched on top of the towering masts have short shelf lives, often crapping out before even five years is up. In some cases, fractures form along the rotors, or even in the foundation, after only limited operation. Short circuits or overheated propellers have been known to cause fires. All this despite manufacturers’ promises that the turbines would last at least 20 years.

    Gearboxes have already had to be replaced “in large numbers,” the German Insurance Association is now complaining. “In addition to generators and gearboxes, rotor blades also often display defects,” a report on the technical shortcomings of wind turbines claims. The insurance companies are complaining of problems ranging from those caused by improper storage to dangerous cracks and fractures.

    The frail turbines coming off the assembly lines at some manufacturers threaten to damage an industry that for years has been hailed as a wild success. As recently as the end of July, the German WindEnergy Association (BWE) crowed that business had once again hit record levels. The wind power industry expanded by a solid 40 percent in 2006, according to the BWE, and it now provides work for 74,000 people.

    Germany, moreover, is the global leader when it comes to wind power: More than 19,000 windmills now dot the countryside — more than in any other country. Green power has become a point of pride in Germany in recent years, and Environment Minister Sigmar Gabriel would now like to construct vast new wind farms along the country’s North Sea and Baltic Sea coasts.

    No Time for Testing

    Generous government subsidies have transformed wind power into a billion-euro industry within just a few years. Because energy providers have to purchase wind power at set prices, everyone, it seems, wants in.

    But it is precisely the industry’s prodigious success that is leading to its technological shortcomings. “Many companies have sold an endless number of units,” complains engineer Manfred Perkun, until recently a claims adjuster for R+V Insurance. “It hardly leaves any time for testing prototypes.”

    Wind power expert Martin Stöckl knows the problems all too well. The Bavarian travels some 80,000 kilometers (49,710 miles) across Germany every year, but he is only rarely able to help the wind farmers. It is not just the rotors that, due to enormous worldwide demand, take forever to deliver, but simple replacement parts are likewise nowhere to be found. “You often have to wait 18 months for a new rotor mount, which means the turbine stands still for that long,” says Stöckl.

    “Sales Top, Service Flop” is the headline on a recent cover story which appeared in the industry journal Erneuerbare Energien. The story reports the disastrous results of a questionnaire passed out to members of the German WindEnergy Association asking them to rank manufacturers. Only Enercon, based in Germany, managed a ranking of “good.” The company produces wind turbines without gearboxes, eliminating one of the weakest links in the chain.

    Even among insurers, who raced into the new market in the 1990s, wind power is now considered a risky sector. Industry giant Allianz was faced with around a thousand damage claims in 2006 alone. Jan Pohl, who works for Allianz in Munich, has calculated that on average “an operator has to expect damage to his facility every four years, not including malfunctions and uninsured breakdowns.”

    Many insurance companies have learned their lessons and are now writing maintenance requirements — requiring wind farmers to replace vulnerable components such as gearboxes every five years — directly into their contracts. But a gearbox replacement can cost up to 10 percent of the original construction price tag, enough to cut deep into anticipated profits. Indeed, many investors may be in for a nasty surprise. “Between 3,000 and 4,000 older facilities are currently due for new insurance policies,” says Holger Martsfeld, head of technical insurance at Germany’s leading wind turbine insurer Gothaer. “We know that many of these facilities have flaws.”

    Flaws And Dangers

    And the technical hitches are not without their dangers. For example:

    * In December of last year, fragments of a broken rotor blade landed on a road shortly before rush hour traffic near the city of Trier.

    * Two wind turbines caught fire near Osnabrück and in the Havelland region in January. The firefighters could only watch: Their ladders were not tall enough to reach the burning casings.

    * The same month, a 70-meter (230-foot) tall wind turbine folded in half in Schleswig-Holstein — right next to a highway.

    * The rotor blades of a wind turbine in Brandenburg ripped off at a height of 100 meters (328 feet). Fragments of the rotors stuck into a grain field near a road.

    At the Allianz Technology Center (AZT) in Munich, the bits and pieces from wind turbine meltdowns are closely examined. “The force that comes to bear on the rotors is much greater than originally expected,” says AZT evaluator Erwin Bauer. Wind speed is simply not consistent enough, he points out. “There are gusts and direction changes all the time,” he says.

    But instead of working to create more efficient technology, many manufacturers have simply elected to build even larger rotor blades, Bauer adds. “Large machines may have great capacity, but the strains they are subject to are even harder to control,” he says.

    Even the technically basic concrete foundations are suffering from those strains. Vibrations and load changes cause fractures, water seeps into the cracks, and the rebar begins to rust. Repairs are difficult. “You can’t look inside concrete,” says Marc Gutermann, a professor for experimental statics in Bremen. “It’s no use just closing the cracks from above.”

    The engineering expert suspects construction errors are to blame. “The facilities keep getting bigger,” he says, “but the diameter of the masts has to remain the same because otherwise they would be too big to transport on the roadways.”

    Not Sufficiently Resilient

    Still the wind power business is focusing on replacing smaller facilities with ever larger ones. With all the best sites already taken, boosting size is one of the few ways left to boost output. On land at least. So far, there are no offshore wind parks in German waters, a situation that Minister Gabriel hopes to change. He wants offshore wind farms to produce a total of 25,000 megawatts by 2030.

    Perhaps by then, the lessons learned on land will ward off disaster at sea. Many constructors of such offshore facilities in other countries have run into difficulties. Danish company and world market leader Vestas, for example, had to remove the turbines from an entire wind park along Denmark’s western coast in 2004 because the turbines were not sufficiently resilient to withstand the local sea and weather conditions. Similar problems were encountered off the British coast in 2005.

    German wind turbine giant Enercon, for its part, considers the risks associated with offshore wind power generation too great, says Enercon spokesman Andreas Düser says. While the growth potential is tempting, he says, the company does not want to lose its good standing on the high seas.

  6. Golani

    Energia eólica não é competitiva
    Energias renováveis em Portugal.

    Resistência às ventoinhas gigantes em cada monte de Portugal
    A energia eólica é uma energia limpa e barata para a produção de electricidade. Para além disso reduz a nossa dependência de combustíveis fósseis que são importados e contribui para a redução de gases de efeito estufa e outros efeitos adversos de poluição. E os diversos governos dos países europeus e a própria União Europeia promovem e incentivam empresas para a construção de parques eólicos, apoiando as iniciativas com generosos subsídios e enquadramento legislativo favorável. Todas estas afirmações, lugares comuns, quando se trata de energia eólica, estão gradualmente a serem questionadas.

    Uma pequena pesquisa que pode ser efectuada na Internet revela que o impacto da energia eólica no ambiente está longe de ser benigno e o dinheiro investido nessas iniciativas está longe de ter a sua eficiência.

    Um dos problemas mais importantes relacionado com a energia eólica é o da intermitência do vento. A rede eléctrica tem que ajustar-se continuamente ao fornecimento e à procura, para manter a “pressão” (isto é a voltagem) constante no sistema. Quando a procura aumenta o fornecimento tem que aumentar necessariamente e quando a procura baixa o fornecimento tem que também baixar. Mas as turbinas eólicas. como reagem ao vento e não às necessidades da procura, tem que ser consideradas como uma procura variável e não como um fornecedor seguro. A rede eléctrica tem que ajustar assim o fornecimento tanto em função das flutuações do vento como às variações da procura.

    Uma coisa, porém, é a intermitência do vento, outra a sua variabilidade. Enquanto a variabilidade implica uma flutuação em torno de uma certa linha básica (como a variação da procura de electricidade ao longo do dia), a intermitência implica algo que frequentemente começa e para. A energia eólica é portanto tanto intermitente como variável.

    Em relação à “verdade” de que a energia eólica contribui para a redução de gases de efeito estufa, não existe uma evidência que as turbinas eólicas contribuam para uma poupança do CO2. A fonte energética que a energia eólica poderia eventualmente substituir é a energia hídrica (que também é renovável), e esta já é livre de emissões de CO2. As outras energias convencionais não podem ser simplesmente desligadas e substituídas pela energia eólica, por esta ser intermitente e variável, pelo que não existe neste caso uma poupança de CO2.

    O sucesso da energia eólica nos países como Alemanha ou Dinamarca é merecedora de um debate sério, já que nenhum destes países conseguiu reduzir a utilização de outras fontes energéticas ou a emissão dos gases de efeito estufa em consequência da utilização da energia eólica.

    Na Dinamarca, a produção da energia eólica corresponde a 20% da energia utilizada no país. Só que grande parte dessa energia eólica é exportada para a Suécia e a Noruega onde é utilizada nas bombas hidráulicas. Para além disso, grande parte dos parques eólicos dinamarqueses são propriedade das comunidades locais, pelo que, enquanto esses parques são uma fonte de rendimento para essas comunidades, torna-se difícil para os seus proprietários crerem que não estão contribuindo para a produção (diga-se “consumo”) desse tipo de energia. Mesmo assim, nos últimos anos tem-se verificado um significativo decréscimo na construção de parques eólicos onshore na Dinamarca.

    A energia eólica é barata? A construção de um parque eólico industrial custa cerca de um milhão de euros por MW de capacidade. O vento pode ser de borla, mas as torres e as turbinas eólicas tem que ser construídas e mantidas. Para além do que as infraestruturas de transmissão, necessárias para o seu apoio, também têm os seus custos. Para suportar todos esses custos os governos retiram do bolso do contribuinte o dinheiro necessário para pagar a electricidade gerada pelas turbinas eólicas, porque caso contrário a energia eólica não é competitiva.

    Mas então porque é que as organizações ambientalistas são defensoras tão acérrimas da energia eólica? Simplesmente porque acreditam nos seus supostos benefícios. É uma espécie de conforto espiritual crer que existe uma fonte de electricidade benigna que serve para remediar os nossos problemas energéticos. E como a esmagadora maioria de pessoas não foi propriamente ameaçada pessoalmente pelo desenvolvimento da energia eólica, existe pouca propensão pública para questionar essa crença, uma crença que é ainda mais reforçada pelo facto de os governos serem compelidos para a redução das importações de combustíveis ou das emissões de CO2. Para além disso, a grande dimensão das turbinas eólicas industriais tornou-as poderosos ícones, em termos de simbologia de desenvolvimento, no imaginário popular. Os grupos ambientalistas encontram-se assim entalados numa posição pouco agradável de, por um lado terem que apoiar nesta matéria os governos e por outro apoiarem a indústria de energia eólica (geralmente grandes oligopólios energéticos), sublimando assim as “inverdades” da energia eólica.

    Agressões ambientais, e não só, da energia eólica
    As modernas turbinas eólicas têm, em geral, um baixo nível de rotações. Mas mesmo assim as suas 10-20 rpm nas extremidades das pás, dependendo do modelo, têm um impacto significativo nos pássaros e nos morcegos. Esse risco varia, claro, segundo as regiões e as zonas. As aves canoras migram geralmente durante a noite e à baixa altitude, correndo assim sérios riscos de chocarem com as pás. Os responsáveis pelas turbinas eólicas industriais tentam justificar esta ameaça aos pássaros explicando que na realidade eles salvam muitos mais pássaros pelo facto de limparem o ar impedindo assim o aquecimento global. O que é errado já que a energia eólica não substitui outras fontes de electricidade.

    Num estudo elaborado pela Sociedade Portuguesa para o Estudo das Aves (SPEA) afirma-se que os impactes que mais têm interessado o público em geral são a perturbação e o efeito de barreira causados pelos aerogeradores sobre as diversas espécies de aves e a mortalidade destas e de morcegos, devido à colisão com as pás e outras estruturas associadas. Assim, por exemplo, no parque eólico de Fonte dos Monteiros (Vila do Bispo) foi estimada uma mortalidade de 55,77 – 94,56 aves/ano.

    Existem numerosos estudos que revelam por outro lado que o valor das propriedades que circundam um parque eólico baixa significativamente de valor (cerca de 15%) nos primeiros dois anos após a construção do parque, estabilizando-se depois este preço. O que significa que essas propriedades perdem de valor com a vizinhança dos parques.

    Para além do ruído e das vibrações, as torres eólicas industriais estorvam significativamente o valor paisagístico de uma região. Adicionalmente o piscar das lâmpadas de aviso existentes no seu topo perturbam a paisagem mesmo durante a noite.

    Jochen Flasbarth, do Ministério do Ambiente alemão e antigo presidente da organização ambientalista NABU (Naturschutzbund Deutschland e.V). chamou por diversas vezes à atenção do problema da conflitualidade emergente entre a energia eólica e a protecção da natureza, particularmente nos aspectos de estética paisagística e da protecção das aves.

    Zona livre de parques eólicos (ZOLPE)
    Os protestos em Portugal em relação à energia eólica têm sido tíbios mas vão-se avolumando cada vez mais. A maioria prende-se com os impactes visuais negativos e a incidência na protecção da natureza. Como os parques eólicos em Portugal encontram-se localizados normalmente em áreas rurais e áreas de montanha ou costeiras, estas áreas incluem muitas vezes habitates importantes para a conservação da natureza, alguns com elevada sensibilidade ambiental.

    Regra geral, os próprios Estudos de Impacte Ambiental (EIA) que antecedem a instalação dos parques eólicos, enumeram os impactes negativos das instalações, mas tentam relativizar esses impactes com expressões de carácter dubioso. A citação de um EIA, que se segue, revela esta metodologia de branqueamento dos impactes negativos dos parques eólicos. “Com a aplicação de medidas minimizadoras, não haverá efeitos negativos graves sobre o ambiente. Poderá existir perturbação sobre a avifauna e morcegos existentes na zona, pelo funcionamento dos aerogeradores. Os restantes animais, segundo mostra a experiência, adaptam-se, acostumando-se ao ruído. Relativamente aos acidentes de colisão com os aerogeradores, são em número muito reduzido.

    Negativo é o impacte visual na paisagem, com a presença dos aerogeradores. pelo que se recorrerá à sua pintura com tintas sem brilho e revestimento do edifício de comando com material adequado, de modo a permitir a sua integração paisagística. ”

    As resistências a nível local vão-se multiplicando. Segundo o Jornal do Nordeste a proposta inicial do Plano de Ordenamento do Parque Natural de Montesinho não ia permitir a instalação de um parque eólico na serra de Montesinho, onde as pessoas comentavam que “essas torres desvirtuam a paisagem e o barulho das pás a cortar o vento não é propriamente música para os nossos ouvidos” João Peças Lopes, coordenador-adjunto da Unidade de Sistemas de Energia (USE) do INESC Porto, presidente do Júri do Concurso Internacional para Atribuição de 1500 MW de Produção Eólica em Portugal, afirmava em entrevista: “São evidentes as vantagens da energia eólica em termos ecológicos, embora haja ecologistas que estão contra a instalação das torres eólicas, devido ao impacto visual. Há ainda o impacto em termos de ruído e há um impacto na vida animal, como por exemplo, pássaros que ficam perturbados com o barulho das turbinas…. Mas é um preço a pagar”.

    A intenção de instalação de um parque eólico na Serra d’Arga foi contestada por moradores da freguesia da Montaria, Viana do Castelo, que temiam pelo impacto visual e paisagístico das “ventoinhas gigantes”. “Que ninguém venha depois chorar por se ter permitido tal atentado”, referia um morador ao «O Primeiro de Janeiro».

    Devagarinho, essa oposição chega mesmo aos responsáveis políticos ao nível local. Em Caldas de Rainha os vereadores João Aboim, do PSD, e António Galamba e Nicolau Borges, do PS, opuseram-se a uma fase preliminar de construção de parque eólico tendo declarado que “por princípio, votamos contra a instalação de parques eólicos em qualquer zona da orla costeira”.

    Recentemente um abaixo-assinado, que foi sufragado por oitenta por cento da população da Igreja Nova, no concelho de Mafra, exigia a reformulação do plano eólico para a região de Mafra manifestando-se contra a construção do parque eólico do Faião, na freguesia da Terrugem, por os aerogeradores encontrarem-se praticamente no meio das casas.

    A luta contra a construção das turbinas eólicas industriais tem tido cada vez mais sucesso em diversas partes do mundo, desde os Estados Unidos à Austrália. Em Janeiro deste ano, na Alemanha, a população de Bieswang (no Landkreis WeíBenburg-Gunzenhausen) conseguiu, depois de uma dura luta de dois anos, levar a que a (M empresa Windwârts desistisse da construção de um parque eólico na localidade. E neste mês de Abril esperava-se que a população das freguesias de Hausbay, Laudert, Maisborn e Pfalzfeld, na região de Hunsriickhõhe, também na Alemanha, conseguisse impedir a construção de parques nesta região. Os habitantes lutam para que esta região do Reno não perca a sua beleza paisagística, considerando que a construção de parques eólicos representa uma violação da paisagem natural. A população destas aldeias alemãs vai criar nesta região uma zona onde não será permitida a construção de parques eólicos (‘Windradfreie Hunsriickhõhe’). A semelhança de zonas livres da energia nuclear surgiria assim uma ZOLPE (Zona Livre de Parques Eólicos).

    Tecnologias do Ambiente, 5 de Maio de 2007

    INESC Porto – Instituto de Engenharia de Sistemas e Computadores do Porto
    Unidade de Sistemas de Energia

  7. “Um dos problemas mais importantes relacionado com a energia eólica é o da intermitência do vento. A rede eléctrica tem que ajustar-se continuamente ao fornecimento e à procura, para manter a “pressão” (isto é a voltagem) constante no sistema. Quando a procura aumenta o fornecimento tem que aumentar necessariamente e quando a procura baixa o fornecimento tem que também baixar. Mas as turbinas eólicas. como reagem ao vento e não às necessidades da procura, tem que ser consideradas como uma procura variável e não como um fornecedor seguro. A rede eléctrica tem que ajustar assim o fornecimento tanto em função das flutuações do vento como às variações da procura.”
    -> E por essa razão não pode nem deve haver dependência desta fonte energética, complementar pela pp natureza da tecnologia (a inconstância) com outras fontes, como a energia hidríca (muito desaproveitada em Portugal), a de marés (com projectos nacionais muito interessantes), biomassa, solar (onde os avanços tecnológicos sã muito grandes), etc.

    “Em relação à “verdade” de que a energia eólica contribui para a redução de gases de efeito estufa, não existe uma evidência que as turbinas eólicas contribuam para uma poupança do CO2. A fonte energética que a energia eólica poderia eventualmente substituir é a energia hídrica (que também é renovável), e esta já é livre de emissões de CO2. As outras energias convencionais não podem ser simplesmente desligadas e substituídas pela energia eólica, por esta ser intermitente e variável, pelo que não existe neste caso uma poupança de CO2.”
    -> Este argumento é um tanto falacioso… A energia eléctrica produzida nestes geradores entra na rede e pode ser usada em qualquer lado… Até em veículos automóveis eléctricos, quando estes se expandirem. Não tem quer ser um substituto directo de nenhuma outra fonte renovável, como a hidrica.

    “O sucesso da energia eólica nos países como Alemanha ou Dinamarca é merecedora de um debate sério, já que nenhum destes países conseguiu reduzir a utilização de outras fontes energéticas ou a emissão dos gases de efeito estufa em consequência da utilização da energia eólica.”
    -> Pq o consumo de combustível não parou de subir… Não por causa directa da energia eólica. Por isso se fala dos 3 Rs e um deles é “reduzir”. Reduzir ou Extinguirnmo-nos a opção é nossa.

    “Na Dinamarca, a produção da energia eólica corresponde a 20% da energia utilizada no país. Só que grande parte dessa energia eólica é exportada para a Suécia e a Noruega onde é utilizada nas bombas hidráulicas. Para além disso,”
    -> O que é um bom exemplo da rentabilidade destes parques e de como podem tornar um tradicional importador energético, num exportador…

    “grande parte dos parques eólicos dinamarqueses são propriedade das comunidades locais, pelo que, enquanto esses parques são uma fonte de rendimento para essas comunidades, torna-se difícil para os seus proprietários crerem que não estão contribuindo para a produção (diga-se “consumo”) desse tipo de energia. Mesmo assim, nos últimos anos tem-se verificado um significativo decréscimo na construção de parques eólicos onshore na Dinamarca.”
    -> É o modelo ideal. Tornando as comunidades autónomas energéticamente, criando esse padrão e potenciando a criação de riqueza e empregos locais. Se tem havido decréscimo, não será porque o nº de locais adequados disponíveis se aproxima do limite?

    “A energia eólica é barata? A construção de um parque eólico industrial custa cerca de um milhão de euros por MW de capacidade. O vento pode ser de borla, mas as torres e as turbinas eólicas tem que ser construídas e mantidas. Para além do que as infraestruturas de transmissão, necessárias para o seu ”
    -> Os custos de transporte serão menores se fôr mantida a regra de produzir localmente, e consumir localmente
    -> Uma central de carvão ou nuclear tem custos de construção e manutenção por MW mais baixos que a eólica?

    “apoio, também têm os seus custos. Para suportar todos esses custos os governos retiram do bolso do contribuinte o dinheiro necessário para pagar a electricidade gerada pelas turbinas eólicas, porque caso contrário a energia eólica não é competitiva.”
    -> O que depende dos custos dos combustíveis sólidos, claro… Ontem foram batidos recordes históricos (80 dólares o barril) e alguém duvida que com o Pico chegaremos rapidamente a 130 ou 150 dólares?

    “Mas então porque é que as organizações ambientalistas são defensoras tão acérrimas da energia eólica? Simplesmente porque acreditam nos seus supostos benefícios.”
    -> Infelizmente existe muito radicalismo, boa fé cega e alguma devoção emocional e racionalmente cega entre os ambientalistas “profissionais”…

  8. Golani

    ehehe

    EDP ( 20% do Estado + 5% da CGD) acabou por contribuir com cerca de 1/3 para os lucros da Goldman Sachs

    Os resultados do Goldman Sachs subiram 79% no terceiro trimestre do ano, impulsionados pela venda da Horizon Wind Energy à EDP. O Goldman Sachs é, assim, o primeiro banco de Wall Street a apresentar uma subida de lucros neste período. Tanto a Morgan Stanley como a Lehman Brothers registaram uma queda nos resultados.

    No terceiro trimestre do ano, os lucros do Goldman Sachs registaram uma subida de 79% para os 2,85 mil milhões de dólares, ou 6,13 dólares por acção. No mesmo período de 2006, o banco tinha registado um lucro de 1,56 mil milhões de dólares.

    Os analistas contactados pela Bloomberg esperavam um lucro de 4,35 dólares por acção.

    Os resultados do Goldman Sachs foram impulsionados pela venda da Horizon Wind Energy à Energias de Portugal (EDP). A eléctrica portuguesa adquiriu esta empresa de parques eólicos norte-americana por 2,15 mil milhões de dólares no passado mês de Julho.

    Com esta aquisição, o banco registou um ganho de 900 milhões de dólares.

    O Goldman Sachs é, assim, o primeiro banco de Wall Street a apresentar uma subida de lucros neste período. No início desta semana, tanto a Morgan Stanley como a Lehman Brothers anunciaram que os resultados do terceiro trimestre registaram uma queda.

    Ainda hoje, a Bear Stearns vai apresentar os seus resultados trimestrais. Os analistas esperam uma queda de 41% nos resultados.

    in http://www.jornaldenegocios.pt/default.asp?Session=&CpContentId=302667

  9. e o curioso é que o fazem devido a uma empresa portuguesa…
    irónico…
    de qq modo, tenho uma posição muitio crítica quanto à utilidade para a Economia Real destas entidades…

  10. Golani

    quem lhes comprou a empresa por centenas de milhões foi a EDP

    devias-te questionar se a ela vale realmente isso, e se a EDP tomou a melhor opção

  11. e quem diz que não questiono… especialmente sabendo o caos que andam no mundo as empresas produtoras de energia nos EUA…

Deixe uma Resposta para katy Cancelar resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

Create a free website or blog at WordPress.com.

Eleitores de Portugal (Associação Cívica)

Associação dedicada à divulgação e promoção da participação eleitoral e política dos cidadãos

Vizinhos em Lisboa

A Vizinhos em Lisboa tem em vista a representação e defesa dos interesses dos moradores residentes nas áreas, freguesias, bairros do concelho de Lisboa nas áreas de planeamento, urbanismo, valorização do património edificado, mobilidade, equipamentos, bem-estar, educação, defesa do património, ambiente e qualidade de vida.

Vizinhos do Areeiro

Núcleo do Areeiro da associação Vizinhos em Lisboa: Movimento de Vizinhos de causas locais e cidadania activa

Vizinhos do Bairro de São Miguel

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos

TRAVÃO ao Alojamento Local

O Alojamento Local, o Uniplaces e a Gentrificação de Lisboa e Porto estão a destruir as cidades

Não aos Serviços de Valor Acrescentado nas Facturas de Comunicações !

Movimento informal de cidadãos contra os abusos dos SVA em facturas de operadores de comunicações

Vizinhos de Alvalade

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos de Alvalade

anExplica

aprender e aprendendo

Subscrição Pública

Plataforma independente de participação cívica

Rede Vida

Just another WordPress.com weblog

Vizinhos do Areeiro

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos do Areeiro

MDP: Movimento pela Democratização dos Partidos Políticos

Movimento apartidário e transpartidário de reforma da democracia interna nos partidos políticos portugueses

Operadores Marítimo-Turísticos de Cascais

Actividade dos Operadores Marítimo Turísticos de Cascais

MaisLisboa

Núcleo MaisDemocracia.org na Área Metropolitana de Lisboa

THE UNIVERSAL LANGUAGE UNITES AND CREATES EQUALITY

A new world with universal laws to own and to govern all with a universal language, a common civilsation and e-democratic culture.

looking beyond borders

foreign policy and global economy

O Futuro é a Liberdade

Discussões sobre Software Livre e Sociedade

%d bloggers like this: