O Quinto Império: “melting pot”


O multiculturalismo do Quinto Império nada tem que ver com o suposto “melting pot” dos Estados Unidos. Multiculturalismo implica respeito e tolerância pelas culturas alheias e só pode existir respeito e tolerância se existirem culturas exteriores. Roma soube respeitar as culturas dos povos que conquistou tolerando as suas crenças religiosas sempre que estas respeitassem a administração e as leis romanas, o mesmo fizeram os portugueses até ao advento do fanático católico que foi Dom João II. Multiculturalismo não deve ser confundido com aculturação. Uma cultura suficientemente desenvolvida não pode ser fácilmente anulada e se um invasor pretender anular uma determinada cultura de um país estrangeiro que ocupa ou sobre o qual exerce uma forte influência acabará por criar contradições internas nessa cultura tão violentas que forçosamente acabarão por provocar uma explosão de violência, tanto mais intensa, quanto mais forte fôr a tentativa de aculturação.

A riqueza que advém dos intercâmbios culturais só pode existir enquanto existirem culturas diversas que possa interagir e o presente rumo do processo designado de “globalização” tende a anular as diferenças entre culturas, misturando tudo e todos numa amalgama imperceptível e disforme a que os crentes liberais de serviço chamam de “cultura global”, mas que na realidade mais não é do que uma versão abastardada da cultura americana. As crianças etiopes que têm camisolas do Eminen, os nativos que combatem contra o imperalismo javanês em Irian Jaya com espingardas Kalashnikov russas e os índios amazónicos de calções Adidas são alguns dos símbolos desta abastardamento cultural que nos querem impôr como norma e como única via para um futuro que se apresenta cada vez mais incerto e cinzento.

A riqueza que existe na coexistênica pacfica de uma miríade de culturas diferentes é a verdadeira essência de um Quinto Império que não será português, mas universal. O Quinto Império deverá acolher no seu seio um conjunto de nações diferentes e independentes, oriundas de diversos continentes e religiões. Neste aspecto, Portugal ser apenas o percursor de um Quinto Império cujo âmbito se estenderá a todo o planeta Terra, numa verdadeira e perfeita “União Mundial” almejada desde sempre por Alexandre Magno, César e Napoleão, com diversos graus de mérito e honra.

O papel de percursor de Portugal advém da História de Portugal e da marca indelével que deixou no Mundo. Os países que ainda hoje usam o português como língua oficial estão particularmente bem posicionados para se colocarem como pioneiros desse movimento de unificação mundial que será o Quinto Império, única alternativa positiva ao processo neoliberal e ultraconservador que se oculta sob a designação “Globalização”.

Categories: Movimento Internacional Lusófono | 5 comentários

Navegação de artigos

5 thoughts on “O Quinto Império: “melting pot”

  1. Caro Rui Martins
    Vindo do seu outro blog passei por aqui. Interessante. Vou voltar.

  2. Anonymous

    Olá ;-)))))))))))
    Não sabia que existias, que bom já posso ir de férias mais descansado. Smack,
    pyrenaica

  3. Anonymous

    Olha lá, tu é que sabes, mas eu acho que não deves dizer que o etu blogue é apolítico, mas sim apartidário, não?

    Aristóteles: o homem é um animal político…

    Oiço Manu Chau

    Imagina que dantes quando era rapaz conduzia nas auto-estradas a bem mais do que o permitido a ouvir Dead Can Dance

    py

  4. “Apolítico”, porque renega o sistema partidário da chamada “democracia representativa” em que se elejem uns tantos senhores para irem dormir para o parlamento.

    Acredito mais nas virtudes de uma “democracia directa” assente na maior importância dos munícipios frente ao “poder central” (municipalismo) e na existência de referendos electrónicos (via Internet) constantes sobre as decisões mais importantes.

  5. Anónimo

    90’ioçu]]]çl-ç-pç-ojkhmhjkul

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

Create a free website or blog at WordPress.com.

Eleitores de Portugal (Associação Cívica)

Associação dedicada à divulgação e promoção da participação eleitoral e política dos cidadãos

Vizinhos em Lisboa

A Vizinhos em Lisboa tem em vista a representação e defesa dos interesses dos moradores residentes nas áreas, freguesias, bairros do concelho de Lisboa nas áreas de planeamento, urbanismo, valorização do património edificado, mobilidade, equipamentos, bem-estar, educação, defesa do património, ambiente e qualidade de vida.

Vizinhos do Areeiro

Núcleo do Areeiro da associação Vizinhos em Lisboa: Movimento de Vizinhos de causas locais e cidadania activa

Vizinhos do Bairro de São Miguel

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos

TRAVÃO ao Alojamento Local

O Alojamento Local, o Uniplaces e a Gentrificação de Lisboa e Porto estão a destruir as cidades

Não aos Serviços de Valor Acrescentado nas Facturas de Comunicações !

Movimento informal de cidadãos contra os abusos dos SVA em facturas de operadores de comunicações

Vizinhos de Alvalade

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos de Alvalade

anExplica

aprender e aprendendo

Subscrição Pública

Plataforma independente de participação cívica

Rede Vida

Just another WordPress.com weblog

Vizinhos do Areeiro

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos do Areeiro

MDP: Movimento pela Democratização dos Partidos Políticos

Movimento apartidário e transpartidário de reforma da democracia interna nos partidos políticos portugueses

Operadores Marítimo-Turísticos de Cascais

Actividade dos Operadores Marítimo Turísticos de Cascais

MaisLisboa

Núcleo MaisDemocracia.org na Área Metropolitana de Lisboa

THE UNIVERSAL LANGUAGE UNITES AND CREATES EQUALITY

A new world with universal laws to own and to govern all with a universal language, a common civilsation and e-democratic culture.

looking beyond borders

foreign policy and global economy

O Futuro é a Liberdade

Discussões sobre Software Livre e Sociedade

%d bloggers like this: